A roupa nova do rei

696 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
696
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
31
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A roupa nova do rei

  1. 1. A Roupa nova do Imperador ou O Rei está nu é um conto de autoria de Hans Christian Andersen que, numa versão livre, conto à minha maneira. Este conto trata da vaidade humana. E quanto maior a vaidade, mais tolos os seres se tornam, a ponto de alimentarem a vaidade uns dos outros. Era uma vez um Rei muito vaidoso que gostava de andar muito bem arranjado; que apreciava de tal maneira roupas novas que despendia com elas grandes fortunas. Para cada hora do dia, vestia uma roupa diferente. Então, certo dia, um sujeito canalha, se fazendo passar por um exímio alfaiate, oriundo de terras distantes, pediu uma audiência a esse Rei. Com uma conversa cheia de astúcia e envolvente, disse ao monarca que poderia fazer-lhe uma roupa muito bonita.
  2. 2. O tecido é muito belo e de tal qualidade que os tolos não seriam capazes de o ver. Com um manto assim Vossa Majestade poderá distinguir as pessoas inteligentes das pessoas tolas, parvas e estúpidas, que não servirão para a vossa corte. O Rei gostou da ideia, pois, poderia descobrir quais as pessoas que não estariam em condições de ocupar cargos, e então poderia substituí-las por outras. Desse modo, pediu ao suposto alfaiate que providenciasse esse traje maravilhoso. Para costurar a roupa, o vigarista exigiu e recebeu vários baús cheios de: veludos, fios de seda, fios de ouro, pedras preciosas e outros materiais caros. Guardou todo esse tesouro e ficou simulando que tecia fios invisíveis, que as pessoas alegavam ver, para não parecerem estúpidas.
  3. 3. Até que um dia, cansado de esperar, o Rei e seus ministros quiseram ver o progresso das vestes que estavam sendo confeccionadas. Quando o falso tecelão mostrou a mesa de trabalho vazia, os nobres, ao redor, soltaram falsos suspiros de admiração pelo trabalho. O Rei, que nada via, preocupado pensou: “Serei o único tolo e não estou em condições de ser Rei?”. Então, exclamou: “Que lindas vestes! Você fez um trabalho magnífico! Realmente merece a minha aprovação!”. Na manhã do dia seguinte, o charlatão deu a roupa como pronta. Sua Majestade, acompanhado dos cortesãos, foi fazer a prova do traje. O tecelão embusteiro fingia segurar alguma coisa e dizia: “Aqui estão as calças, aqui está o casaco e aqui o manto”.
  4. 4. Então, o Rei resolveu marcar uma grande parada pela cidade para exibir as suas novas roupas. O dia triunfal chegou. Os pajens que iam segurar a cauda do manto inclinaram-se, como se fossem levantá-la, e foram caminhando com as mãos à frente, sem dar a perceber que não estavam vendo roupa nenhuma. E lá se foi o Monarca, desfilando pomposamente, mas pelado, pelas ruas, à frente da carruagem. O povo nas calçadas e nas janelas, também, não querendo passar por tolo, exclamava: “Que caimento tem a roupa do Rei! Que manto majestoso!”. Nenhuma roupa do Rei jamais recebera tantos elogios. Entretanto, um menino que estava entre a multidão, em toda sua inocência, achou aquilo tudo muito estranho e gritou: “O Rei está nu!”.
  5. 5. As pessoas começaram a murmurar; o Rei, ao ouvir o burburinho, ficou furioso, e se encolheu, suspeitando que a afirmação fosse verdadeira, mas mantém-se orgulhosamente e continua na procissão. Reflexão: A vaidade, sorrateiramente, está quase sempre presente dentro de nós. Dela os espíritos inferiores se servem para abrir caminhos às perturbações entre os próprios amigos e familiares. A vaidade é decorrente do orgulho, e dele anda próxima. É muito sutil a manifestação da vaidade no nosso íntimo e não é pequeno o esforço que devemos desenvolver na vigilância, para não sermos vítimas daquelas influências que encontram apoio nesse nosso defeito.
  6. 6. A vaidade, nas suas formas de apresentação, quer pela postura física, gestos estudados, retórica no falar, atitudes intempestivas, reações arrogantes, reflete, quase sempre, uma deformação de colocação do indivíduo, face aos valores pessoais que a sociedade estabeleceu. Isto é, a aparência, os gestos, o palavreado, quanto mais artificiais e exuberantes, mais chamam a atenção, e isso agrada o intérprete, satisfaz a sua necessidade de ser observado, comentado. O vaidoso o é, muitas vezes, sem perceber, e vive desempenhando um personagem que escolheu. No seu íntimo é sempre bem diferente daquele que aparenta, e, de alguma forma, essa dualidade lhe causa conflitos, pois sofre com tudo isso, sente necessidade de encontrar-se a si mesmo, embora às vezes sem saber como.
  7. 7. De alguma forma e de variada intensidade, contamos todos com uma parcela de vaidade, que pode estar se manifestando nas nossas motivações de algo a realizar, o que é certamente válido, até certo ponto. O perigo, no entanto, reside nos excessos e no desconhecimento das fronteiras entre os impulsos de idealismo, por amor a uma causa nobre, e os ímpetos de destaque pessoal, característicos da vaidade. É a nossa vaidade que nos faz acreditar sermos maiores do que realmente somos. Ela é um sentimento que faz o homem querer se destacar. A vaidade é um desejo superlativo de chamar a atenção, ou a presunção de ser aplaudido e reverenciado perante os outros. É a ostentação dos que procuram elogios, ou a ilusão dos que querem ter êxito diante do mundo e não dentro de si mesmo.
  8. 8. A vaidade não passa de orgulho que faz o insensato acreditar que possui supostas virtudes. É importante não olvidarmos que a vaidade atinge toda e qualquer classe social, desde as paupérrimas até as que atingiram o cume da independência econômica. O orgulho está incluído entre os tradicionais pecados capitais. Como a vaidade é uma ideia justaposta ao orgulho, ela também se destaca como um dos mais antigos defeitos serem combatidos na Humanidade. No entanto, somente poderemos nos transformar se conseguirmos ver e perceber em nós mesmos as raízes da vaidade, visto que negá-la de modo obstinado é ficar estritamente vinculado a ela.
  9. 9. É oportuno dizer que não estamos nos referindo aqui no esmero na maneira de andar, falar, vestir ou se enfeitar, que, em realidade, são saudáveis e naturais, mas a uma causa mais complexa e profunda. O motivo de nossas análises e observações é o estado íntimo do indivíduo vaidoso, ou seja, o que está por baixo do interesse dessa exibição e dessa necessidade de ser visto, a ponto de falsificar a si mesmo para chamar a atenção. Por fim, cuidar-se, sentir-se melhor com a própria imagem, dentro do bom senso, é perfeitamente natural. Viver em função da aparência, além de dar-se um valor maior que carrega, exaltando-se e, quase sempre, diminuindo os outros, é atestado da enfermidade moral chamada vaidade.
  10. 10. Muita Paz! Leia Kardec! Estude, pratique, divulgue! Meu Blog: http://espiritual-espiritual.blogspot.com.br

×