Siadap

910 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
910
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Siadap

  1. 1. SIADAP 1 de Janeiro de 2010 • Enquadramento No quadro do processo de modernização da Administração Pública, a perspectiva estratégica do Governo reflectida nos diplomas legais aprovados, assenta na introdução de novas práticas de gestão elegendo a Gestão por Objectivos como a grande matriz da mudança, associando sistematicamente os organismos públicos a objectivos e resultados. Esta mudança direccionada para a gestão tem como razão principal gerar valor público, isto é, satisfazer os stakeholders. Em paralelo, procura-se criar condições para a adopção de novos modelos organizativos, mais ágeis e flexíveis, redefinir competências e responsabilidades dos dirigentes e apresentar um sistema coerente e integrado para a avaliação do desempenho, designada por Sistema Integrado de Gestão de Avaliação de Desempenho na Administração Pública/SIADAP aprovado pela nova Lei 66-B/2007 de 28 de Dezembro. Com esta lei foram igualmente aprovados documentos para auxiliar a operacionalização do processo de avaliação, tais como o modelo de ficha de monitorização do desempenho, o modelo de ficha de reformulação de objectivos e as listas de competências por grupos profissionais – Portaria n.º 1633/2007, de 31 de Dezembro. Com a aplicação da nova lei do SIADAP, os efeitos da avaliação de desempenho sofreram algumas alterações, nomeadamente com a vigência da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro (LVCR), que tornou a avaliação de desempenho num instrumento por excelência de progressão na carreira. Tudo isto exige uma aplicação gradual, firme e consistente, que passa pelo acompanhamento sistemático e permanente do modo como se vão executando as várias etapas. A LDN II – Formação Profissional, SA faz esse acompanhamento de forma a melhorar a gestão de recursos humanos nos organismos públicos, promovendo assim uma cultura de gestão orientada para os resultados, com base em objectivos previamente estabelecidos e critérios de avaliação transparentes, não descurando as pessoas (Dirigentes e outros Trabalhadores).
  2. 2. SIADAP 1 de Janeiro de 2010 A LDN II – Formação Profissional, SA visa assegurar a diferenciação e valorização dos níveis de desempenho dos trabalhadores. • Plano de Intervenção A LDN II – Formação Profissional, SA actua em duas grandes áreas de actuação primordiais no processo do SIADAP: Implementação e monitorização. O processo de implementação inicia-se com o planeamento de todo o processo destacando-se a definição clara de objectivos e respectivos indicadores de medida bem como os critérios de superação. Nesta fase, procede-se também à contratualização dos parâmetros resultados e competências entre o avaliador e o avaliado. A monitorização é uma das etapas basilares do processo de avaliação, onde estabelece o ponto de situação face aos objectivos a atingir estabelecidos no inicio de cada período de avaliação, bem como o grau de desenvolvimento das suas competências. Nesta fase, intervimos junto do avaliado para perceber a que nível está o seu desempenho e para fornecer instrumentos de ajuda para cumprimento dos seus objectivos e apoio no desenvolvimento das competências atribuídas. O controlo realizado permite atribuir uma avaliação justa baseada em dados concretos que podem ser analisados quer pelo avaliado quer pelo avaliador. Os mecanismos utilizados para efectuarmos a monitorização são as fichas de monitorização e/ou reformulação de objectivos (instrumentos disponível na Portaria n.º 1633/2007, de 31 de Dezembro, mapas, estatísticas, inquéritos ou a criação de um “cliente mistério”. Este ciclo de gestão e avaliação é complementado com o desenvolvimento de acções de formação na área dos Recursos Humanos e na área da Organização e Gestão da Administração Pública. Vários estudos realizados diagnosticaram que a falta de formação dos avaliadores e a falta de informação dos avaliados são indicadores de desmotivação e
  3. 3. 2. CCA E COMISSÃO PARITÁRIA 4. AVALIADO 1. EXECUTIVO 3. AVALIADOR Acompanhamento aos intervenientes nas diversas etapas SIADAP 1 de Janeiro de 2010 consequente descrença do sistema vigente, o que dificulta a implementação do SIADAP. • Recursos Humanos Dispomos de um grupo de consultores com vasta experiência neste tipo de projectos, que apoiam efectivamente as organizações públicas na melhoria dos seus processos de Gestão e Avaliação do Desempenho. O trabalho desenvolvido pela nossa equipa consiste em apoio pedagógico e técnico desde a fase do planeamento, monitorização até à fase de avaliação tendo em conta que, as sessões de trabalho vão ser previamente aprovadas em função da disponibilidade dos intervenientes. Também é fornecido um serviço permanente de contactos e reuniões com os responsáveis. Para além das intervenções presenciais previstas, os nossos consultores desenvolvem uma elevada componente de trabalho prático, fornecendo e ajudando a preencher as fichas de avaliação e comprometendo-se a elaborar os relatórios de gestão. Paralelamente é disponibilizado email e apoio telefónico para a resolução de eventuais dúvidas, análise de alterações, informação e desenvolvimento dos processos de gestão e avaliação.
  4. 4. SIADAP 1 de Janeiro de 2010 4 • Proposta da Prestação do Serviço SIADAP Os honorários propostos incluem: - Realização de acções de formação para os Avaliadores; - Acompanhamento junto dos serviços, reuniões e planeamento de actividades; - Apoio técnico ao desenvolvimento do SIADAP na organização, nomeadamente ao nível da: • Definição de objectivos de desempenho individuais, indicadores de desempenho e níveis de superação; • Construção de matrizes de competências comportamentais e definição de princípios e regras; • Apoio no preenchimento das fichas de avaliação; • Monitorização de resultados de desempenho ao longo do processo de avaliação/acompanhamento e apoio dos avaliadores; • Verificação, análise e validação da informação resultante do processo de intervenção em cada uma das fases. • Revisão e Elaboração dos relatórios. • Apoio à tomada de decisão e redacção do relatório final;

×