Esquema rawls

1.383 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.383
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
74
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Esquema rawls

  1. 1. Esquema parcelar Teoria da justiça de Rawls
  2. 2. As partes que vão celebrar o contrato encontram-se sob um véu de ignorância Cada pessoa deve ter a maior quantidade possível de liberdades compatível com igual quantidade de liberdade para os outros São aceitáveis desigualdades económicas desde que beneficiem os mais desfavorecidos As desigualdades económicas são aceitáveis se resultarem do exercício de funções para as quais todos tiveram igual oportunidade de acesso Princípio da liberdade igual para todos Princípio da diferença segundo a oportunidade justa Os sujeitos têm conhecimentos básicos da sociedade, são racionais e têm uma conceção fraca de bem Homens livres e racionais determinam quais os princípios de justiça Determinar os princípios a partir dos quais se possam organizar, de forma justa, as instituições sociais básicas, nomeadamente as que regem a liberdade de pensamento, de concorrência no mercado e de propriedade privada Objetivo da teoria da justiça Posição original Princípios de justiça mostrar mostrar mostrar mostrarmostrarmostrar mostrar Contrato social
  3. 3. Objetivo da teoria da justiça Determinar os princípios a partir dos quais se possam organizar, de forma justa, as instituições sociais básicas, nomeadamente as que regem a liberdade de pensamento, de concorrência no mercado e de propriedade privada. Homens livres e racionais determinam quais os princípios de justiça Contrato social Posição original
  4. 4. As partes que vão celebrar o contrato encontram-se sob um véu de ignorância Cada pessoa deve ter a maior quantidade possível de liberdades compatível com igual quantidade de liberdade para os outros São aceitáveis desigualdades económicas desde que beneficiem os mais desfavorecidos As desigualdades económicas são aceitáveis se resultarem do exercício de funções para as quais todos tiveram igual oportunidade de acesso Princípio da liberdade igual para todos Princípio da diferença segundo a oportunidade justa Os sujeitos têm conhecimentos básicos da sociedade, são racionais e têm uma conceção fraca de bem Princípios de justiça Posição original
  5. 5. Véu de ignorância Os indivíduos desconhecem todos os aspetos que dizem respeito às suas circunstâncias específicas, tais como as suas capacidades, a organização da sociedade onde vivem e o estatuto social e económico que possuem.
  6. 6. Os sujeitos possuem conhecimentos básicos da sociedade É dado como adquirido que [as partes] conhecem os factos gerais da sociedade humana. Compreendem os assuntos políticos e os princípios da teoria económica; conhecem as bases da organização social e das leis da psicologia humana. Na verdade, presume-se que as partes conhecem os factos gerais que afetam a escolha dos princípios da justiça. J. Rawls (1993). Uma teoria da justiça. Lisboa: Editorial Presença, p. 121
  7. 7. São racionais Serem racionais significa que os sujeitos irão escolher os princípios que poderão vir a concretizar o maior número possível de desejos e que tenham maior probabilidade de sucesso.
  8. 8. Possuem uma conceção fraca de bem Devem tentar proteger as liberdades de que gozam, aumentar as respetivas oportunidades e alargar os meios de que dispõem para atingir os seus objetivos, sejam eles quais forem. J. Rawls (1993). Uma teoria da justiça. Lisboa: Editorial Presença, p. 125
  9. 9. Liberdades básicas, segundo Rawls A liberdade política (o direito a votar e de ocupar uma função pública) e a liberdade de expressão e de reunião; a liberdade de pensamento e de expressão; a liberdade de consciência e de pensamento; o direito à propriedade privada e à proteção contra a prisão arbitrária. J. Rawls (1993). Uma teoria da justiça. Lisboa: Editorial Presença, p. 68 (adaptado).

×