SlideShare uma empresa Scribd logo

Modelo caso uso

O documento descreve o modelo de casos de uso, incluindo sua notação, objetivo, passos para elaboração e considerações. O modelo especifica os requisitos funcionais do sistema por meio de diagramas de casos de uso que descrevem as interações entre atores e o sistema.

1 de 9
Baixar para ler offline
METDS- Modelo de Casos de Uso 1
Profa. Ana Paula Gonçalves Serra e Prof. André Luiz Ribeiro
METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS
Professores:
Ana Paula Gonçalves Serra
André Luiz Ribeiro
Modelo de Casos de Uso
O modelo de casos de uso é um dos modelos da UML, composto do diagrama de casos de uso
que apresenta um conjunto de casos de uso, atores e relacionamentos, e de um detalhamento do
diagrama de casos de uso, geralmente uma descrição textual.
O modelo de casos de uso é construído durante as discussões entre os desenvolvedores do
sistema de software e os envolvidos (clientes, usuários, áreas da empresa envolvidas diretamente
ou indiretamente no sistema) para especificar os requisitos.
Um modelo de casos de uso apresenta os requisitos funcionais pretendidos do sistema e os
elementos externos que interagem com o sistema.
1. Objetivo Principal do Modelo de Casos de Uso
Especificar, visualizar, construir e documentar o comportamento que cada parte do sistema deve
ter.
Os casos de uso descrevem os OBJETIVOS do sistema e não as FUNÇÔES!
Detalhando o objetivo principal, obtêm-se objetivos específicos que são:
• Descrever os requisitos funcionais do sistema, de acordo, com todos os envolvidos e os
desenvolvedores do sistema de software;
• Fornecer uma clara e consistente descrição do escopo do sistema e o que ele deve fazer;
• Fornecer requisitos para elaboração do diagrama de classes;
• Simplificar alterações e extensões (manutenção) do sistema e verificar o impacto através dos
casos de uso afetados e novos;
• Fornecer cenários para validação dos testes do sistema;
• Definir o perfil dos usuários que irão utilizar o sistema;
• Definir as condições de início, término e exceções de cada função do sistema;
• Validar outros diagramas da UML.
O diagrama de Casos de Uso é elaborado na fase de Planejamento e/ou Análise através da
ferramenta CASE. O diagrama auxilia também nas fases de Projeto, Implementação e Testes.
METDS- Modelo de Casos de Uso 2
Profa. Ana Paula Gonçalves Serra e Prof. André Luiz Ribeiro
2. Notação do Diagrama de Caso de Uso
O diagrama de casos de uso é composto basicamente por:
Caso de uso: Um caso de uso é um conjunto de ações que o sistema realiza
para produzir um resultado observável para um ator. (Objetivos do sistema)
Ator: são elementos externos ao sistema, que interagem com os casos de uso.
Consideram-se atores “alguém” ou “alguma coisa” que não faz parte do sistema,
mas que interage com ele.
É o papel executado por alguém e não a pessoa em si. Por exemplo: José é o
Administrador do sistema e também usuário comum. Os atores serão o
Administrador e Usuário e não a pessoa José.
Exemplos de atores: usuários diretos do sistema, sistemas externos que irão
interagir com o sistema ou hardware específico.
Associação é um relacionamento entre o ator e o caso de uso.
Associação
Planejamento
Análise
Projeto
Implementação
Testes
Modelo
de Casos de
Uso
Modelo
de Casos de
Uso
Caso de Uso
Ator
METDS- Modelo de Casos de Uso 3
Profa. Ana Paula Gonçalves Serra e Prof. André Luiz Ribeiro
Exemplo da Notação de Diagrama de Caso de Uso:
Caso de Uso 2
Ator3
Caso de Uso 4
Ator1
Caso de Uso 3
Caso de Uso 1
Ator2
Exemplo de Diagrama de Caso de Uso:
Consultar Turma
Manter Notas
<<CRUD>>
Considerando que
Manter significa:
Cadastrar, Consultar,
Alterar e Excluir
Efetuar Login
Professor Manter Aluno
<<CRUD>>
Sistema de
Registro Acadêmico
METDS- Modelo de Casos de Uso 4
Profa. Ana Paula Gonçalves Serra e Prof. André Luiz Ribeiro
3.1. Notação Complementar do Diagrama de Caso de Uso
• Relacionamento entre atores
Atores podem ter um relacionamento de generalização, representando que possuem
características e ações comuns, além de algumas características e ações adicionais diferenciadas.
A generalização é representada por uma linha contínua e uma seta em formato de triângulo. A seta
em formato de triângulo deve fica apontada para o ator pai (com características e ações comuns) e
a outra parte da linha no ator filho que herda as características e ações comuns do pai e ainda
possui características e ações específicas.
Uma generalização de ator de um tipo de ator (descendente) para outro tipo de ator (ascendente)
indica que o descendente herda o papel que o ascendente pode desempenhar em um caso de
uso.
Exemplo da Notação de Generalização:
• Relacionamento entre casos de uso
Os casos de uso podem ter relacionamentos entre si. Essas relações devem ser analisadas
somente APÒS A ESPECIFICAÇÂO DOS CASOS DE USO, pois com a descrição detalhada dos
casos de uso podemos verificar possíveis relacionamentos entre eles.
Basicamente existem três tipos de relacionamento entre casos de uso, que são:
Generalização: Como no relacionamento de generalização entre atores, o relacionamento
de generalização entre casos de uso é utilizado quando existem dois ou mais casos de uso
que têm comportamento, estrutura e finalidade comuns. Quando isso ocorre, pode
descrever as partes compartilhadas
em um caso de uso novo, que é
especializado pelos casos de uso
filho.
Exemplo da Notação de
Generalização:
Ator Pai
Ator Filho 1 Ator Filho 2
Caso de Uso Pai
Caso de Uso Filho 1 Caso de Uso Filho 2
METDS- Modelo de Casos de Uso 5
Profa. Ana Paula Gonçalves Serra e Prof. André Luiz Ribeiro
Inclusão (Include): Relacionamento que indica que um caso de uso contém
comportamento definido em um outro caso de uso, e toda vez que o caso de uso base for
executado, o caso de uso de inclusão relacionado pelo <<include>> também será
executado. O relacionamento de inclusão pode ser usado para:
o Separar o comportamento do caso de uso base que não seja necessário para
compreender a finalidade principal do caso de uso, apenas o resultado é importante.
o Separar o comportamento que seja comum a dois ou mais casos de uso.
Exemplo da Notação de Inclusão (include):
Extensão (Extend): Relacionamento que especifica que o comportamento de um caso de
uso base pode ser estendido para um outro caso de uso adicional. A extensão é
condicional, o que significa que sua execução depende do que tiver acontecido durante a
execução do caso de uso base. O relacionamento de extensão pode ser utilizado para:
o Mostrar que uma parte de um caso de uso é um comportamento opcional (ou
possivelmente opcional) do sistema. Isso faz a diferenciação entre comportamento
opcional e comportamento obrigatório em um modelo.
o Mostrar que um subfluxo só é executado em determinadas condições excepcionais.
o Mostrar que pode haver um conjunto de segmentos de comportamento dentre os quais
um ou vários podem ser inseridos em um ponto de extensão de um caso de uso base.
Os segmentos de comportamento que são inseridos (e a ordem na qual são inseridos)
dependerão da interação com os atores durante a execução do caso de uso base.
o Podem representar os fluxos alternativos relevantes de um determinado caso de uso.
Princípio da Extensão:
Ele sempre adiciona comportamento a um caso de uso.
O caso de uso base deve continuar intacto e tendo valor por si próprio.
O comportamento básico do caso de uso estendido deve sempre ficar intacto
Exemplo da Notação de Extensão (extend):
Caso de Uso 1 Caso de Uso 2
<<include>>
Caso de Uso 1 Caso de Uso 2
<<extend>>
METDS- Modelo de Casos de Uso 6
Profa. Ana Paula Gonçalves Serra e Prof. André Luiz Ribeiro
3. Passo a Passo para Elaboração do Diagrama de Caso de Uso
A seguir são apresentados os passos que podem ser realizados para elaboração do diagrama de
caso de uso.
Passo 1. Identificação dos Atores
Listar os possíveis usuários diretos do sistema, os sistemas externos e hardwares específicos.
Para isso, pode-se identificar os possíveis atores e objetivos em relação ao sistema (atores x
objetivo).
Dicas para encontrar atores:
• Inicie identificando os atores.
• Trabalhe do específico para o geral.
• Não esqueça os atores de suporte.
• Considere as informações que você possui (documento de Visão, por exemplo).
• Lembre que atores nem sempre são pessoas.
• Foque na fronteira do sistema.
• Identifique as fontes de informação.
• Evolua os atores junto com os casos de uso.
Perguntas para ajudar:
• Quem vai fornecer, usar ou remover informações?
• Quem usará essa funcionalidade?
• Quem está interessado em um determinado requisito?
• Em que parte da organização o sistema é usado?
• Quem vai dar suporte e manter o sistema?
• Quais são os recursos externos do sistema?
• Que outros sistemas precisarão interagir com este?
Passo 2. Identificação dos Casos de Uso
Listar os possíveis OBJETIVOS do sistema. Para identificar esses objetivos, algumas questões
podem ser feitas:
• Quais objetivos o ator necessita do sistema? O que o ator precisa fazer?
• O que o ator precisa fazer? O ator precisa calcular, consultar, criar, destruir, modificar, ou
registrar algum tipo de informação? Por quê?
• O ator deve ser notificado sobre eventos do sistema ou precisa notificar o sistema sobre
algo? O que estes eventos representam em termos de funcionalidade?
• Existem objetivos de comunicação com outros sistemas?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tecnicas Para Planejamento E Execucao De Testes De Software
Tecnicas Para Planejamento E Execucao De Testes De SoftwareTecnicas Para Planejamento E Execucao De Testes De Software
Tecnicas Para Planejamento E Execucao De Testes De Softwaremarthahuback
 
Aula 10 - Diagrama de Sequencia.pdf
Aula 10 - Diagrama de Sequencia.pdfAula 10 - Diagrama de Sequencia.pdf
Aula 10 - Diagrama de Sequencia.pdfIvanFontainha
 
Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosCloves da Rocha
 
Modelos de Processo de Software Parte 4
Modelos de Processo de Software Parte 4Modelos de Processo de Software Parte 4
Modelos de Processo de Software Parte 4Elaine Cecília Gatto
 
Testes de Software
Testes de SoftwareTestes de Software
Testes de SoftwareCapgemini
 
Aula 03 - Introdução aos Diagramas de Atividade
Aula 03 - Introdução aos Diagramas de AtividadeAula 03 - Introdução aos Diagramas de Atividade
Aula 03 - Introdução aos Diagramas de AtividadeAlberto Simões
 
Analise de Requisitos
Analise de RequisitosAnalise de Requisitos
Analise de Requisitoselliando dias
 
Modelos de Processo e Desenvolvimento de Software 1 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Modelos de Processo e Desenvolvimento de Software 1 - Prof.ª Cristiane FidelixModelos de Processo e Desenvolvimento de Software 1 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Modelos de Processo e Desenvolvimento de Software 1 - Prof.ª Cristiane FidelixCris Fidelix
 
Curso de HTML5 - Aula 01
Curso de HTML5 - Aula 01   Curso de HTML5 - Aula 01
Curso de HTML5 - Aula 01 Léo Dias
 
UML - Criando Diagramas Eficientes
UML - Criando Diagramas EficientesUML - Criando Diagramas Eficientes
UML - Criando Diagramas EficientesRodrigo Cascarrolho
 

Mais procurados (20)

Aula 07 - Diagrama de sequencia
Aula 07 - Diagrama de sequenciaAula 07 - Diagrama de sequencia
Aula 07 - Diagrama de sequencia
 
Diagrama de sequência
Diagrama de sequênciaDiagrama de sequência
Diagrama de sequência
 
Caso De Uso
Caso De UsoCaso De Uso
Caso De Uso
 
Tecnicas Para Planejamento E Execucao De Testes De Software
Tecnicas Para Planejamento E Execucao De Testes De SoftwareTecnicas Para Planejamento E Execucao De Testes De Software
Tecnicas Para Planejamento E Execucao De Testes De Software
 
Aula 10 - Diagrama de Sequencia.pdf
Aula 10 - Diagrama de Sequencia.pdfAula 10 - Diagrama de Sequencia.pdf
Aula 10 - Diagrama de Sequencia.pdf
 
Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de Requisitos
 
Diagrama de Classes
Diagrama de ClassesDiagrama de Classes
Diagrama de Classes
 
Modelos de Processo de Software Parte 4
Modelos de Processo de Software Parte 4Modelos de Processo de Software Parte 4
Modelos de Processo de Software Parte 4
 
Testes de Software
Testes de SoftwareTestes de Software
Testes de Software
 
Diagrama classes
Diagrama classesDiagrama classes
Diagrama classes
 
Teste de Software - Introdução
Teste de Software - IntroduçãoTeste de Software - Introdução
Teste de Software - Introdução
 
Apresentação da UML
Apresentação da UMLApresentação da UML
Apresentação da UML
 
Aula 03 - Introdução aos Diagramas de Atividade
Aula 03 - Introdução aos Diagramas de AtividadeAula 03 - Introdução aos Diagramas de Atividade
Aula 03 - Introdução aos Diagramas de Atividade
 
Analise de Requisitos
Analise de RequisitosAnalise de Requisitos
Analise de Requisitos
 
Aula 7 - Modelagem de Software
Aula 7 - Modelagem de SoftwareAula 7 - Modelagem de Software
Aula 7 - Modelagem de Software
 
Modelos de Processo e Desenvolvimento de Software 1 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Modelos de Processo e Desenvolvimento de Software 1 - Prof.ª Cristiane FidelixModelos de Processo e Desenvolvimento de Software 1 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Modelos de Processo e Desenvolvimento de Software 1 - Prof.ª Cristiane Fidelix
 
Curso de HTML5 - Aula 01
Curso de HTML5 - Aula 01   Curso de HTML5 - Aula 01
Curso de HTML5 - Aula 01
 
Caso De Uso E Use Case Point
Caso De Uso E Use Case PointCaso De Uso E Use Case Point
Caso De Uso E Use Case Point
 
Princípios SOLID
Princípios SOLIDPrincípios SOLID
Princípios SOLID
 
UML - Criando Diagramas Eficientes
UML - Criando Diagramas EficientesUML - Criando Diagramas Eficientes
UML - Criando Diagramas Eficientes
 

Destaque

Especificação caso de uso
Especificação caso de usoEspecificação caso de uso
Especificação caso de usoGabriel Faustino
 
Metodologia orientado a objetos
Metodologia orientado a objetosMetodologia orientado a objetos
Metodologia orientado a objetosGabriel Faustino
 
Programação orientada a objetos – III
Programação orientada a objetos – IIIProgramação orientada a objetos – III
Programação orientada a objetos – IIIGabriel Faustino
 
Conceito de metodologia orientada a objetos
Conceito de metodologia orientada a objetosConceito de metodologia orientada a objetos
Conceito de metodologia orientada a objetosGabriel Faustino
 
Descrição formal de Casos de Uso
Descrição formal de Casos de UsoDescrição formal de Casos de Uso
Descrição formal de Casos de UsoNatanael Simões
 
ADM - O ambiente organizacional
ADM - O ambiente organizacionalADM - O ambiente organizacional
ADM - O ambiente organizacionalGabriel Faustino
 
Programação orientada a objetos – II
Programação orientada a objetos – IIProgramação orientada a objetos – II
Programação orientada a objetos – IIGabriel Faustino
 
Sistemas Inteligentes de Apoio a Decisão
Sistemas Inteligentes de Apoio a DecisãoSistemas Inteligentes de Apoio a Decisão
Sistemas Inteligentes de Apoio a DecisãoGabriel Faustino
 
Parte3 - Fundamentos de Sistema de Informação
Parte3 - Fundamentos de Sistema de InformaçãoParte3 - Fundamentos de Sistema de Informação
Parte3 - Fundamentos de Sistema de InformaçãoGabriel Faustino
 
ADM - Evolução do pensamento em administração
ADM - Evolução do pensamento em administraçãoADM - Evolução do pensamento em administração
ADM - Evolução do pensamento em administraçãoGabriel Faustino
 
ADM - Introdução à administração e às organizações
ADM - Introdução à administração e às organizaçõesADM - Introdução à administração e às organizações
ADM - Introdução à administração e às organizaçõesGabriel Faustino
 
ADM - Modelos organizacionais
ADM - Modelos organizacionaisADM - Modelos organizacionais
ADM - Modelos organizacionaisGabriel Faustino
 
Uso do auto preenchimento para inserir dados
Uso do auto preenchimento para inserir dadosUso do auto preenchimento para inserir dados
Uso do auto preenchimento para inserir dadosGabriel Faustino
 
Parte2 - Fundamentos de Sistema de Informação
Parte2 - Fundamentos de Sistema de InformaçãoParte2 - Fundamentos de Sistema de Informação
Parte2 - Fundamentos de Sistema de InformaçãoGabriel Faustino
 
Parte10 - Fundamentos de Sistema de Informação
Parte10 - Fundamentos de Sistema de InformaçãoParte10 - Fundamentos de Sistema de Informação
Parte10 - Fundamentos de Sistema de InformaçãoGabriel Faustino
 
Parte6 - Fundamentos de Sistema de Informação
Parte6 - Fundamentos de Sistema de InformaçãoParte6 - Fundamentos de Sistema de Informação
Parte6 - Fundamentos de Sistema de InformaçãoGabriel Faustino
 

Destaque (20)

Ferramentas case
Ferramentas caseFerramentas case
Ferramentas case
 
Especificação caso de uso
Especificação caso de usoEspecificação caso de uso
Especificação caso de uso
 
Metodologia orientado a objetos
Metodologia orientado a objetosMetodologia orientado a objetos
Metodologia orientado a objetos
 
Programação orientada a objetos – III
Programação orientada a objetos – IIIProgramação orientada a objetos – III
Programação orientada a objetos – III
 
Conceito de metodologia orientada a objetos
Conceito de metodologia orientada a objetosConceito de metodologia orientada a objetos
Conceito de metodologia orientada a objetos
 
Descrição formal de Casos de Uso
Descrição formal de Casos de UsoDescrição formal de Casos de Uso
Descrição formal de Casos de Uso
 
ADM - O ambiente organizacional
ADM - O ambiente organizacionalADM - O ambiente organizacional
ADM - O ambiente organizacional
 
Programação orientada a objetos – II
Programação orientada a objetos – IIProgramação orientada a objetos – II
Programação orientada a objetos – II
 
Exerciciosde treino
Exerciciosde treinoExerciciosde treino
Exerciciosde treino
 
Sistemas Inteligentes de Apoio a Decisão
Sistemas Inteligentes de Apoio a DecisãoSistemas Inteligentes de Apoio a Decisão
Sistemas Inteligentes de Apoio a Decisão
 
Parte3 - Fundamentos de Sistema de Informação
Parte3 - Fundamentos de Sistema de InformaçãoParte3 - Fundamentos de Sistema de Informação
Parte3 - Fundamentos de Sistema de Informação
 
ADM - Evolução do pensamento em administração
ADM - Evolução do pensamento em administraçãoADM - Evolução do pensamento em administração
ADM - Evolução do pensamento em administração
 
ADM - Introdução à administração e às organizações
ADM - Introdução à administração e às organizaçõesADM - Introdução à administração e às organizações
ADM - Introdução à administração e às organizações
 
ADM - Modelos organizacionais
ADM - Modelos organizacionaisADM - Modelos organizacionais
ADM - Modelos organizacionais
 
Uso do auto preenchimento para inserir dados
Uso do auto preenchimento para inserir dadosUso do auto preenchimento para inserir dados
Uso do auto preenchimento para inserir dados
 
Exercicio venda livros
Exercicio venda livrosExercicio venda livros
Exercicio venda livros
 
Parte2 - Fundamentos de Sistema de Informação
Parte2 - Fundamentos de Sistema de InformaçãoParte2 - Fundamentos de Sistema de Informação
Parte2 - Fundamentos de Sistema de Informação
 
Parte10 - Fundamentos de Sistema de Informação
Parte10 - Fundamentos de Sistema de InformaçãoParte10 - Fundamentos de Sistema de Informação
Parte10 - Fundamentos de Sistema de Informação
 
Parte6 - Fundamentos de Sistema de Informação
Parte6 - Fundamentos de Sistema de InformaçãoParte6 - Fundamentos de Sistema de Informação
Parte6 - Fundamentos de Sistema de Informação
 
S.I - Estudos
S.I - EstudosS.I - Estudos
S.I - Estudos
 

Semelhante a Modelo caso uso

Semelhante a Modelo caso uso (20)

Roteiro de elabora o de um caso de uso
Roteiro de elabora o de um caso de usoRoteiro de elabora o de um caso de uso
Roteiro de elabora o de um caso de uso
 
Aula 05 - Caso de Uso.pdf
Aula 05 - Caso de Uso.pdfAula 05 - Caso de Uso.pdf
Aula 05 - Caso de Uso.pdf
 
Aula 05 - Caso de Uso.pdf
Aula 05 - Caso de Uso.pdfAula 05 - Caso de Uso.pdf
Aula 05 - Caso de Uso.pdf
 
Aula 05 - Caso de Uso.pdf
Aula 05 - Caso de Uso.pdfAula 05 - Caso de Uso.pdf
Aula 05 - Caso de Uso.pdf
 
Aula 05 .pdf
Aula 05 .pdfAula 05 .pdf
Aula 05 .pdf
 
Linguagem de Modelagem Unificada (UML)
Linguagem de Modelagem Unificada (UML)Linguagem de Modelagem Unificada (UML)
Linguagem de Modelagem Unificada (UML)
 
Diagramas de casos de uso - aula 2
Diagramas de casos de uso - aula 2Diagramas de casos de uso - aula 2
Diagramas de casos de uso - aula 2
 
Use Case Diagram.pptx
Use Case Diagram.pptxUse Case Diagram.pptx
Use Case Diagram.pptx
 
Aula 01 - UML e Padrões de Projeto
Aula 01 - UML e Padrões de ProjetoAula 01 - UML e Padrões de Projeto
Aula 01 - UML e Padrões de Projeto
 
Parte6 casos de uso
Parte6   casos de usoParte6   casos de uso
Parte6 casos de uso
 
Aulas de análise
Aulas de análiseAulas de análise
Aulas de análise
 
Aulas de análise
Aulas de análiseAulas de análise
Aulas de análise
 
Aula 6 -_casos_de_uso
Aula 6 -_casos_de_usoAula 6 -_casos_de_uso
Aula 6 -_casos_de_uso
 
4 casos-de-uso
4 casos-de-uso4 casos-de-uso
4 casos-de-uso
 
Aula3 casos de uso
Aula3 casos de usoAula3 casos de uso
Aula3 casos de uso
 
UML1.pdf
UML1.pdfUML1.pdf
UML1.pdf
 
Prof. Renato Nunes aula 04 - Modelagem de Sistemas - Caso de Uso
Prof. Renato Nunes   aula 04 - Modelagem de Sistemas - Caso de UsoProf. Renato Nunes   aula 04 - Modelagem de Sistemas - Caso de Uso
Prof. Renato Nunes aula 04 - Modelagem de Sistemas - Caso de Uso
 
Prof. Renato Nunes aula 04 - Modelagem de Sistemas - Caso de Uso
Prof. Renato Nunes   aula 04 - Modelagem de Sistemas - Caso de UsoProf. Renato Nunes   aula 04 - Modelagem de Sistemas - Caso de Uso
Prof. Renato Nunes aula 04 - Modelagem de Sistemas - Caso de Uso
 
Apostila2uml
Apostila2umlApostila2uml
Apostila2uml
 
Curso Básico de UML
Curso Básico de UMLCurso Básico de UML
Curso Básico de UML
 

Mais de Gabriel Faustino

Sobre data e os Sistemas de Data
Sobre data e os Sistemas de DataSobre data e os Sistemas de Data
Sobre data e os Sistemas de DataGabriel Faustino
 
Funçoes de Planilha listadas por categoria
Funçoes de Planilha listadas por categoriaFunçoes de Planilha listadas por categoria
Funçoes de Planilha listadas por categoriaGabriel Faustino
 
Sistema de Informação para e-Commerce
Sistema de Informação para e-CommerceSistema de Informação para e-Commerce
Sistema de Informação para e-CommerceGabriel Faustino
 
Lista de exercícios em portugol
Lista de exercícios em portugolLista de exercícios em portugol
Lista de exercícios em portugolGabriel Faustino
 
ADM - Estudo de caso - MC Donalds
ADM - Estudo de caso - MC Donalds ADM - Estudo de caso - MC Donalds
ADM - Estudo de caso - MC Donalds Gabriel Faustino
 
ADM - Jeitinho brasileiro nas organizações
ADM - Jeitinho brasileiro nas organizaçõesADM - Jeitinho brasileiro nas organizações
ADM - Jeitinho brasileiro nas organizaçõesGabriel Faustino
 
Programação orientada a objetos - IV
Programação orientada a objetos - IVProgramação orientada a objetos - IV
Programação orientada a objetos - IVGabriel Faustino
 

Mais de Gabriel Faustino (13)

Diagramas uml
Diagramas umlDiagramas uml
Diagramas uml
 
Sobre data e os Sistemas de Data
Sobre data e os Sistemas de DataSobre data e os Sistemas de Data
Sobre data e os Sistemas de Data
 
Resumo de Tipo de Dados
Resumo de Tipo de DadosResumo de Tipo de Dados
Resumo de Tipo de Dados
 
Funçoes de Planilha listadas por categoria
Funçoes de Planilha listadas por categoriaFunçoes de Planilha listadas por categoria
Funçoes de Planilha listadas por categoria
 
Funçao msgBox
Funçao msgBoxFunçao msgBox
Funçao msgBox
 
Função inPutbox
Função inPutboxFunção inPutbox
Função inPutbox
 
Sobre as Macros
Sobre as MacrosSobre as Macros
Sobre as Macros
 
Sistema de Informação para e-Commerce
Sistema de Informação para e-CommerceSistema de Informação para e-Commerce
Sistema de Informação para e-Commerce
 
Manual de portugol
Manual de portugolManual de portugol
Manual de portugol
 
Lista de exercícios em portugol
Lista de exercícios em portugolLista de exercícios em portugol
Lista de exercícios em portugol
 
ADM - Estudo de caso - MC Donalds
ADM - Estudo de caso - MC Donalds ADM - Estudo de caso - MC Donalds
ADM - Estudo de caso - MC Donalds
 
ADM - Jeitinho brasileiro nas organizações
ADM - Jeitinho brasileiro nas organizaçõesADM - Jeitinho brasileiro nas organizações
ADM - Jeitinho brasileiro nas organizações
 
Programação orientada a objetos - IV
Programação orientada a objetos - IVProgramação orientada a objetos - IV
Programação orientada a objetos - IV
 

Último

a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...azulassessoriaacadem3
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...excellenceeducaciona
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...apoioacademicoead
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Mary Alvarenga
 
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMHisrelBlog
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...azulassessoriaacadem3
 
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...GraceDavino
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxSlides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.Prime Assessoria
 
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoReprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoMariaJoão Agualuza
 
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...apoioacademicoead
 
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIACONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIAHenrique Pontes
 
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...Prime Assessoria
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...azulassessoriaacadem3
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...excellenceeducaciona
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
Namorar não és ser don .
Namorar não és ser don                  .Namorar não és ser don                  .
Namorar não és ser don .
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
 
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
 
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxSlides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
 
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
 
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoReprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
 
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
 
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIACONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
 
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 

Modelo caso uso

  • 1. METDS- Modelo de Casos de Uso 1 Profa. Ana Paula Gonçalves Serra e Prof. André Luiz Ribeiro METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Professores: Ana Paula Gonçalves Serra André Luiz Ribeiro Modelo de Casos de Uso O modelo de casos de uso é um dos modelos da UML, composto do diagrama de casos de uso que apresenta um conjunto de casos de uso, atores e relacionamentos, e de um detalhamento do diagrama de casos de uso, geralmente uma descrição textual. O modelo de casos de uso é construído durante as discussões entre os desenvolvedores do sistema de software e os envolvidos (clientes, usuários, áreas da empresa envolvidas diretamente ou indiretamente no sistema) para especificar os requisitos. Um modelo de casos de uso apresenta os requisitos funcionais pretendidos do sistema e os elementos externos que interagem com o sistema. 1. Objetivo Principal do Modelo de Casos de Uso Especificar, visualizar, construir e documentar o comportamento que cada parte do sistema deve ter. Os casos de uso descrevem os OBJETIVOS do sistema e não as FUNÇÔES! Detalhando o objetivo principal, obtêm-se objetivos específicos que são: • Descrever os requisitos funcionais do sistema, de acordo, com todos os envolvidos e os desenvolvedores do sistema de software; • Fornecer uma clara e consistente descrição do escopo do sistema e o que ele deve fazer; • Fornecer requisitos para elaboração do diagrama de classes; • Simplificar alterações e extensões (manutenção) do sistema e verificar o impacto através dos casos de uso afetados e novos; • Fornecer cenários para validação dos testes do sistema; • Definir o perfil dos usuários que irão utilizar o sistema; • Definir as condições de início, término e exceções de cada função do sistema; • Validar outros diagramas da UML. O diagrama de Casos de Uso é elaborado na fase de Planejamento e/ou Análise através da ferramenta CASE. O diagrama auxilia também nas fases de Projeto, Implementação e Testes.
  • 2. METDS- Modelo de Casos de Uso 2 Profa. Ana Paula Gonçalves Serra e Prof. André Luiz Ribeiro 2. Notação do Diagrama de Caso de Uso O diagrama de casos de uso é composto basicamente por: Caso de uso: Um caso de uso é um conjunto de ações que o sistema realiza para produzir um resultado observável para um ator. (Objetivos do sistema) Ator: são elementos externos ao sistema, que interagem com os casos de uso. Consideram-se atores “alguém” ou “alguma coisa” que não faz parte do sistema, mas que interage com ele. É o papel executado por alguém e não a pessoa em si. Por exemplo: José é o Administrador do sistema e também usuário comum. Os atores serão o Administrador e Usuário e não a pessoa José. Exemplos de atores: usuários diretos do sistema, sistemas externos que irão interagir com o sistema ou hardware específico. Associação é um relacionamento entre o ator e o caso de uso. Associação Planejamento Análise Projeto Implementação Testes Modelo de Casos de Uso Modelo de Casos de Uso Caso de Uso Ator
  • 3. METDS- Modelo de Casos de Uso 3 Profa. Ana Paula Gonçalves Serra e Prof. André Luiz Ribeiro Exemplo da Notação de Diagrama de Caso de Uso: Caso de Uso 2 Ator3 Caso de Uso 4 Ator1 Caso de Uso 3 Caso de Uso 1 Ator2 Exemplo de Diagrama de Caso de Uso: Consultar Turma Manter Notas <<CRUD>> Considerando que Manter significa: Cadastrar, Consultar, Alterar e Excluir Efetuar Login Professor Manter Aluno <<CRUD>> Sistema de Registro Acadêmico
  • 4. METDS- Modelo de Casos de Uso 4 Profa. Ana Paula Gonçalves Serra e Prof. André Luiz Ribeiro 3.1. Notação Complementar do Diagrama de Caso de Uso • Relacionamento entre atores Atores podem ter um relacionamento de generalização, representando que possuem características e ações comuns, além de algumas características e ações adicionais diferenciadas. A generalização é representada por uma linha contínua e uma seta em formato de triângulo. A seta em formato de triângulo deve fica apontada para o ator pai (com características e ações comuns) e a outra parte da linha no ator filho que herda as características e ações comuns do pai e ainda possui características e ações específicas. Uma generalização de ator de um tipo de ator (descendente) para outro tipo de ator (ascendente) indica que o descendente herda o papel que o ascendente pode desempenhar em um caso de uso. Exemplo da Notação de Generalização: • Relacionamento entre casos de uso Os casos de uso podem ter relacionamentos entre si. Essas relações devem ser analisadas somente APÒS A ESPECIFICAÇÂO DOS CASOS DE USO, pois com a descrição detalhada dos casos de uso podemos verificar possíveis relacionamentos entre eles. Basicamente existem três tipos de relacionamento entre casos de uso, que são: Generalização: Como no relacionamento de generalização entre atores, o relacionamento de generalização entre casos de uso é utilizado quando existem dois ou mais casos de uso que têm comportamento, estrutura e finalidade comuns. Quando isso ocorre, pode descrever as partes compartilhadas em um caso de uso novo, que é especializado pelos casos de uso filho. Exemplo da Notação de Generalização: Ator Pai Ator Filho 1 Ator Filho 2 Caso de Uso Pai Caso de Uso Filho 1 Caso de Uso Filho 2
  • 5. METDS- Modelo de Casos de Uso 5 Profa. Ana Paula Gonçalves Serra e Prof. André Luiz Ribeiro Inclusão (Include): Relacionamento que indica que um caso de uso contém comportamento definido em um outro caso de uso, e toda vez que o caso de uso base for executado, o caso de uso de inclusão relacionado pelo <<include>> também será executado. O relacionamento de inclusão pode ser usado para: o Separar o comportamento do caso de uso base que não seja necessário para compreender a finalidade principal do caso de uso, apenas o resultado é importante. o Separar o comportamento que seja comum a dois ou mais casos de uso. Exemplo da Notação de Inclusão (include): Extensão (Extend): Relacionamento que especifica que o comportamento de um caso de uso base pode ser estendido para um outro caso de uso adicional. A extensão é condicional, o que significa que sua execução depende do que tiver acontecido durante a execução do caso de uso base. O relacionamento de extensão pode ser utilizado para: o Mostrar que uma parte de um caso de uso é um comportamento opcional (ou possivelmente opcional) do sistema. Isso faz a diferenciação entre comportamento opcional e comportamento obrigatório em um modelo. o Mostrar que um subfluxo só é executado em determinadas condições excepcionais. o Mostrar que pode haver um conjunto de segmentos de comportamento dentre os quais um ou vários podem ser inseridos em um ponto de extensão de um caso de uso base. Os segmentos de comportamento que são inseridos (e a ordem na qual são inseridos) dependerão da interação com os atores durante a execução do caso de uso base. o Podem representar os fluxos alternativos relevantes de um determinado caso de uso. Princípio da Extensão: Ele sempre adiciona comportamento a um caso de uso. O caso de uso base deve continuar intacto e tendo valor por si próprio. O comportamento básico do caso de uso estendido deve sempre ficar intacto Exemplo da Notação de Extensão (extend): Caso de Uso 1 Caso de Uso 2 <<include>> Caso de Uso 1 Caso de Uso 2 <<extend>>
  • 6. METDS- Modelo de Casos de Uso 6 Profa. Ana Paula Gonçalves Serra e Prof. André Luiz Ribeiro 3. Passo a Passo para Elaboração do Diagrama de Caso de Uso A seguir são apresentados os passos que podem ser realizados para elaboração do diagrama de caso de uso. Passo 1. Identificação dos Atores Listar os possíveis usuários diretos do sistema, os sistemas externos e hardwares específicos. Para isso, pode-se identificar os possíveis atores e objetivos em relação ao sistema (atores x objetivo). Dicas para encontrar atores: • Inicie identificando os atores. • Trabalhe do específico para o geral. • Não esqueça os atores de suporte. • Considere as informações que você possui (documento de Visão, por exemplo). • Lembre que atores nem sempre são pessoas. • Foque na fronteira do sistema. • Identifique as fontes de informação. • Evolua os atores junto com os casos de uso. Perguntas para ajudar: • Quem vai fornecer, usar ou remover informações? • Quem usará essa funcionalidade? • Quem está interessado em um determinado requisito? • Em que parte da organização o sistema é usado? • Quem vai dar suporte e manter o sistema? • Quais são os recursos externos do sistema? • Que outros sistemas precisarão interagir com este? Passo 2. Identificação dos Casos de Uso Listar os possíveis OBJETIVOS do sistema. Para identificar esses objetivos, algumas questões podem ser feitas: • Quais objetivos o ator necessita do sistema? O que o ator precisa fazer? • O que o ator precisa fazer? O ator precisa calcular, consultar, criar, destruir, modificar, ou registrar algum tipo de informação? Por quê? • O ator deve ser notificado sobre eventos do sistema ou precisa notificar o sistema sobre algo? O que estes eventos representam em termos de funcionalidade? • Existem objetivos de comunicação com outros sistemas?
  • 7. METDS- Modelo de Casos de Uso 7 Profa. Ana Paula Gonçalves Serra e Prof. André Luiz Ribeiro • O ator precisa estar informado sobre certas ocorrências no sistema? • Que informações devem ser modificadas ou criadas no sistema? Complementando : • Não se preocupe com partes comuns (pelo menos no início). • Não confundir casos de uso com “Funções”. • Foque SEMPRE no valor para o ator. • Não esqueça dos casos de uso de suporte e operacionais. • Evolua os casos de uso junto com os atores. Passo 3. Associação entre os atores e casos de uso Elaboração propriamente dita do diagrama de caso de uso. Deve-se verificar se todo ator possui pelo menos uma associação com um caso de uso e se todo caso de uso interage com algum ator. 4. Descrição do Diagrama de Casos de Uso Além da notação gráfica o diagrama de casos de uso deve possuir uma especificação de detalhamento do diagrama de caso de uso. O modelo padrão do RUP (Rational Unified Process) é que será utilizado nas aulas, e aborda os seguintes itens. • Catálogo de atores, contendo o nome do ator e uma descrição de cada ator representado no diagrama. • Nome do caso de uso. • Breve descrição do caso de uso. • Fluxo Básico (detalhar passo a passo do caso de uso). • Fluxos Alternativos (qualquer exceção que ocorra nos passos do fluxo básico, deve ser detalhado como fluxo alternativo). • Pré-Condições (lista de condições que têm que ser verificadas antes que o caso de uso começa). • Pós-Condições (lista de condições que têm que ser verificadas depois do fim do caso de uso). Dicas para escrever casos de uso: • Escreva na voz ativa. “O Sistema valida a quantidade entrada” em vez de “A quantidade entrada deve ser validada pelo sistema”. • Escreva na voz presente. • Descreva as interações que ocorrem entre Atores e o Sistema. • Use subfluxos para simplicar descrições complexas. • Não encha seu modelo de casos de uso com o CRUD(Create, Read, Update, Delete).
  • 8. METDS- Modelo de Casos de Uso 8 Profa. Ana Paula Gonçalves Serra e Prof. André Luiz Ribeiro • Não tenha medo de capturar os detalhes. 5. Considerações e Observações: • Um caso de uso sempre deve ter um relacionamento com um ator. Isso implica que cada caso de uso deve ter associações de comunicações com os atores. O motivo dessa regra é forçar o sistema a fornecer apenas a funcionalidade de que os usuários precisam e nada mais. Ter casos de uso que ninguém solicita é uma indicação de que algo está errado no modelo de casos de uso ou nos requisitos . Entretanto, há algumas exceções a essa regra: o Um caso de uso filho em um relacionamento de generalização não precisa ter um ator associado a ele se o caso de uso pai está associado a um ator. o Um caso de uso pode ser iniciado de acordo com uma programação (por exemplo, uma vez por semana ou uma vez por dia), o que significa que o relógio do sistema é o iniciador. O relógio do sistema é interno ao sistema. E o caso de uso não é iniciado por um ator, mas por um evento do sistema interno. Se não ocorrer outra interação do ator no caso de uso, ele não terá nenhuma associação com os atores. Entretanto, para esclarecer, você pode usar um ator fictício "Tempo" para mostrar como o caso de uso é iniciado nos diagramas de casos de uso. • Na grande maioria das modelagens de diagramas casos de uso a notação básica (ator, relacionamento e caso de uso) é suficiente para especificar os requisitos. Isso significa que não necessariamente é obrigatório utilizar herança, <<include>> e <<extends>> em toda modelagem de sistemas, inclusive a notação de <<include>> e <<extends>> pode ser omitida no diagrama e detalhada no passo a passo do fluxo básico e/ou alternativo. • Geralmente utiliza-se o termo “Manter” para indicar ações de incluir, consultar, alterar e excluir. Para isso, pode-se utilizar o estereótipo 1 <<CRUD>> (create, read, update e delete). Com isso deixamos o detalhamento das funções para a especificação do Caso de Uso e mantemos o diagrama mais claro. • Após a elaboração do diagrama de caso de uso e das especificações dos casos de uso deve-se verificar se há a necessidade de criação de generalização entre atores e casos de uso, inclusões (include) e extensões (extend). 1 Estereótipo: é um mecanismo de extensão da UML que permite a metaclassificação de elementos de modelagem, com o objetivo de identificação e classificação, sendo que algumas semânticas são definidas na UML, mas novas semânticas podem ser definidas pelos envolvidos no projeto. Na UML, os estereótipos são representados por sinais duplos de maior e menor (<<estereótipo>>).
  • 9. METDS- Modelo de Casos de Uso 9 Profa. Ana Paula Gonçalves Serra e Prof. André Luiz Ribeiro Referências Bibliográficas • UML Essencial. 2ª. Edição. Martin Fowler; Kendall Scott. Editora Bookman. 2000. ISBN: 85-7307-729-8. • UML 2 Toolkit. Hans-Erik Eriksson; Magnus Penker; Brian Lyons; David Fado. OMG Press. 2004. ISBN: 0-471-46361-2. • UML – Guia do Usuário. 2ª. Edição. Grady Booch; James Rumbaugh; Ivar Jacobson. Editora Campus. 2006. ISBN: 10-85-352-1784-3. • RUP (Rational Unified Process). Copyright © 2008-2013 Profa. Ana Paula Gonçalves Serra e Prof. André Luiz Ribeiro Todos direitos reservados. Reprodução ou divulgação total ou parcial deste documento é expressamente proibido sem o consentimento formal, por escrito, da Profa. Ana Paula Gonçalves Serra e do Prof. André Luiz Ribeiro .