Rainhas do Romance 08                       Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas                            Ameaças e Pr...
Rainhas do Romance 08                       Barbara Delinsky – Ameaças e Promessasparecendo menos elegante que o habitual ...
Rainhas do Romance 08                       Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas      Lauren Stevenson olhava-se no espe...
Rainhas do Romance 08                       Barbara Delinsky – Ameaças e Promessascorpo, massagens, manicures... sol, arei...
Rainhas do Romance 08                        Barbara Delinsky – Ameaças e Promessasolhos parecem enormes, separados, e alé...
Rainhas do Romance 08                        Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas      - Eu gosto. E bem dividido e, a p...
Rainhas do Romance 08                       Barbara Delinsky – Ameaças e Promessasum taxi?     - Vim de carro. Juro que o ...
Rainhas do Romance 08                        Barbara Delinsky – Ameaças e Promessasconjuntos de moldura de madeira natural...
Rainhas do Romance 08                       Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas     - Ele certamente bebeu demais e est...
Rainhas do Romance 08                       Barbara Delinsky – Ameaças e Promessasnisso, o que entrou hoje de manhã era ai...
Rainhas do Romance 08                           Barbara Delinsky – Ameaças e Promessasbem-humorado.       - Eu não o quero...
Rainhas do Romance 08                       Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas      - Um dia isso talvez aconteça. Os ...
Rainhas do Romance 08                       Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas     - Não vou machucar você, menino. - ...
Rainhas do Romance 08                      Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas     - Grande e preto. Pêlo curto. Talvez...
Rainhas do Romance 08                       Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas    - Acho que você devia ajudá-lo. - La...
Rainhas do Romance 08                      Barbara Delinsky – Ameaças e Promessasda loja para comprar selos, e surpreendeu...
Rainhas do Romance 08                       Barbara Delinsky – Ameaças e Promessasafastar essa ídéia da mente, junto com t...
Rainhas do Romance 08                       Barbara Delinsky – Ameaças e Promessassuéter de algodão de cor marfim na altur...
Rainhas do Romance 08                           Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas     Ela assentiu com a cabeça. Um c...
Rainhas do Romance 08                      Barbara Delinsky – Ameaças e PromessasMatt.     As últimas palavras a convencer...
Rainhas do Romance 08                       Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas     - Então você tinha 17 anos quando B...
Rainhas do Romance 08                       Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas     - Teria me desprezado porque não te...
Rainhas do Romance 08                       Barbara Delinsky – Ameaças e Promessasdeslocando-se num ritmo constante, embor...
Rainhas do Romance 08                       Barbara Delinsky – Ameaças e PromessasMatt as dizia dava a Lauren a impressão ...
Rainhas do Romance 08                       Barbara Delinsky – Ameaças e Promessasse tornou tímido o bastante para dissipa...
Rainhas do Romance 08                        Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas     - Agora você ficou mesmo igual a B...
Rainhas do Romance 08                        Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas      Passando o braço pelas costas del...
Rainhas do Romance 08                        Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas     - Acho que eu jamais poderia voar ...
Rainhas do Romance 08                       Barbara Delinsky – Ameaças e Promessasprecipitadas. Já lhe ocorreu que pode in...
Rainhas do Romance 08                       Barbara Delinsky – Ameaças e Promessasela logo abanou a cabeça.     - É melhor...
Rainhas do Romance 08                       Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas     - E as jóias? Localizou o disfarce?...
Rainhas do Romance 08                        Barbara Delinsky – Ameaças e Promessaspensando em Matthew Kruger, e ainda não...
Rainhas do Romance 08                       Barbara Delinsky – Ameaças e Promessassegundo lugar, ele era amigo de Brad. Vo...
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]

590 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
590
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_do_romance_8[1]

  1. 1. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas Ameaças e Promessas (Barbara Delinsky) Título Original: Threats And PromisesPUBLICADO SOB ACORDO COM HARLEQUIN ENTERPRISES D B.V./S.à.r.l.Todos os personagens desta obra são fictícios. Qualquer semelhança compessoas vivas ou mortas é mera coincidência.Copyright © 1986 by Barbara DelinskyOriginalmente publicado em 1986 por Harlequin IntrigueDigitalização: PolyanaRevisão: Vanessa CristinaResumo: Após fazer uma cirurgia plástica no rosto, Lauren Stevens estava tãopreocupada com o novo visual e os recentes investimentos com o dinheiro que herdou de seu irmão que nem percebeu a ocorrência constante de “pequenos incidentes”. Mas os incidentes ganham uma dimensão bem maior quando elacomeça a ser perseguida e ameaçada de morte. Para aumentar seu desespero,um homem chamado Matt Krueger pasa a estar sempre ao seu lado, afirmando ter sido amigo do irmão dela. Atraente demais, fácil demais e interessado demais em protegê-la, Matt torna-se o principal suspeito de ser o verdadeiro algoz de Lauren. Afinal, poderia alguém como ele simplesmente surgir do nada?Prólogo A escuridão da noite estendia-se densa no jardim da opulenta propriedadenas colinas de Hollywood, onde dois vultos obscurecidos, ambos de homens,conversavam em tom baixo. Um alto, forte e agitado; o outro elegante,arrogante e calmo. - Você tem certeza? Absoluta certeza? - exigiu saber o elegante,Projeto Revisoras 1
  2. 2. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessasparecendo menos elegante que o habitual ao observar a escuridão e fixar osolhos impiedosamente no companheiro. - Ela não estava naquele carro - insistiu o mais alto, sem se alterar. - Você disse que estava. Eu a enterrei. - Enterrou as cinzas que achamos serem dela. Nós nos enganamos. Embora as narinas do elegante se dilatassem, ele manteve a voz baixa. - E como pode ter certeza de que não era ela? - Um dos nossos homens ouviu comentários próximo à sala do médico-legista encarregado da morte suspeita. Não se encontrou prova alguma docorpo, carbonizado ou não. Uma bolsa e sapatos queimados, mas nenhumcorpo. Em âmbito não oficial, claro. Oficialmente, no que se refere ao calor,está morta. O arrogante praguejou baixinho. Tirou um maço de cigarros do bolso emal teve tempo de levar um à boca quando o subalterno riscou um fósforocom a unha do polegar e acendeu-o. - Nenhum corpo - resmungou ele, endireitando os ombros. - Então elaconseguiu escapar, O irrequieto teve bom senso suficiente para ficar imóvel. Sabia o que iaacontecer, sabia que iam descartá-lo do trabalho. - Quero que seja encontrada - grunhiu o elegante. -Quero que sejaencontrada já. - Mesmo assim, o outro permaneceu calado. - Ela não tinhafamília, pelo menos nunca me falou que tivesse. Não tinha contato com maisninguém, e seus amigos eram os meus. - Uma longa tragada no cigarroiluminou momentaneamente a ponta vermelha em brasa. - Deve ter tidoajuda. - A fumaça saiu enroscada com as palavras e dissipou-se no ar. - Novaidentidade, novo endereço, dinheiro... Maldição! - disse por entre dentescerrados, as engrenagens girando na mente. - Ela vendeu as jóias. Não houvearrombamento nem roubo. A desgraçada pegou as jóias e vendeu! - Eu vou encontrá-la. - Com toda certeza vai. Meio milhão em diamantes e rubis, para não falarem mais quatrocentos mil em peles... mulher nenhuma pode me roubar assim! - Quer que eu a traga de volta? O chefe do mais forte pensou na pergunta, acariciando a pele recém-raspada acima do lábio. Quando falou, a voz saiu mais uma vez baixa esombria. - É uma ladra. É traidora. Eu dei a ela um enterro digno de uma rainha.Não vou sofrer o vexame de vê-la materializar-se da sepultura. - Fez umapausa momentânea antes de continuar, à sua maneira pervertida polida,arrogante e cerebral. - Ela está morta. É assim que a quero. Faça-a contorcer-se primeiro. Diga que sei o que ela fez. Pegue as jóias e o que mais conseguir.Depois providencie para que seja enterrada, desta vez com uma lápide semidentificação. Lançando o cigarro no gramado, esmagou-o sob a sola do sapato de couroimportado. Alisou o paletó social de seda, empinou o queixo e encaminhou-secalmo e frio para casa.Capitulo UmProjeto Revisoras 2
  3. 3. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas Lauren Stevenson olhava-se no espelho. E olhava-se. E olhava-se. - Por mais tempo que eu continue aqui - disse, ofegante - não consigoacreditar que sou eu! Richard Bowen sorriu para o reflexo dela. - É você, e se quer a minha opinião, está maravilhosa. Ela lançou-lhe umtímido olhar. Nas semanas durante as quais passara a conhecer esse homem,sentia-se inteiramente à vontade com ele como seu médico. Mas não podiaignorar o fato de que era atraente; por isso o elogio teve mais significado. - Sou capaz de apostar que diz isso a todas as mulheres que operou. - Não necessariamente. Algumas ficam apenas bem. Outras, melhoresque antes. Quanto a isso - acrescentou ele, piscando um dos olhos - certasmulheres eram melhores antes da cirurgia. - Você não diz isso a elas, diz? - repreendeu-o. - Está brincando? Se é a vaidade que as traz aqui, não tenho a intençãode arranjar uma inimiga para toda a vida. Mas não foi a vaidade que a trouxe,Lauren Stevenson, foi? Ela fez que não com a cabeça. - Foi por necessidade. - Mais uma vez, examinou-se no espelho. - Mascontinuo espantada. Sabia que teria uma melhora... - Interrompeu-se. Onarcisismo era estranho à sua natureza. Ficou com as maçãs do rostoenrubescidas e a voz humilde. - Eu não esperava nem metade desse resultado. O sorriso de Richard foi de intensa satisfação. - Os casos como o seu são os mais satisfatórios. Você tinha as feições deuma verdadeira beldade quando entrou aqui. Só foi necessária uma pequenareorganização. Lauren correu as pontas do dedo pelo nariz reto, suavemente, e depoispelo recém-reformado contorno da mandíbula. - Mais que beleza. - Abaixou a mão e virou-se para Richard. - E ganheiuns cinco quilos durante as mesmas semanas. É estranho, mas imaginava queficar com os maxilares atados e apenas me alimentar de líquidos faria com queeu perdesse peso. - Você não podia emagrecer, por isso eu a pus numa dieta líquida de altacaloria. E agora, que pode ingerir sólidos, quero que siga corretamente oregime que lhe dei. Ainda pode acrescentar mais uns três quilos a essaestrutura magra e esguia, o que significa que terá de se alimentar bem.Lembre-se, só vai conseguir mastigar um pouco de cada vez até os músculosdos maxilares recuperarem a força. Como tem sido desde que removemos asataduras? - Um pouco dolorido, mas tudo bem. - Faz apenas três dias. A dor vai passar. Você está falando bem. Emalguns casos, temos de recorrer a um fonoaudiologista, mas não acho queprecise se preocupar com isso. - O médico levantou-se do canto daescrivaninha onde estava encostado. Uma suave brisa entrava pela janelaaberta atrás dele, trazendo o som do leve farfalhar de palmeiras e a frágilessência de flores de jasmim-manga. - Então, que acha? Pronta para voltarpara casa? Ela exalou um suspiro preocupado e seus olhos brilharam. - Não sei. Dois meses e meio nas Bahamas... tratamentos naturais doProjeto Revisoras 3
  4. 4. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessascorpo, massagens, manicures... sol, areia, e me alimentando com todo o tipode líquidos deliciosos... Não é uma vida ruim. - Mas o melhor está por vir. Quando parte seu avião? - Em duas horas. - Nervosa? - Com minha estreia? - Ela lançou-lhe um desamparado olhar dedesculpa. - Um pouco. - Alguém vai recebê-la quando desembarcar em Boston? - Sim. Beth. Ele franziu os olhos e ergueu um dedo, tentando lembrar os nomescorretos. - Sua sócia na loja, certo? Lauren sorriu. - Correto. Ela está ansiosa por mostrar-me tudo que fez desde que parti.Alugou o espaço que queríamos na área comercial, e, segundo o que escreveu,as reformas já estão quase terminando. Temos encomendas de gravuras emolduras e nos mantemos em estreito contato com os artistas plásticos quevamos representar, portanto é apenas uma questão de mandar emoldurar todoo material e montar a exposição. - Se é que vale minha opinião, Lauren, você me parece uma mulherpaciente mas determinada. Tenho certeza de que será bem-sucedida. - Quandoela começou a dirigir-se para a porta, ele passou um braço gentil sobre seusombros. - Promete me telefonar, contar-me como estão as atividades? - Prometo. - E guardou o nome que lhe dei do especialista em Boston, caso tenhaalgum problema? - Certamente. - E não vai deixar de comer... comer bem? - Vou tentar. Soltando-lhe o ombro, o médico virou-se para examinar o rosto deLauren, uma última vez. Absorveu com o olhar a simetria do nariz, a graciosaUnha da mandíbula e o alinhamento agora perfeito do queixo, antes de olhá-lacom afeto. - Maravilhosa, Lauren, Acredite em mim, você está maravilhosa. - Obrigada. Obrigada por tudo, Richard. - O prazer é todo meu, bela dama. Ele deu-lhe um forte aperto de mão, tipo "vá agarrá-los", e encaminhou-se de volta para o consultório. A última coisa que Lauren ouviu-o dizer foi umpresunçoso mas totalmente enternecedor: - Bom trabalho, Richard. Desta vez você nos deixou orgulhosos. Rindo baixinho, ela pegou a maleta na recepção e dirigiu-se ao aeroporto. - Você... está... maravilhosa!- foi a primeira coisa que Beth Lavinconseguiu dizer em meio à surpresa, após Lauren ter-lhe sorrido por umminuto, para que ela percebesse que era de fato Lauren Stevenson quemestava diante dela. As duas se abraçaram, e Lauren riu. - Você disse a mesma coisa que o meu médico. - Ora, ele tem razão! - falou Beth, arregalando os olhos. Com as mãosnos ombros de Lauren, deslocou a amiga para um lado e para o outro. -Inacreditável! Seu perfil está magnífico, Lauren, até engordou um pouco, osProjeto Revisoras 4
  5. 5. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessasolhos parecem enormes, separados, e além disso você também cortou oscabelos... Num gesto tímido, por puro hábito, Lauren passou os dedos pelos cabeloscastanhos acima da orelha, para que caíssem para a frente. Então se deteve.Com um esforço coordenado, terminou o movimento para trás delicadamente,deixando uma mecha em volta das orelhas, para mostrar o rosto, o qualescondera durante anos. - Estou bem mesmo? Percebia-se honesta ansiedade em sua voz. - Precisa perguntar? Lauren deu um desajeitado semi-encolher de ombros. - Olho-me no espelho e vejo uma nova pessoa, mas em minha mente soucomo sempre fui. - Eu não sou psicóloga, mas diria que isso é normal. - A expressão deBeth mostrava excitação e o toque de travessura que Lauren conhecia tãobem. - Uma pessoa diferente... pense nas possibilidades! E se você topassecom alguém que tenha conhecido antes, alguém como Rafe Johnson... - O machão Rafe? - O machão Rafe, que jamais pensaria em olhar para nenhuma de nós,mas que de repente vê essa mulher deslumbrante e não resiste. Você podiaconquistá-lo, sair com ele, e depois revelar sua verdadeira identidade, e deixá-lo de repente. Ah, que satisfação! - Você é terrível, Beth. Mas Beth fitava-a de novo, desta vez com um toque de respeitosareverência. - Talvez... Nossa, você está maravilhosa - repetiu, momentos antes defingir que estava horrorizada. - E eu vou parecer muito sem graça a seu lado! - A chance é enorme, Beth Lavin. - Lauren envolveu um dos braços daamiga e rumaram para a esteira de bagagem. Sabia que Beth era atraente; etambém que conservava os cabelos castanho-escuros no mesmo estilo depenteado - longo, reto -, há 15 anos, e suas roupas... a blusa de gola redonda,a saia-envelope e as sandálias baixas de couro que usava naquele dia eram umexemplo... tão interioranas quanto sempre haviam sido. - Nenhuma de nós vaiparecer sem graça quando abrirmos aquela loja. Eu aprendi muito lá, Beth.Realizavam seminários sobre penteados, maquiagem e vestuário. Fiz inúmerasanotações... - Claro que sim. - E você também se sairá bem, portanto não me venha com complexo deinferioridade - provocou Lauren, delicadamente. - E então, quais as últimasnovidades da loja? Beth inspirou fundo. - Consegui afinal que o anúncio ficasse do jeito que eu queria. Vai serpublicado no próximo número do Boston. Os operários devem terminar asobras daqui a um ou dois dias... o que é bom, porque as gravuras jácomeçaram a chegar. Para não falar nos blocos de pedidos, notas de venda eartigos de papelaria. E as molduras, os ganchos, os fios e as etiquetas.Estoquei tudo no meu apartamento. - Como é o apartamento?Projeto Revisoras 5
  6. 6. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas - Eu gosto. E bem dividido e, a pé, fica a uma distância pequena da loja.Beacon Hill é excitante. - Beth parou para avaliar mais uma vez a amiga. -Você está inacreditável! - Mais um minuto, e vou enfiar um saco plástico na cabeça. - Não ouse. Estou achando o máximo acompanhá-la. Aliás, gostaria quetivesse me deixado escolher um apartamento maior para que a gente pudessemorar juntas. - Morar e trabalhar juntas, nós poderíamos nos desentender. Além disso,você quer a cidade, enquanto eu, o campo. Muitos quartos, espaçosdescampados, árvores, paz e sossego. - Ainda pensando naquela casa de fazenda. - Sim. - Vai ficar isolada! - Em Lincoln? - perguntou Lauren mexendo o nariz. - Não. Só vou termenos de dois hectares de terra. Quando as árvores ficarem desfolhadas, ébem capaz que eu veja os vizinhos no outro lado. E a viagem de trem para aloja leva pouco mais de meia hora. - Mas aquela casa de fazenda é um destroço! - Apenas precisa de amor. - Não me diga que já deu um lance. Lauren abriu um sorriso. - Já. - Diante do gemido de Beth, cutucou-a nas costelas, brincando. -Como não consegui deixar de pensar na casa, liguei para o corretor deimóveis. O contrato de compra está pronto para ser assinado. - Lauren, Lauren, Lauren, que é que eu vou fazer com você? Os olhos da amiga cintilaram. - Vai me instalar no seu apartamento esta noite. Amanhã de manhã, vaime levar em excursão ao lugar de nosso orgulho e alegria. E então vamosfazer compras na rua New-bury. - Oh? - Isso mesmo. - Talvez saia muito caro. - É provável - concordou Lauren, sem qualquer remorso. Beth curvou os ombros e deu uma risadinha infantil. - Adoro a idéia, adoro. - Então, bruscamente, estreitou os olhos e niveloua voz para citar uma manchete de jornal. - Caipiras rurais tomam a cidade deassalto. Transformação de impacto lembra Clark Kent. - Clark Kent? - repetiu Lauren. - Ou Mulher Maravilha, ou seja lá quemfor. Claro, você sabe que somos as duas meio sem juízo, não sabe? - Temos 29 anos. Merecemos ser. - Vou dizer o seguinte aos credores quando começarem a ligar. LaurenStevenson não estava preocupada com eles. Não era esbanjadora, mas se deuconta, afinal, de que a vida é curta demais para ser vivida com timidez. Graçasà sua prudente economia e ao legado que havia recebido do irmão por ocasiãode sua morte quase um ano atrás, tinha dinheiro suficiente para comprar ereformar a casa de fazenda, pagar a parte não coberta pelo seguro de saúdepara a cirurgia corretiva a que se submeteu, comprar um guarda-roupacondizente com a nova Lauren e estabelecer a loja. - Quando a bagagemsurgiu na esteira, exclamou: - Aqui vamos nós. Você veio de carro ou pegouProjeto Revisoras 6
  7. 7. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessasum taxi? - Vim de carro. Juro que o seu carro ficou "tão feliz ao me ver que veioengasgando até aqui". Lauren grunhiu. - Deve estar precisando trocar o óleo. Pensando melhor, precisa sair dacidade. Está vendo? "Ele" quer viver no campo também. As duas deixaram o terminal e dirigiram-se para o estacionamento. - Vai de carro ao norte neste fim de semana? - arriscou-se a perguntarBeth. - Para ver meus pais? Acho que seria melhor. - Imagino que você ficaria emocionada... a "nova você" e tudo mais. Lauren fez uma careta. - Você conhece meus pais. Não são nem um pouco liberais. Não viramnecessidade de reconstrução facial. Acharam que eu estava simplesmenteótima antes. - Mas você vinha sofrendo! - Eu sei disso, você sabe, e parte deles também deve saber. Os dois sãobrilhantes, mas não abrem mão de suas concepções. Acho que associamcirurgia plástica apenas à vaidade, o que não é bem classificado na lista dequalidades. Disseram que me amavam como eu era, e sei que amavam,porque é assim que pensam. Mas eu me sinto tão melhor agora,independentemente do problema médico, que não sei se eles iriam entender. - Claro que iriam. Lauren não continuou a conversa. A ansiedade com a visita aos pais iamuito além da cirurgia de reconstrução a que se submetera. Começava umanova vida, e grande parte desse modo de viver vinha sendo financiada pelolegado do írmão. Os pais se ressentiam por isso. Brad vivera afastado dafamília durante os 11 anos que antecederam a sua morte. Colin e NadineStevenson não haviam esquecido nem perdoado o que consideravam ser aabdicação do único filho do trono dos literatos. Suspirou ao tornar a falar. - De qualquer forma, vou visitá-los neste fim de semana. Talvez seja aúltima vez que possa me ausentar por algum tempo. - Sorrindo, disse a Beth:- Tenho a sensação de que as próximas semanas vão ser muito movimentadas. "Movimentadas" era descrevê-las em termos brandos, embora o ritmocombinara com tanta excitação que Lauren não teria nem pensado emreclamar. Com a redecoração da loja concluída, ela e Beth começaram a transferir omaterial do apartamento da amiga. Gravuras e impressões foram emolduradase penduradas nas paredes. Grandes pastas de arte, repletas de uma infinidadede estampas, reproduções e serigrafias extras, postas em vitrinas abertas nochão para facilitar a observação dos clientes. Recortaram papéis especiais emformato de material para passe-partout e fundo num infindável sortimento decores e colocaram em caixas de acrílico em cima do grande balcão feito deripas de madeira maciça para checagem e pagamento de mercadorias, atrásdo qual estavam organizadas amostras de cantos de moldura, cada uma presaà parede com velcro para facilitar a remoção e a substituição. Peças de tecidoestampado à mão foram dispostas de forma atraente ao lado de latas contendoProjeto Revisoras 7
  8. 8. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessasconjuntos de moldura de madeira natural; almofadas combinando pendiam doteto. Lauren assinou o contrato de compra da casa de fazenda em Lincoln e,como já estava desocupada, mudou-se uma semana depois. Seu entusiasmonão diminuiu nem quando ela viu o quanto a casa precisava de reforma.Bastava-lhe ficar na varanda da frente e olhar além do jardim a vegetação quea circundava, ou sentir o perfume das rosas que cresciam pelas treliças lateraisda varanda, ou escutar os pássaros que gorjeavam para saber que tomara adecisão certa. E, mais que qualquer coisa, tinha apenas de olhar-se no espelhopara compreender que começara verdadeiramente uma nova vida. E, como parte dessa nova vida, ela e Beth foram às compras. Compraramelegantes calças, saias, suéteres coloridos e vestidos leves de verão.Compraram sapatos, terninhos e bijuterias para combinar com as roupas,sentindo-se ligeiramente irresponsáveis, mas ao mesmo tempo desfrutandocada minuto. Nenhuma das duas fora imatura antes na vida, mas agoraachavam que mereciam o luxo. Três semanas após Lauren retornar das Bahamas, a loja de serigrafias emoldura foi inaugurada. Era a segunda semana de junho, e o tempo amenopropiciava um fluxo bastante grande de visitantes à sede do governo e aoprincipal centro empresarial da capital aumentando a circulação decompradores. Com as vendas em alta, Lauren e Beth ficaram tãoentusiasmadas que na primeira sexta-feira à noite, após fecharem a loja,resolveram ir ao restaurante Houlihans comemorar. - Se o movimento continuar assim, vamos ter de empregar alguém paraajudar - sugeriu Lauren. Estavam sentadas no balcão do bar, que estava lotado, tomando drinquesgelados, enquanto aguardavam uma mesa. - Para mim que você diz isto? - queixou-se Beth. - Não há temposuficiente durante o dia para fazer a contabilidade, então tenho trabalhado ànoite. E você também vai precisar de tempo para trabalhar com os impressorese o emoldurador. - Vou ligar para o museu. Talvez saibam de alguém que estejainteressado. Caso contrário, podemos anunciar no jornal. Beth balançou a cabeça, mostrando-se satisfeita. - E inacreditável como foram boas as coisas esta semana. Tivemosmesmo muita sorte com a localização da loja. Chegam pessoas de todos oslugares. - O verão é sempre uma estação movimentada, com todos esses turistasna cidade. O Faneuil Hall é uma das atrações a ser visitada - comentou Lauren. - Parece que o inverno é igualmente bom. Pelo menos, foi o que me disseTom que trabalha na loja ao lado... a de artigos esportivos... Lauren contraiu os lábios de forma maliciosa, - Então já fez amizade com Tom, não é? Está vendo o que roupas e umpenteado novos podem fazer? Passando a mão pelos ondulados cabelos pretos recém-cortados na alturados ombros, Beth arqueou as sobrancelhas. - Olha só quem fala. Aquele rapaz ali não tirou os olhos de você desdeque entramos - disse ela, apontando para o local onde estava o tal rapaz..Projeto Revisoras 8
  9. 9. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas - Ele certamente bebeu demais e está entorpecido e eu simplesmenteentrei por acaso na sua linha de visão. - Que absurdo o que você está dizendo! Você não acredita como estábonita? Beth tinha razão. Lauren habituara-se a ser quase invisível no que serelacionava a homens, e é difícil livrar-se de antigos hábitos. Ela então ousoumirar-se rapidamente no espelho atrás do bar, para lembrar-se da mulher quese transformara. E o elegante vestido de algodão de verão nas cores carmesime creme a tornara ainda mais atraente. Com um brilho conspirativo no olhar, virou-se para Beth e pediu: - Descreva-o para mim. Não quero encará-lo. Embora Beth não tivessequaisquer desses escrúpulos, falou em um tom pouco mais alto que umsussurro: - Estatura e constituição medianas, terno marrom. Cabelos escuros, umpouco curtos demais. Óculos estilo aviador... deve ser para chamar atenção,pois não combinam com o resto. - A voz de repente se imobilizou. - Espere,tem uma aliança de casamento. - E imediatamente se virou no assento e olhoupara frente. - Esqueça. Traria apenas problemas. Lauren riu. - Esquecido. - Isso não a aborrece? Quer dizer, tenho certeza que ele faria umaencenação para você caso aceitasse flertar com ele; e o sujeito é casado. Fazendo um movimento com as sobrancelhas indicando pouco caso,Lauren tomou um gole de sua bebida. - Acho que você está dando muita importância a isso. Eu provavelmentetinha razão desde o início. Ele deve estar embriagado. Beth ficou pensativa. - Vamos ter de fazer alguma coisa sobre esta situação. - Que situação? - Nossa vida amorosa. - Que vida amorosa? - Aí é que está. Não existe. Precisamos conhecer uns rapazes. - Precisamos mesmo. Tom da loja de esportes, Anthony da loja de músicano outro lado da rua, Peter, que vende aqueles deslumbrantes moletonspintados à mão, e os seus vizinhos, aqueles três bacharéis... Ainda podíamosreconsiderar o convite e ir a uma das festas deles - sugeriu Lauren. Beth grunhiu. - Provavelmente a gente ficaria tonta só de entrar naquela sala. Tenhocerteza de que eles consomem alguma coisa. Sempre que os encontro,parecem estar bem eufóricos. Acredite em mim, fomos espertas o bastantepara desistir na última vez que nos convidaram. Somos tão ingênuas que oapartamento podia ser invadido por uma batida policial, todo mundo sair pelaporta dos fundos e nos deixar responder pelo consumo de drogas. - Talvez a gente conhecesse um policial bonito. - Não sei, não, Lauren. Ainda acho que você devia ter saído com aquelerapaz que foi à loja na quarta-feira. - Era um estranho, apenas olhando tudo, sem comprar. - Mas bem simpático. E convidou você para tomar um drinque. Por falarProjeto Revisoras 9
  10. 10. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessasnisso, o que entrou hoje de manhã era ainda mais simpático e mais bonito. - Um estorvo... tentando parecer desinteressado ao perguntar de onde euvenho, onde moro, e até quis saber qual era meu signo. E eu nem sei qual émeu signo. Nunca me interessei por esse tipo de coisa. - Você ficou assustada - afirmou Beth. Lauren hesitou apenas um minuto. - É. - Mas por quê? Já saiu com outros rapazes antes. - Era diferente. - Tem razão. Imagina-se que esta seja a nova vida que você tem levado! - Aparentemente, é. Mas na verdade, acho que vou precisar de maisalgum tempo para entender melhor essa mudança. Não sei, Beth. Aqueleshomens pareciam muito... rápidos. Muito espertos e sofisticados. - Você parece esperta e sofisticada. - Mas não sou. Você me conhece melhor do que qualquer um. Tenholevado uma vida muito tranquila. Todos os encontros que tive foram comhomens calmos, mais sérios, cultos. - Chatos. - Talvez. Mas não sou aventureira. - Talvez precise aprender a ser. - A garçonete chamou-as para a mesa, eBeth retomou a conversa assim que se sentaram. - Talvez devêssemos experimentar um bar de solteiros, ou um serviço deencontros arranjados. - Se não tivemos coragem para ir à festa dos seus vizinhos, jamaisteremos para ir a um bar de solteiros. E encontros combinados em agênciasme causam pânico. - Esses encontros causavam pânico à "antiga" Lauren. A "nova" Laurennão tem com o que se preocupar. Além disso, não é realmente um encontro àscegas se a gente passa por todo o processo do serviço de encontros de com-panhia. Você tem de expressar suas preferências e escolher as possibilidadesoferecidas. - Assim como eles têm de escolher uma entre nós. Não, Beth. Não mejulgo realmente à altura disso. - Mas temos de fazer alguma coisa. Aqui estamos nós, duas mulheresmaravilhosas, brilhantes e disponíveis; devíamos ter como companhia nojantar dois homens igualmente atraentes. - Talvez devêssemos colocar um anúncio no jornal - brincou Lauren, e logose repreendeu. - O único problema é que somos covardes. Só conversa, nadade ação. - E ficou com uma expressão sonhadora nos olhos. - Dizem que ascoisas boas chegam para aqueles que esperam. E eu estou disposta a esperarque algum dia um homem magnífico, brilhante, disponível, gentil e tranquilo,se dirija a mim e se apresente. - Segundo o movimento de liberação feminina - rebateu com ironia Beth -,a gente não deve se sentar e esperar. Deve lutar pelo que se deseja. Lauren olhou por cima do ombro de Beth em díreção à mesa onde estavasentado um homem solitário, que terminava o jantar. Não era deslumbrante,mas uma visão bem agradável. Quando ergueu os olhos e a encarou, sorriu.Curiosa, Beth também se virou; e ele sorriu para ela também. - Eis a sua chance - incentivou Lauren num sussurro em tom de desafioProjeto Revisoras 10
  11. 11. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessasbem-humorado. - Eu não o quero, portanto ele é todo seu. Vá em frente. Lute. Voltando o olhar para a mesa, Beth abriu o menu e concentrou-se nasopções. Lauren fez o mesmo. Nenhuma das duas notou quando o homemrecebeu a conta da garçonete e dirigiu-se à caixa registradora.Capitulo Dois A segunda semana após a inauguração da loja foi tão promissora quanto aprimeira. No momento em que Lauren se perguntava como ela e Beth teriamcondições de lidar sozinhas com o ritmo contínuo, um fotógrafo autônomoentrou e ofereceu sua mercadoria. Era jovem - Lauren achou que ele não tinhamais de 25 anos - e as fotos eram muito boas. Também procurava trabalho demeio expediente para pagar os custos cada vez maiores dos materiais eequipamento. Ela imediatamente o contratou, e nenhuma das duas sóciaslamentou a decisão. Agora podiam tirar uma hora de folga de manha ou àtarde - embora separadas - para fazer trabalhos administrativos, sair paraalmoçar ou fazer compras no centro de Boston. Numa dessas ocasiões, umasemana depois de Jamie ser contratado, Lauren retornou à loja com um novosuéter numa sacola e uma leve palidez no rosto. Beth logo chamou-a à salados fundos. - Você está bem? Largando a bolsa na escrivaninha, Lauren afundou numa cadeira. - Acho que sim. Você não vai acreditar no que acabou de acontecercomigo, Beth. Eu tinha comprado este suéter e voltava a pé pela rua Newburyquando um carro perdeu o controle, se desviou e subiu na calçada. Eu vinhasonhando acordada, me sentindo no topo do mundo, olhando meu reflexo aopassar pelas vitrines das lojas. Quer dizer, estava tão empolgada com afelicidade que não prestava atenção no que acontecia em volta de mim. Se nãofosse uma pessoa estranha que me agarrou e puxou quando o carro invadiu acalçada, só Deus sabe o que teria acontecido! - Não pense mais nisso. Você não sofreu nada, e isso é o que importa. Omotorista estava bêbado? - Quem pode saber? Ele recuperou o controle do carro e continuou o seucaminho. Nem se deu ao trabalho de parar e se assegurar de que ninguémtinha sido ferido. - Irresponsável. - Inacreditável. - E o homem que a salvou... era bonito? - Era mulher - respondeu Lauren, ríspida, simulando o aborrecimento. - Eque tipo de pergunta é esta para se fazer nesse momento? - Estava apenas tentando recuperar o bom humor. Pense só como teriasido romântico se você fosse salva do acidente por um estranho alto, moreno ebonito. Podia ter desmaiado nos braços dele, e ele a teria erguido, abraçadoternamente com muita delicadeza, junto ao peito rígido, enquanto olhava,emocionado, o seu lindo rosto. Lauren revirou os olhos. - Oh, meu Deus. Beth apontou um dedo para ela.Projeto Revisoras 11
  12. 12. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas - Um dia isso talvez aconteça. Os milagres são assim, você sabe. - E você é a mesma pessoa que fazia propaganda da liberação dasmulheres não faz nem tanto tempo assim? - perguntou Lauren olhando para ocalendário na parede, e só voltando a olhar a amiga quando sentiu alguémsegurando seu braço. - Sente-se bem agora? - A pergunta foi suave, mas mostravapreocupação. - Quer uma bebida fria ou alguma outra coisa? Inspirando fundo, Lauren abanou a cabeça. - Estou bem. Só reagi foi depois que o susto passou, enquanto vinhaandando é que comecei a tremer. Mas estou melhor agora. Realmente gostariade voltar ao trabalho. Vai ajudar-me a manter a mente ocupada. E foi o que aconteceu. Quando chegou a Lincoln naquela noite quase jáesquecera completamente o incidente. Durante o dia seguinte, envolveu-secom atividades mais importantes e imediatas relacionadas à loja. A noite foi para casa, trocou a roupa por uma camiseta e calça jeans epreparou o jantar, seguindo à risca as diretrizes que lhe dera Richard Bowen.Às vezes, precisava se esforçar, pois parecia que vinha comendo demais, e jáganhara quase a metade dos três quilos que o cirurgião prescrevera.Entretanto, teve de concordar que o aumento de peso lhe caía muito bem. Por causa das exigências impostas pelo trabalho na loja desde seu retornodas Bahamas, tivera pouca oportunidade de organizar a reforma da casa.Agora, com caneta e papel em mãos, percorreu cada aposento listando tudo oque queria mandar fazer. O corretor de imóveis que lhe vendera a casa dera-lhe os nomes de um empreiteiro, um carpinteiro, um eletricista e um bombeirolocais. Embora não pretendesse contratar nenhum deles antes de pesquisaroutras referências, queria ter as decisões definidas para, então, marcarencontros com os profissionais. Após mais de uma hora tomando notas detalhadas, Lauren largou acaneta e o papel e saiu para a varanda da frente. A noite era clara, a luaprateada no céu salpicado de estrelas. Por impulso, atravessou o jardim eparou no centro, inclinou a cabeça para trás e escolheu uma estrela para ex-pressar um desejo. Mas o que poderia desejar a alguém cuja vida já era tãoboa? Ela gozava de ótima saúde pela primeira vez em muitos anos. Tinha umanova aparência, que adorava. Uma loja, bem encaminhada para tornar-se umsucesso. Casa própria, com suficiente potencial para mantê-la feliz por longotempo. O que pediria? Talvez um amor. Talvez filhos. Na hora certa. Baixando acabeça, começou a voltar devagar em direção à casa. Um ruído lhe chamou aatenção. Ela parou. Era um ruído da natureza, mas estranho. Fora nitidamentehostil. Quando tornou a ouvi-lo, deu meia-volta. Um grunhido baixo. Curvou acabeça olhando para as árvores próximas, e então estreitou os olhos para vera criatura que lentamente avançava para ela. Um cachorro. Lauren exalou umsuspiro de alívio. Provavelmente o animal de estimação de um dos vizinhos.Pousando uma das mãos na altura do coração que acelerava, falou em vozalta. - Você me assustou, cachorro. Isso lá é maneira de saudar uma novavizinha? - Ao dar um passo à frente para afagá-lo, o animal arreganhou osdentes e emitiu outro grunhido, este claramente ameaçador. Lauren estendeuas mãos abertas, palmas viradas para cima, e disse baixinho:Projeto Revisoras 12
  13. 13. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas - Não vou machucar você, menino. - Baixou uma das mãos. - Aqui. Cheira. - Em vez de aproximar-se dela, o cachorro rosnou maisuma vez, acompanhando o ruído hostil com um agachamento que sugeriaataque iminente. - Ei, não fique irritado. Mal teve tempo de dizer as palavras e o cachorro pulou em cima dela,derrubando-a no chão e grunhindo feroz. Lutando para desviar-se da fera, elaergueu os braços para proteger-se e balançou as pernas para expulsá-lo. Mascom a mesma rapidez com que a atacara, o cachorro se retirou, galopando emdireção às árvores e desaparecendo na densa mata. Tremendo muito, Lauren conseguiu, com esforço, sentar-se. Então, nãoestando disposta a correr o risco de o cachorro retornar, levantou-se de umsalto e disparou numa linha reta para dentro de casa. Assim que entrou,recostou-se firmemente na porta fechada, cerrou os olhos e inspirou. Quando osusto passou, sentiu raiva. Se não fosse tão tarde, teria ligado para os Young,os vizinhos ao lado do qual viera o cachorro. Mas também, pensou, talvezfosse uma sorte ser tarde demais para telefonar. Furiosa como estava poralguém deixar um animal tão selvagem solto, mesmo numa área rural comoaquela, poderia dizer alguma coisa da qual se arrependeria depois. Só seencontrara com Carol Young uma vez. Não queria afastar a mulher, nem omarido, e tampouco um dos filhos adolescentes do casal. Era melhor seacalmar primeiro. Ligaria na manhã seguinte. Ao chegar ao trabalho, ligou para o número dos Young e ficou aliviada porouvir a própria Carol atender. - Carol, aqui é Lauren Stevenson. Nós nos encontramos várias semanasatrás quando me mudei para a casa ao lado da sua. - Claro, Lauren. É um prazer ter notícias suas. Como andam as coisas? - Na verdade, muito bem... Espero não estar interrompendo algumaatividade sua. - Não seja tola. Um dos luxos do trabalho num terminal de computadorem minha casa é que posso tirar uma folga sempre que quero. Os meninosforam visitar os avós em Maryland por uma semana, assim tenho temposuficiente para um ou dois telefonemas. Como está a casa? - Do mesmo jeito ainda. Tenho andado tão ocupada aqui na loja que nãoencontro tempo para pesquisar e contratar trabalhadores para reformar a casa.Mas não foi por isso que liguei. - Lauren escolheu as palavras com todocuidado, esforçando-se para ser o mais diplomática possível. - Levei um sustoterrível ontem à noite. Eu caminhava lá fora no jardim mais ou menos às 11horas da noite quando fui atacada por um cachorro. - Atacada? Está tudo bem com você? - Tudo bem. O cachorro saltou em cima mim, arreganhou os dentes eemitiu uns ruídos medonhos, mas fugiu correndo antes de causar algum dano. - Meu Deus! Eu não sabia que havia cachorros selvagens por aqui! - Então... não é seu? - Deus do céu, não. Foi isso que achou? - Ele veio das árvores do seu lado... me desculpe, eu simplesmenteimaginei... - Você devia ter ligado para nós ontem à noite mesmo. Talvez tivéssemospodido ajudá-la a ir atrás dele. Como era o animal?Projeto Revisoras 13
  14. 14. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas - Grande e preto. Pêlo curto. Talvez um Doberman, mas estava escurodemais para eu ver a coloração exata do pêlo, e além disso fiquei muitoapavorada para perceber detalhes. - Coitada de você, menina. Eu também teria ficado apavorada. - Carol fezuma pausa, pensando. - Pelo que sei, ninguém na vizinhança tem um cachorrocomo esse, certamente não um cachorro que atacaria uma pessoa. Às vezes,porém, uns animais estranhos perambulam na área. Talvez você deva chamara polícia local. Lauren não se animou com a idéia. Como nova moradora, detestariacausar uma agitação. - Eu... Eu não acho que isso seja necessário. Agora que soube que ocachorro não é da vizinhança, me sinto melhor. Provavelmente é um cão deguarda que fugiu e se perdeu. E não me feriu, por mais que parecesse que erao que ia fazer. - Escute, vamos observar as redondezas, e comunicarei esse fato aalguns dos outros vizinhos. Mas se você o avistar de novo, deve realmentefazer uma queixa. Não é justo ficar assustada por caminhar em suapropriedade. Lauren suspirou. - Vou ficar atenta. Obrigada, Carol. Você me ajudou muito. - Gostaria de poder fazer mais. Não deixe de me avisar se surgir algo,combinado? - Combinado. Quando Lauren desligou o telefone, Beth endireitou o corpo onde ficaraencostada na porta. - Um cachorro? Primeiro um carro, agora um cachorro. Meu Deus, a novavocê anda atraindo uns elementos muito misteriosos. - Continue - provocou Lauren -, dê uma boa risada à minha custa. - Eu não estou rindo. - Beth esfregou as mãos, prevendo um grandedrama. - Talvez tenha alguém aí fora para pegar você... alguém que morounaquela antiga casa de fazenda há um século, cujo fantasma nunca vaidescansar enquanto o dono legítimo da propriedade não retornar. - Beth... A amiga ergueu a mão. - Não, escute. Imagine, apenas imagine, que o fantasma está decidido aexpulsá-la da cidade, por isso trama todos os tipos de pequenos "acidentes"para deixá-la apavorada... - Beth! - Então chega um homem deslumbrante que por acaso tem uma armasecreta que pode fulminar até mesmo um fantasma e reduzi-lo... a um lençolesfarrapado... Lauren recostou-se na cadeira, não conseguindo conter o início de umsorriso. - Já terminou? - Oh, não. O melhor vem depois que o fantasma é dizimado e você e ohomem deslumbrante se apaixonam e vivem felizes para sempre. - Por que não está trabalhando? - Porque Jamie está trabalhando.Projeto Revisoras 14
  15. 15. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas - Acho que você devia ajudá-lo. - Lauren levantou-se da cadeira. - E eutambém. Apertando levemente o braço de Beth ao passar, retornou à frente da loja. Vários dias depois, Lauren viu que precisava dar início à reforma de suacasa. A porta da garagem inesperadamente desabou no chão quando ela seachava a poucos centímetros de distância. Por ironia, se a garagem fosse tãoantiga quanto a própria casa, as portas abririam para os lados, e ela não teriacorrido o perigo de se machucar. Mas a garagem fora acrescentada ao imóvel25 anos antes. Parece, pensou, frustrada, que fora tão negligenciada pelosúltimos proprietários quanto a casa. Lauren deu vários telefonemas, marcando reuniões para conversar sobreos reparos com os profissionais que lhe foram indicados. Nenhum deles aimpressionara ao telefone, mas ela não via mal algum em se encontrar comeles antes de procurar por outros. Queria que a casa ficasse perfeita, edispunha-se a pagar para isso. Decidida, sentou-se no chão da sala de estar e usou a mesa baixa decentro para anotar os pedidos ao emoldurador. Mas a todo instante distraía-se.Repetidas vezes interrompia as anotações e desviava o olhar para a janela. Láfora estava escuro, e ela lembrou-se que estava sozinha. Qualquer pessoapodia vê-la, vigiá-la, examiná-la. Amaldiçoando Beth pelas fantasiosasimaginações, e a si mesma por sua própria suscetibilidade, retornou aotrabalho. Mas nessa noite, para seu pesar, adormeceu a perguntar-se sefantasmas de cem anos de idade poderiam sabotar portas de garagem de vintee cinco anos. No dia seguinte, pouco depois do meio-dia, Lauren viu-o pela primeiravez. Ela trabalhava na vitrine da fachada da loja, substituindo uma fotografiaemoldurada comprada naquela manhã, quando olhou por acaso em direção aobanco que ficava em frente à loja. Lá estava ele sentado, calmo e atento. Etinha os olhos fixos nela. Ela esboçou um sorriso, e logo desviou o olhar.Terminou de pendurar a nova reprodução e foi refugiar-se na loja. Quinzeminutos depois, durante uma breve calmaria no movimento, tornou a olharpara fora e viu que ele não se mexera. Um braço lançado acima do encosto dobanco, as pernas cruzadas descontraído, parecia apenas observar, com arinocente, as pessoas passarem - até voltar o olhar novamente para a vitrine daloja. Mais uma vez Lauren desviou os olhos, desta vez se perguntando por queagira daquela maneira. Nada havia de extraordinário em relação a um homem sentado num bancono centro da cidade; as pessoas faziam isso sempre. E aquele, usando camisaxadrez de mangas curtas, calça jeans e tênis, parecia um típico transeunte.Embora não estivesse lanchando ela imaginou que ele somente desfrutava aatmosfera agradável. Ou esperava alguém. Ou simplesmente descansava. Ofato de não tirar os olhos da loja era compreensível, já que ficava bem emfrente. Nesse momento ela recebeu um telefonema, era dos tipógrafos que elavinha tentando encontrar. Depois, os clientes ocuparam-lhe o tempo durante ahora e meia seguinte. Já quase havia esquecido o homem lá fora, quando saiuProjeto Revisoras 15
  16. 16. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessasda loja para comprar selos, e surpreendeu-se por ainda se lembrar dele. Mas não o viu em lugar algum. Em casa à noite, Lauren sentia-se estranhamente nervosa. Não sabia omotivo, e por isso culpou as duas xícaras de café que tomara naquela tarde.Com um olhar crítico, vistoriou a cozinha enquanto esperava esquentar abouillabaisse, que comprara embalada para viagem numa loja gastronômica depratos típicos franceses. Na reforma, escolhera para a cozinha a cor branca -armários brancos com acabamento cor de gelo, fogão e geladeira brancos e orevestimento de cerâmica do piso branco. Os complementos e utensíliosseriam em azul-claro, como o conjunto de panelas esmaltadas, papel deparede, gravuras para a parede. Talvez encomendasse uma cortina pregueadatambém na cor azul-claro - embora não tivesse planejado colocar qualquercoisa nas janelas, de repente ocorreu-lhe que talvez gostasse da opção deprivacidade para momentos como aqueles, quando a noite parecia misteriosa. Estava nervosa. Café demais. Apenas isso. Na manhã seguinte, o homem voltou a sentar-se em frente à loja, nomesmo banco. Usava uma camisa pólo branca, a mesma calça jeans, e agoramantinha as pernas estendidas para a frente. - Admirável, não - gracejou Beth, chegando perto de Lauren. - Quem? - Aquele rapaz para quem você está olhando. Já viu cabelos maisdeslumbrantes? Eram castanho-claros e brilhavam ao sol - bem escovados, grossos e nãomuito curtos. - Não. - Ou pernas compridas como aquelas? - Não. - Gostaria de saber quem é. - Não sei. - Na certa apenas mais um turista. Por que é que os mais bonitosaparecem hoje e amanhã já foram embora? - Esse estava ali ontem. - Como? Lauren piscou os olhos e desviou o olhar do homem para a amiga. Meioausente, enxugou as palmas das mãos úmidas na saia de linho verde de cortereto. - Eu o vi ontem no mesmo lugar. Beth arregalou os olhos. - Verdade! Acha que está esperando... a gente? - Ora, Beth, por que motivo estaria esperando por nós? - Talvez tenha ouvido falar de duas damas maravilhosas, donas da loja degravuras e molduras, e veio investigar. Se ele tivesse coragem, entraria. - Se tivéssemos coragem, sairíamos. - E, não temos, e parece que ele também não, então... - Enquanto asduas olhavam, o homem levantou-se e caminhou sem pressa. - É...- disseLauren, sem saber se ficara aliviada ou decepcionada. Percebera algo fascinante naquele homem, não apenas as pernas e oscabelos, mas também uma certa força. Perguntava-se se ele já tivera umcachorro preto que rosnava com os dentes arreganhados. Então se apressou aProjeto Revisoras 16
  17. 17. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessasafastar essa ídéia da mente, junto com todos os pensamentos em relação aohomem - até avistá-lo mais uma vez naquela tarde. A princípio ele passoudevagar em frente à loja, mas sequer olhou para dentro. Alguns minutosdepois, retornou pelo lado oposto, desta vez parando perto da porta, antes dedirigir-se ao banco. Quando Lauren viu-o sentar-se, curvando-se para frentecom os joelhos abertos e as mãos entrelaçadas entre eles, sem saber a razão,ficou apreensiva. Percebera algo definitivamente suspeito na maneira como eleobservava a loja, desviava o olhar, e mais uma vez tornava a olhá-la. - Quem é esse homem? - sussurrou para Beth, que logo ergueu a cabeçado recibo do cartão de crédito que preenchia e acompanhou o olharpreocupado da amiga. - Então ele voltou? - Beth retomou o preenchimento do documento masfalou baixo. - É meio rude para o meu gosto. Pode ficar com ele. - Eu não o quero - resmungou Lauren entre os dentes - mas gostaria desaber por que ele tem passado o tempo ali dois dias seguidos. - Por que não vai até lá e pergunta a ele? - murmurou Beth, e então,sorrindo, entregou o recibo e uma caneta à compradora. - Por favor, assine eponha seu endereço e número de telefone embaixo... Lauren sussurrou de volta num exacerbado tom de voz. - Não posso simplesmente ir até lá e perguntar! Certamente ele tem umbom motivo para estar ali, e eu me sentiria uma tola. - Então pare de se preocupar. Tenho certeza de que é inofensivo. Lauren não tinha tanta certeza. O homem examinava a loja com muitointeresse, e seu olhar era intenso demais para esquecê-lo. Quando uma cliente a abordou para comprar uma peça de tecido emandar colocá-lo numa moldura, Lauren ficou feliz por poder se ocupar comoutra coisa. Quando outra cliente escolheu uma estampa e precisou deconselho sobre a moldura adequada, ela teve prazer em servi-la. E, no mo-mento que uma terceira cliente entrou à procura de várias gravuras paracoordenar com retalhos de tecido e papel de parede, ela se entregoudefinitivamente ao projeto. Ao aproximar-se a hora do fechamento da loja,sentia-se cansada. Estava na sala dos fundos, amainando cuidadosamentecartões de mostruário e aguardando ansiosa a relaxada volta de carro paracasa, um jantar tranquilo e o resto da noite lendo um bom livro. - Lauren? - A urgência na voz baixa de Beth a fez erguer rápido a cabeça.- Ele está aqui, perguntando por você. - Quem? - Ele. - Beth disparou os olhos para trás. - O homem do banco. Lauren largou os cartões. - Perguntando por mim? - Pelo nome. - Como soube... ele deve ter... onde está? - Bem aqui - articulou Beth sem som, de um jeito que seria cómico seLauren estivesse calma. Mas não estava. Aquele homem era diferente. Uma aparência nada semgraça. E tampouco elegante e sofisticada. Muito... diferente. Beth fez um gestourgente com a mão. - Já vou. Já vou - murmurou, Lauren, hesitando. Levantou-se, ajeitou oProjeto Revisoras 17
  18. 18. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessassuéter de algodão de cor marfim na altura do quadril sobre a saia e empertigouos ombros. Depois, tentando parecer mais controlada do que estava, deixoudevagar e relutante a sala.Capitulo Três Ele era muito mais alto de perto do que parecera através da vitrine daloja. Tinha os ombros mais largos. E também mais bronzeado. O maissurpreendente, contudo, era que parecia um pouco inseguro. - Lauren Stevenson? - perguntou, cauteloso. Ela parara vários passos distantes e apoiou a mão na bancada. - Sim? Ao examiná-la com mais atenção, ficou nitidamente perplexo. - É realmente estranho. Você não é de modo algum tão alta quanto euesperava. Lauren prendeu a respiração um minuto, e perguntou, também cautelosa. - Que esperava? - Alguém... bem, alguém diferente. Se ele tinha alguma ligação com seu passado, percebeu Lauren, nãoapenas era compreensível a surpresa, mas mostrava tato ao falar. Mesmoassim, não podia esconder uma certa cautela. Afinal, o homem vinhaexaminando-a durante dois dias. - Você me conhece? Eu devia conhecê-lo? Pela primeira vez, ele sorriu, um sorriso tímido, cativante. - Meu nome é Matthew Kruger. Matt. - Hesitou uma fração de segundo. -Eu era amigo de seu irmão. Lauren não sabia o que ela esperara ouvir, mas estava certa que não eraisso. - Amigo de Brad? Não conseguiu ocultar a surpresa nem o ceticismo. - Isso mesmo. Estive com ele pouco depois do acidente. Eu... sinto muitopela morte dele. - Eu também - admitiu ela com franqueza, franzindo a testa levemente,enquanto examinava Matthew Kruger. Ele não se encaixava nos moldes de Brad e seus amigos. Estranho nuncater ouvido falar dele. Mas talvez nem tanto. Como os pais, ela não conviveraintimamente com Brad antes de sua morte. - Mas... faz um ano que ele morreu. Em silêncio, perguntou-se por que aquele suposto amigo de Brad esperaratanto tempo para entrar em contato com ela. - Sei que vocês não eram íntimos, mas Brad me falou de você váriasvezes, e como eu tive de vir para o leste a negócios, achei que devia procurá-la. - Em que ramo de negócios você trabalha? Outra hesitação, por umafração de segundo. - Construção civil. A empresa construtora para a qual trabalho foicontratada para algumas obras na região oeste de Massachusetts. Estou aquipara organizar as coisas... dar andamento no projeto.Projeto Revisoras 18
  19. 19. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas Ela assentiu com a cabeça. Um construtor. Em vista das rugas visíveis noscantos dos olhos, não era o tipo de construtor que dirigia as coisas de suaescrivaninha. Mas que trabalhava e fazia questão de ver tudo de perto. E ocorpo bem torneado devia ser resultado do trabalho físico árduo. Isso ela podiaassociar à imagem que formara da nova vida e amigos do irmão, embora se aopinião dos pais fosse válida, talvez esperasse alguém bem mais rude.Aparentemente, pelo menos, Matthew Kruger não parecia assim. "Arrumado eamericano típico" era uma descrição mais adequada. Seria apenas umaaparência superficial? - Entendo - disse ela. Então, sentindo-se sem graça, desviou o olhar. Naverdade, pouco soubera do irmão e seu estilo de vida... e também a presençadaquele homem intimidava-a. - Já está em Boston há muito tempo? - Uma semana - respondeu Matt. - Lauren balançou a cabeça – Estouhospedado no hotel Marriott de Long Wharf. - Se seu trabalho é na região oeste do estado, não seria mais fácilhospedar-se lá? - Eu estava lá, mas nossos investidores estão aqui e há algum trabalhoburocrático a fazer, por isso decidi tirar alguns dias para visitar locais turísticos. Quando ele de repente olhou para trás dela, Lauren virou a cabeça. - Vou fechar - sussurrou Beth, olhando com curiosidade para Matt aopassar pelos dois. Lauren estendeu a mão e segurou-a pelo braço. - Beth, este é Matthew Kruger. É... era... amigo de Brad. - Ainda tinhadúvidas sobre isso, mas dessa forma simplificava a apresentação. - Matt, BethLavin. Beth conhecera Brad Stevenson antes de ele partir, e como não eramembro da família, fora mais objetiva sobre a decisão dele. Com as mãosentrelaçadas apertadas diante de si, sorriu timidamente para Matt. - É um prazer conhecê-lo. - O prazer é meu - disse Matt, retribuindo o sorriso. Apressou-se adesculpar-se ao tornar olhar para Lauren - Não quero incomodá-la, se precisafazer alguma coisa. Ela abriu a boca para dizer que realmente tinha trabalho a terminar, masBeth falou primeiro. - Oh, não a está atrapalhando, já tinhamos acabado quase tudo por hojequando você entrou. Terminei os cartões de amostras, Lauren. Por que você eMatt não saem juntos? Eu fecho a loja. A última coisa que Lauren queria era sair com Matt. Não se convencera deque ele era o que dizia ser, e mesmo que fosse, os dois ocupavam ladosopostos de uma história. Além disso, não a chamara para "saírem" juntos. Aceitando a sugestão oportuna, ele a convidou. - Gostaria, Lauren? - Fez uma pausa e inspirou rapidamente. - Soube quetinha um cruzeiro ao pôr-do-sol em volta do porto. Se nos apressarmos,chegaremos a tempo. - Eu na verdade não devia... - Vá, Lauren - incentivou Beth. A sutileza nunca fora o seu forte. - Vocêquase não tem saído. A noite está linda. O ar fresco vai lhe fazer bem. - Eu realmente gostaria da companhia - incentivou-a agradavelmenteProjeto Revisoras 19
  20. 20. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e PromessasMatt. As últimas palavras a convenceram. Se ele houvesse insistido com muitaveemência, talvez ela recusasse sem dificuldade. Mas pareceu sincero, eLauren captou a mesma insegurança que percebera quando se deparara comele a primeira vez. Embora alto, forte e de aparência rude, era gentil. Olhoscastanhos, afetuosos e suaves. Nesse momento, insinuavam vulnerabilidade;acima de tudo, Lauren Stevenson adorava um pouco de vulnerabilidade naspessoas. Soltando a respiração que vinha prendendo sem perceber, elaassentiu. - Vou pegar minhas coisas - sussurrou. Logo depois seguia a pé ao ladode Matt em direção à orla marítima. Calado como ela, lançava-lhe olharesintermitentes, e Lauren se perguntou se ele também se sentia estranho comoela. Na tentativa de quebrar o silêncio, fez a primeira pergunta que lheocorreu. - Como soube que eu estava em Boston? - Seus pais me disseram. - Meus pais. Ele lançou-lhe um olhar furtivo. - Não deviam? - Não... sim... quer dizer, simplesmente me surpreendeu. Só isso. Seguiram adiante mais um pouco antes de ele tornar a falar. - Você acha que eles não deviam ter informado assim de bom grado o seuendereço a qualquer amigo de Brad. - Eu... acho que é isso mesmo. Ele contraiu um músculo na mandíbula. - Pelo menos você é franca. Ela encolheu os ombros. - Até onde você sabe dos motivos de Brad para ir embora? - Apenas o que ele me disse... que os pais não aceitavam a necessidadedele de trabalhar com as mãos e não com a mente, que ficaram furiososquando ele abandonou a faculdade e se desinteressaram inteiramente de tudorelacionado a ele. Talvez Matt houvesse conhecido Brad afinal. - Dito assim, parece cruel. - E foi, de certa maneira. Brad ficou bastante magoado com orompimento. - Meus pais também, embora nenhum dos três tenha tentado melhorar arelação. - E você, Lauren? Fez alguma coisa? Ela fitou-o com raiva, depois suavizou e baixou os olhos. - Não - admitiu, tranquila - Acho que deveria na época. Mas então otempo se esgotou. - Você lamentou a distância? - Brad era meu único irmão. Não tinhamos outros. Era quatro anos maisvelho que eu, e seus interesses foram sempre diferentes. Não fomos muitoligados na infância, mas gostava de imaginar que talvez pudessemos encontrarinteresses comuns quando ficassemos mais velhos. Haviam chegado à avenida Atlantic. Matt pôs de leve a mão no cotovelodela quando atravessaram, apressados, para evitar um carro que vinha emtoda velocidade. Soltou-a quando chegaram à faixa do meio, onde esperaramum minuto para terminar a travessia.Projeto Revisoras 20
  21. 21. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas - Então você tinha 17 anos quando Brad partiu. Lauren exalou umsuspiro. - Você realmente sabe tudo sobre Brad, não? - Ele me disse que tinha 21 anos quando abandonou a faculdade. Se vocêera quatro anos mais nova... - Matt deixou a frase sem terminar e suas feiçõesficaram tensas. - Achou que eu estava mentindo ao dizer que era amigo dele? - Não. Talvez. Tenho de acreditar em sua palavra em relação a isso, vistoque não posso confirmar com ele. - É sempre tão desconfiada assim? Ela encarou-o. - Só quando vejo alguém me espreitando diante de minha loja durantedois dias antes de entrar. - Oh. Você me viu. - Vi. - Seria um rubor o que vira em seu rosto? Lauren perguntou-se seera culpa ou embaraço. Caso fosse a última hipótese, resolveu suavizar o tom.- Imagino que não tentava se esconder. - Na verdade - confessou ele - eu tentava reunir coragem para entrar. Essa era uma novidade na experiência dela. - Por que teria de reunircoragem para se aproximar de mim? - Vários motivos. Primeiro, eu sabia que havia ressentimentos quanto aBrad e não tinha certeza como seria recebido. Segundo, queria me certificar seera mesmo você. - Observou-a com interesse. Mais uma vez, aquela expressãoperplexa lhe tomou o rosto. - Você está tão diferente. Muito... muito bonita. Lauren agarrou com mais força a alça da bolsa no ombro. - Brad tinha uma fotografia? - Bem antiga. Você tinha 16 anos na época. Por motivos que não estava a fim de analisar, ela não quis entrar noassunto da cirurgia de reconstrução. - Foi há muito tempo - disse, tranquila. - A gente muda. - É o que estou vendo - falou Matt devagar. - Mesmo assim, éimpressionante... - Parecia que ia continuar falando, e por um instante Laurense perguntou apenas o quanto Brad lhe falara sobre ela. Foi salva quando eleergueu os olhos e anunciou, hesitante: -Acho que é ali. Ela acompanhou o olhar dele até onde se avistavam o cais e os barcos decruzeiro, - Parece que sim. Trata-se na verdade de uma desinformada conduzindooutro. Eu cursei a faculdade em Boston, mas já faz algum tempo. Fiquei muitotempo longe daqui. - Você mora no centro da cidade? O olhar que ela lhe dirigiu continha uma sutil acusação, mas tambémcerta diversão por trás das palavras. - O que foi que meus pais lhe disseram? Interpretando-a nítida eclaramente, ele reprimiu um sorriso. - Apenas o nome da loja. Imagino que quisessem manter nosso contatonum nível estritamente profissional. - Tenho certeza que sim. - E você? - E eu o quê? Ele ficou de repente sério.Projeto Revisoras 21
  22. 22. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas - Teria me desprezado porque não tenho Ph.D. em alguma matériaesotérica? - Eu não tenho Ph.D. em matéria nenhuma. - Mas tem mestrado de arte. Eu nunca frequentei uma faculdade. - Mas é bem-sucedido no que faz. Pelo menos, se tem viajado pelo país,a empresa em que trabalha deve estar se saindo bem... você deve servalorizado. - Após duvidar da história dele tão pouco tempo antes,surpreendeu-a por estar defendendo-o. Os que gostavam de vulnerabilidadenão eram sempre os mais prudentes. Inspirou fundo. - Não, Matt. Não soucomo meus pais. Brad não era o único que tinha diferenças com eles.Simplesmente dediquei um pouco mais de tempo tentando superar essasdiferenças. A conversa foi interrompida quando chegaram à cabine de tiquetes. Mattpagou as passagens e entraram no barco. Passando por entre os outrosgrupos, subiram até o convés superior e encontraram um lugar vazio junto àamurada, para olharem a silhueta dos prédios da cidade. - Eu adoro Boston - pensou em voz alta Lauren, após vários minutos desilenciosa apreciação. - Explique. - É maior que Bennington e muito mais excitante, embora menor queNova York e também mais calma. A gente pode entendê-la, passa a conhecê-la. É habitável. - Você tem apartamento? - Uma casa de fazenda. - Na cidade? - Em Lincoln. - Ela caiu em si e o repreendeu. - Isso foi um golpe baixo.Você se aproveitou de mim quando baixei as defesas. Ele deu um sorriso amistoso. - Peço desculpas. Você tem mesmo uma casa de fazenda? De algum modo, pareceu tolice esconder aquela informação. - É antiga e precisa de muitas obras para poder se tornar realmentehabitável, mas fica num grande pedaço de terra e tem encanto, verdadeiroencanto. - As casas antigas são assim. A história acrescenta personalidade. É umadas razões porque eu gosto de Boston. Passear por aí, ver onde ocorreu oMassacre de Boston, ou onde se leu pela primeira vez a Declaração daIndependência... isso nos causa arrepios. - Ele interrompeu-se, encarandoLauren. - Por que está rindo? - Você e seus arrepios. É um homem tão alto e forte. Parece umacontradição. - Não - disse ele, tranquilo. - Os arrepios de que falo têm causaemocional. Ser forte fisicamente não quer dizer necessariamente insensível. - Não tive a intenção... - Eu sei. Dado o recado, ele deixou o assunto acabar ali. Os dois ficaram emsilêncio, vendo a prancha de embarque ser recolhida e o barco afastar-sedevagar da doca. Logo os motores, grunhiam mais alto. A embarcação fez umatrabalhosa manobra, ganhou velocidade e entrou no corpo principal do porto,Projeto Revisoras 22
  23. 23. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessasdeslocando-se num ritmo constante, embora ruidoso. - Gostaria de uma bebida? - perguntou Matt. Lauren saiu de suacontemplação. - Não..., quero sim. Um spritzer vinho, se tiver vinho branco e soda, ouuma limonada. Qualquer coisa gelada. Assentindo com a cabeça, Matt atravessou de volta o convés edesapareceu pela escada que levava ao nível inferior. Lauren, que acompanhoua caminhada dele, teve de admitir que era um homem tão atraente quantoqualquer outro à vista. Não bonito no sentido clássico; tinha o queixo quadradodemais, o nariz levemente adunco, a pele muito castigada pelo clima. Masexalava boa saúde, força e competência. Atravessara o oscilante convés semvacilar. O vento açoitou seus cabelos quando ela se virou mais uma vez defrente para o mar. Concentrou-se no cenário - o Aquário, as Torres do Porto, oscais com o sortimento de pesqueiros e petroleiros, os restaurantes da orla. Sóquando Matt retornou, ela sorriu e percebeu como era muito mais bonitoàquela vista com ele a seu lado. - Duas limonadas. - Ele entregou-lhe uma. - O spritzer estava além dacompreensão do barman, e as outras bebidas eram menos leves. Havia algunscachorros-quentes lá, mas me pareceram muito ruins. Tirou um saco de batata frita de debaixo do braço, abriu-o e estendeu-o.Ela mastigou uma, depois a engoliu com um gole. - Fale-me sobre Brad - pediu ela, surpreendendo-se ao fazê-lo. Com expressão sombria, ele a examinou. - Não sei se você realmente quer saber - disse Matt. Ela atribuiu à suaprópria ambivalência a hesitação dele em responder. - Talvez você tenha razão. Mas... Acho que na verdade estou curiosa.Jamais estive com alguém que o conheceu depois que ele partiu. Não sei sedevo deixar escapar a oportunidade. Matt colocou várias batatas na boca. - O que você quer saber? - perguntou mordendo as batatas com força. - Ele trabalhava na mesma empresa que você? - Não. - Brad sempre morou em São Francisco? Ela sabia que fora onde o irmãomorrera. - Começou a trabalhar em Sacramento. - Como carpinteiro. - Isso mesmo. Mas quando chegou a São Francisco já vinha fazendomuitos projetos. - Projetos de que? Matt hesitou um instante. - Casas, na maioria. Alguns parques públicos. Como arquiteto, tinha umdom nato. - Era assim que o viam... como arquiteto? - Não. Ele não tinha as credenciais. Era como um ghost-writer,apresentando esboços rudimentares ao arquiteto da empresa, que depois osembelezava e formalizava. - Você conhecia a empresa na qual ele trabalhava? - Éramos concorrentes. As palavras saiam simples e francas, mas alguma coisa na maneira comoProjeto Revisoras 23
  24. 24. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e PromessasMatt as dizia dava a Lauren a impressão que ele não tinha muito interesse pelaempresa de Brad. - Mas apesar disso eram amigos. Como funcionava isso? Matt pareceu relaxar um pouco. - Muito à vontade - Nossos respectivos superiores tinham a patente darivalidade. Brad e eu preferíamos fraternizar com o inimigo. - Como se conheceram? - Num clube de boliche. A expressão dela ficou distante. - Estranho, não consigo imaginar Brad jogando boliche. Mas também nãoconsigo imaginá-lo suando no telhado de uma casa. - Deixou as divagações. -Que mais faziam juntos? - Comíamos fora. As vezes duas refeições por dia. Passávamos fériasjuntos... éramos seis amigos, na verdade. Descemos de balsa o rio Colorado,viajamos a cavalo por partes de Montana. Era divertido. - Muito machões - provocou ela, e foi presenteada com um encabuladosorriso dele. - Imagino que sim. O sorriso dela demorou-se um minuto e depois se desfez. - Brad nunca se casou. - Soubera disso quando fora informada peloadvogado que era a única beneficiária do patrimônio do irmão. - Eu gostaria desaber por quê. - Talvez não tenha encontrado a moça certa, que o aceitasse como eleera. - Você já se casou? - perguntou ela no impulso. Matt encarou-a uminstante, e fez que não com a cabeça. - Por que não? - Mesmo motivo. Ela pensou calmamente na resposta. - Entendo isso no caso de Brad. Foi criado numa atmosfera em que aperfeição intelectual era a única meta válida. Esforçou-se para continuar assimpor algum tempo, depois simplesmente desistiu. Meus pais, nem ninguém docírculo dos amigos dele, não aceitaram essa atitude. Muito antes de partir, foirotulado de desajustado. Tenho certeza que isso feria sua sensibilidade. - Todos temos nossas sensibilidades. - Quais são as suas, Matt? Por que iria uma mulher ter problema emaceitar você como é? Ele mastigou várias batatas fritas novamente, e teria parecidoperfeitamente desinteressado não fosse o escurecimento dos olhos. - Sou um operário braçal. Não tenho títulos, numa série de elegantesiniciais qualificativas para acrescentar ao fim do meu nome. Ao longo dos anos,tenho me saído bem no trabalho, mas isso não significa que aspiro um dia terminha própria empresa, nem que um dia não decida abandonar e voltar aconstruir cabanas rústicas de madeira. Se uma mulher achar que vai conseguirum futuro magnata imobiliário, é melhor pensar duas vezes. Não escapou a Lauren o ressentimento nas palavras dele. - Você deve ter sido humilhado. - Várias vezes. - Ele desviou o olhar para a água e suavizou o tom, queProjeto Revisoras 24
  25. 25. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessasse tornou tímido o bastante para dissipar a arrogância. - Sempre atraímulheres com muita facilidade. Mas atração física não basta. Não com umaperspectiva de sucesso duradouro. - A grama do vizinho é sempre mais verde... - comentou ela baixinho. -Algumas de nós adoraríamos ter uma aparência atraente. Matt examinou-a como se ela fosse insana. - Mas você tem! Não acredito que não tenha uma lista de homens àespera para levá-la para sair! Lauren precisou de um minuto para perceber o que dissera, e por queMatt respondera tão vigorosamente como o fizera. Esquecera. Isso aconteciamuito. Um lento calor subiu-lhe pelo pescoço. Os elogios ainda eram novospara ela, ainda mais de um homem com um físico tão maravilhoso como o deMatthew Kruger... - Não sei de lista alguma - respondeu apenas. - Então é apenas um? Ela fez que não com a cabeça. - Você é uma mulher linda, Lauren. Com certeza tem recebido propostas. Mais uma vez ela abanou a cabeça, negando desta vez com um sorrisoencabulado. - Por que não? Diante da franqueza dele, ela desatou a rir. - Você é quase tão pouco diplomático quanto Beth. - Lamento. Só fiquei curioso. - Ergueu uma das mãos grandes e bemformadas. - Não quero dizer que devia ser casada. Você só tem, quantos, 29anos, e está obviamente construindo uma carreira promissora. - Ocorreu-lheuma nova idéia, e ele franziu o cenho. - Você disse que não está cm Boston hámuito tempo. Então a loja é recente? - Inauguramos há pouco mais de um mês. - E antes disso? - Eu trabalhava num museu em minha cidade natal Ele passou o dedoindicador pela borda do copo de papel. - Cidade natal. Isso talvez explique. Brad me falou sobre a cidade natal. - Que foi que ele disse? - Que era sufocante. Unidimensional. A pessoa só podia ser artista ouacadêmico afiliado à universidade. - Estava sendo injusto. Bennington é um lugar lindo. Algumas pessoasfascinantes optaram por morar lá. Brad simplesmente não. - Nem você, ao que parece. Por que partiu, Lauren? - Porque eu queria abrir a loja. - Mas podia ter aberto uma loja em Bennington. Ela fez que não com acabeça. - O mercado é pequeno demais. - Então está atrás de vencer em grande estilo. - Quero que a loja seja um sucesso, sim - disse ela num tom defensivo. -Talvez não aspire a publicar um tratado profundo atrás de outro, como fazemmamãe e papai, mas isso não significa que não posso almejar ficar bem epróspera. O sorriso de Matt transmitia uma certa melancolia.Projeto Revisoras 25
  26. 26. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas - Agora você ficou mesmo igual a Brad. Ele era muito determinado... Um lampejo de incerteza atravessou o semblante dele. - Muito determinado...? Passou-se algum tempo antes de Matt concluir a frase, e então o fez comcuidado. - A ser bem-sucedido. Reconhecido. Não sei se realizou ou não o que omotivava, mas como muitas vezes afirmava que vinha construindo seu próprionegócio e não ligava para o que pensava a família, acho que estava brincandoconsigo mesmo. - Ele era feliz, Matt? Matt teve de pensar. - De certa maneira, sim. Examinando os pedacinhos de polpa de limão grudados nos lados do copo,Lauren falou mais devagar. - Soubemos apenas sobre o acidente; que ele estava supervisionandouma explosão de dinamite e acabou colhido na confusão. Houve... maisalguma coisa, além disso? - Foi só isso. Ele respondera rápido e com firmeza. Sem saber por que, Lauren foi pegade surpresa. - Você o viu logo depois? - No hospital. - O tom foi brusco. Quando ele continuou, a asperezasuavizou-se. - Brad ficou lúcido por algum tempo, mas com os ferimentosinternos e tudo mais... talvez tenha sido para melhor. Se ele sobrevivesse... eas chances disso eram mínimas desde o início... ficaria tetraplégico. Não achoque teria condições de suportar. - Não - sussurrou ela, e quando ergueu a cabeça, tinha os olhos úmidos.- Eu me sinto culpada, às vezes. - Culpada? - Tudo que tenho agora... a loja, a casa de fazenda, isto... - fez um gestolargo em volta de si mesma - veio do dinheiro que ele me deixou. Você sabia? Matt pôs a mão no ombro dela e massageou-o de leve. Sua voz saiu muitomais gentil, a tensão desviou-se. - Foi o desejo de Brad. Fui eu quem o transmitiu ao advogado. Em vistadas circunstâncias, ele ganhou uma certa paz. Lauren assentiu com a cabeça, e então, de algum modo, não pôde impediro transbordamento de palavras. - Não fosse por ele, eu com certeza ainda estaria em Bennington. A parteo dinheiro, a morte dele foi um ponto decisivo para mim. Pela primeira vez navida parei para pensar em minha própria mortalidade, no que teria comocrédito quando chegasse a hora, no que estaria deixando para trás. Foi quandodecidi me mudar para Boston e abrir a loja. Só desejaria que Brad pudessesaber como me sinto melhor comigo mesma agora. - Basta que você saiba, Lauren. Se Brad estivesse aqui para vê-la, estoucerto que se sentiria orgulhoso. Ela fitou-o timidamente, desviou o olhar e inspirou de forma longa etrémula. - É ruim demais não podermos ter as duas coisas... ruim demais nãopoder ter o que tenho e Brad vivo para ver.Projeto Revisoras 26
  27. 27. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas Passando o braço pelas costas dela, Matt puxou-a para junto de si. O calorque ele emanava era o conforto que ela precisava. - A vida é cruel assim mesmo, cheia de escolhas e concessões. Mesmoquem chega ao sucesso faz sacrifícios pelo caminho. O melhor que podemosfazer é decidir exatamente o quanto estamos dispostos a abrir mão e seguirem frente. Ao erguer o olhar para ele, ela roçou a face em seu ombro. Pareceu umgesto inteiramente natural. - Mas é uma visão negativa. - É realista. - Talvez eu seja mais romântica, então. Quero me concentrar nas metas eenfrentar os obstáculos ao me deparar com eles. Ele encolheu os ombros. - E eu quero estar preparado para os obstáculos. É apenas uma visãodiferente. Quem pode dizer qual a melhor? Lauren não respondeu. Ficou com o olhar de repente perdido no dele, eesforçou-se para aguentar a intensidade. Embora ele fosse quase um estranho,ela contara-lhe coisas que nunca revelara a ninguém, isso devia-se ao fato deele ser uma ligação com o irmão, ou ser um bom ouvinte, ou ter partilhadoseus próprios pensamentos com ela? Ficara desconfiada dele a princípio; aindadesconfiava, em alguns aspectos. E no entanto... e no entanto, sentia-seatraída por ele... O barulho da buzina do barco fez os dois saltarem. Olharam em volta eviram a maioria dos passageiros amontoada no outro lado do convés,acenando para um navio alto que passava. Sem soltá-la, Matt foi juntar-se aeles. - Impressionante - sussurrou, admirando os altivos mastros e acessóriosantigos da imponente embarcação. - É uma grande pena que não navegue avela. - É quase decepcionante. Não existiam motores antigamente. - Nem Walkmans Sony. Matt apontou o marinheiro pendurado no cordame, os fones de ouvidofirmemente instalados. Lauren sorriu da visão, e desviou o olhar para oaeroporto. - Se eu tivesse um escritório no centro da cidade, com essa vista, nãoacredito que conseguiria terminar qualquer trabalho. Poderia ficar sentadadurante horas vendo os aviões decolarem e pousarem. - Eu, não. Só olhá-los me dá calafrios. Sou um passageiro sempre empânico. Ela olhou-o, descrente. - Um homem desse tamanho? - Os homens grandes caem com mais peso. Ela reprimiu um sorriso. - Acho que tem razão. Mas você viaja de avião. Ele fez uma expressão que era, uma mistura de repulsa e resignação. - Quando necessário. - O que é frequente demais para seu gosto. - Acertou em cheio. Os olhos dela adquiriram um brilho extra.Projeto Revisoras 27
  28. 28. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas - Acho que eu jamais poderia voar com mais frequência. Não que tenhaviajado tanto de avião, mas sempre fiquei tão excitada com a idéia de chegarao lugar de destino ia que simplesmente me recostava e relaxava. É quasetudo que se pode fazer, você sabe. Assim que ganhamos altura, ficamos nasmãos do destino. Não há como termos controle sobre qualquer coisa queaconteça com o avião. Ele soltou um eloquente grunhido. - É isso que me aborrece. Eu gosto de estar no controle. Como gosto deavaliar os obstáculos... Lauren estreitou os olhos com um ar brincalhão. - Aposto que você é do tipo que vistoria cada centímetro de um novocarro antes de aventurar-se a guiá-lo. - Também provo o creme chantilly, depois a castanha moída, depois acalda de chocolate, depois o sorvete, antes de pôr na boca uma colher cheia desundae. - Mas onde está a surpresa, então? - Na mistura perfeita dos ingredientes. Do jeito que faço, minimizo o riscode decepção. Se uma coisa não está certa, posso mandar corrigir, e se nãopuder fazê-lo, pelo menos estou preparado, por isso minhas expectativas seequiparam à realidade. - E um homem cauteloso. - Totalmente. - Mais um motivo para ter ficado sentado defronte à minha loja por doisdias. - Ela inclinou a cabeça. - Me diga, o que teria acontecido se eu fosseexatamente como aquela foto que você tinha visto? - Eu teria entrado no primeiro dia. Lauren perguntava-se se ele teria mesmo entrado. - Eu não entendo. Minha aparência deixa você cauteloso. - Isso mesmo. - Mas... estou melhor do que na foto, não estou? - Está linda. - Então? Atolada em confusão, não fez protesto algum quando ele a virou paraolhá-la e cruzou os pulsos em sua nuca. - As mulheres magníficas me intimidam. Tive decepções, lembra? Desta vez o sorriso dele não a tranquilizou. Ela arregalou os olhos. - Acha que estou interessada no seu corpo? Ela estremeceu e disparou um olhar encabulado para cada lado. - Quieta. Lauren pegou-lhe os braços para afastá-lo. Quando ele a segurou comfirmeza, ela sussurrou, com veemência. - É isso que você acha? Então deixe-me dizer o seguinte: eu não lhe pedique entrasse em minha loja. Não lhe pedi que me levasse num cruzeiro. Nãoquero parte alguma de seu corpo! E mesmo que quisesse, não seria apenasisso que eu iria querer. Antes de chegar ao corpo, deixaria claro que queria oresto. - Ela arfou, indignada e virou o rosto para o outro lado. - Logo umegocêntrico, arrogante... - Não foi isso que eu quis dizer, Lauren. Você está tirando conclusõesProjeto Revisoras 28
  29. 29. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessasprecipitadas. Já lhe ocorreu que pode intimidar um homem? - Eu? - É, você. Eu vinha esperando encontrar uma moça tranquila... - elehesitou, e então pigarreou - ...meio magra e sem graça, levando uma vidaigualmente sossegada no campo. Pelo menos, era o que Brad dava a entender.Se ele pudesse ver você agora! É dona de sua própria loja... no centroempresarial da cidade, nada menos. É linda. Veste-se com muita elegância. Éinteligente o bastante para afugentar qualquer um. E com toda certeza não vaicair aos meus pés. - Ele inspirou, ressentido. - Sim, me sinto intimidado. Lauren ficara em suspense durante o breve discurso dele. Agora percebiacomo devia ter parecido absurda sua afronta. - É estranho - conseguiu dizer em voz baixa -, você não pareceintimidado. Ele cerrou bem os olhos. Mesmo antes de relaxar e abri-los, um sorriso jácomeçara a formar-se em seus lábios. - Acho que agora não estou, pelo menos não tanto quanto antes. Paraalguém que é linda, chique e super inteligente, você é realmente bastantenatural. Ela sorriu, encabulada, desviando o olhar. - Acho que estamos perdendo o pôr-do-sol. - Tem razão. Retornaram ao lado da amurada onde tinham se instalado antes, depoistrocaram de lugar quando o barco fez uma lenta curva e dirigiu-se de volta àsdocas. Nenhum dos dois disse muita coisa. Lauren, por exemplo, ficou absortaem seus próprios pensamentos. Apesar da explicação dele, continuava perplexa por sua aparência tê-lointimidado. No inicio apenas, mas seu orgulho fora ferido. A idéia quemelhorara completamente a aparência apenas para constatar que issomantinha os homens a distância era perturbadora; por isso reclamara. Ouestivera apenas à procura de algo que pudesse servir de motivo para seinterpor entre Matt e ela? Ele também era atraente, muito agradável como companhia, firmementealinhado como Brad e tinha um estilo de vida que fora ensinada a reprovar.Não, não estava desaprovando-o agora, mas tampouco podia ignorar adecepção do abandono do irmão muito tempo atrás. E depois veio a culpa.Concordara com a opinião dos pais de que Brad era um fracasso, mas aceitarao dinheiro dele - muito dinheiro. Teria um arquiteto disfarçado de carpinteiroganho todo aquele dinheiro? Guardara no banco cada centavo poupado durante11 anos? Compreendeu que precisava fazer várias outras perguntas a Mattsobre o irmão. Em retrospecto, questionava-se se ele fora evasivo quandofalara do trabalho de Brad. As respostas haviam sido breves, a expressãosolene. Ele contara mais sobre a vida pessoal do irmão, mas ela não podiadeixar de perguntar-se se deixara de mencionar algumas coisas. O barco encostou no cais, prenderam-se as cordas e baixaram a pranchade desembarque. - Você deve estar faminta - disse Matt. - Quer comer alguma coisa emmeu hotel? O Marriott ficava apenas a uma curta distância de onde se achavam, masProjeto Revisoras 29
  30. 30. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessasela logo abanou a cabeça. - É melhor eu ir direto para casa. Foi um longo dia. - Tem certeza? Desta vez ela não se rendeu à suavidade cor de chocolate do olhar dele.Precisava de tempo para habituar-se ao aparecimento daquele homem em suavida. Era uma figura do passado de Brad, mas sua proximidade adesequilibrava. Na verdade, ansiava pela sólida firmeza de sua própria casa. - Tenho - respondeu com um sorriso delicado. - Mas... obrigada, Matt. Foidelicioso. - Pelo menos me deixe acompanhar você até seu carro. Está muitoescuro. - Mas o caminho até meu carro é muito bem iluminado do começo ao fim.Verdade, vou ficar bem. Matt empertigou os ombros e assentiu com a cabeça. - Tome cuidado, então. Ela se encaminhou para o carro. - Boa sorte com seu trabalho. Espero que saia tudo bem. Ele assentiu mais uma vez com a cabeça, acenou, virou-se e dirigiu-separa o hotel. Lauren só olhou para trás depois que atravessara a avenidaAtlantic, e a essa altura ele já desaparecera. O sol do cair da tarde fulgia brilhante acima das colinas de Hollywood,rnas as persianas no gabinete haviam sido baixadas quando o proprietárioentrou, encaminhou-se a passos largos pelo piso de cerâmica até aescrivaninha e pegou o telefone. -Sim? - Estamos chegando próximo. - Já era hora. Eu imaginava que ia ter notícias dela mais cedo. - É uma moça esperta. Cobriu seus rastros como uma profissional...quase. Ainda não sei quem a ajudou a sair de Los Angeles, mas você tinharazão sobre as Bahamas. Ela voltou à mesma clínica que visitou quando vocêsdois passavam as férias no último outono. Foi o único deslize. - Então você a encontrou? - Fez cirurgia plástica, exatamente como você achou que faria. Não muitacoisa. Mudanças sutis. Encontrei um instantâneo falsificado de "antes" nosarquivos do médico e um monte de históricos médicos enganadores, mas oinstantâneo "depois" tinha semelhança suficiente com a aparência real paradesmascará-la. Os cabelos estão diferentes, mais escuros e curtos. E elaadotou outro nome. - Sabíamos que faria isso. Onde está ela? - Boston. Acabou de abrir uma pequena loja de reproduções e molduras. - Com o dinheiro dos presentes que eu dei a ela. Uma loja dereproduções e molduras. É muito cara. - Você ficaria espantado se a visse. É a imagem da inocência. Roupassimplesmente muito... elegantes, mas discretas, nada chamativo como antes.Dirige um Saab que deve ter comprado de segunda mão. Tem uma mulhertrabalhando na loja que parece quase tão pura quanto ela, e um rapaz que nacerta faz o que ela...Projeto Revisoras 30
  31. 31. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessas - E as jóias? Localizou o disfarce? - Não. Nenhum sinal das jóias. Ela talvez tenha começado com as peles.Seriam mais fáceis de vender e quase impossível de refazer o paradeiro. - Fez algum contato com ela? - Tenho alguém bom para isso. Ela já sofreu dois "acidentezinhos"... nadaainda para machucá-la, na verdade, apenas para fazê-la começar a perguntar-se. - E começou? - Sim. Anda olhando nervosamente em volta do jardim, toda vez que saida casa. - A casa? - Uma velha casa de fazenda que comprou fora da cidade. - Com meu dinheiro. - Vai voltar tudo para você. Entre a loja e a casa, ela fez investimentosque retornarão com juros. - Quero que encontre as jóias. - Estamos procurando. Ela não guardou em casa. Revistei eu mesmo olugar hoje. - Revirou tudo? - Nada tão óbvio assim. Apenas mudei de lugar umas coisinhas aqui e ali.Ela vai desconfiar que alguém anda bisbilhotando, mas não terá suspeitabastante para chamar a polícia. - Ela não ousaria chamá-la.. Sabe como sou bem relacionado, e não farianada para arriscar pôr a perder sua nova identidade. Então aonde vamos daquiem diante? - Ainda tenho mais alguns contratempos prontos bem escondido. Vocêquer que ela se contorça. Eu quero que ela se contorça. Ela vai se contorcer. - Está se divertindo à beça, não? - Posso dizer que sim. Eu acho que, como o decepcionei antes, e a culpafoi dela, esta vai ser a minha vingança. - A vingança é minha, e não esqueça isso. - De jeito nenhum, chefe. De jeito nenhum.Capitulo Quatro Beth a esperava ansiosa quando Lauren chegou à loja na manhã seguinte. - E aí? Como foi? O que aconteceu? Seus pais morreriam se soubessemque você saiu para um encontro com ele, mas eu acho maravilhoso! Umcruzeiro de pôr-do-sol... Nunca ouvi falar de coisa mais romântica. Ele talvezseja meio rude, mas tem charme. Foi agradável com você? E o convidou parair a Lincoln depois do cruzeiro? Quase liguei para você, mas não ousei. Meconte, Lauren. Conte tudo! Seguida de perto pela amiga, Lauren continuou atravessando a loja até asala dos fundos e guardou a bolsa na gaveta de baixo do armário de arquivos. - Como posso lhe contar alguma coisa se você não me dá chance paradizer uma palavra? - Tudo bem. Vou ficar calada. Fale. Lauren apenas desejou saber o que dizer. Passara boa parte da noiteProjeto Revisoras 31
  32. 32. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessaspensando em Matthew Kruger, e ainda não sabia que conclusões tirar dele. - Sim, ele foi simpático. O cruzeiro foi agradável. Romântico? Isso eu nãosaberia dizer. E não, não o convidei para ir comigo a Lincoln. - Por que não? - Porque não era necessário. E não saí para um encontro. Ele era amigodo meu irmão. Só isso. Conversamos um pouco sobre Brad e sobre outrascoisas. Apenas isso. - Ele explicou por que ficou rondando lá fora por dois dias? Pela primeira vez nessa manhã, Lauren sorriu. Indiferente. - Se conseguir acreditar nisso, ele contou que vinha tentando reunircoragem para entrar. Brad tinha lhe mostrado uma fotografia minha. Eu nãoera bem o que ele esperava. - Mas que maravilha! - exclamou Beth arregalando os olhos. - O belopríncipe se sentiu tão fascinado com sua beleza que ficou na verdadeapavorado. Que maravilha! Lauren contraiu o rosto e cuidadosamente falou: - Belo príncipe? Fascinado com minha beleza? Apavorado? Que é quevocê anda lendo, Beth? - Admita. Eu acho tudo incrível. Vai sair de novo com ele? - Não sei. - Que quer dizer com não sei? - Apenas isso. Ele não disse nada sobre sairmos novamente, e eu não iapermitir intimidades tão rápido. Lauren pegou uma lata de café e começou a pôr colheradas do pó numfiltro. - "Permitir intimidades" - murmurou Beth. - palavras corretas saídas daboca da antiga Lauren. A nova você é muitíssimo desejada. Estaria fazendo umfavor a ele pensar em vê-lo mais uma vez... E aí? - E aí o quê? - Vai? - O quê? Lauren calculou a água e despejou-a na cafeteira. Beth deu um suspiro defrustração. - Pensar em sair com ele de novo. - Eu não sei. Quando o café começou a pingar devagar na garrafa, Beth revirou osolhos e resmungou. - Que absurdo. A gente está entrando num círculo vicioso. Você quer ounão sair com esse homem de novo? Lauren virou-se de frente para a amiga. - Eu não sei! Ora, Beth, como posso lhe dar uma resposta melhor se eunão tenho nenhuma? Sim, eu gostei dele, e em circunstâncias normais teria omaior prazer em vê-lo de novo. Mas não se trata exatamente de circunstânciasnormais. Em primeiro lugar, ele mora na Costa Oeste. Só está aqui a trabalho,cuja maior parte o mantém na parte ocidental do estado. Vai voltar para SãoFrancisco e tem horror a viajar de avião. Não tenho exatamente tempo deviajar para vê-lo todo fim de semana... isso sem falar no dinheiro, quando mepropus a fazer tantas outras coisas prioritárias. - Ela inspirou fundo. - E emProjeto Revisoras 32
  33. 33. Rainhas do Romance 08 Barbara Delinsky – Ameaças e Promessassegundo lugar, ele era amigo de Brad. Você tem razão. Meus pais iriam ficarenfurecidos. - Você é adulta. Não queriam que fosse às Bahamas, mas você foi. Nãoqueriam que partisse de Bennington nem abrisse esta loja, mas você fez asduas coisas. Não precisa da permissão deles. Pode fazer o que você quiser ever quem quiser. Lauren exalou o ar profundamente. - Sei disso, Beth. Não estou pedindo a permissão deles para nada. Tenhomeus próprios escrúpulos sobre sair outra vez com Matt. Ele era amigo deBrad. E vê a mim e a meus pais, pelos olhos de Brad. É um solteirãoconsumado que adora viajar com os amigos e descer corredeira abaixo poruma semana. Então qual o sentido de levar isso adiante? - O sentido - murmurou Beth, arqueando as sobrancelhas - é que ele ésolteiro e magnífico. - Achei que era muito rude para você. - Para mim, sim. Para você, não. Os dois pareciam maravilhosos saindodaqui juntos ontem à noite. Ouça o que digo, veja até onde isso vai chegar. - Você tem a mente tacanha - grunhiu Lauren, tirando um fio de cabelodo vestido de jérsei cor de damasco e cintura baixa. - E você está de péssimo humor. Cadê seu senso de humor? Escute,tenho certeza de que Matthew Kruger será o homem perfeito para afugentar ofantasma que anda frequentando a sua fazenda. - Besteira. Estou começando a achar que preciso fazer alguma coisa.Aquele "fantasma" entrou mais uma vez em ação. Beth piscou os olhos uma vez, e depois outra. O café continuava a gotejarno fundo, o forte aroma flutuando da garrafa e espalhando-se pela pequenasala. - Como disse? - O "fantasma". Juro que andou mexendo em minhas coisas ontem. - Espere um minuto, Lauren. Não existe isso de fantasmas. - É você quem anda dizendo. - Eu estava provocando. - Então imagino que provocou um pouco demais. Estou quase metornando uma crente. - Não está falando sério! - Talvez não. Mas mesmo assim... foi misterioso. Eu podia jurar que tinhaposto algumas coisas em determinados lugares lá em casa, e elas continuavamlá, só que... deslocadas de algum modo. Beth recostou-se na cadeira e cruzou os braços no peito. Parecia ser umapsiquiatra, pelo tom indulgente da voz. - Acho que vai ter de ser mais específica. De que modo elas foram"deslocadas"? - Pequenas mudanças de posição. Um frasco de perfume virado decostas, de forma que o pássaro esculpido no vidro se voltava para a parede.Um par de sapatos bem arrumado no armário, com o da direita na esquerda eo da esquerda na direita. Uma calcinha dobrada à perfeição, mas pelo avesso.Sempre viro do lado direito antes de dobrá-las. Calcinhas. - Estremeceu, esussurrou, desanimada - Dá para acreditar nisso? - Talvez você devesse chamar a polícia.Projeto Revisoras 33

×