Assistencia ventilatoria

842 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
842
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Assistencia ventilatoria

  1. 1. Sociedade Brasileira de Terapia Intensiva - SOBRATI Assistência Ventilatória na U T I
  2. 2. Phillip Drinker - 1927www.medicinaintensiva.com.br
  3. 3. Ventilação Mecânica Não Invasiiva
  4. 4. Ventiladores tipo Couraca
  5. 5. Transporte de Pacientes Críticos
  6. 6. Pulmão de Aço – Surto Poliomielite
  7. 7. 1953 - Ventilador Clevedon
  8. 8. Marco na Assistência Ventilatória
  9. 9. Composição do Aparelho Válvula Inspiratória e Expiratória Respectivos Circuitos Manômetros de Pressão Monitor de Ventilação Independente Sistema de ajustes dos parâmetros ventilatórios
  10. 10. Filtros - Umidifucadores
  11. 11. Sistema de Ventilação
  12. 12. Complacência DinâmicaImpedância Total do Sistema Respiratório CD= VC / PRESSÃO PICO – PEEP TOTAL (NL= 50 A 80 ML/CMH20)
  13. 13. Como ajustar os Parâmetros Ventilatórios em UTI ?
  14. 14. FIO2 - Fração Inspirada de Oxigênio 100% Admissão do paciente crítico SpO2 > 90% - Consenso Nacional - VM PaO2 estimada
  15. 15. Curva de Dissociação da Hemoglobina Saturação > 96% - Indivíduos Jovens; Idosos de acordo com a PaO2 Ideal;
  16. 16. Volume Corrente Conhecimento da Doença de BaseRotina – 7 A 8 ml / kg de pesoSARA- entre 4 E 6 ml / kg de pesoDPOC – entre 5 e 8 ml / kg de peso
  17. 17. ALTOS VOLUMES Hiperdistensão alveolar Estiramento cíclico ” abrir e fechar ” Edema pulmonar Alter. surfactanteAlt. difusão Colapso alveolar - shunt Hipoxemia LESÃO DO TECIDO PULMONAR AM J RESPIR CRIT CARE MED- 1998
  18. 18. Análise do Volume Corrente e Pressão Platô em Pacientes ObesosFerreira G. C e colaboradores adequação do VC no PO de gastroplastia set. 2003
  19. 19. Pressão Inspiratória (Limite)No modo pressórico, manterníveis que proporcionem amanutenção do VolumeMinuto maior que 5 a 6 l/minuto, na dependência dopeso, com níveis médios depico em torno de 22 a 25cm/H2O (FERRRI, 2006).Pressão ajustada de acordocom o VC – esperado7 a 8 ml/kg
  20. 20. Peep na UTIAdmissãoRepercussão HemodinâmicaRiscosCautela Emergency Medicine Reports 0746-2506 March 2005 v26 p.63
  21. 21. Quanto usar de PEEP ?PEEP= 5 CM H2O- impede colabamento alveolarPEEP > 8 CM H20 – melhora oxigenaçãoPEEP > 12 CM H20- repercussões hemodinâmicas
  22. 22. Monitorização da Auto PEEP Oclusão da válvula expiratóriaZerar PEEP e ciclo manual – final da exp.
  23. 23. Parâmetros II Consenso Nacional de Ventilação Mecânica 100 90 80 70 60 Colunas 3D 1 50 Colunas 3D 2 40 Colunas 3D 3 30 20 10 0 FIO2 FR VC PEEP P. Pico P.Platô Relatório II consenso de Ventilação Mecânica 2002
  24. 24. Parâmetros atualmente utilizados100 90 80 70 60 Colunas 3D 1 50 Colunas 3D 2 40 Colunas 3D 3 30 20 10 0 FIO2 VC FR PEEP P. Pico P.Platô Emergency Medicine Reports 0746-2506 March 2005 v26 p.63
  25. 25. Modelos geradores de fluxo - CPAP
  26. 26. Modelos BIPV -
  27. 27. Monitorizacao
  28. 28. Ventilador Mecânico – modalidade Pressão de Suporte
  29. 29. Máscara Facial Máscara nasal
  30. 30. Total Face Face to Face
  31. 31. Prong Nasal – Neonatologia e Pediatria
  32. 32. Aplicação adequada de VMNI ...
  33. 33. Cautela ... e observaçãoPressão de fixação Vazamentos Lesões cutâneas Ressecamento de conjuntiva – lesões em córnea
  34. 34. Pressão de Cuff

×