CURSO DE LETRAS 
 
 
 
 
 
Ronei Alexandre Fraga da Cruz 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
A REPRESENTAÇÃO DA CAPOEIRA NOS ROMANCES...
Santa Cruz do Sul 
 2013 
Ronei Alexandre Fraga da Cruz 
 
 
  
 
 
 
 
 
 
 
A REPRESENTAÇÃO DA CAPOEIRA NOS ROMANCES  
O...
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Dedico este trabalho aos grandes mestres de capoeira do                 
passado, pois eles a mantiveram firme e lutaram p...
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
"Não podemos esquecer, nem nos afastarmos, dos três               
"ERRES" da capoeira! Capoeira é uma palavra estranha,...
 
 
 
 
 
 
 
   
RESUMO 
 
 
A presente monografia busca esclarecer a origem e o surgimento das maltas de capoeira, dos                    ...
 
LISTA DE FIGURAS 
 
FIGURA 1­ Mestre Pastinha e Jorge Amado 
 
FIGURA 2: Vicente Ferreira Pastinha­Mestre Pastinha 
 
FI...
 
   
 
INTRODUÇÃO 
 
Este é um trabalho sobre a representação da capoeira nos romances O cortiço, de Aluísio                   ...
da sociedade. Tomando por base esses aspectos, pesquisadores relatam episódios em que                       
praticantes d...
 
 
 
 
1 A CAPOEIRA NO BRASIL 
 
A escravidão no mundo foi uma das maiores manchas na história da humanidade, sempre     ...
O imigrante português Plácido de Abreu, citado por Soares, deu sua própria versão sobre o                             
ber...
misticismo, integrada à cultura negra e praticada pelas camadas sociais marginalizadas. Já a capoeira                     ...
oponentes momentaneamente para que dessa forma obtivesse vantagem na busca das matas e dos                           
quil...
parte foi destacada para o Rio Grande do Sul. A outra parte, dividida em três batalhões de                                ...
 
 
Soares (2002, p. 36) esclarece que, apesar de o termo “capoeira” nunca ter aparecido no                             
r...
presos e deportados para Fernando de Noronha, onde fariam trabalhos forçados. Acabando assim                         
com ...
 
Vicente Ferreira Pastinha­Mestre Pastinha 
Fonte: Disponível em: http://mestrandakodak.blogspot.com.br/2011/04/mestre­pa...
mundo afora. A ligação do candomblé e da capoeira, um dos grandes mitos, afirma Waldeloir Rego                            ...
A capoeira também foi explorada nas artes plásticas, conforme Ferreira (2013, p. 2) que                           
nos apr...
Figura 6 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Óleo sobre tela de Johann Moritz Rugendas intitulada Jogar capoëra ­ Danse de la guerre (1835)...
 
 
Figura 8 
 
Joueur d'Uruncungo (Debret – 1826) 
 
Conforme Sodré, citado por Ferreira (2013, p. 7), temos uma descriçã...
 
Jogando Capoeira, obra de Heitor dos Prazeres 
Fonte disponível em: < http://mestreananias.blogspot.com.br/search?q=heit...
 
 
Na atualidade, a capoeira ainda é vista com algumas ressalvas pela sociedade, mas a grande                            ...
Com a obra O cortiço, Aluísio Azevedo ganhou destaque na literatura e conforme Rodrigo                           
Otávio, ...
desempenha papel essencial, como explicação dos comportamentos transgressivos,               
como combustível das paixões...
Nesse romance a capoeira foi representada através das maltas existentes nas favelas da                         
época, cha...
maracajá: era a força nervosa; era o arrebatamento que tudo desbarata no sobressalto                         
do primeiro ...
Na emboscada, mestre Firmo sucumbe ao trato agressivo que sofre, pois quando se deu                           
conta já ha...
desdenhosos de aceitar o auxílio de um sinistro e dispostos até a socorrer o inimigo,                             
se assi...
como no outro, não se aproveitam de situações, como no caso do incêndio, para dar fim ao grupo                            ...
para o teatro, rádio e cinema, também tiveram exemplares em braille e em fitas gravadas para                              ...
relação à sociedade, por eles odiada. Mas isso não acontece no romance. O                         
sentimentalismo do auto...
No fim da tarde, quando as luzes se acendiam na cidade e os homens abandonavam o                               
trabalho, ...
resultado é que, quando pensava ter seguro o chefe da malta, o jardineiro recebeu uma punhalada                           ...
No romance Capitães da areia, os meninos têm uma visão social segundo a qual acham                             
que rouban...
A representação da capoeira nos romances o cortiço e capitães da areia
A representação da capoeira nos romances o cortiço e capitães da areia
A representação da capoeira nos romances o cortiço e capitães da areia
A representação da capoeira nos romances o cortiço e capitães da areia
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A representação da capoeira nos romances o cortiço e capitães da areia

2.633 visualizações

Publicada em

MONOGRAFIA do 3º Sgt RONEI, do Corpo de Bombeiros de Santa Cruz do Sul, no Curso de LICIÊNCIATURA EM LETRAS.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.633
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A representação da capoeira nos romances o cortiço e capitães da areia

  1. 1.       CURSO DE LETRAS            Ronei Alexandre Fraga da Cruz                    A REPRESENTAÇÃO DA CAPOEIRA NOS ROMANCES   O CORTIÇO E CAPITÃES DA AREIA                                 
  2. 2. Santa Cruz do Sul   2013  Ronei Alexandre Fraga da Cruz                       A REPRESENTAÇÃO DA CAPOEIRA NOS ROMANCES   O CORTIÇO E CAPITÃES DA AREIA                        Monografia apresentada ao curso de Letras da              Universidade de Santa Cruz do Sul como tarefa                integrante da disciplina de Monografia II.    Orientador: Prof. Dr. Norberto Perkoski                                Santa Cruz do Sul   2013 
  3. 3.                                                                                            
  4. 4. Dedico este trabalho aos grandes mestres de capoeira do                  passado, pois eles a mantiveram firme e lutaram por sua                    liberdade em tempos de escuridão humana.       AGRADECIMENTOS      Agradeço à minha família por entender os momentos em que não estive presente e pelas                              horas em que me ouviram em longas explanações sobre o tema. Em especial agradeço à minha                                esposa Marilene, pela atenção redobrada para comigo.   Agradeço também ao professor Dr. Carlos Renê Ayres, pelo apoio e pela compreensão em                            valorizar este trabalho que tem um tema mesclado com a literatura, e por vezes me incentivando de                                  uma forma especial.  Ao professor Ms. Elenor Schneider, agradeço pelas dicas e pela paciência que teve comigo,                            ainda pelo empréstimo pessoal de uma de suas obras, enriquecendo meu trabalho e aumentando                            minhas fontes de pesquisa.  Em especial, quero agradecer ao meu orientador e mentor, professor Dr. Norberto                        Perkoski, por todas as horas disponibilizadas comigo, pela indicação, pela paciência, pelas broncas,                          pelas discussões e também pela compreensão em um tema tão controverso.                                       
  5. 5.                                                                                                
  6. 6.   "Não podemos esquecer, nem nos afastarmos, dos três                "ERRES" da capoeira! Capoeira é uma palavra estranha, que                  se escreve com um "rê" suave e se pratica com três "erres"                        fortes: O primeiro é o RITMO, o segundo o RITUAL, o                      terceiro RESPEITO, sem os quais não se joga Capoeira!"  (Dr. Ângelo Augusto Decânio Filho, mestre Decânio)  SUMÁRIO  RESUMO/ABSTRACT6  INTRODUÇÃO8 1 A CAPOEIRA NO BRASIL10 2 A CAPOEIRA NO ROMANCE O CORTIÇO24  3 A CAPOEIRA NO ROMANCE CAPITÃES DA AREIA31 CONCLUSÃO36 REFERÊNCIAS38                    
  7. 7.                  
  8. 8. RESUMO      A presente monografia busca esclarecer a origem e o surgimento das maltas de capoeira, dos                              capoeiristas e suas representações nos romances O cortiço, de Aluísio Azevedo e Capitães da                            areia, de Jorge Amado. Através da perspectiva dos autores, destaca as características da capoeira                            e as consequências que advêm de sua prática.      Palavras­chave: Capoeira. Maltas. O cortiço. Capitães da areia.          ABSTRACT      This monograph attempts to clarify the origin and emergence of capoeira groups, capoeira players                            and their representations on the novels O cortiço, by Aluisio Azevedo and Capitães da areia by                                Jorge Amado. Through the perspective of the authors we aim to highlight the characteristics of                              capoeira and the consequences that comes with that practice.    Keywords: Capoeira. Groups. O cortiço. Capitães da areia.                               
  9. 9.   LISTA DE FIGURAS    FIGURA 1­ Mestre Pastinha e Jorge Amado    FIGURA 2: Vicente Ferreira Pastinha­Mestre Pastinha    FIGURA 3: Manoel dos Reis Machado­Mestre Bimba    FIGURA 4: Os negros lutando na aquarela de Augustus Earle    FIGURA 5: Gravura de Johann Moritz Rugendas intitulada San­Salvador    FIGURA 6: Óleo sobre tela de Johann Moritz Rugendas intitulada Jogar capoëra ­ Danse de la                                guerre (1835)    FIGURA 7: (Debret – 1824)    FIGURA 8: Joueur d'Uruncungo (Debret – 1826)    FIGURA 9: Jogando Capoeira, obra de Heitor dos Prazeres                       
  10. 10.      
  11. 11.   INTRODUÇÃO    Este é um trabalho sobre a representação da capoeira nos romances O cortiço, de Aluísio                              Azevedo, e Capitães da areia, de Jorge Amado, e me foi sugerido pelo titular da disciplina de                                  Literaturas de Língua Portuguesa, professor Dr. Norberto Perkoski, por conhecer um pouco da                          minha história e da minha trajetória na capoeira.  Pratico essa arte brasileira há dezessete anos e descobrir fatos que aumentem meus                          conhecimentos e me ajudem a entender melhor essa manifestação afrodescendente sempre foi um                          dos maiores objetivos como aluno e mestre de capoeira. Comecei a desenvolver gosto por essa arte                                e notei que, para ser um bom mestre, precisaria ter um conhecimento dos aspectos históricos que                                levaram os negros a criarem essa luta que surgiu por uma busca desesperadora pela autodefesa e                                pela liberdade.  Após a leitura dos romances, e influenciado pelo professor, fui instigado e senti a                            necessidade de pesquisar e conhecer melhor a arte que pratico, pois informações adquiridas até                            hoje me foram passadas por mestres antigos que, sem cultura acadêmica, repassaram seus                          conhecimentos de forma oral e sem confirmações históricas.  A capoeira durante muitos anos foi vista com ressalvas pela sociedade, seus registros no                            passado, marcados por lutas e muita violência, a deixaram com cicatrizes e com histórico sombrio                              não muito confiável. Com o trabalho desenvolvido por mestres antigos, consolidada através de                          reconhecimento social e pela aceitação da cultura negra no Brasil, hoje ela é considerada como uma                                prática socioeducativa e de inclusão social, lúdica e desportiva para crianças, adolescentes e                          adultos.   A capoeira no Brasil surgiu como uma esperança de liberdade para os negros escravos e                              com o passar do tempo foi buscando sua própria identidade cultural no mundo globalizado. O                              negro, por questões de necessidade, usou a capoeira como uma atividade libertadora, marcando a                            história do Brasil e a sua própria.   As dificuldades do passado somadas à ignorância de governantes destruíram provas que                        mencionassem seu surgimento, causando discussões entre especialistas e historiadores. A criação e                        o preconceito acerca da capoeira são pontos discutidos nesta monografia.  Mesmo com a libertação dos escravos, os preconceitos sociais e raciais se mantiveram. Os                            negros se viram obrigados a criar maltas de capoeira, que seriam grupos organizados de excluídos                             
  12. 12. da sociedade. Tomando por base esses aspectos, pesquisadores relatam episódios em que                        praticantes da capoeira dela se utilizaram para sobreviver.  Para o enfoque do tema em pauta, serão estudados, no primeiro capítulo, aspectos                          históricos e sociais da capoeira no Brasil e, nos capítulos seguintes, a capoeira será analisada em                                dois romances representativos da literatura brasileira: O cortiço, de Aluísio Azevedo, e Capitães da                            areia, de Jorge Amado. Através da análise dos romances é feita uma abordagem da capoeira e de                                  seus praticantes com suas condutas e desvios e o que isso pode representar para o enredo das                                  obras e para as personagens.  A representação da capoeira nas obras O cortiço, de Aluísio Azevedo e Capitães da                            areia, de Jorge Amado é o tema desta monografia que se encontra presente na linha de pesquisa do                                    Departamento de Letras da Universidade de Santa Cruz do Sul, Texto, Subjetividade e Memória,                            cujo objetivo é a articulação da leitura e de processos cognitivos, relacionando­a com a                            subjetividade e a memória, através dos vínculos com o autoconhecimento, o imaginário, a emoção e                              os resgates de leitura.                                     
  13. 13.         1 A CAPOEIRA NO BRASIL    A escravidão no mundo foi uma das maiores manchas na história da humanidade, sempre                            justificada por lucros, razões religiosas, superioridade racial e cultural dos povos escravizadores. No                          Brasil colonial, houve o tráfico de negros para cultivar nossas terras, e a partir dessa política                                escravagista a capoeira surgiu como uma esperança de liberdade pelos escravos. Quanto à origem                            desse escravo vindo do continente africano, há um consenso entre os historiadores:  Um ponto de vista é quase uniforme entre historiadores, no que concerne à hipótese                            de terem vindo de Angola os primeiros escravos, assim como ser de lá a maior safra                                de negros importados. Angola era o centro mais importante da época e atrás dela,                            querendo tirar­lhe a hegemonia, estava Benguela. Angola foi para o Brasil o que o                            oxigênio é para os seres vivos e segundo Taunay, em uma consulta de 23 de janeiro                                de 1657, os conselheiros da rainha regente, viúva de D. João IV e também membros                              do Conselho da Fazenda diziam que Angola era o nervo das fábricas do Brasil.                            (REGO, 1968, p. 15)      A origem da capoeira, ainda muito discutida pelos estudiosos, é uma incógnita, no entanto                            alguns historiadores e africanistas mantêm uma linha de raciocínio muito semelhante quanto aos                          primórdios da capoeira.  Waldeloir Rego (1968, p. 30) comenta que existe uma tendência muito forte por parte                            desses especialistas, tomando como base poucos e raros documentos conhecidos, a considerar a                          capoeira como inventada no Brasil por africanos e desenvolvida por afro­brasileiros de acordo com                            uma série de fatores colhidos nesses documentos escritos e, sobretudo, em diálogos com                          capoeiristas antigos que viveram na época em que realizou seu estudo, Capoeira Angola: ensaio                            sócio­etnográfico.  No entanto, de acordo com Carlos Eugênio Líbano Soares, citado por Almeida e Pimenta                              (2009, p. 14), não existe nenhum registro documental confiável sobre a gênese da capoeira nos                              quilombos; assim, não se pode afirmar que a capoeira veio do continente africano ou se nasceu no                                  Brasil colonial. A ausência de registros sobre a chegada dos primeiros escravos ao Brasil deixa                              grandes lacunas sobre quando e como a capoeira nasceu de fato no país. 
  14. 14. O imigrante português Plácido de Abreu, citado por Soares, deu sua própria versão sobre o                              berço da capoeiragem, versão esta que fez escola:   É um trabalho difícil estudar a capoeiragem desde a primitiva, porque não é bem                            conhecida sua origem. Uns atribuem­na aos pretos africanos, o que julgo um erro,                          pelo simples fato que na África não é conhecida a nossa capoeiragem, e sim algumas                              sortes de cabeça. Aos nossos índios também não se pode atribuir porque apesar de                            possuírem a ligeireza que caracteriza os capoeiras, contudo não conhecem os meios                        que estes empregam para o ataque e a defesa. O mais racional é que a capoeiragem                                criou­se, desenvolveu­se e aperfeiçoou­se entre nós. (SOARES, 2002, p. 40, grifo do                        autor)      Também Luiz Edmundo, citado por Soares (2002, p. 46), coloca­se defensor da raiz                          brasileira da capoeira, nem europeia nem africana. Para ele, a capoeira seria um produto do gênio                                mestiço brasileiro, um ser violento, visceral, mas capaz de lidar com a adversidade.  Através de um estudo etimológico, a palavra “capoeira” tem origem, segundo José de                          Alencar, citado por Rego (1968, p. 17) em 1865, na primeira edição de Iracema, repetida em                                1870, em O gaúcho, e sacramentada em 1878, na terceira edição de Iracema. José de Alencar                                traduz o vocábulo tupi caa­apuam­era como “ilha de mato já cortado”.  Gerhard Kubik, da Universidade de Viena, especialista em assuntos africanos, segundo                      Almeida e Pimenta (2009, p. 14) diz não existir vestígio de algo semelhante à capoeira na África. A                                    expressão “capoeira angola”, que no futuro define um dos estilos da luta, é uma criação brasileira.  Há outro aspecto a ser esclarecido: embora alguns historiadores enfatizem serem de Angola                          os primeiros negros aqui chegados e, sobretudo, falam em capoeira angola, conforme declara                          Waldeloir Rego (1968, p. 30) sabe­se que ao fazer esta referência querem distingui­la da capoeira                              regional.   Entretanto, mantém­se uma forte discussão sobre os supostos “estilos de capoeira” Vieira                        (1995, p. 86) comenta a utilização das expressões “capoeira angola” e “capoeira regional”,                          procurando evitar a confusão normalmente estabelecida entre os dois tipos de jogos e estilos                            existentes na atualidade.  Vieira (1995, p. 87) afirma que geralmente é estabelecido um corte que separa a capoeira                              “moderna”, chamada de capoeira regional, de sua vertente “tradicional” denominada capoeira                      angola. Existe uma abordagem que trata a capoeira regional como uma forma “descaracterizada” da                            capoeira original, mas na realidade isso não acontece na prática.   De uma forma simples, Vieira (1995, p. 87­88) consegue apresentar a capoeira angola                          como original, tradicional, de jogo baixo e lento, recreativa e maliciosa, envolta de religiosidade e                             
  15. 15. misticismo, integrada à cultura negra e praticada pelas camadas sociais marginalizadas. Já a capoeira                            regional é apresentada como descaracterizada, moderna, de jogo alto e rápido, agressiva e sem                            malícia, secularizada e isenta de símbolos religiosos, expressão da dominação branca e praticada                          pelas camadas sociais médias e superiores.  De conhecimento de fatos da história da humanidade, Silva (1995, p. 9) esclarece que se                              sabe da destruição de muitas coisas no passado da civilização, desde artefatos, documentos                          sigilosos até bibliotecas inteiras. A biblioteca de Alexandria, por exemplo, que reuniu mais de 700                              mil volumes, foi destruída parte pelos romanos de César em 45 a.C. e parte pelos muçulmanos em                                  641 a.C.. Houve destruição também na China, em 240 a.C., em Roma no século III, no México,                                  Peru e Espanha, no século XVI, na Irlanda e no Egito, no século XVIII.  Aqui no Brasil não foi diferente. Com a abolição da escravatura, uma resolução de 15 de                                novembro de 1890, assinada por um dos políticos mais renomados da época, Rui Barbosa, ministro                              da Fazenda do governo do presidente Deodoro da Fonseca, ordenou a queima de toda a                              documentação referente à escravidão negra no Brasil, prestando um desserviço à nação, como                          segue:  Considerando que a nação brasileira, pelo mais sublime lance de sua evolução                        histórica, eliminou do solo da pátria a escravidão ― a instituição funestíssima que                          por tantos anos paralisou o desenvolvimento da sociedade, inficionou­lhe a                    atmosfera moral;  considerando que a República está obrigada a destruir esses vestígios por honra da                          pátria, e em homenagem aos nossos deveres de fraternidade e solidariedade para com                          a grande massa de cidadãos que pela abolição do elemento servil entraram na                          comunhão brasileira;  resolve:  1.º ― Serão requisitadas de todas as tesourarias da Fazenda todos os papéis, livros e                              documentos existentes nas repartições do Ministério da Fazenda, relativos ao                    elemento servil, matrícula de escravos, dos ingênuos, filhos livres de mulher escrava                        e libertos sexagenários, que deverão ser sem demora remetidos a esta capital e                          reunidos em lugar apropriado na recebedoria.  2.º ― Uma comissão composta dos Srs. João Fernandes Clapp, presidente da                        confederação abolicionista, e do administrador da recebedoria desta capital, dirigirá a                      arrecadação dos referidos livros e papéis e procederá à queima e destruição imediata                          deles, o que se fará na casa de máquina da alfândega desta capital, pelo modo que                                mais conveniente parecer à comissão.   Capital Federal, 15 de dezembro de 1890. ― Rui Barbosa.  (REGO, 1968, p. 9­10)      O negro, através de sua trajetória de liberdade, usou a capoeira como um movimento                            libertador, marcando a sua própria história e a do Brasil. Algumas vertentes de grupos, associações                              e federações reconhecem que aqui no Brasil a capoeira surgiu como uma ânsia de liberdade do                                negro escravo. Por isso, o negro necessitava de golpes eficientes e que neutralizassem seus                           
  16. 16. oponentes momentaneamente para que dessa forma obtivesse vantagem na busca das matas e dos                            quilombos.  Em um país onde a maioria eram negros ou mulatos controlados por uma minoria branca,                              após a abolição, houve a formação de maltas de capoeira, grupos organizados para movimentos de                              rua e que seriam uma organização de excluídos da sociedade. Essas maltas de capoeira são                              referidas nos romances O cortiço, de Aluísio Azevedo, e Capitães da areia, de Jorge Amado,                              tema que será analisado no segundo capítulo desta monografia. Em ambas as obras a capoeira está                                relacionada com agressividade, marginalidade e habilidade de pessoas excluídas da sociedade,                      entretanto, para essas pessoas surge como uma forma de libertação e afirmação.  As maltas de capoeira, famosas no Rio de Janeiro, mas existentes também em Recife e                              Bahia, foram preponderantes no desenvolvimento da história e da cultura brasileira na segunda                          metade do século XIX, usadas como massas de manobra pelas elites, fizeram parte de movimentos                              políticos importantes como a guerra do Paraguai na década de 1860.  Uma narração sucinta sobre maltas e suas características é feita por Moraes Filho (2002, p.                              331), que adverte:  Navalhar à traição, deixar­se prender por dois ou três soldados e espancar a um pobre                              velho ou a uma criança, ser vagabundo e ratoneiro, nunca constituíram os                        espantosos feitos das maltas do passado, que brigavam freguesia com freguesia,                      disputavam eleições arriscadas, levavam à distância cavalaria e soldados de                    permanentes quando intervinham em conflitos de suscetibilidade comuns. O capoeira                    isolado, naqueles tempos, trabalhava, constituía família, a vadiagem lhe era proibida,                      não era gatuno, afrontava a força pública e só se entregava morto ou quase morto.       Entretanto, um aspecto histórico de grande relevância na vida funcional do capoeirista, a                          guerra do Paraguai, mencionada em muitas cantigas, sofre dúvidas:  A guerra se deu na época em que os capoeiristas estavam em pleno auge de suas                                atividades, em verdadeiro conflito com a força pública e a sociedade. Com referência                          à participação dos capoeiristas na referida guerra e as bravatas que lá fizeram, há um                              sem­número de notícias, mas que dormem o sono da lenda, em virtude de não se                              conhecer documentação concreta sobre o informe. (REGO, 1968, p. 257)      Silva (1995, p. 16), porém, afirma que muitos capoeiristas enviados para a frente de batalha                              se fizeram heróis. Citando características como sangue­frio, audácia e coragem e levando em conta                            que a guerra exigia combate corpo a corpo, quando no assalto ao forte Curuzu, muitos se                                destacaram fazendo debandar os paraguaios e até plantando ali o pavilhão nacional.  Já na guerra do Rio da Prata, o império se viu obrigado à contratação de estrangeiros para                                  aumentar seus efetivos do exército. Irlandeses, alemães e ingleses chegaram ao solo brasileiro e uma                             
  17. 17. parte foi destacada para o Rio Grande do Sul. A outra parte, dividida em três batalhões de                                  irlandeses e alemães, ficou no Rio de Janeiro. Cerca de dois mil homens descontentes com o                                governo, cometeram atos de indisciplina, gerando ordens do comandante do contingente alemão                        para castigar soldados rebelados. Neste contexto, citamos:  Basta que se tome por testemunho J. M. Pereira da Silva e se saiba que os                                sublevados, “atacados por magotes de pretos denominados capoeiras, travam com                    eles combates mortíferos. Posto que armados com espingardas, não puderam                    resistir­lhes com êxito feliz, e a pedra, a pau, à força de braços, caíram os estrangeiros                                pelas ruas e praças públicas, feridos grande parte, e bastante sem vida”.  (REGO, 1968, p. 301)      Com tudo isso, conforme Waldeloir Rego (1968, p. 294), a capoeira sofre mudanças na sua                              estrutura e passa a ter um propósito político. Em 1808, com a chegada de D. João VI, houve outros                                      rumos. Com medo e receio dos capoeiras, se fez necessário estruturar a nova polícia, e D. João VI                                    colocou no cargo uma pessoa de extrema confiança, o desembargador Paulo Fernandes Viana.  Após a criação da Secretaria de Polícia e da Guarda Real de Polícia, o intendente confiou a                                  direção ao major Miguel Nunes Vidigal, o terror dos capoeiras:  A sua pessoa era algo atemorizante. Chegava inesperadamente nos quilombos, rodas                      de samba, candomblés e fazia miséria. Aos capoeiras, que foram a sua mira principal,                            reservava um tratamento especial, uma espécie de surras e torturas a que chamava de                            Ceia dos Camarões. (REGO, 1968, p. 295)      Embora muito criticada e vista com ressalvas, a capoeira obteve uma forte exploração nas                            letras. Segundo Waldeloir Rego (1968, p. 353) pelo que se têm notícia, o documento literário mais                                antigo foi publicado por Manuel Antônio de Almeida. Ele publicou, entre 1854 e 1855, o romance                                Memórias de um sargento de milícias, em que a personagem, que também existia na vida real, foi                                  um habilidoso capoeira e o maior algoz da capoeiragem. Miguel Nunes Vidigal, o major Vidigal, foi                                tanto no romance como na vida real um dos elementos que ajudaram a acabar com as maltas e,                                    consequentemente, com os capoeiristas.  Melo Barreto Filho e Hermeto Lima, citados por Waldeloir Rego (1968, p. 295), também                            descrevem sucintamente a personalidade do major Vidigal:  Era um homem alto, gordo, do calibre de um granadeiro, moleirão, de fala abemolada,                            mas um capoeira habilidoso, de sangue frio e de uma agilidade a toda prova,                            respeitado pelos mais temíveis capangas de sua época. Jogava maravilhosamente o                      pau, a faca, o murro e a navalha, sendo que nos golpes de cabeça e de pés era um                                      todo inexcedível. Deu conta do recado, prestando os serviços desejados por D.                        Pedro I e D. Pedro II, principalmente no combate fulminante aos quilombos,                        candomblés e capoeiras, merecendo promoções várias, até quando faleceu, a 10 de                        junho de 1853, como Marechal de Campo e Cavaleiro da Imperial Ordem do Cruzeiro.                            (REGO, 1968, p. 295) 
  18. 18.     Soares (2002, p. 36) esclarece que, apesar de o termo “capoeira” nunca ter aparecido no                              romance Memórias de um sargento de milícias, as semelhanças nos levam a uma analogia,                            principalmente quando se refere a uma saraivada de “cabeçadas e pontapés”.   Também em Dialética da malandragem, Antônio Candido analisa este romance, pela                      verossimilhança que ele apresenta:  Nisto e por tudo isto, as Memórias de um sargento de milícias contrastam com a                              ficção brasileira do tempo.  Uma sociedade jovem, que procura disciplinar a                      irregularidade da sua seiva para se equiparar às velhas sociedades que lhe servem de                            modelo, desenvolve normalmente certos mecanismos ideais de contensão, que                  aparecem em todos os setores.  No campo jurídico, normas rígidas e impecavelmente                        formuladas, criando a aparência e a ilusão de uma ordem regular que não existe e que                                por isso mesmo constitui o alvo ideal. (CÂNDIDO, 1970, p. 67­89)      Devido à implantação de uma força policial para o controle dos capoeiras, uma descrição é                              feita por Holloway (1997, p. 53) em que comenta sobre grupos organizados, “maltas” ou                            “badernas”, com territórios demarcados que competiam entre si, travando batalhas e muitos atos de                            violência, mas raramente roubo. Essas maltas eram o terror da Guarda Real de Polícia, desde sua                                criação, em 1818, até a década de 1890. Seus integrantes eram presos por desordens em grupo,                                porte de arma, como navalha, e arremesso de pedras ou qualquer atividade genericamente                          denominada capoeira. Eram detidos apenas por assoviar como capoeira, sons usados por membros                          das maltas para comunicar­se entre si.   Através de planos bem articulados para controlar e extinguir as maltas, Silva (1995, p. 19)                              conta sobre um estratagema de Sampaio Ferraz, tribuno revolucionário e que exercia o cargo de                              chefe da Segurança Pública, para pegar capoeira, cercado sempre por bons capoeiristas e                          realizando assim a prisão de outros. Consistia em fazer um dos seus subordinados realizarem                            capoeiragem em frente ao suspeito visado, caso ele saltasse ou caísse em guarda, estava                            condenado. O reflexo do capoeira era uma defesa, mas, também, sua denúncia, sobretudo se                            tomado de surpresa.   Sampaio Ferraz deportou muitos capoeiras existentes no Rio de Janeiro e os capoeiristas                          fugiram para os morros, mas como afirma Luiz Edmundo, citado por Silva (1995, p. 19), “deportou                                capoeiras, mas não extinguiu a capoeiragem”.   Sérgio Luiz de Souza Vieira, citado por Almeida e Pimenta (2009, p. 24), explica que após                                a proclamação da República, em 1889, floresceu um projeto de nação branca, cristã, ocidental, de                              valores europeus e de recusa à matriz africana, que resultou na caça aos capoeiristas. Muitos foram                               
  19. 19. presos e deportados para Fernando de Noronha, onde fariam trabalhos forçados. Acabando assim                          com as maltas, a capoeira sobreviveria pela força individual dos praticantes.   Diante disso, começaram a aparecer capoeiristas que se destacaram de forma individual e                          que se tornaram ícones da capoeira no Brasil e no mundo. Um dos mais famosos mestres de                                  capoeira angola, senão o mais famoso, hoje cantado em ladainhas de capoeira no mundo todo, foi                                um grande amigo de Jorge Amado, que sempre o estimou e apreciou, e a quem se refere como                                    segue:  Mestre Vicente Pastinha tem mais de setenta anos. É um mulato pequeno, de                          assombrosa agilidade, de resistência incomum. Quando ele começa a “brincar”, a                      impressão dos assistentes é que aquele pobre velho, de carapinha branca, cairá em                          dois minutos, derrubado pelo jovem adversário ou bem pela falta de fôlego. Mas ah!                            Ledo e cego engano!, nada disso se passa. Os adversários sucedem­se, um jovem,                          outro jovem, mais outro jovem, discípulos ou colegas de Pastinha, e ele os vence a                              todos e jamais se cansa, jamais perde o fôlego, nem mesmo quando dança o “samba                              de Angola”. (AMADO, 1973, p. 169)    Figura 1                                          Mestre Pastinha e Jorge Amado  Fonte: Disponível em: http://www.capoeira­infos.org/ressources/textes/t_amado_pastinha.html  Acesso em: 15 dez. 2013      Vicente Ferreira Pastinha, ou como é conhecido, mestre Pastinha, nunca foi o melhor                          capoeirista da Bahia, segundo Waldeloir Rego, (1968, p. 270) mas sua idade bastante avançada e                              seu devotamento à capoeira era algo fora do comum fazendo­o conhecido e famoso.  Figura 2 
  20. 20.   Vicente Ferreira Pastinha­Mestre Pastinha  Fonte: Disponível em: http://mestrandakodak.blogspot.com.br/2011/04/mestre­pastinha.html   Acesso em: 15 dez. 2013.  Outro de igual fama e de grande respeito no mundo da capoeira é Manoel dos Reis                                Machado, o mestre Bimba. Conforme Waldeloir Rego (1968, p. 315), foi o grande pioneiro e                              também o responsável pela criação da capoeira regional, aproveitando o crescimento cultural e                          menor pressão por parte do governo da época. Bimba consegue oficializar a capoeira regional em                              1937 como instrumento de educação física e recebe certificado da então Secretaria da Educação                            para uso na sua academia.  Figura 3    Manoel dos Reis Machado­Mestre Bimba  Fonte disponível em: http://esquiva.wordpress.com/mestres/mestre­bimba/  Acesso em: 15 dez. 2013.    Com tudo isso e com passar dos tempos, a capoeira foi se desenvolvendo e criando raízes                                fora do circuito Rio de Janeiro, Recife e Bahia. Começou a ser divulgada e trabalhada em outros                                  estados e fora do Brasil. Com a disseminação fora deste eixo, a capoeira levou seus mitos e lendas                                   
  21. 21. mundo afora. A ligação do candomblé e da capoeira, um dos grandes mitos, afirma Waldeloir Rego                                (1968, p. 38), independe uma da outra. O jogo da capoeira para ser executado não tem                                dependência do candomblé e vice­versa:  Apesar de nas cantigas de capoeira se falar em mandinga, mandingueiro, usar­se                        palavras e composições em línguas bunda e nagô e também a capoeira se iniciar com                              o que os capoeiristas chamam de mandinga, nada existe de religioso. O que existe                            vem por vias indiretas. (REGO, 1968, p. 38)      Ainda nas letras, em um de seus artigos escritos para a seção “Balas de Estalo” da                                “Gazeta de Notícias”, entre 1883 a 1885, sob o pseudônimo de Lélio, Machado de Assis                              comenta o pavor que os capoeiristas causavam na época na cidade do Rio de Janeiro:  Vamos, porém, à droga, e comecemos por dizer que estou em desacordo com todos                            os meus contemporâneos, relativamente ao motivo que leva capoeira a plantar                      facadas em nossas barrigas. Diz­se que é o gosto de fazer mal, de mostrar agilidade e                                valor, opinião unânime e respeitada como um dogma. Ninguém vê que é                        simplesmente absurda. Com efeito, não duvido que um ou outro, excepcionalmente,                      nutra essa perversão de entranhas; mas a natureza humana não comporta a extensão                          de tais sentimentos. Não é crível que tamanho número de pessoas se divirtam em                            rasgar o ventre alheio, só para fazer alguma coisa. Não se trata de vivissecção, em                              que um certo abuso, por maior que seja, é sempre científico, e com o qual, só padece                                  cachorro, que não é gente, como se sabe. Mas como admitir tal coisa com homem e                                fora do gabinete? Bastou­me fazer esta reflexão, para descobrir a causa das facadas                          anônimas e adventícias, e logo o medicamento apropriado. [...] Recorre à navalha,                        espalha facadas, certo de que os jornais darão notícias das suas façanhas e                          divulgarão os nomes de alguns.  (MACHADO DE ASSIS, 1962, p. 216)      Outro autor muito prestigiado no Brasil e fora dele, Jorge Amado (1973, p. 169) lança, em                                1945, Bahia de Todos os Santos, uma obra, ou como ele mesmo descreve, guia das ruas e dos                                    mistérios da cidade do Salvador. Em uma crônica chamada Capoeiras e Capoeiristas, ele faz                            referências ao mestre Pastinha, mestre Bimba, mestre Traíra, mestre Waldemar, entre outros, e                          descreve escolas de capoeira e lugares onde era praticada.  Aluísio Azevedo e Jorge Amado também apresentaram suas obras, O cortiço e Capitães                          da areia, em que a capoeira e as maltas de capoeira são exploradas.  Waldeloir Rego (1968, p. 354­358) nos aponta muitos outros autores, que realizaram                        trabalhos referentes à capoeira. Entre eles podemos citar: Alexandre José de Melo Moraes Filho                            com sua obra Festas e tradições populares do Brasil, Manuel Raimundo Querino com Bahia de                              outrora, Henrique Maximiniano Coelho Neto com Bazar, Viriato Correia com sua crônica Casa de                            Belchior, Odorico Montenegro Tavares da Silva com Bahia/Imagens da terra e do povo e                            Gilberto Amado com seu livro de memórias, Minha formação no Recife. 
  22. 22. A capoeira também foi explorada nas artes plásticas, conforme Ferreira (2013, p. 2) que                            nos apresenta uma imagem datada entre 1821 e 1823, e que foi uma das mais antigas produzidas                                  pelo pintor e desenhista inglês Augustus Earle, uma aquarela sobre papel intitulada Negroes fighting                            Brasils.  Figura 4    Os negros lutando na aquarela de Augustus Earle.    Outro artista que explorou e também reproduziu obras sobre a capoeira, de acordo com                            Ferreira (2013, p. 4) foi o pintor alemão Johann Moritz Rugendas, quando em 1821, veio como                                membro da expedição do Barão de Langsdorff, cientista e diplomata russo. Com sua gravura                            intitulada San­Salvador, destaca a ligação da prática de corpo com o local descampado, enquanto                            na segunda obra a capoeira não acontece dentro da mata, mas perto de uma residência.    Figura 5    Gravura de Johann Moritz Rugendas intitulada San­Salvador.     
  23. 23. Figura 6                    Óleo sobre tela de Johann Moritz Rugendas intitulada Jogar capoëra ­ Danse de la guerre (1835)      Também o pintor e desenhista francês Jean­Baptiste Debret, conforme Ferreira (2013, p.                        4), que participou da missão artística francesa que veio ao Brasil em 1816, demonstra o berimbau,                                um instrumento conhecido no Brasil e usado por vendedores ambulantes na época, porém não                            estava associado à capoeiragem.    Figura 7    (Debret – 1824) 
  24. 24.     Figura 8    Joueur d'Uruncungo (Debret – 1826)    Conforme Sodré, citado por Ferreira (2013, p. 7), temos uma descrição detalhada sobre o                            instrumento berimbau, como segue:  O berimbau – arco de madeira com um arame ou fio de aço estendido entre                              duas extremidades (sobre o qual se comprime uma moeda ou dobrão e se                          percute com uma vareta) e com uma cabaça, como dispositivo de ressonância,                        na base – possivelmente foi trazido da África para o Brasil por ambulantes,                          que o utilizavam para atrair a atenção dos fregueses. Mas é um instrumento de                            presença registrada em várias partes do mundo. Em Cuba, era vinculado a                        cultos de origem africana, sob o nome de “burubumba”. Aqui, conhecido às                        vezes como “urucungo” ou “gunga”, só no final do século XIX é que foi                            incorporado à capoeira baiana. (FERREIRA, 2013, p. 7)    Ainda nas artes plásticas (http://mestreananias.blogspot.com.br/search?q=heitor), temos            mestre Heitor dos Prazeres, nascido de uma família simples, após uma década da abolição da                              escravatura, no dia 23 de setembro de 1898, e que além de pintar, também era conhecido no Rio                                    de Janeiro por sua habilidade como capoeira.    Figura 9 
  25. 25.   Jogando Capoeira, obra de Heitor dos Prazeres  Fonte disponível em: < http://mestreananias.blogspot.com.br/search?q=heitor>  Acessado em: 15 dez. 2013.    Outra manifestação artística que também abordou a capoeira foi o cinema. Waldeloir Rego                          (1968, p. 319) cita diversos curtas e filmes de longa metragem que de alguma forma usaram a                                  capoeira, os toques de berimbau, o canto ou um determinado instante do jogo. A película Briga de                                  galos, produzida pela Winston Filmes, com menção honrosa no Festival dei Popoli, em Florença; a                              produção colorida franco­brasileira de 1960, Os bandeirantes; em 1961 a produção luso­brasileira                        com distinção da Palme d’Or 1962; no Festival de Cinema de Cannes, O pagador de promessas.                                Ainda em 1961 uma produção nacional, Barravento, com premiação no festival de Karlovy Vary,                            na antiga Tchecoslováquia. Em 1964 com a produção nacional Senhor dos Navegantes, e a                            espanhola Samba, com cenas de capoeira rodadas no estado da Bahia.  A capoeira é considerada por muitos a única luta brasileira e foi declarada patrimônio                            cultural do Brasil pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, em 15 de julho de                                2008.  Segundo dados da Federação Internacional de Capoeira (http://portalcapoeira.com), a                  modalidade está presente em mais de 150 países com cerca de oito milhões de praticantes. A maior                                  parte deles, seis milhões, está no Brasil. De acordo com as informações divulgadas sobre a estrutura                                da capoeira no mundo, citamos:  Hoje a estrutura de entidades que representam a capoeira no Brasil é composta por                            cerca de 50 ligas regionais e municipais, 21 federações estaduais e uma confederação.                          Em âmbito internacional, existe a Federação Internacional de Capoeira (FICA), que                      coordena trabalhos das federações nacionais de capoeira existente no Canadá,                    Portugal, Argentina, França, dentre outros países. (ALMEIDA; PIMENTA, 2009, p.                    62) 
  26. 26.     Na atualidade, a capoeira ainda é vista com algumas ressalvas pela sociedade, mas a grande                              maioria das pessoas já percebe seus benefícios físico­motores e principalmente seus benefícios                        sociais em uma cultura carente e frágil em cuidar, proteger e educar suas crianças.  A capoeira está presente em faculdades e universidades nos diversos currículos das áreas da                            Educação Física e História. Sua sobrevivência e o reconhecimento cultural de um legado deixado                            pelos negros escravos da época do Brasil imperial acontece devido ao esforço de um povo lutador                                e guerreiro.                        2 A CAPOEIRA NO ROMANCE O CORTIÇO    O romance O cortiço foi escrito por Aluísio Tancredo de Azevedo, nascido em São Luís do                                Maranhão em 14 de abril de 1857, filho do vice­cônsul português Davi Gonçalves de Azevedo e D.                                  Emília Amália Pinto de Magalhães. Aluísio tinha um irmão mais moço, Artur Azevedo, que foi                              comediógrafo.   Aluísio estudou no Rio de Janeiro, de 1876 a 1878, e iniciou sua carreira de ficcionista                                publicando em 1880 com Uma lágrima de mulher, e em 1881 publicou O mulato, obra muito                                bem recebida pela crítica da corte como exemplo de Naturalismo. Em 1895 abandonou a literatura                              e ingressou por concurso na carreira diplomática. Faleceu em 21 de janeiro de 1913 em Buenos                                Aires, com 56 anos.  
  27. 27. Com a obra O cortiço, Aluísio Azevedo ganhou destaque na literatura e conforme Rodrigo                            Otávio, citado por Antônio Dimas, ele mantinha um método de trabalho que marcava a força de sua                                  apreensão visual da realidade:  Tinha um modo interessante de trabalhar, procurava conviver com as personagens                      dos episódios que estava escrevendo. Para isso, para materializar esse convívio, ele                        mesmo, bom desenhista, completada a idealização de seu novo romance, pintava a                        cores, sobre papelão, as respectivas figuras; recortava­lhes os contornos,                  pregava­lhes um pequeno bloco de madeira, de modo que se pudessem ter de pé, e                              era, rodeado por esses vultos, eretos na mesa de trabalho, em torno de sua pasta,                              representando os figurantes das cenas que estava escrevendo, que escrevia tais                      cenas. (DIMAS, 1980, p. 3)      O Naturalismo foi um movimento cultural relacionado às artes plásticas, literatura e teatro,                          surgiu na França na segunda metade do século XIX. Esse movimento foi uma radicalização do                              Realismo, sendo Émile Zola o idealizador e maior representante da literatura naturalista mundial.   No Naturalismo, o mundo pode ser explicado através das forças da natureza, o ser humano                              está condicionado às suas características biológicas e ao meio social em que vive e a realidade é                                  mostrada através de uma forma científica.  Na literatura, o Naturalismo, conforme Afrânio Coutinho (2003, p. 11) “é a teoria de que a                                  arte deve conformar­se com a natureza, utilizando­se dos métodos científicos de observação e                          experimentação no tratamento dos fatos e das personagens”.  Por ser a obra de maior destaque do Naturalismo brasileiro, O cortiço, Antonio Candido                            fez uma análise de comparação e classificação entre o texto de Aluísio Azevedo e Émile Zola:  Aluísio Azevedo se inspirou evidentemente em L'Assommoir, de Émile Zola, para                      escrever O Cortiço, e por muitos aspectos o seu livro é um texto segundo, que tomou                                de empréstimo não apenas a ideia de descrever a vida do trabalhador pobre no                            quadro de um cortiço, mas um bom número de motivos e pormenores, mais ou menos                              importantes. Em ambos sobressaem as lavadeiras e sua faina, inclusive com uma                        briga homérica entre duas delas. Em ambos um regabofe triunfal serve de ocasião                          para um encontro de futuros amantes, cujas consequências serão decisivas. Em                      ambos há um policial solene, morador do cortiço, onde é uma espécie de inofensiva                            caricatura da lei, embora os destinos respectivos sejam muito diferentes. Estes                      poucos exemplos, apenas mencionados, servem para mostrar a derivação de que falei.                        Mas ao mesmo tempo Aluísio quis reproduzir e interpretar a realidade que o cercava,                            e sob este aspecto elaborou um texto primeiro. (CANDIDO, 1991, p. 2)      Através dessa classificação que Antonio Candido constrói sua tese em que o cortiço é o                              centro, e onde tudo acontece, através do determinismo do meio ambiente, como se pode                            comprovar na passagem a seguir:  Ele é um ambiente, um meio – físico, social, simbólico, – vinculado a certo modo de                                viver e condicionando certa mecânica das relações. Mas além e acima dele o                          romancista estabeleceu outro meio mais amplo, a "natureza brasileira", que                   
  28. 28. desempenha papel essencial, como explicação dos comportamentos transgressivos,                como combustível das paixões e até da simples rotina fisiológica. Aluísio aceita a                          visão romântico­exótica de uma natureza poderosa e transformadora,                reinterpretando­a em chave naturalista. [...] A perspectiva naturalista ajuda a                    compreender o mecanismo d'O Cortiço, porque o mecanismo do cortiço nele descrito                        é regido por um determinismo estrito, que mostra a natureza (meio) condicionando o                          grupo (raça) e ambos definindo as relações humanas na habitação coletiva.                      (CANDIDO, 1991, p. 10­11)    Alfredo Bosi esclarece que Aluísio Azevedo não se importava em construir um enredo, mas                          sim, em criar personagens persuasivos:  Só em O Cortiço Aluísio atinou de fato com a fórmula que se ajustava ao seu talento:                                  desistindo de montar um enredo em função de pessoas, ateve­se à sequência de                          descrições muito precisas onde cenas coletivas e tipos psicologicamente primários                    fazem, no conjunto, do cortiço, a personagem mais convincente do nosso romance                        naturalista. Existe o quadro: dele derivam as figuras. (BOSI, 2003, p. 190)      Um fato relevante na obra O cortiço, pelo estudo que se faz da construção e verossimilhança                              da mesma, é a descrição de uma personagem, quando o autor faz referência ao capoeira Manduca                              da Praia, que realmente existiu e deixou sua marca na história da capoeira. Aluísio Azevedo (1983,                              p. 49) faz uma citação quando da chegada da Bahia de Rita Baiana e sua mãe: “uma cafuza dura,                                    capaz de arrancar as tripas ao Manduca da Praia”, referindo­se à força e valentia da mãe de Rita                                  Baiana. A destreza e habilidades desse capoeira são notórias, como pode ser confirmado pela                          citação a seguir:  Conhecido por toda a população fluminense, considerado como homem de negócio,                      temido como capoeira célebre, eleitor crônico da freguesia de S. José, apenas                        respondeu a 27 processos por ferimentos leves e graves, ainda absolvido em todos                          eles pela sua influência pessoal e dos seus amigos.   O Manduca da Praia era um pardo claro, alto, reforçado, gibento, e quando o vimos                              usava barba crescida em ponta, grisalha e cor de cobre.  De chapéu de castor branco ou de palha ao alto da cabeça, de olhos injetados e                                grandes, de andar compassado e resoluto, a sua figura tinha alguma coisa que                          infundia temor e confiança.   Trajando com decência, nunca dispensava o casaco grosso e comprido, grande                      corrente de ouro que prendia o relógio, sapatos de bico revirado, gravata de cor com                              um anel corrediço, trazendo somente como arma uma bengala fina de cana­da­índia. O                          Manduca tinha banca de peixe na Praça do Mercado, era liso em seus negócios,                            ganhava bastante e tratava­se com regalo.   Constante morador da Cidade Nova, não recebia influências da capoeiragem local nem                        de outras freguesias, fazendo vida à parte, sendo capoeira por sua conta e risco.                            Destro como uma sombra, foi no curro da Rua do Lavradio, canto da do Senado, onde                                é hoje uma cocheira de andorinhas, que ele iniciou a sua carreira de rapaz destemido e                                valentão, agredindo touros bravios sobre os quais saltava, livrando­se.  Nas eleições de S. José dava cartas, pintava o diabo com as cédulas.  Nos esfaqueamentos e nos sarilhos próprios do momento, ninguém lhe disputava a                        competência. (MORAIS FILHO, 2002, p. 332­333)  
  29. 29. Nesse romance a capoeira foi representada através das maltas existentes nas favelas da                          época, chamadas de cortiços. Essas maltas eram formadas por duas facções, os Cabeças­de­Gato                          e os Carapicus, nomes dados também aos cortiços. Na obra, as maltas de capoeira têm uma                                importância relevante, pois uma delas é comandada por um personagem, Firmo, que se destaca no                              enredo e suas decisões e atitudes influenciam no rumo da trama.  O capoeira Firmo, um malandro franzino, campeão na capoeira e nos golpes de navalha,                            mantém um caso amoroso com Rita Baiana, que também atrai o interesse do português Jerônimo.                              As habilidades e as características do capoeirista são detalhadas pelo narrador:  Firmo, o atual amante de Rita Baiana, era um mulato pachola, delgado de corpo e ágil                                como um cabrito; capadócio de marca, pernóstico, só de maçadas, e todo ele se                            quebrando nos seus movimentos de capoeira. Teria seus trinta e tantos anos, mas                          não parecia ter mais de vinte e poucos. Pernas e braços finos, pescoço estreito,                            porém forte; não tinha músculos, tinha nervos. A respeito de barba, nada mais que                            um bigodinho crespo, petulante, onde reluzia cheirosa a brilhantina do barbeiro;                      grande cabeleira encaracolada, negra, e bem negra, dividida ao meio da cabeça,                        escondendo parte da testa e estufando em grande gaforina por debaixo da aba do                            chapéu de palha, que ele punha de banda, derreado sobre a orelha esquerda.                          (AZEVEDO, 1983, p. 49)      Desse personagem também podemos destacar suas vestes típicas de capoeira, o uso de “um                            lenço alvo e perfumado”, resguardando o colarinho, provavelmente de seda, muito comum aos                          capoeiras da época, uma vez que usavam este artifício para se livrarem das navalhadas usadas nos                                confrontos com as maltas rivais. A navalha era uma ferramenta indispensável para os capoeiristas e a                                destreza com esse acessório demonstrava o seu nível técnico. Em disputa por Rita Baiana, Firmo e                                o português Jerônimo começam uma briga em que a navalha faz a diferença no final:  O brasileiro tinha já recebido pauladas na testa, no pescoço, nos ombros, nos braços,                            no peito, nos rins e nas pernas. O sangue inundava­o inteiro; ele rugia e arfava, iroso                                e cansado, investindo ora com os pés, ora com a cabeça, e livrando­se daqui,                            livrando­se dali, aos pulos e às cambalhotas.  A vitória pendia para o lado do português. Os espectadores aclamavam­no já com                          entusiasmo; mas, de súbito, o capoeira mergulhou, num relance, até as canelas do                          adversário e surgiu­lhe rente dos pés, grupado nele, rasgando­lhe o ventre com uma                          navalhada.  Jerônimo soltou um mugido e caiu de borco, segurando os intestinos. (AZEVEDO,                        1983, p. 87)      O rival de Firmo, o português Jerônimo, também tinha qualidades e características de                          lutador, além de ter condições de ser um adversário à altura de um mestre de capoeira, e que são                                      comparadas pelo autor:   Jerônimo era alto, espadaúdo, construção de touro, pescoço de Hércules, punho de                        quebrar um coco com um murro: era a força tranquila, o pulso de chumbo. O outro,                                franzino, um palmo mais baixo que o português, pernas e braços secos, agilidade de                           
  30. 30. maracajá: era a força nervosa; era o arrebatamento que tudo desbarata no sobressalto                          do primeiro instante. Um, sólido e resistente; o outro, ligeiro e destemido, mas ambos                            corajosos. (AZEVEDO, 1983, p. 86)      No início da briga, há uma descrição detalhada do que podemos chamar de “ginga” da                              capoeira. Um movimento com a forma de um triângulo invertido, cheio de malemolência, e que serve                                para começar a luta literalmente. A ginga é a principal expressão e identificação da capoeira e                                através do uso dessa técnica de gingar que o capoeira consegue definir a hora do ataque e o                                    momento da defesa. Aluísio Azevedo (1983, p. 86) assim a descreve minuciosamente: “Dar­te um                            banho de fumaça, galego ordinário! respondeu Firmo, frente a frente; agora avançando e recuando,                            sempre com um dos pés no ar, e bamboleando todo o corpo e meneando os braços, como                                  preparado para agarrá­lo”.  A partir do momento em que foi deflagrada a disputa entre Firmo e o português Jerônimo                                por Rita Baiana, deu­se início ao confronto entre ambos. Jerônimo, inicialmente levou a pior, com as                                tripas para fora, e Firmo conseguiu fugir para o cortiço Cabeça­de­Gato, assumindo o comando                            dessa malta de capoeira. Em O cortiço, as maltas, os Carapicus e os Cabeças­de­Gato, têm uma                                disputa de território e precisam mostrar força para conquistar o outro cortiço, mas principalmente                            não perder o seu. A chegada de Firmo e Porfiro na malta Cabeça­de­Gato é descrita na obra pelo                                    autor:  No “Cabeça­de­Gato”, o Firmo conquistara rápidas simpatias e constituíra­se chefe                    de malta. Era querido e venerado; os companheiros tinham entusiasmo pela sua                        destreza e pela sua coragem; sabiam­lhe de cor a legenda rica de façanhas e vitórias.                              O Porfiro secundava­o sem lhe disputar a primazia, e estes dois, só por si, impunham                              respeito aos Carapicus, entre os quais, não obstante, havia muito boa gente para o                            que desse e viesse. (AZEVEDO, 1983, p. 103)  Conforme Melo Morais Filho (2002, p. 328), somente assumiam o posto de chefes de                            maltas aqueles que se destacavam com suas qualidades: “À categoria de chefe de malta só atingia                                aquele cuja valentia o tornava inexcedível, e de chefe dos chefes o mais afoito de entre estes”.  Passados alguns meses, um certo amigo do português Jerônimo, de alcunha Pataca,                        encontra “por acaso” mestre Firmo. Em conversa com o capoeira, tenta persuadi­lo a entregar sua                              “sardinha”, apelido dado para navalha, alegando estarem sendo vigiados. O capadócio Firmo, mais                          que prontamente, estranhou o pedido, como Aluísio Azevedo (1983, p. 116) enfatiza: “― Bem                            sabes que não me entendo com armas de barbeiro! ― Não sei! Esta é que não me sai das unhas,                                        nem para meu pai, que a pedisse!” Mas com o pretexto de ter visto Rita Baiana com um estranho,                                      Pataca leva Firmo para uma armadilha que somente alguém cego de ciúme não perceberia tal                              artimanha. 
  31. 31. Na emboscada, mestre Firmo sucumbe ao trato agressivo que sofre, pois quando se deu                            conta já havia sido agarrado e, mesmo conseguindo aplicar ainda um único golpe de cabeça, uma                                das técnicas mais usadas na capoeira, só restou­lhe padecer a sequência de violência:  Soltaram­no então. O capoeira, mal tocou com os pés em terra, desferiu um golpe com                              a cabeça, ao mesmo tempo que a primeira cacetada lhe abria a nuca. Deu um grito e                                  voltou­se cambaleando. Uma nova paulada cantou­lhe nos ombros, e outra em                      seguida nos rins, e outra nas coxas, outra mais violenta quebrou­lhe a clavícula,                          enquanto outra logo lhe rachava a testa e outra lhe apanhava a espinha, e outras,                              cada vez mais rápidas, batiam de novo nos pontos já espancados, até que se                            converteram numa carga contínua de porretadas, a que o infeliz não resistiu, rolando                          no chão, a gotejar sangue de todo o corpo. (AZEVEDO, 1983, p. 116­117)      Com a informação da morte de mestre Firmo, a malta Cabeça­de­Gato, da qual era chefe,                              resolve vingar sua morte e invadir o cortiço Carapicus. O capoeira Porfiro assume a frente como um                                  novo líder, como Aluísio Azevedo (1983, p. 127) descreve: “Uns cem homens, em que se não via a                                    arma que traziam. Porfiro vinha na frente, a dançar, de braços abertos, bamboleando o corpo e                                dando rasteiras para que ninguém lhe estorvasse a entrada. Trazia o chapéu à ré, com um laço de                                    fita amarela flutuando na copa.” Constata­se, pela movimentação da personagem, que Porfiro,                        amigo e companheiro de todas as horas de Firmo, também era um capoeira de grande valor, mas                                  ainda não com a competência descrita pelo narrador como “mestre”, termo indicativo de alto                            conhecimento técnico da capoeira.  Começa a invasão do cortiço Carapicus, ouvia­se nas ruas um canto de guerra dos                            Cabeças­de­Gato para vingar a morte de seu líder, eram quase cem homens sedentos de vingança.                              As pessoas tinham medo e corriam para suas casas à procura de ferros e paus para se defenderem.                                    Nesse instante não havia nacionalidade, nem brasileiros, nem portugueses, apenas um grupo que                          sabia que seria atacado por outro grupo, e isso resultou em uma união desesperadora.   Aluísio Azevedo (1983, p. 128) descreve a igualdade de nível entre as maltas:                          “Desferiram­se navalhas contra navalhas, jogaram­se as cabeçadas e os voa­pés. Par a par, todos                            os capoeiras tinham pela frente um adversário de igual destreza que respondia a cada investida com                                um salto de gato ou uma queda repentina que anulava o golpe.”  Houve nesse momento um incêndio, deflagrando espanto por parte dos dois grupos, como                          esclarece o autor:  Houve nas duas maltas um súbito espasmo de terror. Abaixaram­se os ferros e                          calou­se o hino de morte. Um clarão tremendo ensanguentou o ar, que se fechou logo                              de fumaça fulva.  A Bruxa conseguira afinal realizar o seu sonho de louca: o cortiço ia arder; não                              haveria meio de reprimir aquele cruento devorar de labaredas. Os Cabeças­de­Gato,                      leais nas suas justas de partido, abandonaram o campo, sem voltar o rosto,                         
  32. 32. desdenhosos de aceitar o auxílio de um sinistro e dispostos até a socorrer o inimigo,                              se assim fosse preciso. E nenhum dos Carapicus os feriu pelas costas. A luta ficava                              para outra ocasião. E a cena transformou­se num relance; os mesmos que barateavam                          tão facilmente a vida, apressavam­se agora a salvar os miseráveis bens que possuíam                          sobre a terra. (AZEVEDO, 1983, p. 128)      Certifica­se nessa passagem um comportamento ético entre as maltas. Dos                    Gabeças­de­Gato, manifestou­se a desistência do ataque, por não acharem justo ganhar uma luta                          em que levariam vantagem por consequência do incêndio provocado pela Bruxa. Em contrapartida,                          os Carapicus cessaram as investidas aos adversários sem atacá­los pelas costas, retribuindo o ato                            de nobreza do grupo rival.   A integridade das maltas de capoeira, já citada no primeiro capítulo desta monografia, é sem                              dúvida um diferencial quando colocada à prova. Segundo Melo Morais Filho (2002, p. 331) não se                                usava a navalha por traição, muito menos se espancava alguém indefeso, como velhos ou crianças.                              As maltas não aceitavam ladrões, suas proezas de lutas entre os cortiços nunca formaram uma                              opinião assustadora por suas ações.   Quanto à probidade do capoeira, como indivíduo, independente de maltas ou grupos, Melo                          Morais Filho (2002, p. 327) assim conclui: “O capoeira gosta da ociosidade, e entretanto trabalha;                              a segunda­feira é para ele um prolongamento do domingo. Quando se dedica a alguém é incapaz de                                  uma traição, de uma deslealdade...”  Assim, constata­se que as maltas de capoeira tiveram uma forte representação no romance                          O cortiço, devido à verossimilhança com grupos que existiram no Rio de Janeiro na segunda metade                                do século XIX.  O autor destaca Firmo e seu companheiro Porfiro, ambos capoeiristas malandros e                        insolentes, características comuns aos capoeiras da época. Mestre Itapoan, discípulo de mestre                        Bimba, citado por Almeida e Pimenta (2009, p. 62) explica por que tanta insolência por parte dos                                  capoeiras do passado e de hoje: “O capoeirista rejeita qualquer organização que venha de cima.                              Isso é histórico, por isso as federações e confederações não conseguem congregar muitos                          capoeiristas. O capoeirista só acredita em uma instituição: os grupos, porque são formados e                            dirigidos por eles”.  Com citações das palavras “capadócio” e “pachola”, os capoeiras são reconhecidos como                        trapaceiros, ladrões, falsos; entretanto, demonstram, em O cortiço, que também possuíam ética,                        integridade e lealdade. Dessa forma, as maltas e os capoeiristas do romance, tanto em um grupo                               
  33. 33. como no outro, não se aproveitam de situações, como no caso do incêndio, para dar fim ao grupo                                    rival, uma vez que não veem como justo ganhar uma luta de forma desigual.                                             3 A CAPOEIRA NO ROMANCE CAPITÃES DA AREIA    O romance Capitães da areia foi escrito por Jorge Amado em 1937. O escritor nasceu na                                fazenda Auricídia em Ferradas, no município de Itabuna, Bahia, em 10 de agosto de 1912 e faleceu                                  em 6 de agosto de 2001, com problemas cardiorrespiratórios.  É o autor brasileiro com maior número de obras traduzidas. Somente o romance Capitães                            da areia foi traduzido para os idiomas alemão, espanhol, francês, grego, húngaro, italiano,                          norueguês, russo, servo­croata, tcheco e ucraniano. As obras do autor, além de serem adaptadas                           
  34. 34. para o teatro, rádio e cinema, também tiveram exemplares em braille e em fitas gravadas para                                deficientes visuais.   No ano de 1927, Jorge Amado fez sua estreia literária na revista A Luva, com um poema                                  de traços modernistas. A partir disso, resolve entrar para o grupo literário Academia dos Rebeldes.                              Em 1930 muda­se para o Rio de Janeiro e escreve seu primeiro romance e no ano seguinte, ingressa                                    na Faculdade de Direito, publicando O país do carnaval.  Com a publicação do romance Cacau, começa a ter problemas com seus livros e suas                              obras são apreendidas. Em 1936, vai para a prisão no Rio de Janeiro. O romance Capitães da                                  areia, publicado em 1937, também sofre apreensão na sua primeira edição e é queimado em praça                                pública, levando Jorge Amado a uma nova prisão. Em 1945 é eleito deputado federal pelo PCB,                                representando o estado de São Paulo.  Tem seu mandato cassado em 1948 e vai morar em Paris, alternando sua estada por vários                                lugares da Europa, retornando ao Brasil em 1956. Em 1963 deixa o Rio de Janeiro e retorna para a                                      Bahia.  Após convite e pressão de amigos, Jorge Amado se candidata para a Academia Brasileira                            de Letras, sendo eleito e assumindo seu lugar em 6 de abril de 1961, data em que conquistou a                                      cadeira 23,  que José de Alencar foi patrono.  Sua esposa, a acadêmica Zélia Gattai Amado, ocupou o lugar do marido após ele ter                              falecido, e foi eleita no dia 7 de dezembro de 2001 tomando posse no dia 21 de maio de 2002.  Jorge Amado é representante do regionalismo modernista. Lima comenta e classifica                      Capitães da areia com suas qualidades e defeitos:  No prefácio do romance Capitães da areia, o autor descreve que com o livro encerra                              o ciclo de “os romances da Bahia”. A designação outra vez não teria maior sentido                              caso não marcasse os limites gerais do que chamáramos de “magismo sentimental”.                        Neste sentido, Capitães da areia compendia as qualidades positivas ― linguagem                      coloquial, dialogação ― e os defeitos ― sentimentalismo, naturalismo e parti­pris ―                        da fase. Diga­se de passagem que estes ainda se prolongarão aos livros mais                          próximos, sendo, no entanto, menos salientes. (LIMA, 2003, p. 372­373)      Lima (2003, p. 373) explica a persistência por parte do autor quanto ao parti­pris, como a                                repreensão do cônego ao Padre José, pela ajuda aos meninos do bando, como um modelo de                                parcialismo. Também a admiração que o autor tem pelas personagens interfere no seu discernimento                            para expressar o revolucionário, como esclarece o autor:  A fixação do caráter de crianças abandonadas que se convertem em marginais e                          ladrões por não terem família nem carinho seria de interesse como o ponto de partida                              de uma ação que conduzisse os marginais até uma atitude mais consequente em                         
  35. 35. relação à sociedade, por eles odiada. Mas isso não acontece no romance. O                          sentimentalismo do autor fixa o caráter inicial da carência de carinho dos meninos, e,                            daí, se envolve o defeito seguinte do parti­pris. Pois, como foi dito, este é                            consequente da insuficiência do autor em criar uma ação coerentemente                    revolucionária. (LIMA, 2003, p. 374)      Em uma crônica, do livro que lançou em 1945, Bahia de Todos os Santos, chamada                              Capitães da areia, Jorge Amado deixa clara sua opinião sobre os garotos:  Nada existe que eu ame com tão profundo amor quanto estes pequenos vagabundos,                          ladrões de onze anos, assaltantes infantis, que os pais tiveram de abandonar por não                            ter como alimentá­los. Vivem pelo areal do cais, por sob as pontes, nas portas dos                              casarões, pedem esmolas, fazem recados, agora conduzem americanos ao mangue.                    São vítimas, um problema que a caridade dos bons de coração não resolve.                          (AMADO, 1973, p. 177)      Bosi (2003, p. 405) comenta que o próprio Jorge Amado se definia como “apenas um                              baiano romântico e sensual” e concorda com o autor de Capitães da areia, pois sintetiza o perfil de                                    um escritor de romances voltado para os marginais, pescadores e marinheiros de sua terra e que vê                                  vantagem enquanto exemplos de atitudes “vitais”: românticas e sensuais. Bosi ainda distingue a obra                            com depoimentos líricos, isto é, sentimentais, espalhados em torno de brigas e amores marinheiros.  Gomes (1981, p. 120) explica que o romance Capitães da areia seria uma continuação da                              obra Jubiabá de certa forma, pois demonstra questões muito parecidas. A bondade rude da                            personagem Pedro Bala começa a ser útil quando utilizada a serviço das massas, uma vez que,                                através de uma participação ativa nas lutas operárias e estudantis, ele encontra seu caminho, longe                              da violência. Assim, Gomes classifica a obra como um romance proletário.  Pires (2010, p. 6) esclarece que Jorge Amado criou seus personagens baseado em                          capoeiras, sambistas e pais­de­santo. O autor manteve uma relação bastante peculiar com os                          símbolos da cultura negra. Seus personagens, muitas vezes ligados às manifestações culturais                        afro­brasileiras, cumprem um caminho específico, em que a cultura negra serve como “trampolim”                          para uma consciência revolucionária. De acordo com Pires, Jorge Amado constrói uma visão do                            capoeirista notável como afirma a seguir:  Amado teve excepcional importância na construção de uma imagem do praticante da                        capoeira, na primeira metade do século XX, na cidade de Salvador. Ele contribuiu                          para fortalecer o mito da capoeira como cultura de negação ao trabalho. O autor                            normalmente constrói o personagem como representação do malandro, daquele que                    nega o trabalho, como foi o caso de Zé Camarão e Negro Baldo, no romance Jubiabá.                                Algumas passagens de suas obras são instigantes e dão "pano para manga"                        enquanto fontes para uma melhor compreensão do período. Em seu romance Os                        velhos marinheiros ele compôs um intrigante exercício literário ao utilizar nomes de                        pessoas conhecidas na cidade de Salvador como personagens fictícias: 
  36. 36. No fim da tarde, quando as luzes se acendiam na cidade e os homens abandonavam o                                trabalho, os quatro amigos mais íntimos de Quincas Berro D'água – Curió, Nego                          Pastinha, Cabo Martin e Pé­de­Vento – desciam a ladeira do Tabuão em caminho do                            quarto do morto.   Os personagens pertencem ao primeiro conto sobre os marinheiros, intitulado A                      Morte e a Morte de Quincas Berro D'água. Não fica difícil constatar em quem o autor                                se inspirou na escolha dos nomes para os personagens. Pelo menos mestre Pastinha,                          já referido, e Curió, segundo a tradição oral, capoeirista na década de 1940, foi                            possível identificar. Não consegui descobrir em quem o autor se inspirou na escolha                          do nome de Pé­de­Vento para seu personagem capoeira. No entanto, tratando­se de                        Nego Pastinha, o autor, a meu ver, buscou construí­los seguindo estereótipos                      contrários aos possivelmente cabíveis ao indivíduo real. (PIRES, 2010, p. 6­7)      Em Bahia de Todos os Santos, de 1945, na crônica Capoeiras e capoeiristas, Jorge                            Amado (1973, p. 170) cita a fama do falecido mestre Samuel Querido de Deus, um nome que                                  todos recordavam, possivelmente faz uma homenagem ao mesmo na obra Capitães da areia, com                            a personagem “Querido­de­Deus”, um célebre capoeirista, amigo e professor de capoeira de Pedro                          Bala e dos outros integrantes do grupo Capitães da Areia.  A história do romance Capitães da areia, de cunho realista, se ambienta na Bahia dos anos                                30, e trata sobre a vida de crianças abandonadas pelos pais na cidade de Salvador e que                                  sobreviviam de furtos e roubos. Elas pertenciam a um grupo denominado “Capitães da Areia”, que                              viviam e se escondiam em um trapiche abandonado, cultivavam uma vasta fama pelos feitos                            corajosos e pelo terror que causavam à sociedade da época. O bando de meninos com idade entre                                  8 e 15 anos conta com apelidos característicos como Pedro Bala, líder da malta, Professor, Pirulito,                                Dora, Gato, Sem­Pernas, Querido­de­Deus entre outros.  A capoeira se apresenta nesta obra através da prática da luta pelos menores da malta                              Capitães da Areia, proporcionando assim maior agilidade aos infratores para fuga e enfrentamento,                          como em casos com a polícia, descritos pelo autor. Também utilizavam a capoeira inicialmente para                              disputas e rixas com outros grupos, e mais tarde também foi utilizada em mobilizações de greves                                operárias.  Com citação na obra, Jorge Amado (1995, p. 10­12) relembra reportagens publicadas no                          “Jornal da Tarde”, na coluna de fatos policiais sobre um assalto, e em que aparece a denominação                                  de malta para o grupo Capitães da Areia: “Passemos agora a relatar o assalto de ontem, do qual foi                                      vítima um honrado comerciante da nossa praça, que teve sua residência furtada em mais de um                                conto de réis e um seu empregado ferido pelo desalmado chefe dessa malta de jovens bandidos.”                                Há outro momento da reportagem descrito pelo autor com a mesma definição de malta: “E o                               
  37. 37. resultado é que, quando pensava ter seguro o chefe da malta, o jardineiro recebeu uma punhalada                                no ombro e logo em seguida outra no braço, sendo obrigado a largar o criminoso, que fugiu.”  Algumas características das maltas de capoeira e dos capoeiristas são suas armas. A navalha                            foi com certeza a companheira fiel do capoeira por um longo tempo no passado e por vezes ganhou                                    destaque e fama no uso e na habilidade com essa ferramenta. Pedro Bala, na conquista da liderança                                  do grupo, sofre as consequências por não dispor de uma navalha, como esclarece o narrador:  Um dia brigaram. A desgraça de Raimundo foi puxar uma navalha e cortar o rosto de                                Pedro, um talho que ficou para o resto da vida. Os outros se meteram e como Pedro                                  estava desarmado deram razão a ele e ficaram esperando a revanche, que não tardou.                            Uma noite, quando Raimundo quis surrar Barandão, Pedro tomou as dores do                        negrinho e rolaram na luta mais sensacional a que as areias do cais jamais assistiram.                              Raimundo era mais alto e mais velho. Porém Pedro Bala, o cabelo loiro voando, a                              cicatriz vermelha no rosto, era de uma agilidade espantosa e desde esse dia                          Raimundo deixou não só a chefia dos Capitães da Areia, como o próprio areal.                            (AMADO, 1995, p. 26­27)      Há que se destacar que, no grupo Capitães da Areia, o uso da navalha era regido por regras                                    morais e leis internas, como justifica Jorge Amado (1995, p. 166): “Vão alegres. Levam navalhas e                                punhais nas calças. Mas só os sacarão se os outros puxarem. Porque os meninos abandonados                              também têm uma lei e uma moral, um sentido de dignidade humana”.   Quanto às normas de convivência no grupo, essas eram bem rígidas. Não toleravam roubo                            nem pederastia, possuíam um tipo de código de honra já demostrado nas maltas de capoeira. O                                autor narra uma passagem em que Pedro Bala se depara com uma situação e como líder, precisa                                  tomar uma decisão para manter o grupo coeso:  Pedro Bala acordou com um ruído perto de si. Dormia de bruços e olhou por baixo                                dos braços. Viu que um menino se levantava e se aproximava cautelosamente do                          canto de Pirulito. Pedro Bala, no meio do sono que estava, pensou, a princípio, que                              se tratasse de um caso de pederastia. E ficou atento para expulsar o passivo do                              grupo, pois uma das leis do grupo era que não admitiriam pederastas passivos. Mas                            acordou completamente e logo recordou que era impossível, pois Pirulito não era                        dessas coisas. Devia se tratar de furto. Realmente o garoto já abria o baú de Pirulito.                                Pedro Bala se atirou em cima dele. A luta foi rápida. Pirulito acordou, mas os demais                                dormiam. (AMADO, 1995, p. 43)      Através dessa passagem, o narrador começa a induzir o leitor a compreender as ações                            individuais do grupo e selecionar os bons e maus meninos. Gomes (1981, p. 41) explica a tendência                                  maniqueísta do autor, que separa de forma rígida os personagens bons e maus. Assim, Jorge Amado                                tenta direcionar a simpatia do leitor aos meninos do grupo Capitães da Areia, que são nobres e                                  leais, em contraste aos demais personagens, vistos de maneira negativa.  
  38. 38. No romance Capitães da areia, os meninos têm uma visão social segundo a qual acham                              que roubando dos mais favorecidos amenizam a culpa de seus atos. O narrador demonstra com                              propriedade as desigualdades sociais nessa obra, figurando a comparação entre crianças                      abandonadas e sociedade desumana. O personagem Pedro Bala e os demais companheiros tomam                          consciência política e usam suas habilidades na capoeira para encorpar disputas sindicais em lutas                            grevistas:  Os fura­greves vêm num grupo cerrado. Um americano o chefia com a cara fechada.                            Se dirigem todos para a entrada. Da sombra, dos becos, ninguém sabe de onde, como                              demônios fugidos do inferno, surgem meninos esfarrapados e de armas na mão.                        Punhais, navalhas, paus. Tomam a porta, o grupo dos fura­greves para. Logo os                          demônios se atiram, é um bolo só. São em número maior que o grupo de fura­greves.                                Estes rolam com os golpes de capoeira, recebem pauladas, alguns já fogem. Pedro                          Bala derruba o americano, com a ajuda de outro o soqueia. Os fura­greves pensam                            que são demônios fugidos do inferno.   A gargalhada livre e grande dos Capitães da Areia ressoa na madrugada. A greve                            não é furada. (AMADO, 1995, p. 226)      A forte representação da capoeira em Capitães da areia, de Jorge Amado, se dá devido à                                verossimilhança com grupos que realmente existiram na cidade de Salvador, e que assombraram a                            capital baiana na década de 30, como o autor relata em sua obra Bahia de Todos os Santos, e que                                        ele descreve como guia das ruas e dos mistérios da cidade de Salvador.  A capoeira aprendida e exercitada pelos líderes do bando também servia de forma a                            permanecer na chefia da malta ou garantir uma posição de destaque, além de, com essa técnica de                                  luta, o grupo projetava­se para defender greves e assumir posições revolucionárias como um todo,                            imitando, assim, as maltas do passado que serviram de aportes políticos.                  CONCLUSÃO   

×