EaD Teoria da Industrialização

7.027 visualizações

Publicada em

REA para uma Exposição Virtual sobre Ensino a Distância - Passado, Presente e Futuro

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

EaD Teoria da Industrialização

  1. 1. Exposição Virtual<br />Ensino a Distância: Passado, Presente e Futuro<br />
  2. 2.
  3. 3. Tema<br />Teoria da Industrialização em Ensino a Distância<br />
  4. 4.
  5. 5. Definição de Ensino a Distância<br />O EaD é uma modalidade de ensino no qual professor e aluno(s) não se encontram fisicamente no mesmo local, sendo a transmissão dos conteúdos educativos efectuada através da utilização de meios técnicos de comunicação, podendo ser realizada de forma síncrona ou assíncrona. <br />
  6. 6. A Evolução do Ensino a Distância<br />A origem e a evolução do EaD estão intimamente relacionadas com as grandes mudanças socio-económicas, que ocorreram na segunda metade do século XIX, e com as actuais revoluções tecnológicas.<br />
  7. 7.
  8. 8. A Primeira Geração do EaD<br />Por volta de 1850, agricultores europeus aprendiam, por correspondência, como plantar ou qual a melhor forma de cuidar do rebanho. <br /> O EaD começou com os cursos por correspondência.<br />
  9. 9.
  10. 10. A Segunda Geração do EaD<br />No início do século XX, com o advento do rádio e, mais tarde, da televisão, iniciou-se a segunda geração do EaD. <br /> Os anos sessenta e setenta foram marcados pela realização dos telecursos e da telescola.<br />
  11. 11.
  12. 12. A Terceira Geração do EaD<br />A terceira geração do EaD ocorre entre 1980 e 1990, e é caracterizada pela utilização das novas tecnologias de informação e comunicação (TICs), nomeadamente, cassetes áudio e cassetes de vídeo.<br />
  13. 13.
  14. 14. A Quarta Geração do EaD<br />A quarta geração do EaD, surge com o advento dos computadores multimédia, da Internet, do ensino online e dos ambientes virtuais de aprendizagem.<br />
  15. 15.
  16. 16. Teorias do Ensino a Distância<br />Teoria da Aprendizagem Independente<br />Teoria da Distância Transnacional<br />Teoria da Conversação Didáctica Guiada<br />Teoria da Industrialização em EaD<br />
  17. 17.
  18. 18. A Moderna Educação à Distância<br />Os quatro autores que no decurso do século passado mais contribuiram para a conceptualização da educação a distância, são Charles A. Wedemeyer, Michael G. Moore, Börje Holmberg e Otto Peters.<br />
  19. 19. A Moderna Educação à Distância<br />Todos os autores referidos atrás trouxeram uma nova abordagem do EaD, introduzindo uma perspectiva pedagógica inovadora e focando aspectos, tais como, a educação mediada, os respectivos veículos de difusão, a valorização da comunicação e do papel activo e autónomo do estudante.<br />
  20. 20. Teoria da Aprendizagem Independente<br />Wedemeyer examinou a educação a distância dando enfoque à autonomía e independência do estudante no sistema de ensino.<br />
  21. 21. Teoria da Distância Transnacional<br />A Teoria da Autonomia do Aluno defendida por Moore é fortemente influenciado por Wedemeyer. <br /> Moore considera ainda que a distância funciona como um fenómeno pedagógico.<br />
  22. 22. Teoria da Conversação Didáctica Guiada<br />Holmberg considera que no sistema do EaD, a aprendizagem é um um processo de diálogo que se leva a cabo através de uma conversação didáctica guiada.<br />
  23. 23. A Teoria da Industrialização em EaD (modelo organizacional)<br />Petters considera o Ensino a Distância um tipo de ensino “industrializado” e um produto de uma sociedade industrial (modelo organizacional).<br />
  24. 24. A Teoria da Industrialização em EaD<br />Embora Peters não considerasse as suas ideias como uma teoria do Ensino a Distância, estas tiveram um impacto significativo, na medida em que diferiam consideravelmente de todas as contribuições propostas até essa altura.<br />
  25. 25. A Teoria da Industrialização em EaD<br />O modelo organizacional de Peters influenciou as teorias de Holmberg (Conversação Didáctica Guiada) e Moore (Distância Transaccional).<br />
  26. 26. A Teoria da Industrialização em EaD<br /> Além dos aspectos inovadores e até visionários presentes no modelo organizacional, Peters teve o mérito de construir um modelo de ensino pragmático, porque partiu da realidade da sociedade industrial para a criação de uma teoria sobre o EaD.<br />
  27. 27.
  28. 28. Comparação entre o EaD e o Processo de Produção Industrial<br />Peters procedeu a uma comparação entre o Ensino a Distância e o processo de produção industrial, tentando identificar características comuns.<br />
  29. 29. Comparação entre o EaD e o Processo de Produção Industrial<br />De acordo com Peters, o sistema de EaD tem muitas semelhanças com uma fábrica industrial, como por exemplo, a necessidade de uma clara divisão de tarefas, a mecanização das actividades, a orientação para a produção em massa e a padronização da produção.<br />
  30. 30. Comparação entre o EaD e o Processo de Produção Industrial<br />Devido a estas semelhanças, Peters alega que o EaD foi aceite pela sociedade industrial como um método de produção em massa (1967). <br />
  31. 31.
  32. 32. Ensino “industrializado”<br />No seu início, o EaD foi essencialmente um veículo da era industrial para fornecer uma força de trabalho qualificada. <br /> O processo de EaD baseava-se na utilização de uma aprendizagem pré-concebida/pré-produzida (textos didácticos e ensino por correspondência).<br />
  33. 33. Ensino “industrializado”<br />A partir da década de 90 do século XX, a adição das novas tecnologias de informação e comunicação (TIC) tornaram possível que o EaD seja individualizado e interactivo. <br />
  34. 34. Ensino “industrializado”<br /> Em clara oposição à teoria de Wedemeyer (Aprendizagem Independente), Peters defende que o Ensino a Distância deve adaptar-se às mudanças da sociedade industrial. <br />
  35. 35. Economia de larga escala<br />O desenvolvimento do EaD tem sido considerado por muitos autores como um método pedagógico que usa materiais estandardizados pré-produzidos, com o objectivo de abarcar uma economia de larga escala.<br />
  36. 36.
  37. 37. Universidade Aberta<br />Peters contribuiu grandemente para a génese do conceito de universidade aberta.<br /> Em 1963, o National Extension Institute foi criado no Reino Unido, como um modelo para uma universidade aberta, dando origem ao princípio de que a educação deve e pode ser acessível a todos.<br />
  38. 38. Ensino Aberto e a Distância<br />Este sistema de ensino caracteriza-se pela sua acessibilidade e flexibilidade, de forma a eliminar os obstáculos causados por determinadas restrições, como por exemplo, a idade, a localização geográfica, constrangimentos de tempo e a situação económica do estudante.<br />
  39. 39. Universidade Aberta em Portugal<br />A Universidade Aberta em Portugal, fundada em 1988, foi pioneira no ensino superior a distância em Portugal.<br />
  40. 40. Universidade Aberta em Portugal<br />É uma universidade pública que está vocacionada para a educação de grandes massas populacionais, geograficamente dispersas.<br />
  41. 41.
  42. 42. Era pós-industrial<br />Na década de 90, Peters constatou que o desenvolvimento do EaD procura agora responder às exigências da Sociedade da Informação, estando cada vez mais orientado para a auto-realização do indivíduo, o conceito de aprendizagem ao longo da vida e o ensino acessível a todos.<br />
  43. 43. Era pós-industrial<br />Peters defende que o Ensino deve evoluir de acordo com as tendências da nova era pós-industrial: emergência de tecnologias mais individualizadas, tomada de decisões mais descentralizadas e novos valores relativos à qualidade de vida.<br />
  44. 44. Universidade do Futuro<br />Peters (1999) acredita que a universidade do futuro, deverá ser aberta em muitos aspectos: terá que ser orientada para a prática e ser o resultado de um processo fundamental de transformação, em que será proporcionada a auto-aprendizagem.<br />
  45. 45.
  46. 46. Tendências Futuras<br />A selecção das TICs apropriadas e a concepção dos sistemas de ensino são cruciais na concretização do nível de acessibilidade de um sistema de EaD, de forma a futuramente ultrapassar as barreiras temporais e espaciais, bem como, os factores económicos e demográficos.<br />
  47. 47. Tendências Futuras<br />A evolução das TICs possibilitou o aumento da interacção (professor/aluno e aluno/aluno) no sistema de EaD. <br />Num futuro próximo verificaremos a integração das TICs nos processos de aprendizagem em todo o tipo de contexto de ensino. <br />
  48. 48. Tendências Futuras<br />As TICs na educação do futuro também se multiplicarão, se tornarão mais e mais audiovisuais, instantâneas e abrangentes.<br />
  49. 49.
  50. 50. Tendências Futuras<br />O EaD tem-se expandido mundialmente a um ritmo bastante rápido, graças às novas tecnologias, em especial a Internet.<br /> A Internet permite a comunicação em rede e a criação de comunidades de aprendizagem, fomentando o intercâmbio de informação e conhecimentos.<br />
  51. 51. Tendências Futuras<br /> A Internet, ao permitir novas oportunidades de aprendizagem, criará a ruptura com o sistema tradicional de ensino.<br />
  52. 52. Tendências Futuras<br /> O EaD está, cada vez mais, solidamente implementado no âmbito empresarial.<br /> O ensino online substituirá as aulas presenciais.<br />
  53. 53. Tendências Futuras<br />A mobilidade virtual irá desempenhar um papel protagonista no desenvolvimento da actividade de professores e alunos e, possivelmente, irá proporcionar a democratização do ensino.<br />
  54. 54. Fim<br />

×