Conflitos psicológicos

364 visualizações

Publicada em

Mensagem espírita

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
364
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conflitos psicológicos

  1. 1. Ignorar uma situação não significa eliminá-la, ou mesmo superá-la. Tal postura permite que seus fatores cresçam e se desenvolvam até o momento que se tornam insustentáveis, chamando atenção para que possamos enfrentá-los novamente. Não existe fuga de si mesmo. O mesmo ocorre nos conflitos psicológicos que estão presentes no homem que, invariavelmente não lhes dá valor, evitando deter-se, analisá-los, devido à sua própria fragilidade. Deste modo, não encontraremos recursos que lhe faculte diluí-los. Os conflitos quando enraizados profundamente apresentam-se na consciência sob diversos disfarces, desde simples complexo de inferioridade, desde agressividade, muitas vezes incontida, desde a culpa que atormenta, desde a timidez que isola, até os estados mais graves de alienação mental.
  2. 2. O ser consciente deve trabalhar sempre partindo do ponto inicial da sua própria realidade psicológica, aceitando-se como é e aprimorando-se sem cessar. Somente consegue essa lucidez aquele que se autoanalisa, disposto a encontrar-se, sem máscaras, sem desculpas, sem dissimulações. Para isto, não se julga nem se justifica; não se acusa e nem se culpa. O ser consciente apenas descobre-se. Ao identificar-se em erro, busca o trabalho da transformação interior, para melhor; utilizando-se dos instrumentos do auto amor, da atitude afetiva, do desenvolvimento da empatia, utilizando-se os instrumentos da oração, que estimula a capacidade de discernimento que libera as tensões, utilizando-se da meditação que faculta o crescimento interior, buscando a manutenção da sua autoestima mais estável, esperando nada dos outros, ...
  3. 3. Fortalecendo-se contra estímulos adversos. Assim, o ser consciente trilha sua jornada sabendo-se imperfeito, mas buscando a construção de uma ligação permanente com seu próprio interior, revisando permanentemente as atitudes, e construindo a cada erro a fortaleza do comportamento maduro da percepção voltada para valores maiores. O auto amor, sem sentir-se melhor que o outro, ensina-o a encontrar-se com seu potencial divino. O auto amor reforça sua força íntima até então adormecida à afetividade; leva-o a um estado maior de fraternidade, ao convívio saudável com seu próximo, que também é igualmente necessitado. A afetividade faz com que ele interaja de uma maneira integral, sem sentir-se melhor, sem desenvolver uma posição de prepotência.
  4. 4. A oração amplia-lhe a faculdade de entendimento da existência da vida real, dando-lhe o conforto necessário e a sustentação interior. O relaxamento proporciona-lhe a harmonia física, abrindo os horizontes do equilíbrio psíquico. A meditação ajuda-o a crescer de dentro para fora, realizando-se em amplitude e abrindo-lhe a percepção para os estados alterados de sua própria consciência. O autoconhecimento se torna uma necessidade, meu irmão. Necessidade prioritária na programática existencial de cada um de nós. Quem o posterga não se realiza satisfatoriamente, porque permanece perdido no espaço escuro, espaço este que está ignorado dentro de cada um de nós. Há um meio prático, um meio eficaz que nós podemos desenvolver para resistirmos a atração do erro, da desarmonia psíquica e do estado do egocentrismo.
  5. 5. Para explicar o que foi dito, buscamos num sábio da Antiguidade a seguinte afirmação: “Conhece-te a ti mesmo”. O conhecimento de si mesmo é, portanto, a chave do processo individual, entretanto, como alguém poderá julgar-se a si mesmo? Não está aí a ilusão do amor próprio de atenuar as faltas e torná-las desculpáveis? O avarento se considera apenas econômico e previdente; o orgulhoso julga que em si só há dignidade. Isto é muito real, meu irmão. Muito real. Mas há um meio de verificação que não pode nos iludir. Quando estiver indeciso sobre o valor de uma atitude, inquiri como a qualificaria se praticada por outra pessoa. Dê balanço no seu dia moral. A exemplo do comerciante, avalia as perdas e lucros.
  6. 6. Muita Paz! Agora, vamos elevar o nosso pensamento a Jesus, rogando a luz e o amparo que precisamos, nós que aqui estamos, ligados ao pesado fardo da matéria. Refrigera-nos, Senhor, o nosso Espírito; ameniza as dores e sofrimentos de todos nós; que possa haver mais esperança em nossos corações; que possa haver mais fé em nossos espíritos; que possa haver mais entendimento e caridade em nossas ações, tudo conforme a vontade de Deus, nosso Pai. E, que, nessa semana que hoje se inicia, possamos vivificar e aprender, levando a todos com quem vamos nos encontrar, a mensagem do trabalho contínuo, da melhoria, da paz, do amor e da caridade.
  7. 7. Que assim seja, graças a Deus! Meu Blog: http://espiritual-espiritual.blogspot.com.br Agora, com estudos comentados de O Livro dos Espíritos e de O Evangelho Segundo o Espiritismo.

×