Filosofia 10º Ano
Professora Isaura Silva
Texto
Sistematização do texto
Morais Teleológicas
 Consideram as

consequências dos
nossos actos;
 Os nossos actos são
julgada...
 O ponto central de

reflexão é o telos/fim
para o qual tendem as
acções humanas;
 Valorizam as

consequências das
acçõe...


Classifica-o de ética material – ética que dá
relevo ao conteúdo ou matéria das acções;



A moral utilitarista indica...
O seu rigor formal e o seu carácter absoluto:





Pode afastar-nos do contexto real em que as
acções se desenrolam;
As...
Texto
Mentir aos nazis e salvar vidas (dos refugiados e
as próprias)
A acção do holandeses é:
correcta
porque está de acordo com...


Calcular o nº de nazis e
de não nazis para
encontrar o maior
número possível e
determinar a melhor
solução a partir des...
Incompatibilidade dos seus princípios com a
ideia de Justiça:
 Ao aceitar a aplicação directa do critério da
utilidade, e...
Análise comparativa das filosofias morais apresentadas
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Análise comparativa das filosofias morais apresentadas

478 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
478
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
24
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Análise comparativa das filosofias morais apresentadas

  1. 1. Filosofia 10º Ano Professora Isaura Silva
  2. 2. Texto
  3. 3. Sistematização do texto Morais Teleológicas  Consideram as consequências dos nossos actos;  Os nossos actos são julgadas pelas consequências geradas;  Devemos fazer o que contribui mais para a nossa felicidade ou para a dos outros. Morais Deontológicas  As nossas acções são julgadas independentemente das suas consequências e da sua contribuição para a felicidade;  As nossas acções são julgadas em função dos deveres ou dos valores objectivos captados.
  4. 4.  O ponto central de reflexão é o telos/fim para o qual tendem as acções humanas;  Valorizam as consequências das acções.  Assentam na ideia de dever/deon – agir em conformidade com deveres exigidos por princípios e valores inquestionáveis;  A correcção das acções depende de princípios a priori ( estruturas que o sujeito lógico deve possuir antes de qualquer experiência).
  5. 5.  Classifica-o de ética material – ética que dá relevo ao conteúdo ou matéria das acções;  A moral utilitarista indicará o que se deve fazer para actuar bem em cada situação concreta Implicação: a regra moral “Não deves mentir” pode ser inválida em determinadas circunstâncias.
  6. 6. O seu rigor formal e o seu carácter absoluto:    Pode afastar-nos do contexto real em que as acções se desenrolam; As acções não são válidas quando os seus motivos se identificam com os sentimentos (piedade, amor, amizade, etc.) A dificuldade em aplicar a forma do dever em determinadas circunstâncias.
  7. 7. Texto
  8. 8. Mentir aos nazis e salvar vidas (dos refugiados e as próprias) A acção do holandeses é: correcta porque está de acordo com o princípio de maximização da felicidade para o maior número
  9. 9.  Calcular o nº de nazis e de não nazis para encontrar o maior número possível e determinar a melhor solução a partir desse cálculo. O que é que traz maior felicidade:  Do ponto de vista dos holandeses;  Do ponto de vista dos judeus;  Do ponto de vista dos nazis.
  10. 10. Incompatibilidade dos seus princípios com a ideia de Justiça:  Ao aceitar a aplicação directa do critério da utilidade, estaremos a admitir situações graves de injustiça. Texto

×