SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 64
Baixar para ler offline
Camada gasosa de espessura muito fina que envolve a
Terra, sendo fundamental para a manutenção da vida
na superfície terrestre
A atmosfera atua como sede dos fenômenos
meteorológicos e, além disso, é fator
determinante na qualidade e quantidade de
radiação solar que atinge a superfície terrestre
A atmosfera pode ser dividida de acordo
com suas características físicas e químicas
Termosfera
Mesosfera
Estratosfera – onde encontra-se
a maior concentração de O3
Troposfera – onde ocorrem os
fenômenos meteorológicos
Matriz básica
(% em vol. de ar seco):
N2 (~78%)
O2 (~21%)
outros gases (~1%)
Outros componentes com concentrações variáveis
(muito baixas):
CO2 (Dióxido de Carbono)
O3 (Ozônio)
CH4, (Metano)
N2O, (Óxido nitroso)
CFCs (Clorofluocarbonos)
VAPOR D’ÁGUA (até ~ 4%)
Apesar da Matriz Básica ser fundamental para a manutenção da vida
na superfície terrestre, a concentração dos componentes variáveis
apresenta importância física e biológica.
Importância Física – no balanço
de radiação da Terra, retendo parte
das ondas de calor emitidas pela
superfície e na atenuação da
radiação proveniente do Sol
Importância Biológica –
suprindo matéria prima
para o processo da
fotossíntese (CO2) e
regulando o processo de
transpiração das plantas
A atmosfera, entre outras funções
protege a superfície da Terra:
 Impactos de corpos celestes
(meteoros)
 Mantêm parte do calor solar impedindo
sua imediata irradiação para o espaço.
 Impede variações bruscas de
temperaturas permitindo a vida
terrestre.’
GÁS FONTES DE EMISSÃO
naturais antropogênicas
CONCENTRAÇÃO
1750 atual
TEMPO DE
RESIDÊNCIA NA
ATMOSFERA
PODER DE
AQUECIM.
CO2 →Respiração →queima combustíveis fósseis
→ Decomposição de →mudanças na vegetação
material orgânico → queima de biomassa
→ fabricação de cimento
280 ppmv 370 ppmv 50 - 200 anos 1
CH4 →mat. orgânica em →combustíveis fósseis
decomposição →fermentação entérica
(pântanos, lagos →arrozais inundados
e oceanos ) →dejetos animais
→esgotos
700 ppbv 1800 ppb 12 - 17 anos 21
N2O →oceanos , solos →fertilizantes
tropicais e →indústria :nylon, ac.nítrico
temperados →queima de biomassa e
(bactérias) de combustíveis fósseis
→modificação do uso do solo
→conversão catalítica (carros)
275 ppbv 310 ppbv 120 anos 310
CFCs →propelentes, solventes,
refrigeração, espumas
0 ordem de
pptv
13 - 102 anos acima de
10.000
Gases de Efeito Estufa – fontes, concentração, tempo de
residência e poder de aquecimento em relação ao CO2
Movimentos Atmosféricos
Os movimentos
atmosféricos ocorrem em
resposta à diferença de
pressão entre duas regiões
As diferenças de pressão são
devidas à incidência e absorção
da radiação solar de maneira
distinta entre duas regiões
Na macro-escala, devido à
posição relativa Terra-Sol, os
raios solares são mais
intensos e mais absorvidos
na região Equatorial do que
nos Pólos
Isso faz com que a
atmosfera seja mais
expandida no equador e
mais contraída nos pólos
O ALBEDO Corresponde a
reflexão dos raios solares
em função da cor da
superfície de contato.
Nas regiões polares,
onde o branco
predomina a reflexão
gira em torno de 75%. Na
região Amazônica, por
ter predomínio do verde
reflete cerca de 15%.
Quanto menor o albedo
maior a absorção dos
raios solares, maior o
aquecimento e, por
conseguinte, maior a
irradiação solar.
Há varios aparelhos usados para medir e
regular a umidade. Entre os aparelhos
usados para medir a umidade é o
higrômetro; quando o higrômetro utiliza
termômetros de bulbos molhados, recebe a
denominação de psicrômetro. Para regular
a umidade do ar, é utilizado o umidificador,
especialmente em dias nas quais a umidade
relativa cai para menos de 30%. Também há
casos onde é necessário o uso de
desumidificadores, para remover o excesso
de umidade do ar.
A umidade do ar também pode ser medida
remotamente, em escala global, com a
utilização de sensores especiais montados
em satélites meteorológicos.
Latitude
Baixa latitude
(proximidades do
Equador)
Raios solares
perpendiculares: maior
irradiação de calor
alta temperatura
Alta latitude
(distante do Equador)
baixa temperatura
Raios solares inclinados: menor
irradiação de calor.:
Durante os meses de chuva, provocadas pelas monções de
verão, os agricultores Assistem ao crescimento das plantações
e preparam seus equipamentos para os meses de colheita,
que acontecem durante As monções de inverno.
Durante o inverno
(dezembro-janeiro), as
massas de ar se deslocam
do continente para o mar
e toda a região
permanece seca. No fim
da primavera, os ventos
passam a soprar do mar
para o continente, fato
que se acentua no verão
(julho-agosto).
Atmosfera e Precipitação
O tempo, o clima e a vegetação
Apresentação elabora por: Prof. Fernando A. M. Knapik
É proibida a divulgação, cópia ou uso para qualquer fim se a devida autorização.
Atmosfera:
Umidade e precipitação
• Evaporação é a passagem da
água do estado líquido para o
de vapor.
• Ocorre pela ação dos raios
solares e do vento sobre as
águas da superfície terrestre.
• A evaporação é maior sobre os
oceanos e mares do que sobre
os continentes.
Umidade e precipitação
• As chuvas = precipitação
de água (pluvial) .
• O aparelho usado para
medir a quantidade de
chuvas é o pluviômetro.
• O aparelho que registra a
quantidade e a duração
da chuva chama-se
pluviógrafo.
Umidade e precipitação
Chuvas convectivas
São aquelas que ocorrem quando as temperaturas estão
muito elevadas e a evaporação é intensa. São chuva fortes.
Chuvas orográficas
ou de montanhas, ocorrem principalmente nas áreas
próximas do mar, quando massas de ar úmida são
deslocadas pelo vento e obrigadas a subir as vertentes, se
resfriam, condensam e precipitam-se.
Chuvas frontais
Resultantes do encontro de uma massa de ar fria com uma
massa de ar quente.
Trombas-d’água
Violentas e repentinas quedas de chuva em regiões de
encostas, originárias da precipitação de nimbos e cúmulos.
Cúmulos
Cúmulos
são nuvens espessas e escuras; geralmente desfazem-se em
chuva. Situam-se a menos de 2 km de altura.
Nímbu (lat =>
aguaceiro
Nímbos
• Neve ou precipitação
nival.
Quando a temperatura
está abaixo de zero
grau e o vapor de água
contido no ar se
congela, vira gelo e se
precipita como
minúsculos flocos.
Umidade e precipitação
Umidade e precipitações
• A queda de neve pode se tornar perigosa pois
pode isolar localidades, além de bloquear
estradas e ruas, sepultando carros e
prejudicando os transportes.
No Brasil ocorre queda de
neve nas localidades
mais elevadas do sul,
como:
São Joaquim e Lages em
Santa Catarina e Vacaria
e Bom Jesus no Rio
Grande do Sul.
Umidade e precipitações
• Chuvas de granizo.
As chuvas de pedras de
gelo se formam quando
nuvens carregadas de
gotículas de água
encontram uma massa de
ar fria, que provoca o
congelamento das gotas.
Este tipo de chuva de
granizo provocam sempre
muito estrago nas
plantações e nas casas.
Umidade e precipitações
O Orvalho
Quando as camadas mais
baixas da atmosfera
entram em contato com o
solo frio. O vapor de água
da atmosfera passa para o
estado líquido, formando
gotinhas de água.
Umidade e precipitações
A Geada
As gotinhas do orvalho se congelam.
Geada é orvalho congelado.
• Geada Branca e a geada Negra.
Geada branca - quando a temperatura do
solo chega a zero grau ou a valores abaixo
de zero grau. Esse tipo é mais comum e
seus efeitos para a agricultura são
menores.
Geada negra – quando o solo e o ar
atingem temperaturas negativas, ou seja
abaixo de zero grau. Esta é mais forte e
traz muitos prjuízos.
Umidade e precipitações
• Chuvas ácidas
Ocorre quando as gotículas
de umidade se juntam ao ar
poluído; são chuvas que
prejudicam a vegetação e as
construções.
A chuva ácida pode viajar
até 500Km por dia,
dependendo da direção e
força do vento.
Estas chuvas alteram a
composição química do solo,
provocam o envenenamento
dos cursos de água, fauna e
flora, atingindo a cadeia
alimentar, sendo ainda
responsáveis pela corrosão
Umidade e precipitações
O tempo, clima e a vegetação
• Tempo é o estado da atmosfera de um lugar qualquer num certo
momento.
• Clima é a sucessão ou o conjunto de variações dos estados do tempo em
um determinado lugar.
Estados do Tempo
 Bom,
 instável e
 chuvoso
As classificações do clima trabalham com
dados médios que nem sempre espelham a
realidade da dinâmica atmosférica.
Os dados mais importantes para se fazer uma
classificação climática são, a temperatura e as
precipitações.
O tempo, clima e a vegetação
Atmosfera e precipitação
Tipos de climas:
• Muito úmido + 2 500 mm
• Úmido entre 1200 e 2500 mm
• Semi-úmido entre 500 e 1200 mm
• Semi-árido entre 250 e 500 mm
• Árido menos de 250 mm
• De acordo com as temperaturas o clima pode
ser classificado em:
Quente
Temperado
Frio
Polar
O tempo, clima e a vegetação
O tempo e o clima
• Quanto maior for a distância
em relação ao mar, maior
deverá ser a amplitude
térmica anual e menor a
pluviosidade.
• As áreas mais próximas ao
mar são mais chuvosas por
causa da influência das
massas de ar marítimas, que
são úmidas.
O Brasil apresenta diferentes tipos climáticos.
• Clima Equatorial
• Clima Tropical
• Clima Subtropical
O tempo e o clima
O tempo e o clima
Clima Equatorial
Temperatura anual superior a 25 °C
Pequena amplitude térmica anual
Chuvas abundantes (ano todo)
Ocorre no Norte do país,
Influenciada pela massa equatorial
continental
A massa atlântica também pode
influenciar,
dependendo da força, causando a
friagem.
O tempo e o clima
Clima Tropical
Temperatura média anual 20 °C a 25 °C
De acordo com a pluviosidade há três tipos
de clima:
• Tropical Úmido: (litorâneo úmido), ocorre na
parte leste do país, influências das massas
equatorial atlântica e tropical atlântica, as
chuvas ocorrem o ano todo.
• Tropical semi-úmido: (continental), Ocorre na
parte central do Brasil, Chuvas quase somente
no verão, influência da massa equatorial
continental.
O tempo e o clima
• Tropical Semi-árido: ocorre no interior do
nordeste brasileiro, (sertão). Há escassez
de chuvas: 400 a 700 mm anuais.
Influências da massa equatorial
continental e massa equatorial atlântica.
Mas essas massas quase não tem força
para atingir o nordeste, o que provoca
sempre um período de seca no nordeste
brasileiro.
• Clima tropical de altitude. Temperaturas
médias anuais baixas devido a altitude e
das frente polares. Ocorre na porção
sudeste, em áreas elevadas.
O tempo e o clima
• Clima Subtropical
Clima do sul do Brasil,
Temperatura média inferior a 18 °C
Não pode ser chamado de
temperado pois não tem inverno
muito frio.
É influenciado pela massa de polar
atlântica.
Amplitudes térmica grande.
Considera:
Temperatura e
Pluviosidade e
vegetação
Estrutura geral da classificação
A classificação climática de Köppen-Geiger divide os climas
em 5 grandes grupos
e diversos tipos e subtipos.
Estrutura geral da classificação
Cada clima é representado por um conjunto variável de letras (com 2 ou 3 caracteres) com
a seguinte significação:
Primeira letra: — uma maiúscula que denota a característica geral do clima de uma
região, escalonam-se de "A" a "E", indo do equador aos pólos);
Estrutura geral da classificação
Segunda letra: — uma minúscula, que estabelece o tipo de clima dentro do grupo, e
denota as particularidades do regime pluviométrico, isto é a quantidade e distribuição da
precipitação
Clima de monção:
Precipitação total anual média > 1500 mm
Precipitação do mês mais seco < 60 mm
Clima úmido - Ocorrência de precipitação em todos os meses do ano
Inexistência de estação seca definida
Chuvas de Verão
Chuvas de Inverno
Chuvas de Verão-outono
Chuvas de Inverno-outono
Terceira letra: — minúscula, denotando a temperatura média mensal do ar
dos meses mais quentes (nos casos em que a primeira letra seja "C" ou "D")
ou a temperatura média anual do ar (no caso da primeira letra ser "B").
Exemplos e Classificações
Af - clima equatorial úmido - Manaus, Brasil
Am - clima tropical monçônico - Daca, Bangladesh
Aw - clima tropical (chuvas no verão) - Rio de Janeiro Brasil
As - clima tropical (chuvas no Inverno) - João Pessoa, Brasil
BSh - clima semi-árido quente - Múrcia, Espanha
BSk - clima semi-árido frio - Medicine Hat, Canadá
BWh - clima árido quente - Phoenix, EUA
BWk - clima árido frio - norte do Chile, deserto do Atacama e região central da
Patagônia
Cfa - clima subtropical húmido - São Paulo, Brasil
Cwa - clima subtropical/clima tropical de altitude - Brasília, Brasil
Cfb - clima temperado marítimo húmido - Curitiba, Brasil
Cwb - clima temperado marítimo/clima tropical de altitude - Joanesburgo, África do
O tempo e o clima
Por que estudamos CLIMA
URBANO?
• É importante estudarmos o
CLIMA URBANO porque nas
grandes cidades geralmente o
clima apresenta temperaturas
mais elevadas e chuvas mais
intensas que as áreas
vizinhas.
O tempo e o clima
Os fatores que exercem influência sobre o clima urbano são:
• A grande concentração de prédios de concreto, que aquece o ar e dificulta a
circulação dos ventos;
• O asfaltamentos das ruas
• A ausência de áreas verdes;
• A intensa queima de óleo diesel, gás, carvão, gasolina e álcool;
• A canalização da águas pluviais, que reduz a evaporação;
• E a grande quantidade de gás carbônico na atmosfera.
O tempo e o clima
Áreas verdes são importantes
nas cidades para diminuir a
temperatura do ar.
O que é a “ilha de calor” que
se forma nas áreas urbanas?
O tempo e o clima
As “ilhas de calor” ocorre em alguns locais da
cidade, principalmente no centro, onde as
temperaturas são mais elevadas que em outras
áreas da cidade devido à grande concentração de
prédios de concreto com abundância de ferro,
vidro e aço, ruas asfaltadas e ruas estreitas.
O tempo e o clima
Quais as influências dos elementos dos climas quentes
e úmidos no relevo?
Em áreas de clima quentes e úmidos, o relevo
apresenta formas arredondadas por influência do calor,
da umidade do ar e das chuvas.
O tempo e o clima
Qual o papel dos elementos do clima na formação
do relevo e dos solos dos desertos?
• A falta de umidade favorece grandes oscilações de
temperatura. Assim as rochas e as chuvas ocasionais
arrastam os pedaços de rochas quebradas, deixando o
relevo abrupto e irregular. Também por esse motivo, os
solos dos desertos são muito finos ou inexistentes.
O tempo e o clima
• Por que é importante para os seres
humanos considerar as condições
climáticas para estabelecer seus
padrões de alimentação, vestuário e
habitação?
Devido à grande influência dos
fatores do clima sobre esse padrões.
O homem precisa adaptar o
vestuário e a habitação às condições
climáticas e considerar as
particularidades do clima para
melhor desenvolver o cultivo de
vegetais e a criação de gado.
GEOBINGO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2Google
 
Elementos climáticos 1º Ano Ensino Médio
Elementos climáticos 1º Ano Ensino MédioElementos climáticos 1º Ano Ensino Médio
Elementos climáticos 1º Ano Ensino MédioElis Costa
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climáticaRenato Brasil
 
A atmosfera e sua dinamica o tempo nap
A atmosfera e sua dinamica o tempo napA atmosfera e sua dinamica o tempo nap
A atmosfera e sua dinamica o tempo napgisele picolli
 
ppt geografia 2010 - clima
ppt geografia 2010 - climappt geografia 2010 - clima
ppt geografia 2010 - climaGustavo Tannus
 
Aula 6 - Dinâmica Climática
Aula 6 - Dinâmica ClimáticaAula 6 - Dinâmica Climática
Aula 6 - Dinâmica ClimáticaGerson Coppes
 
O Clima - 6º Ano (2016)
O Clima - 6º Ano (2016)O Clima - 6º Ano (2016)
O Clima - 6º Ano (2016)Nefer19
 
Climatologia Geral E Do Brasil
Climatologia Geral E Do BrasilClimatologia Geral E Do Brasil
Climatologia Geral E Do BrasilCica2010
 
Dinâmica atmosférica
Dinâmica atmosféricaDinâmica atmosférica
Dinâmica atmosféricadianalove15
 
Atmosfera e Fatores Climaticos
Atmosfera e Fatores ClimaticosAtmosfera e Fatores Climaticos
Atmosfera e Fatores ClimaticosVania Leão
 
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarcaduisolada
 

Mais procurados (20)

Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2
 
Modulo 05 - O tempo e o clima
Modulo 05 - O tempo e o climaModulo 05 - O tempo e o clima
Modulo 05 - O tempo e o clima
 
Elementos climáticos 1º Ano Ensino Médio
Elementos climáticos 1º Ano Ensino MédioElementos climáticos 1º Ano Ensino Médio
Elementos climáticos 1º Ano Ensino Médio
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
 
A atmosfera e sua dinamica o tempo nap
A atmosfera e sua dinamica o tempo napA atmosfera e sua dinamica o tempo nap
A atmosfera e sua dinamica o tempo nap
 
ppt geografia 2010 - clima
ppt geografia 2010 - climappt geografia 2010 - clima
ppt geografia 2010 - clima
 
Aula 6 - Dinâmica Climática
Aula 6 - Dinâmica ClimáticaAula 6 - Dinâmica Climática
Aula 6 - Dinâmica Climática
 
Clima e meteorologia
Clima e meteorologiaClima e meteorologia
Clima e meteorologia
 
Clima e tempo
Clima e tempoClima e tempo
Clima e tempo
 
O Clima - 6º Ano (2016)
O Clima - 6º Ano (2016)O Clima - 6º Ano (2016)
O Clima - 6º Ano (2016)
 
Atmosfera terreste
Atmosfera terresteAtmosfera terreste
Atmosfera terreste
 
Climatologia Geral E Do Brasil
Climatologia Geral E Do BrasilClimatologia Geral E Do Brasil
Climatologia Geral E Do Brasil
 
Climatologia
ClimatologiaClimatologia
Climatologia
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Dinâmica atmosférica
Dinâmica atmosféricaDinâmica atmosférica
Dinâmica atmosférica
 
Atmosfera e Fatores Climaticos
Atmosfera e Fatores ClimaticosAtmosfera e Fatores Climaticos
Atmosfera e Fatores Climaticos
 
Aula 2_Clima_1ano
Aula 2_Clima_1anoAula 2_Clima_1ano
Aula 2_Clima_1ano
 
Geo em-climatologia-novo
Geo em-climatologia-novoGeo em-climatologia-novo
Geo em-climatologia-novo
 
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
 
Clima
ClimaClima
Clima
 

Destaque

Importância da oxidação e da redução na extracção do ferro
Importância da oxidação e da redução na extracção do ferroImportância da oxidação e da redução na extracção do ferro
Importância da oxidação e da redução na extracção do ferroDébora Neves
 
Trabalho de Geografia - Estados Unidos - Superpotência Mundial
Trabalho de Geografia - Estados Unidos - Superpotência MundialTrabalho de Geografia - Estados Unidos - Superpotência Mundial
Trabalho de Geografia - Estados Unidos - Superpotência MundialNattalia12345
 
Importância da atmosfera para os seres vivos
Importância da atmosfera para os seres vivosImportância da atmosfera para os seres vivos
Importância da atmosfera para os seres vivosDébora Neves
 
1º ANO -Tempo e Clima
1º ANO -Tempo e Clima1º ANO -Tempo e Clima
1º ANO -Tempo e Climaceama
 
Passo a passo para baixar slides
Passo a passo para baixar slidesPasso a passo para baixar slides
Passo a passo para baixar slidesDênia Cavalcante
 
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...SlideShare
 

Destaque (9)

Relevo do brasil
Relevo do brasilRelevo do brasil
Relevo do brasil
 
Importância da oxidação e da redução na extracção do ferro
Importância da oxidação e da redução na extracção do ferroImportância da oxidação e da redução na extracção do ferro
Importância da oxidação e da redução na extracção do ferro
 
Climatologia - Atmosfera e sua dinamica
Climatologia - Atmosfera e sua dinamicaClimatologia - Atmosfera e sua dinamica
Climatologia - Atmosfera e sua dinamica
 
Trabalho de Geografia - Estados Unidos - Superpotência Mundial
Trabalho de Geografia - Estados Unidos - Superpotência MundialTrabalho de Geografia - Estados Unidos - Superpotência Mundial
Trabalho de Geografia - Estados Unidos - Superpotência Mundial
 
Importância da atmosfera para os seres vivos
Importância da atmosfera para os seres vivosImportância da atmosfera para os seres vivos
Importância da atmosfera para os seres vivos
 
1º ANO -Tempo e Clima
1º ANO -Tempo e Clima1º ANO -Tempo e Clima
1º ANO -Tempo e Clima
 
Passo a passo para baixar slides
Passo a passo para baixar slidesPasso a passo para baixar slides
Passo a passo para baixar slides
 
Build Features, Not Apps
Build Features, Not AppsBuild Features, Not Apps
Build Features, Not Apps
 
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
 

Semelhante a Atmosfera e climas

Atmosfera clima (parte 1)
Atmosfera   clima (parte 1)Atmosfera   clima (parte 1)
Atmosfera clima (parte 1)flaviocosac
 
Clima e estados de tempo em Portugal.1
Clima e estados de tempo em Portugal.1Clima e estados de tempo em Portugal.1
Clima e estados de tempo em Portugal.1Idalina Leite
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticoskarolpoa
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticoskarolpoa
 
Material Complementar Atmosfera Parte 1
Material Complementar Atmosfera Parte 1Material Complementar Atmosfera Parte 1
Material Complementar Atmosfera Parte 1flaviocosac
 
Cap.7 - A atmosfera
Cap.7 - A atmosferaCap.7 - A atmosfera
Cap.7 - A atmosferaprofacacio
 
Clima e tempo cap 14 15 16
Clima e tempo cap 14 15 16Clima e tempo cap 14 15 16
Clima e tempo cap 14 15 16Christie Freitas
 
Parte 1 - Climatolgia: elementos do Clima
Parte 1 - Climatolgia: elementos do ClimaParte 1 - Climatolgia: elementos do Clima
Parte 1 - Climatolgia: elementos do ClimaCADUCOCFRENTE2
 
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e TempoUnidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e TempoChristie Freitas
 
Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2Christie Freitas
 

Semelhante a Atmosfera e climas (20)

Atmosfera clima (parte 1)
Atmosfera   clima (parte 1)Atmosfera   clima (parte 1)
Atmosfera clima (parte 1)
 
Clima e estados de tempo em Portugal.1
Clima e estados de tempo em Portugal.1Clima e estados de tempo em Portugal.1
Clima e estados de tempo em Portugal.1
 
Climatologia
Climatologia Climatologia
Climatologia
 
Climas da terra
Climas da terraClimas da terra
Climas da terra
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
 
Clima: Fatores e elementos
Clima: Fatores e elementos Clima: Fatores e elementos
Clima: Fatores e elementos
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
 
Material Complementar Atmosfera Parte 1
Material Complementar Atmosfera Parte 1Material Complementar Atmosfera Parte 1
Material Complementar Atmosfera Parte 1
 
Fenômenos atmosféricos
Fenômenos atmosféricosFenômenos atmosféricos
Fenômenos atmosféricos
 
Climatologia geográfica
Climatologia geográficaClimatologia geográfica
Climatologia geográfica
 
Cap.7 - A atmosfera
Cap.7 - A atmosferaCap.7 - A atmosfera
Cap.7 - A atmosfera
 
Clima e tempo cap 14 15 16
Clima e tempo cap 14 15 16Clima e tempo cap 14 15 16
Clima e tempo cap 14 15 16
 
Cap 8 clima geografia
Cap 8 clima geografiaCap 8 clima geografia
Cap 8 clima geografia
 
Parte 1 - Climatolgia: elementos do Clima
Parte 1 - Climatolgia: elementos do ClimaParte 1 - Climatolgia: elementos do Clima
Parte 1 - Climatolgia: elementos do Clima
 
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e TempoUnidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
 
Tipos de clima
Tipos de clima  Tipos de clima
Tipos de clima
 
Clima e vegetação
Clima e vegetaçãoClima e vegetação
Clima e vegetação
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2
 
6º ano unidade 6
6º ano unidade 6 6º ano unidade 6
6º ano unidade 6
 

Mais de Fernando M. Knapik

Unidade.11.industrialização.em.paises.desenvolvidos.geoem2 v3u11s
Unidade.11.industrialização.em.paises.desenvolvidos.geoem2 v3u11sUnidade.11.industrialização.em.paises.desenvolvidos.geoem2 v3u11s
Unidade.11.industrialização.em.paises.desenvolvidos.geoem2 v3u11sFernando M. Knapik
 
Unidade.10.espaço.industrial.geoem2 v3u10s
Unidade.10.espaço.industrial.geoem2 v3u10sUnidade.10.espaço.industrial.geoem2 v3u10s
Unidade.10.espaço.industrial.geoem2 v3u10sFernando M. Knapik
 
Unidade.10.interação.de.elementos.e.fatores.do.clima
Unidade.10.interação.de.elementos.e.fatores.do.climaUnidade.10.interação.de.elementos.e.fatores.do.clima
Unidade.10.interação.de.elementos.e.fatores.do.climaFernando M. Knapik
 
Unidade.09.estrutura e características da atmosfera
Unidade.09.estrutura e características da atmosferaUnidade.09.estrutura e características da atmosfera
Unidade.09.estrutura e características da atmosferaFernando M. Knapik
 

Mais de Fernando M. Knapik (11)

Unidade.11.industrialização.em.paises.desenvolvidos.geoem2 v3u11s
Unidade.11.industrialização.em.paises.desenvolvidos.geoem2 v3u11sUnidade.11.industrialização.em.paises.desenvolvidos.geoem2 v3u11s
Unidade.11.industrialização.em.paises.desenvolvidos.geoem2 v3u11s
 
Unidade.10.espaço.industrial.geoem2 v3u10s
Unidade.10.espaço.industrial.geoem2 v3u10sUnidade.10.espaço.industrial.geoem2 v3u10s
Unidade.10.espaço.industrial.geoem2 v3u10s
 
Unidade.10.interação.de.elementos.e.fatores.do.clima
Unidade.10.interação.de.elementos.e.fatores.do.climaUnidade.10.interação.de.elementos.e.fatores.do.clima
Unidade.10.interação.de.elementos.e.fatores.do.clima
 
Unidade.09.estrutura e características da atmosfera
Unidade.09.estrutura e características da atmosferaUnidade.09.estrutura e características da atmosfera
Unidade.09.estrutura e características da atmosfera
 
Agentes formadores do relevo
Agentes formadores do relevoAgentes formadores do relevo
Agentes formadores do relevo
 
Rosário meditado
Rosário meditadoRosário meditado
Rosário meditado
 
Santo rosário - tradicional
Santo rosário - tradicionalSanto rosário - tradicional
Santo rosário - tradicional
 
Geoloteria migrações
Geoloteria migraçõesGeoloteria migrações
Geoloteria migrações
 
Modificando O Fundo Do Slide
Modificando O Fundo Do SlideModificando O Fundo Do Slide
Modificando O Fundo Do Slide
 
Modificando O Fundo Do Slide
Modificando O Fundo Do SlideModificando O Fundo Do Slide
Modificando O Fundo Do Slide
 
Mude O Mundo
Mude O MundoMude O Mundo
Mude O Mundo
 

Último

Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadodanieligomes4
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimWashingtonSampaio5
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 

Último (20)

Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 

Atmosfera e climas

  • 1.
  • 2. Camada gasosa de espessura muito fina que envolve a Terra, sendo fundamental para a manutenção da vida na superfície terrestre A atmosfera atua como sede dos fenômenos meteorológicos e, além disso, é fator determinante na qualidade e quantidade de radiação solar que atinge a superfície terrestre
  • 3. A atmosfera pode ser dividida de acordo com suas características físicas e químicas Termosfera Mesosfera Estratosfera – onde encontra-se a maior concentração de O3 Troposfera – onde ocorrem os fenômenos meteorológicos
  • 4. Matriz básica (% em vol. de ar seco): N2 (~78%) O2 (~21%) outros gases (~1%) Outros componentes com concentrações variáveis (muito baixas): CO2 (Dióxido de Carbono) O3 (Ozônio) CH4, (Metano) N2O, (Óxido nitroso) CFCs (Clorofluocarbonos) VAPOR D’ÁGUA (até ~ 4%) Apesar da Matriz Básica ser fundamental para a manutenção da vida na superfície terrestre, a concentração dos componentes variáveis apresenta importância física e biológica. Importância Física – no balanço de radiação da Terra, retendo parte das ondas de calor emitidas pela superfície e na atenuação da radiação proveniente do Sol Importância Biológica – suprindo matéria prima para o processo da fotossíntese (CO2) e regulando o processo de transpiração das plantas
  • 5. A atmosfera, entre outras funções protege a superfície da Terra:  Impactos de corpos celestes (meteoros)  Mantêm parte do calor solar impedindo sua imediata irradiação para o espaço.  Impede variações bruscas de temperaturas permitindo a vida terrestre.’
  • 6. GÁS FONTES DE EMISSÃO naturais antropogênicas CONCENTRAÇÃO 1750 atual TEMPO DE RESIDÊNCIA NA ATMOSFERA PODER DE AQUECIM. CO2 →Respiração →queima combustíveis fósseis → Decomposição de →mudanças na vegetação material orgânico → queima de biomassa → fabricação de cimento 280 ppmv 370 ppmv 50 - 200 anos 1 CH4 →mat. orgânica em →combustíveis fósseis decomposição →fermentação entérica (pântanos, lagos →arrozais inundados e oceanos ) →dejetos animais →esgotos 700 ppbv 1800 ppb 12 - 17 anos 21 N2O →oceanos , solos →fertilizantes tropicais e →indústria :nylon, ac.nítrico temperados →queima de biomassa e (bactérias) de combustíveis fósseis →modificação do uso do solo →conversão catalítica (carros) 275 ppbv 310 ppbv 120 anos 310 CFCs →propelentes, solventes, refrigeração, espumas 0 ordem de pptv 13 - 102 anos acima de 10.000 Gases de Efeito Estufa – fontes, concentração, tempo de residência e poder de aquecimento em relação ao CO2
  • 7.
  • 8. Movimentos Atmosféricos Os movimentos atmosféricos ocorrem em resposta à diferença de pressão entre duas regiões As diferenças de pressão são devidas à incidência e absorção da radiação solar de maneira distinta entre duas regiões Na macro-escala, devido à posição relativa Terra-Sol, os raios solares são mais intensos e mais absorvidos na região Equatorial do que nos Pólos Isso faz com que a atmosfera seja mais expandida no equador e mais contraída nos pólos
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14. O ALBEDO Corresponde a reflexão dos raios solares em função da cor da superfície de contato. Nas regiões polares, onde o branco predomina a reflexão gira em torno de 75%. Na região Amazônica, por ter predomínio do verde reflete cerca de 15%. Quanto menor o albedo maior a absorção dos raios solares, maior o aquecimento e, por conseguinte, maior a irradiação solar.
  • 15. Há varios aparelhos usados para medir e regular a umidade. Entre os aparelhos usados para medir a umidade é o higrômetro; quando o higrômetro utiliza termômetros de bulbos molhados, recebe a denominação de psicrômetro. Para regular a umidade do ar, é utilizado o umidificador, especialmente em dias nas quais a umidade relativa cai para menos de 30%. Também há casos onde é necessário o uso de desumidificadores, para remover o excesso de umidade do ar. A umidade do ar também pode ser medida remotamente, em escala global, com a utilização de sensores especiais montados em satélites meteorológicos.
  • 16.
  • 17. Latitude Baixa latitude (proximidades do Equador) Raios solares perpendiculares: maior irradiação de calor alta temperatura Alta latitude (distante do Equador) baixa temperatura Raios solares inclinados: menor irradiação de calor.:
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25. Durante os meses de chuva, provocadas pelas monções de verão, os agricultores Assistem ao crescimento das plantações e preparam seus equipamentos para os meses de colheita, que acontecem durante As monções de inverno. Durante o inverno (dezembro-janeiro), as massas de ar se deslocam do continente para o mar e toda a região permanece seca. No fim da primavera, os ventos passam a soprar do mar para o continente, fato que se acentua no verão (julho-agosto).
  • 26. Atmosfera e Precipitação O tempo, o clima e a vegetação Apresentação elabora por: Prof. Fernando A. M. Knapik É proibida a divulgação, cópia ou uso para qualquer fim se a devida autorização.
  • 27. Atmosfera: Umidade e precipitação • Evaporação é a passagem da água do estado líquido para o de vapor. • Ocorre pela ação dos raios solares e do vento sobre as águas da superfície terrestre. • A evaporação é maior sobre os oceanos e mares do que sobre os continentes.
  • 28. Umidade e precipitação • As chuvas = precipitação de água (pluvial) . • O aparelho usado para medir a quantidade de chuvas é o pluviômetro. • O aparelho que registra a quantidade e a duração da chuva chama-se pluviógrafo.
  • 29. Umidade e precipitação Chuvas convectivas São aquelas que ocorrem quando as temperaturas estão muito elevadas e a evaporação é intensa. São chuva fortes. Chuvas orográficas ou de montanhas, ocorrem principalmente nas áreas próximas do mar, quando massas de ar úmida são deslocadas pelo vento e obrigadas a subir as vertentes, se resfriam, condensam e precipitam-se. Chuvas frontais Resultantes do encontro de uma massa de ar fria com uma massa de ar quente. Trombas-d’água Violentas e repentinas quedas de chuva em regiões de encostas, originárias da precipitação de nimbos e cúmulos.
  • 32. são nuvens espessas e escuras; geralmente desfazem-se em chuva. Situam-se a menos de 2 km de altura. Nímbu (lat => aguaceiro Nímbos
  • 33. • Neve ou precipitação nival. Quando a temperatura está abaixo de zero grau e o vapor de água contido no ar se congela, vira gelo e se precipita como minúsculos flocos. Umidade e precipitação
  • 34. Umidade e precipitações • A queda de neve pode se tornar perigosa pois pode isolar localidades, além de bloquear estradas e ruas, sepultando carros e prejudicando os transportes.
  • 35. No Brasil ocorre queda de neve nas localidades mais elevadas do sul, como: São Joaquim e Lages em Santa Catarina e Vacaria e Bom Jesus no Rio Grande do Sul. Umidade e precipitações
  • 36. • Chuvas de granizo. As chuvas de pedras de gelo se formam quando nuvens carregadas de gotículas de água encontram uma massa de ar fria, que provoca o congelamento das gotas. Este tipo de chuva de granizo provocam sempre muito estrago nas plantações e nas casas. Umidade e precipitações
  • 37. O Orvalho Quando as camadas mais baixas da atmosfera entram em contato com o solo frio. O vapor de água da atmosfera passa para o estado líquido, formando gotinhas de água. Umidade e precipitações
  • 38. A Geada As gotinhas do orvalho se congelam. Geada é orvalho congelado. • Geada Branca e a geada Negra. Geada branca - quando a temperatura do solo chega a zero grau ou a valores abaixo de zero grau. Esse tipo é mais comum e seus efeitos para a agricultura são menores. Geada negra – quando o solo e o ar atingem temperaturas negativas, ou seja abaixo de zero grau. Esta é mais forte e traz muitos prjuízos. Umidade e precipitações
  • 39. • Chuvas ácidas Ocorre quando as gotículas de umidade se juntam ao ar poluído; são chuvas que prejudicam a vegetação e as construções. A chuva ácida pode viajar até 500Km por dia, dependendo da direção e força do vento. Estas chuvas alteram a composição química do solo, provocam o envenenamento dos cursos de água, fauna e flora, atingindo a cadeia alimentar, sendo ainda responsáveis pela corrosão Umidade e precipitações
  • 40. O tempo, clima e a vegetação • Tempo é o estado da atmosfera de um lugar qualquer num certo momento. • Clima é a sucessão ou o conjunto de variações dos estados do tempo em um determinado lugar. Estados do Tempo  Bom,  instável e  chuvoso
  • 41. As classificações do clima trabalham com dados médios que nem sempre espelham a realidade da dinâmica atmosférica. Os dados mais importantes para se fazer uma classificação climática são, a temperatura e as precipitações. O tempo, clima e a vegetação
  • 42. Atmosfera e precipitação Tipos de climas: • Muito úmido + 2 500 mm • Úmido entre 1200 e 2500 mm • Semi-úmido entre 500 e 1200 mm • Semi-árido entre 250 e 500 mm • Árido menos de 250 mm
  • 43. • De acordo com as temperaturas o clima pode ser classificado em: Quente Temperado Frio Polar O tempo, clima e a vegetação
  • 44. O tempo e o clima • Quanto maior for a distância em relação ao mar, maior deverá ser a amplitude térmica anual e menor a pluviosidade. • As áreas mais próximas ao mar são mais chuvosas por causa da influência das massas de ar marítimas, que são úmidas.
  • 45. O Brasil apresenta diferentes tipos climáticos. • Clima Equatorial • Clima Tropical • Clima Subtropical O tempo e o clima
  • 46. O tempo e o clima Clima Equatorial Temperatura anual superior a 25 °C Pequena amplitude térmica anual Chuvas abundantes (ano todo) Ocorre no Norte do país, Influenciada pela massa equatorial continental A massa atlântica também pode influenciar, dependendo da força, causando a friagem.
  • 47. O tempo e o clima Clima Tropical Temperatura média anual 20 °C a 25 °C De acordo com a pluviosidade há três tipos de clima: • Tropical Úmido: (litorâneo úmido), ocorre na parte leste do país, influências das massas equatorial atlântica e tropical atlântica, as chuvas ocorrem o ano todo. • Tropical semi-úmido: (continental), Ocorre na parte central do Brasil, Chuvas quase somente no verão, influência da massa equatorial continental.
  • 48. O tempo e o clima • Tropical Semi-árido: ocorre no interior do nordeste brasileiro, (sertão). Há escassez de chuvas: 400 a 700 mm anuais. Influências da massa equatorial continental e massa equatorial atlântica. Mas essas massas quase não tem força para atingir o nordeste, o que provoca sempre um período de seca no nordeste brasileiro. • Clima tropical de altitude. Temperaturas médias anuais baixas devido a altitude e das frente polares. Ocorre na porção sudeste, em áreas elevadas.
  • 49. O tempo e o clima • Clima Subtropical Clima do sul do Brasil, Temperatura média inferior a 18 °C Não pode ser chamado de temperado pois não tem inverno muito frio. É influenciado pela massa de polar atlântica. Amplitudes térmica grande.
  • 51. Estrutura geral da classificação A classificação climática de Köppen-Geiger divide os climas em 5 grandes grupos e diversos tipos e subtipos.
  • 52. Estrutura geral da classificação Cada clima é representado por um conjunto variável de letras (com 2 ou 3 caracteres) com a seguinte significação: Primeira letra: — uma maiúscula que denota a característica geral do clima de uma região, escalonam-se de "A" a "E", indo do equador aos pólos);
  • 53. Estrutura geral da classificação Segunda letra: — uma minúscula, que estabelece o tipo de clima dentro do grupo, e denota as particularidades do regime pluviométrico, isto é a quantidade e distribuição da precipitação Clima de monção: Precipitação total anual média > 1500 mm Precipitação do mês mais seco < 60 mm Clima úmido - Ocorrência de precipitação em todos os meses do ano Inexistência de estação seca definida Chuvas de Verão Chuvas de Inverno Chuvas de Verão-outono Chuvas de Inverno-outono
  • 54.
  • 55. Terceira letra: — minúscula, denotando a temperatura média mensal do ar dos meses mais quentes (nos casos em que a primeira letra seja "C" ou "D") ou a temperatura média anual do ar (no caso da primeira letra ser "B").
  • 56. Exemplos e Classificações Af - clima equatorial úmido - Manaus, Brasil Am - clima tropical monçônico - Daca, Bangladesh Aw - clima tropical (chuvas no verão) - Rio de Janeiro Brasil As - clima tropical (chuvas no Inverno) - João Pessoa, Brasil BSh - clima semi-árido quente - Múrcia, Espanha BSk - clima semi-árido frio - Medicine Hat, Canadá BWh - clima árido quente - Phoenix, EUA BWk - clima árido frio - norte do Chile, deserto do Atacama e região central da Patagônia Cfa - clima subtropical húmido - São Paulo, Brasil Cwa - clima subtropical/clima tropical de altitude - Brasília, Brasil Cfb - clima temperado marítimo húmido - Curitiba, Brasil Cwb - clima temperado marítimo/clima tropical de altitude - Joanesburgo, África do
  • 57. O tempo e o clima Por que estudamos CLIMA URBANO? • É importante estudarmos o CLIMA URBANO porque nas grandes cidades geralmente o clima apresenta temperaturas mais elevadas e chuvas mais intensas que as áreas vizinhas.
  • 58. O tempo e o clima Os fatores que exercem influência sobre o clima urbano são: • A grande concentração de prédios de concreto, que aquece o ar e dificulta a circulação dos ventos; • O asfaltamentos das ruas • A ausência de áreas verdes; • A intensa queima de óleo diesel, gás, carvão, gasolina e álcool; • A canalização da águas pluviais, que reduz a evaporação; • E a grande quantidade de gás carbônico na atmosfera.
  • 59. O tempo e o clima Áreas verdes são importantes nas cidades para diminuir a temperatura do ar. O que é a “ilha de calor” que se forma nas áreas urbanas?
  • 60. O tempo e o clima As “ilhas de calor” ocorre em alguns locais da cidade, principalmente no centro, onde as temperaturas são mais elevadas que em outras áreas da cidade devido à grande concentração de prédios de concreto com abundância de ferro, vidro e aço, ruas asfaltadas e ruas estreitas.
  • 61. O tempo e o clima Quais as influências dos elementos dos climas quentes e úmidos no relevo? Em áreas de clima quentes e úmidos, o relevo apresenta formas arredondadas por influência do calor, da umidade do ar e das chuvas.
  • 62. O tempo e o clima Qual o papel dos elementos do clima na formação do relevo e dos solos dos desertos? • A falta de umidade favorece grandes oscilações de temperatura. Assim as rochas e as chuvas ocasionais arrastam os pedaços de rochas quebradas, deixando o relevo abrupto e irregular. Também por esse motivo, os solos dos desertos são muito finos ou inexistentes.
  • 63. O tempo e o clima • Por que é importante para os seres humanos considerar as condições climáticas para estabelecer seus padrões de alimentação, vestuário e habitação? Devido à grande influência dos fatores do clima sobre esse padrões. O homem precisa adaptar o vestuário e a habitação às condições climáticas e considerar as particularidades do clima para melhor desenvolver o cultivo de vegetais e a criação de gado.