Conceitos ação

884 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
884
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
207
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conceitos ação

  1. 1. A rede conceptual da ação
  2. 2. REDE CONCEPTUAL DA AÇÃO CONSCIENTE MOTIVO VONTADE mostrar noção do ato mostrar porquê da ação sujeitomostrarquerer de AGENTE DELIBERAÇÃO reflexão sobre as possibilidades mostrar e diferentes cursos da ação DECISÃO opção mostrar DECISÃO RACIONAL opção pela ação com mostrar melhores razões mostrar sujeito da ação aquele que reúne o ato físico mostrar e a dimensão mental da ação INTENÇÃO mostrar para quê mostrar dimensão mental da ação ESCOLHA mostrar realização da ação ACONTECIMENTO incursão do agente mostrar no curso do mundo, podendo alterá-lo
  3. 3. Agente E também não pode haver ações sem agentes. Uma ação é formada por agente X e um acontecimento Y, de tal modo que X tem a intenção que ocorra Y e mediante a sua interferência consegue que ocorra Y. Jesús Mosterín (1987). Racionalidad e accíon humana. Madrid: Alianza Editorial, p. 145 (adaptado).
  4. 4. Vontade “Fiz voluntariamente determinada coisa” significa que sem a minha autorização essa coisa não teria acontecido. É ação minha, o que não teria acontecido se eu não tivesse querido que acontecesse. Fernando Savater (1999). As perguntas da vida. Uma iniciação à reflexão filosófica. Lisboa: Publicações D. Quixote, p. 143.
  5. 5. Intenção A noção nuclear na estrutura do comportamento humano é a intencionalidade. Os movimentos corporais das nossas ações são causados pelas nossas intenções. John Searle (1987). Mente, cérebro e ciência. Lisboa: Edições 70, pp. 74 e 79 (adaptado).
  6. 6. O conceito de intenção é o conceito-chave, juntamente com o de motivo e de agente. Intenção e motivo são noções conexas, o motivo é motivo de uma intenção. Intenção e motivo distinguem-se em virtude de não responderem à mesma pergunta: a intenção responde à pergunta quê, que fazes? O motivo responde à questão porquê? Tem, portanto, a função de explicação. A intenção compreende-se como a intenção de alguém. O motivo remete também para a noção do agente; que é que levou A a fazer X? Paul Ricoeur (1988). O discurso da ação. Lisboa: Edições 70, pp. 50-56 (adaptado).
  7. 7. Deliberação A deliberação é um raciocínio prático, um momento em que perante vários cursos de ação possíveis, entre vários desejos que se podem opor entre si, se analisa qual a melhor decisão.
  8. 8. Acontecimento A ação é, assim, um acontecimento no qual um agente, consciente e dotado de vontade, impulsionado por um motivo, causa um ato visível no mundo, do qual pode resultar uma alteração significativa no curso dos acontecimentos.

×