SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 57
Baixar para ler offline
Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
A Oceania é um continente situado no hemisfério sul, entre os oceanos
Índico e Pacífico.

Em função da grande distância que separa o continente da Europa, a
Oceania só foi efetivamente colonizada no final do século XVIII.




Por isso passou a ser chamada
de NOVÍSSIMO MUNDO (ou
Novíssimo Continente)




                                 Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
O Novíssimo Mundo (o “novo mundo” seria a América), como é
conhecido o conjunto de ilhas que junto com a Austrália formam a
Oceania, é a maior concentração de ilhas do planeta.




                               Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
São mais de 25 mil ilhas agrupadas em 3 principais arquipélagos:

-a Melanésia (“ilhas habitadas por negros”),




                                   Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
São mais de 25 mil ilhas agrupadas em 3 principais arquipélagos:

-a Micronésia (“pequenas ilhas”) e




                                     Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
São mais de 25 mil ilhas agrupadas em 3 principais arquipélagos:

-a Polinésia (“muitas ilhas”).




                                  Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
A maior parte da Oceania está situada sobre a placa tectônica
Indoaustraliana, que se estende no sentido noroeste-sudeste, da Índia à
Nova Zelândia.

Outra parte se espalha sobre a placa tectônica do Pacífico, onde um
incessante vulcanismo faz algumas ilhas brotarem do fundo do mar, ao
mesmo tempo que acarreta o afundamento de outras.




                                  Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Tribo aborígine que preserva alguns elementos de seu modo         Aborígine aculturado que teve seu modo de vida
de vida tradicional                                               alterado, pois aparece com alguns adereços que são
                                                                  comuns à população de origem europeia.
                                                        Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
O processo de colonização na Austrália pôs em contato
culturas diferentes, e os modos de vida de boa parte da
população aborígine foram alterados a partir do contato com
o modo de vida dos ingleses que ocuparam o país.



                            Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
A colonização da Oceania desenvolveu-se de modo lento e
pouco homogêneo.

No fim do século XVIII, com a perda de seus domínios na
América do Norte*, o Reino Unido voltou suas atenções para
essa parte da Terra.                     *Independência EUA - 1776




                                Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
A colonização da Oceania desenvolveu-se de modo lento e
pouco homogêneo.

No fim do século XVIII, com a perda de seus domínios na
América do Norte*, o Reino Unido voltou suas atenções para
essa parte da Terra.                     *Independência EUA - 1776

                           O capitão James Cook foi um
                           explorador, navegador e cartógrafo
                           inglês Foi o primeiro a mapear Terra
                           Nova antes de fazer três viagens para o
                           Oceano Pacífico durante a qual ele
                           conseguiu o primeiro contato europeu
                           com a costa leste da Austrália e o
                           Arquipélago do Havaí, bem como a
                           primeira circunavegação registrada da
                           Nova Zelândia
                                  Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
A colonização da Oceania desenvolveu-se de modo lento e
pouco homogêneo.

No fim do século XVIII, com a perda de seus domínios na
América do Norte*, o Reino Unido voltou suas atenções para
essa parte da Terra.                     *Independência EUA - 1776

                           O capitão James Cook foi um
                           explorador, navegador e cartógrafo
                           inglês Foi o primeiro a mapear Terra
                           Nova antes de fazer três viagens para o
 Ele é considerado o pai   Oceano Pacífico durante a qual ele
                           conseguiu o primeiro contato europeu
       da Oceania.         com a costa leste da Austrália e o
                           Arquipélago do Havaí, bem como a
                           primeira circunavegação registrada da
                           Nova Zelândia
                                  Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Viagens de James Cook
           Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Em 1788, com o objetivo de construir uma colônia penal na
baía de Sydney, o governo britânico enviou outra expedição à
Austrália. Em seguida, tomou posse da Nova Zelândia e de
outros arquipélagos do Pacífico.




                             Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Após a independência dos EUA, a Grã-Bretanha começou a
enviar para a Austrália seus prisioneiros condenados (os
convicts) que antes eram enviados para o continente norte-
americano.




                            Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Após a independência dos EUA, a Grã-Bretanha começou a
enviar para a Austrália seus prisioneiros condenados (os
convicts) que antes eram enviados para o continente norte-
americano.


Apenas em meados do século XIX a Austrália começou a
receber os primeiros colonos livres, isto é, que foram para lá
de livre e espontânea vontade.



                              Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
No século XIX, Reino Unido, França e Alemanha, as grandes
potências européias da época, ampliaram a colonização da
Oceania, instalando bases navais e comerciais em várias ilhas.




                              Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
No fim do século XIX e início do século XX, os Estados Unidos,
ao observarem a posição estratégica das ilhas do Pacífico,
decidiram se apossar de algumas (Marshall, Carolinas,
Marianas e Palau, entre outras), onde instalaram bases
militares, que permaneceram até os dias atuais.




                              Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
No período da colonização da Austrália e da Nova Zelândia,
um grande número de habitantes nativos foi massacrado,
principalmente pelos britânicos.

Os aborígines que habitavam a Austrália foram mortos,
escravizados e degredados pelo colonizador.




                                               Reserva indígena do XINGU
                            Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Na Nova Zelândia, os maoris, povo unido e socialmente bem
organizado, impuseram forte resistência à ocupação dos
britânicos e foram duramente combatidos.

Atualmente os maoris restringem-se a pouco mais de 250 mil,
fixados principalmente na Ilha do Norte, próximo a Auckland,
cidade mais populosa da Nova Zelândia.




                             Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Na Nova Zelândia há uma riqueza enorme quanto à tatuagem. E a tatuagem mais importante é
feita no rosto. [7] Para muitas culturas, a mão, o rosto e o pescoço ficam fora da pintura corporal.
Para os maoris, o homem cobre todo o rosto quanto mais nobre ele é ou pela sua posição social.
A tatuagem dá status dentro da tribo ou clã. Quando eles entravam em guerra, cortavam a
cabeça do inimigo e colocavam-na em urnas sagradas. No século 19, as cabeças tatuadas dos
guerreiros maoris se tornaram objetos cobiçados por colecionadores europeus. O tráfico dessas
cabeças começou com os próprios maoris, eles passaram a matar e vender para comerciantes e
trocá-las por armas de fogo.




                                                Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Na Nova Zelândia há uma riqueza enorme quanto à tatuagem. E a tatuagem mais importante é
feita no rosto. [7] Para muitas culturas, a mão, o rosto e o pescoço ficam fora da pintura corporal.
Para os maoris, o homem cobre todo o rosto quanto mais nobre ele é ou pela sua posição social.
A tatuagem dá status dentro da tribo ou clã. Quando eles entravam em guerra, cortavam a
cabeça do inimigo e colocavam-na em urnas sagradas. No século 19, as cabeças tatuadas dos
guerreiros maoris se tornaram objetos cobiçados por colecionadores europeus. O tráfico dessas
cabeças começou com os próprios maoris, eles passaram a matar e vender para comerciantes e
trocá-las por armas de fogo.




                                                Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
O fato de não se organizarem politicamente sob a forma de
Estado explica por que o povo aborígene na Austrália (e os
indígena, na América) não puderam reagir em conjunto
contra o colonizador.




                            Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Fiji é um país e
arquipélago ao sul do
Oceano Pacífico. Possui
cerca de 300 ilhas e 540
ilhotas e atóis de origem
vulcânica,      espalhados
numa área de 3 milhões
km². Apenas cerca de 110
ilhas são habitadas pelos
944 mil residentes. A
capital é Suva, na Ilha de
Viti Levu.




                             Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
As Ilhas Fiji são um paraíso tropical com belas praias. Suas águas claras e recifes de corais são
ideais para o mergulho.
Foi possessão britânica de 1874 até 1970, quando tornou-se um país independente




                                               Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
O Atol é uma ilha em forma de anel feita de corais e outros invertebrados, em forma
aproximadamente circular, formando no seu interior uma lagoa.




                                        Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Ilhas do Estreito de Torres, Austrália




Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
À volta de um vulcão que desponta à superfície do mar e se transforma em ilha, começa a
formar-se um anel de formações de coral. Lentamente, o vulcão que levara à formação da ilha
perde actividade até se extinguir e começar a afundar-se gradualmente no oceano. Mas as
formações calcárias do coral que a cercam, mais rígidas, permanecem quase à superfície,
retendo as areias e dando às ilhas daí resultantes o seu formato típico, rodeando uma lagoa
central, onde outrora ficara a ilha
                                            Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
1º de julho de 1946. A marinha dos Estados Unidos realiza uma série de
explosões nucleares a fim de testar bombas atômicas no Atol de Bikini,
              ao sul do Oceano Pacífico, perto da Oceania.


                                             Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Fotos impressionantes de testes de
                bombas atômicas no Atol de Mururoa,
                               na Polinésia Francesa




Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Atol de Bikini
                 Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
A Grande Barreira de Corais, na Austrália é o maior recife de corais do
mundo. Ela tem uma extensão de 2300km e é composta por cerca de
2900 recifes, 600 ilha e 300 atóis de coral.


Os recifes abrigam uma enorme variedade de animais, são o
maior organismo vivo do mundo. Porém, toda esta diversidade está
ameaçada de extinção pela poluição e aquecimento de suas águas.




                                  Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
A mudança climática é a maior ameaça aos corais. Nos últimos anos, a
temperatura crescente das águas provocou o branqueamento dos corais
e obrigou certas espécies marinhas a deixarem o local.




                                 Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Devido ao turismo em massa e à poluição, a qualidade da água declinou,
e muitas partes do recife foram prejudicadas. A Barreira de Corais de
Belize, o segundo maior sistema de recifes de coral, enfrenta as mesmas
ameaças devido à mudança climática e ao turismo.




                                  Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Austrália admite negligência na Grande Barreira de Corais
03 de outubro de 2012 • 10h28 • atualizado às 11h51
http://noticias.terra.com.br/ciencia/noticias/0,,OI6198936-EI238,00-Australia+admite+negligencia+na+Grande+Barreira+de+Corais.html



A Austrália admitiu nesta quarta-feira sua negligência na preservação da Grande Barreira de Corais, após um estudo revelar que a Barreira
perdeu mais da metade de seus prados de corais em três décadas, como resultado das tempestades, da depredação e do aquecimento global.
"Eu acredito que o estudo provocou o efeito de uma onda de choque em muitos lares na Austrália", declarou o ministro do Meio Ambiente, Tony
Burke, em um discurso na emissora estatal ABC.
O governo de centro-esquerda tem tomado medidas de preservação, mas "não há dúvida de que houve negligência por décadas", acrescentou.
A Grande Barreira de Corais perdeu mais da metade de seus corais nos últimos 27 anos sob a influência de fatores meteorológicos
(tempestades), clima (aquecimento) e industrial (nitratos agrícolas), de acordo com o estudo publicado na revista americana Proceedings of the
National Academy of Sciences.
E o recife pode continuar a deteriorar-se nas mesmas proporções até 2022, se nada for feito para proteger os corais, afirma o documento que
sintetizou nada menos que 2.258 trabalhos científicos.
Os ciclones, 34 no total desde 1985, são responsáveis por quase metade (48%) da degradação, seguido pela Acanthaster púrpura (42%), uma
estrela do mar invasiva e predadora também chamada de "coroa de espinhos", que devora os corais, e o branqueamento associado ao
aquecimento do oceano. Os corais são o lar de milhões de algas que lhes dão cores e não suportam a elevação atual da temperatura da água.
Quando essas microalgas morrem, o coral perde a cor e morre de fome, tornando-se um esqueleto calcário. "A perda da metade da cobertura
coralina original é uma fonte de enorme preocupação porque é sinônimo de perda de hábitat para dezenas de milhares de espécies" marinhas,
avaliaram os pesquisadores.
Dois graves episódios de embranquecimento ocorreram em 1998 e em 2002, relacionados com o aumento da temperatura dos oceanos, e
tiveram "um impacto nefasto de grande magnitude", em particular nas porções centrais e setentrionais do arrecife.
No entanto, um dos autores do estudo, Hugh Sweatman, afirma que a barreira tem a possibilidade de se reconstituir. "Mas a reconstituição leva
entre 10 e 20 anos. Atualmente, os intervalos entre os problemas são curtos demais para uma reconstituição completa", disse.
Patrimônio Mundial pela Unesco em 1981, a Grande Barreira de Corais se estende por cerca de 345 mil km² ao longo da costa leste da Austrália,
e é o maior conjunto de recifes de coral do mundo, com 3 mil "sistemas" de recife e centenas de ilhas tropicais.
Ela abriga 400 espécies de corais, 1,5 mil espécies de peixes, 4 mil espécies de moluscos e muitas espécies ameaçadas de extinção, como o
peixe-boi e a tartaruga verde. Os recifes de coral geram dezenas de milhares de milhões de dólares em receitas de turismo a cada ano em todo o
mundo e a questão da preservação é tão ecológica quanto econômica, ressaltou Tony Burke.
"É por isso que temos a responsabilidade de cuidar muito bem deles, e este estudo é um lembrete de que não podemos deixar as coisas como
elas estão", disse.




                                                                                                    Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
A maior barreira de corais do planeta vive uma crise ambiental sem precedentes. Relatório
recente mostra que a Grande Barreira de Corais Australiana já perdeu mais da metade de sua
cobertura (50,7%) nos últimos 27 anos
E, se nada for feito na próxima década, podem restar apenas 5% da formação no ano de 2022, diz o documento do Instituto Australiano de
Ciência Marinha, que sintetizou mais de 2 mil trabalhos científicos sobre o assunto. Estendendo-se por mais de 2.000 quilômetros ao longo da
costa do estado de Queensland, a Grande Barreira de Corais é composta por quase três mil pequenos recifes e mais de 900 ilhas no oceano
Pacífico. Atualmente, é lar de 400 espécies de corais, 1.500 espécies de peixes, 4.000 espécies de moluscos eanimais em risco de extinção,
como o peixe-boi e a tartaruga verde.
Como é possível que esse paraíso natural, declarado Patrimônio Mundial da Humanidade em 1981 e que gera cerca de 5 bilhões de dólares em
turismo para a economia australiana, esteja desaparecendo? De acordo com a pesquisa, publicada na revista americana Proceedings of the
National Academy of Sciences, três fatores principais explicam a redução alarmante.
1)Mudanças climáticas respondem por 48% da degradação da barreira. Desde 1985, 34 ciclones atingiram a região carregando consigo
toneladas de sedimento e resíduos tóxicos de atividades industriais e agrícolas da terra para o mar.
2)O segundo fator é a explosão de uma população de estrelas-do-mar da espécie Acanthaster púrpura, também conhecida como “coroa de
espinhos”, que literalmente devora os corais.
3)Já a terceira pressão ambiental vem da acidificação dos oceanos, fenômeno desencadeado pelo aumento da concentração de CO2 na
atmosfera. Como consequência, os corais ficam esbranquiçados e quebradiços e acabam morrendo.

Mas há ainda um quarto fator que contribui para o colapso da Grande Barreira: a negligência das autoridades públicas.

Depois do alerta dos cientistas, o governo australiano admitiu que fechou os olhos às ameaças aos corais. “Todos levamos a culpa por não
termos feito o suficiente e agora precisamos nos concentrar em garantir que podemos consertar isso”, disse o ministro do Meio Ambiente, Tony
Burke, ontem à noite na televisão australianaABC.
O problema do surto de populações de estrelas do mar que se alimentam dos corais foi registrado pela primeira vez em 1962 e, desde então,
repete-se a cada 15 anos. Para controlar a ação predatória, mergulhadores injetam uma proteína nas estrelas do mar para matá-las, uma a uma.
Mas é preciso avançar nesse trabalho.
“Não dá para evitar as tormentas, mas podemos deter as estrelas-do-mar. Se conseguirmos isso, daremos uma maior oportunidade à Barreira
para que se adapte ao aumento da temperatura dos mares e à acidificação dos oceanos”, afirma a pesquisa do Instituto Australiano de Ciência
Marinha.




                                                                     Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
A maior barreira de corais do planeta vive uma crise ambiental sem precedentes. Relatório
recente mostra que a Grande Barreira de Corais Australiana já perdeu mais da metade de sua
cobertura (50,7%) nos últimos 27 anos
E, se nada for feito na próxima década, podem restar apenas 5% da formação no ano de 2022, diz o documento do Instituto Australiano de
Ciência Marinha, que sintetizou mais de 2 mil trabalhos científicos sobre o assunto. Estendendo-se por mais de 2.000 quilômetros ao longo da
costa do estado de Queensland, a Grande Barreira de Corais é composta por quase três mil pequenos recifes e mais de 900 ilhas no oceano
Pacífico. Atualmente, é lar de 400 espécies de corais, 1.500 espécies de peixes, 4.000 espécies de moluscos eanimais em risco de extinção,
como o peixe-boi e a tartaruga verde.
Como é possível que esse paraíso natural, declarado Patrimônio Mundial da Humanidade em 1981 e que gera cerca de 5 bilhões de dólares em
turismo para a economia australiana, esteja desaparecendo? De acordo com a pesquisa, publicada na revista americana Proceedings of the
National Academy of Sciences, três   fatores principais explicam a redução alarmante.
1)Mudanças climáticas             respondem por 48% da degradação da barreira. Desde 1985, 34 ciclones atingiram a região carregando
consigo toneladas de sedimento e resíduos tóxicos de atividades industriais e agrícolas da terra para o mar.
2)O segundo fator é a explosão de uma população de estrelas-do-mar                                 da espécie Acanthaster púrpura, também
conhecida como “coroa de espinhos”, que literalmente devora os corais.
3)Já a terceira pressão ambiental vem da acidificação dos oceanos, fenômeno desencadeado pelo aumento da concentração de
CO2 na atmosfera. Como consequência, os corais ficam esbranquiçados e quebradiços e acabam morrendo.


Mas há ainda um quarto fator que contribui para o colapso da Grande Barreira:   a negligência das autoridades públicas.
Depois do alerta dos cientistas, o governo australiano admitiu que fechou os olhos às ameaças aos corais. “Todos levamos a culpa por não
termos feito o suficiente e agora precisamos nos concentrar em garantir que podemos consertar isso”, disse o ministro do Meio Ambiente, Tony
Burke, ontem à noite na televisão australianaABC.
O problema do surto de populações de estrelas do mar que se alimentam dos corais foi registrado pela primeira vez em 1962 e, desde então,
repete-se a cada 15 anos. Para controlar a ação predatória, mergulhadores injetam uma proteína nas estrelas do mar para matá-las, uma a uma.
Mas é preciso avançar nesse trabalho.
“Não dá para evitar as tormentas, mas podemos deter as estrelas-do-mar. Se conseguirmos isso, daremos uma maior oportunidade à Barreira
para que se adapte ao aumento da temperatura dos mares e à acidificação dos oceanos”, afirma a pesquisa do Instituto Australiano de Ciência
Marinha.


                                                                    Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
LUCCI, Elian Alabi; e BRANCO, Anselmo Lázaro.Geografia Homem & Espaço – 23 ed. São Paulo:
Saraiva, 2010.
VESENTINI, José Willian; e VLACH, Vânia. Geografia Crítica, Geografia do Mundo industrializado.
27 ed. São Paulo: Ática, 2010.
TAMDJIAN, James Onnig; e MENDES, Ivan Lazzari. Estudos de Geografia: o espaço do mundo II, 1
ed. São Paulo: FTD, 2008.
                  Sites consultados:

                  http://herdeirodeaecio.blogspot.com.br/2007/12/o-processo-de-formao-
                  de-um-atol.html
                  http://maringa.odiario.com/blogs/edsonlima/2008/04/24/destruicao-
                  total/



                                              Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
 
9º ano
9º ano9º ano
9º ano
 
Unidade 7 8º ano- América do Sul
Unidade 7 8º ano- América do SulUnidade 7 8º ano- América do Sul
Unidade 7 8º ano- América do Sul
 
Regionalização da américa
Regionalização da américaRegionalização da américa
Regionalização da américa
 
ÁFRICA
ÁFRICAÁFRICA
ÁFRICA
 
Aspectos naturais da América
Aspectos naturais da AméricaAspectos naturais da América
Aspectos naturais da América
 
Geografia continente europeu
Geografia   continente europeuGeografia   continente europeu
Geografia continente europeu
 
Unidade 8 - África
Unidade 8  - ÁfricaUnidade 8  - África
Unidade 8 - África
 
Europa LocalizaçãO
Europa   LocalizaçãOEuropa   LocalizaçãO
Europa LocalizaçãO
 
Conflitos mundiais
Conflitos mundiaisConflitos mundiais
Conflitos mundiais
 
Continente Asiático
Continente AsiáticoContinente Asiático
Continente Asiático
 
Localização do território brasileiro
Localização do território brasileiroLocalização do território brasileiro
Localização do território brasileiro
 
Regioes brasil
Regioes brasilRegioes brasil
Regioes brasil
 
Estados unidos da américa
Estados unidos da américaEstados unidos da américa
Estados unidos da américa
 
Aspectos naturais do continente asiatico
Aspectos naturais do continente asiaticoAspectos naturais do continente asiatico
Aspectos naturais do continente asiatico
 
Blocos econômicos
Blocos econômicosBlocos econômicos
Blocos econômicos
 
01 geopolítica
01 geopolítica01 geopolítica
01 geopolítica
 
África
ÁfricaÁfrica
África
 
Africa aspectos fisicos
Africa aspectos fisicosAfrica aspectos fisicos
Africa aspectos fisicos
 
Climas do-brasil
Climas do-brasilClimas do-brasil
Climas do-brasil
 

Semelhante a Oceania

Revisão_Oceania e Regiões Polares
Revisão_Oceania e Regiões PolaresRevisão_Oceania e Regiões Polares
Revisão_Oceania e Regiões PolaresFernanda Lopes
 
Anglo saxônica 13 colonias
Anglo saxônica 13 coloniasAnglo saxônica 13 colonias
Anglo saxônica 13 coloniasFernanda Lopes
 
Anglo saxônica 13 colonias
Anglo saxônica 13 coloniasAnglo saxônica 13 colonias
Anglo saxônica 13 coloniasFernanda Lopes
 
Geo h e_9ano_cap17_site
Geo h e_9ano_cap17_siteGeo h e_9ano_cap17_site
Geo h e_9ano_cap17_siterdbtava
 
capitulo-11-oceania-o-novissimo-mundo.pptx
capitulo-11-oceania-o-novissimo-mundo.pptxcapitulo-11-oceania-o-novissimo-mundo.pptx
capitulo-11-oceania-o-novissimo-mundo.pptxsem nome
 
HISTÓRIA DO BRASIL COLONIAL: descobrimento, impactos, conflitos e ciclos econ...
HISTÓRIA DO BRASIL COLONIAL: descobrimento, impactos, conflitos e ciclos econ...HISTÓRIA DO BRASIL COLONIAL: descobrimento, impactos, conflitos e ciclos econ...
HISTÓRIA DO BRASIL COLONIAL: descobrimento, impactos, conflitos e ciclos econ...Sheila Soarte
 
Hgpa6 resumo 5ano
Hgpa6 resumo 5anoHgpa6 resumo 5ano
Hgpa6 resumo 5anoAmillima
 
Paleozoico silurico
Paleozoico siluricoPaleozoico silurico
Paleozoico siluricoBruno Lopes
 
CARACTERÍSTICAS DA COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA.pptx
CARACTERÍSTICAS DA COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA.pptxCARACTERÍSTICAS DA COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA.pptx
CARACTERÍSTICAS DA COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA.pptxMANOELMIRANDADINIZ
 
Trabalhodeinglesnovazelandia 110119213544-phpapp02 (1)
Trabalhodeinglesnovazelandia 110119213544-phpapp02 (1)Trabalhodeinglesnovazelandia 110119213544-phpapp02 (1)
Trabalhodeinglesnovazelandia 110119213544-phpapp02 (1)William Garcia
 

Semelhante a Oceania (20)

Oceania
OceaniaOceania
Oceania
 
Revisão_Oceania e Regiões Polares
Revisão_Oceania e Regiões PolaresRevisão_Oceania e Regiões Polares
Revisão_Oceania e Regiões Polares
 
Oceania colonização e natureza.
Oceania  colonização e natureza.Oceania  colonização e natureza.
Oceania colonização e natureza.
 
Anglo saxônica 13 colonias
Anglo saxônica 13 coloniasAnglo saxônica 13 colonias
Anglo saxônica 13 colonias
 
Anglo saxônica 13 colonias
Anglo saxônica 13 coloniasAnglo saxônica 13 colonias
Anglo saxônica 13 colonias
 
Geo h e_9ano_cap17_site
Geo h e_9ano_cap17_siteGeo h e_9ano_cap17_site
Geo h e_9ano_cap17_site
 
Anglo saxônica 9
Anglo saxônica 9Anglo saxônica 9
Anglo saxônica 9
 
1geo06
1geo061geo06
1geo06
 
Anglo saxônica 9
Anglo saxônica 9Anglo saxônica 9
Anglo saxônica 9
 
capitulo-11-oceania-o-novissimo-mundo.pptx
capitulo-11-oceania-o-novissimo-mundo.pptxcapitulo-11-oceania-o-novissimo-mundo.pptx
capitulo-11-oceania-o-novissimo-mundo.pptx
 
Oceania
OceaniaOceania
Oceania
 
Oceania
OceaniaOceania
Oceania
 
Trabalho historia fisica 2
Trabalho historia fisica 2Trabalho historia fisica 2
Trabalho historia fisica 2
 
HISTÓRIA DO BRASIL COLONIAL: descobrimento, impactos, conflitos e ciclos econ...
HISTÓRIA DO BRASIL COLONIAL: descobrimento, impactos, conflitos e ciclos econ...HISTÓRIA DO BRASIL COLONIAL: descobrimento, impactos, conflitos e ciclos econ...
HISTÓRIA DO BRASIL COLONIAL: descobrimento, impactos, conflitos e ciclos econ...
 
Hgpa6 resumo 5ano
Hgpa6 resumo 5anoHgpa6 resumo 5ano
Hgpa6 resumo 5ano
 
Paleozoico silurico
Paleozoico siluricoPaleozoico silurico
Paleozoico silurico
 
CARACTERÍSTICAS DA COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA.pptx
CARACTERÍSTICAS DA COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA.pptxCARACTERÍSTICAS DA COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA.pptx
CARACTERÍSTICAS DA COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA.pptx
 
Trabalhodeinglesnovazelandia 110119213544-phpapp02 (1)
Trabalhodeinglesnovazelandia 110119213544-phpapp02 (1)Trabalhodeinglesnovazelandia 110119213544-phpapp02 (1)
Trabalhodeinglesnovazelandia 110119213544-phpapp02 (1)
 
Oceania
OceaniaOceania
Oceania
 
Oceania
OceaniaOceania
Oceania
 

Mais de Fernanda Lopes

Cap 1 primeiro ano aula 2-principais conceitos-2020
Cap 1 primeiro ano aula 2-principais conceitos-2020Cap 1 primeiro ano aula 2-principais conceitos-2020
Cap 1 primeiro ano aula 2-principais conceitos-2020Fernanda Lopes
 
Cap 1 da europa para o mundo
Cap 1 da europa para o mundoCap 1 da europa para o mundo
Cap 1 da europa para o mundoFernanda Lopes
 
Piores acidentes nucleares da história
Piores acidentes nucleares da históriaPiores acidentes nucleares da história
Piores acidentes nucleares da históriaFernanda Lopes
 
Blocos econômicos primeiro ano
Blocos econômicos  primeiro anoBlocos econômicos  primeiro ano
Blocos econômicos primeiro anoFernanda Lopes
 
Cap 14 conflitos mundiais 1
Cap 14 conflitos mundiais 1Cap 14 conflitos mundiais 1
Cap 14 conflitos mundiais 1Fernanda Lopes
 
Cap 14 c regiões geoeconômicas_centro sul
Cap 14 c regiões geoeconômicas_centro sulCap 14 c regiões geoeconômicas_centro sul
Cap 14 c regiões geoeconômicas_centro sulFernanda Lopes
 
Cap 14 b regiões geoeconômicas_ne
Cap 14 b regiões geoeconômicas_neCap 14 b regiões geoeconômicas_ne
Cap 14 b regiões geoeconômicas_neFernanda Lopes
 
Cap 14 regiões geoeconômicas amazônia
Cap 14 regiões geoeconômicas amazôniaCap 14 regiões geoeconômicas amazônia
Cap 14 regiões geoeconômicas amazôniaFernanda Lopes
 
Cap 13 mundo ex socialista
Cap 13 mundo ex socialistaCap 13 mundo ex socialista
Cap 13 mundo ex socialistaFernanda Lopes
 
Cap 13 b a região concentrada
Cap 13 b a região concentradaCap 13 b a região concentrada
Cap 13 b a região concentradaFernanda Lopes
 
Cap 12 desenvolvimento mundiallll
Cap 12 desenvolvimento mundiallllCap 12 desenvolvimento mundiallll
Cap 12 desenvolvimento mundiallllFernanda Lopes
 
Cap 12 organização politico administrativa do brasilll
Cap 12 organização politico administrativa do brasilllCap 12 organização politico administrativa do brasilll
Cap 12 organização politico administrativa do brasilllFernanda Lopes
 
Questões ambientais buraco ozônio e poluição das águas
Questões ambientais buraco ozônio e poluição das águasQuestões ambientais buraco ozônio e poluição das águas
Questões ambientais buraco ozônio e poluição das águasFernanda Lopes
 

Mais de Fernanda Lopes (20)

Cap 1 primeiro ano aula 2-principais conceitos-2020
Cap 1 primeiro ano aula 2-principais conceitos-2020Cap 1 primeiro ano aula 2-principais conceitos-2020
Cap 1 primeiro ano aula 2-principais conceitos-2020
 
Cap 1 da europa para o mundo
Cap 1 da europa para o mundoCap 1 da europa para o mundo
Cap 1 da europa para o mundo
 
Mariana tragédia
Mariana tragédiaMariana tragédia
Mariana tragédia
 
Piores acidentes nucleares da história
Piores acidentes nucleares da históriaPiores acidentes nucleares da história
Piores acidentes nucleares da história
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
 
China conteúdo
China conteúdoChina conteúdo
China conteúdo
 
Blocos econômicos primeiro ano
Blocos econômicos  primeiro anoBlocos econômicos  primeiro ano
Blocos econômicos primeiro ano
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Questão palestina
Questão palestinaQuestão palestina
Questão palestina
 
Conflitos mundiais 2
Conflitos mundiais 2Conflitos mundiais 2
Conflitos mundiais 2
 
Cap 14 conflitos mundiais 1
Cap 14 conflitos mundiais 1Cap 14 conflitos mundiais 1
Cap 14 conflitos mundiais 1
 
Cap 14 c regiões geoeconômicas_centro sul
Cap 14 c regiões geoeconômicas_centro sulCap 14 c regiões geoeconômicas_centro sul
Cap 14 c regiões geoeconômicas_centro sul
 
Cap 14 b regiões geoeconômicas_ne
Cap 14 b regiões geoeconômicas_neCap 14 b regiões geoeconômicas_ne
Cap 14 b regiões geoeconômicas_ne
 
Cap 14 regiões geoeconômicas amazônia
Cap 14 regiões geoeconômicas amazôniaCap 14 regiões geoeconômicas amazônia
Cap 14 regiões geoeconômicas amazônia
 
Cap 13 mundo ex socialista
Cap 13 mundo ex socialistaCap 13 mundo ex socialista
Cap 13 mundo ex socialista
 
Rússia país
Rússia paísRússia país
Rússia país
 
Cap 13 b a região concentrada
Cap 13 b a região concentradaCap 13 b a região concentrada
Cap 13 b a região concentrada
 
Cap 12 desenvolvimento mundiallll
Cap 12 desenvolvimento mundiallllCap 12 desenvolvimento mundiallll
Cap 12 desenvolvimento mundiallll
 
Cap 12 organização politico administrativa do brasilll
Cap 12 organização politico administrativa do brasilllCap 12 organização politico administrativa do brasilll
Cap 12 organização politico administrativa do brasilll
 
Questões ambientais buraco ozônio e poluição das águas
Questões ambientais buraco ozônio e poluição das águasQuestões ambientais buraco ozônio e poluição das águas
Questões ambientais buraco ozônio e poluição das águas
 

Oceania

  • 1. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 2. A Oceania é um continente situado no hemisfério sul, entre os oceanos Índico e Pacífico. Em função da grande distância que separa o continente da Europa, a Oceania só foi efetivamente colonizada no final do século XVIII. Por isso passou a ser chamada de NOVÍSSIMO MUNDO (ou Novíssimo Continente) Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 3. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 4. O Novíssimo Mundo (o “novo mundo” seria a América), como é conhecido o conjunto de ilhas que junto com a Austrália formam a Oceania, é a maior concentração de ilhas do planeta. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 5. São mais de 25 mil ilhas agrupadas em 3 principais arquipélagos: -a Melanésia (“ilhas habitadas por negros”), Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 6. São mais de 25 mil ilhas agrupadas em 3 principais arquipélagos: -a Micronésia (“pequenas ilhas”) e Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 7. São mais de 25 mil ilhas agrupadas em 3 principais arquipélagos: -a Polinésia (“muitas ilhas”). Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 8. A maior parte da Oceania está situada sobre a placa tectônica Indoaustraliana, que se estende no sentido noroeste-sudeste, da Índia à Nova Zelândia. Outra parte se espalha sobre a placa tectônica do Pacífico, onde um incessante vulcanismo faz algumas ilhas brotarem do fundo do mar, ao mesmo tempo que acarreta o afundamento de outras. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 9. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 10. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 11. Tribo aborígine que preserva alguns elementos de seu modo Aborígine aculturado que teve seu modo de vida de vida tradicional alterado, pois aparece com alguns adereços que são comuns à população de origem europeia. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 12. O processo de colonização na Austrália pôs em contato culturas diferentes, e os modos de vida de boa parte da população aborígine foram alterados a partir do contato com o modo de vida dos ingleses que ocuparam o país. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 13. A colonização da Oceania desenvolveu-se de modo lento e pouco homogêneo. No fim do século XVIII, com a perda de seus domínios na América do Norte*, o Reino Unido voltou suas atenções para essa parte da Terra. *Independência EUA - 1776 Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 14. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 15. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 16. A colonização da Oceania desenvolveu-se de modo lento e pouco homogêneo. No fim do século XVIII, com a perda de seus domínios na América do Norte*, o Reino Unido voltou suas atenções para essa parte da Terra. *Independência EUA - 1776 O capitão James Cook foi um explorador, navegador e cartógrafo inglês Foi o primeiro a mapear Terra Nova antes de fazer três viagens para o Oceano Pacífico durante a qual ele conseguiu o primeiro contato europeu com a costa leste da Austrália e o Arquipélago do Havaí, bem como a primeira circunavegação registrada da Nova Zelândia Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 17. A colonização da Oceania desenvolveu-se de modo lento e pouco homogêneo. No fim do século XVIII, com a perda de seus domínios na América do Norte*, o Reino Unido voltou suas atenções para essa parte da Terra. *Independência EUA - 1776 O capitão James Cook foi um explorador, navegador e cartógrafo inglês Foi o primeiro a mapear Terra Nova antes de fazer três viagens para o Ele é considerado o pai Oceano Pacífico durante a qual ele conseguiu o primeiro contato europeu da Oceania. com a costa leste da Austrália e o Arquipélago do Havaí, bem como a primeira circunavegação registrada da Nova Zelândia Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 18. Viagens de James Cook Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 19. Em 1788, com o objetivo de construir uma colônia penal na baía de Sydney, o governo britânico enviou outra expedição à Austrália. Em seguida, tomou posse da Nova Zelândia e de outros arquipélagos do Pacífico. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 20. Após a independência dos EUA, a Grã-Bretanha começou a enviar para a Austrália seus prisioneiros condenados (os convicts) que antes eram enviados para o continente norte- americano. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 21. Após a independência dos EUA, a Grã-Bretanha começou a enviar para a Austrália seus prisioneiros condenados (os convicts) que antes eram enviados para o continente norte- americano. Apenas em meados do século XIX a Austrália começou a receber os primeiros colonos livres, isto é, que foram para lá de livre e espontânea vontade. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 22. No século XIX, Reino Unido, França e Alemanha, as grandes potências européias da época, ampliaram a colonização da Oceania, instalando bases navais e comerciais em várias ilhas. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 23. No fim do século XIX e início do século XX, os Estados Unidos, ao observarem a posição estratégica das ilhas do Pacífico, decidiram se apossar de algumas (Marshall, Carolinas, Marianas e Palau, entre outras), onde instalaram bases militares, que permaneceram até os dias atuais. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 24. No período da colonização da Austrália e da Nova Zelândia, um grande número de habitantes nativos foi massacrado, principalmente pelos britânicos. Os aborígines que habitavam a Austrália foram mortos, escravizados e degredados pelo colonizador. Reserva indígena do XINGU Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 25. Na Nova Zelândia, os maoris, povo unido e socialmente bem organizado, impuseram forte resistência à ocupação dos britânicos e foram duramente combatidos. Atualmente os maoris restringem-se a pouco mais de 250 mil, fixados principalmente na Ilha do Norte, próximo a Auckland, cidade mais populosa da Nova Zelândia. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 26. Na Nova Zelândia há uma riqueza enorme quanto à tatuagem. E a tatuagem mais importante é feita no rosto. [7] Para muitas culturas, a mão, o rosto e o pescoço ficam fora da pintura corporal. Para os maoris, o homem cobre todo o rosto quanto mais nobre ele é ou pela sua posição social. A tatuagem dá status dentro da tribo ou clã. Quando eles entravam em guerra, cortavam a cabeça do inimigo e colocavam-na em urnas sagradas. No século 19, as cabeças tatuadas dos guerreiros maoris se tornaram objetos cobiçados por colecionadores europeus. O tráfico dessas cabeças começou com os próprios maoris, eles passaram a matar e vender para comerciantes e trocá-las por armas de fogo. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 27. Na Nova Zelândia há uma riqueza enorme quanto à tatuagem. E a tatuagem mais importante é feita no rosto. [7] Para muitas culturas, a mão, o rosto e o pescoço ficam fora da pintura corporal. Para os maoris, o homem cobre todo o rosto quanto mais nobre ele é ou pela sua posição social. A tatuagem dá status dentro da tribo ou clã. Quando eles entravam em guerra, cortavam a cabeça do inimigo e colocavam-na em urnas sagradas. No século 19, as cabeças tatuadas dos guerreiros maoris se tornaram objetos cobiçados por colecionadores europeus. O tráfico dessas cabeças começou com os próprios maoris, eles passaram a matar e vender para comerciantes e trocá-las por armas de fogo. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 28. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 29. O fato de não se organizarem politicamente sob a forma de Estado explica por que o povo aborígene na Austrália (e os indígena, na América) não puderam reagir em conjunto contra o colonizador. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 30. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 31. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 32. Fiji é um país e arquipélago ao sul do Oceano Pacífico. Possui cerca de 300 ilhas e 540 ilhotas e atóis de origem vulcânica, espalhados numa área de 3 milhões km². Apenas cerca de 110 ilhas são habitadas pelos 944 mil residentes. A capital é Suva, na Ilha de Viti Levu. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 33. As Ilhas Fiji são um paraíso tropical com belas praias. Suas águas claras e recifes de corais são ideais para o mergulho. Foi possessão britânica de 1874 até 1970, quando tornou-se um país independente Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 34. O Atol é uma ilha em forma de anel feita de corais e outros invertebrados, em forma aproximadamente circular, formando no seu interior uma lagoa. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 35. Ilhas do Estreito de Torres, Austrália Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 36. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 37. À volta de um vulcão que desponta à superfície do mar e se transforma em ilha, começa a formar-se um anel de formações de coral. Lentamente, o vulcão que levara à formação da ilha perde actividade até se extinguir e começar a afundar-se gradualmente no oceano. Mas as formações calcárias do coral que a cercam, mais rígidas, permanecem quase à superfície, retendo as areias e dando às ilhas daí resultantes o seu formato típico, rodeando uma lagoa central, onde outrora ficara a ilha Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 38. 1º de julho de 1946. A marinha dos Estados Unidos realiza uma série de explosões nucleares a fim de testar bombas atômicas no Atol de Bikini, ao sul do Oceano Pacífico, perto da Oceania. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 39. Fotos impressionantes de testes de bombas atômicas no Atol de Mururoa, na Polinésia Francesa Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 40. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 41. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 42. Atol de Bikini Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 43. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 44. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 45. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 46. A Grande Barreira de Corais, na Austrália é o maior recife de corais do mundo. Ela tem uma extensão de 2300km e é composta por cerca de 2900 recifes, 600 ilha e 300 atóis de coral. Os recifes abrigam uma enorme variedade de animais, são o maior organismo vivo do mundo. Porém, toda esta diversidade está ameaçada de extinção pela poluição e aquecimento de suas águas. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 47. A mudança climática é a maior ameaça aos corais. Nos últimos anos, a temperatura crescente das águas provocou o branqueamento dos corais e obrigou certas espécies marinhas a deixarem o local. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 48. Devido ao turismo em massa e à poluição, a qualidade da água declinou, e muitas partes do recife foram prejudicadas. A Barreira de Corais de Belize, o segundo maior sistema de recifes de coral, enfrenta as mesmas ameaças devido à mudança climática e ao turismo. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 49. Austrália admite negligência na Grande Barreira de Corais 03 de outubro de 2012 • 10h28 • atualizado às 11h51 http://noticias.terra.com.br/ciencia/noticias/0,,OI6198936-EI238,00-Australia+admite+negligencia+na+Grande+Barreira+de+Corais.html A Austrália admitiu nesta quarta-feira sua negligência na preservação da Grande Barreira de Corais, após um estudo revelar que a Barreira perdeu mais da metade de seus prados de corais em três décadas, como resultado das tempestades, da depredação e do aquecimento global. "Eu acredito que o estudo provocou o efeito de uma onda de choque em muitos lares na Austrália", declarou o ministro do Meio Ambiente, Tony Burke, em um discurso na emissora estatal ABC. O governo de centro-esquerda tem tomado medidas de preservação, mas "não há dúvida de que houve negligência por décadas", acrescentou. A Grande Barreira de Corais perdeu mais da metade de seus corais nos últimos 27 anos sob a influência de fatores meteorológicos (tempestades), clima (aquecimento) e industrial (nitratos agrícolas), de acordo com o estudo publicado na revista americana Proceedings of the National Academy of Sciences. E o recife pode continuar a deteriorar-se nas mesmas proporções até 2022, se nada for feito para proteger os corais, afirma o documento que sintetizou nada menos que 2.258 trabalhos científicos. Os ciclones, 34 no total desde 1985, são responsáveis por quase metade (48%) da degradação, seguido pela Acanthaster púrpura (42%), uma estrela do mar invasiva e predadora também chamada de "coroa de espinhos", que devora os corais, e o branqueamento associado ao aquecimento do oceano. Os corais são o lar de milhões de algas que lhes dão cores e não suportam a elevação atual da temperatura da água. Quando essas microalgas morrem, o coral perde a cor e morre de fome, tornando-se um esqueleto calcário. "A perda da metade da cobertura coralina original é uma fonte de enorme preocupação porque é sinônimo de perda de hábitat para dezenas de milhares de espécies" marinhas, avaliaram os pesquisadores. Dois graves episódios de embranquecimento ocorreram em 1998 e em 2002, relacionados com o aumento da temperatura dos oceanos, e tiveram "um impacto nefasto de grande magnitude", em particular nas porções centrais e setentrionais do arrecife. No entanto, um dos autores do estudo, Hugh Sweatman, afirma que a barreira tem a possibilidade de se reconstituir. "Mas a reconstituição leva entre 10 e 20 anos. Atualmente, os intervalos entre os problemas são curtos demais para uma reconstituição completa", disse. Patrimônio Mundial pela Unesco em 1981, a Grande Barreira de Corais se estende por cerca de 345 mil km² ao longo da costa leste da Austrália, e é o maior conjunto de recifes de coral do mundo, com 3 mil "sistemas" de recife e centenas de ilhas tropicais. Ela abriga 400 espécies de corais, 1,5 mil espécies de peixes, 4 mil espécies de moluscos e muitas espécies ameaçadas de extinção, como o peixe-boi e a tartaruga verde. Os recifes de coral geram dezenas de milhares de milhões de dólares em receitas de turismo a cada ano em todo o mundo e a questão da preservação é tão ecológica quanto econômica, ressaltou Tony Burke. "É por isso que temos a responsabilidade de cuidar muito bem deles, e este estudo é um lembrete de que não podemos deixar as coisas como elas estão", disse. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 50. A maior barreira de corais do planeta vive uma crise ambiental sem precedentes. Relatório recente mostra que a Grande Barreira de Corais Australiana já perdeu mais da metade de sua cobertura (50,7%) nos últimos 27 anos E, se nada for feito na próxima década, podem restar apenas 5% da formação no ano de 2022, diz o documento do Instituto Australiano de Ciência Marinha, que sintetizou mais de 2 mil trabalhos científicos sobre o assunto. Estendendo-se por mais de 2.000 quilômetros ao longo da costa do estado de Queensland, a Grande Barreira de Corais é composta por quase três mil pequenos recifes e mais de 900 ilhas no oceano Pacífico. Atualmente, é lar de 400 espécies de corais, 1.500 espécies de peixes, 4.000 espécies de moluscos eanimais em risco de extinção, como o peixe-boi e a tartaruga verde. Como é possível que esse paraíso natural, declarado Patrimônio Mundial da Humanidade em 1981 e que gera cerca de 5 bilhões de dólares em turismo para a economia australiana, esteja desaparecendo? De acordo com a pesquisa, publicada na revista americana Proceedings of the National Academy of Sciences, três fatores principais explicam a redução alarmante. 1)Mudanças climáticas respondem por 48% da degradação da barreira. Desde 1985, 34 ciclones atingiram a região carregando consigo toneladas de sedimento e resíduos tóxicos de atividades industriais e agrícolas da terra para o mar. 2)O segundo fator é a explosão de uma população de estrelas-do-mar da espécie Acanthaster púrpura, também conhecida como “coroa de espinhos”, que literalmente devora os corais. 3)Já a terceira pressão ambiental vem da acidificação dos oceanos, fenômeno desencadeado pelo aumento da concentração de CO2 na atmosfera. Como consequência, os corais ficam esbranquiçados e quebradiços e acabam morrendo. Mas há ainda um quarto fator que contribui para o colapso da Grande Barreira: a negligência das autoridades públicas. Depois do alerta dos cientistas, o governo australiano admitiu que fechou os olhos às ameaças aos corais. “Todos levamos a culpa por não termos feito o suficiente e agora precisamos nos concentrar em garantir que podemos consertar isso”, disse o ministro do Meio Ambiente, Tony Burke, ontem à noite na televisão australianaABC. O problema do surto de populações de estrelas do mar que se alimentam dos corais foi registrado pela primeira vez em 1962 e, desde então, repete-se a cada 15 anos. Para controlar a ação predatória, mergulhadores injetam uma proteína nas estrelas do mar para matá-las, uma a uma. Mas é preciso avançar nesse trabalho. “Não dá para evitar as tormentas, mas podemos deter as estrelas-do-mar. Se conseguirmos isso, daremos uma maior oportunidade à Barreira para que se adapte ao aumento da temperatura dos mares e à acidificação dos oceanos”, afirma a pesquisa do Instituto Australiano de Ciência Marinha. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 51. A maior barreira de corais do planeta vive uma crise ambiental sem precedentes. Relatório recente mostra que a Grande Barreira de Corais Australiana já perdeu mais da metade de sua cobertura (50,7%) nos últimos 27 anos E, se nada for feito na próxima década, podem restar apenas 5% da formação no ano de 2022, diz o documento do Instituto Australiano de Ciência Marinha, que sintetizou mais de 2 mil trabalhos científicos sobre o assunto. Estendendo-se por mais de 2.000 quilômetros ao longo da costa do estado de Queensland, a Grande Barreira de Corais é composta por quase três mil pequenos recifes e mais de 900 ilhas no oceano Pacífico. Atualmente, é lar de 400 espécies de corais, 1.500 espécies de peixes, 4.000 espécies de moluscos eanimais em risco de extinção, como o peixe-boi e a tartaruga verde. Como é possível que esse paraíso natural, declarado Patrimônio Mundial da Humanidade em 1981 e que gera cerca de 5 bilhões de dólares em turismo para a economia australiana, esteja desaparecendo? De acordo com a pesquisa, publicada na revista americana Proceedings of the National Academy of Sciences, três fatores principais explicam a redução alarmante. 1)Mudanças climáticas respondem por 48% da degradação da barreira. Desde 1985, 34 ciclones atingiram a região carregando consigo toneladas de sedimento e resíduos tóxicos de atividades industriais e agrícolas da terra para o mar. 2)O segundo fator é a explosão de uma população de estrelas-do-mar da espécie Acanthaster púrpura, também conhecida como “coroa de espinhos”, que literalmente devora os corais. 3)Já a terceira pressão ambiental vem da acidificação dos oceanos, fenômeno desencadeado pelo aumento da concentração de CO2 na atmosfera. Como consequência, os corais ficam esbranquiçados e quebradiços e acabam morrendo. Mas há ainda um quarto fator que contribui para o colapso da Grande Barreira: a negligência das autoridades públicas. Depois do alerta dos cientistas, o governo australiano admitiu que fechou os olhos às ameaças aos corais. “Todos levamos a culpa por não termos feito o suficiente e agora precisamos nos concentrar em garantir que podemos consertar isso”, disse o ministro do Meio Ambiente, Tony Burke, ontem à noite na televisão australianaABC. O problema do surto de populações de estrelas do mar que se alimentam dos corais foi registrado pela primeira vez em 1962 e, desde então, repete-se a cada 15 anos. Para controlar a ação predatória, mergulhadores injetam uma proteína nas estrelas do mar para matá-las, uma a uma. Mas é preciso avançar nesse trabalho. “Não dá para evitar as tormentas, mas podemos deter as estrelas-do-mar. Se conseguirmos isso, daremos uma maior oportunidade à Barreira para que se adapte ao aumento da temperatura dos mares e à acidificação dos oceanos”, afirma a pesquisa do Instituto Australiano de Ciência Marinha. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 52. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 53. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 54. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 55. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 56. LUCCI, Elian Alabi; e BRANCO, Anselmo Lázaro.Geografia Homem & Espaço – 23 ed. São Paulo: Saraiva, 2010. VESENTINI, José Willian; e VLACH, Vânia. Geografia Crítica, Geografia do Mundo industrializado. 27 ed. São Paulo: Ática, 2010. TAMDJIAN, James Onnig; e MENDES, Ivan Lazzari. Estudos de Geografia: o espaço do mundo II, 1 ed. São Paulo: FTD, 2008. Sites consultados: http://herdeirodeaecio.blogspot.com.br/2007/12/o-processo-de-formao- de-um-atol.html http://maringa.odiario.com/blogs/edsonlima/2008/04/24/destruicao- total/ Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 57. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia