IBET – CURSO DE TEORIA GERAL DO
DIREITO
AULA 5 – SEMIÓTICA COMO TÉCNICA DE
ESTUDO DO DIREITO
Profa. Dra. Clarice von Oertz...
LÍNGUA - CONCEITO
 A língua é o conjunto de formas concordantes que
o fenômeno da linguagem assume numa
coletividade de i...
LÍNGUA X FALA
 A fala é um fato da língua, uma seleção, articulação
a atualização individual da língua. Não pode haver
a ...
LÍNGUA X LINGUAGEM
 A língua não é a única e exclusiva forma de
linguagem que somos capazes de produzir.
As sociedades hu...
LINGUAGEM NÃO VERBAL
 Qual é a extensão que um conceito de linguagem
pode cobrir? Todo fenômeno de cultura só funciona
cu...
SAUSSURE (1857-1913) E A SEMIOLOGIA
 Ferdinand de Saussure é um linguista suíço que
publicou pouco durante a vida. Em 191...
SAUSSURE: PARADIGMA E SINTAGMA
 O signo linguístico une uma imagem acústica (a
representação mental é uma sequência sonor...
SAUSSURE: PARADIGMA E SINTAGMA
 No plano sincrônico ou paradigmático estão as
relações associativas que aproximam termos ...
EIXOS DE EXPRESSÃO DA LINGUAGEM
0
0,2
0,4
0,6
0,8
1
Leste Oeste Norte
1° Trim.
3° Trim.
A ESTRUTURA SINTAGMÁTICA DAS
NORMAS JURÍDICAS
 A norma jurídica tem a estrutura de um sintagma pois
consiste em um juízo ...
Fato lícito obr/perm/proib fato ilícito sanção
Estado-juiz
H C H C
OUTRO SINTAGMA: A ESTRUTURA
DA NORMA JURÍDICA COMPLETA
IMUNIZAÇÃO: TÉCNICAS DE VALIDAÇÃO
 Uma norma imuniza a outra:
a) Disciplinando-lhe a edição: são estabelecidas as
condiçõ...
0
0,2
0,4
0,6
0,8
1
Leste Oeste Norte
1° Trim.
3° Trim.
PREDOMINÂNCIA DO EIXO SINTAGMÁTICO NA
IMUNIZAÇÃO CONDICIONAL
Na im...
0
0,2
0,4
0,6
0,8
1
Leste Oeste Norte
1° Trim.
3° Trim.
PREDOMINÂNCIA DO EIXO PARADIGMÁTICO NA
IMUNIZAÇÃO FINALISTA
Na imu...
A SEMIÓTICA
 O vocábulo “semiótica” provém do grego
semeion, (signo). Outra palavra com esta
raiz: semáforo
 Toda e qual...
A SEMIÓTICA
A semiótica é a ciência que tem
por objeto de investigação todas
as linguagens possíveis, ou seja,
que tem po...
O SIGNO COMO RELAÇÃO TRIÁDICA
Significação (Husserl)
Interpretante (Peirce)
Referência (Ogden e Richards)
Sentido (Frege)
Intensão (Carnap)
Designatum (...
CHARLES SANDERS PEIRCE (1839-1914) E A
SEMIÓTICA
 Filósofo e lógico americano, fundador do
pragmatismo e da semiótica. É ...
CHARLES SANDERS PEIRCE (1839-1914) E A
SEMIÓTICA
 Peirce inscreve a lógica numa perspectiva
semiótica .
 A lógica transf...
CHARLES SANDERS PEIRCE (1839-1914) E A
SEMIÓTICA
 A semiótica ou lógica de divide em:
a) Gramática pura: doutrina das con...
NOMENCLATURA DE PEIRCE
Retórica especulativa
Lógica crítica
Gramática
especulativa
ÍCONE
 O ícone se caracteriza como a mais tenra e rudimentar
forma de signo: o objeto só vem a existir na medida em
que s...
ÍNDICE
 “Um índice envolve a existência de seu objeto (2.315).
 Um indicador é um signo que se refere ao Objeto que
deno...
SÍMBOLO
 Para Peirce, “um símbolo é um signo que se
refere ao Objeto que denota em virtude de uma
lei, normalmente uma as...
CHARLES MORRIS, SEMIÓTICA E
POSITIVISMO
Charles Morris era especialista em lingüística e
tentou combinar as idéias do Círc...
Pragmática
Semântica
Sintaxe
NOMENCLATURA CHARLES MORRIS
Pragmática: signo x interpretante
Semântica: signo x objeto
Sinta...
Peirce Morris
Estática Dinâmica
signo Gramática
Especulativa
sintaxe validade incidência
objeto Lógica
Crítica
semântica v...
BIBLIOGRAFIA:
 ARAUJO, Clarice Von Oertzen. Semiótica do
Direito. São Paulo, Quartier Latin, 2005.
 CARVALHO, Aurora Tom...
Aula do dia 02 10 - dra. clarice von
Aula do dia 02 10 - dra. clarice von
Aula do dia 02 10 - dra. clarice von
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aula do dia 02 10 - dra. clarice von

961 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
961
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
19
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula do dia 02 10 - dra. clarice von

  1. 1. IBET – CURSO DE TEORIA GERAL DO DIREITO AULA 5 – SEMIÓTICA COMO TÉCNICA DE ESTUDO DO DIREITO Profa. Dra. Clarice von Oertzen de Araujo
  2. 2. LÍNGUA - CONCEITO  A língua é o conjunto de formas concordantes que o fenômeno da linguagem assume numa coletividade de indivíduos, numa época determinada. A linguagem é ao mesmo tempo, produtora e aplicadora da língua. Há reciprocidade permanente entre os atos de linguagem (atos de fala) e a língua.  A língua tem um caráter marcadamente convencional, um contrato primitivo, uma convenção de partida, partilhada por todos os falantes. É um sistema de signos simbólicos. É a linguagem menos a fala (R. Barthes).
  3. 3. LÍNGUA X FALA  A fala é um fato da língua, uma seleção, articulação a atualização individual da língua. Não pode haver a língua sem a fala e vice versa. Ex: línguas mortas como o latim.  A fala, como fato linguístico, tem um caráter pessoal, evidenciado pela seleção e articulação das palavras por um sujeito falante.  As seleções que caracterizam a concretude dos atos de fala vão atualizando a língua como um código abstrato.
  4. 4. LÍNGUA X LINGUAGEM  A língua não é a única e exclusiva forma de linguagem que somos capazes de produzir. As sociedades humanas são mediadas por redes complexas e plurais de linguagens como danças, músicas, cerimoniais, jogos, arquitetura, moda e arte: desenhos, pinturas, esculturas, cenografia. Há uma enorme variedade de linguagens que se constituem como sistemas sociais e históricos de representação do mundo e que podem estar simultaneamente presentes em uma única mensagem, graças a convergência das tecnologias digitais.
  5. 5. LINGUAGEM NÃO VERBAL  Qual é a extensão que um conceito de linguagem pode cobrir? Todo fenômeno de cultura só funciona culturalmente porque é também um fenômeno de comunicação que se estrutura como linguagem. Todo e qualquer fato cultural, atividade ou prática social envolve signos e implicam a produção de linguagem e de sentido.
  6. 6. SAUSSURE (1857-1913) E A SEMIOLOGIA  Ferdinand de Saussure é um linguista suíço que publicou pouco durante a vida. Em 1916, três anos após a sua morte, dois alunos seus, C. Bailly e A. Séchehaye, escrevem, a partir de anotações de aula e notas pessoais de Saussure, o Curso de Linguística Geral.  Saussure é o fundador da linguística geral moderna e o pai do estruturalismo. Segundo ele, a linguística mantém relações privilegiadas com a semiologia, ciência que viria a estudar “a vida dos signos no seio da vida social”.  Concebe a língua como o mais importante sistema de signos, um modelo epistemológico para estes outros sistemas.
  7. 7. SAUSSURE: PARADIGMA E SINTAGMA  O signo linguístico une uma imagem acústica (a representação mental é uma sequência sonora) e um conceito: um significante e um significado.  Concebe os planos sincrônico/paradigmático e diacrônico/sintagmático de organização da linguagem.  No plano diacrônico ou sintagmático estão as relações combinatórias decorrentes do caráter linear mantido por unidades consecutivas num sintagma. As relações sintagmáticas são relações de sucessão, in praesentia, que aparecem efetivamente na cadeia da fala.
  8. 8. SAUSSURE: PARADIGMA E SINTAGMA  No plano sincrônico ou paradigmático estão as relações associativas que aproximam termos com características em comum, os quais mantém entre si uma relação virtual de substituibilidade. Sendo objetos de escolha, eles constituem paradigmas cujos elementos são ligados in absentia (não presentes no enunciado considerado).  As relações paradigmáticas são relações virtuais existentes entre as unidades da língua.  A organização dos eixos da linguagem foi retomada por Jakobson em seus estudos sobre a afasia (uma disfunção de linguagem).
  9. 9. EIXOS DE EXPRESSÃO DA LINGUAGEM 0 0,2 0,4 0,6 0,8 1 Leste Oeste Norte 1° Trim. 3° Trim.
  10. 10. A ESTRUTURA SINTAGMÁTICA DAS NORMAS JURÍDICAS  A norma jurídica tem a estrutura de um sintagma pois consiste em um juízo hipotético condicional (se ocorrer o fato X, então deve ser a prestação Y): a hipótese (H) descreve um fato de possível ocorrência. A conseqüência (C) prescreve uma relação jurídica em que a conduta vem regulada sob a forma de uma obrigação, uma proibição ou uma permissão. Os enunciados prescritivos são as unidades relacionadas in presentia compondo uma sequência que constitui o mínimo de significação deôntica. H C
  11. 11. Fato lícito obr/perm/proib fato ilícito sanção Estado-juiz H C H C OUTRO SINTAGMA: A ESTRUTURA DA NORMA JURÍDICA COMPLETA
  12. 12. IMUNIZAÇÃO: TÉCNICAS DE VALIDAÇÃO  Uma norma imuniza a outra: a) Disciplinando-lhe a edição: são estabelecidas as condições em que a edição de outra norma deve ocorrer. Há a disciplina de edição de uma norma por outra norma – IMUNIZAÇÃO CONDICIONAL b) Delimitando-lhe o relato: são definidos os fins que devem ser atingidos, liberando a escolha dos meios. Ocorre a determinação dos efeitos a serem atingidos – IMUNIZAÇÃO FINALISTA (Ferraz Junior, Teoria da Norma Jurídica)
  13. 13. 0 0,2 0,4 0,6 0,8 1 Leste Oeste Norte 1° Trim. 3° Trim. PREDOMINÂNCIA DO EIXO SINTAGMÁTICO NA IMUNIZAÇÃO CONDICIONAL Na imunização condicional a norma constitcional define a relação de competências legislativas e procedimentos que devem ser observados pelo legislador na positivação.
  14. 14. 0 0,2 0,4 0,6 0,8 1 Leste Oeste Norte 1° Trim. 3° Trim. PREDOMINÂNCIA DO EIXO PARADIGMÁTICO NA IMUNIZAÇÃO FINALISTA Na imunização finalista o legislador é livre para selecionar o modo como perseguirá os objetivos prescritos nas normas constitucionais. As relações entre as normas são in absentia
  15. 15. A SEMIÓTICA  O vocábulo “semiótica” provém do grego semeion, (signo). Outra palavra com esta raiz: semáforo  Toda e qualquer coisa que se organize ou tenda a organizar-se sob a forma de linguagem, verbal ou não, é objeto de estudo da Semiótica.  Peirce era um lógico-matemático e um filósofo e não um lingüista. Concebeu o estudo da linguagem enquanto lógica – uma lógica dialética e não aristotélica. Formulou a semiótica como uma lógica dos signos.
  16. 16. A SEMIÓTICA A semiótica é a ciência que tem por objeto de investigação todas as linguagens possíveis, ou seja, que tem por objetivo o exame dos modos de constituição de todo e qualquer fenômeno como fenômeno de produção de significação e de sentido.
  17. 17. O SIGNO COMO RELAÇÃO TRIÁDICA
  18. 18. Significação (Husserl) Interpretante (Peirce) Referência (Ogden e Richards) Sentido (Frege) Intensão (Carnap) Designatum (Morris, 1938) Significatum (Morris 1946) Conceito (Saussure) Conotação, Connotatum (Stuart Mill) Imagem mental (Saussure, Peirce) Conteúdo (Hjelmslev) Estado de consciência (Buyssens) Significado (Eco) Significado (Husserl) Objeto (Frege, Peirce) Denotatum (Morris) Significado (Frege) Denotação (Russell) Extensão (Carnap) Referente (Eco) Suporte físico (Husserl) Signo, representamem (Peirce) Símbolo (Ogden e Richards) Veículo sígnico (Morris) Expressão (Hjelmslev) Sema (Buyssens) Significante (Eco)
  19. 19. CHARLES SANDERS PEIRCE (1839-1914) E A SEMIÓTICA  Filósofo e lógico americano, fundador do pragmatismo e da semiótica. É um pensador enciclopédico, pois escreveu em matemática, epistemologia, história das ciências, psicologia, cosmologia, ontologia, ética, estética, história, etc.  Peirce é um filósofo sistemático e acima de tudo um metafísico. O pragmatismo é um método de clarificação conceitual encarregado de desentulhar a metafísica para dar lugar a uma filosofia purificada, com base no modelo arquitetônico de uma metafísica científica e realista (TIERCELIN, C.).
  20. 20. CHARLES SANDERS PEIRCE (1839-1914) E A SEMIÓTICA  Peirce inscreve a lógica numa perspectiva semiótica .  A lógica transformada em semiótica confere ao processo de geração das cadeias de signos um caráter necessariamente aberto e indefinido, que, porém, escapa à indeterminação absoluta, pois os resultados interpretativos se aproximam idealmente do interpretante final.  A semiótica peirceana é, na realidade, uma filosofia científica da linguagem sustentada em bases inovadoras (fenomenológicas) que revolucionam, nos alicerces, 25 séculos de filosofia ocidental (Santaella).
  21. 21. CHARLES SANDERS PEIRCE (1839-1914) E A SEMIÓTICA  A semiótica ou lógica de divide em: a) Gramática pura: doutrina das condições gerais gerais dos símbolos e outros signos aos seus que têm caráter significante; b) Lógica crítica: teoria das condições gerais da referência dos símbolos e outros signos aos seus objetos manifestos, teoria das condições da verdade; c) Retórica pura: doutrina das condições gerais da referência dos símbolos e outros signos aos interpretantes que pretendem determinar (CP 2.93).
  22. 22. NOMENCLATURA DE PEIRCE Retórica especulativa Lógica crítica Gramática especulativa
  23. 23. ÍCONE  O ícone se caracteriza como a mais tenra e rudimentar forma de signo: o objeto só vem a existir na medida em que surge um interpretante que passa a funcionar, em termos de possibilidade, como objeto daquele signo. O objeto, nesse caso, só pode ser algo a ser criado pelo próprio signo, determinando o signo a posteriori, o que o faz, aliás, funcionar como signo, caso contrário, ele não teria, em si mesmo, nenhum poder para funcionar como tal (Santaella).  “O ícone não tem conexão dinâmica alguma com o objeto que representa: simplesmente acontece que suas qualidades se assemelham às do objeto e excitam sensações análogas na mente para a qual é uma semelhança. Mas, na verdade, não mantêm conexão com elas” (CP 2.299).
  24. 24. ÍNDICE  “Um índice envolve a existência de seu objeto (2.315).  Um indicador é um signo que se refere ao Objeto que denota em razão de se ver realmente afetado por aquele Objeto (2.248).  São representações cujas relações com seus objetos consistem numa correspondência de fato (1.558).  Índice: um signo ou representação que se refere ao Objeto não tanto em virtude de uma similaridade ou analogia qualquer com ele, nem pelo fato de estar associado a caracteres gerais que esse objeto acontece ter, mas sim por estar numa conexão dinâmica (espacial, inclusive) com o Objeto [...](2.305).
  25. 25. SÍMBOLO  Para Peirce, “um símbolo é um signo que se refere ao Objeto que denota em virtude de uma lei, normalmente uma associação de idéias gerais que opera no sentido de fazer com que o símbolo seja interpretado como se referindo àquele objeto. (...) Como tal, atua através de uma Réplica.” (CP 2.249).  “Os símbolos crescem. Retiram seu ser do desenvolvimento de outros signos, especialmente dos ícones, ou de signos misturados que compartilham da natureza dos ícones e símbolos” (CP 2.302).
  26. 26. CHARLES MORRIS, SEMIÓTICA E POSITIVISMO Charles Morris era especialista em lingüística e tentou combinar as idéias do Círculo de Viena (neopositivismo lógico) com a de seus mestres G. H. Mead (pragmatismo behaviorista) e C. S. Peirce (pragmatismo lógico). Cindiu a semiótica nos três principais planos, conhecidos como: a) planos sintático: relações formais e estruturais dos signos entre si; b) Plano semântico: relações entre os signos e aquilo que designam (objetos); c) Plano pragmático: reções dos usuários diante dos signos.
  27. 27. Pragmática Semântica Sintaxe NOMENCLATURA CHARLES MORRIS Pragmática: signo x interpretante Semântica: signo x objeto Sintaxe: signo x signo
  28. 28. Peirce Morris Estática Dinâmica signo Gramática Especulativa sintaxe validade incidência objeto Lógica Crítica semântica vigência existência Inter pretante Retórica Especulativa pragmática eficácia aplicação
  29. 29. BIBLIOGRAFIA:  ARAUJO, Clarice Von Oertzen. Semiótica do Direito. São Paulo, Quartier Latin, 2005.  CARVALHO, Aurora Tomazini de. Curso de Teoria Geral do Direito (o Constructivismo Lógico- Semântico). São Paulo: Noeses, 2009.  CARVALHO, Paulo de Barros. Direito Tributário, Linguagem e Método. São Paulo: Noeses, 2008.  SAUSSURE, Ferdinand. Escritos de Linguística Geral. São Paulo, Cultrix, 2004.

×