SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
Gestão da Qualidade Total para a Sustentabilidade
Há três dimensões que apoiam a construção de conhecimento aplicável para empresas
e seus gestores formando a base para o desenvolvimento de ferramentas do CDSC:
1. Estrutura e aspectos da sustentabilidade – o conceito de
sustentabilidade, bem como seus componentes e desafios, devem ser compreendidos
para que se possa definir sua relação com o modelo de geração de valor das empresas,
transformando-as em fonte de vantagens competitivas.
2. Estrutura e componentes da cadeia produtiva – a abordagem com este
foco se justifica, pois as diferentes cadeias produtivas enfrentam determinados desafios
na busca por resultados ambientais, econômicos e sociais equilibrados. Para atingi-los
as empresas que as compõem devem atuar de modo diferenciado, lidando com seus
próprios desafios, mas de forma coerente, com integração dos seus elos.
3. Setores da empresa e funções corporativas - a promoção da
sustentabilidade na empresa deve ser compartilhada entre seus diferentes setores, para
que cada um possa focar os aspectos ligados às suas atividades mais relevantes para o
resultado global da organização.
Essas três dimensões buscam reforçar o papel da empresa no processo global de busca
pelo desenvolvimento sustentável.
A ferramenta para aplicação da Gestão da Qualidade Total para a Sustentabilidade se
propõe a apoiar as empresas e seus gestores na definição de metas para buscar
desempenho mais sustentável de seus negócios e na sua integração junto ao sistema de
gestão corporativa.
Com ela, apontamos um caminho que vai da avaliação da sustentabilidade e definição
de prioridades corporativas até a proposição de pontos centrais para atuação de
diferentes setores da empresa em relação à sustentabilidade, culminando em um
sistema de gestão da qualidade que incorpora aspectos da sustentabilidade e políticas
e diretrizes apoiadoras da atuação responsável dos colaboradores.
Para a criação da ferramenta, realizamos uma pesquisa-ação com uma de nossas
empresas associadas, a MASB Desenvolvimento Imobiliário. O primeiro passo foi a
definição de prioridades para a empresa. Ao se fazer uma reflexão sobre o que a
empresa considera prioridade – analisar os indicadores e questões da sustentabilidade
–, ocorre um processo de conscientização gradual, essencial para formar a gestão
responsável, buscando a sustentabilidade.
Em seguida, foram definidas as prioridades para as áreas da empresa, com o apoio da
gestão da qualidade. Porque trabalhar com a gestão da qualidade? Devido à ampla
utilização do sistema e de indicadores de performance em auditorias. Além disso, a área
responsável pela gestão da qualidade é transversal nas organizações, buscando
melhorias contínuas em todas as áreas.
Quando esse mapeamento inicial foi finalizado, partimos para o estabelecimento de
indicadores de sustentabilidade e metas. Nessa fase, os indicadores foram escolhidos
de acordo com sua relevância e facilidade de aplicação. Como gostaríamos que o
acompanhamento ocorresse de forma imediata, os indicadores selecionados estão
muito próximos da realidade das áreas da empresa, o que permite uma medição rápida
e efetiva.
A partir desse acompanhamento, esperamos gerar uma série histórica que nos permita
avaliar como a área se comporta naquele determinado requisito apontado pelo
indicador. Com a avaliação é possível melhorar a estrutura para a sustentabilidade da
organização como um todo, com a incorporação de novos indicadores de
responsabilidade e melhoria dos já existentes.
Na pesquisa-ação desenvolvida, pudemos observar oito passos para a construção da
ferramenta, sumarizados na figura 1.
A ferramenta ainda está em processo de desenvolvimento, mas já apresenta melhorias
que facilitam sua execução e reduzem os riscos da ocorrência de problemas que podem
impedir as melhorias.
Um ponto observado no projeto piloto, que deve ser mais explorado, é a capacidade da
ferramenta apontar barreiras internas à promoção de melhorias na qualidade e custos
dos produtos, promovendo o diálogo entre setores para atingí-las.
Outro ponto de melhoria da ferramenta é a inclusão de estímulos para que a atuação
dos setores não se limite às fronteiras da organização, mas busque também a
transformação do ambiente em que ela atua, promovendo a sustentabilidade junto à
sua cadeia produtiva, governos e sociedade civil organizada.
Apesar de o projeto piloto ter sido desenvolvido em uma empresa do setor da
construção civil (a MASB), consideramos que ele pode ser replicado em diversos outros
setores devido ao seu caráter parcimonioso. Oferece um caminho simples e eficiente na
promoção de mudanças para a gestão sustentável, com orientações gerais que podem
ser facilmente adaptadas a diferentes realidades empresariais.
Figura 1. Os oito passos para a inclusão da sustentabilidade na gestão
A ferramenta é produto do Centro de Desenvolvimento da Sustentabilidade na
Construção (CDSC), com suas parceiras associadas, BASF, Holcim e MASB. O CDSC é
parte do Núcleo Petrobras de Sustentabilidade da Fundação Dom Cabral.
• Definir uma referência que decomponha a sustentabilidade
• Compreender os temas que compõem a sustentabilidade
1. Decompondo a sustentabilidade
• Refletir sobre a relação entre a empresa e os temas da
sustentabilidade
• Definir os temas prioritários para a empresa e seus stakeholders
2. Definindo prioridades corporativas
• Indicação de representantes para cada setor da empresa
• Relacionar os temas prioritários para cada setor da empresa
• Classificá-los de acordo com sua contribuição para a organização
3. Dividindo a responsabilidade
• Relacionar indicadores de responsabilidade e de sustentabilidade
existentes
• Identificar temas não monitorados ou geridos
• Sugerir indicadores para suprir gaps identificados
4. Reflexão sobre gestão da sustentabilidade
• Validar os resultados dos passos 3 e 4
• Definir temas prioritários a serem tratados por cada área
5. Definindo prioridades por área
• Construir indicadores de sustentabilidade para os temas prioritários
• Incluir os indicadores no sistema de gestão da qualidade
6. Desenvolvendo indicadores de sustentabilidade
• Recomendar indicadores de responsabilidade para alta direção
• Construção de políticas, diretrizes, metas
7. Desenvolvendo políticas e diretrizes corporativas
• Avaliação constante
• Realizar as melhorias e ajustes necessários
8. Melhoria Contínua
Equipe NPS
Cláudio Boechat – Coordenador Técnico
E-mail: boechat@fdc.org.br
Telefone: + 55 31 3589-7377
Maria Raquel Grassi F. Marques – Coordenadora e Gerente de Projetos
E-mail: raquel@fdc.org.br
Telefone: + 55 31 3589-7293
Equipe CDSC
Heiko Spitzeck – Gerente
E-mail: heiko@fdc.org.br
Phone number: + 55 11 3513-4717
Rafael Tello – Coordenador Técnico
E-mail: rafaeltello@fdc.org.br
Telefone: + 55 31 9246-5521
Brener Seixas – Estagiário
E-mail: brener.seixas@fdc.org.br
Telefone: + 55 31 3589-7301

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetais
Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetaisTaxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetais
Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetaisHeitor de Oliveira Braga
 
Obtencao de materia_pelos_seres_autotroficos_-_fotossintese_e_quimiossintese
Obtencao de materia_pelos_seres_autotroficos_-_fotossintese_e_quimiossinteseObtencao de materia_pelos_seres_autotroficos_-_fotossintese_e_quimiossintese
Obtencao de materia_pelos_seres_autotroficos_-_fotossintese_e_quimiossinteseDaniel Gonçalves
 
Anatomia do Fruto e da Semente
Anatomia do Fruto e da SementeAnatomia do Fruto e da Semente
Anatomia do Fruto e da SementeDiego Santos
 
Fases da fecundação nas angiospermas
Fases da fecundação nas angiospermasFases da fecundação nas angiospermas
Fases da fecundação nas angiospermasJoseanny Pereira
 
Morfologia e anatomia vegetal Caule
Morfologia e anatomia vegetal CauleMorfologia e anatomia vegetal Caule
Morfologia e anatomia vegetal Cauleprofatatiana
 
Anatomia Vegetal: Aulas Práticas
Anatomia Vegetal: Aulas PráticasAnatomia Vegetal: Aulas Práticas
Anatomia Vegetal: Aulas PráticasLuane Bosetto
 
Pêndulo simples júnior
Pêndulo simples júniorPêndulo simples júnior
Pêndulo simples júniorEldon Avelar
 
Estrutura secundaria da raiz
Estrutura secundaria da raizEstrutura secundaria da raiz
Estrutura secundaria da raizAlfredo Cossa
 
Sucessao Ecologica
Sucessao EcologicaSucessao Ecologica
Sucessao EcologicaDaniel
 
Aula materiais de construção aula 1 (1)
Aula materiais de construção aula 1 (1)Aula materiais de construção aula 1 (1)
Aula materiais de construção aula 1 (1)Larissa Freire
 

Mais procurados (20)

Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetais
Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetaisTaxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetais
Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetais
 
Obtencao de materia_pelos_seres_autotroficos_-_fotossintese_e_quimiossintese
Obtencao de materia_pelos_seres_autotroficos_-_fotossintese_e_quimiossinteseObtencao de materia_pelos_seres_autotroficos_-_fotossintese_e_quimiossintese
Obtencao de materia_pelos_seres_autotroficos_-_fotossintese_e_quimiossintese
 
Anatomia do Fruto e da Semente
Anatomia do Fruto e da SementeAnatomia do Fruto e da Semente
Anatomia do Fruto e da Semente
 
Fases da fecundação nas angiospermas
Fases da fecundação nas angiospermasFases da fecundação nas angiospermas
Fases da fecundação nas angiospermas
 
Dispersao 1 ufra
Dispersao 1 ufraDispersao 1 ufra
Dispersao 1 ufra
 
Morfologia e anatomia vegetal Caule
Morfologia e anatomia vegetal CauleMorfologia e anatomia vegetal Caule
Morfologia e anatomia vegetal Caule
 
Morfologia da folha
Morfologia da folha Morfologia da folha
Morfologia da folha
 
Anatomia Vegetal: Aulas Práticas
Anatomia Vegetal: Aulas PráticasAnatomia Vegetal: Aulas Práticas
Anatomia Vegetal: Aulas Práticas
 
Manual para criação de empresas juniores em universidade e faculdades
Manual para criação de empresas juniores em universidade e faculdadesManual para criação de empresas juniores em universidade e faculdades
Manual para criação de empresas juniores em universidade e faculdades
 
Fatores abióticos
Fatores abióticosFatores abióticos
Fatores abióticos
 
Pêndulo simples júnior
Pêndulo simples júniorPêndulo simples júnior
Pêndulo simples júnior
 
Aula 6 - Caule
Aula 6 - CauleAula 6 - Caule
Aula 6 - Caule
 
Estrutura secundaria da raiz
Estrutura secundaria da raizEstrutura secundaria da raiz
Estrutura secundaria da raiz
 
Aula4 epiderme
Aula4 epidermeAula4 epiderme
Aula4 epiderme
 
Semente e germinação
Semente e germinaçãoSemente e germinação
Semente e germinação
 
Apostila de Autocad 2007
Apostila de Autocad 2007Apostila de Autocad 2007
Apostila de Autocad 2007
 
Apostila de AutoCad Básico
Apostila de AutoCad BásicoApostila de AutoCad Básico
Apostila de AutoCad Básico
 
Sucessao Ecologica
Sucessao EcologicaSucessao Ecologica
Sucessao Ecologica
 
Aula materiais de construção aula 1 (1)
Aula materiais de construção aula 1 (1)Aula materiais de construção aula 1 (1)
Aula materiais de construção aula 1 (1)
 
Falhas E Dobras
Falhas E DobrasFalhas E Dobras
Falhas E Dobras
 

Semelhante a Gestão da Qualidade Total (GQT) para Sustentabilidade

Balanced Scorecard (BSC)
Balanced Scorecard (BSC)Balanced Scorecard (BSC)
Balanced Scorecard (BSC)Renan Miranda
 
Indicadores de desempenho norte da manutenção
Indicadores de desempenho   norte da manutençãoIndicadores de desempenho   norte da manutenção
Indicadores de desempenho norte da manutençãoPetroreconcavo
 
Competências Essenciais Para Melhoria Contínua Da Produção
Competências Essenciais Para Melhoria Contínua Da ProduçãoCompetências Essenciais Para Melhoria Contínua Da Produção
Competências Essenciais Para Melhoria Contínua Da ProduçãoMaximiliano Barroso Bonfá
 
Cadernos de Excelencia - Resultados
Cadernos de Excelencia - ResultadosCadernos de Excelencia - Resultados
Cadernos de Excelencia - ResultadosAdeildo Caboclo
 
Benchmarking fnq
Benchmarking fnqBenchmarking fnq
Benchmarking fnqSimone Pio
 
O Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria Contínua
O Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria ContínuaO Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria Contínua
O Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria ContínuaGerisval Pessoa
 
Os Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas Organizações
Os Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas OrganizaçõesOs Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas Organizações
Os Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas OrganizaçõesGerisval Pessoa
 
Balanced scorecard é uma metodologia de medição e gestão de desempenho desenv...
Balanced scorecard é uma metodologia de medição e gestão de desempenho desenv...Balanced scorecard é uma metodologia de medição e gestão de desempenho desenv...
Balanced scorecard é uma metodologia de medição e gestão de desempenho desenv...cassiarbt
 
Trabalho de gestão da qualidade.pptx
Trabalho de gestão da qualidade.pptxTrabalho de gestão da qualidade.pptx
Trabalho de gestão da qualidade.pptxBrendaReinaldo
 
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade o ca...
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade   o ca...2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade   o ca...
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade o ca...Amanda Fraga
 
Resenha:Gestão para o sucesso sustentado de uma organização- Uma abordagem da...
Resenha:Gestão para o sucesso sustentado de uma organização- Uma abordagem da...Resenha:Gestão para o sucesso sustentado de uma organização- Uma abordagem da...
Resenha:Gestão para o sucesso sustentado de uma organização- Uma abordagem da...Eveline do Rosário Santos
 
Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestao por Indicadores
Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestao por IndicadoresCurso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestao por Indicadores
Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestao por IndicadoresGrupo Treinar
 

Semelhante a Gestão da Qualidade Total (GQT) para Sustentabilidade (20)

Balanced Scorecard (BSC)
Balanced Scorecard (BSC)Balanced Scorecard (BSC)
Balanced Scorecard (BSC)
 
Indicadores de desempenho norte da manutenção
Indicadores de desempenho   norte da manutençãoIndicadores de desempenho   norte da manutenção
Indicadores de desempenho norte da manutenção
 
Unipeg
UnipegUnipeg
Unipeg
 
Competências Essenciais Para Melhoria Contínua Da Produção
Competências Essenciais Para Melhoria Contínua Da ProduçãoCompetências Essenciais Para Melhoria Contínua Da Produção
Competências Essenciais Para Melhoria Contínua Da Produção
 
Cadernos de Excelencia - Resultados
Cadernos de Excelencia - ResultadosCadernos de Excelencia - Resultados
Cadernos de Excelencia - Resultados
 
Benchmarking fnq
Benchmarking fnqBenchmarking fnq
Benchmarking fnq
 
Case de Sucesso Symnetics: Suzano
Case de Sucesso Symnetics: SuzanoCase de Sucesso Symnetics: Suzano
Case de Sucesso Symnetics: Suzano
 
Benchmarking
Benchmarking Benchmarking
Benchmarking
 
O Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria Contínua
O Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria ContínuaO Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria Contínua
O Segredo para o Sucesso das Equipes de Mehoria Contínua
 
Os Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas Organizações
Os Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas OrganizaçõesOs Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas Organizações
Os Segredos para o Sucesso das Equipes de Melhoria Contínua nas Organizações
 
Ferramentas de Gestão
Ferramentas de GestãoFerramentas de Gestão
Ferramentas de Gestão
 
Balanced scorecard é uma metodologia de medição e gestão de desempenho desenv...
Balanced scorecard é uma metodologia de medição e gestão de desempenho desenv...Balanced scorecard é uma metodologia de medição e gestão de desempenho desenv...
Balanced scorecard é uma metodologia de medição e gestão de desempenho desenv...
 
Trabalho de gestão da qualidade.pptx
Trabalho de gestão da qualidade.pptxTrabalho de gestão da qualidade.pptx
Trabalho de gestão da qualidade.pptx
 
Gestao
GestaoGestao
Gestao
 
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade o ca...
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade   o ca...2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade   o ca...
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade o ca...
 
Sumário Executivo - FDC
Sumário Executivo - FDCSumário Executivo - FDC
Sumário Executivo - FDC
 
Resenha:Gestão para o sucesso sustentado de uma organização- Uma abordagem da...
Resenha:Gestão para o sucesso sustentado de uma organização- Uma abordagem da...Resenha:Gestão para o sucesso sustentado de uma organização- Uma abordagem da...
Resenha:Gestão para o sucesso sustentado de uma organização- Uma abordagem da...
 
Resultados
ResultadosResultados
Resultados
 
Atps de sistema de apoio a decisão 2
Atps de sistema de apoio a decisão 2Atps de sistema de apoio a decisão 2
Atps de sistema de apoio a decisão 2
 
Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestao por Indicadores
Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestao por IndicadoresCurso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestao por Indicadores
Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestao por Indicadores
 

Mais de Fundação Dom Cabral - FDC

Gestão Contemporânea de Marketing – um olhar pelos executivos no Brasil
Gestão Contemporânea de Marketing – um olhar pelos executivos no BrasilGestão Contemporânea de Marketing – um olhar pelos executivos no Brasil
Gestão Contemporânea de Marketing – um olhar pelos executivos no BrasilFundação Dom Cabral - FDC
 
Mindset de crescimento: como atuar em um mundo de incertezas?
Mindset de crescimento: como atuar em um mundo de incertezas?Mindset de crescimento: como atuar em um mundo de incertezas?
Mindset de crescimento: como atuar em um mundo de incertezas?Fundação Dom Cabral - FDC
 
Novos paradigmas que impactam pequenas e médias empresas
Novos paradigmas que impactam pequenas e médias empresasNovos paradigmas que impactam pequenas e médias empresas
Novos paradigmas que impactam pequenas e médias empresasFundação Dom Cabral - FDC
 
A representação da mulher na música popular brasileira
A representação da mulher na música popular brasileiraA representação da mulher na música popular brasileira
A representação da mulher na música popular brasileiraFundação Dom Cabral - FDC
 
Comércio internacional no século XXI: alternativas para o Brasil
Comércio internacional no século XXI:  alternativas para o BrasilComércio internacional no século XXI:  alternativas para o Brasil
Comércio internacional no século XXI: alternativas para o BrasilFundação Dom Cabral - FDC
 
Mulheres gestoras: potencialidades do feminino no processo de liderança
Mulheres gestoras: potencialidades do feminino no processo de liderançaMulheres gestoras: potencialidades do feminino no processo de liderança
Mulheres gestoras: potencialidades do feminino no processo de liderançaFundação Dom Cabral - FDC
 
Construindo uma organização de livre desempenho
Construindo uma organização de livre desempenhoConstruindo uma organização de livre desempenho
Construindo uma organização de livre desempenhoFundação Dom Cabral - FDC
 
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios Fundação Dom Cabral - FDC
 
Relatório Caminhos para a produtividade - Indústria 4.0
Relatório Caminhos para a produtividade - Indústria 4.0Relatório Caminhos para a produtividade - Indústria 4.0
Relatório Caminhos para a produtividade - Indústria 4.0Fundação Dom Cabral - FDC
 

Mais de Fundação Dom Cabral - FDC (20)

Gestão Contemporânea de Marketing – um olhar pelos executivos no Brasil
Gestão Contemporânea de Marketing – um olhar pelos executivos no BrasilGestão Contemporânea de Marketing – um olhar pelos executivos no Brasil
Gestão Contemporânea de Marketing – um olhar pelos executivos no Brasil
 
Revista Melhor: programa RH Triple A FDC
Revista Melhor: programa RH Triple A FDCRevista Melhor: programa RH Triple A FDC
Revista Melhor: programa RH Triple A FDC
 
Introdução ao estudo da liderança
Introdução ao estudo da liderançaIntrodução ao estudo da liderança
Introdução ao estudo da liderança
 
Da transformação à maturidade digital
Da transformação à maturidade digitalDa transformação à maturidade digital
Da transformação à maturidade digital
 
PILT FDC 2018
PILT FDC 2018PILT FDC 2018
PILT FDC 2018
 
Personality insights 2017
Personality insights 2017Personality insights 2017
Personality insights 2017
 
Mindset de crescimento: como atuar em um mundo de incertezas?
Mindset de crescimento: como atuar em um mundo de incertezas?Mindset de crescimento: como atuar em um mundo de incertezas?
Mindset de crescimento: como atuar em um mundo de incertezas?
 
Novos paradigmas que impactam pequenas e médias empresas
Novos paradigmas que impactam pequenas e médias empresasNovos paradigmas que impactam pequenas e médias empresas
Novos paradigmas que impactam pequenas e médias empresas
 
Governança e sustentabilidade
Governança e sustentabilidadeGovernança e sustentabilidade
Governança e sustentabilidade
 
A representação da mulher na música popular brasileira
A representação da mulher na música popular brasileiraA representação da mulher na música popular brasileira
A representação da mulher na música popular brasileira
 
Comércio internacional no século XXI: alternativas para o Brasil
Comércio internacional no século XXI:  alternativas para o BrasilComércio internacional no século XXI:  alternativas para o Brasil
Comércio internacional no século XXI: alternativas para o Brasil
 
Digitalização e Capital Humano - Pesquisa FDC
Digitalização e Capital Humano - Pesquisa FDCDigitalização e Capital Humano - Pesquisa FDC
Digitalização e Capital Humano - Pesquisa FDC
 
Nota trimestral de conjuntura
Nota trimestral de conjunturaNota trimestral de conjuntura
Nota trimestral de conjuntura
 
Mulheres gestoras: potencialidades do feminino no processo de liderança
Mulheres gestoras: potencialidades do feminino no processo de liderançaMulheres gestoras: potencialidades do feminino no processo de liderança
Mulheres gestoras: potencialidades do feminino no processo de liderança
 
Construindo uma organização de livre desempenho
Construindo uma organização de livre desempenhoConstruindo uma organização de livre desempenho
Construindo uma organização de livre desempenho
 
A era do consumo compartilhado
A era do consumo compartilhadoA era do consumo compartilhado
A era do consumo compartilhado
 
Os estímulos necessários para a inovação
Os estímulos necessários para a inovaçãoOs estímulos necessários para a inovação
Os estímulos necessários para a inovação
 
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
 
Learning Journey - Schulich Canada
Learning Journey - Schulich CanadaLearning Journey - Schulich Canada
Learning Journey - Schulich Canada
 
Relatório Caminhos para a produtividade - Indústria 4.0
Relatório Caminhos para a produtividade - Indústria 4.0Relatório Caminhos para a produtividade - Indústria 4.0
Relatório Caminhos para a produtividade - Indústria 4.0
 

Último

CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinhaMary Alvarenga
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 

Último (20)

CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinha
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 

Gestão da Qualidade Total (GQT) para Sustentabilidade

  • 1. Gestão da Qualidade Total para a Sustentabilidade Há três dimensões que apoiam a construção de conhecimento aplicável para empresas e seus gestores formando a base para o desenvolvimento de ferramentas do CDSC: 1. Estrutura e aspectos da sustentabilidade – o conceito de sustentabilidade, bem como seus componentes e desafios, devem ser compreendidos para que se possa definir sua relação com o modelo de geração de valor das empresas, transformando-as em fonte de vantagens competitivas. 2. Estrutura e componentes da cadeia produtiva – a abordagem com este foco se justifica, pois as diferentes cadeias produtivas enfrentam determinados desafios na busca por resultados ambientais, econômicos e sociais equilibrados. Para atingi-los as empresas que as compõem devem atuar de modo diferenciado, lidando com seus próprios desafios, mas de forma coerente, com integração dos seus elos. 3. Setores da empresa e funções corporativas - a promoção da sustentabilidade na empresa deve ser compartilhada entre seus diferentes setores, para que cada um possa focar os aspectos ligados às suas atividades mais relevantes para o resultado global da organização. Essas três dimensões buscam reforçar o papel da empresa no processo global de busca pelo desenvolvimento sustentável. A ferramenta para aplicação da Gestão da Qualidade Total para a Sustentabilidade se propõe a apoiar as empresas e seus gestores na definição de metas para buscar desempenho mais sustentável de seus negócios e na sua integração junto ao sistema de gestão corporativa.
  • 2. Com ela, apontamos um caminho que vai da avaliação da sustentabilidade e definição de prioridades corporativas até a proposição de pontos centrais para atuação de diferentes setores da empresa em relação à sustentabilidade, culminando em um sistema de gestão da qualidade que incorpora aspectos da sustentabilidade e políticas e diretrizes apoiadoras da atuação responsável dos colaboradores. Para a criação da ferramenta, realizamos uma pesquisa-ação com uma de nossas empresas associadas, a MASB Desenvolvimento Imobiliário. O primeiro passo foi a definição de prioridades para a empresa. Ao se fazer uma reflexão sobre o que a empresa considera prioridade – analisar os indicadores e questões da sustentabilidade –, ocorre um processo de conscientização gradual, essencial para formar a gestão responsável, buscando a sustentabilidade. Em seguida, foram definidas as prioridades para as áreas da empresa, com o apoio da gestão da qualidade. Porque trabalhar com a gestão da qualidade? Devido à ampla utilização do sistema e de indicadores de performance em auditorias. Além disso, a área responsável pela gestão da qualidade é transversal nas organizações, buscando melhorias contínuas em todas as áreas. Quando esse mapeamento inicial foi finalizado, partimos para o estabelecimento de indicadores de sustentabilidade e metas. Nessa fase, os indicadores foram escolhidos de acordo com sua relevância e facilidade de aplicação. Como gostaríamos que o acompanhamento ocorresse de forma imediata, os indicadores selecionados estão muito próximos da realidade das áreas da empresa, o que permite uma medição rápida e efetiva. A partir desse acompanhamento, esperamos gerar uma série histórica que nos permita avaliar como a área se comporta naquele determinado requisito apontado pelo indicador. Com a avaliação é possível melhorar a estrutura para a sustentabilidade da organização como um todo, com a incorporação de novos indicadores de responsabilidade e melhoria dos já existentes.
  • 3. Na pesquisa-ação desenvolvida, pudemos observar oito passos para a construção da ferramenta, sumarizados na figura 1. A ferramenta ainda está em processo de desenvolvimento, mas já apresenta melhorias que facilitam sua execução e reduzem os riscos da ocorrência de problemas que podem impedir as melhorias. Um ponto observado no projeto piloto, que deve ser mais explorado, é a capacidade da ferramenta apontar barreiras internas à promoção de melhorias na qualidade e custos dos produtos, promovendo o diálogo entre setores para atingí-las. Outro ponto de melhoria da ferramenta é a inclusão de estímulos para que a atuação dos setores não se limite às fronteiras da organização, mas busque também a transformação do ambiente em que ela atua, promovendo a sustentabilidade junto à sua cadeia produtiva, governos e sociedade civil organizada. Apesar de o projeto piloto ter sido desenvolvido em uma empresa do setor da construção civil (a MASB), consideramos que ele pode ser replicado em diversos outros setores devido ao seu caráter parcimonioso. Oferece um caminho simples e eficiente na promoção de mudanças para a gestão sustentável, com orientações gerais que podem ser facilmente adaptadas a diferentes realidades empresariais.
  • 4. Figura 1. Os oito passos para a inclusão da sustentabilidade na gestão A ferramenta é produto do Centro de Desenvolvimento da Sustentabilidade na Construção (CDSC), com suas parceiras associadas, BASF, Holcim e MASB. O CDSC é parte do Núcleo Petrobras de Sustentabilidade da Fundação Dom Cabral. • Definir uma referência que decomponha a sustentabilidade • Compreender os temas que compõem a sustentabilidade 1. Decompondo a sustentabilidade • Refletir sobre a relação entre a empresa e os temas da sustentabilidade • Definir os temas prioritários para a empresa e seus stakeholders 2. Definindo prioridades corporativas • Indicação de representantes para cada setor da empresa • Relacionar os temas prioritários para cada setor da empresa • Classificá-los de acordo com sua contribuição para a organização 3. Dividindo a responsabilidade • Relacionar indicadores de responsabilidade e de sustentabilidade existentes • Identificar temas não monitorados ou geridos • Sugerir indicadores para suprir gaps identificados 4. Reflexão sobre gestão da sustentabilidade • Validar os resultados dos passos 3 e 4 • Definir temas prioritários a serem tratados por cada área 5. Definindo prioridades por área • Construir indicadores de sustentabilidade para os temas prioritários • Incluir os indicadores no sistema de gestão da qualidade 6. Desenvolvendo indicadores de sustentabilidade • Recomendar indicadores de responsabilidade para alta direção • Construção de políticas, diretrizes, metas 7. Desenvolvendo políticas e diretrizes corporativas • Avaliação constante • Realizar as melhorias e ajustes necessários 8. Melhoria Contínua
  • 5. Equipe NPS Cláudio Boechat – Coordenador Técnico E-mail: boechat@fdc.org.br Telefone: + 55 31 3589-7377 Maria Raquel Grassi F. Marques – Coordenadora e Gerente de Projetos E-mail: raquel@fdc.org.br Telefone: + 55 31 3589-7293 Equipe CDSC Heiko Spitzeck – Gerente E-mail: heiko@fdc.org.br Phone number: + 55 11 3513-4717 Rafael Tello – Coordenador Técnico E-mail: rafaeltello@fdc.org.br Telefone: + 55 31 9246-5521 Brener Seixas – Estagiário E-mail: brener.seixas@fdc.org.br Telefone: + 55 31 3589-7301