EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   1	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR	  A...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   2	  	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR	...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   3	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR	  A...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   4	  	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR	...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   5	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR	  A...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   6	  	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR	...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   7	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR	  A...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   8	  	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR	...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   9	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR	  A...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   10	  	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   11	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR	  ...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   12	  	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   13	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR	  ...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   14	  	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   15	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR	  ...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   16	  	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   17	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR	  ...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   18	  	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   19	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR	  ...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   20	  	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   21	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR	  ...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   22	  	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   23	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR	  ...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   24	  	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   25	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR	  ...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   26	  	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   27	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR	  ...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   28	  	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   29	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR	  ...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   30	  	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   31	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR	  ...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   32	  	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   33	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR	  ...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   34	  	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   35	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR	  ...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   36	  	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   37	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR	  ...
EDUCAÇÃO	  BÁSICA	  NA	  RPA1	  -­‐	  RECIFE	   38	  	  	  RELATÓRIO	  2	  -­‐	  ABRIL	  DE	  2013	  |	  EQUIPE	  VEREADOR...
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Relatorio andre regista2013 rpa1
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Relatorio andre regista2013 rpa1

686 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
686
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatorio andre regista2013 rpa1

  1. 1. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   1    RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS  APRESENTAÇÃO        Na  medida  em  que  o  nosso  trabalho  avança,  aproximando-­‐nos  da  meta  de  avaliar  as  condições  estruturais  e  pedagógicas  das  300  escolas  integradas  à  rede  pública  municipal  do  Recife,   deparamos   com   situações   bastante   preocupantes.   As   nossas   pesquisas   prosseguem  conforme   planejamos   e   a   cada   etapa   comprovam   o   quanto   a   agenda   da   Educação   pública  básica  vem  sendo  subestimada  pelas  sucessivas  gestões  municipais  de  nossa  capital.    Desta  feita  realizamos  visitas  técnicas  em  todas  as  15  escolas  municipais  localizadas  na  RPA-­‐1  em  cujo  conjunto  de  unidades  escolares  os  cálculos  realizados  revelam  uma  média  IDEB  de  3.9  para  o  ensino  Fundamental  I  e  de  2.9  para  o  ensino  Fundamental  II.  Vale  advertir  que  a  média  do  IDEB  obtida  pelo  ensino  Fundamental  1  na  RPA-­‐1  é  inferior  à  média  geral  do  Recife.  Já  a  sua  média  IDEB  no  Fundamental  2  é  igual  à  da  capital  pernambucana,  uma  das  mais  baixas  do  país.  Se  compararmos  a  média  IDEB  da  RPA-­‐1  com  a  média  das  capitais  brasileiras,  a  área  aqui   focalizada   ficaria   posicionada   no   25º   lugar   em   relação   ao   ensino   Fundamental   1.   No  Fundamental  2  esse  conjunto  de  escolas  estaria  classificado  na  24ª  posição.       Além   dessa   dramática   adversidade   de   natureza   pedagógica,   cuja   análise   aponta   no  sentido  de  um  péssimo  aproveitamento  escolar  com  consequências  desastrosas  para  os  alunos  (que  por  não  receberem  a  devida  base  de  conhecimentos  primários  ficam  impossibilitados  de  vencer  as  fases  seguintes  de  acesso  ao  Segundo  Grau)  há,  nas  escolas  da  RP-­‐1,  um  elenco  de  deficiências  estruturais  que  também  compromete  o  desempenho  de  mestres  e  alunos.     Há  unidades,  como  é  o  caso  da  Escola  Municipal  dos  Coelhos,  que  apresentam  sérios  problemas   de   infiltração,   rachaduras   em   paredes,   vazamentos   no   sistema   hidráulico   e  
  2. 2. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   2      RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS    rachaduras   no   meio   do   piso   de   um   segundo   andar,   que   podem   oferecer   riscos   aos   alunos.  Aliás,  os  problemas  de  infiltração  são  muito  frequentes,  o  que  permite  concluir  que  os  prédios  escolares  não  recebem  a  devida  manutenção  e  estão  condenados  à  deterioração.       Há   absurdos   ou   descasos   inaceitáveis   como   na   Escola   Municipal   do   Coque   cujos  computadores,   adquiridos   pelo   poder   público   para   ampliar   o   acesso   das   crianças   às   novas  tecnologias   do   ensino,   não   funcionam   e   permanecem   desligados   porque   até   hoje   não  compraram  meros  adaptadores  para  as  suas  tomadas  elétricas.       Também   na   RPA-­‐1   poucas   são   as   escolas   que   possuem   banheiros   com   instalações  apropriadas   aos   portadores   de   necessidades   especiais,   apesar   das   intensas   campanhas   em  favor   dos   direitos   humanos   e   pela   conquista   da   cidadania   firmadas   inclusive   pelo   próprio  poder   público   que   deveria,   portanto,   dar   exemplos   no   atendimento   às   reivindicações   da  sociedade.  O  cenário  técnico-­‐pedagógico  e  as  condições  estruturais  das  escolas  integradas  à  área  administrativa   municipal   da   RP-­‐1   ensejam,   infelizmente,   uma   adversa   tendência   para  retrocessos  inaceitáveis  e  até  mesmo  constrangedores  porque  agravam  a  escalada  de  perda  de   status   do   Recife   no   ranking   da   educação   pública   entre   as   demais   capitais   brasileiras,  resultando   numa   das   piores   avaliações   quanto   à   qualidade   do   ensino   oferecido   às   nossas  crianças.  Nosso  trabalho  continua  evoluindo  num  ritmo  acelerado  e  temos  a  convicção  de  que  os  diagnósticos,  fartamente  documentados  com  fotografias  e  ferramentas  para  visitas  online  às   unidades   escolares   disponibilizadas   em   nosso   site,   estaremos   cumprindo   o   nosso   papel  institucional  de  alertar  os  gestores  públicos  sobre  a  necessidade  de  corrigir  rumos  e  oferecer  à  sociedade   uma   educação   pública   fundamental   qualitativamente   nivelada   aos   sistemas  educacionais  de  referência  mantidos  por  governos  e  pela  iniciativa  privada.                
  3. 3. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   3    RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS  EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  1º  REGIÃO  POLÍTICO  ADMINSTRATIVA  (RPA  1)  DA  CIDADE  DO  RECIFE          A   primeira   região   político-­‐administrativa   (RPA1)   da   cidade   do   Recife   abrange   onze  bairros  da  capital  pernambucana:  Bairro  do  Recife,  Santo  Antônio,  São  José,  Santo  Amaro,  Boa  Vista,  Soledade,  Cabanga,  Ilha  do  Leite,  Paissandu,  Ilha  Joana  Bezerra  e  Coelhos.  De  acordo  com  dados  do  censo  2010,  a  população  residente  nessa  RPA  corresponde  a  78.114  habitantes  (maior   que   a   população   das   cidades   de   Arcoverde,   Araripina   e   Goiana)   ,   o   que   representa  5,08%  da  população  recifense.  Sua  área  é  de  1.537  hectares.    No  que  diz  respeito  ao  Ensino  Fundamental,  a  primeira  região  político-­‐administrativa  do  recife,  possui  15  escolas.  Sendo  que  apenas  quatro  delas,  possuem  os  anos  finais  do  Ensino  Fundamental  (Fundamental  II).        
  4. 4. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   4      RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS      Tabela   1:   Nome,   notas   e   metas   do   Ideb   para   o   Fundamental   I   e   II   das   escolas   municipais  situadas  na  RPA  1.  ESCOLA  MUNICIPAL   IDEB  FUND.  I   META  FUND.  I  IDEB  FUND.  II  META  FUND.  II  ALMIRANTE  SOARES  DUTRA  4,3   4,3   Não  Possui   Não  Possui  GENERAL  EMIDIO  DANTAS  BARRETO  3,8   4,7   Não  Possui   Não  Possui  LUTADORES  DO  BEM   3,7   4,3   Não  Possui   Não  Possui  CIDADAO  HERBERT  DE  SOUZA  4,5   4,4   Não  Possui   Não  Possui  DO  COQUE   Não  Possui   Não  Possui   Não  Possui   Não  Possui  DOS  COELHOS      Não  Possui   3,6   Não  Possui   Não  Possui  NOSSA  SENHORA  DO  PILAR  Não  Possui   Não  Possui   Não  Possui   Não  Possui  PADRE  ANTONIO  HENRIQUE  Não  Possui   Não  Possui   2,7   3,7  PEDRO  AUGUSTO   Não  Possui   Não  Possui   3,2   2,9  PROFESSOR  JOSE  DA  COSTA  PORTO  3,6   4,1   3,1   3,7  REITOR  JOAO  ALFREDO  3,7   4,3   2,7   3,1  SEDE  DA  SABEDORIA   3,8   3,8   Não  Possui   Não  Possui  SITIO  DO  CEU   4,1   3,6   Não  Possui   Não  Possui  SANTO  AMARO   4.6   3.6   Não  Possui   Não  Possui  NOVO  MANGUE   3.3   2.8   Não  Possui   Não  Possui    A  média  das  notas  do  Ideb  referentes  à  RPA  1,  foi  de  3.9  para  o  Ensino  Fundamental  I  e  2.95  para  o  Fundamental  II.  A  média  das  metas  projetadas  para  a  RPA  1,  foi  de  4.0  para  o  Fundamental   I   e   3.35   para   o   Fundamental   II.   Para   fins   estatísticos,   as   outras   medidas   de  tendência   central   (mediana   e   moda),   apresentaram   os   seguintes   valores:   O   Ensino  Fundamental  I  apresentou  uma  mediana  de  3.8  e  moda  d  3.7.    A  mediana  das  metas  para  o  fundamental  I  foi  de  4.1  e  a  moda  de  4.3.  No  Fundamental  II  a  mediana  foi  de  2.9  com  uma  moda  de  2.7.  A  mediana  das  metas  para  o  Fundamental  II  foi  de  3.4  e  a  moda  de  3.7.  Quanto  a  relação  entre  metas  e  a  nota  real  é  possível  observar  que  tanto  o  Fundamental  I,  quanto  o  Fundamental   II,   a   RPA   1   foi   incapaz   de   igualar   ou   mesmo   superar   as   metas   propostas   pelo  ministério  da  Educação.    
  5. 5. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   5    RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS    Figura  1:  Comparação  entre  metas  e  resultados  reais  para  a  RPA  1,  o  município  do  Recife  e  o  Brasil.    Independente  da  medida  de  tendência  central  adotada,  o  resultado  obtido  na  RPA  1  é  inferior  as  médias  das  escolas  municipais  da  cidade  do  Recife.  No  fundamental  I,  a  média  foi  de  4.1,  enquanto  que  no  Fundamental  II  a  média  foi  de  2.9.  Quando   comparado   aos   valores   encontrados   nas   capitais   brasileiras   o   valores   são  ainda  mais  contrastantes.  Enquanto  que  no  Fundamental  I  (2011),  a  média  da  RPA  1  é  de  3.9  (mediana  de  3.8  e  moda  de  3.7)  a  média  das  capitais  brasileiras  é  4.6  (mediana  de  4.7  e  moda  de  4.0).  No  Fundamental  II,  a  média  da  RPA  1  é  2.9  (mediana  2.9  e  moda  2.7),  nas  capitais  brasileiras  a  média  foi  de  3.8  (mediana  3.9  e  moda  3.7).    Tabela  2:  Medidas  de  tendência  central  para  o  Fundamental  I  e  II  da  RPA  1  versus  as  medidas  de  tendência  central  para  o  Fundamental  I  e  II  das  capitais  brasileiras.  REGIÃO   MÉDIA   IDEB  FUND.  I  MEDIANA  IDEB  FUND.  I  MODA   IDEB  FUND.  I  MÉDIA   IDEB  FUND.  II  MEDIANA  IDEB  FUND.  II  MODA   IDEB  FUND.  II  RPA  1   3.9   3.8   3.7   2.9   2.9   2.7  CAPITAIS  BRASILEIRAS  4.6   4.7   4.0   3.8   3.9   3.7  
  6. 6. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   6      RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS        Figura  2:  Medidas  de  tendência  central  para  o  Fundamenta  I  e  II  da  RPA  1  versus  as  medidas  de  tendência  central  para  o  Fundamental  I  e  II  das  capitais  brasileiras.      Ao   procurar   elaborar   um   ranking   das   capitais   brasileiras,   acrescido   das   médias  observadas  para  a  RPA  1  no  Fundamental  I  e  II,  foi  possível  constatar  que  a  primeira  região  político-­‐administrativa  (RPA  1)  da  cidade  do  Recife,  ficaria  na  25º  posição  no  Fundamental  I  (Recife  ocuparia  a  20º  posição)  e  a  24º  posição  (Recife  ocuparia  a  23º  posição)  no  Fundamental  II.  O  desenvolvimento  educacional  das  escolas  municipais  da  RPA  1,  apesar  de  possuir  uma  trajetória  ascendente,  é  inferior  ao  observado  na  cidade  do  Recife  e  no  Brasil.  No  fundamental  1,  a  RPA  1  apresentou  as  médias  de:  2.9  (2005),  3.5  (2007)  4  (2009)  e  3.9  (2011).  O  Recife  por  sua   vez,   para   o   fundamental   I   obteve   as   médias   de:   3.2   (2005),   3.8   (2007),   4.1   (2009),   4.1  (2011).  No  fundamental  II,  a  RPA  1  apresentou  as  médias  de:  3.0  (2005),  2.4  (2007)  2.5  (2009)  e  28  (2011),  enquanto  que  o    Recife  obteve  as  médias  de:  2.8  (2005),  2.5  (2007),  2.7  (2009),  2.9  (2011).                
  7. 7. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   7    RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS  Tabela  3:  Ranking  das  “capitais”  com  as  notas  mais  baixas,  no  Fundamental  I.    POSIÇÃO*   CIDADE   NOTA  NO  IDEB  20º   Recife  –  PE   4.1  21º   Manaus  –  AM  4.1  22º   Natal  –  RN   4.0  23º   Salvador  –  BA  4.0  24º   Macapá  –  AP   4.0  25º   RPA  1   3.9  26º   Maceió  –  AL   3.7  27º   Aracajú  –  SE   3.6  *  O  ranking  apresenta  no  fundamental  I  apenas  27  posições.  O  fato  se  deve  a  exclusão  da  cidade  de  Brasília-­‐DF  (não  possui  escolas  municipais).    Tabela  4:  Ranking  das  “capitais”  com  as  notas  mais  baixas,  no  Fundamental  II.  POSIÇÃO  *   CIDADE   NOTA  NO  IDEB  20º   Porto  Velho  –  RO   3.2  21º   Aracajú  –  SE   3.1  22º   Manaus  –  AM   3.1  23º   Recife  –  PE   2.9  24º   RPA  1   2.9  24º   Salvador  –  BA   2.8  26º   Maceió  –  AL   2.3    *  O  ranking  apresenta  no  fundamental  II  apenas  26  posições.  O  fato  se  deve  a  exclusão  das  cidades  de  Boa  Vista-­‐RR  (falta  de  dados)  e  Brasília-­‐DF  (não  possui  escolas  municipais).  
  8. 8. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   8      RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS          Figura  3:  Evolução  da  média  das  notas  do  Ideb  (Fundamental  I)  no  período  de  2005-­‐2011.          Figura  4:  Análise  comparativa  da  média  das  notas  do  Ideb  (2005-­‐2011)  para  a  RPA  1,  o  Recife  e  o  Brasil.    
  9. 9. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   9    RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS      Figura  5:  Evolução  da  média  das  notas  do  Ideb  (Fundamental  II)  no  período  de  2005-­‐2011.        Figura  6:  Análise  comparativa  da  média  das  notas  do  Ideb  (2005-­‐2011)  para  a  RPA  1,  o  Recife  e  o  Brasil.      
  10. 10. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   10      RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS    ESCOLAS  MUNICIPAIS  DA  RPA  1      Escola  Municipal  Pedro  Augusto      Figura   7:   Vista   Frontal   da   Escola   Municipal   Pedro   Augusto.   Fotos   tiradas   pela   Equipe   de  Gabinete  do  Vereador  André  Régis  de  Carvalho.        A  Escola  Municipal  Pedro  Augusto  apresenta  apenas  estudantes  do  segundo  ciclo  do  Ensino  Fundamental  (6º  ano  até  o  9º).  Com  uma  nota  de  3.2,  a  escola  conseguiu  ultrapassar  a  meta  estipulada  (2.9)  para  o  ano  de  2011.  A  escola  apresenta  notas  do  Ideb  apenas  a  partir  do  ano  de  2007,  sendo  2.5  a  nota  obtida  no  respectivo  ano.      
  11. 11. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   11    RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS  Figura   8:   Cartaz   postado   na   escola   ilustrando   as   notas   e   metas   do   Ideb   projetadas   pelo  Ministério   da   Educação.   Foto   tirada   pela   Equipe   de   Gabinete   do   Vereador   André   Régis   de  Carvalho.  Em  2009,  foi  possível  observar  uma  queda  drástica  de  24%,  alcançando,  assim,  uma  nota  de  1.9,  enquanto  que  a  meta  projetada  era  de  2.6.  Em  2011,  a  escola  consegue  reverter  a  sua  trajetória  de  queda  e  obtém  uma  nota  de  3.2,  superior  aos  2.9  projetados  pelo  MEC  e  68%  superior  ao  valor  obtido  na  avaliação  anterior  (2009).      Tabela  5:  Valores  observados  do  Ideb  (Fundamental  II)  da  Escola  Municipal  Pedro  Augusto  versus  as  metas   estimadas   pelo   MEC.   Fonte   http://www.portalideb.com.br/escola/89555-­‐em-­‐pedro-­‐augusto/ideb  IDEB  OBSERVADO  2005   2007   2009   2011  -­‐   2.5   1.9   3.2  METAS  PROJETADAS  2005   2007   2009   2011  -­‐   -­‐   2.6   2.9        Figura   9:   Representação   gráfica   da   evolução   dos   valores   observados   do   IDEB   (ensino  fundamental  II)  para  a  Escola  Municipal  Pedro  Augusto  versus  as  metas  estimadas  pelo  MEC  para   os   respectivos   anos.     Fonte:   http://www.portalideb.com.br/escola/89555-­‐em-­‐pedro-­‐augusto/ideb    
  12. 12. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   12      RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS    O  fluxo  de  aprovação  foi  de  0.80,  correspondendo  a  um  crescimento  de  57%,  quando  comparado   ao   valor   encontrado   em   2009   (0.51).   O   índice   de   aprendizado   apresentou  crescimento,   de   7%,   saindo   de   3.79   (2009)   para   4.04,   em   2011.   O   valor   encontrado   para   o  fluxo  de  aprovação  em  2011  (0.80)  foi  o  mais  alto  apresentado  pela  escola  desde  2007.  Em  contrapartida,  o  índice  de  aprendizado  ficou  aquém  dos  4.10  observados  no  ano  de  2007.  Apesar   de   o   crescimento   da   Escola   Municipal   Pedro   Augusto   ter   obtido   um   valor  superior   a   60%,   quando   comparado   à   avaliação   de   2009,   e   ter   conseguido   superar   a   meta  proposta  pelo  Ministério  da  Educação,  os  dados  apresentados  pelo  Portal  QEdu  ilustram  quão  conservadora   é   a   meta   do   governo,   além   de   mostrar   que   a   evolução   da   nota   do   Ideb   não  significa  necessariamente  uma  evolução  do  aprendizado.  De  acordo  com  o  QEdu,  na  avaliação  de  2011,  apenas  15  %  dos  alunos  do  nono  ano  apresentaram   um   aprendizado   adequado   em   Português.   Em   matemática,   por   sua   vez,   os  números   são   ainda   piores:   nenhum   aluno   (0%)   do   nono   ano   da   Escola   Municipal   Pedro  Augusto  possui  aprendizado  adequado.    No  tocante  à  disciplina  de  Português,  é  possível  observar  que  a  escola  apresenta  um  ritmo  de  crescimento  contínuo.  Em  2007,  o  número  de  alunos  do  nono  ano  com  aprendizado  condizente  com  a  sua  série  foi  de  6%,  em  2009.  Obteve-­‐se  um  crescimento  de  dois  pontos  percentuais,   atingindo   assim   8%   dos   alunos.   O   ano   de   2011   corresponde,   então,   ao   maior  número  de  alunos  com  aprendizado  satisfatório:  15%,  no  total.  Se  for  possível  observar  um  gradativo   crescimento   no   aprendizado   de   Português,   não   se   pode   dizer   o   mesmo   do  aprendizado  em  Matemática.  Em  2007,  a  quantidade  de  alunos  com  aprendizado  satisfatório  correspondia  a  9%,  valor  esse  que  era  superior  aos  2%  observados  como  sendo  a  média  da  cidade  do  Recife  para  essa  disciplina.    Nas  avaliações  posteriores,  de  2009  e  2011,  a  redução  foi  drástica,  pois  nenhum  aluno  do   nono   ano   da   escola   apresentou   conhecimento   adequado   na   resolução   de   problemas  envolvendo   raciocínio   lógico.   Sendo   assim,   é   possível   observar   que   o   aprendizado   em  
  13. 13. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   13    RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS  matemática   não   condiz   com   o   crescimento   na   nota   do   Ideb.   O   crescimento   que   a   Escola  Municipal  Pedro  Augusto  apresentou  na  nota  do  Ideb  corresponderia,  então,  basicamente  à  nota   de   Português   e   ao   fluxo   de   aprovação.   Tal   fato   é   preocupante   porque,   como   fora  supracitado,  mesmo  com  um  índice  zero  de  aprendizado  em  Matemática  o  fluxo  de  aprovação  (0.80  em  2011)  nunca  foi  tão  alto  na  escola.  Dessa  forma,  mesmo  com  as  graves  deficiências  de  aprendizado  –  sobretudo  em  Matemática  –  os    alunos  da  Escola  Municipal  Pedro  Augusto  estão  sendo  aprovados.        Figura  10:  Representação  esquemática  da  evolução  das  taxas  de  aprendizado  nas  disciplinas  de  Português  e  Matemática  referente  às  turmas  do  9º  ano  da  Escola  Municipal  Pedro  Augusto.  Fonte:  http://www.qedu.org.br/escola/89555-­‐em-­‐pedro-­‐augusto/proficiencia    A  ESTRUTURA  FÍSICA  A   Escola   Municipal   Pedro   Augusto,   localizada   no   bairro   da   Boa   Vista,   funciona   em  tempo  integral,  atendendo  242  alunos  do  Fundamental  II.  Atualmente,  a  escola  conta  com  oito  salas  de  aula  com  espaço  regular  para  a  circulação  de  estudantes,  apresentando  problemas  de  manutenção.   Em   muitas   salas,   foram   observadas   lâmpadas   queimadas   e   em   uma   delas   o  quadro  encontra-­‐se  suspenso  por  duas  mesas.  
  14. 14. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   14      RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS                Figura  11:  Salas  de  aula  necessitando  de  manutenção  regular.  Em  muitas  salas  as  lâmpadas  estão  queimadas,  os  ventiladores  quebrados  e  em  uma  sala  foi  observado  o  quadro  suspenso  por  duas  mesas.  Fotos  tiradas  pela  Equipe  de  Gabinete  do  Vereador  André  Régis  de  Carvalho.      A  partir  da  visita  in  loco,  foi  possível  constatar  uma  série  de  problemas  estruturais,  que  comprometem   a   segurança   de   alunos   e   professores.   A   escola   encontra-­‐se   dividida   em   dois  prédios.  Aquele  onde  as  salas  de  aulas  estão  dispostas  apresenta-­‐se  em  melhores  condições  de  uso.  A  sala  onde  as  atividades  físicas  são  realizadas  encontra-­‐se,  contudo,  em  situação  crítica,  com   suas   paredes   apresentando   infiltrações   e   mofo.   O   local   destinado   aos   funcionários  terceirizados   de   serviços   gerais   encontra-­‐se   infestado   por   cupins,   além   de   não   apresentar  ventilação  natural,  obrigando  os  funcionários  a  trabalharem  sob  intenso  calor.  Esse  primeiro  prédio   apresenta   ainda   uma   quadra   poliesportiva   e   um   auditório   que   está   passando   por  reforma.  
  15. 15. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   15    RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS    Figura  12:  A  primeira  imagem  corresponde  à  sala  onde  ficam  os  materiais  de  educação  física,  na  fotografia  é  possível  perceber  a  parede  com  mofo  e  infiltrações.  A  segunda  imagem  retrata  a  sala  destinada  ao  pessoal  de  serviços  gerais,  infestada  por  cupins.  Fotos  tiradas  pela  Equipe  de  Gabinete  do  Vereador  André  Régis  de  Carvalho.        Figura   13:   Quadra   poliesportiva   necessitando   de   manutenção   regular.   A   segunda   imagem   é  referente  ao  auditório  da  escola  que  está  em  reforma.  Fotos  tiradas  pela  Equipe  de  Gabinete  do  Vereador  André  Régis  de  Carvalho.      No   segundo   prédio,   funcionam   a   direção,   a   secretaria,   a   coordenação   e   a   sala   dos  professores,  além  de  um  arquivo  onde  estão  depositados  os  históricos  escolares  dos  alunos.  A  estrutura  do  prédio  é  precária.  Segundo  informações  da  direção,  ele  será  desativado  em  breve.  O   prédio   possui   ainda   fiações   elétricas   expostas   e   muitas   rachaduras.   Na   sala   onde   são  armazenados  os  históricos  escolares  dos  alunos,  não  existe  ventilação  adequada  e  as  paredes  
  16. 16. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   16      RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS    apresentam  mofo.  Também  foram  encontradas  nessa  mesma  sala  buracos  na  estrutura.  A  sala  dos   professores   é   climatizada,   mobiliada   e   possui   computador   com   acesso   à   internet.   Foi  possível  observar,  porém,  muitas  lâmpadas  queimadas  e  paredes  com  infiltrações.                        Figura   14:   A   Escola   Municipal   Pedro   Augusto   apresenta   graves   problemas   estruturais   que  comprometem  a  segurança  de  todos  que  trabalham  e  estudam  na  escola.  Na  visita  in  loco  foi  possível   observar   rachaduras,   infiltrações,   fiações   elétricas   expostas,   paredes   com   mofo   e  infestadas   por   cupins.   Fotos   tiradas   pela   Equipe   de   Gabinete   do   Vereador   André   Régis   de  Carvalho.         As   salas   da   secretaria,   direção   e   coordenação   são   climatizadas   e   computadorizadas,  entretanto  a  coordenação  não  possui  acesso  à  internet.  O  quadro  administrativo  e  pedagógico  dispõe  de  impressora,  copiadora  e  telefone  fixo.  No  telefone  fixo,  é  possível  realizar  chamadas  apenas   para   outros   telefones   fixos.   Nesse   caso,   em   caso   de   necessidade   de   ligar   para   os  celulares  dos  responsáveis  das  crianças,  os  diretores  é  que  acabam  por  custear  as  ligações.    
  17. 17. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   17    RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS  O  refeitório  da  escola  é  amplo  e  com  mobília  em  boas  condições  de  uso,  garantindo  assim  um  espaço  adequado  para  as  refeições  dos  alunos.  Apesar  das  boas  condições  de  uso,  nossa  equipe  pôde  constatar  que  alguns  alimentos  ofertados  aos  alunos  não  se  encontram  nas  melhores  condições  de  consumo,  como  é  o  caso  de  algumas  frutas  disponibilizadas  para  os  alunos.  Na  cozinha,  foi  observado  que  a  geladeira,  onde  a  merenda  é  acondicionada,  encontra-­‐se  em  precárias  condições,  sendo  observadas  muitas  áreas  enferrujadas.      Figura  15:  Frutas  impróprias  para  consumo  que  seriam  servidas  na  merenda.  A  geladeira  onde  o  material  fica  armazenado  apresenta  muitos  pontos  de  ferrugem.  Fotos  tiradas  pela  Equipe  de  Gabinete  do  Vereador  André  Régis  de  Carvalho.      Nesta  escola,  há  áreas  de  convivência,  lazer  e  atividades  físicas,  como  pátio  e  quadra  poliesportiva.   Também   existem   dois   laboratórios   de   informática,   cada   um   com   dez  computadores  e  acesso  à  internet,  sendo  que  um  deles  está  com  atividades  suspensas  para  a  manutenção  das  máquinas;  um  laboratório  para  trabalhar  ciências  exatas,  ciências  da  saúde  e  da   natureza   está   sendo   montado.   Uma   biblioteca   é   aberta   aos   alunos   durante   todo   o   dia,  contando  com  espaço  para  estudo  individual  e  coletivo;  o  auditório  encontra-­‐se  interditado  devido  a  infiltrações  e  à  necessidade  de  revisão  da  parte  elétrica.  Há  banheiros  em  quantidade    suficiente  e  boas  condições  de  uso  para  alunos  e  professores.  
  18. 18. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   18      RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS      Figura  16:  Biblioteca  e  Sala  de  Ciências  e  Educação  Ambiental.  Fotos  tiradas  pela  Equipe  de  Gabinete  do  Vereador  André  Régis  de  Carvalho.      Sobre  os  serviços  básicos,  a  escola  dispõe  de  distribuição  de  água  e  coleta  de  esgoto  pela  Compesa.  A  rede  elétrica  não  apresenta  sinais  aparentes  de  risco.  Há  kit  para  primeiros  socorros,  mas  os  poucos  extintores  de  incêndio  expiraram  o  prazo,  e  uma  nova  manutenção  ainda  não  foi  realizada.  Outro  problema  que  precisa  de  solução  com  urgência  é  a  coleta  de  lixo.  Em  decorrência  das  árvores  podadas  no  terreno  e  do  despejo  de  lixo  pelos  vizinhos,  há  um  acúmulo  de  dejetos  a  ser  recolhido.  A  EMLURB  já  foi  acionada  para  realizar  o  recolhimento  do  lixo  e  a  instalação  de  uma  placa  educativa  pela  direção  da  escola,  mas  nenhuma  providência  foi  tomada.    OS  MATERIAIS  DIDÁTICOS  Além  da  biblioteca,  dois  laboratórios  de  informática  –  um  temporariamente  fechado  para  manutenção  –  e  um  laboratório  de  ciências  em  construção,  os  alunos  e  professores  da  Municipal  Pedro  Augusto  contam  com  salas  de  aula  temáticas,  que  funcionam  em  sistemas  de  rodízio.  De  acordo  com  seus  horários,  cada  turma  se  dirige  a  um  espaço  onde  são  trabalhadas  competências  e  habilidades  específicas,  de  acordo  com  os  materiais  didáticos  à  disposição.  
  19. 19. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   19    RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS  Nesta  instituição  de  ensino,  há  quadra  poliesportiva  para  as  aulas  de  Educação  Física  e  atividades  do  “Mais  Educação”  que  funcionam  em  conjunto  com  o  ensino  regular.  Também  existe   um   auditório   que   está   interditado,   e   está   sendo   feita   uma   reforma.   Aos   alunos   são  entregues  cadernos,  livros,  lápis,  canetas  e  similares.  Da  mesma  forma,  estão  à  disposição  dos  professores  aparelhos  de  TV,  DVD,  som,  jogos,  datashow,  acesso  à  internet  e  a  possibilidade  de  realizar  aulas  de  campo.  Como  não  atende  alunos  com  necessidades  especiais,  não  há  sala  de  recursos  multifuncionais.    CORPO  DOCENTE  E  AS  ESTRUTURAS  ADMINISTRATIVA  E  PEDAGÓGICA    Na   Municipal   Pedro   Augusto,   nove   funcionários   trabalham   servindo   as   merendas   e  limpando  a  escola.  Outros  seis  controlam  a  entrada  e  a  saída  de  pessoas  do  prédio.  O  corpo  docente  é  formado  por  dezoito  professores,  dos  quais  quinze  atuam  em  sala  de  aula  e  outros  três   estão   readaptados   para   a   biblioteca   e   elaboração   de   projetos   pedagógicos.   Quatro  estagiários   de   licenciatura   ficam   no   apoio   didático   e   orientação   dos   alunos.   Há   três  funcionários  do  administrativo  e  um  estagiário  de  ensino  médio  pela  manhã,  necessitando-­‐se  de  um  no  horário  da  tarde.  Os  laboratórios  de  informática  estão  sem  monitor.     Pelo   programa   “Mais   Educação”,   são   oferecidas   aos   alunos   oficinas   de   música,  esportes  e  reforço  em  português  e  matemática.  De  acordo  com  a  direção  da  escola,  o  trabalho  com  leitura  e  cálculos  precisa  ser  intensificado.     Além  do  que  foi  narrado  pelos  funcionários,  no  momento  da  visita  deparamos  com  a  tentativa   de   resolver   problemas   ligados   à   violência   que   adentra   os   muros   da   escola.   Há  histórico   de   alunos   que   fogem   da   escola,   ameaçam   professores   de   morte   e   provocam  confrontos  frequentemente.  Ainda  assim,  não  há  circuito  interno  de  câmeras.  
  20. 20. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   20      RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS    O  conselho  tutelar  e  os  pais  são  acionados,  sempre  que  necessário.  As  informações  prestadas  no  momento  da  visita  indicaram  que  os  responsáveis  só  comparecem  às  reuniões  quando  o  recebimento  de  bolsas  está  em  pauta.     Para  mediar  os  conflitos  dentro  da  instituição  de  ensino,  a  Pedro  Augusto  participa  do  projeto  “Escola  Legal”,  no  qual  estagiários  principalmente  dos  cursos  de  Direito  e  Psicologia  identificam  as  causas  dos  entraves  entre  alunos  ou  entre  alunos  e  professores  e,  a  partir  disto,  em  conjunto,  traçam  soluções  para  os  problemas.  Atualmente,  este  projeto  está  diminuindo  os  casos  de  violência  no  ambiente  escolar.    CONSIDERAÇÕES  FINAIS  E  ENCAMINHAMENTOS    Desde   a   sua   primeira   avaliação   no   IDEB,   a   Escola   Municipal   Pedro   Augusto   sofreu  grandes  mudanças  em  sua  estrutura  física,  que  comprometeram  o  desempenho  de  alunos  e  professores.   Atualmente,   em   novas   instalações   e   contando   com   um   projeto   pedagógico  diferenciado,  a  escola  acredita  em  que  possa  melhorar  seus  índices  nas  avaliações  futuras.        Organizadas  a  partir  de  eixos  temáticos,  as  salas  do  Pedro  Augusto  funcionam  como  laboratórios   onde   os   estudantes   podem   encontrar   materiais   didáticos   com   os   quais  trabalharem  competências  e  habilidades  referentes  a  áreas  específicas  do  conhecimento.  Além  disso,   dois   laboratórios   de   informática,   uma   biblioteca   e   uma   quadra   poliesportiva   estão   à  disposição.     A   princípio,   o   crescimento   da   nota   do   Ideb   acima   do   projetado   pelo   Ministério   da  Educação   leva   a   acreditar   em   que   os   alunos   da   Escola   Municipal   Pedro   Augusto   têm  melhorado   seu   aprendizado   de   maneira   significativa.   Não   obstante,   a   constatação   de   que  nenhum  dos  alunos  do  nono  ano  apresenta  aprendizado  adequado  em  Matemática,  aliado  ao  elevado   índice   de   aprovação,   nos   leva   a   concluir   que   o   crescimento   da   nota   do   Ideb   não  corresponde  de  fato  a  um  melhor  aprendizado,  mas  sim  a  uma  maior  taxa  de  aprovação  dos  
  21. 21. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   21    RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS  alunos,   mesmo   que   esses   não   se   encontrem   em   condições   de   passar   para   séries   mais  avançadas.  Além  das  boas  salas  de  aula  e  dos  espaços  de  convivência  e  lazer,  a  alimentação  é  um  fator  que  merece  atenção.  De  acordo  com  a  direção  da  escola,  por  vezes  a  merenda  oferecida  não  está  em  condições  adequadas  para  ser  servida  aos  alunos,  como,  por  exemplo,  frutas  não-­‐amadurecidas.  Também  informaram  que  o  cardápio  é  pouco  variado,  e  o  sabor  costuma  ser  rejeitado  pelos  alunos.  Ademais,   na   estrutura   física,   um   dos   laboratórios   de   informática   precisa   passar   por  manutenção,  para  ser  reaberto.  São  necessárias  urgentemente  a  instalação  de  extintores  de  incêndio   e   a   retirada   do   lixo   acumulado   no   terreno   da   escola.   Na   estrutura   didática,   a  coordenação  pedagógica  da  escola  informou  carecer  de  pessoal  para  reforçar  as  oficinas  de  letramento  e  Matemática  para  os  alunos  com  dificuldades  de  aprendizagem.    Escola  Municipal  Professor  José  da  Costa  Porto      Figura  17:  Vista  Frontal  da  Escola  Municipal  Professor  José  da  Costa  Porto.  Foto  tirada  pela  Equipe  de  Gabinete  do  Vereador  André  Régis  de  Carvalho.      A  Escola  Municipal  Professor  José  da  Costa  Porto  apresenta  os  dois  ciclos  do  ensino  Fundamental.  No  Fundamental  I,  a  escola  possui  a  nota  do  Ideb  de  3.6;  o  Fundamental  II,  por  sua  vez,  de  3.1.  Os  dados  são  preocupantes,  haja  vista  que  nem  a  tímida  meta  proposta  pelo  
  22. 22. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   22      RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS    Ministério   da   Educação   a   escola   conseguiu   alcançar,   estando   12%   abaixo   da   meta   no  Fundamental   I   e   16%   abaixo   da   média   no   Fundamental   II.   A   escola   apresentava,   no  Fundamental  I,  uma  trajetória  ascendente  até  o  ano  de  2007,  quando  obteve  a  nota  de  3.7  (em   2005,   a   nota   foi   3.3),   estando   acima   da   média   estipulada   pelo   governo,   de   3.4.   Não  obstante,  em  2009,  a  escola  sofreu  uma  queda  de  3%,  atingindo  a  nota  de  3.6.  Em  2011,  o  valor  se  repetiu.  As  metas  projetadas  para  os  anos  de  2009  e  2011,  porém,  eram  de  3.7  e  4.1,  respectivamente.    No   Fundamental   II,   a   escola,   em   momento   nenhum,   conseguiu   alcançar   a   metas  projetadas   pelo   Ministério   da   Educação.   Além   de   notas   abaixo   do   esperado,   a   escola  encontrava-­‐se,  até  2009,  em  trajetória  decrescente.  Em  2005,  a  nota  foi  de  3.2;  em  2007,  foi  observada  uma  redução  de  13%,  alcançando-­‐se  a  nota  de  2.8;  em  2009,  a  escola  manteve  a  trajetória  de  queda,  reduzindo  sua  nota  para  2.7:  queda  de  4%,  quando  comparado  com  2007.  O  ano  de  2011  marca  uma  quebra  no  padrão  decrescente  que  a  escola  apresentava,  pois  a  nota  do  Ideb  subiu  de  2.7  (em  2009)  para  3.1  (em  2011):  um  crescimento  de  15%,  apesar  de  ainda  estarem  0.6  pontos  abaixo  da  média.    Tabela  6:  Valores  observados  do  Ideb  (Fundamental  I)  da  Escola  Municipal  Professor  José  da  Costa  Porto   versus   as   metas   estimadas   pelo   MEC.   Fonte  http://www.portalideb.com.br/escola/96129-­‐em-­‐professor-­‐jose-­‐da-­‐costa-­‐porto/ideb  IDEB  OBSERVADO  2005   2007   2009   2011  3.3   3.7   3.6   3.6  METAS  PROJETADAS  2005   2007   2009   2011  -­‐   3.4   3.7   4.1      
  23. 23. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   23    RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS  Tabela  7:  Valores  observados  do  Ideb  (Fundamental  II)  da  Escola  Municipal  Professor  José  da  Costa  Porto   versus   as   metas   estimadas   pelo   MEC.   Fonte  http://www.portalideb.com.br/escola/96129-­‐em-­‐professor-­‐jose-­‐da-­‐costa-­‐porto/ideb  IDEB  OBSERVADO  2005   2007   2009   2011  3.2   2.8   2.7   3.1  METAS  PROJETADAS  2005   2007   2009   2011  -­‐   3.3   3.4   3.7        Figura   18:   Representação   gráfica   da   evolução   dos   valores   observados   do   IDEB   (ensino  fundamental   I)   para   a   Escola   Municipal   Professor   José   da   Costa   Porto   versus   as   metas  estimadas  pelo  MEC  para  os  respectivos  anos.    Fonte:http://www.portalideb.com.br/escola/96129-­‐em-­‐professor-­‐jose-­‐da-­‐costa-­‐porto/ideb?etapa=9&rede=municipal    
  24. 24. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   24      RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS        Figura  19:  Representação  gráfica  da  evolução  dos  valores  observados  do  IDEB  (ensino  fundamental   II)   para   a   Escola   Municipal   de   Professor   José   da   Costa   Porto   versus   as   metas  estimadas   pelo   MEC   para   os   respectivos   anos.   Fonte:  http://www.portalideb.com.br/escola/96129-­‐em-­‐professor-­‐jose-­‐da-­‐costa-­‐porto/ideb?etapa=9&rede=municipal    O   fluxo   de   aprovação   foi   de   0.88,   correspondendo   a   uma   queda   de   4%,   quando  comparado  ao  valor  encontrado  em  2009.  O  índice  de  aprendizado  apresentou  crescimento  de  5%,  saindo  de  3.88  (2009)  para  4.09  (2011).  O  valor  encontrado  para  o  fluxo  de  aprovação  em  2011  (0.88)  foi  o  mais  baixo  apresentado  pela  escola,  desde  2005.  Em  contrapartida,  o  índice  de  aprendizado  foi  o  mais  elevado  entre  todas  as  avaliações  realizadas  pelo  INEP.    De   acordo   com   o   QEdu,   apenas   16   %   dos   alunos   do   quinto   ano   possuem   um  aprendizado   adequado   de   Português;   em   Matemática,   o   valor   é   ainda   menor:   apenas   6%  obtiveram  um  correto  aprendizado  da  disciplina.  No  Fundamental  II,  os  dados  são  ainda  mais  preocupantes,  haja  vista  que,  dos  alunos  do  nono  ano,  somente  11  %  possuem  aprendizado  adequado   para   leitura,   interpretação   de   textos   e   3%   com   aprendizado   adequado   de  Matemática.    No  que  diz  respeito  ao  aprendizado  em  Português,  2009  foi  o  ano  em  que  a  escola  apresentou  as  menores  taxas  de  aprendizado,  sendo  8%  dos  alunos  no  5º  ano  e  2%  no  9º  ano  com  aprendizado  adequado.  Em  2007,  os  valores  eram  de  12%  e  5%,  respectivamente  para  os  referidos   anos.   Como   ilustrado   pela   nota   do   Ideb,   2011   se   apresentou   como   um   ano   de  
  25. 25. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   25    RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS  recuperação  para  a  escola,  elevando  o  número  de  alunos  com  aprendizado  coerente  à  série  de  estudo  para  16%  (quinto  ano)  e  11%  (nono  ano).    Em   Matemática,   os   índices   de   aprendizado   são   piores.   Até   2009,   nenhum   aluno   do  nono   ano   da   Escola   Municipal   Professor   José   da   Costa   Porto   possuía   aprendizado   capaz   de  resolver   problemas   envolvendo   raciocínio   lógico.   No   5º   ano,   a   escola   possuía   9%   dos   seus  alunos   com   aprendizado   adequado,   em   2007.   Em   2009,   esse   número   subiu   para   10%.   Não  obstante,  em  2011  foi  observado  o  pior  índice  de  aprendizado  em  Matemática  para  o  5º  ano,  com  o  valor  de  6%  de  aprendizado.  Como  fora  supracitado,  no  que  diz  respeito  ao  9º  ano,  até  2009  o  índice  de  aprendizado  da  disciplina  era  de  0%;  em  2011,  foi  observado  um  crescimento  relativo   de   3%,   o   que   em   números   absolutos   corresponde   a   apenas   dois   alunos   com  aprendizado  adequado  na  turma  do  5º  ano  da  Escola  Municipal  Professor  José  da  Costa  Porto.      Figura  20:  Representação  esquemática  da  evolução  das  taxas  de  aprendizado  nas  disciplinas  de  Português  e  Matemática  referente  às  turmas  do  5º  ano  e  9º  ano  da  Escola  Municipal  Professor  José   da   Costa   Porto.   Fonte:   http://www.qedu.org.br/escola/96129-­‐em-­‐professor-­‐jose-­‐da-­‐costa-­‐porto/proficiencia    A  ESTRUTURA  FÍSICA    Escola   Municipal   José   da   Costa   Porto,   localizada   no   bairro   de   Joana   Bezerra,   conta  com   17   salas   de   aula   que,   em   geral,   são   espaçosas   e   bem   iluminadas.   Destas,   apesar   do  intenso  calor  do  prédio,  apenas  quatro  são  climatizadas;  as  outras  13  são  abafadas,  ainda  que  tenham  ventiladores  instalados.  Apesar  de  atender  alunos  com  necessidades  especiais,  não  há  sala  de  recursos  multifuncionais.  
  26. 26. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   26      RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS                    Figura   21:   As   salas   de   aula   necessitam   de   manutenção   regular.   Nas   imagens   é   possível  observar   cadeiras   danificadas,   ventilador   quebrado   e   lousa   em   péssimas   condições   de   uso.  Fotos  tiradas  pela  Equipe  de  Gabinete  do  Vereador  André  Régis  de  Carvalho.      Como   espaços   de   vivência,   recreação   e   práticas   esportivas,   esta   escola   possui   pátio  interno  e  pátio  externo.  Em  dias  de  chuva,  por  falta  de  canos  para  escoamento  de  água,  o  pátio  interno  costuma  alagar.  Há  também  uma  quadra  poliesportiva,  que,  todos  os  dias,  no  horário  da  noite,  fica  aberta  à  comunidade  e  necessita  de  reformas  no  telhado,  danificado  em  decorrência  de  pedras  atiradas,  além  de  um  exaustor  para  diminuir  o  intenso  calor  no  espaço;  os   vestiários   precisam   ser   requalificados,   haja   vista   que   não   são   iluminados,   e   alguns  chuveiros,  vasos  e  pias  sanitárias  estão  quebrados.  Os  bebedouros  da  quadra  não  funcionam.  
  27. 27. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   27    RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS    Figura  22:  Espaços  de  recreação  da  Escola  Municipal  Professor  José  da  Costa  Porto.  As  imagens  dizem  respeito  ao  pátio  e  à  quadra  poliesportiva.  Fotos  tiradas  pela  Equipe  de  Gabinete  do  Vereador  André  Régis  de  Carvalho.    Nessa   escola,   há   uma   biblioteca   ampla   e   climatizada,   mobiliada   com   boas   mesas,  cadeiras   e   armários,   mas   que,   por   causa   de   lâmpadas   queimadas,   não   é   bem   iluminada.   O  espaço   onde   deveria   funcionar   o   laboratório   de   informática   está   fechado   porque   os   novos  computadores,  que  são  17,  dependem  de  reparos  na  rede  elétrica;  esta  sala  é  ampla  e  bem  iluminada,  porém  não  é  climatizada.      Figura  23:  Apesar  de  novos,  os  computadores    não  são  utilizados  em  virtudes  de  problemas  com  a  rede  elétrica  da  escola.  Fotos  tiradas  pela  Equipe  de  Gabinete  do  Vereador  André  Régis  de  Carvalho.    
  28. 28. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   28      RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS    Os  professores  contam  com  uma  sala  ampla  e  climatizada,  mobiliada  com  boas  mesas,  armários   e   cadeiras.   Nela,   também   há   forno   de   micro-­‐ondas,   aparelho   de   televisão   e  bebedouro;  sua  iluminação  é  boa,  embora  algumas  lâmpadas  estejam  queimadas  e  precisem  ser   substituídas.   A   direção   fica   em   uma   sala   com   espaço   para   circulação,   climatização,  computador  com  acesso  à  internet  e  conectado  a  uma  impressora  e  copiadora,  aparelho  de  TV  e  som,  assim  como  boas  mesas,  armários  e  cadeiras.  Há  outra  sala  com  as  mesmas  condições  da  diretoria,  porém  sem  aparelho  de  TV,  fica  a  secretaria.  A  coordenação,  por  sua  vez,  utiliza  uma  sala  da  mesma  forma  ampla,  climatizada,  bem  iluminada  e  mobiliada  com  boas  mesas,  cadeiras   e   armários;   aqui,   algumas   caixas   de   tomadas   estão   com   afiação   exposta   e   não   há  computador,  nem  acesso  à  internet.  A  Escola  Municipal  José  da  Costa  Porto  não  sofre  com  falta  de  água  e  é  ligada  à  rede  de  saneamento  de  esgoto  da  Compesa.  Em  27  anos  de  funcionamento,  esta  escola  nunca  teve  revisão  na  rede  elétrica.  Todas  as  tomadas  e  interruptores  estão  ligados  a  um  único  disjuntor,  aumentando   o   consumo   de   energia,   porque,   com   isso,   todos   os   eletrônicos   são   ligados,  obrigatoriamente,   ao   mesmo   tempo.   Nesta   instituição,   não   há   extintores   de   incêndio,   e   as  quatro  saídas  de  emergência  não  são  sinalizadas.  Como  funciona  ao  lado  de  um  canal  de  esgoto  a  céu  aberto,  a  Escola  Municipal  José  da  Costa  Porto  convive  com  pragas  de  pernilongos  e  ratos.  No  canal  conjugado  a  algumas  das  salas,  moradores  da  comunidade  criam  cavalos  que,  além  de  não  receber  bom  tratamento,  causam  um  cheiro  desagradável.  As  merendas  são  recebidas  regularmente  em  uma  cozinha  ampla,  limpa,  arejada,  bem  iluminada  e  que  conta  com  refrigeradores  e  fogão  em  boas  condições  de  uso.  O  cardápio  é  variado,   ainda   assim   o   sabor   dos   alimentos,   em   sua   maioria,   não   agradam   os   alunos.   O  refeitório   tem   boas   mesas   e   cadeiras;   é   amplo,   porém   mal   iluminado   e   mal   ventilado,  precisando  de  mais  lâmpadas  e  ventiladores.  Nesta  escola,  há  bebedouro  com  água  filtrada,  
  29. 29. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   29    RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS  pratos,  copos  e  talheres  em  boas  condições  de  uso,  sendo  que  não  têm  colheres  suficientes  para  o  número  de  estudantes.    Figura  24:  Cozinha  e  refeitório  da  Escola  Municipal  José  da  Costa  Porto.  O  refeitório  apesar  de  possuir  um  bom  espaço  para  os  alunos  é  abafado  e  não  conta  com  ventiladores  suficientes.  Fotos  tiradas  pela  Equipe  de  Gabinete  do  Vereador  André  Régis  de  Carvalho.    Sobre  os  banheiros,  são  dez  para  os  alunos,  sendo  dois  adaptados  para  cadeirantes  e  pessoas  com  outras  limitações  motoras.  Existem  outros  dois  para  os  professores.  Há  banheiros  sujos,  mal  iluminados,  que  possuem  vasos  sanitários  inutilizáveis,  portas   velhas  e  acabadas,  fiação  para  instalação  de  calhas  exposta  no  teto  por  causa  da  falta  de  lâmpadas,  vários  outros  itens   quebrados   e   que,   no   entanto,   ainda   têm   mau   cheiro   devido   ao   retorno   dos   gases  provenientes   do   esgoto.   Esses   banheiros   necessitam   de   reformas,   para   que   adquiram   as  condições  adequadas  de  higiene  e  de  uso.    
  30. 30. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   30      RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS      Figura   25:   Banheiros   em   completo   estado   de   insalubridade.   Fotos   tiradas   pela   Equipe   de  Gabinete  do  Vereador  André  Régis  de  Carvalho.    OS  MATERIAIS  DIDÁTICOS    Na  Escola  Municipal  José  da  Costa  Porto,  os  alunos  receberam,  em  2013,  o  kit  escolar  da  Prefeitura,  contendo  cadernos,  lápis,  canetas,  borrachas  e  similares;  o  MEC  também  enviou  os   livros   didáticos.   Até   então,   não   foram   entregues   aos   alunos   bolsa   e   fardamento.   Para   o  trabalho  pedagógico,  professores  e  alunos  têm  à  disposição  livros  didáticos  e  paradidáticos,  aparelho  de  TV,  DVD,  som,  datashow  e  até  aulas  de  campo.  Contam  com  uma  biblioteca,  mas  o  laboratório  de  informática  ainda  não  está  funcionando.      CORPO  DOCENTE  E  AS  ESTRUTURAS  ADMINISTRATIVA  E  PEDAGÓGICA    Na   Escola   Municipal   José   da   Costa   Porto,   o   corpo   docente   é   formado   por   42  professores,   sendo   que   41   atuam   em   sala   de   aula,   contando   com   três   estagiários   de   nível  superior  no  suporte  pedagógico.  Outro  professor  é  readaptado  para  assumir  as  atividades  de  secretaria,   dando   apoio   aos   dois   funcionários   do   administrativo,   juntamente   com   dois  
  31. 31. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   31    RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS  estagiários   de   ensino   médio.   Na   biblioteca,   há   mediador   de   leitura   vinculado   ao   programa  “Manuel  Bandeira  de  Formação  de  Leitores”,  apenas  no  turno  da  manhã.  Para  servir  as  merendas  e  limpar  a  escola,  a  Municipal  José  da  Costa  Porto  tem  sete  colaboradores  de  serviços  gerais,  enquanto,  para  controlar  a  entrada  e  saída  de  pessoas  do  prédio,  há  seis  porteiros.  Na  direção  e  coordenação  pedagógica,  há  uma  diretora,  uma  vice-­‐diretora,  e  apenas  uma  coordenadora  para  os  turnos  da  tarde  e  da  noite;  pela  manhã,  os  professores  não  têm  orientação   pedagógica   da   coordenação   da   escola.   Além   destas   três   funcionárias,   não   há  nenhum  apoio  para  o  acompanhamento  dos  alunos,  mesmo  durante  a  manhã  e  a  tarde,  tendo,  em  cada  horário,  17  turmas  com  media  de  436  estudantes.  Apesar  de  atender  alunos  com  limitações  motoras  e  sensoriais,  com  dificuldades  de  aprendizagem   e   distúrbios   mentais,   este   público   não   recebe   tipo   algum   de   atendimento  especial.  Além  de  não  contarem  com  acompanhamento  em  sala  de  aula,  nem  professores  e  materiais  didáticos  especializados,  nesta  escola  não  há  sala  de  recursos  multifuncionais.  A  José  da   Costa   Porto   também   não   tem   profissionais   com   formação   em   Psicologia   ou   Psico-­‐Pedagogia,  para  orientar  professores  e  alunos.  Como   incentivo   à   aprendizagem,   aqui   funcionam   o   “Mais   Educação”   e   o   “Escola  Aberta”.  Nestes  programas,  são  oferecidos  oficinas  de  letramento  em  português,  reforço  em  matemática,  dança  e  diferentes  modalidades  esportivas.  A   comunicação   com   os   familiares   dos   estudantes   se   dá   através   de   seis   conselhos  anuais  e  em  casos  de  necessidade  pontual.  Ainda  é  uma  minoria  dos  pais  e  responsáveis  que  participa  ativamente  da  vida  escolar  dos  filhos.    CONSIDERAÇÕES  FINAIS  E  ENCAMINHAMENTOS    
  32. 32. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   32      RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS    Das   17   salas   de   aula   da   Escola   Municipal   José   da   Costa   Porto,   apenas   quatro   são  climatizadas;   as   outras   13,   mesmo   com   ventiladores,   são   muito   quentes,   provocando  desconforto  para  os  alunos.  Neste  caso,  seria  interessante  a  instalação  de  condicionadores  de  ar  para  climatizar  os  ambientes.  Em   dias   de   chuva,   por   falta   de   canos   para   escoamento   de   água,   o   pátio   interno   da  escola  alaga.  Assim,  para  evitar  danos  à  mobília  e  a  equipamentos  eletrônicos,  é  importante  a  criação  de  saídas  das  águas  pluviais.  A   coberta   da   quadra   poliesportiva   precisa   de   reforma,   devido   às   frestas   nela  presentes;  aqui,  também,  é  preciso  a  instalação  de  um  exaustor  para  amenizar  o  intenso  calor  no  local.  Os  vestiários  da  quadra  estão  com  alguns  chuveiros,  vasos  e  pias  quebradas,  assim  como   apresentam   pichações   nas   paredes   e   lâmpadas   queimadas,   necessitando   de  requalificação.  Os  bebedouros  da  quadra  também  não  funcionam.  A   área   do   refeitório   é   escura   e   quente   e,   por   isso,   precisa   de   mais   lâmpadas   e  ventiladores.   A   rede   elétrica   precisa   de   revisão,   haja   vista   que   todas   as   tomadas   e  interruptores  estão  ligados  a  um  único  disjuntor.  Além  disso,  por  não  suportar  maior  carga  de  energia,   a   rede   de   energia   não   permite   que   sejam   ligados   os   17   computadores   novos.   O  laboratório  de  informática  não  funciona,  portanto.  Nesta   escola,   não   há   extintores   de   incêndio,   e   as   saídas   de   emergência   não   são  sinalizadas.  Medidas  precisam  ser  tomadas  no  sentido  de  solucionar  este  problema.  Ao   Lado   da   Municipal   José   da   Costa   Porto,   há   um   canal   de   esgoto   a   céu   aberto,  ocupado  por  cavalos.  Estes  animais  precisam  ser  retirados  do  local  por  sofrerem  maus  tratos  e  por  causarem  mau  cheiro.  Além  disso,  o  canal  precisa  ser  limpo.  Para   garantir   um   melhor   desempenho   dos   professores   e   alunos,   é   importante   a  contratação   de   novos   funcionários   para   assumir   o   trabalho   de   coordenação   pedagógica.   Os  alunos  com  deficiências  motoras,  sensoriais  e  mentais  que  aqui  estudam  também  precisam  de  
  33. 33. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   33    RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS  materiais  didáticos  específicos  e  acompanhamento  no  processo  escolar  de  aprendizagem  por  profissionais  habilitados  para  o  trabalho  de  educação  especial.    ESCOLA  MUNICIPAL  GENERAL  EMÍDIO  DANTAS  BARRETO    Figura  26:  Vista  Frontal  da  Escola  Municipal  General  Emídio  Dantas  Barreto.  Fotos  tiradas  pela  Equipe  de  Gabinete  do  Vereador  André  Régis  de  Carvalho.      A  Escola  Municipal  General  Emídio  Dantas  Barreto  apresenta  apenas  o  primeiro  ciclo  do  Ensino  Fundamental.  Em  2011,  último  ano  de  avaliação  do  Ideb,  obteve  nota  3.8  e  ficou  19%   abaixo   da   meta   estabelecida,   de   4.7.   Durante   os   últimos   oito   anos   (2005   –   2012),   a  trajetória  da  escola  exibiu  períodos  de  queda  e  subsequente  ascensão,  embora  com  resultados  sofríveis  e  sempre  abaixo  do  ponto  inicial  (2005),  cuja  pontuação  foi  de  3.9.  Em  2007,  a  Emídio  Barreto  alcançou  a  nota  4.1  e  ficou  20,5%  abaixo  da  meta  estabelecida,  de  3.9;  em  2009,  3.6,  pontuação  16,2%  inferior  à  estabelecida  para  a  meta  anual,  de  4.3.        Tabela   8:   valores   observados   (Fundamental   I)   da   Escola   Municipal   General   Emídio   Dantas  Barreto   versus   as   médias   estimadas   pelo   MEC.   Fonte:  http://www.portalideb.com.br/escola/91355-­‐em-­‐general-­‐emidio-­‐dantas-­‐barreto/ideb  IDEB  OBSERVADO  2005   2007   2009   2011  3.9   3.1   3.6   3.8  
  34. 34. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   34      RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS    METAS  PROJETADAS  2005   2007   2009   2011  -­‐   3.9   4.3   4.7      Figura  27:  representação  gráfica  dos  valores  observados  do  Ideb  (Fundamental  I)  para  a  Escola  Municipal  General  Emídio  Dantas  Barreto  versus  as  metas  estabelecidas  para  os  respectivos  anos.   Fonte:   http://www.portalideb.com.br/escola/91355-­‐em-­‐general-­‐emidio-­‐dantas-­‐barreto/ideb      O   fluxo   de   aprovação   foi   de   0.93,   que   representa   sete   alunos   reprovados   em   cada  grupo   de   100.   Em   relação   à   avaliação   anterior,   referente   ao   ano   de   2009,   apresentou  crescimento  de  2%.  O  indicador  de  aprendizado  também  ascendeu,  partindo  de  3.94  (2009)  para  4.11  (2011),  representando  um  acréscimo  de  4%.  Observaram-­‐se,  portanto,  os  maiores  valores  desde  2005,  tanto  de  aprovação  quanto  de  aprendizado.     De   acordo   com   o   Qedu,   apenas   12%   dos   alunos   da   escola   apresentaram   um  aprendizado   considerado   adequado   em   Português.   Para   Matemática,   esse   valor   é   ainda  menor:  5%  aprenderam  a  disciplina  corretamente.  Nos  anos  anteriores,  a  avaliação  do  Ideb  demonstra   que   houve   evolução   e   subsequente   estagnação   no   aprendizado   da   primeira  matéria   e   crescimento   tímido   no   da   segunda.   Respectivamente,   em   2007,   apenas   3%   e  nenhum  dos  alunos  aprenderam  adequadamente  Português  e  Matemática.  Para  2009,  esses  valores  são  de  13%  e  3%.  Sendo  assim,  observa-­‐se  que  houve  crescimento,  decerto,  porém  insuficiente.  
  35. 35. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   35    RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS    Figura  28:  Representação  esquemática  da  evolução  das  taxas  de  aprendizado  nas  disciplinas  de  Português  e  Matemática  referente  às  turmas  do  5º  ano  e  9º  ano  da  Escola  Municipal  General  Emídio   Dantas   Barreto.   Fonte:   http://www.qedu.org.br/escola/91355-­‐em-­‐general-­‐emidio-­‐dantas-­‐barreto/proficiencia      A  ESTRUTURA  FÍSICA  São   oito   as   salas   da   Municipal   Emídio   Dantas   Barreto,   todas   bem   iluminadas,   com  espaço  para  movimentação,  armários,  lousas  e  bancas  em  boas  condições  de  uso.  Fora  deste  ambiente,  os  alunos  contam  com  áreas  de  interação  e  recreação,  como  pátio  e  parque.  Apesar  dos  altos  índices  de  violência  do  bairro  de  Santo  Amaro  ,  não  há  circuito  interno  de  câmeras.  Esta  instituição  de  ensino  conta  com  uma  quadra  poliesportiva  cedida  pela  Polícia  Civil  para  a  prática  de  esportes,  porém  sem  cobertura,  limitando  sua  utilização  conforme  a  ação  do  sol  e  das  chuvas.      
  36. 36. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   36      RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS        Figura  29:  Algumas  das  áreas  de  convívio  dos  estudantes.  A  primeira  imagem  corresponde  ao  pátio,  a  segunda  a  uma  das  suas  salas  de  aula,  a  terceira  a  quadra  poliesportiva  e  a  última  imagem  corresponde  ao  parquinho.  Fotos  tiradas  pela  Equipe  de  Gabinete  do  vereador  André  Régis  de  Carvalho.       Há  também  um  laboratório  que  oferece  aulas  de  informática,  cujo  espaço  é  aberto  aos  alunos  fora  do  horário  de  aula;  seus  dez  computadores  com  acesso  à  internet  sem  fio  estão  igualmente  à  disposição  dos  alunos  e  professores.  A  biblioteca  da  escola  também  é  aberta  aos  alunos   no   contra   turno   letivo   e   conta   com   um   profissional   que   exerce   a   função   de  bibliotecário.      Figura   30:   Laboratório   de   informática   e   Biblioteca.   Ambas   as   salas   em   bom   estado   de  conservação.  Fotos  tiradas  pela  Equipe  de  Gabinete  do  vereador  André  Régis  de  Carvalho.       Os  professores  têm  à  disposição  uma  sala  ventilada,  bem  iluminada,  com  bom  espaço  para  circulação,  armários,  mesas,  cadeiras  e  computador  acessíveis  à  internet.  Existe  uma  sala  
  37. 37. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   37    RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS  funcional  para  a  secretaria,  direção  e  coordenação  que  é  ampla,  bem  iluminada,  porém  com  climatização  precária  e  com  a  fiação  elétrica  exposta.  Nessa  sala  também  há  computadores  com  acesso  à  internet,  copiadora,  impressora,  armários,  mesas  e  cadeiras.  Para  a  copiadora,  informou   a   direção   que   os   tonners   enviados   pela   prefeitura   não   suprem   a   necessidade   da  escola.    Figura   31:   Sala   destinada   ao   uso   dos   professores   (primeira   imagem)   e   a   sala   da  secretaria/direção.  Na  segunda  imagem  é  possível  observar  que  a  sala  da  direção  apresenta  problemas  de  exposição  de  fiação  elétrica.  Fotos  tiradas  pela  Equipe  de  Gabinete  do  vereador  André  Régis  de  Carvalho.    O  refeitório  da  Municipal  General  Emídio  Dantas  Barreto  é  limpo,  espaçoso,  iluminado,  bem  ventilado  e  equipado  com  boas  mesas  e  cadeiras.  Na  cozinha  onde  são  distribuídos  os  alimentos,  há  um  refrigerador  que  satisfaz  as  necessidades  do  público.  A  merenda  é  recebida  regularmente,  não  costuma  apresentar  irregularidades  e  tem  um  cardápio  variado,  bem  aceito  pelos  estudantes.     Sobre  os  serviços  básicos,  a  escola  é  atendida  pelos  serviços  de  distribuição  de  água  e  coleta  de  esgoto  da  Compesa.  Quando  há  problemas  com  o  serviço  de  água,  o  caminhão  pipa  solicitado   à   Prefeitura   costuma   demorar   a   chegar.   A   rede   elétrica   precisa   de   uma   revisão  devido  a  indicativos  de  curtos-­‐circuitos.  Na  visita,  encontramos  extintores  de  incêndio  dentro  do  prazo  de  validade  e  kit  para  primeiros  socorros.  
  38. 38. EDUCAÇÃO  BÁSICA  NA  RPA1  -­‐  RECIFE   38      RELATÓRIO  2  -­‐  ABRIL  DE  2013  |  EQUIPE  VEREADOR  ANDRÉ  RÉGIS       Três  banheiros  estão  à  disposição  dos  funcionários;  seis,  dos  alunos.  Destes,  apenas  um  é  adaptado  para  pessoas  com  limitações  motoras.  Os  lavabos  estão  em  más  condições  de  uso,  indicando  necessidade  de  reforma.    Figura  32:  Banheiros  apresentando  problemas  de  manutenção.  Fotos  tiradas  pela  Equipe  de  Gabinete  do  vereador  André  Régis  de  Carvalho.    OS  MATERIAIS  DIDÁTICOS  Aos   alunos   são   entregues   cadernos,   lápis,   borrachas   e   similares.   No   kit   escolar   de  2013,  não  foram  recebidos  fardamento  e  mochila.  Os  professores  têm  à  disposição  TV,  DVD,  datashow,   jogos   e   instrumentos   para   trabalhos   manuais,   como   massas   para   modelar,   cola,  tesouras   e   fitas.   Os   livros   literários   são   muitos,   mas   os   didáticos   são   insuficientes   para   o  quantitativo   de   alunos   que   frequentam   as   aulas.   Também   há   computadores   e   acesso   à  internet  sem  fio.    CORPO  DOCENTE  E  AS  ESTRUTURAS  ADMINISTRATIVA  E  PEDAGÓGICA    Na  Escola  Municipal  General  Emídio  Dantas  Barreto,  trabalham  dezoito  professores  em  sala  de  aula,  além  de  cinco  readaptados  em  funções  de  apoio  administrativo  e  pedagógico,  junto  a  quatro  funcionários  de  coordenação,  direção  e  secretaria.  Para  servir  merenda  e  limpar  a  escola,  são  sete  funcionários;  outros  quatro  trabalham  na  portaria.  

×