Aval. português 6º ano 3º bim.

2.233 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.233
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
35
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aval. português 6º ano 3º bim.

  1. 1. GOVERNO DO ESTADO DO ACRE PREFEITURA DE CAPIXABA SECRETARIA MUNICIPA DE EDUCAÇÃO ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL MARIETA FREIRE RODRIGUES AVALIAÇÃO DE PORTUGUÊS 3º BIMESTRE 6º ANOESCOLA:_________________________________________________________________ ____/_____/______ALUNO:______________________________________________________________________ Nº _________PROFESSOR: FRANCISCO NUNES DO NASCIMENTO GRAMATICOLÂNDIAGramaticolândia era um país em que todos dependiam de todos, mas nem os poderosos “Verbos”, nem os oprimidos“artigos” e “numerais” sabiam disso.Os “Verbos” trabalhavam ocasionalmente nos livros, a única riqueza do país, e eram bem remunerados pelo que faziam,enquanto os “artigos” e os “numerais” trabalhavam em quase todas as frases para garantir a sobrevivência.Então, num dia de muito sol, surge a ideia da paralisação da fábrica pelos operários – os “artigos” e os “numerais”. Ospatrões “Verbos” descobriram o plano e mandaram à prisão todos os operários. As poucas coisas que eles tinham foramconfiscadas e suas famílias simplesmente desapareceram. Ao saber disso, os “artigos” e os “numerais” cometeram suicídiocoletivo, ainda no cárcere. Os “Verbos” não deram importância ao fato, como era de se esperar.Acontece que, sem os “artigos” e os “numerais”, o país viveu uma situação de completo caos. A classe média, formada pelasoutras classes de palavras, começou a sentir a queda do padrão a cada dia. Com a queda do padrão, a classe se revoltoucontra os “Verbos”, o que resultou na queda dos mesmos.Com a queda os “Verbos” ( escritos hoje em dia com letra minúscula), teve de acontecer uma reforma total do regime. Foiadotado um regime onde não existem classes sociais e todos vivem em cooperação. Gramaticolândia leva, agora, uma vidadiferente e melhor que aquela do tempo dos “verbos” opressores.Agora responda:1) Quem eram os poderosos? E os operários?2)Marque com um X apenas as afirmações corretas, de acordo com o texto:( ) Os verbos não sabiam que dependiam dos artigos numerais.( ) Os verbos trabalhavam muito nos livros.( ) Uma das riquezas do país eram os livros.( ) Os artigos e os numerais tiveram seus bens confiscados.( ) Com o desaparecimento dos artigos e umerais, o país decaiu.3) Por que os artigos e os numerais foram presos?4) Como os verbos reagiram ao suicídio coletivo?
  2. 2. 5) Por que as outras classes de palavras se revoltaram?6) Qual foi o resultado da revolução das classes de palavras?7) Como é a Gramaticolândia hoje?8) Retire do texto:a) Duas palavras com ditongo:b) Uma palavra com hiato:c) Duas palavras com dígrafos:d) Duas palavras com encontro consonantal:9) Diga o número de letras e de fonemas das palavras abaixo.a) classe- letras: fonemas:b) gramaticolândia - letras: fonemasc) riqueza - letras: fonemas:10) Faça como o modelo: País – paísesa) prisão-b) cárcere-c) riqueza-O feminino de pai é mãe:26) de patrão é:27) de minhoca é:28) de artista é:
  3. 3. GRAMATICOLÂNDIAGramaticolândia era um país em que todos dependiam de todos, mas nem os poderosos “Verbos”, nem os oprimidos“artigos” e “numerais” sabiam disso.Os “Verbos” trabalhavam ocasionalmente nos livros, a única riqueza do país, e eram bem remunerados pelo que faziam,enquanto os “artigos” e os “numerais” trabalhavam em quase todas as frases para garantir a sobrevivência.Então, num dia de muito sol, surge a ideia da paralisação da fábrica pelos operários – os “artigos” e os “numerais”. Ospatrões “Verbos” descobriram o plano e mandaram à prisão todos os operários. As poucas coisas que eles tinham foramconfiscadas e suas famílias simplesmente desapareceram. Ao saber disso, os “artigos” e os “numerais” cometeram suicídiocoletivo, ainda no cárcere. Os “Verbos” não deram importância ao fato, como era de se esperar.Acontece que, sem os “artigos” e os “numerais”, o país viveu uma situação de completo caos. A classe média, formada pelasoutras classes de palavras, começou a sentir a queda do padrão a cada dia. Com a queda do padrão, a classe se revoltoucontra os “Verbos”, o que resultou na queda dos mesmos.Com a queda os “Verbos” ( escritos hoje em dia com letra minúscula), teve de acontecer uma reforma total do regime. Foiadotado um regime onde não existem classes sociais e todos vivem em cooperação. Gramaticolândia leva, agora, uma vidadiferente e melhor que aquela do tempo dos “verbos” opressores.Agora responda:1) Quem eram os poderosos? E os operários?2)Marque com um X apenas as afirmações corretas, de acordo com o texto:( ) Os verbos não sabiam que dependiam dos artigos numerais.( ) Os verbos trabalhavam muito nos livros.( ) Uma das riquezas do país eram os livros.( ) Os artigos e os numerais tiveram seus bens confiscados.( ) Com o desaparecimento dos artigos e umerais, o país decaiu.3) Por que os artigos e os numerais foram presos?4) Como os verbos reagiram ao suicídio coletivo?5) Por que as outras classes de palavras se revoltaram?6) Qual foi o resultado da revolução das classes de palavras?7) Como é a Gramaticolândia hoje?8) Retire do texto:a) Duas palavras com ditongo:
  4. 4. b) Uma palavra com hiato:c) Duas palavras com dígrafos:d) Duas palavras com encontro consonantal:9) Diga o número de letras e de fonemas das palavras abaixo.a) classe- letras: fonemas:b) gramaticolândia - letras: fonemasc) riqueza - letras: fonemas:10) Faça como o modelo: País – paísesa) prisão-b) cárcere-c) riqueza-O feminino de pai é mãe:d) de patrão é:e) de minhoca é:f) de artista é:Dá o singular das frases a seguir.g) Os tênis que comprei são muito lindos.h) Marcelle ganhou umas lindas flores do namorado. Não abandones o velho amigo, Porque o novo não o iguala. Amigo novo é vinho novo, Faze-o envelhecer e depois bebe-o. ECLESIÁTICO, 9,10

×