Fusões e Aquisições

643 visualizações

Publicada em

Trabalho Universitário sobre Fusões e Aquisições.

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
643
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fusões e Aquisições

  1. 1. Ano Letivo de 2012/2013 Fusões, Aquisições e Reestruturação De Empresas (Licenciatura em Contabilidade e Auditoria) “As Causas da Concentração Empresarial” Discentes: Liliana Sofia Rosa Fernandes – 20111511; Maria José Moreira Rato Rodrigues – 20111514. Docente:Drª. Sara Sofia Vaz Paralta Barcarena, 5 de Novembro de 2012 TTrraabbaallhhoo ddee GGrruuppoo
  2. 2. “As Causas da Concentração Empresarial” Liliana Fernandes, Maria José Rodrigues – 2012 – Universidade AtlânticaPágina 2 de 17 Resumo “As Causas da Concentração Empresarial” O objetivo principal do nosso trabalho é tratar com um pouco mais de detalhe “As Causas da Concentração Empresarial”, tentando fazer um enquadramento deste tema a nível da sua importância na evolução empresarial em geral e, mediante a apresentação de um “Estudo de Caso” de uma Empresa, fundamentar a criação de valor acrescentado nesta empresa em particular. Palavras Chave: Concentração Empresarial, Crescimento, Internacionalização, Sucesso. Abstract “The Business Concentration Causes” The main goal of our workis to give a closer approach to what are “The Business Concentration Causes”. We’ll try to explain the importance of it in the general business evolution and we’ll present a “Case Study” of a specific Company that added value by using this kind of reorganization. Keywords: Business Concentration, Growth, Internationalization, Success.
  3. 3. “As Causas da Concentração Empresarial” Liliana Fernandes, Maria José Rodrigues – 2012 – Universidade AtlânticaPágina 3 de 17 1. ÍNDICE Resumo..............................................................................................................................2 “As Causas da Concentração Empresarial” ........................................................................... 2 Abstract .............................................................................................................................2 “The Business Concentration Causes”................................................................................... 2 1. ÍNDICE ....................................................................................................................3 2. Introdução................................................................................................................4 “As Causas da Concentração Empresarial” ........................................................................... 4 3. Generalidades sobre a Concentração Empresarial..............................................5 4. As Causas da Concentração Empresarial.............................................................6 5. “Estudo de Caso” .............................................................................8 Breve história da AUTOSIL: ................................................................................................. 8 Análise das fases mais marcantes da ...................................................................... 9 6. Conclusão...............................................................................................................16 Bibliografia:...................................................................................................................17
  4. 4. “As Causas da Concentração Empresarial” Liliana Fernandes, Maria José Rodrigues – 2012 – Universidade AtlânticaPágina 4 de 17 2. Introdução “As Causas da Concentração Empresarial” Como o título do nosso trabalho indica, ao longo dos tempos, e com a evolução no mundo empresarial, houve a tendência de as empresas se irem juntando umas às outras por forma a alargarem os seus mercados e aumentarem a sua dimensão. Ora, estas junções de empresas, ou melhor, de atividades empresariais ou entidades, podem efetuar-se de várias formas e por vários motivos, mas sempre com um objetivo comum, ou seja, o alargamento ou expansão das suas atividades de negócio, sejam elas industriais ou comerciais. As várias causas, motivos, os seus prós e contras e as várias modalidades de concentração empresarial serão tratados no decorrer do nosso trabalho de uma forma generalizada. Através da apresentação de um “Estudo de Caso” de uma empresa em particular, neste caso, a , daremos mais ênfase ao tipo de concentração empresarial que caracterizou a evolução desta empresa portuguesa e que a lançou para mercados internacionais. Esperamos contribuir, assim, para o enriquecimento desta cadeira que, desde já, reputamos de especial interesse para a nossa Licenciatura em Contabilidade e Auditoria. O que é uma “Concentração Empresarial”? É a junção de duas ou mais empresas com o fim de ampliarem mercados e aumentarem a sua dimensão.
  5. 5. “As Causas da Concentração Empresarial” Liliana Fernandes, Maria José Rodrigues – 2012 – Universidade AtlânticaPágina 5 de 17 3. Generalidades sobre a Concentração Empresarial De acordo com (Ferreira, 2002) “A criação de valor e de riqueza constitui um dos objectivos primordiais na gestão de qualquer empresa e deve ser preocupação dos seus responsáveis, qualquer que seja o seu nível hierárquico em que se situem e as tarefas que desempenham. A criação e a gestão de valor implicam que as decisões tomadas no interior das organizações se concentrem nas fontes geradoras de valor para delas retirar os benefícios mais elevados. Este processo é caracterizado pela permanente procura e aprofundamento dessas fontes numa óptica de longo prazo e não por decisões tomadas de forma isolada”. Ora, tendo em mente o que foi relatado nos dois parágrafos anteriores, temos que, uma das formas de criação de valor e de riqueza de uma empresa ou entidade é a Concentração Empresarial. A Concentração Empresarial, como vimos na “Introdução”, é a junção de duas ou mais empresas com o fim de ampliarem mercados e aumentarem a sua dimensão. Os processos conducentes a essa Concentração Empresarial podem ser de vários tipos, dando sempre, de qualquer forma, origem a uma reorganização do negócio: - por aquisição de outra empresa, adquirindo o seu capital total ou parcialmente, em que a empresa adquirente pode ou não tomar o controlo de capital da empresa adquirida; - por fusão de empresas, podendo ser realizada por incorporação (a empresa adquirente “absorve” a empresa adquirida e prevalece a “marca” da adquirente) ou por concentração (a fusão das duas empresas dá origem a uma nova empresa); - por formação de Holdings (sociedades financeiras detentoras ou controladoras da maioria das acções de várias empresas) em que o risco do negócio é minimizado, havendo a possibilidade de ajustamentos nas empresas que detêm ou controlam, com todas as suas vantagens e desvantagens inerentes. - por Grupos económicos que são formados por uma Holding e subsidiárias.
  6. 6. “As Causas da Concentração Empresarial” Liliana Fernandes, Maria José Rodrigues – 2012 – Universidade AtlânticaPágina 6 de 17 Após este pequeno preâmbulo importa agora enumerar os períodos históricos, denominados por “Vagas de Fusões e Aquisições” que vieram dar origem às aludidas Concentrações Empresariais, ou seja, as fusões e aquisições são, tipicamente, um fenómeno económico que ocorre por vagas: I vaga: Período de 1897 – 1904 (caracterizada pelos monopólios) II vaga: Período de 1916 – 1929 (Grande Guerra e suas consequências económicas) III vaga: Anos 40 (“boom” pós Segunda Guerra Mundial) IV vaga. Período de 1965 – 1969 (período de recessão) V vaga; Anos 80 (desenvolvimento da ciência e tecnologia) VI vaga: Anos 90 (expansão por via do financiamento) Algumas destasvagas serão abordadas mais em pormenorno decursoda análise da evolução da 4. As Causas da Concentração Empresarial A Concentração Empresarial tem diversas causas, motivações, modalidades, características e teorias que as suportam, como, por exemplo: “Causas Contextuais (Mercado Único na EU, privatizações); Causas Específicas (diversificação sectorial e geográfica dos grupos económicos); as causas das fusões e aquisições; motivações das fusões e aquisições, seus prós e contras; Modalidades de Concentração de empresas; Teorias para os tipos de Fusões e Aquisições.”
  7. 7. “As Causas da Concentração Empresarial” Liliana Fernandes, Maria José Rodrigues – 2012 – Universidade AtlânticaPágina 7 de 17 Algumas causas paraas fusões e aquisições:  Aumentoda rentabilidade produtividade  Utilização de tecnologias ou know-how semelhantes para diferentes produtos  Obtenção de benefícios fiscais  Profissionalização da gestão empresarial Algumas motivações das fusões e aquisições:  Aumento da quota de mercado e crescimento  Economias de escala e de gama  Liquidez  Avaliação do mercado  Redistribuição ou reaplicação estratégica de recursos”(Paralta, 2012). No nosso trabalho vamos forcar-nos essencialmente na modalidade de “Concentração Simples ou Horizontal” uma vez que se tornaria demasiado extenso abordar todas as vertentes ao pormenor. E porque decidimos desta forma? Porque, fazendo uma abordagem mais pormenorizada desta modalidade de Concentração de Empresas, não menosprezando, evidentemente, todas as demais, conseguimos enquadrá-la de uma forma mais concreta o nosso “Estudo de Caso”.
  8. 8. “As Causas da Concentração Empresarial” Liliana Fernandes, Maria José Rodrigues – 2012 – Universidade AtlânticaPágina 8 de 17 5. “Estudo de Caso” Analisando a evolução da podemos ir apontando as alterações que se foram verificando, em termos de causas para uma concentração empresarial que, de resto, é o tema de fundo do nosso trabalho. Através do link que fornecemos, poder-se-á ver, em síntese a evolução desta empresa: http://www.youtube.com/watch?v=OvHErbXOxgk&playnext=1&list=PLF54C79C7E4CE27 E8&feature=results_video (Vídeo Institucional da Autosil) Breve história da AUTOSIL: “A Autosil é uma empresa que se dedica à produção e comercialização de bateriase acumuladores. Foi fundada em 1925, apenas com o intuito de importar as baterias. Durante a II Guerra Mundial, com a instabilidade de abastecimento de regular debaterias ao mercado nacional, a Autosil decidiu assumir a produção. Com o passar dotempo, ascende ao segundo lugar no sector de baterias no território nacional, e estava naaltura de avançar rumo ao estrangeiro. Tinha como factores competitivos a produçãoexcedentária e a mão-de- obra barata, permitindo baixos custos e rapidez nosfornecimentos. Como havia a falta de um sistema de Qualidade, a empresa decidiuapostar nesse sentido, permitindo-lhe, em 1978, uma proposta de fornecimento à Renaultde 80.000 baterias por ano (cerca de 40% da sua capacidade total). A aposta na Qualidade garantiu-lhes um Galardão da Associação Portuguesa daQualidade, para além de outro contrato de fornecimento para a Citröen. Em meados dos anos 80, devido à elevada demanda criou uma filial comercialem Espanha e contratou distribuidores em França, Alemanha e Reino Unido. O Governo francês providenciou apoios consideráveis à contrição, em 1993 deuma pequena unidade de fabrico, com capacidade de 250.000 baterias por ano. Aprodução iniciou em 1995, mas teve de ser suspensa, devido a pressões por parte de umgrupo ecológico. Em 1994,
  9. 9. “As Causas da Concentração Empresarial” Liliana Fernandes, Maria José Rodrigues – 2012 – Universidade AtlânticaPágina 9 de 17 teve a oportunidade de adquirir o grupo CFEC (segundomaior fabricante de baterias em França) da Fiat. A Autosil detinha nesse país uma boaquota de produção, mas em 1996, devido ao aumento significativo das matérias-primas,acabou por perder competitividade. Foi então que identificaram como mercados emexpansão a Índia e o Brasil. Mas devido a dificuldades financeiras crescentes, nãopassaram de uma joint-venture com uma empresa indiana.” (Fonte: (INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA, 2008), visto em 28/10/2012) Análise das fases mais marcantes da Analisando as fases mais marcantes da evolução da AUTOSIL, vamos poder caracterizar e identificar as causas que levaram à Concentração Empresarial, na sua modalidade Horizontal. 1925 António A. da Silva regista a firma A.A. SILVA em nome individual. Esta data integra a denominada II Vaga das Concentrações Empresariais acima aludidas, caracterizada pela implementação da legislação já existente, deixando de haver apoios aos monopólios. Nesta Vaga o tecido industrial encontrava-se destruído devido à 1ª Guerra Mundial, havendo necessidade de criação de empresas para recuperar o que havia sido destruído. Este ciclo foi favorável até 1929, altura em que se dá a crise na bolsa de valores, sendo que até essa data quem tinha poder investia e obtinha rendimentos e, a partir dessa data, deu-se o abalo geral a nível de consumidores, empresários, etc.
  10. 10. “As Causas da Concentração Empresarial” Liliana Fernandes, Maria José Rodrigues – 2012 – Universidade AtlânticaPágina 10 de 17 1934 “A.A. SILVA concentra a sua atividade na importação de equipamento automóvel de origem francesa (CIBIÉ,KLAXON, BENDIX, JAEGER e PARIS-RHONE) e baterias GOULD (USA).” (Autosil) 1937 “A.A. SILVA é nomeado representante dos automóveis HOTCHKISS.” (Autosil) 1939 “As atividades principais da empresa são interrompidas pela 2ª. Guerra Mundial. São produzidas as primeiras baterias com a marca AUTOSIL.” (Autosil) 1945 Esta data integra a denominada III Vaga das Concentrações Empresariais que com o fim da guerra permite à empresa retomar o conjunto das atividades, passando a incluir a representação dos camiões BERLIET, que constituíram uma contribuição valiosa para o desenvolvimento da mesma. Simultaneamente a aumenta a produção de baterias.
  11. 11. “As Causas da Concentração Empresarial” Liliana Fernandes, Maria José Rodrigues – 2012 – Universidade AtlânticaPágina 11 de 17 1953 “É iniciado o fabrico de pilhas secas de zinco-carbono que chegou a assumir uma dimensão significativa na unidade industrial de Paço d'Arcos” (Autosil) que havia sido construída em 1950. Com esta iniciativa a diversifica a produção dos seus produtos. Em nossa opinião, esta iniciativa, podendo ser considerada uma estratégia de crescimento da própria empresa, encontra-se plasmada na teoria da maximização do valor por acréscimos de economias de gama, tendo muito provavelmente e como seria de esperar um consequente surgimento de energias por via da redução de custos. 1954 “Primeiro fornecimentos de baterias para 1º. equipamento das principais marcas de automóveis em Portugal (FIAT, FORD, G.M, RENAULT, PEUGEOT, etc.),”(Autosil)aumentando a sua carteira de clientes em Portugal. 1955 “A.A. SILVA é eleito membro da ElectrochemicalSociety de Princeton (N.J.)”.(Autosil) 1964 “A empresa individual A. A. SILVA dá lugar à criação de duas sociedades anónimas”, (Autosil)um ano antes do início da IV Vaga das Concentrações Empresariais, uma vez que, por esta via, a conseguiria desenvolver o conceito organizacional originando o planeamento e investimento diversificado, como forma de aumentar a rentabilidade da empresa.
  12. 12. “As Causas da Concentração Empresarial” Liliana Fernandes, Maria José Rodrigues – 2012 – Universidade AtlânticaPágina 12 de 17 1973 “Início da produção de baterias em caixa de polipropileno”.(Autosil) 1978 “Lançamento das primeiras baterias de manutenção reduzida e sem manutenção”.(Autosil) 1979 “Início da exportação de baterias para equipamento de origem das marcas (Renault e Citroen em França)”,(Autosil) dando-se aqui o alargamento para o mercado externo. 1980 “É descontinuado o fabrico de pilhas secas uma vez que concorrência internacional inviabilizava a sobrevivência de pequenas e médias fábricas desse tipo de produtos. Por outro lado, a produção de baterias de arranque, graças aos avultados investimentos em equipamento de produção e automação, não cessava de aumentar e a exportação representava, nessa altura, cerca de 60% da actividade da Autosil”.(Autosil) 1989/1990 A V Vaga das Concentrações Empresariais é caracterizada pela mega aquisição, mesmo que hostil, e os empresários começam a interessar-se por negócios no estrangeiro, mas dentro do
  13. 13. “As Causas da Concentração Empresarial” Liliana Fernandes, Maria José Rodrigues – 2012 – Universidade AtlânticaPágina 13 de 17 mesmo ramo de atividade, o que foi igualmente seguido pela Autosil com a “criação de filiais comerciais em Espanha e França”.(Autosil) 1991 “Homologação das baterias AUTOSIL para fornecimento exclusivo da AutoEuropa (Ford/Volkswagen)”.(Autosil) 1992 “Início dos investimentos industriais em França com construção de uma nova fábrica”, (Autosil)o que se integra, de certa forma, ainda, na V Vaga, embora, teoricamente, nesta data, se tenha já dado início à VI Vaga das Concentrações Empresariais. 1994 “Autosil adquire a CFEC, segundo maior fabricante francês de baterias, ao Grupo FIAT. Ascende, assim, ao quarto lugar entre os maiores fabricantes europeus, com uma quota de mercado na Europa superior a 7%”.(Autosil) Consideramos esta aquisição como uma concentração de tipo horizontal em que, podendo dar-se por assimilação ou por integração, uma vez que os dados de que dispomos não nos permitem chegar a uma conclusão concreta sobre estes últimos aspetos em toda a sua extensão. Este facto é já em si uma das características da VI Vaga das Concentrações Empresariais, em que os empresários se focam mais na Europa para poderem competir com empresas americanas. Devido à abertura de fronteiras comerciais nos estados europeus era necessário fomentar a competitividade e apostar em empresas capazes de dar resposta ao mercado na Europa. As empresas começam a adquirir empresas no exterior, havendo, nessa altura, incentivos à internacionalização dos negócios.
  14. 14. “As Causas da Concentração Empresarial” Liliana Fernandes, Maria José Rodrigues – 2012 – Universidade AtlânticaPágina 14 de 17 1995 “Obtenção do reconhecimento Q1 da Ford”.(Autosil) 2002 “Após as dificuldades financeiras que afectaram toda a indústria e que levaram ao encerramento das actividades industriais em França, a empresa A.A.Silva reassume a actividade indústrial e comercial da Autosil após ter procedido a um investimento de 30 milhões de €”.(Autosil) 2003 “Ao mesmo tempo que é reforçada a actividade comercial, com ênfase na distribuição e serviço após-venda em Portugal e Espanha centrada nas baterias de arranque, promove-se o alargamento da oferta de baterias industriais, estacionárias e de tracção, sustentada em parcerias com alguns dos principais fabricantes mundiais”.(Autosil) 2004 “Através de uma rigorosa selecção de parcerias, incrementam-se as actividade de sub- contratação tendo em vista salvaguardar a competitividade e diversidade da nossa oferta, tanto nas baterias de arranque como nas industriais, mantendo os elevados padrões de actualização tecnológica e Qualidade que têm caracterizado a história da Autosil”. (Autosil)
  15. 15. “As Causas da Concentração Empresarial” Liliana Fernandes, Maria José Rodrigues – 2012 – Universidade AtlânticaPágina 15 de 17 2007 “São realizados na Autosil os primeiros testes de baterias construídas com células de ião de Lítio (Li-ion) de capacidade adequada a aplicações industriais e tracção eléctrica”. (Autosil) 2009 “Conclusão do projecto de conversão eléctrica com baterias de lítio (ião-Li) do “Smart I win!” e realização dos primeiros ensaios de estrada e apresentações em público. Este veículo eléctrico, desenvolvido e realizado na Autosil, constitui uma primeira plataforma de teste para baterias avançadas”.(Autosil)
  16. 16. “As Causas da Concentração Empresarial” Liliana Fernandes, Maria José Rodrigues – 2012 – Universidade AtlânticaPágina 16 de 17 6. Conclusão Após a breve apresentação da , podemos concluir que esta empresa, que conta já com 87 anos de existência, tem percorrido um longo caminho na senda dos negócios. Iniciando a sua laboração em 1925, através de uma empresa em nome individual, conseguiu ultrapassar os vários e diversos obstáculos que se lhe foram deparando. Numa primeira fase fazem a importação de equipamento automóvel de origem francesa e de baterias de origem americana, praticamente dez anos depois e após a 2ª Guerra Mundial, além de retomarem a laboração normal passam a ser representantes de uma marca de camiões, ampliando, assim, o seu mercado negocial e a incrementação do fabrico de baterias. A partir de 1953 a foi sempre evoluindo positivamente em vários sentidos mas sempre no mesmo ramo, desde a diversificação de produção de baterias, aumento de carteira de clientes, exportação, internacionalização até à aquisição, em 1994, da CFEC,integrando o conceito de Concentração Horizontal. Posteriormente a , como a maior parte das empresas em geral deparou-se com vários problemas devido à globalização, tendo, todavia, conseguido reforçar a sua actividade negocial. Um marco importante desta empresa foi o investimento na inovação, culminando com o“projecto de conversão eléctrica com baterias de lítio (ião-Li) do “Smart I win!” e realização dos primeiros ensaios de estrada e apresentações em público. Este veículo eléctrico, desenvolvido e realizado na Autosil, constitui uma primeira plataforma de teste para baterias avançadas.”
  17. 17. “As Causas da Concentração Empresarial” Liliana Fernandes, Maria José Rodrigues – 2012 – Universidade AtlânticaPágina 17 de 17 Bibliografia: Autosil. (s.d.). Obtido em 28 de 10 de 2012, de Autosil: http://www.autosil.pt/ Ferreira, D. (2002). Fusões, Aquisições e Reestruturações de Empresas. Lisboa: Manuel Robalo. INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA. (Abril de 2008). Obtido em 28 de Outubro de 2012, de http://prof.santana-e- silva.pt/EGI_estrategia_mk/trabalhos_dos_alunos/estrategia/Word/7- Internacionaliza%C3%A7%C3%A3o.pdf Paralta, D. S. (2012). Slides das Aulas. Vídeo Institucional da Autosil. (s.d.). Obtido em 28 de 10 de 2012, de YouTube: http://www.youtube.com/watch?v=OvHErbXOxgk&playnext=1&list=PLF54C79C7E4CE27 E8&feature=results_video

×