SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
Perspectivas para o Gás
Natural no Brasil no
horizonte 2017-2026
Gabriel de Figueiredo da Costa
Empresa de Pesquisa Energética
Rio de Janeiro • 17 de outubro de 2017
Papel da EPE
no Planejamento
Energético Nacional
Lei 10.847 de 15 de março de 2004 - Autoriza a criação da EPE
Art. 2º: A Empresa de Pesquisa Energética - EPE tem por finalidade prestar serviços na área de estudos e pesquisas destinadas a subsidiar o
planejamento do setor energético, tais como energia elétrica, petróleo e gás natural e seus derivados, carvão mineral, fontes energéticas
renováveis e eficiência energética, dentre outras.
Sobre a EPE
Art. 4º: Compete à EPE:
I - realizar estudos e projeções da matriz energética brasileira
III - identificar e quantificar os potenciais de recursos energéticos
VIII - promover estudos para dar suporte ao gerenciamento da relação reserva e produção de hidrocarbonetos no Brasil, visando à
autossuficiência sustentável
IX - promover estudos de mercado visando definir cenários de demanda e oferta de petróleo, seus derivados e produtos petroquímicos
XII - elaborar estudos para desenvolvimento da indústria de gás natural no Brasil
XIII - desenvolver estudos para avaliar e incrementar a utilização de energia proveniente de fontes renováveis
Empresa pública federal
vinculada ao MME
Integrante do Conselho Nacional
de Política Energética (CNPE)
com direito a voto
Escritório Central no Rio de
Janeiro com aproximadamente
330 funcionários
Luiz Augusto Barroso
Presidência
Ricardo Gorini
Diretoria de Estudos
Econômico-Energéticos e
Ambientais
Álvaro Pereira
Diretoria de Gestão
Corporativa
José Mauro Coelho
Diretoria de Estudos do
Petróleo,
Gás e Biocombustíveis
Amilcar Guerreiro
Diretoria de Estudos de
Energia Elétrica
Conselho de
Administração
Diretoria Executiva
Conselho Fiscal
Estrutura organizacional da EPE
Exploração e Produção
• Produção de petróleo e gás natural
• Evolução de reservas provadas e da R/P
• Possíveis excedentes de produção de petróleo
• Demanda por FPSOs e conteúdo local
• Preços de gás natural
• Processamento e oferta de gás natural
• Balanço de oferta e demanda de gás natural
• Infraestrutura de transporte de gás natural
• Mercado internacional de gás natural
• Geopolítica e mercado internacional do petróleo
• Preços de petróleos e derivados
• Demanda de combustíveis do setor transporte
• Evolução do parque de refino
• Balanço de oferta e demanda de derivados de petróleo
• Infraestrutura de transporte de petróleo e derivados
• Oferta e demanda de etanol
• Logística de transporte do etanol
• Mercado internacional de etanol
• Oferta de biodiesel
• Infraestrutura de escoamento da produção de biodiesel
• Oferta de biomassa de cana para geração elétrica
Gás Natural
Abastecimento
Biocombustíveis
Atribuições gerais da DPG
Principais Publicações
WEBMAP EPE: Sistema de Informações Geográficas do Setor Energético Brasileiro
Eletricidade, Petróleo, Gás Natural, Biocombustíveis, entre outros.
Principais Publicações
www.epe.gov.br
Principais Publicações
Estudos do setor
de Gás Natural
Imagem
Image
• Malha de gasodutos de transporte (9.409 km)
• 187 Pontos de Entrega (citygates)
• 33 Estações de Compressão
• 14 Polos de Processamento (95,6 MMm³/d)
• 3 Terminais de GNL existentes (41 MMm³/d)
Infraestrutura Existente
Imagem
Image
• Preços diferenciados por fonte de oferta
• Competitividade do GNL
• Competitividade do gás do Pré-Sal
Preços de Gás Natural
• Aumento de 6,0% a.a. na Produção Bruta
• Aumento de 5,3% a.a. na Produção Líquida
• Aumento da Injeção (Pré-Sal)
Produção Nacional
Produção Líquida de Gás Natural
57 61 69 72
95
104 106
115
147
185
0
40
80
120
160
200
2016 2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023 2024 2025 2026
Produção Líquida
Injeção
Consumo em E&P
Queima
6,0% a.a.
5,3% a.a.
57
27
30
13
Produção Bruta
Em milhões de m3 por dia
54%
29%
12%
4%
2016
51%
31%
15%
4%
2026
• Aumento de 3,1% a.a. na Oferta Nacional (malha integrada)
• Declínio natural no Pós-Sal, aumento da produção em Terra
• Pré-Sal = 62% da oferta na malha integrada em 2026
• Oferta Potencial em sistemas isolados
Oferta Nacional
Oferta Nacional de Gás Natural
43 43 49 50
59
57
61
69
72
95
0
20
40
60
80
100
2016 2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023 2024 2025 2026
Oferta Nacional (malha integrada)
Oferta em Sistemas Isolados
Absorção em UPGNs
Não Disponível para UPGNs
5,3% a.a.
3,1% a.a.
76%
7%
7%
9%
2016
62%17%
15%
5%
2026
16
15
4
4
Produção Líquida
Em milhões de m3 por dia
• Importações da Bolívia: 20 MMm³/d a partir de 2022
• Manutenção dos Terminais de GNL existentes
• Aumento de 0,5% a.a. na Oferta Potencial total
Oferta Total
28
46
15
13
30
20
41
41
114
120
0
20
40
60
80
100
120
140
2016 2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023 2024 2025 2026
Gás Natural Nacional Associado
Gás Natural Nacional Não Associado
Importação via Gasodutos
Importação via GNL
Oferta de Gás Natural – malha integrada
Em milhões de m3 por dia
• Parte das térmicas bicombustíveis utilizará o combustível alternativo
• Saldo positivo no início do período: possibilidade de descontratação temporária de GNL
• Possibilidade de UTEs a Ciclo Aberto para atendimento de ponta
Balanço
54
66
34
34
15
8
8
97
123
78 78
114
120
0
20
40
60
80
100
120
140
2016 2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023 2024 2025 2026
Demanda não termelétrica
Demanda termelétrica
a gás natural
Demanda termelétrica
indicativa Ciclo Combinado
Demanda termelétrica
bicombustível
Demanda Total
(despacho máximo)
Demanda Total
(despacho médio)Oferta Total (malha integrada)
Balanço de Gás Natural – malha integrada
Em milhões de m3 por dia
6 novos terminais
de 14 MMm³/d
• Bolívia
- 30 MM m³/d, 20 MM m³/d, 16 MM m³/d?
• Disponibilidade do Gás Natural do Pré-Sal?
- Teor de CO2, distância do litoral, competitividade
• Recursos de Gás Natural onshore?
- Potencial versus Descobertas
• Expansão na capacidade de regaseificação de GNL?
- Novos terminais
• Perspectivas de Recuperação Econômica?
• Papel das UTEs a gás natural para lidar com a demanda de pico e a intermitência das
fontes renováveis?
- Sob discussão
• Novas interconexões com países vizinhos?
- Cone Sul
Principais Incertezas
Iniciativa
Gás para Crescer
e outros grupos de Trabalho
do Governo Federal
Objetivo
Estabelecer um mercado de gás natural com diversidade de agentes,
liquidez, competitividade, acesso à informação e boas práticas, que
contribua para o desenvolvimento do País
Subcomitês
01. Escoamento, Processamento e Terminais de
GNL
Núcleo Coordenador
02. Transporte e Estocagem
03. Distribuição
04. Comercialização
05. Tributação
06. Gás Natural como Matéria-Prima
07. Gás Natural da União
08. Integração com o Setor Elétrico
Gás para Crescer
Medidas propostas
01. Escoamento, Processamento e Terminais de
GNL
Status atual:
Projeto de Lei será encaminhado ao Congresso
02. Transporte e Estocagem
03. Distribuição
04. Comercialização
05. Tributação
06. Gás Natural como Matéria-Prima
07. Gás Natural da União
08. Integração com o Setor Elétrico
Acesso negociado e não discriminatório, garantida a prioridade de acesso do proprietário.
Independência, operação coordenada, planejamento integrado
Figura do consumidor livre, harmonização entre as regulações
Hubs virtuais, melhor organização dos mercados e plataformas
Maior eficiência, deve permitir as novas transações
Incentivos para o desenvolvimento da indústria química nacional
Prioridade para o mercado nacional
Revisão das regras dos leilões de usinas termelétricas
Gás para Crescer
GT de Política de Exploração e Produção de
Petróleo e Gás Natural
Objetivo
“Propor, ao Conselho Nacional de Política Energética – CNPE, diretrizes gerais relativas à
política energética para as atividades de exploração e produção de petróleo e gás natural”
Núcleo Coordenador
Outros Grupos de Trabalho
Objetivo
“Estimular o desenvolvimento regional e a revitalização da atividade de E&P terrestre, criando sinergias entre os
produtores, fornecedores e financiadores”
Núcleo Coordenador
Outros Grupos de Trabalho
Objetivo
“Estabelecer um conjunto de ações e medidas voltadas para a promoção e
a intensificação da livre iniciativa no mercado brasileiro de combustíveis”
Eixos Estratégicos
Redesenho do cenário de abastecimento frente
ao novo papel da Petrobras
Fomento a novos investimentos
Regras de acesso e desenvolvimento de
infraestrutura portuária e de terminais
Estimo à competitividade crescente nos
mercados de combustíveis
Relatório em consulta pública
de 17/03 a 20/04
Outros Grupos de Trabalho
“Garantir a expansão da produção de biocombustíveis em
harmonia com o compromisso brasileiro na COP21 e
compatível com o crescimento do mercado”
Objetivo
Eixos Estratégicos
Papel dos biocombustíveis
na matriz
Sustentabilidade ambiental, econômica
e financeira
Regras de comercialização
Novos biocombustíveis
Outros Grupos de Trabalho
“Mecanismo para políticas e colaboração entre países, organizações,
academia e o setor privado conscientes da necessidade de acelerar o
desenvolvimento e expandir a implantação de modernas alternativas
sustentáveis de baixo carbono”
LANÇADO NA
COP22 INICIATIVA PROMOVIDA PELO
GOVERNO
BRASILEIRO 20 PAÍSES
MEMBROS
Objetivo
Outros Grupos de Trabalho
Desenvolver maneiras de produzir, em escala,
biocombustíveis avançados e amplamente disponíveis
para transporte e aplicações industriais
Objetivo
Outros Grupos de Trabalho
Avenida Rio Branco, 1 - 11o andar
20090-003 - Centro - Rio de Janeiro
http://www.epe.gov.br/
Gabriel de Figueiredo da Costa
Consultor Técnico – Gás Natural
E-mail: gabriel.costa@epe.gov.br
Telefone: + 55 (21) 3512 - 3295
Twitter: @EPE_Brasil
Facebook: EPE.Brasil

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Balanço Final do Governo Lula - livro 5 (cap. 1)
Balanço Final do Governo Lula - livro 5 (cap. 1)Balanço Final do Governo Lula - livro 5 (cap. 1)
Balanço Final do Governo Lula - livro 5 (cap. 1)Edinho Silva
 
A cana de açúcar como fonte de energia e o problema do mal uso e falta de inc...
A cana de açúcar como fonte de energia e o problema do mal uso e falta de inc...A cana de açúcar como fonte de energia e o problema do mal uso e falta de inc...
A cana de açúcar como fonte de energia e o problema do mal uso e falta de inc...Marco Antonio Zanirato Cabral
 
Linhas de Crédito para Saneamento
Linhas de Crédito para SaneamentoLinhas de Crédito para Saneamento
Linhas de Crédito para Saneamentoslides-mci
 
Apresentação - Etanol, commodity do futuro
Apresentação - Etanol, commodity do futuroApresentação - Etanol, commodity do futuro
Apresentação - Etanol, commodity do futuroProjetoBr
 
Viterbo - revista o setor eletrico
Viterbo  - revista o setor eletricoViterbo  - revista o setor eletrico
Viterbo - revista o setor eletricoJean Carlo Viterbo
 
Eden Pps6 2 Cen Rios Para O Hidrog Nio Em Portugal Ruipimenta
Eden Pps6 2 Cen Rios Para O Hidrog Nio Em Portugal RuipimentaEden Pps6 2 Cen Rios Para O Hidrog Nio Em Portugal Ruipimenta
Eden Pps6 2 Cen Rios Para O Hidrog Nio Em Portugal Ruipimentah2portugal
 
Apresentação Institucional - CPFL Energia
Apresentação Institucional - CPFL EnergiaApresentação Institucional - CPFL Energia
Apresentação Institucional - CPFL EnergiaCPFL RI
 
X Encontro com Investidores - CPFL Energia
X Encontro com Investidores - CPFL EnergiaX Encontro com Investidores - CPFL Energia
X Encontro com Investidores - CPFL EnergiaCPFL RI
 
Apresentação de Resultados 3T17 - CPFL Energia
Apresentação de Resultados 3T17 - CPFL EnergiaApresentação de Resultados 3T17 - CPFL Energia
Apresentação de Resultados 3T17 - CPFL EnergiaCPFL RI
 
Política Nacional de Saneamento e a Interface com a Eficiência Energética
Política Nacional de Saneamento e a Interface com a Eficiência Energética Política Nacional de Saneamento e a Interface com a Eficiência Energética
Política Nacional de Saneamento e a Interface com a Eficiência Energética slides-mci
 
Corporate Presentation CPFL Energia - Agosto 2017
Corporate Presentation CPFL Energia - Agosto 2017Corporate Presentation CPFL Energia - Agosto 2017
Corporate Presentation CPFL Energia - Agosto 2017CPFL RI
 
Relatório Cogo - 28 de agosto
Relatório Cogo - 28 de agostoRelatório Cogo - 28 de agosto
Relatório Cogo - 28 de agostoJosé Florentino
 
Autobus urbano a GNV: panorama brasileño
Autobus urbano a GNV: panorama brasileñoAutobus urbano a GNV: panorama brasileño
Autobus urbano a GNV: panorama brasileñoProjetoBr
 
Morgan Stanley | Brazilian Utilities Corporate Access Day 2015
Morgan Stanley | Brazilian Utilities Corporate Access Day 2015Morgan Stanley | Brazilian Utilities Corporate Access Day 2015
Morgan Stanley | Brazilian Utilities Corporate Access Day 2015CPFL RI
 
18.ago ametista 14.00_297_cemig-d
18.ago ametista 14.00_297_cemig-d18.ago ametista 14.00_297_cemig-d
18.ago ametista 14.00_297_cemig-ditgfiles
 

Mais procurados (19)

Balanço Final do Governo Lula - livro 5 (cap. 1)
Balanço Final do Governo Lula - livro 5 (cap. 1)Balanço Final do Governo Lula - livro 5 (cap. 1)
Balanço Final do Governo Lula - livro 5 (cap. 1)
 
A comin
A cominA comin
A comin
 
Alexandre 14 30
Alexandre 14 30Alexandre 14 30
Alexandre 14 30
 
A cana de açúcar como fonte de energia e o problema do mal uso e falta de inc...
A cana de açúcar como fonte de energia e o problema do mal uso e falta de inc...A cana de açúcar como fonte de energia e o problema do mal uso e falta de inc...
A cana de açúcar como fonte de energia e o problema do mal uso e falta de inc...
 
Linhas de Crédito para Saneamento
Linhas de Crédito para SaneamentoLinhas de Crédito para Saneamento
Linhas de Crédito para Saneamento
 
Apresentação - Etanol, commodity do futuro
Apresentação - Etanol, commodity do futuroApresentação - Etanol, commodity do futuro
Apresentação - Etanol, commodity do futuro
 
Viterbo - revista o setor eletrico
Viterbo  - revista o setor eletricoViterbo  - revista o setor eletrico
Viterbo - revista o setor eletrico
 
Eden Pps6 2 Cen Rios Para O Hidrog Nio Em Portugal Ruipimenta
Eden Pps6 2 Cen Rios Para O Hidrog Nio Em Portugal RuipimentaEden Pps6 2 Cen Rios Para O Hidrog Nio Em Portugal Ruipimenta
Eden Pps6 2 Cen Rios Para O Hidrog Nio Em Portugal Ruipimenta
 
Apresentação Institucional - CPFL Energia
Apresentação Institucional - CPFL EnergiaApresentação Institucional - CPFL Energia
Apresentação Institucional - CPFL Energia
 
X Encontro com Investidores - CPFL Energia
X Encontro com Investidores - CPFL EnergiaX Encontro com Investidores - CPFL Energia
X Encontro com Investidores - CPFL Energia
 
Apresentação de Resultados 3T17 - CPFL Energia
Apresentação de Resultados 3T17 - CPFL EnergiaApresentação de Resultados 3T17 - CPFL Energia
Apresentação de Resultados 3T17 - CPFL Energia
 
O papel do biogás na pol do meio ambiente
O papel do biogás na pol do meio ambienteO papel do biogás na pol do meio ambiente
O papel do biogás na pol do meio ambiente
 
Política Nacional de Saneamento e a Interface com a Eficiência Energética
Política Nacional de Saneamento e a Interface com a Eficiência Energética Política Nacional de Saneamento e a Interface com a Eficiência Energética
Política Nacional de Saneamento e a Interface com a Eficiência Energética
 
Corporate Presentation CPFL Energia - Agosto 2017
Corporate Presentation CPFL Energia - Agosto 2017Corporate Presentation CPFL Energia - Agosto 2017
Corporate Presentation CPFL Energia - Agosto 2017
 
Relatório Cogo - 28 de agosto
Relatório Cogo - 28 de agostoRelatório Cogo - 28 de agosto
Relatório Cogo - 28 de agosto
 
Autobus urbano a GNV: panorama brasileño
Autobus urbano a GNV: panorama brasileñoAutobus urbano a GNV: panorama brasileño
Autobus urbano a GNV: panorama brasileño
 
Morgan Stanley | Brazilian Utilities Corporate Access Day 2015
Morgan Stanley | Brazilian Utilities Corporate Access Day 2015Morgan Stanley | Brazilian Utilities Corporate Access Day 2015
Morgan Stanley | Brazilian Utilities Corporate Access Day 2015
 
18.ago ametista 14.00_297_cemig-d
18.ago ametista 14.00_297_cemig-d18.ago ametista 14.00_297_cemig-d
18.ago ametista 14.00_297_cemig-d
 
Regulação do Gás Natural: a expectativa de aumento da produção decorrente do ...
Regulação do Gás Natural: a expectativa de aumento da produção decorrente do ...Regulação do Gás Natural: a expectativa de aumento da produção decorrente do ...
Regulação do Gás Natural: a expectativa de aumento da produção decorrente do ...
 

Semelhante a Apresentação SPEtro 17-10-2017

"Projetos de Seqüestro de Carbono: Avanços e Expectativas para os próximos anos"
"Projetos de Seqüestro de Carbono: Avanços e Expectativas para os próximos anos""Projetos de Seqüestro de Carbono: Avanços e Expectativas para os próximos anos"
"Projetos de Seqüestro de Carbono: Avanços e Expectativas para os próximos anos"Petrobras
 
Estratégia de Negócio - Petrobras
Estratégia de Negócio - PetrobrasEstratégia de Negócio - Petrobras
Estratégia de Negócio - Petrobrasdiogom1603
 
Apresentação do ex-presidente do BNDES Demian Fiocca
Apresentação do ex-presidente do BNDES Demian FioccaApresentação do ex-presidente do BNDES Demian Fiocca
Apresentação do ex-presidente do BNDES Demian FioccaCartaCapital
 
Perspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobras
Perspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobrasPerspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobras
Perspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobrasSydney Dias
 
Usos do Biodiesel no Brasil e no Mundo
Usos do Biodiesel no Brasil e no Mundo Usos do Biodiesel no Brasil e no Mundo
Usos do Biodiesel no Brasil e no Mundo Rural Pecuária
 
Ambiental - CNI
Ambiental - CNIAmbiental - CNI
Ambiental - CNIsenaimais
 
Rede Petro Brasil - A Rede das Redes Petro
Rede Petro Brasil - A Rede das Redes PetroRede Petro Brasil - A Rede das Redes Petro
Rede Petro Brasil - A Rede das Redes PetroVinicius Castro
 
Para entender a abertura do mercado de gás natural
Para entender a abertura do mercado de gás naturalPara entender a abertura do mercado de gás natural
Para entender a abertura do mercado de gás naturalABRACEGrandesConsumi
 
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Giovani Mach...
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Giovani Mach...Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Giovani Mach...
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Giovani Mach...Fundação Fernando Henrique Cardoso
 
Indústria do plástico ep0904410
Indústria do plástico ep0904410Indústria do plástico ep0904410
Indústria do plástico ep0904410InformaGroup
 
Além da RIO+20: Oportunidades e desafios para melhorar a governança e para pr...
Além da RIO+20: Oportunidades e desafios para melhorar a governança e para pr...Além da RIO+20: Oportunidades e desafios para melhorar a governança e para pr...
Além da RIO+20: Oportunidades e desafios para melhorar a governança e para pr...Sistema FIEB
 
Relatório de Sustentabilidade 2010
Relatório de Sustentabilidade 2010Relatório de Sustentabilidade 2010
Relatório de Sustentabilidade 2010Petrobras
 

Semelhante a Apresentação SPEtro 17-10-2017 (20)

"Projetos de Seqüestro de Carbono: Avanços e Expectativas para os próximos anos"
"Projetos de Seqüestro de Carbono: Avanços e Expectativas para os próximos anos""Projetos de Seqüestro de Carbono: Avanços e Expectativas para os próximos anos"
"Projetos de Seqüestro de Carbono: Avanços e Expectativas para os próximos anos"
 
Estratégia de Negócio - Petrobras
Estratégia de Negócio - PetrobrasEstratégia de Negócio - Petrobras
Estratégia de Negócio - Petrobras
 
Apresentação do ex-presidente do BNDES Demian Fiocca
Apresentação do ex-presidente do BNDES Demian FioccaApresentação do ex-presidente do BNDES Demian Fiocca
Apresentação do ex-presidente do BNDES Demian Fiocca
 
Perspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobras
Perspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobrasPerspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobras
Perspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobras
 
Laercio Manha
Laercio   ManhaLaercio   Manha
Laercio Manha
 
Prorrogação da Reserva Global de Reversão (RGR) e do Programa de Incentivo...
Prorrogação da Reserva Global de Reversão (RGR) e do Programa de Incentivo...Prorrogação da Reserva Global de Reversão (RGR) e do Programa de Incentivo...
Prorrogação da Reserva Global de Reversão (RGR) e do Programa de Incentivo...
 
Usos do Biodiesel no Brasil e no Mundo
Usos do Biodiesel no Brasil e no Mundo Usos do Biodiesel no Brasil e no Mundo
Usos do Biodiesel no Brasil e no Mundo
 
Ambiental - CNI
Ambiental - CNIAmbiental - CNI
Ambiental - CNI
 
Rede Petro Brasil - A Rede das Redes Petro
Rede Petro Brasil - A Rede das Redes PetroRede Petro Brasil - A Rede das Redes Petro
Rede Petro Brasil - A Rede das Redes Petro
 
Para entender a abertura do mercado de gás natural
Para entender a abertura do mercado de gás naturalPara entender a abertura do mercado de gás natural
Para entender a abertura do mercado de gás natural
 
Os desafios do Brasil na próxima década
Os desafios do Brasil na próxima década Os desafios do Brasil na próxima década
Os desafios do Brasil na próxima década
 
Rodadas de Licitação 2017
Rodadas de Licitação 2017Rodadas de Licitação 2017
Rodadas de Licitação 2017
 
2ªapresentação
2ªapresentação2ªapresentação
2ªapresentação
 
A TCS Brasil 2016
A TCS Brasil 2016 A TCS Brasil 2016
A TCS Brasil 2016
 
O Papel do Gás Natural na Matriz Energética Brasileira - Regulamentação, Rese...
O Papel do Gás Natural na Matriz Energética Brasileira - Regulamentação, Rese...O Papel do Gás Natural na Matriz Energética Brasileira - Regulamentação, Rese...
O Papel do Gás Natural na Matriz Energética Brasileira - Regulamentação, Rese...
 
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Giovani Mach...
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Giovani Mach...Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Giovani Mach...
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Giovani Mach...
 
Indústria do plástico ep0904410
Indústria do plástico ep0904410Indústria do plástico ep0904410
Indústria do plástico ep0904410
 
Regulação do Gás Natural Após a Lei Nº 11.909/2010 -
Regulação do Gás Natural Após a Lei Nº 11.909/2010 - Regulação do Gás Natural Após a Lei Nº 11.909/2010 -
Regulação do Gás Natural Após a Lei Nº 11.909/2010 -
 
Além da RIO+20: Oportunidades e desafios para melhorar a governança e para pr...
Além da RIO+20: Oportunidades e desafios para melhorar a governança e para pr...Além da RIO+20: Oportunidades e desafios para melhorar a governança e para pr...
Além da RIO+20: Oportunidades e desafios para melhorar a governança e para pr...
 
Relatório de Sustentabilidade 2010
Relatório de Sustentabilidade 2010Relatório de Sustentabilidade 2010
Relatório de Sustentabilidade 2010
 

Mais de Gabriel Costa

Metodologia de calculo de capex de upgns
Metodologia de calculo de capex de upgnsMetodologia de calculo de capex de upgns
Metodologia de calculo de capex de upgnsGabriel Costa
 
Analise economica de instalacoes de ESGN
Analise economica de instalacoes de ESGNAnalise economica de instalacoes de ESGN
Analise economica de instalacoes de ESGNGabriel Costa
 
Curso de Matlab basico
Curso de Matlab basicoCurso de Matlab basico
Curso de Matlab basicoGabriel Costa
 
Curso de Matlab avancado 1
Curso de Matlab avancado 1Curso de Matlab avancado 1
Curso de Matlab avancado 1Gabriel Costa
 
Curso de Matlab avancado 2
Curso de Matlab avancado 2Curso de Matlab avancado 2
Curso de Matlab avancado 2Gabriel Costa
 
Processamento de gas natural
Processamento de gas naturalProcessamento de gas natural
Processamento de gas naturalGabriel Costa
 
Projeto de gasodutos
Projeto de gasodutosProjeto de gasodutos
Projeto de gasodutosGabriel Costa
 

Mais de Gabriel Costa (9)

Metodologia de calculo de capex de upgns
Metodologia de calculo de capex de upgnsMetodologia de calculo de capex de upgns
Metodologia de calculo de capex de upgns
 
Analise economica de instalacoes de ESGN
Analise economica de instalacoes de ESGNAnalise economica de instalacoes de ESGN
Analise economica de instalacoes de ESGN
 
Curso de Simulink
Curso de SimulinkCurso de Simulink
Curso de Simulink
 
Curso de Matlab basico
Curso de Matlab basicoCurso de Matlab basico
Curso de Matlab basico
 
Curso de Matlab avancado 1
Curso de Matlab avancado 1Curso de Matlab avancado 1
Curso de Matlab avancado 1
 
Curso de Matlab avancado 2
Curso de Matlab avancado 2Curso de Matlab avancado 2
Curso de Matlab avancado 2
 
Curso de Excel VBA
Curso de Excel VBACurso de Excel VBA
Curso de Excel VBA
 
Processamento de gas natural
Processamento de gas naturalProcessamento de gas natural
Processamento de gas natural
 
Projeto de gasodutos
Projeto de gasodutosProjeto de gasodutos
Projeto de gasodutos
 

Último

A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralA Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralFranciscaArrudadaSil
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraGuilhermeLucio9
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAMCassio Rodrigo
 
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalPauloHenrique154965
 
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfLivro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfSamuel Ramos
 
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfPLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfAroldoMenezes1
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaGuilhermeLucio9
 
Aula de classificação de rolamentos norma DIN
Aula de classificação de rolamentos norma DINAula de classificação de rolamentos norma DIN
Aula de classificação de rolamentos norma DINFabioFranca22
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréGuilhermeLucio9
 
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção IndividualTreinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individualpablocastilho3
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalleandroladesenvolvim
 

Último (11)

A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralA Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
 
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
 
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfLivro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
 
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfPLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
 
Aula de classificação de rolamentos norma DIN
Aula de classificação de rolamentos norma DINAula de classificação de rolamentos norma DIN
Aula de classificação de rolamentos norma DIN
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
 
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção IndividualTreinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animal
 

Apresentação SPEtro 17-10-2017

  • 1. Perspectivas para o Gás Natural no Brasil no horizonte 2017-2026 Gabriel de Figueiredo da Costa Empresa de Pesquisa Energética Rio de Janeiro • 17 de outubro de 2017
  • 2. Papel da EPE no Planejamento Energético Nacional
  • 3. Lei 10.847 de 15 de março de 2004 - Autoriza a criação da EPE Art. 2º: A Empresa de Pesquisa Energética - EPE tem por finalidade prestar serviços na área de estudos e pesquisas destinadas a subsidiar o planejamento do setor energético, tais como energia elétrica, petróleo e gás natural e seus derivados, carvão mineral, fontes energéticas renováveis e eficiência energética, dentre outras. Sobre a EPE Art. 4º: Compete à EPE: I - realizar estudos e projeções da matriz energética brasileira III - identificar e quantificar os potenciais de recursos energéticos VIII - promover estudos para dar suporte ao gerenciamento da relação reserva e produção de hidrocarbonetos no Brasil, visando à autossuficiência sustentável IX - promover estudos de mercado visando definir cenários de demanda e oferta de petróleo, seus derivados e produtos petroquímicos XII - elaborar estudos para desenvolvimento da indústria de gás natural no Brasil XIII - desenvolver estudos para avaliar e incrementar a utilização de energia proveniente de fontes renováveis Empresa pública federal vinculada ao MME Integrante do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) com direito a voto Escritório Central no Rio de Janeiro com aproximadamente 330 funcionários
  • 4. Luiz Augusto Barroso Presidência Ricardo Gorini Diretoria de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Álvaro Pereira Diretoria de Gestão Corporativa José Mauro Coelho Diretoria de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis Amilcar Guerreiro Diretoria de Estudos de Energia Elétrica Conselho de Administração Diretoria Executiva Conselho Fiscal Estrutura organizacional da EPE
  • 5. Exploração e Produção • Produção de petróleo e gás natural • Evolução de reservas provadas e da R/P • Possíveis excedentes de produção de petróleo • Demanda por FPSOs e conteúdo local • Preços de gás natural • Processamento e oferta de gás natural • Balanço de oferta e demanda de gás natural • Infraestrutura de transporte de gás natural • Mercado internacional de gás natural • Geopolítica e mercado internacional do petróleo • Preços de petróleos e derivados • Demanda de combustíveis do setor transporte • Evolução do parque de refino • Balanço de oferta e demanda de derivados de petróleo • Infraestrutura de transporte de petróleo e derivados • Oferta e demanda de etanol • Logística de transporte do etanol • Mercado internacional de etanol • Oferta de biodiesel • Infraestrutura de escoamento da produção de biodiesel • Oferta de biomassa de cana para geração elétrica Gás Natural Abastecimento Biocombustíveis Atribuições gerais da DPG
  • 7. WEBMAP EPE: Sistema de Informações Geográficas do Setor Energético Brasileiro Eletricidade, Petróleo, Gás Natural, Biocombustíveis, entre outros. Principais Publicações
  • 9. Estudos do setor de Gás Natural
  • 10. Imagem Image • Malha de gasodutos de transporte (9.409 km) • 187 Pontos de Entrega (citygates) • 33 Estações de Compressão • 14 Polos de Processamento (95,6 MMm³/d) • 3 Terminais de GNL existentes (41 MMm³/d) Infraestrutura Existente
  • 11. Imagem Image • Preços diferenciados por fonte de oferta • Competitividade do GNL • Competitividade do gás do Pré-Sal Preços de Gás Natural
  • 12. • Aumento de 6,0% a.a. na Produção Bruta • Aumento de 5,3% a.a. na Produção Líquida • Aumento da Injeção (Pré-Sal) Produção Nacional Produção Líquida de Gás Natural 57 61 69 72 95 104 106 115 147 185 0 40 80 120 160 200 2016 2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023 2024 2025 2026 Produção Líquida Injeção Consumo em E&P Queima 6,0% a.a. 5,3% a.a. 57 27 30 13 Produção Bruta Em milhões de m3 por dia 54% 29% 12% 4% 2016 51% 31% 15% 4% 2026
  • 13. • Aumento de 3,1% a.a. na Oferta Nacional (malha integrada) • Declínio natural no Pós-Sal, aumento da produção em Terra • Pré-Sal = 62% da oferta na malha integrada em 2026 • Oferta Potencial em sistemas isolados Oferta Nacional Oferta Nacional de Gás Natural 43 43 49 50 59 57 61 69 72 95 0 20 40 60 80 100 2016 2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023 2024 2025 2026 Oferta Nacional (malha integrada) Oferta em Sistemas Isolados Absorção em UPGNs Não Disponível para UPGNs 5,3% a.a. 3,1% a.a. 76% 7% 7% 9% 2016 62%17% 15% 5% 2026 16 15 4 4 Produção Líquida Em milhões de m3 por dia
  • 14. • Importações da Bolívia: 20 MMm³/d a partir de 2022 • Manutenção dos Terminais de GNL existentes • Aumento de 0,5% a.a. na Oferta Potencial total Oferta Total 28 46 15 13 30 20 41 41 114 120 0 20 40 60 80 100 120 140 2016 2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023 2024 2025 2026 Gás Natural Nacional Associado Gás Natural Nacional Não Associado Importação via Gasodutos Importação via GNL Oferta de Gás Natural – malha integrada Em milhões de m3 por dia
  • 15. • Parte das térmicas bicombustíveis utilizará o combustível alternativo • Saldo positivo no início do período: possibilidade de descontratação temporária de GNL • Possibilidade de UTEs a Ciclo Aberto para atendimento de ponta Balanço 54 66 34 34 15 8 8 97 123 78 78 114 120 0 20 40 60 80 100 120 140 2016 2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023 2024 2025 2026 Demanda não termelétrica Demanda termelétrica a gás natural Demanda termelétrica indicativa Ciclo Combinado Demanda termelétrica bicombustível Demanda Total (despacho máximo) Demanda Total (despacho médio)Oferta Total (malha integrada) Balanço de Gás Natural – malha integrada Em milhões de m3 por dia 6 novos terminais de 14 MMm³/d
  • 16. • Bolívia - 30 MM m³/d, 20 MM m³/d, 16 MM m³/d? • Disponibilidade do Gás Natural do Pré-Sal? - Teor de CO2, distância do litoral, competitividade • Recursos de Gás Natural onshore? - Potencial versus Descobertas • Expansão na capacidade de regaseificação de GNL? - Novos terminais • Perspectivas de Recuperação Econômica? • Papel das UTEs a gás natural para lidar com a demanda de pico e a intermitência das fontes renováveis? - Sob discussão • Novas interconexões com países vizinhos? - Cone Sul Principais Incertezas
  • 17. Iniciativa Gás para Crescer e outros grupos de Trabalho do Governo Federal
  • 18. Objetivo Estabelecer um mercado de gás natural com diversidade de agentes, liquidez, competitividade, acesso à informação e boas práticas, que contribua para o desenvolvimento do País Subcomitês 01. Escoamento, Processamento e Terminais de GNL Núcleo Coordenador 02. Transporte e Estocagem 03. Distribuição 04. Comercialização 05. Tributação 06. Gás Natural como Matéria-Prima 07. Gás Natural da União 08. Integração com o Setor Elétrico Gás para Crescer
  • 19. Medidas propostas 01. Escoamento, Processamento e Terminais de GNL Status atual: Projeto de Lei será encaminhado ao Congresso 02. Transporte e Estocagem 03. Distribuição 04. Comercialização 05. Tributação 06. Gás Natural como Matéria-Prima 07. Gás Natural da União 08. Integração com o Setor Elétrico Acesso negociado e não discriminatório, garantida a prioridade de acesso do proprietário. Independência, operação coordenada, planejamento integrado Figura do consumidor livre, harmonização entre as regulações Hubs virtuais, melhor organização dos mercados e plataformas Maior eficiência, deve permitir as novas transações Incentivos para o desenvolvimento da indústria química nacional Prioridade para o mercado nacional Revisão das regras dos leilões de usinas termelétricas Gás para Crescer
  • 20. GT de Política de Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural Objetivo “Propor, ao Conselho Nacional de Política Energética – CNPE, diretrizes gerais relativas à política energética para as atividades de exploração e produção de petróleo e gás natural” Núcleo Coordenador Outros Grupos de Trabalho
  • 21. Objetivo “Estimular o desenvolvimento regional e a revitalização da atividade de E&P terrestre, criando sinergias entre os produtores, fornecedores e financiadores” Núcleo Coordenador Outros Grupos de Trabalho
  • 22. Objetivo “Estabelecer um conjunto de ações e medidas voltadas para a promoção e a intensificação da livre iniciativa no mercado brasileiro de combustíveis” Eixos Estratégicos Redesenho do cenário de abastecimento frente ao novo papel da Petrobras Fomento a novos investimentos Regras de acesso e desenvolvimento de infraestrutura portuária e de terminais Estimo à competitividade crescente nos mercados de combustíveis Relatório em consulta pública de 17/03 a 20/04 Outros Grupos de Trabalho
  • 23. “Garantir a expansão da produção de biocombustíveis em harmonia com o compromisso brasileiro na COP21 e compatível com o crescimento do mercado” Objetivo Eixos Estratégicos Papel dos biocombustíveis na matriz Sustentabilidade ambiental, econômica e financeira Regras de comercialização Novos biocombustíveis Outros Grupos de Trabalho
  • 24. “Mecanismo para políticas e colaboração entre países, organizações, academia e o setor privado conscientes da necessidade de acelerar o desenvolvimento e expandir a implantação de modernas alternativas sustentáveis de baixo carbono” LANÇADO NA COP22 INICIATIVA PROMOVIDA PELO GOVERNO BRASILEIRO 20 PAÍSES MEMBROS Objetivo Outros Grupos de Trabalho
  • 25. Desenvolver maneiras de produzir, em escala, biocombustíveis avançados e amplamente disponíveis para transporte e aplicações industriais Objetivo Outros Grupos de Trabalho
  • 26. Avenida Rio Branco, 1 - 11o andar 20090-003 - Centro - Rio de Janeiro http://www.epe.gov.br/ Gabriel de Figueiredo da Costa Consultor Técnico – Gás Natural E-mail: gabriel.costa@epe.gov.br Telefone: + 55 (21) 3512 - 3295 Twitter: @EPE_Brasil Facebook: EPE.Brasil