O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
Pesquisa Custos Logísticos no
Brasil
2015
Coordenadores
Paulo Tarso Vilela de Resende
Paulo Renato de Sousa
Paula Oliveira
Bolsistas Fapemig
Bruna Catão Braga
Laris...
Logística, Supply Chain e Infraestrutura1. CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA
• Estudo realizado com 142 empresas que representam 22
segmentos industriais;
• O faturamento das respondentes equivale a ...
LOCALIZAÇÃO DAS MATRIZES
A região mais expressiva da amostra é a região Sudeste, onde 61% das empresas
entrevistadas mantê...
REGIÕES DE ATUAÇÃO
A região mais expressiva da amostra é a região Sudeste, onde 84,5% das empresas
entrevistadas mantêm at...
VOLUME DE VENDAS/ANO DAS EMPRESAS ENTREVISTADAS
Nota-se que a parte superior do gráfico concentra as maiores porcentagens,...
SEGMENTAÇÃO SETORIAL
A amostra é composta por empresas de 22 segmentos. Os segmentos com maior número
de respondentes fora...
DISTRIBUIÇÃO MODAL DAS EMPRESAS
O modal rodoviário é expressivamente predominante nas empresas, representando 80%
dos tran...
Logística, Supply Chain e Infraestrutura
2. RESULTADOS DA PESQUISA
2.1. MAPEAMENTO DOS CUSTOS LOGÍSTICOS
CUSTOS LOGÍSTICOS – COMPARATIVO
O custo logístico de 2015 cresceu 1,8% (ou 0,21 ponto percentual), considerando a média
po...
CUSTOS LOGÍSTICOS – COMPARATIVO POR PORTE
O custo logístico sofreu um crescimento de 30% nas empresas com volume de vendas...
CUSTOS LOGÍSTICOS – COMPARATIVO POR REGIÃO DA MATRIZ
22
5,4
0
11,2 10,6
30
6,4
0
11,7
10
0
5
10
15
20
25
30
35
Centro Oest...
CUSTOS LOGÍSTICOS – COMPARATIVO POR SETOR
O custo logístico nos setores de agronegócio, alimentação e auto indústria cresc...
NIVEL DE DEPENDÊNCIA DAS EMPRESAS
Os itens que as empresas mais apontaram dependência foram: rodovias, máquinas e
equipame...
INTENSIDADE NA FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL
Os principais fatores de impacto no preço final são: custos com transporte, distrib...
DISTRIBUIÇÃO DE INCIDÊNCIA NOS CUSTOS LOGÍSTICOS
O transporte de longa distância é o fator mais representativo na estrutur...
LOCALIZAÇÃO DOS MAIORES CUSTOS LOGÍSTICOS
5%
9%
4%
11%
17%
18%
24%
19%
12%
31%
4%
17%
13%
27%
43%
33%
24%
32%
10%
38%
24%
...
PERCEPÇÃO DO AUMENTO SIGNIFICATIVO DE CUSTOS
As empresas perceberam a incidência de aumento extremo nos custos com distrib...
IMPACTOS NO AUMENTO EXTRA DE CUSTOS LOGÍSTICOS
As restrições de cargas e descargas, a falta de estrutura de apoio nas estr...
FATORES IMPORTANTES NA REDUÇÃO DOS CUSTOS LOGÍSTICOS
Nota-se que a melhoria nas condições rodoviárias, a expansão da malha...
MEDIDAS PARA REDUÇÃO DO CUSTO LOGÍSTICO
A terceirização da frota e dos serviços logísticos para outros operadores têm sido...
Logística, Supply Chain e Infraestrutura
2. RESULTADOS DA PESQUISA
2.2. AVALIAÇÃO DA INFRAESTRUTURA BRASILEIRA
QUALIDADE DA INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA BRASILEIRA
25%
58%
25%
8%
52%
36%
45%
32%
17%
5%
28%
45%
6%
0%
1%
15%
0%
1%
1%
1%
0%...
PARTICIPAÇÃO DA INICIATIVA PRIVADA EM PROJETOS
As empresas consideram a participação da iniciativa privada extremamente es...
EFICIÊNCIA E REAL PARTICIPAÇÃO DA INICIATIVA PRIVADA
As empresas avaliam bem a eficiência e a real participação do setor p...
O AUMENTO NO VOLUME DE ESTRADAS PEDAGIADAS
PERMITIRÁ...
As empresas ressaltaram que a privatização das estradas permitirá ...
MAIOR OFERTA DE SERVIÇOS FERROVIÁRIOS PERMITIRÁ...
A maior oferta de serviços ferroviários permitirá as empresas maior con...
NÍVEL DE SATISFAÇÃO POR REGIÕES
A infraestrutura das regiões Norte e Nordeste foi classificada com um baixo nível de
satis...
BARREIRAS LOGÍSTICAS À ENTRADA - SUDESTE
O valor dos imóveis e a falta de integração modal têm sido gargalos para as ativi...
BARREIRAS LOGÍSTICAS À ENTRADA - SUL
A falta de integração modal é o principal gargalo para as atividades empresariais na ...
BARREIRAS LOGÍSTICAS À ENTRADA - NORDESTE
A região Nordeste apresenta vários gargalos para as atividades empresariais, des...
BARREIRAS LOGÍSTICAS À ENTRADA - NORTE
A região Norte também apresenta vários gargalos para as atividades empresariais,
de...
BARREIRAS LOGÍSTICAS À ENTRADA – CENTRO OESTE
A região Centro Oeste também apresenta diversos gargalos as atividades empre...
CREDIBILIDADE DOS PROJETOS DE INFRAESTRUTURA DO
GOVERNO FEDERAL
Nota-se que os projetos de infraestrutura sob responsabili...
MAIORES GARGALOS PARA O CUMPRIMENTO DOS PRAZOS DAS
OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL
As empresas consideram a corrupção e ...
FATORES CONDICIONANTES PARA A FALTA DE
COMPETITIVIDADE DO ATUAL AMBIENTE LOGÍSTICO
BRASILEIRO
As respostas indicam que a i...
Logística, Supply Chain e Infraestrutura
2. RESULTADOS DA PESQUISA
2.3. PROPOSTAS DE MELHOR EFICIÊNCIA LOGÍSTICA
UMA MAIOR EFICIÊNCIA LOGÍSTICA PERMITIRÁ...
Em geral, as empresas concordam com todos os itens, destacando a redução do cu...
NÍVEL DE VANTAGENS OFERECIDAS PELO SETOR PRIVADO
As empresas consideram o nível de serviço e os investimentos permanentes ...
NÍVEL DE VANTAGENS OFERECIDAS PELO SETOR PÚBLICO
A gestão pública foi considerada não vantajosa em todos os critérios aval...
PRIORIDADE DE INVESTIMENTO PÚBLICO EM INFRAESTRUTURA
A recuperação e ampliação de rodovias e a ampliação de ferrovias fora...
PROPOSTAS PARA QUE OS PROJETOS DE INFRAESTRUTURA NO
BRASIL GANHEM EFICIÊNCIA
O combate à corrupção, bem como a redução da ...
Logística, Supply Chain e Infraestrutura3. CONCLUSÕES
CONCLUSÕES
• As empresas que têm se defrontado com elevados custos logísticos de transporte
de matéria-prima buscam combat...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Pesquisa Custos Logísticos no Brasil 2015

1.784 visualizações

Publicada em

Pesquisa realizada pelo Núcleo de Logística, Suply Chain e Infraestrutura da Fundação Dom Cabral.

Publicada em: Negócios

Pesquisa Custos Logísticos no Brasil 2015

  1. 1. Pesquisa Custos Logísticos no Brasil 2015
  2. 2. Coordenadores Paulo Tarso Vilela de Resende Paulo Renato de Sousa Paula Oliveira Bolsistas Fapemig Bruna Catão Braga Larissa de Freitas Campos Rafael Barroso de Oliveira
  3. 3. Logística, Supply Chain e Infraestrutura1. CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA
  4. 4. • Estudo realizado com 142 empresas que representam 22 segmentos industriais; • O faturamento das respondentes equivale a cerca de 15% do PIB brasileiro; • O objetivo é avaliar os custos logísticos para as indústrias que operam no Brasil e seus determinantes;
  5. 5. LOCALIZAÇÃO DAS MATRIZES A região mais expressiva da amostra é a região Sudeste, onde 61% das empresas entrevistadas mantêm suas matrizes. 1% 5% 1% 61% 32% Norte Nordeste Centro Oeste Sudeste Sul
  6. 6. REGIÕES DE ATUAÇÃO A região mais expressiva da amostra é a região Sudeste, onde 84,5% das empresas entrevistadas mantêm atividades. 12,7% 15,5% 25,4% 84,5% 41,5% 0,0% 10,0% 20,0% 30,0% 40,0% 50,0% 60,0% 70,0% 80,0% 90,0% Norte Nordeste Centro Oeste Sudeste Sul
  7. 7. VOLUME DE VENDAS/ANO DAS EMPRESAS ENTREVISTADAS Nota-se que a parte superior do gráfico concentra as maiores porcentagens, denotando o alto faturamento das empresas participantes da pesquisa. 10,6% 4,2% 7,0% 14,1% 14,8% 15,5% 22,5% 11,3% 0,0% 5,0% 10,0% 15,0% 20,0% 25,0% Menos de 100 milhões 100 - 150 milhões 150 - 200 milhões 200 - 500 milhões 500 - 1000 milhões 1 - 2 bilhões 2 - 10 bilhões Acima de 10 bilhões
  8. 8. SEGMENTAÇÃO SETORIAL A amostra é composta por empresas de 22 segmentos. Os segmentos com maior número de respondentes foram alimentação e auto indústria, ambas representando 12,7% da amostra. 12,7%12,7% 9,9% 9,2% 8,5% 7,7% 5,6% 4,9% 3,5% 3,5% 2,8% 2,8% 2,8% 2,1% 2,1% 2,1% 2,1% 1,4% 1,4% 0,7% 0,7% 0,7% 0,0% 2,0% 4,0% 6,0% 8,0% 10,0% 12,0% 14,0%
  9. 9. DISTRIBUIÇÃO MODAL DAS EMPRESAS O modal rodoviário é expressivamente predominante nas empresas, representando 80% dos transportes realizados. 80% 8% 3% 4% 5% Rodovia Ferrovia Hidrovia Cabotagem Aeroviário
  10. 10. Logística, Supply Chain e Infraestrutura 2. RESULTADOS DA PESQUISA 2.1. MAPEAMENTO DOS CUSTOS LOGÍSTICOS
  11. 11. CUSTOS LOGÍSTICOS – COMPARATIVO O custo logístico de 2015 cresceu 1,8% (ou 0,21 ponto percentual), considerando a média ponderada pelo volume de vendas das empresas pesquisadas, em relação a pesquisa de 2014. 11,52% 11,73% 11,40% 11,45% 11,50% 11,55% 11,60% 11,65% 11,70% 11,75% 2014 2015
  12. 12. CUSTOS LOGÍSTICOS – COMPARATIVO POR PORTE O custo logístico sofreu um crescimento de 30% nas empresas com volume de vendas entre R$500 milhões a R$1 bilhão. Tal comportamento foi também observado nas empresas que faturam entre R$150 a R$200 milhões e R$2 a R$10 bilhões, porém, em menores intensidades de 5% e 6%, respectivamente, o que já se mostra significativo para o período de 1 ano. 0 0 12,92 10,41 7,13 12,71 11,5 11,58 9,55 11 13,55 9,73 9,25 12,14 12,23 11,39 0 2 4 6 8 10 12 14 16 Menos de 100 milhões 100 - 150 milhões 150 - 200 milhões 200 - 500 milhões 500 - 1000 milhões 1 - 2 bilhões 2 - 10 bilhões Acima de 10 bilhões 2014 2015
  13. 13. CUSTOS LOGÍSTICOS – COMPARATIVO POR REGIÃO DA MATRIZ 22 5,4 0 11,2 10,6 30 6,4 0 11,7 10 0 5 10 15 20 25 30 35 Centro Oeste Nordeste Norte Sudeste Sul 2014 2015 O custo logístico cresceu em todas as regiões do Brasil, exceto no Sul. Tal crescimento alcançou 30% no Centro Oeste, 18% no Nordeste e 4% no Sudeste.
  14. 14. CUSTOS LOGÍSTICOS – COMPARATIVO POR SETOR O custo logístico nos setores de agronegócio, alimentação e auto indústria cresceram 14%, 9% e 3%, respectivamente. Tal comportamento pode ser também observado em outros setores que, no entanto, não apresentaram uma amostra individualmente significativa. 5 8,5 5 13 12,68 9,49 8,8 7,98 12,19 10,65 16 6,2 13,5 9 12,6 21,33 28,33 7 8,01 13,43 7,79 19,25 17,61 13,16 11,25 9,11 13,27 10,96 15,5 6 13 8 6,67 10 8,82 14,5 2,5 5,67 10,67 0 5 10 15 20 25 30 2014 2015
  15. 15. NIVEL DE DEPENDÊNCIA DAS EMPRESAS Os itens que as empresas mais apontaram dependência foram: rodovias, máquinas e equipamentos e profissionais qualificados. 0% 53% 7% 23% 6% 0% 1% 0% 18% 14% 29% 19% 3% 6% 1% 9% 23% 29% 37% 13% 15% 12% 9% 32% 12% 21% 54% 43% 86% 11% 25% 7% 16% 31% 35% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Rodovias Ferrovias Portos Aeroportos Matérias-primas importadas Profissionais qualificados Máquinas e equipamentos Nem um pouco dependente Muito pouco dependente Um pouco dependente Muito dependente Extremamente dependente
  16. 16. INTENSIDADE NA FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Os principais fatores de impacto no preço final são: custos com transporte, distribuição urbana e armazenagem. 1% 6% 12% 13% 15% 33% 13% 3% 18% 24% 37% 36% 46% 15% 19% 35% 40% 28% 24% 11% 21% 37% 25% 20% 13% 17% 6% 33% 39% 15% 4% 9% 8% 4% 18% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Transporte Armazenagem Embalagem Portuários Compras de matérias-primas importadas Aeroportuários Distribuição urbana Nem um pouco intenso Muito pouco intenso Um pouco intenso Muito intenso Extremamente intenso
  17. 17. DISTRIBUIÇÃO DE INCIDÊNCIA NOS CUSTOS LOGÍSTICOS O transporte de longa distância é o fator mais representativo na estrutura dos custos logísticos das empresas. Representa 50% do total. 50% 15% 20% 7% 8% Transporte de longa distância Armazenagem Distribuição urbana (transporte de curta distância) Custos portuários Administrativo
  18. 18. LOCALIZAÇÃO DOS MAIORES CUSTOS LOGÍSTICOS 5% 9% 4% 11% 17% 18% 24% 19% 12% 31% 4% 17% 13% 27% 43% 33% 24% 32% 10% 38% 24% 31% 27% 23% 31% 20% 31% 25% 21% 19% 6% 16% 29% 8% 50% 9% 25% 4% 0% 9% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Transporte de matéria-prima Armazenagem de matéria-prima Transporte de produto acabado Armazenagem de produto acabado Distribuição urbana de produtos Embalagem Logística reversa Custos portuários Nenhuma relevância nos custos logísticos Muito pouco relevante nos custos logísticos Um pouco relevante nos custos logísticos Muito relevante nos custos logísticos Extremamente relevante nos custos logísticos Nota-se que os maiores custos logísticos se referem ao transporte de produto acabado, transporte de matéria-prima e distribuição urbana de produtos.
  19. 19. PERCEPÇÃO DO AUMENTO SIGNIFICATIVO DE CUSTOS As empresas perceberam a incidência de aumento extremo nos custos com distribuição nas regiões metropolitanas, com burocracia e com mão-de-obra especializada. 11% 8% 14% 6% 3% 7% 11% 2% 33% 33% 42% 33% 9% 9% 33% 21% 37% 38% 25% 26% 46% 29% 30% 29% 17% 15% 14% 26% 30% 31% 21% 33% 1% 6% 6% 10% 12% 23% 5% 15% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Custos de embalagem Custos com seguros Custos de rastreamento e segurança de veículos Custos com armazéns Custos com mão-de-obra especializada Custos com distribuição nas regiões metropolitanas Custos portuários Custos com burocracia Nenhum aumento Pouco aumento Aumento considerável Bastante aumento Aumento extremo
  20. 20. IMPACTOS NO AUMENTO EXTRA DE CUSTOS LOGÍSTICOS As restrições de cargas e descargas, a falta de estrutura de apoio nas estradas e o pagamento de horas extras provocaram aumento extra nos custos logísticos das empresas. 12% 6% 4% 6% 0% 2% 8% 2% 26% 35% 25% 31% 12% 12% 33% 18% 37% 30% 26% 31% 33% 30% 35% 30% 21% 24% 34% 23% 46% 44% 20% 29% 4% 4% 11% 9% 9% 12% 5% 21% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Tecnologias de segurança contra roubos Acidentes Horas extras Ações trabalhistas Formação de mão de obra Falta de estrutura de apoio nas estradas Fiscalização e multas Restrições de cargas e descargas Nenhum impacto Muito pouco impactante Um pouco impactante Muito impactante Extremamente impactante
  21. 21. FATORES IMPORTANTES NA REDUÇÃO DOS CUSTOS LOGÍSTICOS Nota-se que a melhoria nas condições rodoviárias, a expansão da malha ferroviária e a mudança na cobrança de ICMS são elementos essenciais para a redução dos custos logísticos das empresas. 0% 11% 17% 12% 20% 6% 18% 6% 13% 19% 6% 4% 13% 16% 13% 17% 6% 25% 25% 21% 22% 8% 8% 18% 21% 18% 24% 20% 23% 21% 21% 31% 22% 15% 13% 23% 23% 20% 23% 27% 25% 26% 18% 23% 72% 46% 23% 35% 19% 44% 8% 24% 19% 10% 42% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Melhoria nas condições rodoviárias Expansão da malha ferroviária Redução da burocracia portuária Gestão das ferrovias com integração multimodal Menos restrições de carga e descarga nos centros urbanos Mudança na cobrança de ICMS Maior oferta de caminhões Redução no valor do pedágio Melhor acesso portuário Maior oferta de plataformas logísticas com armazenagem Maior integração entre os meios de transporte Nem um pouco importante Um pouco importante Muito importante Extremamente importante Prioridade máxima de importância
  22. 22. MEDIDAS PARA REDUÇÃO DO CUSTO LOGÍSTICO A terceirização da frota e dos serviços logísticos para outros operadores têm sido a medida mais adotada pelas empresas para reduzir o custo logístico. 11% 21% 31% 26% 23% 18% 35% 4% 16% 19% 26% 15% 22% 20% 7% 22% 26% 26% 25% 18% 27% 35% 30% 13% 15% 27% 32% 11% 44% 11% 10% 8% 11% 11% 7% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Terceiriza frota e serviços logísticos para outros operadores. Desloca estoques para próximo do cliente. Aumenta o número de centros de distribuição. Alterar operações de CIF para FOB Reduz o número de entregas rápidas. Solicitar maior tempo de entrega junto aos clientes Transfere os custos logísticos para os clientes. Não tem feito nada Tem feito muito pouco Tem feito pouco Tem feito muito Vem sendo prioridade da empresa
  23. 23. Logística, Supply Chain e Infraestrutura 2. RESULTADOS DA PESQUISA 2.2. AVALIAÇÃO DA INFRAESTRUTURA BRASILEIRA
  24. 24. QUALIDADE DA INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA BRASILEIRA 25% 58% 25% 8% 52% 36% 45% 32% 17% 5% 28% 45% 6% 0% 1% 15% 0% 1% 1% 1% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Infraestrutura rodoviária Infraestrutura ferroviária Infraestrutura portuária Infraestrutura do transporte aéreo Péssimo Ruim Razoável Bom Muito bom As empresas consideram a infraestrutura ferroviária como a de menor qualidade.
  25. 25. PARTICIPAÇÃO DA INICIATIVA PRIVADA EM PROJETOS As empresas consideram a participação da iniciativa privada extremamente essencial em todos os setores indicados. 4% 3% 2% 3% 0% 2% 3% 1% 7% 5% 7% 8% 49% 40% 50% 53% 41% 50% 38% 35% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Concessão rodoviária Concessão ferroviária Administração portuária Gestão de aeroportos Nem um pouco essencial Muito pouco essencial Indiferente Essencial Extremamente essencial
  26. 26. EFICIÊNCIA E REAL PARTICIPAÇÃO DA INICIATIVA PRIVADA As empresas avaliam bem a eficiência e a real participação do setor privado nas atividades pesquisadas. 3% 9% 7% 3% 16% 23% 26% 20% 23% 23% 24% 31% 35% 27% 27% 27% 23% 19% 16% 19% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Concessão rodoviária Concessão ferroviária Administração portuária Gestão de aeroportos Não significativa Muito pouco significativa Significativa Muito significativa Extremamente significativa
  27. 27. O AUMENTO NO VOLUME DE ESTRADAS PEDAGIADAS PERMITIRÁ... As empresas ressaltaram que a privatização das estradas permitirá a elas ter mais consistência e rapidez na entrega de produtos e serviços. 13% 6% 4% 23% 35% 25% 17% 23% 9% 10% 27% 19% 23% 19% 23% 20% 25% 27% 24% 27% 30% 29% 36% 32% 17% 13% 20% 24% 13% 30% 29% 6% 8% 4% 9% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% à sua empresa reduzir o custo de transporte pela melhoria das condições das pistas. à sua empresa maior velocidade na entrega de produtos e serviços. à sua empresa maior consistência na entrega de produtos e serviços. à sua empresa redução nos custos com armazenagem. que a sua empresa adote o modal rodoviário com frequência maior do que a utilizada atualmente. à sua empresa a redução nos custos de estoque. à sua empresa reduzir o custo de transporte de suprimentos. Discordo plenamente Discordo parcialmente Não concordo nem discordo Concordo parcialmente Concordo plenamente
  28. 28. MAIOR OFERTA DE SERVIÇOS FERROVIÁRIOS PERMITIRÁ... A maior oferta de serviços ferroviários permitirá as empresas maior consistência e rapidez na entrega de produtos e serviços. 13% 6% 4% 23% 35% 25% 17% 23% 9% 10% 27% 19% 23% 19% 23% 20% 25% 27% 24% 27% 30% 29% 36% 32% 17% 13% 20% 24% 13% 30% 29% 6% 8% 4% 9% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% à sua empresa reduzir o custo de transporte pela melhoria das condições das pistas. à sua empresa maior velocidade na entrega de produtos e serviços. à sua empresa maior consistência na entrega de produtos e serviços. à sua empresa redução nos custos com armazenagem. que a sua empresa adote o modal rodoviário com frequência maior do que a utilizada atualmente. à sua empresa a redução nos custos de estoque. à sua empresa reduzir o custo de transporte de suprimentos. Discordo plenamente Discordo parcialmente Não concordo nem discordo Concordo parcialmente Concordo plenamente
  29. 29. NÍVEL DE SATISFAÇÃO POR REGIÕES A infraestrutura das regiões Norte e Nordeste foi classificada com um baixo nível de satisfação por 81% e 75%, respectivamente, das empresas respondentes. 19% 19% 4% 1% 1% 48% 52% 21% 18% 33%33% 29% 75% 81% 65% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% Sudeste Sul Nordeste Norte Centro Oeste Satisfeito Regular Insatisfeito
  30. 30. BARREIRAS LOGÍSTICAS À ENTRADA - SUDESTE O valor dos imóveis e a falta de integração modal têm sido gargalos para as atividades empresariais na região Sudeste. 45% 33% 26% 25% 32% 30% 39% 30% 23% 24% 22% 20% 22% 27% 30% 26% 23% 20% 15% 26% 11% 25% 24% 23% 18% 26% 23% 8% 11% 23% 18% 10% 12% 8% 12% 18% 8% 8% 20% 9% 7% 6% 9% 10% 15% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Nem um pouco impactante Muito pouco impactante Um pouco impactante Muito impactante Extremamente impactante
  31. 31. BARREIRAS LOGÍSTICAS À ENTRADA - SUL A falta de integração modal é o principal gargalo para as atividades empresariais na região Sul. 39% 30% 34% 27% 30% 32% 33% 29% 24% 27% 30% 23% 23% 25% 32% 30% 23% 20% 18% 18% 20% 26% 27% 20% 19% 28% 20% 9% 14% 15% 18% 12% 12% 10% 13% 23% 6% 7% 8% 6% 6% 4% 8% 8% 13% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Nem um pouco impactante Muito pouco impactante Um pouco impactante Muito impactante Extremamente impactante
  32. 32. BARREIRAS LOGÍSTICAS À ENTRADA - NORDESTE A região Nordeste apresenta vários gargalos para as atividades empresariais, destacando-se a precariedade da infraestrutura. 17% 14% 30% 11% 13% 27% 14% 14% 15% 9% 13% 23% 7% 8% 32% 20% 13% 14% 24% 18% 25% 13% 18% 22% 20% 18% 19% 30% 27% 13% 36% 32% 11% 23% 27% 23% 20% 28% 8% 33% 29% 8% 23% 28% 28% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Nem um pouco impactante Muito pouco impactante Um pouco impactante Muito impactante Extremamente impactante
  33. 33. BARREIRAS LOGÍSTICAS À ENTRADA - NORTE A região Norte também apresenta vários gargalos para as atividades empresariais, destacando-se a precariedade da infraestrutura e a falta de integração modal. 19% 17% 34% 15% 16% 27% 15% 18% 18% 5% 15% 23% 6% 6% 23% 17% 11% 11% 19% 11% 25% 8% 15% 19% 16% 18% 15% 25% 24% 8% 30% 34% 12% 26% 23% 20% 32% 32% 10% 41% 30% 19% 25% 31% 37% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Nem um pouco impactante Muito pouco impactante Um pouco impactante Muito impactante Extremamente impactante
  34. 34. BARREIRAS LOGÍSTICAS À ENTRADA – CENTRO OESTE A região Centro Oeste também apresenta diversos gargalos as atividades empresariais, destacando-se, como na região Norte, a precariedade da infraestrutura e a falta de integração modal. 18% 15% 28% 14% 17% 26% 21% 16% 18% 11% 15% 20% 11% 10% 27% 15% 11% 11% 30% 23% 32% 22% 27% 23% 23% 25% 22% 25% 30% 13% 29% 29% 14% 23% 28% 24% 15% 17% 7% 24% 18% 9% 18% 19% 26% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Nem um pouco impactante Muito pouco impactante Um pouco impactante Muito impactante Extremamente impactante
  35. 35. CREDIBILIDADE DOS PROJETOS DE INFRAESTRUTURA DO GOVERNO FEDERAL Nota-se que os projetos de infraestrutura sob responsabilidade do governo federal foram avaliados como de nenhuma credibilidade pela maior parte dos respondentes, em todos os itens pesquisados. 27% 37% 35% 49% 36% 35% 39% 51% 59% 59% 45% 58% 56% 56% 20% 4% 5% 5% 6% 8% 5%1% 0% 1% 0% 1% 0% 0%0% 0% 0% 1% 0% 0% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Transparência na execução dos projetos em andamento Confiança na capacidade técnica do governo em conduzir tais projetos Capacidade do governo em não influenciar politicamente na definição dos projetos Capacidade do governo acompanhar tecnicamente o andamento das obras Capacidade do governo em priorizar os investimentos Capacidade do governo em jogar as regras do mercado Nenhuma credibilidade Baixa credibilidade Credibilidade média Alta credibilidade Excelente credibilidade
  36. 36. MAIORES GARGALOS PARA O CUMPRIMENTO DOS PRAZOS DAS OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL As empresas consideram a corrupção e a burocracia como os maiores gargalos para o cumprimento dos prazos das obras de infraestrutura no Brasil. 1% 1% 2% 2% 1% 3% 1% 8% 18% 1% 1% 8% 7% 4% 22% 7% 12% 24% 4% 7% 25% 18% 15% 39% 20% 14% 38% 11% 30% 35% 32% 34% 23% 30% 24% 13% 82% 62% 30% 41% 46% 13% 42% 42% 7% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Corrupção Burocracia Licenças ambientais Transparência no processo de licitação Influência política Processos na justiça Ineficiência na gestão dos projetos Cronogramas não realistas Dificuldades na obtenção de financiamentos Nem um pouco importante Um pouco importante Muito importante Extremamente importante Prioridade máxima de importância
  37. 37. FATORES CONDICIONANTES PARA A FALTA DE COMPETITIVIDADE DO ATUAL AMBIENTE LOGÍSTICO BRASILEIRO As respostas indicam que a infraestrutura inadequada, a corrupção e os impostos são os principais fatores para a falta de competitividade no ambiente logístico brasileiro. 2% 7% 1% 3% 2% 7% 3% 14% 4% 4% 18% 13% 4% 22% 9% 11% 42% 27% 18% 27% 18% 18% 27% 25% 53% 23% 52% 46% 11% 23% 21% 8% 17% 19% 1% 4% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Oferta de infraestrutura inadequada Taxas regulatórias Impostos Corrupção Carência de mão de obra qualificada Regulações trabalhistas Nem um pouco importante Um pouco importante Importância média Muito importante Extremamente importante Prioridade máxima de importância
  38. 38. Logística, Supply Chain e Infraestrutura 2. RESULTADOS DA PESQUISA 2.3. PROPOSTAS DE MELHOR EFICIÊNCIA LOGÍSTICA
  39. 39. UMA MAIOR EFICIÊNCIA LOGÍSTICA PERMITIRÁ... Em geral, as empresas concordam com todos os itens, destacando a redução do custo de transporte na distribuição e a maior velocidade na entrega dos produtos. 1% 1% 1% 6% 5% 8% 12% 21% 43% 8% 18% 5% 1% 5% 2% 3% 1% 1% 2% 1% 2% 3% 8% 5% 11% 17% 22% 18% 8% 11% 5% 4% 8% 1% 6% 1% 8% 4% 2% 6% 6% 22% 17% 37% 23% 23% 20% 12% 22% 20% 7% 16% 7% 13% 8% 15% 11% 15% 23% 30% 27% 43% 18% 26% 18% 7% 30% 22% 36% 34% 25% 38% 35% 29% 32% 28% 80% 69% 61% 37% 30% 27% 22% 17% 11% 42% 27% 35% 55% 45% 51% 44% 61% 44% 56% 0% 20% 40% 60% 80% 100% Reduzir o custo de transporte na distribuição. Maior velocidade na entrega de produtos e serviços. Maior consistência na entrega de produtos e serviços. Reduzir custos com deslocamentos de funcionários. Redução nos custos com armazenagem. Implantação de uma unidade de negócios adicional. Implantação de novos centros de distribuição. Adotar o modal rodoviário com frequência maior do que a utilizada atualmente. Adotar o modal aéreo em porcentagem maior do que a utilizada atualmente. Adotar o modal ferroviário com frequência maior do que a utilizada atualmente. Adotar o modal hidroviário com frequência maior do que a utilizada atualmente. Redução nos custos de estoque. Reduzir o custo de transporte de suprimentos. Ter maior mobilidade urbana. Disseminar ganhos e benefícios a serem percebidos pela cadeia de valor da sua empresa. Disponibilizar mais produtos e serviços a preços menores. Reduzir o lead time. Redução dos preços dos produtos/serviços aos consumidores finais. Utilização da multimodalidade. Discordo plenamente Discordo parcialmente Não concordo nem discordo Concordo parcialmente Concordo plenamente
  40. 40. NÍVEL DE VANTAGENS OFERECIDAS PELO SETOR PRIVADO As empresas consideram o nível de serviço e os investimentos permanentes como as principais vantagens oferecidas pelo setor privado. 1% 21% 8% 5% 3% 22% 11% 6% 33% 13% 8% 12% 30% 10% 15% 25% 32% 35% 29% 28% 19% 32% 15% 32% 32% 30% 13% 40% 47% 6% 15% 20% 26% 7% 20% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Nível de serviço Preços das tarifas Burocracia no relacionamento fornecedor-cliente Profissionais preparados Investimentos permanentes Influência política na gestão Padrão de governança Nem um pouco vantajoso Pouco vantajoso Vantajoso Muito vantajoso Máxima vantagem
  41. 41. NÍVEL DE VANTAGENS OFERECIDAS PELO SETOR PÚBLICO A gestão pública foi considerada não vantajosa em todos os critérios avaliados. As empresas consideram o nível de serviço, a falta de investimentos permanentes e a influência política na gestão como as principais desvantagens oferecidas pelo setor público. 56% 27% 55% 28% 55% 54% 48% 30% 36% 26% 40% 27% 20% 35% 9% 15% 7% 24% 8% 7% 8% 2% 11% 5% 6% 7% 6% 2% 3% 12% 7% 1% 2% 13% 7% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Nível de serviço Preços das tarifas Burocracia no relacionamento fornecedor-cliente Profissionais preparados Investimentos permanentes Influência política na gestão Padrão de governança Nem um pouco vantajoso Pouco vantajoso Vantajoso Muito vantajoso Máxima vantagem
  42. 42. PRIORIDADE DE INVESTIMENTO PÚBLICO EM INFRAESTRUTURA A recuperação e ampliação de rodovias e a ampliação de ferrovias foram apontadas como as prioridades nos investimentos públicos para infraestrutura. 3% 4% 6% 1% 5% 8% 12% 45% 4% 4% 14% 6% 3% 12% 30% 11% 2% 8% 11% 8% 14% 27% 14% 10% 8% 8% 11% 27% 23% 18% 15% 7% 11% 13% 14% 25% 24% 15% 9% 7% 10% 11% 24% 12% 13% 10% 8% 3% 12% 26% 13% 13% 6% 2% 7% 6% 50% 26% 7% 9% 12% 7% 4% 11% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Recuperação e ampliação de rodovias Ampliação de ferrovias Alinhamento operacional entre empresas ferroviárias Acessos portuários Redução da burocracia portuária Equipamentos portuários Ampliação de terminais de aeroportos Metrôs 1 2 3 4 5 6 7 8
  43. 43. PROPOSTAS PARA QUE OS PROJETOS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL GANHEM EFICIÊNCIA O combate à corrupção, bem como a redução da interferência política nos cronogramas e projetos foram apontados como os mais relevantes para que se alcance um melhor nível de infraestrutura no Brasil. 1% 0% 1% 1% 0% 0% 0% 1% 1% 0% 4% 0% 4% 10% 6% 0% 5% 5% 4% 4% 15% 12% 18% 28% 12% 5% 26% 20% 4% 13% 42% 32% 39% 40% 37% 6% 35% 44% 23% 30% 39% 56% 39% 20% 46% 89% 34% 30% 68% 53% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Aumentar o nível da participação privada. Reduzir a complexidade burocrática. Aumentar as parcerias público-privadas. Aumentar a flexibilidade nos processos de licitação Aumentar a segurança jurídica nos processos de licitação. Punir exemplarmente os corruptos. Aumentar o acesso ao crédito para empresas privadas. Modificar a lei de licitações na direção da agilidade. Reduzir a interferência política nos cronogramas e projetos. Aumentar a clareza na divulgação dos objetivos… Nem um pouco importante Um pouco importante Muito importante Extremamente importante Prioridade máxima de importância
  44. 44. Logística, Supply Chain e Infraestrutura3. CONCLUSÕES
  45. 45. CONCLUSÕES • As empresas que têm se defrontado com elevados custos logísticos de transporte de matéria-prima buscam combatê-los por meio de estratégias internas, como reduzir o número de entregas rápidas e terceirizar a frota e serviços logísticos para outros operadores. Ademais, essas empresas também têm trabalhado com operações FOB em substituição ao CIF. Em termos de eficiência logística, essas empresas não transferem as responsabilidades e custos logísticos para clientes (Eficiência logística externa). • Os principais responsáveis pelo aumento dos custos logísticos identificados na pesquisa foram a má qualidade da infraestrutura e o significativo aumento dos custos com distribuição urbana, provocado pelo ampliação das restrições ao tráfego de carretas e caminhões grandes nas áreas centrais. • A pesquisa demonstra o descrédito do empresariado brasileiro com a capacidade do setor público na gestão da infraestrutura do país. Por isso, atribuem à corrupção e à burocracia os dois principais entraves para o seu desenvolvimento. • As empresas demonstraram claramente sua posição favorável em relação à maior participação do setor privado na provisão de bens e serviços atualmente vinculados ao setor público. Isso se evidencia nas soluções mais bem aceitas para a melhoria das condições infra estruturais do país.

×