CONSUMISMO<br />Trabalho realizado no âmbito da disciplina de área de projecto, orientado pelo professor Manuel José, pelo...
Tratamento dos inquéritos<br />
No início do século XX, os Estados Unidos da América viviam um período de prosperidade e de pleno desenvolvimento.<br />
No entanto, a partir de 1925, a economia Norte-Americana começou a enfrentar sérias dificuldades.<br />
Dois motivos que despoletaram a crise:<br /><ul><li>O muito desemprego gerado pelo desenvolvimento tecnológico e pela meca...
   A recuperação dos países europeus, logo após a 1ª Guerra Mundial, fez com que potenciais compradores de bens produzidos...
Uma crise de superprodução foi originada pela contínua produção e falta de consumidores.<br />
Em consequência, as indústrias foram forçadas a diminuir a sua produção e demitir funcionários, agravando ainda mais a cri...
A crise acabou por chegar ao mercado de acções. Volumes elevados de transacções eram intervalados com breves períodos de s...
Abalados pela crise, os Estados Unidos reduziram a compra de produtos ao exterior e suspenderam os empréstimos a outros pa...
Para solucionar a crise, Franklin Roosevelt, Presidente Norte-Americano, propôs mudar a política de intervenção americana....
Se antes o Estado não interferia na economia, deixando tudo fluir conforme o mercado, agora passaria a intervir constantem...
O resultado desta decisão foi a criação de grandes infra-estruturas, fundos de apoio a desempregados, assistência a trabal...
Assim, os Estados Unidos conseguiram retomar seu crescimento económico de forma gradual, tentando esquecer a crise.<br />
Concluindo, toda esta CRISE foi provocada pelo CONSUMISMO.<br />
Os Americanos quiseram aproveitar o espírito consumista para aumentar drasticamente a produtividade e, lógicamente, os luc...
Contudo, os seus grandes mercados diminuiram consideravelmente a procura, o que despoltou uma enorme acomulação de exceden...
Essa acomulação de excedentes não podia ser escoada apenas no mercado Americano, o que levou muitas empresas a dificuldade...
Um efeito bola-de-neve foi então desencadeado. Os seus efeitos foram alarmantes para todo o mundo.<br />
Assim o Consumismo não afecta apenas quem o pratica, mas toda a sociedade mundial, através de todos os actos gerados apart...
A Publicidade<br />RedBull dá-te asas<br />Impossible<br />IsNothing<br />Just do it<br />Drinkcoke<br />Drink 7 upwithFid...
O Que é a Publicidade?<br />	Publicidade designa qualquer mensagem impressa ou difundida, cujo objectivo seja o de divulga...
Estratégias Publicitárias:<br />Promover a singularidade:<br />Produtos com elevada qualidade;<br />Produtos com preços ec...
Meios Publicitários:<br />A Publicidade, e consequente propaganda quer à satisfação de necessidades quer à manipulação do ...
A Televisão:<br />Apesar de relativamente recente, a televisão é dos meios publicitários que mais nos influencia:<br />Dep...
A Internet<br />Fenómeno recente mas já de aceitação generalizada. Mesmo assim, não se pode dizer que seja o tipo de publi...
A Rádio:<br />Centra o seu pico de utilização na população activa mais propriamente nas viaturas particulares e em locais ...
A Imprensa:<br />A imprensa utiliza anúncios de tamanhos variados à base de textos, fotografias e figuras onde cor, logóti...
O Cinema:<br />Hoje em dia, todos os minutos antecedentes a um filme são reservados para publicidades a outros filmes e a ...
Mensagem Publicitária:<br />Podemos dizer que hoje a publicidade está em todo o lado quase que piscando-nos o olho.<br />N...
Estratégias e características Publicitárias<br />Aspiração à felicidade e bem-estar, <br />Vaidade, <br />Sexualidade, <br...
Cada anúncio publicitário deve:<br />despertar a atenção,<br />criar interesse,<br />estimular desejo,<br />permitir a mem...
Elementos fulcrais de um anúncio::<br />a marca, como elemento fundamental;<br />a imagem, que deve “prender” o olhar;<br ...
Hoje, o conceito de riqueza em vez de assentar no princípio de acumulação de capital, passou a assentar no princípio do co...
	O consumismo e, logo, a exagerada publicidade aos produtos e fomentação do consumo levam e continuarão a levar o homem pa...
“À dolorosa luz das grandes lâmpadas eléctricas da fábrica<br />Tenho febre e escrevo. Escrevo rangendo os dentes, fera pa...
A origem da crise actual<br />Subprime<br />Crédito à habitação de alto risco <br />Destinado a uma fatia da <br />    pop...
Como surgiu o ‘subprime’?<br />O ‘subprime’ surge quando:<br />A Reserva Federal norte-americana <br />começa a baixar as ...
Conclusão:<br />Quando a reserva federal começa a subir de novo os juros o problema instala-se. <br />Juros altos + Queda ...
Como se dá o contágio para a Europa?<br />Mercados interligados <br />     Bancos e fundos europeus com investimentos em p...
Solução<br />Injecção de capital por parte do BCE.<br />Os bancos solicitam ao BCE o   empréstimo de determinado montante ...
A crise a longo prazo<br />A injecção de capital do BCE não resolve todo o problema. <br />    Tudo depende do grau de exp...
O crescimento económico mundial está ameaçado?<br />    Bancos congelam activos <br />Prova da grandiosa seriedade do prob...
Como é que Portugal foi afectado?<br />A crise no mercado hipotecário dos EUA leva a que, em Portugal, o sector financeiro...
Porque se afundam as bolsas europeias?<br />Venda de acções de forma maciça pois temem o surgimento de novos sintomas que ...
Padrões de Consumo<br />Padrões de Consumo são modelos específicos, comuns a determinados grupos sociais, a que o consumo ...
Factores explicativos<br />Económicos:<br />Extra-económicos:<br />Rendimento dos consumidores;<br />Preço dos bens;<br />...
Rendimento dos consumidores<br />Fonte: INE<br />
Preço dos bens<br />Fonte: Diário Económico<br />
Inovação Tecnológica<br />Os novos bens, tecnologicamente mais sofisticados, apresentavelmente mais atractivos, leva a um ...
Idade<br />Fonte: INE<br />
Sexo<br />Fonte: DECO<br />
Moda<br />Pode condicionar a capacidade de escolha, ao criar motivações desajustadas das necessidades efectivas do indivíd...
Publicidade<br />
Localização geográfica<br />Fonte: INE<br />
Tradição<br />Influencia os modos de vida das populações<br />Traduz um hábito adquirido por gerações sucessivas<br />Difi...
Conclusão:<br />Após a execução deste trabalho, podemos afirmar que o consumismo é uma tendência bastante recente.<br />Es...
O consumismo está na base das mudanças mais profundas a que a sociedade actual assistiu afectando directamente todos os pa...
Conselhos para um consumo responsável<br />Para colaborarmos todos num consumo mais responsável temos que começar por redu...
Antes de comprar<br />No momento da compra<br />O que é que preciso ou quero exactamente?<br />Que opções tenho para satis...
Enquanto o uso ou consumo<br />Quando acabei de consumir<br />O que posso fazer para que cause o menor impactopossível qua...
Agradecimentos:<br />Ao Professor Manuel José pela colaboração na elaboração do nosso trabalho;<br />À DECO, em especial à...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Consumismo - Apresentação final

1.651 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Consumismo - Apresentação final

  1. 1. CONSUMISMO<br />Trabalho realizado no âmbito da disciplina de área de projecto, orientado pelo professor Manuel José, pelos alunos do 12ºH (Grupo1):<br /> Ana Sousa nº1<br /> Bernardo Almeida nº4<br /> Gabriel Gonzaga nº9<br /> Hugo Machado nº10<br />
  2. 2. Tratamento dos inquéritos<br />
  3. 3.
  4. 4. No início do século XX, os Estados Unidos da América viviam um período de prosperidade e de pleno desenvolvimento.<br />
  5. 5. No entanto, a partir de 1925, a economia Norte-Americana começou a enfrentar sérias dificuldades.<br />
  6. 6. Dois motivos que despoletaram a crise:<br /><ul><li>O muito desemprego gerado pelo desenvolvimento tecnológico e pela mecanização;
  7. 7. A recuperação dos países europeus, logo após a 1ª Guerra Mundial, fez com que potenciais compradores de bens produzidos nos Estados Unidos reduzissem o consumo drasticamente, devido à recuperação das suas economias.</li></li></ul><li>
  8. 8. Uma crise de superprodução foi originada pela contínua produção e falta de consumidores.<br />
  9. 9. Em consequência, as indústrias foram forçadas a diminuir a sua produção e demitir funcionários, agravando ainda mais a crise.<br />
  10. 10.
  11. 11. A crise acabou por chegar ao mercado de acções. Volumes elevados de transacções eram intervalados com breves períodos de subida de cotações e recuperação, ocasionando o Crash.<br />
  12. 12.
  13. 13. Abalados pela crise, os Estados Unidos reduziram a compra de produtos ao exterior e suspenderam os empréstimos a outros países, ocasionando uma crise mundial.<br />
  14. 14. Para solucionar a crise, Franklin Roosevelt, Presidente Norte-Americano, propôs mudar a política de intervenção americana.<br />
  15. 15. Se antes o Estado não interferia na economia, deixando tudo fluir conforme o mercado, agora passaria a intervir constantemente.<br />
  16. 16. O resultado desta decisão foi a criação de grandes infra-estruturas, fundos de apoio a desempregados, assistência a trabalhadores, concessão de empréstimos, entre outros.<br />
  17. 17. Assim, os Estados Unidos conseguiram retomar seu crescimento económico de forma gradual, tentando esquecer a crise.<br />
  18. 18. Concluindo, toda esta CRISE foi provocada pelo CONSUMISMO.<br />
  19. 19. Os Americanos quiseram aproveitar o espírito consumista para aumentar drasticamente a produtividade e, lógicamente, os lucros.<br />
  20. 20. Contudo, os seus grandes mercados diminuiram consideravelmente a procura, o que despoltou uma enorme acomulação de excedentes.<br />
  21. 21. Essa acomulação de excedentes não podia ser escoada apenas no mercado Americano, o que levou muitas empresas a dificuldades financeiras e logisticas.<br />
  22. 22. Um efeito bola-de-neve foi então desencadeado. Os seus efeitos foram alarmantes para todo o mundo.<br />
  23. 23. Assim o Consumismo não afecta apenas quem o pratica, mas toda a sociedade mundial, através de todos os actos gerados apartir desta generalização.<br />
  24. 24. A Publicidade<br />RedBull dá-te asas<br />Impossible<br />IsNothing<br />Just do it<br />Drinkcoke<br />Drink 7 upwithFidoDido<br />Faz-se nos alpes,desfaz-se na boca<br />Ask for more<br />Faz uma pausa<br />MercedesBenz<br />Ferrari<br />Segue oque sentes<br />Mais perto do que é importante<br />
  25. 25. O Que é a Publicidade?<br /> Publicidade designa qualquer mensagem impressa ou difundida, cujo objectivo seja o de divulgar e persuadir, com fins comerciais, uma ideia, um produto ou serviço, uma marca ou uma organização junto de um determinado mercado-alvo.<br />
  26. 26. Estratégias Publicitárias:<br />Promover a singularidade:<br />Produtos com elevada qualidade;<br />Produtos com preços económicos;<br />Produtos inovadores<br />…<br />
  27. 27. Meios Publicitários:<br />A Publicidade, e consequente propaganda quer à satisfação de necessidades quer à manipulação do público alvo, é feita, essencialmente, através da televisão, internet, rádio e imprensa (jornais, revistas, etc):<br />
  28. 28. A Televisão:<br />Apesar de relativamente recente, a televisão é dos meios publicitários que mais nos influencia:<br />Dependendo do horário, consegue atrair todo o tipo de público (permitindo promover qualquer tipo de produto)<br />Combina o efeito áudio da rádio com o visual da imprensa. <br />Utilizada como objecto de companhia permite a publicidade involuntária<br />
  29. 29. A Internet<br />Fenómeno recente mas já de aceitação generalizada. Mesmo assim, não se pode dizer que seja o tipo de publicidade mais frequente.<br />Aumento exponencial<br />do número de pequenos anúncios quer em sites patrocinados <br />“pop-ups” que nos direccionam ao site oficial do produto.<br />Os e-mail são uma forma particular de publicidade na internet pois é necessário que quem recebe o e-mail o tenha divulgado. <br />
  30. 30. A Rádio:<br />Centra o seu pico de utilização na população activa mais propriamente nas viaturas particulares e em locais de trabalho com música de fundo.<br />As suas principais vantagens são:<br />Gratuitidade, portanto, acessível a toda a gente,<br />a facilidade de utilização, já que permite outras ocupações em simultâneo e,<br />essencialmente, a grande interactividade emissor-receptor.<br />Gera-se publicidade com um tom íntimo e personalizado que cativa os ouvintes.<br />
  31. 31. A Imprensa:<br />A imprensa utiliza anúncios de tamanhos variados à base de textos, fotografias e figuras onde cor, logótipos e slogans são fulcrais para despertar ou não o interesse do leitor.<br />Esta chega hoje a todas as classes sociais com jornais e revistas de carácter nacional, regional ou local.<br />
  32. 32. O Cinema:<br />Hoje em dia, todos os minutos antecedentes a um filme são reservados para publicidades a outros filmes e a anúncios particulares.<br />Também na generalidade dos filmes e séries é possível identificar fortes campanhas publicitárias a roupas, carros, bebidas, etc.<br />
  33. 33. Mensagem Publicitária:<br />Podemos dizer que hoje a publicidade está em todo o lado quase que piscando-nos o olho.<br />Ninguém imagina o mundo hoje sem publicidade. As imagens atraentes e as palavras insinuantes convidam-nos a imaginar, por momentos, a nossa vida com o que está a ser anunciado.<br /> A publicidade é, assim, a arte de seduzir, de convencer e, por isso, nada num anúncio acontece por acaso…<br />
  34. 34. Estratégias e características Publicitárias<br />Aspiração à felicidade e bem-estar, <br />Vaidade, <br />Sexualidade, <br />Princípio do menor esforço, <br />Gosto pela economia,<br />Necessidade de certeza<br />com testemunhos reais<br />garantindo a plena satisfação do consumidor ou, somente, o total apoio ao cliente<br />Sensibilidade,<br />Ambiente familiar, <br />Criação de personagem.<br />
  35. 35. Cada anúncio publicitário deve:<br />despertar a atenção,<br />criar interesse,<br />estimular desejo,<br />permitir a memorização<br />E, FUNDAMENTALMENTE<br />provocar a acção (aquisição).<br />
  36. 36. Elementos fulcrais de um anúncio::<br />a marca, como elemento fundamental;<br />a imagem, que deve “prender” o olhar;<br />o slogan, que deve ser original, conciso, fácil de memorizar e capaz de despertar a simpatia da marca;<br />o texto de argumentação, que dá a credibilidade ao anúncio, deve apontar as vantagens da aquisição do produto e a sua superioridade.<br />
  37. 37. Hoje, o conceito de riqueza em vez de assentar no princípio de acumulação de capital, passou a assentar no princípio do consumo. Ou seja, a evolução da sociedade está dependente, sobretudo, da evolução do consumo.<br />Quanto mais determinada a consumir estiver a sociedade mais lucro terá e mais riqueza obterá.<br />MAS MAIS RECUSROS DESPERDIÇARÁ!!<br />
  38. 38. O consumismo e, logo, a exagerada publicidade aos produtos e fomentação do consumo levam e continuarão a levar o homem para a sua destruição e, até, para a destruição do mundo!!<br />
  39. 39. “À dolorosa luz das grandes lâmpadas eléctricas da fábrica<br />Tenho febre e escrevo. Escrevo rangendo os dentes, fera para a beleza disto,<br />Para a beleza disto totalmente desconhecida dos antigos.”<br />Álvaro de Campos, in ODE TRIUNFAL<br />
  40. 40. A origem da crise actual<br />Subprime<br />Crédito à habitação de alto risco <br />Destinado a uma fatia da <br /> população com rendimentos <br /> mais baixos e com uma situação <br /> económica mais instável. <br />Única garantia exigida nestes <br /> empréstimos é o imóvel. <br />Segmento do mercado de crédito <br /> exclusivo dos EUA.<br />
  41. 41. Como surgiu o ‘subprime’?<br />O ‘subprime’ surge quando:<br />A Reserva Federal norte-americana <br />começa a baixar as taxas de juro para <br />estimular o mercado imobiliário. <br />A criação de emprego e o investimento<br /> empresarial estavam em níveis baixos e a <br />taxa de juro descia para 1%. <br />As várias instituições bancárias deixaram de <br />ser tão exigentes nas condições requeridas <br />para conceder créditos. <br />
  42. 42. Conclusão:<br />Quando a reserva federal começa a subir de novo os juros o problema instala-se. <br />Juros altos + Queda dos preços das casas<br />Famílias sem capacidade para saldar as suas dívidas.<br />
  43. 43. Como se dá o contágio para a Europa?<br />Mercados interligados <br /> Bancos e fundos europeus com investimentos em produtos das instituições norte-americanas que operam no segmento ‘subprime’. Levam a crise de liquidez na Europa.<br />
  44. 44. Solução<br />Injecção de capital por parte do BCE.<br />Os bancos solicitam ao BCE o empréstimo de determinado montante para fazer face às necessidades de liquidez. <br /> O BCE analisa a gravidade da situação <br /> faz o empréstimo com uma taxa de <br /> juro baixa.<br /> A injecção de capital tem o objectivo de <br /> assegurar as condições normais dos <br /> mercados, e assegurar a robustez da zona euro.<br />
  45. 45. A crise a longo prazo<br />A injecção de capital do BCE não resolve todo o problema. <br /> Tudo depende do grau de exposição dos bancos ao mercado norte-americano. <br /> Se a falta de confiança se alastrar ao resto dos mercados de crédito, as consequências poderão adquirir uma dimensão muito gravosa<br />
  46. 46. O crescimento económico mundial está ameaçado?<br /> Bancos congelam activos <br />Prova da grandiosa seriedade do problema <br /> Os problemas do sistema financeiro acabam por se reflectir na economia: <br /> 1.Os bancos centrais são confrontados com a necessidade de restringir as condições de concessão de crédito. <br /> 2.Famílias e empresas são afectadas com consequente quebra do consumo e do investimento.<br />
  47. 47. Como é que Portugal foi afectado?<br />A crise no mercado hipotecário dos EUA leva a que, em Portugal, o sector financeiro suspenda os seus fundos expostos ao segmento de ‘subprime’.<br /> Cotação dos fundos:<br />ParvestDynamic ABS BNP Paribas ABS Euribor<br /> BNP Paribas ABS Eoniapor<br />Estes fundos são distribuídos pelo Banco Best, Barclays,  ActivoBank<br /> … <br />Mas estas instituições não revelaram ainda quantos clientes foram afectados. <br />
  48. 48. Porque se afundam as bolsas europeias?<br />Venda de acções de forma maciça pois temem o surgimento de novos sintomas que ponham em causa o funcionamento do sistema financeiro global. <br /> Naturalmente as acções dos bancos são as mais castigadas.<br />
  49. 49. Padrões de Consumo<br />Padrões de Consumo são modelos específicos, comuns a determinados grupos sociais, a que o consumo obedece.<br />
  50. 50. Factores explicativos<br />Económicos:<br />Extra-económicos:<br />Rendimento dos consumidores;<br />Preço dos bens;<br />Inovação tecnológica;<br />Idade;<br />Sexo;<br />Moda;<br />Publicidade;<br />Localização geográfica;<br />Tradição<br />
  51. 51. Rendimento dos consumidores<br />Fonte: INE<br />
  52. 52. Preço dos bens<br />Fonte: Diário Económico<br />
  53. 53. Inovação Tecnológica<br />Os novos bens, tecnologicamente mais sofisticados, apresentavelmente mais atractivos, leva a um aumento da capacidade aquisitiva dos consumidores.<br />
  54. 54. Idade<br />Fonte: INE<br />
  55. 55. Sexo<br />Fonte: DECO<br />
  56. 56. Moda<br />Pode condicionar a capacidade de escolha, ao criar motivações desajustadas das necessidades efectivas do indivíduo. <br />
  57. 57. Publicidade<br />
  58. 58. Localização geográfica<br />Fonte: INE<br />
  59. 59. Tradição<br />Influencia os modos de vida das populações<br />Traduz um hábito adquirido por gerações sucessivas<br />Dificulta a inovação, a mudança e a modernidade.<br />
  60. 60. Conclusão:<br />Após a execução deste trabalho, podemos afirmar que o consumismo é uma tendência bastante recente.<br />Este tem por base o egocentrismo do Homem e, embora de origem americana, rapidamente se alastrou à Europa e ao resto do mundo com o contributo das técnicas de publicidade e marketing.<br />
  61. 61. O consumismo está na base das mudanças mais profundas a que a sociedade actual assistiu afectando directamente todos os países desenvolvidos e as suas relações com o resto do mundo.<br />Por sua vez, este fenómeno definiu modos de vida, comportamentos sociais e o modo de organização dos alicerces das economias mundiais. <br />
  62. 62. Conselhos para um consumo responsável<br />Para colaborarmos todos num consumo mais responsável temos que começar por reduzir o consumo excessivo. Se o nosso acto de consumo For reflectido podemos mudar os nossos hábitos, tendo como base algumas etapas que nos colocam várias interrogações.<br />
  63. 63. Antes de comprar<br />No momento da compra<br />O que é que preciso ou quero exactamente?<br />Que opções tenho para satisfazer essanecessidade ou desejo? <br />De certeza que tenhoque comprar para conseguir o que quero?<br />Como posso gastar menos quantidadedesse produto?<br />Quais são os meios de produção e materiais mais ecológicos para o fabrico deste produto? <br />Quem são os fabricantes das diferentes marcas do produto?<br />Quem o vende? <br />Que outros negócios tem? <br />No que é que investe e a quem financia? <br />A que classe de sociedade faz tender o seu modelo empresarial?<br />
  64. 64. Enquanto o uso ou consumo<br />Quando acabei de consumir<br />O que posso fazer para que cause o menor impactopossível quando se converta em resíduo? <br />Como tenho que cuidar o produto enquanto o usopara que dure o máximo tempo possível e assimconsumir menos e gerar menos resíduos?<br />
  65. 65. Agradecimentos:<br />Ao Professor Manuel José pela colaboração na elaboração do nosso trabalho;<br />À DECO, em especial à responsável Tatiana Mendonça e ao jurista André Regueiro;<br />Ao 12ºH;<br />Aos alunos e professores da escola que colaboraram na elaboração dos inquéritos;<br />Ao Professor Raul e à direcção da escola, pela ajuda nos contactos com a DECO<br />

×