EE LANDIA DOS SANTOS BATISTA

379 visualizações

Publicada em

HISTÓRIA DO PATRONO

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
379
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

EE LANDIA DOS SANTOS BATISTA

  1. 1. EE LANDIA DOS SANTOS BATISTA“Cada um de nós constrói a sua história. Cada ser em si carrega o dom deser capaz. De ser feliz.”(Almir Sater)O BAIRROPor volta de 1965, o Sr. Valdomiro Gallo, proprietário do sítio São João fazum loteamento de suas terras. A partir daí, a terra que antes produzia uvase pêssegos, passa a dar lugar às primeiras casas, iniciando desta forma obairro São João. Conforme a população do pequeno bairro foi crescendo, veio anecessidade de se construir uma escola que atendesse a demanda decrianças dessa região. Em 1975, atendendo a essa necessidade, foiconstruída a ESCOLA ESTADUAL DE 1º GRAU DO JARDIM SÃO JOÃO.HISTÓRIA DA ESCOLAA escola foi construída à Rua Engenheiro Abraão, nº 210. Na época de suaconstrução, em 1975, a escola era pequena, formada por apenas umpavimento térreo, com dez salas de aula que abrigariam crianças da 1ª a 4ªsérie do antigo 1º grau. Em fevereiro de 1976 começa a funcionarrecebendo as primeiras turmas. De forma tardia, em 1981 foi inaugurada. Provavelmente para atender ademanda da própria escola, em 1985 passa as funcionar como escola de 1ºe 2º graus.De acordo com informações colhidas em depoimentos de ex-alunos eregistradas em um álbum de fotografias que retratam atividadesdesenvolvidas durante o período de 1980 a 1986, gestão da Diretora HildaMaschieto, constatamos que nessa época existiu um grupo que idealizoutransformar a rotina escolar em uma educação que pudesse levar osenvolvidos no processo a sonharem com a possibilidade de mudanças.Há mais vinte anos foi escrito pela então diretora as seguintes palavras queabrem o álbum: Muitas fotos registram atividades desse período, mas bastaolharmos algumas para termos noção de como era a escola.Como acontece com todo grupo, depois de um determinado tempo junto,por circunstâncias da vida, cada qual seguiu seu destino. No entanto, o anode 1987 na escola foi marcado um triste fato, a morte de uma jovemprofessora que fazia parte desse grupo. Por isso, quatro anos após seufalecimento, em 1991, em uma homenagem póstuma, a EE Jardim SãoJoão passa a ser denominada EE LANDIA DOS SANTOS BATISTA.
  2. 2. QUEM FOI A PROFESSORA LÂNDIA?BIOGRAFIA1958 Lândia Almeida Batista nasce em São Paulo, a dois de setembro, filhade Benício Almeida dos Santos e Maria do Carmo Santos, nordestinos dePernambuco migrados em l957 para o nosso município. Lândia viveugrande parte de sua infância na Vila Corrêa - Ferraz de Vasconcelos.Estudou da 1a. a 4a. série na E.E. Edir do Couto Rosa, passando a E.E.Iijima, onde colou o Ensino Médio.Formatura 4ª serie - EE Edir Couto Rosa1978 - Forma-se em Estudos Sociais pela Universidade de Mogi dasCruzes. Desde cedo era uma moça dedicada e batalhadora. Trabalhounuma oficina de costura e posteriormente como bancária, deixando sempresua marca registrada: a alegria. Em 28 de Outubro, casa-se com FernandoRoberto Batista. Formatura Ensino Médio1980 - Nasce sua primeira filha: Amanda. 1981Volta à escola, não comoaluna, mas como uma eficiente carismática e organizada professora deHistória na escola Iijima, onde exerceu seu tempo de serviço na educação.Exerce a função de Orientadora de Educação Moral e Cívica na Escola SãoJoão, escola esta que recebeu seu nome em homenagem póstuma em1991.1981 - Nasce sua segunda filha: Janaína.1987 - Encerra-se sua trajetória, falece a seis de novembro devido a umcâncer de mama. Como aluna na EE IijimaProfª Lândia não é apenas um nome em um prédio de concreto. Ela foi umapessoa que em sua breve passagem pela vida, amou, lutou, sonhou edeixou saudades: nos pais que até hoje choram sua ausência, nas filhasque possivelmente pensam em como teria sido a vida com a presença damãe, nos irmãos que perderam uma companheira, nos amigos e colegasque perderam a convivência com sua alegria, dinamismo e entusiasmo pelavida. Viveu pouco, para quem tinha pressa em fazer muito. Com o pai, naFormatura da UniversidadeAinda adolescente aprendeu a batalhar para não pássaros dias em vão.Construiu precocemente uma família e uma carreira, ambas interrompidasmuito cedo, mas que deixaram frutos. Como mãe, deixou Amanda eJanaína, duas jovens amáveis que têm o mesmo carisma e demonstramser batalhadoras como a mãe.Como profissional, deixou um exemplo de dedicação e honra ao títuloProfessora. Mesmo para aqueles que não a conheceram é possível essaconstatação, seja pesquisando um arquivo onde estão algumas anotações
  3. 3. e atividades desenvolvidas por ela, seja em documentos que atestam suaparticipação em projetos da Escola, seja em depoimentos de colegas quetestemunharam sua competência profissional, seja na lembrança daquelesque a tiveram como educadora.Por uma fatalidade, faleceu muito jovem, ainda tinha muito para contribuirem um sonho idealizado junto a outros professores de sua época emtransformar este espaço em uma escola ideal... Passados vinte e três anosde sua morte, a jovem professora continua nos ensinando. Aorelembrarmos sua história de vida, aprendemos a lição de que estamosaqui de passagem e, portanto, devemos fazer de nossos dias os melhores,não passá-los em branco, ou lamentando o que poderíamos ter feito.Aprendemos que se quisermos lutar para mudar alguma coisa, devemoslutar agora, não deixar para amanhã, pois o futuro não nos pertence. Hojese olharmos uns nos olhos dos outros veremos que é perceptível o desejode mudança para uma realidade diferente da que estamos vivendo,sentimos urgência em construir uma sociedade mais digna, igualitária efraterna.Para isso, é preciso repensar a Educação com seriedade e o devidorespeito, pois é no espaço escolar o lugar onde devemos ter as primeiraslições de humanidade, é aqui o lugar que devemos nos descobrir comopessoas diferentes, que pensam diferente, que agem diferentes sim, masque temos um sonho em comum: sermos felizes.Devemos aprender também que não construímos nada sozinhos, é aquique devemos despertar a consciência de que dependemos uns dos outrose que é necessário nos despirmos de todo orgulho e vaidade pessoal, queé preciso darmos as mãos, humanizar nossas ações eternos acompreensão de que este é o caminho para a construção de um mundomelhor. Não podemos mudar o mundo inteiro, mas podemos fazer desseespaço um lugar onde possamos aprender mais sobre a essência da vida ea sermos multiplicadores de sonhos e esperanças. Esse era o desejo deum grupo de professores de outrora e do qual a professora Lândia faziaparte.Utopia? – como se perguntaram há um tempo atrás-continuaremos semresposta. No entanto, estamos aqui e há muito que ser feito, e isto é real.Então, que a lembrança da juventude da Profª Lândia toque os nossoscorações e nos encoraje a ousar o sonho.Sabemos que um dia todos partirão, mas com a certeza de que virão outrosjovens com o desejo de renovação e onde há juventude os sonhos nãomorrem jamais. Que os nossos dias futuros nesse espaço sejam derespeito, amor, entusiasmo, esperança e, sobretudo, de luta. Assim comofoi Lândia dos Santos Batista.
  4. 4. Profª Lândia dos Santos Batista ∗ 1958 † 1987Grupo Gestor 2012

×