Aves migratórias, e que percorrem grandes distâncias ao redor do mundo,
voam em bandos que lembram uma letra “V”, e há tem...
E são destes últimos que as formações em “V” tiram vantagem; ao
posicionar a ponta de sua asa sobre o vórtice gerado pelo ...
Os intrincados mecanismos envolvidos no voo de formação em “V”
indicam notáveis consciência e habilidade dos pássaros em r...
As aves em formações em “V” parecem ter desenvolvido complexas
estratégias de sincronia para lidar com as dinâmicas produz...
Desde a vinda de Jesus, o movimento de educação renovadora para o bem é
dos mais impressionantes no seio da Humanidade. Em...
Os que aprendem alguma coisa sempre se valem dos homens que já
passaram, e não segue além se lhes falta o interesse dos co...
A lei de solidariedade não faz distinção de classes. Para cooperar é preciso
compreender. E para conseguirmos a compreensã...
Refrigera-nos, Senhor, o nosso Espírito; ameniza as dores e sofrimentos de
todos nós. Que possa haver mais esperança em no...
Voo dos gansos
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Voo dos gansos

370 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
370
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Voo dos gansos

  1. 1. Aves migratórias, e que percorrem grandes distâncias ao redor do mundo, voam em bandos que lembram uma letra “V”, e há tempos os cientistas suspeitam que a razão é que a formação permite uma economia de energia pelas que vêm atrás e ao lado do líder. Agora, estudo publicado na revista “Nature” não só provou esta estratégia como revelou que ela é ainda mais complexa do que se imaginava, exigindo uma perfeita sincronia. Pelos princípios da aerodinâmica, uma asa funciona ao fazer com que o fluxo de ar na sua parte superior seja mais rápido do que na inferior, gerando uma força de sustentação. Mas ao cortar o ar, as asas também produzem turbulências. Diretamente atrás delas, surge uma força contrária, declinante, que empurra para baixo o que estiver ali, enquanto nas suas pontas aparecem vórtices de sustentação.
  2. 2. E são destes últimos que as formações em “V” tiram vantagem; ao posicionar a ponta de sua asa sobre o vórtice gerado pelo pássaro à sua frente, o que vem um pouco atrás e ao lado pode explorar esta sustentação extra. Este ganho de energia trazido pelo voo em formação já tinha sido observado em aviões em esquadrilhas, que consomem menos combustível quando adotam o desenho em “V”. Mas os aviões tem as asas fixas, enquanto as das aves se movem, criando uma complicação adicional; os pássaros precisam não apenas ajustar constantemente sua posição em relação aos outros como também o ritmo das batidas de suas asas para aproveitar os vórtices de sustentação criados pelos que estão à sua frente, que ondulam para cima e para baixo.
  3. 3. Os intrincados mecanismos envolvidos no voo de formação em “V” indicam notáveis consciência e habilidade dos pássaros em responder às trajetórias feitas pelas asas das outras aves próximas no bando, comenta Steven Portugal, pesquisador do Real Colégio de Veterinária da Universidade de Londres e líder do estudo, em que colocaram sensores e acompanharam um bando de 14 íbis-eremitas (Geronticus eremita) para registrar suas posições e movimentos. Além de revelar que as aves batem asas em sequência ondulante quando estão em “V”; tal qual uma “ola” num estádio, os pesquisadores descobriram que elas adotam batidas contrárias nos momentos de troca do líder, quando voam uma diretamente atrás da outra, para evitar a faixa de turbulência declinante.
  4. 4. As aves em formações em “V” parecem ter desenvolvido complexas estratégias de sincronia para lidar com as dinâmicas produzidas pelas batidas de asas, concluiu Portugal. Cooperação é uma relação baseada na colaboração entre indivíduos ou organizações, no sentido de alcançar objetivos comuns, utilizando métodos mais ou menos consensuais. A cooperação opõe-se à competição. Na cooperação existe mais que a soma das capacidades individuais, pois há um sinergismo, com potencialização das forças criativas das partes e multiplicação de resultados positivos. Na cooperação não há vencedores e derrotados, ganhos e perdas, pois todos se beneficiam da colaboração de cada um.
  5. 5. Desde a vinda de Jesus, o movimento de educação renovadora para o bem é dos mais impressionantes no seio da Humanidade. Em toda parte ergueram- se templos, divulgaram-se livros portadores de princípios sagrados. Percebe-se em toda essa atividade a atuação sutil e magnânima do Mestre, que não perde ocasião de atrair as criaturas de Deus para o infinito amor. Desse quadro de trabalho destaca-se, porém, a cooperação fraternal que o Cristo nos deixou, como norma imprescindível ao desdobramento da iluminação eterna do mundo. Ninguém guarde a presunção de elevar-se sem o auxílio dos outros, embora não deva buscar a condição parasitária para ascensão. Refiro-me à solidariedade, ao amparo proveitoso, ao concurso edificante.
  6. 6. Os que aprendem alguma coisa sempre se valem dos homens que já passaram, e não segue além se lhes falta o interesse dos contemporâneos, ainda que esse interesse seja mínimo. Os apóstolos necessitaram do Cristo que, por sua vez, fez questão de aprender os ensinamentos de que era o divino emissário às antigas leis; Paulo de Tarso precisou de Ananias para entender a própria situação. Ninguém permanece abandonado. Os mensageiros do Cristo socorrem sempre nas estradas mais desertas. É necessário, porém, que a alma aceite a sua condição de necessidade e não despreze o ato de aprender com humildade, pois não devemos esquecer... Vejam que nessa página estão presentes a solidariedade, a cooperação e, acima de tudo, a humildade.
  7. 7. A lei de solidariedade não faz distinção de classes. Para cooperar é preciso compreender. E para conseguirmos a compreensão é preciso que nos coloquemos no lugar do outro, para desenvolvermos em nós este sentido, para que possamos entender os nossos semelhantes. Na medida em que nós nos autoanalisarmos e verificarmos que nós também temos erros, nós vamos compreendendo melhor os nossos irmãos de caminhada. E isso vai refletir no nosso relacionamento social. Vai mudar o nosso comportamento, e vamos cooperar mais. Muita Paz! Agora, vamos elevar o nosso pensamento a Jesus, rogando a luz e o amparo que precisamos, nós que aqui estamos, ligados ao pesado fardo da matéria.
  8. 8. Refrigera-nos, Senhor, o nosso Espírito; ameniza as dores e sofrimentos de todos nós. Que possa haver mais esperança em nossos corações; que possa haver mais fé em nossos espíritos; que possa haver mais entendimento e caridade em nossas ações, tudo conforme a vontade de Deus, nosso Pai. E, que, nessa semana que hoje se inicia, possamos vivificar e aprender, levando a todos com quem vamos nos encontrar, a mensagem do trabalho contínuo, da melhoria, da paz, do amor e da caridade. Que assim seja! Graças a Deus! Meu Blog: http://espiritual-espiritual.blogspot.com.br Agora com o estudo de O Livro dos Espíritos e o estudo de O Evangelho Segundo o Espiritismo

×