SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Baixar para ler offline
Gestão de conflitos
Reflexão sobre o Tema


Uma senhora idosa está num self-service. Aproxima-se do
balcão e pede um prato de sopa. Paga-o e dirige-se, com

a sua bandeja, para uma mesa. Senta-se. Dá-se
imediatamente conta de que não comprou o pão. Levantase e volta ao balcão, compra um pão, paga-o e regressa
em direcção à mesa. Quando repara, vê, com

surpresa, que um homem de raça negra se
encontra, placidamente, a comer a sopa.
O que fariam se fossem a senhora?
Reflexão sobre o Tema


A senhora disse: “Não me deixarei roubar”. Dito e feito, senta-se
ao lado do homem, parte o pão em pedaços, mete-os dentro do
prato e começa a comer apressadamente. Comem do prato os
dois, alternadamente, até que acabam. De seguida, o homem
levanta-se e volta, pouco depois, com um abundante prato de
esparguete e… dois garfos…Comem o prato a meias, à vez.
Quando acabam, o homem levanta-se e, depois de dizer até logo
à senhora, começa a caminhar até à porta da saída.
Esta, espantada, segue-o com o olhar.
O que fariam se fossem a senhora?
Reflexão sobre o Tema


Quando a velha se levanta para gritar “Ladrão”, dáse conta de que duas mesas à frente se encontrava

uma bandeja com um prato de sopa fria. E adiante
da mesa uma cadeira com a sua carteira pendurada.
Tinha-se enganado na mesa quando voltou de
comprar o pão.
Reflexão sobre o comportamento das duas personagens.
Definição de Conflito
 Conflito é a oposição que surge
quando existe um desacordo dentro
ou entre
indivíduos, equipas, departamentos
ou organizações.
Tipos de Conflitos
1.

Intrapessoais – ocorrem no interior do indivíduo quando este tem
de dar uma só resposta entre duas que se excluem mutuamente

2.

Interpessoais (surgem por):
Diferenças individuais – idade, sexo, atitudes

Limitações dos recursos – recursos financeiros, técnicos e humanos
Diferenciação de papeis – dificuldade em determinar quem pode dar a
ordem a outro

3.

Organizacionais – a sua própria estrutura constitui a fonte
potencial de conflito
Estilos de Comportamento
1. Estilo Agressivo
2. Estilo Passivo

3. Estilo Manipulador
4. Estilo Afirmativo ou Assertivo
Identificar e Caracterizar o Estilo

Agressivo


Pessoa reivindicativa face aos outros



Actua como se fosse uma pessoa intocável



Age como se não tivesse falhas, nem
cometesse erros



Tem necessidade de se mostrar superior aos
outros e, por isso são excessivamente
críticos



É tirânico ao ponto de desprezar os
sentimentos e direitos dos outros
O Agressivo procura:


Dominar os outros



Valorizar-se à custa dos outros



Ignorar e desvalorizar constantemente o que
os outros fazem e dizem



O objectivo principal do agressivo é ganhar
sobre os outros, dominar e forçar os outros
a perder
Atitudes Agressivas nas
Relações Hierárquicas
1. Em posição dominante:
autoritários, frios, intolerantes
2. Em posição de subordinado: contestação
sistemática, hospitalidade à priori contra
tudo o que vem de cima
Sinais Clínicos do Agressivo


Falar alto



Interromper constantemente



Fazer barulho com os seus
afazeres, enquanto os outros se exprimem



Olhar de revés o seu interlocutor



Arvorar um sorriso irónico



Manifestar, continuamente, por mímica o
seu desprezo ou desaprovação
Origens da Atitude Agressão


Uma elevada taxa de frustrações no passado



O medo latente



O desejo de vingança
Identificar e Caracterizar o Estilo

Passivo


É um explorado e uma vítima



Raramente está em desacordo e fala como se
nada pudesse fazer por si e pelos outros



Tende a evitar a todo o custo os conflitos



Dificilmente diz não quando lhe pedem
alguma coisa, pois quer agradar a todos



Tem dificuldades em afirmar as suas
necessidades, porque é muito sensível à
opinião dos outros
O Passivo


Não consegue resolver um problema



Tem medo de avançar e decidir porque
receia a decepção



Tem medo de importunar os outros



Deixa que os outros abusem dele



A sua cor é a do ambiente onde está
inserido
Sinais Clínicos do Passivo


Roer as unhas



Mexer os músculos da face, rangendo os
dentes



Bater com os dedos na mesa



Riso nervoso



Mexer frequentemente os pés



Está frequentemente ansioso



Tem insónias
Origens da Atitude Passiva


Falsa representação da realidade que o
cerca e uma má apreciação e interpretação
das relações de poder e influência



Desvalorização das suas capacidades para
resolver problemas



Uma educação severa e um ambiente
particularmente difícil onde vivênciou muita
frustração
Identificar e Caracterizar o Estilo

Manipulador


Considera-se hábil nas relações interpessoais



Dificilmente aceita a informação
directa, preferindo fazer interpretações
pessoais



Apresenta-se quase sempre como um útil
intermediário e, considera-se mesmo
indispensável



Tira partido das pessoas para atingir os seus
próprios objectivos



Nunca apresenta claramente os seus
objectivos
Comportamentos Típicos
do Manipulador


Apresenta uma relação táctica com os outros



Tende a desvalorizar o outro através de
frases que pretende que sejam humorísticas
e que denotem inteligência e cultura



Exagera e caricatura algumas partes da
informação emitida pelos outros



Utiliza a simulação como instrumento. Nega
factos e inventa histórias para mostrar que
as coisas não são da sua responsabilidade



Emprega o “nós” e não o “eu”
Consequências da Atitude
de Manipulação
1. O Manipulador perde a sua credibilidade à
medida que os seus truques forem
descobertos
2. Uma vez descoberto o manipulador tende a
vingar-se dos outros e, se tem
poder, utiliza-o para isso
3. Dificilmente recupera a confiança dos outros
Origem das Atitudes
de Manipulação
 Uma educação tradicional onde a
manipulação era o único meio para atingir os
objectivos
 Acreditar que de facto:
 Não se pode nem deve ser franco e directo
 A acção indirecta é mais eficaz que o face-a-face
Identificar e Caracterizar o Estilo

Afirmativo/Assertivo


A atitude de auto-afirmação também pode
ser chamada de assertividade, que significa
afirmar



Este estilo significa evidenciar os seus
direitos e admitir a sua legitimidade sem ir
contra os direitos dos outros



São pessoas que se pronunciam de forma
serena e construtiva
Estilos Assertivos
1. Apoio/Interesse


Este estilo comunica calor, cuidado e
interesse pelos outros. O conteúdo é
apresentado de um modo directo, honesto e
respeitoso



São chamados os “SENSÌVEIS”
Estilos Assertivos
2. Directo/Guia


É um estilo impessoal que comunica uma abordagem
não absurda e autoritária e uma preocupação pelos
resultados



É um estilo firme mas respeitoso que usa directivas
em vez de pedidos. Não tem nada a ver com o ditador
ou o mandão



Este estilo comunica crenças e opiniões, assim como
ordens



Os que usam este estilo são frequentemente
“FAZEDORES” e/ou “PENSADORES”
Estilos Assertivos
3. Analítico
 Este estilo é impessoal e realista. Comunica
factos, informação, pensamentos e
probabilidades
 Usa pedidos para obter resultados em vez de
directivas
 É calmo e sem emoção
 É utilizado mais pelo grupo dos
“PENSADORES”
Estilos Assertivos
4. Expressivo


Este estilo é animado, energético, espontâneo e
emocional. Os sentimentos, os gostos e as
aversões, os desejos e as necessidades são
comunicados, neste estilo, de forma aberta e
expressiva



Aqueles que usam este estilo são normalmente
intuitivo, criativos, espontâneos e vivos



São normalmente “FAZEDORES” ou
“SENTIMENTAIS”
Princípios orientadores
para gerir os conflitos construtivamente
1. Preserve a dignidade e o respeito, tendo em
atenção valores escutistas e evangélicos;

2. Ouça com empatia, preservando o diálogo
educativo;
3. Não espere mudar o estilo de comportamento
dos outros

4. Exprima a sua própria perspectiva
A ATITUDE ASSERTIVA COMO BASE DA RESOLUÇÃO
DE CONFLITOS
1. Utilizar a linguagem verbal com cuidado



Começar as frases com “Eu…” em vez de “Tu…”





Comportamento
Agressivo
interromper, és insuportável”
Comportamento Assertivo?

“Tu

estás

sempre

a

Utilizar descrições factuais em vez de juízos de valor ou
generalizações.



Comportamento Agressivo “Este trabalho é uma porcaria.
Não fazes nada de jeito.”
Comportamento Assertivo?
A ATITUDE ASSERTIVA COMO BASE DA RESOLUÇÃO
DE CONFLITOS



Exprimir pensamentos, sentimentos e opiniões assumindo a
sua responsabilidade por eles.





Comportamento Agressivo “Ele irrita-me. Não o posso
ouvir”
Comportamento Assertivo?

Assumir e/ou comunicar os próprios sentimentos ou opiniões.



Comportamento Passivo “Jantar fora?
quiserem, para mim está tudo bem…”
Comportamento Assertivo?

2. Linguagem corporal

É

conforme
A ATITUDE ASSERTIVA COMO BASE DA RESOLUÇÃO

DE CONFLITOS

Alguns Princípios de escuta activa


Manter o contacto ocular com quem está a falar;



Utilizar comportamentos ou palavras que indiquem á
outra pessoa que estamos a ouvi-la (e.g. “sim”, acenar
com a cabeça, “Hum, Hum”);



Não expresse de imediato o seu acordo ou desacordo:
procure compreender completamente o ponto de vista
de quem está a falar;
A ATITUDE ASSERTIVA COMO BASE DA RESOLUÇÃO

DE CONFLITOS

Alguns Princípios de escuta activa


Não interrompa, cada vez que o faz perde informação;



Formule questões abertas para encorajar o sujeito que
está a falar a prosseguir (as perguntas servem para
esclarecer)



Resumir de vez em quando o que o outro está a falar
para mostrar que estamos a compreender o que ele
está a dizer.
ESTILOS DE GESTÃO DE CONFLITOS
1. Evitando-o
 Abandonar a situação;
 Refugiar-se no trabalho;
 Acomodar-se;
 Mudar de assunto;
 Mostrar indiferença.
ESTILOS DE GESTÃO DE CONFLITOS
2. Desactivando-o
 Parar ou suspender o conflito;
 Forma de ganhar tempo;
 Para obter mais informações.
ESTILOS DE GESTÃO DE CONFLITOS
3. Enfrentando-o
 Estratégias:
 ganhar – perder. “Eu sou o chefe, eu que
sei.”
 perder – perder “Eu não ganho, mas tu
também não.”

 ganhar – ganhar “Vamos encontrar a
melhor solução para todos.”
Processo de Gestão

1. DIAGNÓSTICO
- Esclarecer pontos críticos
- Identificar os participantes
- Avaliar as fontes potenciais de
desacordo

4. IMPLEMENTAÇÃO
- Estabelecer o plano
- Avaliar os resultados
- Seguimento

2. PLANO
- Reconhecer os seus próprios
padrões
- Tornar mínimas as ratoeiras
utilizando uma estratégia
adequada
- Planear a sua estratégia

3. PREPARAÇÃO
- Utilizar uma estrutura que leve à
solução do problema
- Praticar
Gestão de conflitos

FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestão de conflitos gerenciamento de conflitos -gestão de pessoas
Gestão de conflitos gerenciamento de conflitos  -gestão de pessoasGestão de conflitos gerenciamento de conflitos  -gestão de pessoas
Gestão de conflitos gerenciamento de conflitos -gestão de pessoasAntonio Bezerra ON
 
Aula: Perfil Comportamental
Aula: Perfil ComportamentalAula: Perfil Comportamental
Aula: Perfil Comportamentaltelevisita
 
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de TrabalhoRelacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de TrabalhoLuis Paulo Barros
 
Manual gestão de conflitos
Manual gestão de conflitosManual gestão de conflitos
Manual gestão de conflitosIsabel Rodrigues
 
Comunicação interpessoal comunicação assertiva
Comunicação interpessoal comunicação assertivaComunicação interpessoal comunicação assertiva
Comunicação interpessoal comunicação assertivaGabi1994Dinis
 
Conflito No Trabalho
Conflito No TrabalhoConflito No Trabalho
Conflito No Trabalhocarinalves
 
RELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAISRELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAISAndréa Dantas
 
O Papel Do Novo LíDer
O Papel Do Novo LíDerO Papel Do Novo LíDer
O Papel Do Novo LíDertati_spazziano
 

Mais procurados (20)

Relacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoalRelacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoal
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
Gestão de conflitos gerenciamento de conflitos -gestão de pessoas
Gestão de conflitos gerenciamento de conflitos  -gestão de pessoasGestão de conflitos gerenciamento de conflitos  -gestão de pessoas
Gestão de conflitos gerenciamento de conflitos -gestão de pessoas
 
Palestra gestão de conflitos março 2013
Palestra gestão de conflitos   março 2013Palestra gestão de conflitos   março 2013
Palestra gestão de conflitos março 2013
 
Aula: Perfil Comportamental
Aula: Perfil ComportamentalAula: Perfil Comportamental
Aula: Perfil Comportamental
 
Relacionamento Interpessoal 20h
Relacionamento Interpessoal 20hRelacionamento Interpessoal 20h
Relacionamento Interpessoal 20h
 
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de TrabalhoRelacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
 
Inteligencia emocional no trabalho
Inteligencia emocional no trabalhoInteligencia emocional no trabalho
Inteligencia emocional no trabalho
 
Manual gestão de conflitos
Manual gestão de conflitosManual gestão de conflitos
Manual gestão de conflitos
 
Comunicação não violenta
Comunicação não violentaComunicação não violenta
Comunicação não violenta
 
Gestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. RandesGestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. Randes
 
Comunicação interpessoal comunicação assertiva
Comunicação interpessoal comunicação assertivaComunicação interpessoal comunicação assertiva
Comunicação interpessoal comunicação assertiva
 
Gestão de Conflitos
Gestão de Conflitos Gestão de Conflitos
Gestão de Conflitos
 
Comunicação Não Violenta
Comunicação Não ViolentaComunicação Não Violenta
Comunicação Não Violenta
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
 
Conflito No Trabalho
Conflito No TrabalhoConflito No Trabalho
Conflito No Trabalho
 
Gestão de conflitos
Gestão de conflitosGestão de conflitos
Gestão de conflitos
 
Apresentação motivacional
Apresentação motivacionalApresentação motivacional
Apresentação motivacional
 
RELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAISRELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAIS
 
O Papel Do Novo LíDer
O Papel Do Novo LíDerO Papel Do Novo LíDer
O Papel Do Novo LíDer
 

Destaque

Apresentação adm gestão de conflitos
Apresentação adm gestão de conflitosApresentação adm gestão de conflitos
Apresentação adm gestão de conflitosDenisia Teixeira
 
Conflito organizacional
Conflito organizacional Conflito organizacional
Conflito organizacional Lukas Oliveira
 
Apresentação gestão de conflitos
Apresentação gestão de conflitosApresentação gestão de conflitos
Apresentação gestão de conflitosEquipepedagogicafv
 
Resolução de conflitos
Resolução de conflitosResolução de conflitos
Resolução de conflitosguest71887c
 
Capítulo 4 - O conflito e a negociação
Capítulo 4 - O conflito e a negociaçãoCapítulo 4 - O conflito e a negociação
Capítulo 4 - O conflito e a negociaçãoJulio Kyosen Nakatani
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividadepsimais
 
Gestão de Conflitos - Diferentes Abordagens para Conseguir Melhores Resultados
Gestão de Conflitos - Diferentes Abordagens para Conseguir Melhores ResultadosGestão de Conflitos - Diferentes Abordagens para Conseguir Melhores Resultados
Gestão de Conflitos - Diferentes Abordagens para Conseguir Melhores ResultadosRenato Martinelli
 
Estratégias para resolver conflitos
Estratégias para resolver conflitosEstratégias para resolver conflitos
Estratégias para resolver conflitosguest4b4f772
 
Apresentação em slide para oficina de (In) disciplina e Mediação de Conflitos...
Apresentação em slide para oficina de (In) disciplina e Mediação de Conflitos...Apresentação em slide para oficina de (In) disciplina e Mediação de Conflitos...
Apresentação em slide para oficina de (In) disciplina e Mediação de Conflitos...francisleide
 

Destaque (17)

Gestao de conflitos
Gestao de conflitosGestao de conflitos
Gestao de conflitos
 
Conflito
ConflitoConflito
Conflito
 
Apresentação adm gestão de conflitos
Apresentação adm gestão de conflitosApresentação adm gestão de conflitos
Apresentação adm gestão de conflitos
 
Conflitos
ConflitosConflitos
Conflitos
 
Conflito organizacional
Conflito organizacional Conflito organizacional
Conflito organizacional
 
Apresentação gestão de conflitos
Apresentação gestão de conflitosApresentação gestão de conflitos
Apresentação gestão de conflitos
 
Resolução de conflitos
Resolução de conflitosResolução de conflitos
Resolução de conflitos
 
Estilos Gestao Conflitos
Estilos Gestao ConflitosEstilos Gestao Conflitos
Estilos Gestao Conflitos
 
Capítulo 4 - O conflito e a negociação
Capítulo 4 - O conflito e a negociaçãoCapítulo 4 - O conflito e a negociação
Capítulo 4 - O conflito e a negociação
 
Gestão das emoções
Gestão das emoçõesGestão das emoções
Gestão das emoções
 
Gerir emoções
Gerir emoçõesGerir emoções
Gerir emoções
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
 
Conflito
ConflitoConflito
Conflito
 
Gestão de Conflitos - Diferentes Abordagens para Conseguir Melhores Resultados
Gestão de Conflitos - Diferentes Abordagens para Conseguir Melhores ResultadosGestão de Conflitos - Diferentes Abordagens para Conseguir Melhores Resultados
Gestão de Conflitos - Diferentes Abordagens para Conseguir Melhores Resultados
 
Resolução de Conflitos
Resolução de ConflitosResolução de Conflitos
Resolução de Conflitos
 
Estratégias para resolver conflitos
Estratégias para resolver conflitosEstratégias para resolver conflitos
Estratégias para resolver conflitos
 
Apresentação em slide para oficina de (In) disciplina e Mediação de Conflitos...
Apresentação em slide para oficina de (In) disciplina e Mediação de Conflitos...Apresentação em slide para oficina de (In) disciplina e Mediação de Conflitos...
Apresentação em slide para oficina de (In) disciplina e Mediação de Conflitos...
 

Semelhante a Gestao de conflitos.ppt

Slide cruz vermelha reduzido
Slide cruz vermelha reduzidoSlide cruz vermelha reduzido
Slide cruz vermelha reduzidoRosana Schiff
 
Terapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da Personalidade
Terapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da PersonalidadeTerapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da Personalidade
Terapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da PersonalidadeEduardo Moreira
 
Personalidade: Trilhando os Caminhos entre o Normal e o Patológico - Análise ...
Personalidade: Trilhando os Caminhos entre o Normal e o Patológico - Análise ...Personalidade: Trilhando os Caminhos entre o Normal e o Patológico - Análise ...
Personalidade: Trilhando os Caminhos entre o Normal e o Patológico - Análise ...Esequias Caetano
 
Estilos de Comunicação
Estilos de ComunicaçãoEstilos de Comunicação
Estilos de ComunicaçãoMickael Xavier
 
Desenvolvimento de Lideranças - Arquidiocese de Londrina 2.2
Desenvolvimento de Lideranças - Arquidiocese de Londrina  2.2Desenvolvimento de Lideranças - Arquidiocese de Londrina  2.2
Desenvolvimento de Lideranças - Arquidiocese de Londrina 2.2Gislene Isquierdo
 
Transtornos da personalidade
Transtornos da personalidadeTranstornos da personalidade
Transtornos da personalidadeLu1zFern4nando
 
Feedback: uma habilidade essencial
Feedback: uma habilidade essencialFeedback: uma habilidade essencial
Feedback: uma habilidade essencialFlavio Farah
 
Comprotamentos Tipicos
Comprotamentos TipicosComprotamentos Tipicos
Comprotamentos TipicosKaryn XP
 
Transtorno de Personalidade.pptx
Transtorno de Personalidade.pptxTranstorno de Personalidade.pptx
Transtorno de Personalidade.pptxAlerKing
 
Assertividade.pdf
Assertividade.pdfAssertividade.pdf
Assertividade.pdfamandia
 
Comunicar com a assertividade diogo
Comunicar com a assertividade   diogoComunicar com a assertividade   diogo
Comunicar com a assertividade diogoDiogo230
 
Assertividade resumido
Assertividade resumidoAssertividade resumido
Assertividade resumidoRosana Corrêa
 
Perfis Comunicacionais
Perfis Comunicacionais Perfis Comunicacionais
Perfis Comunicacionais Qemadonaaask
 
Exemplo de relatório de pda
Exemplo de relatório de pdaExemplo de relatório de pda
Exemplo de relatório de pdaFred Graef
 
O problema do meu cliente é meu 4
O problema do meu cliente é meu 4O problema do meu cliente é meu 4
O problema do meu cliente é meu 4Fabio Braun
 

Semelhante a Gestao de conflitos.ppt (20)

Slide cruz vermelha reduzido
Slide cruz vermelha reduzidoSlide cruz vermelha reduzido
Slide cruz vermelha reduzido
 
Terapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da Personalidade
Terapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da PersonalidadeTerapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da Personalidade
Terapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da Personalidade
 
Personalidade: Trilhando os Caminhos entre o Normal e o Patológico - Análise ...
Personalidade: Trilhando os Caminhos entre o Normal e o Patológico - Análise ...Personalidade: Trilhando os Caminhos entre o Normal e o Patológico - Análise ...
Personalidade: Trilhando os Caminhos entre o Normal e o Patológico - Análise ...
 
Estilos de Comunicação
Estilos de ComunicaçãoEstilos de Comunicação
Estilos de Comunicação
 
Desenvolvimento de Lideranças - Arquidiocese de Londrina 2.2
Desenvolvimento de Lideranças - Arquidiocese de Londrina  2.2Desenvolvimento de Lideranças - Arquidiocese de Londrina  2.2
Desenvolvimento de Lideranças - Arquidiocese de Londrina 2.2
 
Transtornos da personalidade
Transtornos da personalidadeTranstornos da personalidade
Transtornos da personalidade
 
Assertividade pdf
Assertividade pdfAssertividade pdf
Assertividade pdf
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
 
Feedback: uma habilidade essencial
Feedback: uma habilidade essencialFeedback: uma habilidade essencial
Feedback: uma habilidade essencial
 
ASSERTIVIDADE.ppt
ASSERTIVIDADE.pptASSERTIVIDADE.ppt
ASSERTIVIDADE.ppt
 
Comprotamentos Tipicos
Comprotamentos TipicosComprotamentos Tipicos
Comprotamentos Tipicos
 
Transtorno de Personalidade.pptx
Transtorno de Personalidade.pptxTranstorno de Personalidade.pptx
Transtorno de Personalidade.pptx
 
Assertividade.pdf
Assertividade.pdfAssertividade.pdf
Assertividade.pdf
 
Comunicar com a assertividade diogo
Comunicar com a assertividade   diogoComunicar com a assertividade   diogo
Comunicar com a assertividade diogo
 
Assertividade resumido
Assertividade resumidoAssertividade resumido
Assertividade resumido
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
 
Perfis Comunicacionais
Perfis Comunicacionais Perfis Comunicacionais
Perfis Comunicacionais
 
Exemplo de relatório de pda
Exemplo de relatório de pdaExemplo de relatório de pda
Exemplo de relatório de pda
 
O problema do meu cliente é meu 4
O problema do meu cliente é meu 4O problema do meu cliente é meu 4
O problema do meu cliente é meu 4
 

Último

Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxalessandraoliveira324
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 

Último (20)

Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 

Gestao de conflitos.ppt

  • 2. Reflexão sobre o Tema  Uma senhora idosa está num self-service. Aproxima-se do balcão e pede um prato de sopa. Paga-o e dirige-se, com a sua bandeja, para uma mesa. Senta-se. Dá-se imediatamente conta de que não comprou o pão. Levantase e volta ao balcão, compra um pão, paga-o e regressa em direcção à mesa. Quando repara, vê, com surpresa, que um homem de raça negra se encontra, placidamente, a comer a sopa. O que fariam se fossem a senhora?
  • 3. Reflexão sobre o Tema  A senhora disse: “Não me deixarei roubar”. Dito e feito, senta-se ao lado do homem, parte o pão em pedaços, mete-os dentro do prato e começa a comer apressadamente. Comem do prato os dois, alternadamente, até que acabam. De seguida, o homem levanta-se e volta, pouco depois, com um abundante prato de esparguete e… dois garfos…Comem o prato a meias, à vez. Quando acabam, o homem levanta-se e, depois de dizer até logo à senhora, começa a caminhar até à porta da saída. Esta, espantada, segue-o com o olhar. O que fariam se fossem a senhora?
  • 4. Reflexão sobre o Tema  Quando a velha se levanta para gritar “Ladrão”, dáse conta de que duas mesas à frente se encontrava uma bandeja com um prato de sopa fria. E adiante da mesa uma cadeira com a sua carteira pendurada. Tinha-se enganado na mesa quando voltou de comprar o pão. Reflexão sobre o comportamento das duas personagens.
  • 5. Definição de Conflito  Conflito é a oposição que surge quando existe um desacordo dentro ou entre indivíduos, equipas, departamentos ou organizações.
  • 6. Tipos de Conflitos 1. Intrapessoais – ocorrem no interior do indivíduo quando este tem de dar uma só resposta entre duas que se excluem mutuamente 2. Interpessoais (surgem por): Diferenças individuais – idade, sexo, atitudes Limitações dos recursos – recursos financeiros, técnicos e humanos Diferenciação de papeis – dificuldade em determinar quem pode dar a ordem a outro 3. Organizacionais – a sua própria estrutura constitui a fonte potencial de conflito
  • 7. Estilos de Comportamento 1. Estilo Agressivo 2. Estilo Passivo 3. Estilo Manipulador 4. Estilo Afirmativo ou Assertivo
  • 8. Identificar e Caracterizar o Estilo Agressivo  Pessoa reivindicativa face aos outros  Actua como se fosse uma pessoa intocável  Age como se não tivesse falhas, nem cometesse erros  Tem necessidade de se mostrar superior aos outros e, por isso são excessivamente críticos  É tirânico ao ponto de desprezar os sentimentos e direitos dos outros
  • 9. O Agressivo procura:  Dominar os outros  Valorizar-se à custa dos outros  Ignorar e desvalorizar constantemente o que os outros fazem e dizem  O objectivo principal do agressivo é ganhar sobre os outros, dominar e forçar os outros a perder
  • 10. Atitudes Agressivas nas Relações Hierárquicas 1. Em posição dominante: autoritários, frios, intolerantes 2. Em posição de subordinado: contestação sistemática, hospitalidade à priori contra tudo o que vem de cima
  • 11. Sinais Clínicos do Agressivo  Falar alto  Interromper constantemente  Fazer barulho com os seus afazeres, enquanto os outros se exprimem  Olhar de revés o seu interlocutor  Arvorar um sorriso irónico  Manifestar, continuamente, por mímica o seu desprezo ou desaprovação
  • 12. Origens da Atitude Agressão  Uma elevada taxa de frustrações no passado  O medo latente  O desejo de vingança
  • 13. Identificar e Caracterizar o Estilo Passivo  É um explorado e uma vítima  Raramente está em desacordo e fala como se nada pudesse fazer por si e pelos outros  Tende a evitar a todo o custo os conflitos  Dificilmente diz não quando lhe pedem alguma coisa, pois quer agradar a todos  Tem dificuldades em afirmar as suas necessidades, porque é muito sensível à opinião dos outros
  • 14. O Passivo  Não consegue resolver um problema  Tem medo de avançar e decidir porque receia a decepção  Tem medo de importunar os outros  Deixa que os outros abusem dele  A sua cor é a do ambiente onde está inserido
  • 15. Sinais Clínicos do Passivo  Roer as unhas  Mexer os músculos da face, rangendo os dentes  Bater com os dedos na mesa  Riso nervoso  Mexer frequentemente os pés  Está frequentemente ansioso  Tem insónias
  • 16. Origens da Atitude Passiva  Falsa representação da realidade que o cerca e uma má apreciação e interpretação das relações de poder e influência  Desvalorização das suas capacidades para resolver problemas  Uma educação severa e um ambiente particularmente difícil onde vivênciou muita frustração
  • 17. Identificar e Caracterizar o Estilo Manipulador  Considera-se hábil nas relações interpessoais  Dificilmente aceita a informação directa, preferindo fazer interpretações pessoais  Apresenta-se quase sempre como um útil intermediário e, considera-se mesmo indispensável  Tira partido das pessoas para atingir os seus próprios objectivos  Nunca apresenta claramente os seus objectivos
  • 18. Comportamentos Típicos do Manipulador  Apresenta uma relação táctica com os outros  Tende a desvalorizar o outro através de frases que pretende que sejam humorísticas e que denotem inteligência e cultura  Exagera e caricatura algumas partes da informação emitida pelos outros  Utiliza a simulação como instrumento. Nega factos e inventa histórias para mostrar que as coisas não são da sua responsabilidade  Emprega o “nós” e não o “eu”
  • 19. Consequências da Atitude de Manipulação 1. O Manipulador perde a sua credibilidade à medida que os seus truques forem descobertos 2. Uma vez descoberto o manipulador tende a vingar-se dos outros e, se tem poder, utiliza-o para isso 3. Dificilmente recupera a confiança dos outros
  • 20. Origem das Atitudes de Manipulação  Uma educação tradicional onde a manipulação era o único meio para atingir os objectivos  Acreditar que de facto:  Não se pode nem deve ser franco e directo  A acção indirecta é mais eficaz que o face-a-face
  • 21. Identificar e Caracterizar o Estilo Afirmativo/Assertivo  A atitude de auto-afirmação também pode ser chamada de assertividade, que significa afirmar  Este estilo significa evidenciar os seus direitos e admitir a sua legitimidade sem ir contra os direitos dos outros  São pessoas que se pronunciam de forma serena e construtiva
  • 22. Estilos Assertivos 1. Apoio/Interesse  Este estilo comunica calor, cuidado e interesse pelos outros. O conteúdo é apresentado de um modo directo, honesto e respeitoso  São chamados os “SENSÌVEIS”
  • 23. Estilos Assertivos 2. Directo/Guia  É um estilo impessoal que comunica uma abordagem não absurda e autoritária e uma preocupação pelos resultados  É um estilo firme mas respeitoso que usa directivas em vez de pedidos. Não tem nada a ver com o ditador ou o mandão  Este estilo comunica crenças e opiniões, assim como ordens  Os que usam este estilo são frequentemente “FAZEDORES” e/ou “PENSADORES”
  • 24. Estilos Assertivos 3. Analítico  Este estilo é impessoal e realista. Comunica factos, informação, pensamentos e probabilidades  Usa pedidos para obter resultados em vez de directivas  É calmo e sem emoção  É utilizado mais pelo grupo dos “PENSADORES”
  • 25. Estilos Assertivos 4. Expressivo  Este estilo é animado, energético, espontâneo e emocional. Os sentimentos, os gostos e as aversões, os desejos e as necessidades são comunicados, neste estilo, de forma aberta e expressiva  Aqueles que usam este estilo são normalmente intuitivo, criativos, espontâneos e vivos  São normalmente “FAZEDORES” ou “SENTIMENTAIS”
  • 26. Princípios orientadores para gerir os conflitos construtivamente 1. Preserve a dignidade e o respeito, tendo em atenção valores escutistas e evangélicos; 2. Ouça com empatia, preservando o diálogo educativo; 3. Não espere mudar o estilo de comportamento dos outros 4. Exprima a sua própria perspectiva
  • 27. A ATITUDE ASSERTIVA COMO BASE DA RESOLUÇÃO DE CONFLITOS 1. Utilizar a linguagem verbal com cuidado  Começar as frases com “Eu…” em vez de “Tu…”    Comportamento Agressivo interromper, és insuportável” Comportamento Assertivo? “Tu estás sempre a Utilizar descrições factuais em vez de juízos de valor ou generalizações.   Comportamento Agressivo “Este trabalho é uma porcaria. Não fazes nada de jeito.” Comportamento Assertivo?
  • 28. A ATITUDE ASSERTIVA COMO BASE DA RESOLUÇÃO DE CONFLITOS  Exprimir pensamentos, sentimentos e opiniões assumindo a sua responsabilidade por eles.    Comportamento Agressivo “Ele irrita-me. Não o posso ouvir” Comportamento Assertivo? Assumir e/ou comunicar os próprios sentimentos ou opiniões.   Comportamento Passivo “Jantar fora? quiserem, para mim está tudo bem…” Comportamento Assertivo? 2. Linguagem corporal É conforme
  • 29. A ATITUDE ASSERTIVA COMO BASE DA RESOLUÇÃO DE CONFLITOS Alguns Princípios de escuta activa  Manter o contacto ocular com quem está a falar;  Utilizar comportamentos ou palavras que indiquem á outra pessoa que estamos a ouvi-la (e.g. “sim”, acenar com a cabeça, “Hum, Hum”);  Não expresse de imediato o seu acordo ou desacordo: procure compreender completamente o ponto de vista de quem está a falar;
  • 30. A ATITUDE ASSERTIVA COMO BASE DA RESOLUÇÃO DE CONFLITOS Alguns Princípios de escuta activa  Não interrompa, cada vez que o faz perde informação;  Formule questões abertas para encorajar o sujeito que está a falar a prosseguir (as perguntas servem para esclarecer)  Resumir de vez em quando o que o outro está a falar para mostrar que estamos a compreender o que ele está a dizer.
  • 31. ESTILOS DE GESTÃO DE CONFLITOS 1. Evitando-o  Abandonar a situação;  Refugiar-se no trabalho;  Acomodar-se;  Mudar de assunto;  Mostrar indiferença.
  • 32. ESTILOS DE GESTÃO DE CONFLITOS 2. Desactivando-o  Parar ou suspender o conflito;  Forma de ganhar tempo;  Para obter mais informações.
  • 33. ESTILOS DE GESTÃO DE CONFLITOS 3. Enfrentando-o  Estratégias:  ganhar – perder. “Eu sou o chefe, eu que sei.”  perder – perder “Eu não ganho, mas tu também não.”  ganhar – ganhar “Vamos encontrar a melhor solução para todos.”
  • 34. Processo de Gestão 1. DIAGNÓSTICO - Esclarecer pontos críticos - Identificar os participantes - Avaliar as fontes potenciais de desacordo 4. IMPLEMENTAÇÃO - Estabelecer o plano - Avaliar os resultados - Seguimento 2. PLANO - Reconhecer os seus próprios padrões - Tornar mínimas as ratoeiras utilizando uma estratégia adequada - Planear a sua estratégia 3. PREPARAÇÃO - Utilizar uma estrutura que leve à solução do problema - Praticar