Como proceder no estudo do espiritismo

342 visualizações

Publicada em

Mensagem espírita

Publicada em: Espiritual
  • Seja o primeiro a comentar

Como proceder no estudo do espiritismo

  1. 1. O Espiritismo veio lançar nova luz sobre o pensamento cristão e trazer esperança à Humanidade. A doutrina codificada por Allan Kardec no século XIX, a partir dos ensinamentos de Espíritos superiores, nos ensina que o estado de sofrimento por que passa o planeta Terra é apenas transitório. Também nos revela que somos Espíritos em constante evolução e que conquistar a felicidade só depende de nossos próprios esforços. Conhecendo o Espiritismo, passamos a experimentar toda uma nova concepção do mundo e da vida, que nos leva a buscar a reforma íntima e a aproximação de Deus.
  2. 2. É comum acontecer que, com os contatos iniciais com a Doutrina Espírita, as pessoas se empolguem, fiquem maravilhadas. Porém, se não houver interesse pelo estudo, provavelmente, dentro de pouco tempo, estarão desinteressadas. A apresentação de fatos não basta para convencer, mesmo os mais evidentes não são suficientes. Crer nos Espíritos não é o bastante para fazer de alguém um espírita. Ao iniciante, não basta ouvir palestras. Há que se interessar em saber o porquê de suas dores. Por isto, o estudo sério é de extrema importância, porque fará com que, através do raciocínio, se possa compreender os fenômenos que acontecem sob orientação de leis físicas naturais.
  3. 3. O Espiritismo pode ser considerado uma ciência, uma filosofia e uma religião. Quem se predispõe a conhecê-lo deve lançar-se a um estudo aprofundado, pois, como outra ciência qualquer, não pode ser aprendido sem que haja um mínimo de interesse, vontade de conhecer e aprofundar-se em seus ensinamentos. Na verdade, o objetivo maior da Doutrina Espírita é a renovação moral do ser, e isto será possível através de um estudo criterioso das Leis divinas, que fará com que o indivíduo se conscientize pela razão da importância de renovar-se.
  4. 4. Como já disse, o Espiritismo é uma ciência, uma filosofia e uma religião. Ciência, porque estuda à luz da razão e de critérios científicos os fenômenos mediúnicos, ou seja, os fenômenos provocados pelos Espíritos, mostrando que todos têm explicação científica. Em lugar de serem sobrenaturais, esses fenômenos são causados por leis naturais. Não existe o sobrenatural na Doutrina Espírita. Filosofia, porque nos dá uma interpretação para a vida. Responde às perguntas mais comuns sobre o sentido da vida, como quem somos, o que éramos antes de nascer, o que seremos depois da morte, porque estamos neste mundo e por que há tanta desigualdade no mundo.
  5. 5. Toda doutrina que dá uma interpretação da vida, uma concepção própria do mundo, é uma filosofia. Religião, porque tem por objetivo a transformação moral do homem, retomando os ensinamentos de Jesus Cristo na sua verdadeira expressão de simplicidade, pureza, amor e caridade. Não tem, porém, chefes religiosos, cerimônias, rituais ou simbologias. O culto espírita é feito no próprio coração. Uma questão das mais importantes que deve ser observada quando nos propomos ao estudo e à divulgação do Espiritismo é a questão do seu tríplice aspecto: o científico, o filosófico e o moral ou religioso.
  6. 6. É fundamental que não se privilegie qualquer deles em detrimento de outro, pois, embora tendo um corpo doutrinário com esses três aspectos diferentes, a doutrina é una e indivisível, sendo esses aspectos indissociáveis. O Livro dos Espíritos é a obra central, alicerce doutrinário sobre o qual Kardec viria erigir as demais obras que compõem a Codificação. Nele estão contidos a filosofia espírita e os seus princípios. Os demais livros estão a ele intimamente ligados, pois são desdobramentos de aspectos específicos, como o Livro dos Médiuns (aspecto científico).
  7. 7. O Evangelho Segundo o Espiritismo (aspecto moral), etc. Mas todos formam um todo indivisível, um conjunto homogêneo e harmonioso, no dizer de Deolindo Amorim, que não se pode separar, sob pena de se descaracterizar a Doutrina. Vimos acontecer em nosso meio privilegiar- se o aspecto moral, exposto em O Evangelho Segundo o Espiritismo, esquecendo-se as demais obras codificadas, principalmente a obra basilar (O Livro dos Espíritos). Alega-se que o ensino moral é o mais importante e o que basta, pois é disto que estamos precisando. No entanto, é preciso entender ...
  8. 8. Que a compreensão do próprio ensino moral fica prejudicada sem o conhecimento dos princípios filosóficos contidos em O Livro dos Espíritos. Como entender, por exemplo, o real sentido das palavras de Jesus quando ensina que é preciso nascer de novo para alcançar o reino de Deus? Sem o conhecimento da reencarnação e seus mecanismos, este ensinamento torna-se incompreensível e perde o seu sentido, como aconteceu com o doutor da Lei, o fariseu Nicodemos, que procurou Jesus pedindo explicações sobre como era possível um homem nascer de novo. A observância do tríplice aspecto da Doutrina, portanto, é fundamental para que se possa compreendê-la corretamente, evitando-se interpretações equivocadas.
  9. 9. O estudo e a divulgação espírita não devem, desse modo, privilegiar qualquer de seus aspectos, mas abranger todos conjuntamente, para que se possa de fato conhecer o Espiritismo, conforme o ensinamento dos Espíritos superiores e o pensamento de Kardec. Muita paz! Agora, vamos elevar o nosso pensamento a Jesus, rogando a luz e o amparo que precisamos, nós que aqui estamos, ligados ao pesado fardo da matéria. Refrigera-nos, Senhor, o nosso Espírito; ameniza as dores e sofrimentos de todos nós; que possa haver mais esperança em nossos corações;
  10. 10. Que possa haver mais fé em nossos espíritos; que possa haver mais entendimento e caridade em nossas ações, tudo conforme a vontade de Deus, nosso Pai. E, que, nessa semana que hoje se inicia, possamos vivificar e aprender, levando a todos com quem vamos nos encontrar, a mensagem do trabalho contínuo, da melhoria, da paz, do amor e da caridade. Que assim seja! Graças a Deus! Meu Blog: http://espiritual-espiritual.blogspot.com.br

×