Prévia do Livro - Prédios de São Paulo

339 visualizações

Publicada em

Para mais informações sobre patrocínio, entrar em contato com:
comunicacao@gaeasustentavel.com

Publicada em: Negócios
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Prévia do Livro - Prédios de São Paulo

  1. 1. 1 PRÉDIOS DE SÃO PAULO M A T T E O M I L E N A E M I L I A N O G A V A Z Z I L E O N E L H A G G E
  2. 2. PRÉDIOS DE SÃO PAULO Idealização Matteo Gavazzi Fotografia Emiliano Hagge Milena Leonel Projeto gráfico Direção de arte Diagramação Milena Leonel Prefácio Ilustração Nara Rosetto Texto André Scarpa Textos Ana Clara Queiroz Julia Urrutia Mariana Cazaroli Matteo Gavazzi Nathalia Colli Revisão Julia Urrutia Gabriela d’Ávila Impressão Gráfica Vallilo Capa Milena Leonel, Trussardi, Novembro, 2014 © 2015 Prédios de São Paulo 1a EDIÇÃO São Paulo 2015 MATTEO GAVAZZI MILENA LEONEL EMILIANO HAGGE
  3. 3. 13 O Edifício Sampaio Moreira, de 1924, projetado pelos arquitetos Cristiano Stockler e Samuel das Neves, ficou conhecido como o primeiro arranha-céu de São Paulo. Foi com uma imagem deste edifício que a comunidade Prédios de São Paulo ilustrou sua primeira postagem no Facebook, no dia 13 de agosto de 2014. Assim como o edifício em questão inaugurou novos caminhos na construção da cidade de São Paulo, o Prédios de São Paulo incutiu no âmbito das curtidas e compartilha- mentos, com um olhar fresco e despretensioso, um novo interesse a esta cidade que nunca dorme. Num avesso “nemo propheta in patria”, o italiano Matteo Ga- vazzi, criador da página, passou a dividir diariamente através de suas postagens as pequenas descobertas que fazia em suas caminhadas pelo centro da cidade que se deixava revelar. Surpreendentemente, perce- bemos através do olhar curioso do estrangeiro que a cidade é igualmente ou mais desconhecida para os próprios nativos desta erroneamente intitulada selva de pedra. Estes passam ligeiro todos os dias, alheios aos cenários que agora invadem timidamente a tela do celular onde seus olhos por vezes se encontram fixados. É essa tela que Prédios de São Paulo vai povo- ar de imagens que, como uma boa música a tocar lá fora, nos despertam do que estamos (ou não estamos) fazendo, alheios a esse entorno construído. Num uni- verso onde as imagens costumam dissimular a realida- de do sujeito fotografado, a excelência das fotografias publicadas neste projeto é diretamente proporcional à qualidade da Arquitetura que elas retratam. Seme- lhante a um agente infiltrado, ao mesmo tempo em que transforma o Facebook num lugar muito mais in- teressante, a página nos convida a sair dele e vivenciar a cidade real que nos passa despercebida. Como ar- quiteto, fico imensamente feliz em descobrir através desse projeto que todas as qualidades do centro da cidade de São Paulo, centro que encantou o fundador da página e por consequência seus seguidores, são re- conhecidas por tanta gente. Às suas largas avenidas, aos térreos dos prédios abertos diretamente para as calçadas, às praças e aos eixos entre elas somam-se edifícios – que não são poucos – de qualidade excep- “A RAZÃO DA CIDADE É PODERMOS CONVERSAR. SE VOCÊ DÁ CHANCE DE AS PESSOAS SE ENCONTRAREM PARA FALAR, EIS O MOVIMENTO.” PAULO MENDES DA ROCHA PREFÁCIO ANDRÉ SCARPA ABRA A JANELA
  4. 4. 15 prediosdesaopaulo.com – e agora para as páginas que se seguem a este prefácio. Mais do que um livro de arquitetura, esta publicação é o resultado de uma ma- nifestação muito maior que comprova que está aceso o interesse por esta cidade. Comprova também que ela tem muito mais espaços de qualidade do que se imagina, e as pessoas sabem reconhecer isso. Convi- do-vos a abrir as janelas, olhar para fora e reencontrar essa música que toca numa São Paulo apaixonante e muito mais acessível do que poderíamos imaginar. Desejo que este não seja um livro único, e sim o pri- meiro volume de uma vasta coleção que continuará a nos emocionar positivamente com esta cidade, com a certeza de que ela esconde muito mais boas surpresas além do cruzamento da Ipiranga com a Av. São João. André Scarpa é arquiteto e entusiasta da fotografia. For- mou-se na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, colaborou com António Madureira e Álvaro Siza, e atualmente é sócio no escritório Nitsche Arquitetos. Em seu perfil no Instagram (@scarpa_andre), procura retratar exclu- sivamente arquitetura que lhe desperta interesse, e muitas vezes estão presentes os prédios de São Paulo. ensina à incorporação imobiliária que mais importan- te que a quantidade de metros quadrados é a qualida- de desses metros. Não podemos esperar que a cidade se transforme sozinha, pois nós somos seus elementos transformadores, e todos os fatores responsáveis pela sua construção têm de responder aos nossos reais in- teresses. O que torna este projeto tão interessante é o fato de ele não ser algo fechado em si mesmo com um fim óbvio. Trata-se de uma rede aberta para constan- te e produtiva discussão, oferecendo a possibilidade de muitas formas de leitura e abrindo caminhos para novas descobertas. Nesta jornada onde o importan- te não é aonde se quer chegar, mas sim aproveitar o passeio, foram se juntando amigos que se reconhece- ram pelos mesmos interesses e afinidades. É a prova de que as redes sociais ainda têm motivo de serem assim chamadas. A viagem ganhou mais pontos de parada, os edifícios ganharam mais olhares atentos. Juntaram-se Milena Leonel e Emiliano Hagge, os auto- res das belíssimas imagens que nos ajudam a redesco- brir São Paulo. Esta aventura descomprometida, e por isso mesmo instigante, ganhou em menos de nove meses mais de 11 mil seguidores. Mais seguidores que os de páginas de escritórios de arquitetura brasileiros renomados. Transbordou para uma página na web – cional. Tão dignos de reconhecimento quanto exem- plares amplamente ovacionados como o Copan, de Oscar Niemeyer, ou o MASP, de Lina Bo Bardi, esses edifícios integram um catálogo arquitetônico vasto e em crescimento, não resumido apenas ao centro. En- contram-se exemplares por toda a cidade, e sua cons- trução não se limita a épocas específicas. Tão grande quanto a qualidade desses espaços é a importância de saber identificá-la. E todo o reconhecimento que este projeto vem tendo prova que a Arquitetura não está tão longe do entendimento do público, como mui- tos pensam. As pessoas interagem com Arquitetura o tempo todo. Todos, arquitetos ou não, temos algo a di- zer sobre os espaços do nosso cotidiano: se gostamos da luz que bate numa sala no fim da tarde, se achamos difícil atravessar um corredor tortuoso, se o acesso a um edifício é claro pela posição em que as portas se encontram. Qualquer ambiente construído à nossa volta nos diz respeito, e o sucesso de Prédios de São Paulo reaviva a esperança de que é importante não só preservar, mas aprender com o que foi feito, analisar, reutilizar, para assim construir mais e mais espaços de qualidade. Esta iniciativa nos incita a sermos mais flâneurs nos passeios pelo centro da cidade, e menos gourmets em varandas de condomínios fechados. E Nara Rosetto é arquiteta, artista e idealizadora do projeto Janelas de SP - janelasdesp.tumblr.com - e gentilmente criou exclusivamente para este livro a janela do Sampaio Moreira.
  5. 5. 17 1900 1910 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1980 1990 2000 2010 Predinhos da Hípica Copan Paquita Eiffel Lausanne Cícero Prado Conjunto Nacional Cinderela Guaporé Viadutos Paulicéia MASP Bretagne Louvre Domus Germaine Burchard Trussardi Prudência Louveira Tribunal de Justiça Palacete Chavantes Esther Hygienópolis Mina Klabin Altino Arantes Conde Matarazzo Palacete São Paulo Sampaio Moreira Martinelli Palacete Riachuelo Rolim Augusto Gazeau Guinle CCBB Simpatia Corujas João Moura Maison de Mouette Jaraguá Camboriu Guaimbê Abaeté CRONOLOGIA
  6. 6. 19 FOTOS MILENA LEONEL TEXTO ANA CLARA QUEIROZ CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL O CCBB é um dos grandes representantes da arquite- tura do início do século passado. Em 1923, os aspec- tos originais de sua arquitetura foram restaurados. Coube ao arquiteto Hyppolito Gustavo Pujol Jr. que tais ações fossem conduzidas para abrigar a nova sede do Banco do Brasil no centro da cidade, sendo a primeira de propriedade integral da instituição. Durante os estudos que precederam a readaptação do edifício em 2001, dúvidas quanto a sua fachada surgiram. Segundo documentos do Banco do Brasil, Pujol deveria, em sua readaptação em 1923, preser- var o aspecto das paredes externas do prédio. Contu- do, vários elementos presentes na fachada do CCBB são encontrados em outras obras de Pujol. Segundo o arquiteto Luiz Telles, responsável pela segunda re- adaptação do edifício, o brasão do Banco do Brasil está em perfeita sintonia com os demais elementos da fachada, o que seria difícil de ocorrer se este ti- vesse sido instalado décadas depois da construção do edifício. Isso nos leva a crer que a fachada deve A RIQUEZA NOS DETALHES
  7. 7. 21
  8. 8. 23 ter sido da autoria de Pujol. Luiz Telles teve o gran- de desafio de conciliar a restauração e moderniza- ção de uma agência bancária de quase um século de idade com a presença de diversos elementos já tombados. Esse trabalho magnífico hoje possibilita que os visitantes estejam em contato com o passa- do em um ambiente controlado, com climatização e comunicação de dados de última geração. Podemos dizer que as exposições no CCBB são obras de arte expostas dentro de uma obra de arte. Logo na en- trada, vê-se duas esculturas de deuses gregos: Mer- cúrio e Vulcano, representando o poder do trabalho e da realização material. Esses e outros elementos são identificados por todo o local e fazem alusão a aspectos financeiros e econômicos da época. Ao en- trar ali, o visitante tem a clara sensação de riqueza, expressa em cada detalhe visualizado no interior do edifício. A decoração do interior é um mix de art nou- veau com art déco, criando assim um espaço único e majestoso. Os adornos e requintes decorativos eram reservados apenas para o andar onde funcionava a agência, onde antes havia uma claraboia que sepa- rava o primeiro andar dos demais. Hoje, existe um vão que democratizou o acesso a todo o edifício, e a claraboia foi elevada e fixada no quarto andar. Quan- to à diferenciação no tratamento dado aos andares, a restauração manteve tais diretrizes e assim buscou contar, através das diferenças, a história do edifício. A expressão robusta é sutilizada com suas janelas am- plas, presentes em todos os andares. Com mais de 4 mil m², o espaço conta com salas de exposições, cinema, teatro, auditório, salas de vídeo, restaurante e café. A localização do CCBB instiga o centro de São Paulo a dialogar com a cultura atual, e nos faz repen- sar a interação do novo com o antigo, a demolição e a construção, ou a revitalização e a modernização. D A D O S T É C N I C O S Nome: Centro Cultural Banco do Brasil Ano de construção: 1901 Projeto 1927: Readaptado por Hyppolito G. Pujol Jr. Projeto 2001: Readaptado por LT Arquitetura Endereço: Rua Álvares Penteado, 112 - Centro
  9. 9. 75 MINA KLABIN Projetado pelo grande arquiteto modernista Gregori Warchavchik, esse edifício traz em suas linhas sóbrias e construção robusta um estilo muito arrojado. Cons- truído em 1939, seu aspecto nos parece mais novo do que realmente é. Com apenas 5 andares e 2 apar- tamentos por pavimento, sua sofisticação não é uma constante para edifícios do mesmo porte. Situado na Al. Barão de Limeira, 1003, foi recentemente refor- mado pelos donos depois de permanecer degrada- do por muitos anos. Antes chamado de Mina Klabin em homenagem à esposa de Gregori Warchavchik, hoje o prédio possui o nome de Barão de Limeira. O arquiteto também projetou o Edifício Cícero Prado, localizado no mesmo bairro. Warchavchik foi o reali- zador do primeiro manifesto de arquitetura moderna do Brasil, publicado em 1925, e construiu a primeira casa modernista do Brasil, situada na rua Santa Cruz. CINCO ANDARES DE PURO CHARME FOTOS EMILIANO HAGGE TEXTO ANA CLARA QUEIROZ
  10. 10. 77 D A D O S T É C N I C O S Nome: Edifício Mina Klabin Ano de construção: 1939 Projeto: Gregori Warchavchik Endereço: Rua Barão de Limeira, 1003 - Campos Elíseos
  11. 11. 89 FOTOS MILENA LEONEL TEXTO ANA CLARA QUEIROZ GERMAINE BURCHARD Projetado por Enrico Brand e construído por Archi- medes de Barros Pimentel, o edifício foi encomenda- do pela condessa Germaine Bruchard na década de 30. A condessa costumava dar muito prejuízo para os arquitetos que contratava, pois nunca pagava os extraordinários dos prédios que encomendava. Isso era comum na época, pois os edifícios eram enco- mendados a preço fixo, o que dava ao dono da obra a liberdade de pagar ou não os gastos adicionais. Foi o primeiro flat da cidade e passou a abrigar os fazen- deiros que vinham para São Paulo e não mais que- riam ocupar os casarões caríssimos, e sim optar por soluções luxuosas com valores reduzidos. Em 1941- 1942, ganhou o prêmio de edifício mais belo de São Paulo. Nos anos 50 foi reformado por Vladimir Ven- sann e Lucjan Korngold para abrigar o Hotel Alvear, que foi um dos mais luxuosos da cidade. No começo deste século, suas suítes de hotel foram transforma- O PRIMEIRO FLAT DE SÃO PAULO
  12. 12. 91
  13. 13. 93 das pelo arquiteto Pierre Mermelstein em pequenos apartamentos residenciais. Pierre preservou a maio- ria dos detalhes originais do prédio, mantendo em seu retrofit a história e a essência desse lindo prédio. Hoje em dia Pierre Mermelstein mantém seu escritó- rio na cobertura do Edifício Germaine Burchard, e se mostra sempre muito disponível (quando está por lá) a acompanhar os visitantes, contando toda a história do edifício e o conceito de seu retrofit. D A D O S T É C N I C O S Nome: Edifício Germaine Burchard Ano de construção: 1942 Projeto: Enrico Brand Construtora: Archimedes de Barros Pimentel Endereço: Av. Cásper Líbero, 59 e 79 - Centro
  14. 14. 129 Localizado no bairro de Higienópolis, o Edifício Lau- sanne parte de uma implantação paralela de um grande volume retangular, tendo sua maior fachada voltada para a Av. Higienópolis. Franz Heep em seu projeto estabelece um diálogo entre o entorno e o edifício. Sua implantação no terreno permitiu um grande recuo frontal integrador. Nele encontram-se acessos de veículos, rampas e escadas para pedes- tres além de um grande jardim. A fachada principal do edifício apresenta um aspecto interessante asso- ciado às aberturas dos apartamentos. A organização das esquadrias dá origem a uma miscelânea de for- mas puras de várias cores, seus brises garantem uma fachada mutante e dinâmica capaz de apresentar di- versas combinações formais. É importante salientar que as esquadrias, além de garantirem uma caracte- rística dinâmica, também são consequência de uma estratégia bioclimática que favorece as áreas de estar e dormitórios. São 15 pavimentos e 30 unidades de apartamentos com aproximadamente 178m² cada. FOTOS EMILIANO HAGGE TEXTO MARIANA CAZAROLI LAUSANNE COLORIDO DINÂMICO
  15. 15. 131
  16. 16. 133 D A D O S T É C N I C O S Nome: Edifício Lausanne Ano de construção: 1953 - 1958 Projeto: Adolf Franz Heep Construtora: Construtora Auxiliar S/A Endereço: Av. Higienópolis, 101 - Higienópolis A planta conta com três dormitórios, e uma suíte. Os ambientes sociais são amplos; o setor de serviço contém cozinha, área de serviço e dependência de empregada, todos beneficiados por vasta ilumina- ção natural proporcionando praticidade e conforto. O Lausanne é um exemplo de praticidade, utilidade e beleza, as três leis vitruvianas para uma arquitetura excelente. Integração formal em uma implantação convidativa extensa, beleza dinâmica e muito racio- nalismo.
  17. 17. CONSULTORIA GAEASUSTENTÁVEL Para mais informações sobre patrocínio: 2016 Jamile Balaguer Cruz - + 55 11 97956-0282 Ricardo Oliani - + 55 11 99788-2777 comunicacao@gaeasustentavel.com www.gaeasustentavel.com 2016©GAEASUSTENTÁVEL

×