1.2.1.

136 visualizações

Publicada em

TesteTesteTesteTesteTeste Teste Teste Teste vv

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
136
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

1.2.1.

  1. 1. atencaobasica.org.br Conhecendo a história da CdP Um projeto que se atualiza com o SUS
  2. 2. Olá :), eu sou a Comunidade de Práticas.
  3. 3. Vou tentar contar um pouco da minha história usando esses slides. Vamos ver se fica mais agradável assim, ok?
  4. 4. Como começamos
  5. 5. Conversas entre equipes de Atenção Básica, mostras e eventos com experiências do cotidiano, seminários de discussão sobre modelos de gestão, etc. A produção e a troca de conhecimentos e práticas sobre saúde são tão antigas quanto o desejo de garantir cuidado integral à saúde da população brasileira, concordam?
  6. 6. Novas Tecnologias de comunicação
  7. 7. Concordamos que as novas Tecnologias de Informação e Comunicação ampliam as possibilidades de conversa, de trocas, de reflexão, de visibilidade e de construção coletiva entre os trabalhadores do SUS que estão presentes em todos os municípios desse gigantesco País?
  8. 8. No dia 7 de março de 2012, durante o I Fórum Nacional da Atenção Básica, realizado em Brasília/DF, o projeto “Comunidade de Práticas” foi lançado. A proposta, naquele momento, era se constituir como dispositivo de encontros, de compartilhamento e de reflexões sobre a prática de saúde na Atenção Básica.
  9. 9. Construindo Comunidades
  10. 10. Quando falamos em comunidade, lembramos de grupos de pessoas que compartilham espaços físicos ou virtuais e se relacionam. Podemos citar o aspecto sociológico do termo ou o político, mas não iremos tão longe por enquanto. Como podemos entender as comunidades?
  11. 11. No dia a dia do trabalhador do SUS, é possível encontrar algumas imagens do que pode ser considerado comunidade. Equipes de Saúde da Família procuram trabalhar para construir relações comunitárias nas quais as pessoas trocam saberes e se ajudam mutuamente para promover a saúde no lugar onde vivem e trabalham. Profissionais de hospitais podem contribuir para a construção de relações comunitárias quando articulam grupos terapêuticos e de ajuda mútua entre usuários, e assim por diante.
  12. 12. Para nós, as comunidades são ambientes de educação permanente para construções colaborativas. Espaços virtuais nos quais um grupo de pessoas se organiza para obter informações, conhecer parceiros de trabalho com interesse no mesmo assunto, conversar sobre as suas dúvidas e seus problemas e sobre assuntos referentes ao SUS. E as comunidades da CdP?
  13. 13. A partir daí, foram sendo criadas, de maneira livre, as comunidades. Uma delas sobre o Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ) com o objetivo de possibilitar um espaço de troca de experiências e práticas do cotidiano a respeito do acesso e qualidade na Atenção Básica neste País.
  14. 14. Outra sobre o e-SUS, para tirar dúvidas, trocar informações bem-sucedidas, ou malsucedidas. Outra sobre blogueiros, sobre NASF, Programa Saúde na Escola, e outras e outras.
  15. 15. Mas concordamos que as novas Tecnologias de Informação e Comunicação ampliam as possibilidades de conversa, de trocas, de reflexão, de visibilidade e de construção coletiva entre os trabalhadores do SUS que estão presentes em todos os municípios desse gigantesco país?
  16. 16. Das comunidades para os ambientes de curso Como vimos, a CdP surge com a proposta de disponibilizar ambientes de conversação e colaboração para os trabalhadores do SUS. Com as comunidades, o trabalhador tem a possibilidade de conhecer outros profissionais, de debater temas de interesse, de socializar seus problemas, de ajudar outras pessoas. Nas comunidade, vimos a potência da comunicação, da informação e da aprendizagem.
  17. 17. O projeto “Comunidade de Práticas” surge como uma plataforma do SUS para o SUS. Uma das demandas desses trabalhadores era o difícil acesso a Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVAs), a seus materiais e a possibilidade de troca entre os educandos. Pensar num curso na Comunidade de Práticas foi um desafio. Não era apenas colocar material para consulta, tutores e ferramentas típicas de cursos EAD, como os que acontecem no Moodle, Blackboard ou outros AVAs. Para a Comunidade de Práticas, era importante valorizar as características de uma comunidade virtual: Abertura, colaboração, solidariedade, interação e compartilhamento.
  18. 18. IV Mostra e os Relatos de Experiência
  19. 19. Por um momento, a CdP se confundiu com a IV Mostra Em 2013, a organização da IV Mostra Nacional de Experiências em Atenção Básica/Saúde da Família criou uma dinâmica de evento que movimentou a plataforma da Comunidade de Práticas. O evento valorizou as experiências cotidianas e estimulou o protagonismo local dos milhares de trabalhadores, gestores e usuários da Atenção Básica no Brasil.
  20. 20. Para estimular a participação dos profissionais da Atenção Básica, o objeto de apresentação era o relato da experiência. Ele teria que ser inserido na Comunidade de Práticas por meio de linguagens mais livres e criativas, e disponibilizado de maneira aberta.
  21. 21. Isso permitiu que outros profissionais pudessem interagir a partir de cada relato. O evento possibilitou que mais de 6 mil profissionais compartilhassem suas experiências. Hoje a Comunidade de Práticas possui mais de 4.500 relatos.
  22. 22. Relatos como: https://novo.atencaobasica.org.br/relato/3945 Cultivando saúde - programa municipal de plantas medicinais aromáticas e condimentares
  23. 23. ou como: Escovação dental diária supervisionada nas escolas das comunidades rurais/fluviais de manaus https://novo.atencaobasica.org.br/relato/3945
  24. 24. E aí, gostou da minha história? Se faltou algo, ajude a contar nos comentários abaixo!
  25. 25. Dúvidas? Envie e-mail para: contato@atencaobasica.org.br

×