Avaliacao de dados_vitais_tecnicos

2.405 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
11 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.405
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
11
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Avaliacao de dados_vitais_tecnicos

  1. 1. AVALIAÇÃO DEDADOSVITAIS
  2. 2. SINAIS VITAIS• SINAIS DE VIDA; sinais físicos como:– PULSO (radial, carotídeo, femural,...)– RESPIRAÇÃO (freqüência, tipo...– PRESSÃO ARTERIAL (MMSS, MMII...)– TEMPERATURA CORPORAL (axilar, retal, oral...– NÍVEL DE CONSCIÊNCIA (Escala de Glasgow)– DILATAÇÃO DAS PUPILAS– COR DA PELE, os quais indicam que uma pessoa está viva.• Podem ser observados, medidos, e monitorados paraacessar o nível físico de atividade de um indivíduo. Osvalores normais da medição dos sinais vitais variamconforme a idade e o estado da pessoa.
  3. 3. SINAIS VITAIS• Os sinais vitais incluem a medida fisiológica datemperatura, pulso, pressão arterial, respiraçãoe saturação de oxigênio;• Os sinais vitais são mensurados como parte doexame físico completo ou na revisão dacondição do cliente;• O profissional de enfermagem examina asalterações dos sinais vitais como outrosachados do exame físico, utilizando ojulgamento clinico para determinar a freqüênciada verificação.
  4. 4. TEMPERATURA• A temperatura corporal é adiferença entre aquantidade de calorproduzida pelos processoscorporais e a quantidadede calor perdida para oambiente externo.Indicaatividade metabólica• Regulação: Neural eVascular• Produção calor• Perda calor: Irradiação,Condução, Convecção,Evaporação. (importância noambiente Pré Hospitalar)
  5. 5. TEMPERATURA• Normotermia: (36oC e 36,8oC)ALTERAÇÕES• Hipotermia:– Perda de calor durante uma exposição ao frio queultrapassa a capacidade do corpo de produzir calor.• Hipertemia– É a incapacidade do corpo de promover a perda de calor oureduzir a produção de calor.• Febrícula (36,9oC - 37,4oC)• Febre (37,5oC - 38oC)• Hiperflexia( 40oC)
  6. 6. TEMPERATURA• Mensuração• Locais– Oral– Retal– Axilar– Membrana Timpânica• Variação: 36 a 38ºC– Oral: 36,1 a 37,5oC– Retal: 37,5o– Axilar: 36,5o
  7. 7. AVALIAÇÃO DATEMPERATURACORPORAL• O termômetro deve ser colocado em local ondeexistam rede vascular intensa ou grandesvasos sangüíneos, e mantido por temposuficiente para a correta leitura da temperatura. • TEMPO DE MANUTENÇÃO DO TERMÔMETRONO PACIENTE– Oral: 3 minutos– Axilar: 03 a 05 minutos– Retal: 3 minutos
  8. 8. TEMPERATURA• A febre é um dosmecanismos de defesa docorpo• A via timpânica e acessívele local indicado paramedida da temperaturacentral• Temperatura retal não deveser realizadas em recémnatos e adultos comproblemas retais
  9. 9. PULSO• Toda vez que o sangue é laçado do ventrículo esquerdopara a aorta, a pressão e o volume provocam oscilaçõesritmadas em toda a extensão da parede arterial,evidenciadas quando se comprime moderadamente aartéria contra uma estrutura óssea.• LOCAIS DE VERIFICAÇÃO DO PULSO– Normalmente faz-se a verificação do pulso sobre a artériaradial (em casos não urgentes)– Artérias mais calibrosas como a carótida efemoral poderão facilitar o controle.– Outras artérias, como a temporal, facial,braquial, poplítea e a dorsal do pé tambémpossibilitam a verificação do pulso.
  10. 10. VERIFICAÇÃODE PULSO
  11. 11. PULSO• O pulso é medido no punho, no pescoço, nas têmporas,na virilha, atrás dos joelhos, ou no peito do pé. Nessasáreas, a artéria passa perto da pele.• Para medir o pulso no punho, coloque os dedos indicadore médio sobre o lado de dentro do punho oposto, abaixoda base do polegar. Pressione firmemente com os dedosesticados até que sinta o pulso.• Para medir o pulso no pescoço, coloque os dedosindicador e médio imediatamente ao lado do pomo-de-adão, na parte macia e oca. Pressione firmemente atélocalizar o pulso. Quando achá-lo, conte os batimentospor umminuto ou por 30 segundos e multipliquepor 2. Isso lhe dará os batimentos por minuto.
  12. 12. PULSO
  13. 13. PULSO
  14. 14. PULSO• FREQÜÊNCIA CARDÍACA NORMAL(bat/min)– Lactentes: 120-160– Crianças: 90-140 bat/min– Pre-escolar: 80-110 bat/min– Idade Escolar: 75-100 bat/min– Adolescente: 60-90 bat/min– Adulto: 60-100 bat/min• VARIAÇÕES– Bradicardia– Taquicardia
  15. 15. PULSO EOXIMETRIA
  16. 16. SINAIS VITAISLocais de Palpação de Pulso• Temporal (Crianças)• Ulnar (Mão, T. Allen)• Carotídeo (PCR, CHQ)• Femoral (Perna, CHQ,PCR)• Apical (Ausculta)• Poplíteo (MMII)• Braquial (MSS/PA)• Tibial Posterior (Pé)• Radial (Mão)
  17. 17. PRESSÃO ARTERIAL
  18. 18. PRESSÃO ARTERIAL OUPRESSÃO SANGÜÍNEA• É a medida da força aplicada contra asparedes das artérias, quando o coraçãobombeia sangue através do corpo.• A pressão é determinada pela força equantidade de sangue bombeado e pelotamanho e flexibilidade das artérias.
  19. 19. PRESSÃO ARTERIAL• FATORES QUE INFLUENCIAM APRESSÃO– Idade– Estresse– Raça– Medicamentos– Gênero– Sedentarismo
  20. 20. ESTETOSCÓPIO ETENSIÔMETRO
  21. 21. Tipos de Tensiômetro• Adulto• Infantil• Para obesos (proporcional acircunferência do Braço)• Coluna de Mercúrio
  22. 22. VERIFICAÇÃODE PRESSÃOARTERIAL
  23. 23. SINAIS VITAISMÉDIA DA PRESSÃO ARTERIAL NORMALIDADE PRESSÃO(mmHg)Recém nato 401 mês 85/541 ano 95/656 anos 105/6510-13 anos 110/6514-17 anos 120/75Adulto médio 120/80Idoso 140/90
  24. 24. SINAIS VITAIS• Classificação da pressão arterial paraadultos acima de 18 anos:Categoria SistólicaDiastólicaNormal < 130 <85Normal alta 130-139 85-89HipertensãoEstágio leve 140-159 90-99Estágio moderado 160-179 110-109Estágio grave 180-209 110-119Estágio muito grave >210 >120
  25. 25. ALTERAÇÕES DAPRESSÃO ARTERIAL• HIPERTENSÃO– Distúrbio mais comum da pressão arterial.– Causa principal de morte decorrentes deAVC e IAM.– Considerar: História familiar, fumo,obesidade, álcool, estresse, colesterol– Medida isolada pede atenção
  26. 26. PRESSÃO ARTERIAL• HIPOTENSÃO– Causada por perda de grandequantidade de sangue, falência domúsculo cardíaco– Esta associada a palidez, pele fria,umidade, confusão, FC diminuída~e debito urinário diminuído
  27. 27. RESPIRAÇÃO• A respiração, na prática, é o conjunto de2 movimentos normais dos pulmões emúsculos do peito:– 1 - Inspiração (entrada de ar pela boca/nariz);e– 2 - Expiração (saída de ar, pelas mesmas viasrespiratórias).• Nota-se a respiração pelo arfar(movimento de sobe e desce dopeito) ritimado do indivíduo.
  28. 28. RESPIRAÇÃO
  29. 29. RESPIRAÇÃO• Esta é uma ilustração dasprincipais característicasdos pulmões e da árvorebrônquica. O início estános alvéolos, sacos demicroscópicos vasossangüíneos alinhados,nos quais são trocados ooxigênio e o dióxido decarbono.
  30. 30. RESPIRAÇÃO:Oximetria% SPO2
  31. 31. FREQÜÊNCIARESPIRATÓRIA• Avalia a freqüência, ritmo, sons eprofundidade dos movimentosrespiratórios• VALORES NORMAIS– Eupnéia: 16 a 20 irpm– Taquipnéia: acima de 20 irpm– Bradipnéia: abaixo de 16 irpm
  32. 32. GLICEMIA CAPILAR
  33. 33. GLICEMIA CAPILAR
  34. 34. ANOTARSEMPREOSDADOSVITAIS !!!!
  35. 35. GLICEMIACAPILAR• QUANDO REALIZAR?• POR QUEREALIZAR?• COMO REALIZAR?
  36. 36. PASSANDO OS DADOS VITAISPARA O MÉDICO REGULADOR
  37. 37. MENSAGEM• PASSAR A MENSAGEM A COISAMAIS LINDA DO MUNDO
  38. 38. "O valor das coisas não está notempo em que elas duram, mas naintensidade com que acontecem.  Por isso existem momentosinesquecíveis, coisas inexplicáveis epessoas incomparáveis." [Fernando Pessoa] 

×