Agente e Escrivao de Policia do Estado de Goias

1.878 visualizações

Publicada em

Provimento e atribuição do escrivão de polícia do Estado de Goiás, lei do Estado de Goias 16.901/10

Publicada em: Educação
0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.878
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Agente e Escrivao de Policia do Estado de Goias

  1. 1. POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DE GOIÁS Lei 10.460/88 Estatuto dos Funcionários Públicos Do Estado de Goiás Lei 16.901/10 Lei Orgânica da Polícia Civil do Estado de Goiás
  2. 2. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL  Art. 144. A segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, através dos seguintes órgãos:  I - polícia federal;  II - polícia rodoviária federal;  III - polícia ferroviária federal;  IV - polícias civis;  V - polícias militares e corpos de bombeiros militares.
  3. 3. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Art.144(....) § 4º Às polícias civis, dirigidas por delegados de polícia de carreira, incumbem, ressalvada a competência da União, as funções de polícia judiciária e a apuração de infrações penais, exceto as militares. § 5º Às polícias militares cabem a polícia ostensiva e a preservação da ordem pública; aos corpos de bombeiros militares, além das atribuições definidas em lei, incumbe a execução de atividades de defesa civil. § 6º As polícias militares e corpos de bombeiros militares, forças auxiliares e reserva do Exército, subordinam-se, juntamente com as polícias civis, aos Governadores dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios.
  4. 4. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL  Art. 25. Os Estados organizam-se e regem-se pelas Constituições e leis que adotarem, observados os princípios desta Constituição.
  5. 5. CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE GOIÁS  Art. 121 - A Segurança Pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para assegurar a preservação da ordem pública, a incolumidade das pessoas, do patrimônio e do meio ambiente e o pleno e livre exercício dos direitos e garantias fundamentais, individuais, coletivos, sociais e políticos, estabelecidos nesta e na Constituição da República, por meio dos seguintes órgãos:  I - Polícia Civil;  II - Polícia Militar;  III - Corpo de Bombeiros Militar.
  6. 6. CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE GOIÁS  Art. 122 – As Polícias Civil e Militar e o Corpo de Bombeiros Militar subordinam-se ao Governador do Estado, sendo os direitos garantias, deveres e prerrogativas de seus integrantes definidos em leis específicas, observados os seguintes princípios:  I - o exercício da função policial é privativo de membro da respectiva carreira, recrutado por concurso público de provas, ou de provas e títulos, e submetido a curso de formação policial ou de bombeiro.  II - a função policial é considerada perigosa e a de bombeiro militar, perigosa e insalubre;
  7. 7. CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE GOIÁS III - será adotada política de especialização de policiais e bombeiros que se destacarem em suas atribuições, com a colaboração das universidades e cursos especializados; IV - na divulgação, pelos órgãos de segurança pública, aos veículos de comunicação social, de fatos referentes à apuração de infrações penais, será assegurada a preservação da intimidade, da honra e da imagem das pessoas envolvidas, inclusive das testemunhas. V – a criação de delegacia da polícia civil far-se-á por lei específica.
  8. 8. CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE GOIÁS  Art. 123. À Polícia Civil, dirigida por Delegados de Polícia, cuja carreira integra, para todos os fins, as carreiras jurídicas do Estado, incumbem as funções de polícia judiciária e a apuração das infrações penais, exceto as militares e as de competência da União.
  9. 9. A INSTITUIÇÃO  A Polícia Civil é órgão permanente do Estado de Goiás, vinculada à Secretaria da Segurança Pública.  É essencial à segurança pública e à defesa das instituições democráticas.  Fundada na promoção da cidadania, da dignidade humana e dos direitos e garantias fundamentais, tem por finalidade a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio.
  10. 10. SÍMBOLOS INSTITUCIONAIS  São símbolos oficiais da Polícia Civil: 1 - o hino 2 - a bandeira 3 - o brasão 4 - o distintivo O dia 9 de maio é consagrado ao servidor policial civil (Lei Estadual 16.901/10). Cuidado: Lei Federal 4.878/65 em seu art. 61 preceitua que dia 21 de abril será consagrado ao Funcionário Policial Civil.
  11. 11. PRINCÍPIOS INSTITUCIONAIS São os fundamentos e valores sobre as quais a Polícia Civil de Goiás se baseia. Estão expostos no artigo 3º da Lei 16.901
  12. 12. PRINCÍPIOS INSTITUCIONAIS  I – proteção dos direitos humanos;  II – participação e interação comunitária;  III – resolução pacífica de conflitos;  IV – uso proporcional da força;  V – eficiência na repressão das infrações penais;
  13. 13. PRINCÍPIOS INSTITUCIONAIS  VI – indivisibilidade da investigação policial;  VII – indelegabilidade das atribuições funcionais;  VIII – hierarquia e disciplina funcionais;  IX – atuação técnico-científica e imparcial na condução da atividade investigativa.
  14. 14. PRINCÍPIOS INSTITUCIONAIS  UEG 2013 – Delegado de Polícia - Constitui princípio institucional da policia civil, nos termos da Lei n. 16.901/10: a)segurança jurídica b)participação e interação comunitária c)delegação de competência d)isonomia ou igualdade
  15. 15. DIRETRIZES EM SUA ATUAÇÃO São orientações, instruções, é um verdadeiro guia para todos os integrantes da Polícia Civil de Goiás que na sua atuação deve sempre buscar dar efetividade. Estão expostos no artigo 4º da Lei 16.901/10  CUIDADO:  Não confundir os princípios institucionais com as diretrizes imposta pelo legislador no agir.
  16. 16. DIRETRIZES EM SUA ATUAÇÃO I – atendimento imediato ao cidadão; II – planejamento estratégico e sistêmico; III – integração com os outros órgãos do sistema de segurança pública, as demais instituições do poder público e a comunidade; IV – distribuição proporcional do efetivo policial; V – interdisciplinaridade da ação investigativa;
  17. 17. DIRETRIZES EM SUA ATUAÇÃO  VI – cooperação técnico-científica na investigação policial;  IV - na divulgação, pelos órgãos de segurança pública, aos veículos de comunicação social, de fatos referentes à apuração de infrações penais, será assegurada a preservação da intimidade, da honra e da imagem das pessoas envolvidas, inclusive das testemunhas.  V – a criação de delegacia da polícia civil far-se-á por lei específica.
  18. 18. COMPETÊNCIA DA POLÍCIA CIVIL  Exercer as funções de polícia judiciária e apurar as infrações penais, exceto as de competência da Polícia Federal, e os crimes militares;  Exemplo de atuação como Polícia Judiciária: Cumprir mandados de prisão e de busca e apreensão domiciliar  Exemplo de atuação na apuração das infrações penais: Consistem na produção e na realização de inquérito policial e de outros atos formais de investigações;
  19. 19. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL BÁSICA
  20. 20. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL BÁSICA DIREÇÃO E ASSESSORAMENTO SUPERIOR EXECUÇÃO TÁTICA EXECUÇÃO OPERATIVA EXECUÇÃO ESTRATÉGICA
  21. 21. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DIREÇÃO SUPERIOR 1 – Gabinete do Delegado-geral da Polícia Civil 2 - Conselho Superior da Polícia Civil Finalidade: 1 – Propor 2 – Deliberar Políticas de caráter institucional 3 – Definir
  22. 22. UNIDADES DE DIREÇÃO SUPERIOR Conselho Superior da Polícia Civil É órgão colegiado consultivo, normativo e deliberativo da Polícia Civil, tem por finalidade propor, opinar e deliberar sobre matérias relacionadas com a administração superior da Polícia Civil. (Unidade administrativa básica)
  23. 23. UNIDADE DE DIREÇÃO SUPERIOR Conselho Superior da Polícia Civil Composição: I – Delegado-Geral II – Delegado-Geral Adjunto III – Chefe do Departamento de Polícia Judiciária IV – Gerente de Administração e Finanças V – Gerente da Assessoria Técnico-Policial; VI – Gerente de Correições e Disciplina da Polícia Civil da Corregedoria-Geral de Polícia da Secretaria da Segurança Pública; VII – Gerente de Ensino da Polícia Civil da Superintendência da Academia Estadual de Segurança Pública da Secretaria da Segurança Pública; VIII – Gerente de Operações de Inteligência da Polícia Civil da Superintendência de Inteligência da Secretaria da Segurança Pública.
  24. 24. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ASSESSORAMENTO SUPERIOR 1 – Adjuntoria Geral 2 - Gerência de Administração e Finanças Finalidade: Assistência: I – Administrativa II – Financeira III – Técnico-científica IV – Doutrinária V – Jurídico-policial VI – de Planejamento 3 – Assessoria Técnico-Policial
  25. 25. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL EXECUÇÃO ESTRATÉGICA Departamento de Polícia Judiciária Finalidade: As ações de polícia judiciária e investigações.
  26. 26. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL EXECUÇÃO TÁTICA 1 – Delegacias Regionais 2 - Gerência de Planejamento Operacional Finalidade: 1 – Coordenação das unidades operativas 2 - Comando
  27. 27. Delegado de Polícia /2013 – UEG Ao teor da Lei n. 16.901/10 são unidades de execução tática da policia civil: a)Delegacias de Polícia Especializadas Municipais, no âmbito de polícia especializada. b)Delegacias de Polícia Distritais, no âmbito de polícia territorial. c)Delegacias Regionais de Polícia, no âmbito de polícia territorial. d)Delegacias de Polícia Especializadas Estaduais, no âmbito de polícia especializada.
  28. 28. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL EXECUÇÃO OPERATIVA 1 – Polícia Territorial 1.1 – Delegacia Distrital 1.2 – Delegacia Municipal 2 - Polícia Especializada 2.1 – Delegacia Especializada Estadual 2.2 – Delegacia Especializada Municipal Finalidade: O exercício das funções de Polícia Judiciária e a investigação policial.
  29. 29. DOS SERVIDORES DA POLÍCIA CIVIL Funcionário Público é a pessoa legalmente investida em cargo, de provimento efetivo ou em comissão, com denominação, função e vencimento próprios, número certo e remunerado pelos cofres públicos. Cargo é o posto de trabalho, instituído na organização do funcionalismo, caracterizado por deveres e responsabilidades, com criação e jornada de trabalho estabelecidas em lei, denominação própria, número certo e remuneração pelos cofres públicos; Função é a atribuição ou o conjunto de atribuições específicas que devem ser executadas por um funcionário na estrutura organizacional, fornecendo elementos para a caracterização, descrição, classificação e avaliação do cargo;
  30. 30. DO CONCURSO, DO PROVIMENTO E DA VACÂNCIA  O concurso público será de provas ou de provas e títulos e, em casos especiais, poderá exigir aprovação em curso específico de formação profissional mantido por instituição oficial do Estado, sem prejuízo de outros requisitos.  No caso de empate na classificação, para efeito de matrícula no curso de formação profissional ou nomeação, terá prioridade, sem prejuízo de outros critérios a serem estabelecidos nas instruções do concurso, o candidato que já for funcionário do Estado.
  31. 31. DO CONCURSO, DO PROVIMENTO E DA VACÂNCIA  A matrícula nos cursos de formação profissional será disciplinada no edital do concurso, atribuindo-se ao candidato matriculado uma bolsa de estudos mensal em valor correspondente a 60% (sessenta por cento) do vencimento básico do cargo a que concorrer.  Caso o candidato matriculado no curso de formação seja servidor submetido a estágio probatório em outro cargo, suspensa será a contagem do prazo a ele referente. Sendo funcionário optará por receber a bolsa ou sua remuneração atual, ficará a disposição da entidade que oferecerá o curso de formação.
  32. 32. DO CONCURSO, DO PROVIMENTO E DA VACÂNCIA  Será desligado do curso o aluno que:  I - faltar mais de 25% (vinte e cinco por cento) das aulas dadas ou deixar de frequentá-las, sem motivo justificado, por 8 (oito) dias consecutivos;  II - tiver má conduta;  III - praticar, nas provas ou exames, fraude de qualquer natureza;  IV - obtiver média ponderada inferior a 5 (cinco) pontos por disciplina, adotada a escala de zero a dez, nos resultados finais dos diversos períodos em que se dividam os cursos.
  33. 33. DO CONCURSO, DO PROVIMENTO E DA VACÂNCIA O provimento do cargo ocorrerá com a nomeação que é a forma originária de provimento de cargo público. A nomeação será feita em caráter efetivo, para os cargos que assegurem estabilidade; A nomeação ocorrerá na ordem da classificação final do concurso
  34. 34. DO CONCURSO, DO PROVIMENTO E DA VACÂNCIA Posse é a aceitação formal das atribuições, deveres e responsabilidades inerentes ao cargo público, com o compromisso de bem servir. Exercício, como ato personalíssimo, é a efetiva entrada do funcionário em serviço público, caracterizada pela frequência e execução das atividades atribuídas ao cargo ou à função. Deve ocorrer em até 30 dias.
  35. 35. DO CONCURSO, DO PROVIMENTO E DA VACÂNCIA  Estágio probatório é o período de 3 anos com o objetivo de apurar os requisitos necessários à sua confirmação no cargo para o qual foi nomeado.  São requisitos básicos a serem apurados no estágio probatório:  I - idoneidade moral;  II - assiduidade e pontualidade;  III - disciplina;  IV- eficiência;  V - aptidão.
  36. 36. DO CONCURSO, DO PROVIMENTO E DA VACÂNCIA  Após os 3 anos o servidor se torna estável. E só perderá o cargo:  I - em virtude de sentença judicial transitada em julgado;  II - mediante processo administrativo em que lhe seja assegurada ampla defesa;  III - mediante procedimento de avaliação periódica de desempenho, na forma de lei complementar, assegurada ampla defesa
  37. 37. DO CONCURSO, DO PROVIMENTO E DA VACÂNCIA  Vacância é a abertura de claro no quadro de pessoal do serviço público, permitindo o preenchimento do cargo.  Quando ocorrer o falecimento, aposentadoria, exoneração, demissão entre outros, teremos a vacância do cargo público.
  38. 38. COMPOSIÇÃO DA POLÍCIA CIVIL O quadro básico de pessoal efetivo da Polícia Civil é integrado pelos seguintes cargos, como essenciais para o seu funcionamento: Delegado de Polícia; Escrivão de Polícia; Agente de Polícia; Papiloscopista Policial.
  39. 39. AUTORIDADE POLICIAL X AGENTE DA AUTORIDADE  Autoridade policial é o Delegado de Polícia, tendo a seu cargo a direção das atividades da unidade integrante da Polícia Civil, cargo privativo de bacharel em direito.  Agente da autoridade policial são: Escrivão de Polícia, Agente de Polícia e Papiloscopista Policial, de nível superior, são de natureza técnico-policial, investidos nas atribuições de seu cargo.
  40. 40. ATIVIDADE EXCLUSIVA  O Regime Jurídico é o estatutário, consiste naquele previsto em lei especial da entidade estatal respectiva em que atua o servidor, e é único para todos servidor público da Administração Direta, suas Autarquias ou Fundações Públicas (relação institucional). É a Lei 10.460/88.  A função policial é incompatível com qualquer outra atividade, salvo, no caso daquela de natureza técnico- científica, com o exercício de um cargo de professor, privado ou público, respeitada a compatibilidade de horários entre este e o regime de trabalho definido nesta Lei.
  41. 41.  STJ - RECURSO ORDINÁRIO EM MANDADO DE SEGURANÇA RMS 33056 RO 2010/0191371-8 (STJ)  ACUMULAÇÃO DO CARGO PÚBLICO DE PROFESSOR COM OUTRO TÉCNICO OU CIENTÍFICO. EXIGÊNCIA DE HABILITAÇÃO OU CONHECIMENTO ESPECÍFICO. 1. A jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça assentou o entendimento de que o cargo público de técnico, que permite a acumulação com o de professor nos termos do art. 37, XVI, b, da Constituição Federal, é o que exige formação técnica ou científica específica. Não se enquadra como tal o cargo ocupado pelo impetrante, de Técnico Administrativo Educacional, que, segundo a legislação própria, é "composto de atribuições inerentes às atividades administrativas, de manutenção, de infraestrutura, de transporte, de preparo da alimentação escolar, de cursos didáticos, de nutrição e outras afins. que exige tão-somente ensino fundamental ou profissionalização específica" (Lei Complementar Estadual 420/2008, art. 4º , III ). 2. Recurso ordinário desprovido.
  42. 42.  TJDF - Súmula: 6  A ACUMULAÇÃO DE CARGOS PREVISTA NO ART. 37, XVI, "B" DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL SÓ É POSSÍVEL QUANDO O CARGO DITO TÉCNICO EXIGIR PRÉVIO DOMÍNIO DE DETERMINADO E ESPECÍFICO CAMPO DE CONHECIMENTO.  Em síntese, como conhecimento prévio, entende-se aquele adquirido antes do ingresso no cargo, e não dependente deste, isto é, trata-se de profissões regulamentadas, cujas funções necessitam de conhecimentos específicos em uma determinada área do saber Agente, Escrivão e Papiloscopista Policial não pode cumular cargo público.
  43. 43. ATIVIDADE EXCLUSIVA O servidor policial civil está sujeito ao regime de trabalho de 40 (quarenta) horas semanais, sendo de 8 (oito) horas diárias, a serem prestadas, preferencialmente, de segunda a sexta-feira, em dois turnos das 8 (oito) às 12 (doze) e das 14 (quatorze) às 18 (dezoito) horas.
  44. 44. JORNADA DIFERENCIADA  O Governador pode autorizar a redução para 6 (seis) horas diárias a jornada de trabalho do servidor que perceba remuneração inferior a 2 (dois) salários mínimos, a ser prestada, preferencialmente, das 12 (doze) às 18 (dezoito) horas.  Os servidores portadores de deficiência, necessitados de cuidados especiais e que pratiquem atividades físicas direcionadas ou não, e as servidoras que tenham em sua companhia filho portador de deficiência, necessitado de cuidados especiais, ficam sujeitos à jornada de trabalho de 6 (seis) horas diárias.
  45. 45. ESCRIVÃO DE POLÍCIA Atribuições mínimas previstas na lei:  Atividades visando a formalização dos procedimentos das investigações e operações policiais.  Execução de serviços cartorários.  Além de outras definidas em regulamento.
  46. 46. ESCRIVÃO DE POLÍCIA  Atribuições:  1 - O exercício de atividades de formalização dos procedimentos relacionados com as investigações criminais;  2 - O exercício de atividades de formalização dos procedimentos relacionados com as operações policiais;  3 - A execução de serviços cartorários, bem como outras definidas em regulamento.
  47. 47. ESCRIVÃO DE POLÍCIA  Cada Delegacia de Polícia terá 01 (um) Chefe de Cartório, indicados pela autoridade policial da referida delegacia, designados pelo Delegado Regional de Polícia, escolhidos entre os ocupantes do cargos de Escrivão de Polícia da Classe Especial.  Inexistindo Escrivães da Classe Especial, a escolha será realizada pelo critério de antiguidade.
  48. 48. ESCRIVÃO DE POLÍCIA  Compete ao Chefe de Cartório, afora as atribuições pertinentes a seu cargo efetivo:  I – sugerir ao Delegado Titular da Unidade Policial as atividades a serem distribuídas entre os Escrivães, de acordo com o perfil apresentado;  II – manter, sob seu controle, toda a escrituração dos livros pertencentes ao Cartório da Unidade Policial, mediante controle e saída de documentos;
  49. 49. ESCRIVÃO DE POLÍCIA  III – ter em depósito exclusivo os valores das fianças fixadas pela autoridade policial, bem como objetos, valores e coisas apreendidos no curso de procedimentos policiais, acondicionando-os em mobiliário adequado, de cuja chave somente o Delegado Titular da Unidade Policial terá uma cópia;  IV – manter atualizadas as anotações de controle de inquéritos, procedimentos, processos e boletins;
  50. 50. ESCRIVÃO DE POLÍCIA  V – proibir a entrada e permanência de pessoas estranhas no Cartório da Unidade Policial, para a salvaguarda dos documentos policiais sob sua responsabilidade.
  51. 51. ESCRIVÃO DE POLÍCIA  A carreira de Escrivão de Polícia é estruturada da seguinte forma:  a) Escrivão de Polícia da Classe Especial;  b) Escrivão de Polícia da 1ª Classe;  c) Escrivão de Polícia da 2ª Classe;  d) Escrivão de Polícia da 3ª Classe;  e) Escrivão de Polícia Substituto.
  52. 52. ESCRIVÃO DE POLÍCIA  Os cargos da carreira de Escrivão de Polícia ficam fixados e estruturados da seguinte forma:  I – 240 cargos de Escrivão de Polícia da Classe Especial;  II – 643 cargos de Escrivão de Polícia da 1a Classe;  III – 586 cargos de Escrivão de Polícia da 2a Classe;  IV – 270 cargos de Escrivão de Polícia da 3ª Classe;  V – 220 cargos de Escrivão de Polícia Substituto.
  53. 53. AGENTE DE POLÍCIA  Atribuições mínimas previstas na lei:  Planejamento e Execução (participando e colaborando) das investigações criminais.  Produz informações (relatórios das investigações) para conhecimento dos destinatários das diligências.  Executa as operações policiais definidas pelos Delegados.  Outras previstas em regulamento.
  54. 54. AGENTE DE POLÍCIA  Atribuições:  1) A participação e colaboração no planejamento de investigações criminais;  2) A participação e colaboração na execução de investigações criminais;  3) A produção de conhecimentos e informações relevantes à investigação criminal;  4) A execução das operações policiais, além de outras definidas em regulamento.
  55. 55. AGENTE DE POLÍCIA  Cada Delegacia de Polícia terá 01 (um) Chefe de Investigação, indicados pela autoridade policial da referida delegacia, designados pelo Delegado Regional de Polícia, escolhidos entre os ocupantes do cargos de Agente de Polícia da Classe Especial.  Inexistindo Agente de Polícia da Classe Especial, a escolha será realizada pelo critério de antiguidade.
  56. 56. AGENTE DE POLÍCIA Compete ao Chefe de Investigação, afora as atribuições pertinentes a seu cargo efetivo: I – sugerir ao Delegado Titular da Unidade Policial as atividades a serem distribuídas entre os Investigadores, de acordo com o perfil apresentado; II – comandar o Setor de Investigação, implementando medidas que levem à celeridade das atividades; III – gerenciar o atendimento ao público e o registro de ocorrências criminais e operacionais, como também o encaminhamento de providências;
  57. 57. AGENTE DE POLÍCIA Compete ao Chefe de Investigação, afora as atribuições pertinentes a seu cargo efetivo: IV – organizar a ordem de cumprimento de mandados e de ordens de serviços expedidos pela Autoridade Policial ou Judiciária competente; V – comunicar, imediatamente e por escrito, ao Delegado Titular qualquer irregularidade e ilegalidade de que tome conhecimento no âmbito da Unidade Policial.
  58. 58. AGENTE DE POLÍCIA Os cargos da carreira de Agente de Polícia ficam fixados e estruturados da seguinte forma: I – 454 cargos de Agente de Polícia da Classe Especial; II – 882 cargos de Agente de Polícia da 1a Classe; III – 827 cargos de Agente de Polícia da 2a Classe; IV – 656 cargos de Agente de Polícia de 3ª Classe; V – 280 cargos de Agente de Polícia Substituto.
  59. 59. GARANTIAS DE AGENTE, ESCRIVÃES E PAPILOSCOPISTAS Garantias dos agentes de polícia, escrivães de polícia e papiloscopistas policiais: I – a irredutibilidade de subsídio; II – a estabilidade, após a confirmação no cargo, na forma da lei; III – não ser constrangido por qualquer modo ou forma a agir em desconformidade com a sua consciência ético-jurídico- profissional; IV – requisitar, sempre que necessário, auxílio e colaboração das autoridades públicas para o exercício de suas atribuições, respeitada a legislação de cada órgão ou categoria requisitados.

×