A caridade da lingua

348 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
348
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A caridade da lingua

  1. 1. Com base no item 252 de O Livro dos Médiuns. As imperfeições morais do obsidiado constituem, frequentemente, um obstáculo à sua libertação. Aqui vai um exemplo notável, que pode servir para instrução de todos. Conta Allan Kardec que duas irmãs sofriam, há anos, depredações desagradáveis em seu lar. Suas roupas eram incessantemente espalhadas por todos os cantos da casa e até pelos telhados, cortadas, rasgadas e crivadas de buracos, por mais cuidado que tivessem em guardá-las à chave. Essas senhoras, vivendo numa pequena localidade de província, nunca tinham ouvido falar de Espiritismo.
  2. 2. A primeira ideia que lhes veio foi, naturalmente, a de que estavam às voltas com brincalhões de mau gosto. Porém, a persistência e as precauções que tomavam lhes tiraram essa ideia. Só muito tempo depois, por algumas indicações, acharam que deviam procurar-nos, para saberem a causa de tais depredações e lhes darem remédio, se fosse possível. Sobre a causa não havia dúvida, o remédio era mais difícil. O espírito que se manifestava por semelhantes atos era evidentemente malfazejo. Evocado, mostrou-se de grande perversidade e inacessível a qualquer sentimento bom. A prece, no entanto, pareceu exercer sobre ele uma influência salutar.
  3. 3. Mas, após algum tempo de interrupção, recomeçaram as depredações. Eis o conselho que a propósito nos deu um Espírito superior: “O que essas senhoras têm de melhor a fazer é rogar aos Espíritos seus protetores que não as abandone. Nenhum conselho melhor lhes posso dar do que o de dizer-lhes que desçam ao fundo de sua consciência, para se confessarem a si mesmas e verificarem se sempre praticaram o amor ao próximo e a caridade. Não falo da caridade que consiste em dar e distribuir, mas da caridade da língua; pois, infelizmente, elas não sabem conter as suas e não demonstram, por atos de piedade, o desejo que têm de se livrarem daquele que as atormenta.
  4. 4. Gostam muito de maldizer do próximo e o espírito que as obsidia toma sua desforra, porquanto, em vida, foi para elas um burro de carga. Pesquise na memória e logo descobrirão quem ele é. Entretanto, se conseguirem melhorar-se, seus anjos guardiães se aproximarão e a simples presença deles bastará para afastar o mau espírito, que não se agarrou a uma delas em particular, senão porque o seu anjo guardião teve que se afastar, por efeitos de atos repreensíveis, ou maus pensamentos. O que precisam é fazer preces fervorosas pelos que sofrem e, principalmente, praticar as virtudes impostas por Deus a cada um, de acordo com sua condição.
  5. 5. Reflexão: As duas irmãs estavam sofrendo a ação de um espírito perturbador, porque faziam uso da maledicência. Falar mal da vida alheia baixa o padrão vibratório e nos coloca em sintonia com espíritos perturbados e perturbadores. Qual a razão dessa mania de falar mal dos outros? No fundo, é um complexo de inferioridade unido a um desejo de superioridade. Em vez da pessoa afirmar-se pelos seus valores, pretende fazê-lo por suposta ausência deles no próximo. Essas pessoas julgam necessário apagar luzes alheias a fim de fazerem brilhar mais intensamente a sua própria luz.
  6. 6. Quem tem valor real em si mesmo não necessita medir o seu valor pelo desvalor dos outros. Embora os prejuízos causados na vida de uma pessoa ou de uma família sejam idênticos, vamos separar maledicência da difamação. Difamar é afirmar de outrem algo inexistente, ou seja, uma mentira. Maledicência é dizer algo real mas que não há nenhuma razão para se dizer do próximo. Será que quando afirmamos “Não estou falando mal de fulano. Só estou dizendo a verdade”, na realidade não estamos encobertando nosso prazer de falar mal dos outros? A tendência perniciosa que trazemos de comentar o mal, frequentemente se manifesta nas conversações que costumamos manter nos círculos entre amigos.
  7. 7. Quando entra em pauta tecer referências a pessoas, parece ser até irresistível a abordagem dos aspectos mais desabonadores das criaturas. E não fica apenas nisso. O que é muito pior são os acréscimos por conta da imaginação doentia nas calúnias e interpretação malévolas que se fazem. O falar mal, a crítica mordaz, a interpretação pejorativa, o comentário malicioso, o julgamento falso, a suspeita comprometedora, a denúncia caluniosa são facetas pelas quais a maledicência se apresenta. Ao surgir numa conversa comentários sobre um deslize de alguém, você se interessa em ouvir? Qual a sua atitude? Faz perguntas; ouve apenas ou corta a conversa? Precisamos policiar-nos e corrigir-nos.
  8. 8. E como podemos fazê-lo? Vigiando nossos pensamentos, para que consigamos cortar esse mal pela raiz, e ocupando nossas mentes e nosso tempo com trabalho útil e pensamentos elevados, em sintonia com o Alto. Não importa há quanto tempo labutamos no mal ou quantas vezes caímos e erramos; com força de vontade e esforço, a qualquer momento poderemos transformar nossos comportamentos e nossas vidas para melhor. Desculpemos a fragilidade alheia, lembrando-nos das nossas próprias fraquezas. Evitemos a censura. A maledicência começa na palavra de acusação inoportuna.
  9. 9. Este é um bom tema a merecer nossa atenção. Pense nisso! Muita Paz! Meu Blog: http://espiritual-espiritual.blogspot.com.br

×