SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
1
Colégio Pedro II – Unidade Escolar Realengo
Literatura: uma introdução
Professor(a): ..................................................................
Aluno(a): ........................................................................
Série: ............ Turma: .............. Data: ...../....../........
Para uma reflexão sobre a literatura, vamos proceder à leitura de um texto de Rildo Cosson, “A literatura e
o mundo”. Logo em seguida, leremos um conto de Guimarães Rosa, “Fita-Verde no cabelo”.
A literatura e o mundo
A literatura corresponde a uma necessidade universal que deve ser satisfeita sob pena de mutilar a
personalidade, porque pelo fato de dar forma aos sentimentos e à visão de mundo ela nos organiza, nos
liberta do caos e portanto nos humaniza. Negar a fruição da literatura é mutilar a nossa humanidade.
Antonio Candido, O direito à literatura (1995).
Gosto da idéia de que nosso corpo é a soma de vários outros corpos. Ao corpo físico, somam-se um
corpo linguagem, um corpo sentimento, um corpo imaginário, um corpo profissional e assim por diante.
Somos a mistura de todos esses corpos, e é essa mistura que nos faz humanos. As diferenças que temos em
relação aos outros devem-se à maneira como exercitamos esses diferentes corpos. Do mesmo modo que
atrofiaremos o corpo físico se não o exercitarmos, também atrofiaremos nossos outros corpos por falta de
atividade.
Nesse sentido, o nosso corpo linguagem funciona de uma maneira especial. Todos nós exercitamos a
linguagem de muitos e variados modos em toda a nossa vida, de tal modo que o nosso mundo é aquilo que
ela nos permite dizer, isto é, a matéria constitutiva do mundo é, antes de mais nada, a linguagem que o
expressa. E constituímos o mundo basicamente por meio das palavras. No princípio e sempre é o verbo que
faz o mundo ser mundo para todos nós, até porque a palavra é a mais definitiva e definidora das criações
do homem. Como bem diz o pensamento popular, se uma imagem vale por mil palavras, mesmo assim é
preciso usar a língua para traduzir as imagens e afirmar esse valor. É por isso também que as usamos para
dizer que não temos palavras para expressar um pensamento ou um sentimento. Em síntese, nosso corpo
linguagem é feito das palavras com que o exercitamos, quanto mais eu uso a língua, maior é o meu corpo
linguagem e, por extensão, maior é o meu mundo.
E de onde vêm as palavras que alimentam e exercitam o corpo da linguagem? Aqui outra
particularidade do nosso corpo linguagem. As palavras vêm da sociedade de que faço parte e não são de
ninguém. Para adquiri-las basta viver em uma sociedade humana. Ao usar as palavras, eu as faço minhas do
mesmo modo que você, usando as mesmas palavras, as faz suas. É por esse uso, simultaneamente
individual e coletivo, que as palavras se modificam, se dividem e se multiplicam, vestindo de sentido o fazer
humano.
Em uma sociedade letrada como a nossa, as possibilidades de exercício do corpo linguagem pelo uso
das palavras são inumeráveis. Há, entretanto, uma que ocupa lugar central. Trata-se da escrita.
Praticamente todas as transações humanas de nossa sociedade letrada passam, de uma maneira ou de
outra, pela escrita, mesmo aquelas que aparentemente são orais ou imagéticas. É assim com o jornal
televisionado com o locutor que lê um texto escrito. É assim com práticas culturais de origem oral como a
literatura de cordel, cujos versos são registrados nos folhetos para serem vendidos nas feiras. Também a
tela do computador está repleta de palavras e os video games cheios de imagens não dispensam as
instruções escritas. Essa primazia da escrita se dá porque é por meio dela que armazenamos nossos
saberes, organizamos nossa sociedade e nos libertamos dos limites impostos pelo tempo e pelo espaço. [...]
O corpo linguagem, o corpo palavra, o corpo escrita encontra na literatura seu mais perfeito
exercício. A literatura não apenas tem a palavra em sua constituição material, como também a escrita é seu
veículo predominante. A prática da literatura, seja pela leitura, seja pela escritura, consiste exatamente em
uma exploração das potencialidades da linguagem, da palavra e da escrita, que não tem paralelo em outra
atividade humana. Por essa exploração, o dizer o mundo (re)construído pela força da palavra, que é a
2
literatura, revela-se como uma prática fundamental para a constituição de um sujeito da escrita. Em outras
palavras, é no exercício da leitura e da escrita de textos literários que se desvela a arbitrariedade das regras
impostas pelos discursos padronizados da sociedade letrada e se constrói um modo próprio de se fazer
dono da linguagem que, sendo minha, é também de todos.
Isso ocorre porque a literatura é plena de saberes sobre o homem e sobre o mundo. [...] Na leitura e
na escritura do texto literário encontramos o senso de nós mesmos e da comunidade a que pertencemos. A
literatura nos diz o que somos e nos incentiva a desejar expressar o mundo por nós mesmos. E isso se dá
porque a literatura é uma experiência a ser realizada. É mais que um conhecimento a ser reelaborado, ela é
a incorporação do outro em mim sem a renúncia da minha identidade. No exercício da literatura, podemos
ser outros, podemos viver como os outros, podemos romper os limites do tempo e do espaço de nossa
experiência e, ainda assim, sermos nós mesmos. É por isso que interiorizamos com mais intensidade as
verdades dadas pela poesia e pela ficção.
A experiência literária não só nos permite saber da vida por meio da experiência do outro, como
também vivenciar essa experiência. Ou seja, a ficção feita palavra na narrativa e a palavra feita matéria na
poesia são processos formativos tanto da linguagem quanto do leitor e do escritor. Uma e outra permitem
que se diga o que não sabemos expressar e nos falam de maneira mais precisa o que queremos dizer ao
mundo, assim como nos dizer a nós mesmos. [...]
(COSSON, Rildo. Letramento literário: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2007, p. 15-17)
F i t a - V e r d e n o c a b e l o
( N o v a v e l h a e s t ó r i a )
Havia uma aldeia em algum lugar, nem maior nem menor, com velhos e velhas que velhavam,
homens e mulheres que esperavam, e meninos e meninas que nasciam e cresciam. Todos com juízo,
suficientemente, menos uma meninazinha, a que por enquanto. Aquela, um dia, saiu de lá, com uma fita
verde inventada no cabelo.
Sua mãe mandara-a, com um cesto e um pote, à avó, que a amava, a uma outra e quase igualzinha
aldeia. Fita-Verde partiu, sobre logo, ela a linda, tudo era uma vez. O pote continha um doce em calda, e o
cesto estava vazio, que para buscar framboesas.
Daí, que, indo, no atravessar o bosque, viu só os lenhadores, que por lá lenhavam; mas o lobo
nenhum, desconhecido nem peludo. Pois os lenhadores tinham exterminado o lobo. Então, ela, mesma, era
quem se dizia: – “Vou à vovó, com cesto e pote, e a fita verde no cabelo, o tanto que a mamãe me
mandou”. A aldeia e a casa esperando-a acolá, depois daquele moinho, que a gente pensa que vê, e das
horas, que a gente não vê que não são.
E ela mesma resolveu escolher tomar este caminho de cá, louco e longo, e não o outro, encurtoso.
Saiu, atrás de suas asas ligeiras, sua sombra também vindo-lhe correndo, em pós. Divertia-se com ver as
avelãs do chão não voarem, com inalcançar essas borboletas nunca em buquê nem em botão, e com
ignorar se cada uma em seu lugar as plebeiinhas flores, princesinhas e incomuns, quando a gente tanto
por elas passa. Vinha sobejadamente.
Demorou, para dar com a avó em casa, que assim lhe respondeu, quando ela, toque, toque, bateu:
– “Quem é?”
– “Sou eu...” – e Fita-Verde descansou a voz. – “Sou sua linda netinha, com cesto e pote, com a fita
verde no cabelo, que a mamãe me mandou.”
Vai, a avó, difícil, disse: – “Puxa o ferrolho de pau da porta, entra e abre. Deus te abençoe.”
Fita-Verde assim fez, e entrou e olhou.
A avó estava na cama, rebuçada e só. Devia, para falar agagado e fraco e rouco, assim, de ter
apanhado um ruim defluxo. Dizendo: – “Depõe o pote e o cesto na arca, e vem para perto de mim,
enquanto é tempo.”
Mas agora Fita-Verde se espantava, além de entristecer-se de ver que perdera em caminho sua
grande fita verde no cabelo atada; e estava suada, com enorme fome de almoço. Ela perguntou:
– “Vovozinha, que braços tão magros, os seus, e que mãos tão trementes!”
– “É porque não vou poder nunca mais te abraçar, minha neta...” – a avó murmurou.
– “Vovozinha, mas que lábios, aí, tão arroxeados!”
– “É porque não vou nunca mais poder te beijar, minha neta...” – a avó suspirou.
– “Vovozinha, e que olhos tão fundos e parados, nesse rosto encovado, pálido?”
– “É porque já não te estou vendo, nunca mais, minha netinha...” – a avó ainda gemeu.
Fita-Verde mais se assustou, como se fosse ter juízo pela primeira vez.
Gritou: – “Vovozinha, eu tenho medo do Lobo!...”
Mas a avó não estava mais lá, sendo que demasiado ausente, a não ser pelo frio, triste e tão
repentino corpo.
(ROSA, João Guimarães. Ave palavra. In: Ficção completa, v. 2. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994, p. 981-982.)
3
O primeiro texto fala sobre o papel formador da literatura. Já o segundo narra, de forma simbólica, como a leitura das obras pode
afetar o imaginário das pessoas. Passemos a um segundo momento, no intuito de resgatar essas relações.
1. O texto “A literatura e o mundo” apresenta, em seu primeiro parágrafo, uma concepção metafórica do ser humano. Escreva
essa concepção em palavras próprias.
________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________
2. No segundo parágrafo, é estabelecida uma relação entre mundo e linguagem, por meio das palavras. De que forma as palavras
constituem o mundo?
________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________
3. No terceiro parágrafo são apontadas relações entre linguagem e sociedade. De que forma isso se relaciona com a noção de
cultura estudada anteriormente?
________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________
4. Releia o quarto parágrafo. De que modo a linguagem atua como elemento que impulsiona a cultura?
________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________
5. Nos três últimos parágrafos, o autor se detém na exposição da importância da literatura para o exercício da linguagem, na vida
em sociedade. Destaque no texto um trecho em que essa posição se evidencia com clareza, comentando-o em seguida.
________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________
6. A narrativa “Fita-Verde no cabelo” alude, logo no início, à saga de Dom Quixote. Assinale dois trechos do texto em que se
verifica essa alusão. Que função a presença dessa personagem exerce na narrativa?
________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________
7. O que a Fita Verde simboliza? Que outra história está sendo retomada na narrativa? Justifique.
________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________
8. Como se explicaria a escolha pela menina do caminho “louco e longo”?
________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________
9. No trajeto para a casa da avó, a menina perde a Fita Verde? O que essa perda simboliza? Que relação há entre essa perda e o
choque ante a morte da avó?
________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________
10. Relacione a defesa da literatura feita no primeiro texto à experiência vivida pela personagem Fita-Verde.
________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________
11. Pode-se pensar no conto “Fita-Verde no cabelo” como uma paródia do conto de fadas Chapeuzinho Vermelho. Que elementos
da história justificam essa leitura?
________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A literatura portuguesa. moises, massaud
A literatura portuguesa. moises, massaudA literatura portuguesa. moises, massaud
A literatura portuguesa. moises, massaudSonia Matias
 
Língua-latina-parte-histórica-
Língua-latina-parte-histórica-Língua-latina-parte-histórica-
Língua-latina-parte-histórica-Fernanda Oliveira
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literaturafabrinnem
 
Literatura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenilLiteratura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenilSusanne Messias
 
História da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universalHistória da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universalheleira02
 
Anexo 4 sequência didática projeto curta-metragem
Anexo 4  sequência didática projeto curta-metragemAnexo 4  sequência didática projeto curta-metragem
Anexo 4 sequência didática projeto curta-metragemMariana Correia
 
Oficina de produção de texto aula 1
Oficina de produção de texto   aula 1Oficina de produção de texto   aula 1
Oficina de produção de texto aula 1Bruno Santos
 
Análise do conto Um Apólogo
Análise do conto Um ApólogoAnálise do conto Um Apólogo
Análise do conto Um ApólogoAna Polo
 
Elaboração de biografia
Elaboração de biografia Elaboração de biografia
Elaboração de biografia Edson Alves
 
Romantismo poesia - 2ª geração
Romantismo   poesia -  2ª geraçãoRomantismo   poesia -  2ª geração
Romantismo poesia - 2ª geraçãoLuciene Gomes
 
Contos para o ensino médio
Contos para o ensino médioContos para o ensino médio
Contos para o ensino médioEwerton Gindri
 
Literatura Portuguesa Contemporânea: Prosa e Poesia
Literatura Portuguesa Contemporânea: Prosa e PoesiaLiteratura Portuguesa Contemporânea: Prosa e Poesia
Literatura Portuguesa Contemporânea: Prosa e PoesiaJuullio
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilBruna Wagner
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textualISJ
 
História e politica educacional percurso
História e politica educacional   percursoHistória e politica educacional   percurso
História e politica educacional percursoCRIS TORRES
 

Mais procurados (20)

A literatura portuguesa. moises, massaud
A literatura portuguesa. moises, massaudA literatura portuguesa. moises, massaud
A literatura portuguesa. moises, massaud
 
Língua-latina-parte-histórica-
Língua-latina-parte-histórica-Língua-latina-parte-histórica-
Língua-latina-parte-histórica-
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
Sucesso e insucesso escolar
Sucesso e insucesso escolarSucesso e insucesso escolar
Sucesso e insucesso escolar
 
Literatura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenilLiteratura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenil
 
História da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universalHistória da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universal
 
Literatura comparada
Literatura comparadaLiteratura comparada
Literatura comparada
 
Anexo 4 sequência didática projeto curta-metragem
Anexo 4  sequência didática projeto curta-metragemAnexo 4  sequência didática projeto curta-metragem
Anexo 4 sequência didática projeto curta-metragem
 
Oficina de produção de texto aula 1
Oficina de produção de texto   aula 1Oficina de produção de texto   aula 1
Oficina de produção de texto aula 1
 
Análise do conto Um Apólogo
Análise do conto Um ApólogoAnálise do conto Um Apólogo
Análise do conto Um Apólogo
 
Literatura brasileira resumo
Literatura brasileira resumoLiteratura brasileira resumo
Literatura brasileira resumo
 
Elaboração de biografia
Elaboração de biografia Elaboração de biografia
Elaboração de biografia
 
Romantismo poesia - 2ª geração
Romantismo   poesia -  2ª geraçãoRomantismo   poesia -  2ª geração
Romantismo poesia - 2ª geração
 
Contos para o ensino médio
Contos para o ensino médioContos para o ensino médio
Contos para o ensino médio
 
Literatura Portuguesa Contemporânea: Prosa e Poesia
Literatura Portuguesa Contemporânea: Prosa e PoesiaLiteratura Portuguesa Contemporânea: Prosa e Poesia
Literatura Portuguesa Contemporânea: Prosa e Poesia
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
História e politica educacional percurso
História e politica educacional   percursoHistória e politica educacional   percurso
História e politica educacional percurso
 
Gregório de Matos Guerra
Gregório de Matos GuerraGregório de Matos Guerra
Gregório de Matos Guerra
 

Semelhante a A literatura e o mundo

Janelas na construção da leitura
Janelas na construção da leituraJanelas na construção da leitura
Janelas na construção da leituragestarpocos
 
O desenvolvimento narrativo na infância
O desenvolvimento narrativo na infânciaO desenvolvimento narrativo na infância
O desenvolvimento narrativo na infânciaA Mor
 
Apresentação acolhida e identidade visual
Apresentação acolhida  e identidade visualApresentação acolhida  e identidade visual
Apresentação acolhida e identidade visualLuiz Fernando
 
Esopo bilbiografia, fábula, importância lingua
Esopo bilbiografia, fábula, importância linguaEsopo bilbiografia, fábula, importância lingua
Esopo bilbiografia, fábula, importância linguaJomari
 
Ed 2. chispas literarias
Ed 2.   chispas literariasEd 2.   chispas literarias
Ed 2. chispas literariasDouglasAbreu4
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilprof.aldemir2010
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilprof.aldemir2010
 
CRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO JUVENIL
CRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO JUVENILCRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO JUVENIL
CRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO JUVENILprof.aldemir2010
 
CRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO-JUVENIL
CRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO-JUVENILCRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO-JUVENIL
CRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO-JUVENILprof.aldemir2010
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilprof.aldemir2010
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilprof.aldemir2010
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilprof.aldemir2010
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilprof.aldemir2010
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaElza Silveira
 
Apostila salvador site
Apostila salvador siteApostila salvador site
Apostila salvador siteRosi Dias
 
TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO.ppt
TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO.pptTEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO.ppt
TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO.pptEliandaVianadaSilva1
 
I Simpósio Quilombola 2
I  Simpósio Quilombola   2I  Simpósio Quilombola   2
I Simpósio Quilombola 2culturaafro
 

Semelhante a A literatura e o mundo (20)

Janelas na construção da leitura
Janelas na construção da leituraJanelas na construção da leitura
Janelas na construção da leitura
 
Curso de serigrafia
Curso de serigrafiaCurso de serigrafia
Curso de serigrafia
 
O desenvolvimento narrativo na infância
O desenvolvimento narrativo na infânciaO desenvolvimento narrativo na infância
O desenvolvimento narrativo na infância
 
Apresentação acolhida e identidade visual
Apresentação acolhida  e identidade visualApresentação acolhida  e identidade visual
Apresentação acolhida e identidade visual
 
Esopo bilbiografia, fábula, importância lingua
Esopo bilbiografia, fábula, importância linguaEsopo bilbiografia, fábula, importância lingua
Esopo bilbiografia, fábula, importância lingua
 
Ed 2. chispas literarias
Ed 2.   chispas literariasEd 2.   chispas literarias
Ed 2. chispas literarias
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenil
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenil
 
CRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO JUVENIL
CRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO JUVENILCRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO JUVENIL
CRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO JUVENIL
 
CRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO-JUVENIL
CRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO-JUVENILCRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO-JUVENIL
CRIATIVIDADE COM LITERATURA INFANTO-JUVENIL
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenil
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenil
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenil
 
Criatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenilCriatividade com literatura infanto juvenil
Criatividade com literatura infanto juvenil
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
 
Apostila salvador site
Apostila salvador siteApostila salvador site
Apostila salvador site
 
atividades-2018.ppt
atividades-2018.pptatividades-2018.ppt
atividades-2018.ppt
 
TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO.ppt
TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO.pptTEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO.ppt
TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO.ppt
 
Leitura e leitor
Leitura e leitorLeitura e leitor
Leitura e leitor
 
I Simpósio Quilombola 2
I  Simpósio Quilombola   2I  Simpósio Quilombola   2
I Simpósio Quilombola 2
 

Mais de Franquilim Cerqueira

Mais de Franquilim Cerqueira (12)

Plan pessoal
Plan pessoalPlan pessoal
Plan pessoal
 
78900662 planejamento-lingua-portuguesa-7º-ao-9º-ano-ensino-fundamental-2012
78900662 planejamento-lingua-portuguesa-7º-ao-9º-ano-ensino-fundamental-201278900662 planejamento-lingua-portuguesa-7º-ao-9º-ano-ensino-fundamental-2012
78900662 planejamento-lingua-portuguesa-7º-ao-9º-ano-ensino-fundamental-2012
 
84408489 prova-portugues
84408489 prova-portugues84408489 prova-portugues
84408489 prova-portugues
 
84408489 prova-portugues
84408489 prova-portugues84408489 prova-portugues
84408489 prova-portugues
 
Listagem de maternidade para a mamãe
Listagem de maternidade para a mamãeListagem de maternidade para a mamãe
Listagem de maternidade para a mamãe
 
Verbos
VerbosVerbos
Verbos
 
áFrica 2010 textos - atividades conclusão
áFrica 2010    textos - atividades conclusãoáFrica 2010    textos - atividades conclusão
áFrica 2010 textos - atividades conclusão
 
A épica medieval portuguesa
A épica medieval portuguesaA épica medieval portuguesa
A épica medieval portuguesa
 
Declaração da onu
Declaração da onuDeclaração da onu
Declaração da onu
 
A reforma ortográfica slides
A reforma ortográfica   slidesA reforma ortográfica   slides
A reforma ortográfica slides
 
Concordância 9º-ano-2012-português1
Concordância 9º-ano-2012-português1Concordância 9º-ano-2012-português1
Concordância 9º-ano-2012-português1
 
Concordância 9º-ano-2012-português1
Concordância 9º-ano-2012-português1Concordância 9º-ano-2012-português1
Concordância 9º-ano-2012-português1
 

Último

Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 

Último (20)

Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 

A literatura e o mundo

  • 1. 1 Colégio Pedro II – Unidade Escolar Realengo Literatura: uma introdução Professor(a): .................................................................. Aluno(a): ........................................................................ Série: ............ Turma: .............. Data: ...../....../........ Para uma reflexão sobre a literatura, vamos proceder à leitura de um texto de Rildo Cosson, “A literatura e o mundo”. Logo em seguida, leremos um conto de Guimarães Rosa, “Fita-Verde no cabelo”. A literatura e o mundo A literatura corresponde a uma necessidade universal que deve ser satisfeita sob pena de mutilar a personalidade, porque pelo fato de dar forma aos sentimentos e à visão de mundo ela nos organiza, nos liberta do caos e portanto nos humaniza. Negar a fruição da literatura é mutilar a nossa humanidade. Antonio Candido, O direito à literatura (1995). Gosto da idéia de que nosso corpo é a soma de vários outros corpos. Ao corpo físico, somam-se um corpo linguagem, um corpo sentimento, um corpo imaginário, um corpo profissional e assim por diante. Somos a mistura de todos esses corpos, e é essa mistura que nos faz humanos. As diferenças que temos em relação aos outros devem-se à maneira como exercitamos esses diferentes corpos. Do mesmo modo que atrofiaremos o corpo físico se não o exercitarmos, também atrofiaremos nossos outros corpos por falta de atividade. Nesse sentido, o nosso corpo linguagem funciona de uma maneira especial. Todos nós exercitamos a linguagem de muitos e variados modos em toda a nossa vida, de tal modo que o nosso mundo é aquilo que ela nos permite dizer, isto é, a matéria constitutiva do mundo é, antes de mais nada, a linguagem que o expressa. E constituímos o mundo basicamente por meio das palavras. No princípio e sempre é o verbo que faz o mundo ser mundo para todos nós, até porque a palavra é a mais definitiva e definidora das criações do homem. Como bem diz o pensamento popular, se uma imagem vale por mil palavras, mesmo assim é preciso usar a língua para traduzir as imagens e afirmar esse valor. É por isso também que as usamos para dizer que não temos palavras para expressar um pensamento ou um sentimento. Em síntese, nosso corpo linguagem é feito das palavras com que o exercitamos, quanto mais eu uso a língua, maior é o meu corpo linguagem e, por extensão, maior é o meu mundo. E de onde vêm as palavras que alimentam e exercitam o corpo da linguagem? Aqui outra particularidade do nosso corpo linguagem. As palavras vêm da sociedade de que faço parte e não são de ninguém. Para adquiri-las basta viver em uma sociedade humana. Ao usar as palavras, eu as faço minhas do mesmo modo que você, usando as mesmas palavras, as faz suas. É por esse uso, simultaneamente individual e coletivo, que as palavras se modificam, se dividem e se multiplicam, vestindo de sentido o fazer humano. Em uma sociedade letrada como a nossa, as possibilidades de exercício do corpo linguagem pelo uso das palavras são inumeráveis. Há, entretanto, uma que ocupa lugar central. Trata-se da escrita. Praticamente todas as transações humanas de nossa sociedade letrada passam, de uma maneira ou de outra, pela escrita, mesmo aquelas que aparentemente são orais ou imagéticas. É assim com o jornal televisionado com o locutor que lê um texto escrito. É assim com práticas culturais de origem oral como a literatura de cordel, cujos versos são registrados nos folhetos para serem vendidos nas feiras. Também a tela do computador está repleta de palavras e os video games cheios de imagens não dispensam as instruções escritas. Essa primazia da escrita se dá porque é por meio dela que armazenamos nossos saberes, organizamos nossa sociedade e nos libertamos dos limites impostos pelo tempo e pelo espaço. [...] O corpo linguagem, o corpo palavra, o corpo escrita encontra na literatura seu mais perfeito exercício. A literatura não apenas tem a palavra em sua constituição material, como também a escrita é seu veículo predominante. A prática da literatura, seja pela leitura, seja pela escritura, consiste exatamente em uma exploração das potencialidades da linguagem, da palavra e da escrita, que não tem paralelo em outra atividade humana. Por essa exploração, o dizer o mundo (re)construído pela força da palavra, que é a
  • 2. 2 literatura, revela-se como uma prática fundamental para a constituição de um sujeito da escrita. Em outras palavras, é no exercício da leitura e da escrita de textos literários que se desvela a arbitrariedade das regras impostas pelos discursos padronizados da sociedade letrada e se constrói um modo próprio de se fazer dono da linguagem que, sendo minha, é também de todos. Isso ocorre porque a literatura é plena de saberes sobre o homem e sobre o mundo. [...] Na leitura e na escritura do texto literário encontramos o senso de nós mesmos e da comunidade a que pertencemos. A literatura nos diz o que somos e nos incentiva a desejar expressar o mundo por nós mesmos. E isso se dá porque a literatura é uma experiência a ser realizada. É mais que um conhecimento a ser reelaborado, ela é a incorporação do outro em mim sem a renúncia da minha identidade. No exercício da literatura, podemos ser outros, podemos viver como os outros, podemos romper os limites do tempo e do espaço de nossa experiência e, ainda assim, sermos nós mesmos. É por isso que interiorizamos com mais intensidade as verdades dadas pela poesia e pela ficção. A experiência literária não só nos permite saber da vida por meio da experiência do outro, como também vivenciar essa experiência. Ou seja, a ficção feita palavra na narrativa e a palavra feita matéria na poesia são processos formativos tanto da linguagem quanto do leitor e do escritor. Uma e outra permitem que se diga o que não sabemos expressar e nos falam de maneira mais precisa o que queremos dizer ao mundo, assim como nos dizer a nós mesmos. [...] (COSSON, Rildo. Letramento literário: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2007, p. 15-17) F i t a - V e r d e n o c a b e l o ( N o v a v e l h a e s t ó r i a ) Havia uma aldeia em algum lugar, nem maior nem menor, com velhos e velhas que velhavam, homens e mulheres que esperavam, e meninos e meninas que nasciam e cresciam. Todos com juízo, suficientemente, menos uma meninazinha, a que por enquanto. Aquela, um dia, saiu de lá, com uma fita verde inventada no cabelo. Sua mãe mandara-a, com um cesto e um pote, à avó, que a amava, a uma outra e quase igualzinha aldeia. Fita-Verde partiu, sobre logo, ela a linda, tudo era uma vez. O pote continha um doce em calda, e o cesto estava vazio, que para buscar framboesas. Daí, que, indo, no atravessar o bosque, viu só os lenhadores, que por lá lenhavam; mas o lobo nenhum, desconhecido nem peludo. Pois os lenhadores tinham exterminado o lobo. Então, ela, mesma, era quem se dizia: – “Vou à vovó, com cesto e pote, e a fita verde no cabelo, o tanto que a mamãe me mandou”. A aldeia e a casa esperando-a acolá, depois daquele moinho, que a gente pensa que vê, e das horas, que a gente não vê que não são. E ela mesma resolveu escolher tomar este caminho de cá, louco e longo, e não o outro, encurtoso. Saiu, atrás de suas asas ligeiras, sua sombra também vindo-lhe correndo, em pós. Divertia-se com ver as avelãs do chão não voarem, com inalcançar essas borboletas nunca em buquê nem em botão, e com ignorar se cada uma em seu lugar as plebeiinhas flores, princesinhas e incomuns, quando a gente tanto por elas passa. Vinha sobejadamente. Demorou, para dar com a avó em casa, que assim lhe respondeu, quando ela, toque, toque, bateu: – “Quem é?” – “Sou eu...” – e Fita-Verde descansou a voz. – “Sou sua linda netinha, com cesto e pote, com a fita verde no cabelo, que a mamãe me mandou.” Vai, a avó, difícil, disse: – “Puxa o ferrolho de pau da porta, entra e abre. Deus te abençoe.” Fita-Verde assim fez, e entrou e olhou. A avó estava na cama, rebuçada e só. Devia, para falar agagado e fraco e rouco, assim, de ter apanhado um ruim defluxo. Dizendo: – “Depõe o pote e o cesto na arca, e vem para perto de mim, enquanto é tempo.” Mas agora Fita-Verde se espantava, além de entristecer-se de ver que perdera em caminho sua grande fita verde no cabelo atada; e estava suada, com enorme fome de almoço. Ela perguntou: – “Vovozinha, que braços tão magros, os seus, e que mãos tão trementes!” – “É porque não vou poder nunca mais te abraçar, minha neta...” – a avó murmurou. – “Vovozinha, mas que lábios, aí, tão arroxeados!” – “É porque não vou nunca mais poder te beijar, minha neta...” – a avó suspirou. – “Vovozinha, e que olhos tão fundos e parados, nesse rosto encovado, pálido?” – “É porque já não te estou vendo, nunca mais, minha netinha...” – a avó ainda gemeu. Fita-Verde mais se assustou, como se fosse ter juízo pela primeira vez. Gritou: – “Vovozinha, eu tenho medo do Lobo!...” Mas a avó não estava mais lá, sendo que demasiado ausente, a não ser pelo frio, triste e tão repentino corpo. (ROSA, João Guimarães. Ave palavra. In: Ficção completa, v. 2. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994, p. 981-982.)
  • 3. 3 O primeiro texto fala sobre o papel formador da literatura. Já o segundo narra, de forma simbólica, como a leitura das obras pode afetar o imaginário das pessoas. Passemos a um segundo momento, no intuito de resgatar essas relações. 1. O texto “A literatura e o mundo” apresenta, em seu primeiro parágrafo, uma concepção metafórica do ser humano. Escreva essa concepção em palavras próprias. ________________________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________ 2. No segundo parágrafo, é estabelecida uma relação entre mundo e linguagem, por meio das palavras. De que forma as palavras constituem o mundo? ________________________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________ 3. No terceiro parágrafo são apontadas relações entre linguagem e sociedade. De que forma isso se relaciona com a noção de cultura estudada anteriormente? ________________________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________ 4. Releia o quarto parágrafo. De que modo a linguagem atua como elemento que impulsiona a cultura? ________________________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________ 5. Nos três últimos parágrafos, o autor se detém na exposição da importância da literatura para o exercício da linguagem, na vida em sociedade. Destaque no texto um trecho em que essa posição se evidencia com clareza, comentando-o em seguida. ________________________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________ 6. A narrativa “Fita-Verde no cabelo” alude, logo no início, à saga de Dom Quixote. Assinale dois trechos do texto em que se verifica essa alusão. Que função a presença dessa personagem exerce na narrativa? ________________________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________ 7. O que a Fita Verde simboliza? Que outra história está sendo retomada na narrativa? Justifique. ________________________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________ 8. Como se explicaria a escolha pela menina do caminho “louco e longo”? ________________________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________ 9. No trajeto para a casa da avó, a menina perde a Fita Verde? O que essa perda simboliza? Que relação há entre essa perda e o choque ante a morte da avó? ________________________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________ 10. Relacione a defesa da literatura feita no primeiro texto à experiência vivida pela personagem Fita-Verde. ________________________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________ 11. Pode-se pensar no conto “Fita-Verde no cabelo” como uma paródia do conto de fadas Chapeuzinho Vermelho. Que elementos da história justificam essa leitura? ________________________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________