SlideShare uma empresa Scribd logo
Estudo da prevalência de portadores de Hipertensão Arterial Sistêmica e
Diabetes Mellitus em pacientes submetidos a cirurgia bariátrica pela
equipe Progastro entre janeiro de 2007 e dezembro de 2011 no Hospital
Beneficência Portuguesa de São Paulo.
Diego Loureiro dos Santos
Objetivo
• Identificar a prevalência de portadores de Hipertensão Arterial Sistêmica e
de Diabetes Mellitus em pacientes submetidos a cirurgias bariátricas pela
equipe Progastro, entre janeiro de 2007 e dezembro de 2011, no Hospital
Beneficência Portuguesa, e compará-los aos dados da literatura.
Método
• Estudo transversal, que possibilita avaliar a prevalência das doenças (HAS
e DM) em pacientes submetidos a cirurgia bariátrica (n – 227)
• Os dados obtidos em prontuário foram: sexo, idade, tipo de cirurgia, IMC
durante a consulta de avaliação, hipertensão arterial sistêmica (HAS),
diabetes mellitus (DM) e outras comorbidades.
• Critérios de inclusão HAS ou DM – diagnóstico prévio ou uso medicações
prévias.
• Critérios cirúrgicos:
- IMC > 40, independentemente da presença de comorbidades.
- IMC entre 35 e 40 na presença de comorbidades.
Resultados
• A média de idade foi 37,8 ± 9,6 anos, tendo como idade mínima de 19 anos e
máxima de 73 anos.
• A média de IMC foi de 45,04 ± 6,68 kg/m², tendo como extremos de 31,1
kg/m² e 72,5 kg/m².
76,2%
(95% IC=0,70–0,81)
23,8%
(95% IC=0,18-0,29)
Resultados
• HAS - 48,9%, 95% IC=0,42-0,55
• DM - 16,7%, 95% IC=0,12-0,22
• HAS + DM - 12,3%, 95% IC=0,08-0,17
• Sem HAS/DM - 46,7%, 95% IC =0,40-0,53
Homens:
HAS - 44,4%, 95% IC = 0,32-0,57
DM - 13,0%, 95% IC = 0,06-0,24
HAS+DM - 9,3%, 95% IC = 0,04-0,19
Sem HAS/DM - 53,7%, 95% IC = 0,40-0,66
Mulheres:
HAS - 50,3%, 95% IC = 0,43-0,58
DM - 17,9%, 95% IC = 0,13-0.24
HAS+DM - 13,3%, 95% IC = 0,09-0,19
Sem HAS/DM - 45,1, 95% IC = 0,38-0,52
Resultados
• Entre os pacientes diabéticos, a maioria era hipertenso (X2
(1) = 11,22,
p-valor=0,0008) (Tabela 1).
HAS Sem HAS Total
DM 28 10 38
Sem DM 83 106 189
Total 111 116 227
Tabela 1. Relação entre pacientes hipertensos e diabéticos submetidos a cirurgia bariátrica
entre os anos de 2007 e 2011 pela equipe Progastro, Hospital Beneficência Portuguesa, São
Paulo.
Conclusões
• Obesos no Brasil:
 A prevalência na população adulta aumentou no período de 2006 a
2012, de 11.6 para 17,4%
 Maior aumento entre mulheres, indivíduos entre 25 e 44 anos e nas
menores escolaridades.
 A prevalência entre homens passou de 11,4 para 16,5% e entre mulheres
de 11,8 para 18,2%.
 Em 2012 a obesidade passou a ser mais frequente em mulheres do que
em homens.
 Em dez anos: ⅔ excesso de peso e ¼ obesos.
0,89% ao ano.
MALTA, Debora C. et al. Evolução anual da prevalência de excesso de peso e obesidade em adultos nas capitais dos 26 estados
brasileiros e no Distrito Federal entre 2006 e 2012. Rev. Bras. Epidemiol., São Paulo, v. 17, supl 1, p. 267-276, 2014.
Conclusões
• Obesidade no mundo:
 Em 2014, mais de 1,9 bilhões de adultos acima de 18 anos estão acima
do peso e entre estes, 600 milhões são obesos.
 39% dos adultos acima dos 18 anos estão com excesso de peso (38%
homens e 40% mulheres).
 13% da população adulta mundial estavam obesos em 2014 (11% de
homens e 15% de mulheres.
WHO Fact Sheet No: 311 (2015). Overweight and Obesity. Updated June 2016.
Conclusões
• A média de idade e de IMC entre os pacientes incluídos no estudo está
concordante com a literatura.
.
KELLES, Silvana Marcia Brusch et al. Perfil de pacientes submetidos à cirurgia bariátrica pelo Sistema Único de Saúde do
Brasil: revisão sistemática. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 31, n. 8, p 1587-1601, Aug 2015.
IDA
DE
IMC
41,4 anos
48,6 Kg/m2
37,8 anos ± 9,6 anos
45,04 ± 6,68 kg/m²
Conclusões
• A prevalência de hipertensos e diabéticos é menor do que a encontrada na
literatura.
KELLES, Silvana Marcia Brusch et al. Perfil de pacientes submetidos à cirurgia bariátrica pelo Sistema Único de Saúde do Brasil:
revisão sistemática. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 31, n. 8, p 1587-1601, Aug 2015.
HAS
60,8%
22,3%
DM
48,9%
16,7%
Conclusões
• O DM tipo 2 é 2,5x mais frequente de se desenvolver em pacientes
hipertensos.
• Quanto a relação da HAS com DM, apenas 42% das pessoas com diabetes
tem níveis pressóricos normais e apenas 56% das pessoas com hipertensão
tem tolerância glicêmica normal.
CHEUNG, Bernard M. Y. et al Diabetes and Hypertension: Is There a
Commom Metabolic Pathway? Curr Atheroscler Rep, v.14, n. 2, p. 160-166,
2012.
• Mesmo após o emagrecimento, o risco de diabetes foi de 2,4x nos pacientes
que permancerem hipertensos.
2013 AHA/ACC/TOS Guideline for the Management of Overweight and Obesity in Adults
Conclusões
• DM tipo 2 e a HAS estão fortemente relacionados à obesidade e à
distribuição central de gordura corporal.
• A hiperinsulinemia induz:
 alterações no perfil lipídico, predispondo a aterosclerose vascular.
 elevação da pressão arterial por diversos mecanismos, incluindo
ativação do sistema nervoso simpático com retenção de sódio.
• Alterações na medula renal, resultando em ativação do SRAA, poderiam
também contribuir para a retenção de sódio e HAS em indivíduos obesos.
FARIA, Alessandra N. et al. Tratamento de Diabetes e Hipertensão no Paciente
Obeso. Arq Bras Endocrinol Metab, São Paulo, v. 46, n. 2, p. 137-142, 2002.
CHEUNG, Bernard M. Y. et al Diabetes and Hypertension: Is There a Commom
Metabolic Pathway? Curr Atheroscler Rep, v.14, n. 2, p. 160-166, 2012.
Figura 1. Sumário do suposto mecanismo fisiopatológico no desenvolvimento de HAS no DM.
RAAS – sistema renina-angiotensina-aldosterona; SNS – sistema nervoso simpático; VSMC –
células do músculo liso vascular
Conclusões
• Em um estudo transversal do Jornal Americano de Cirurgia Bariátrica,
constatou-se:
 A prevalência de obesos sem diabetes e hipertensão foi de cerca 25%.
 Brancos e mulheres obesas são mais propensos a este fenótipo (s/ HAS ou DM), apesar de a
obesidade afetar mais negros (44,1%), comparado a população geral (34%).
 Os dados provavelmente refletem barreiras assistenciais e culturais, pois homens negros são
submetidos a cirurgia mais velhos e em estágios mais avançados de obesidade.
• A prevalência de pacientes “sadios” em nosso estudo é de cerca de 50%, o
que pode refletir o melhor acesso aos serviços de saúde ou ao menor
diagnóstico de comorbidades.
LEE, Clare J. et al. Prevalence and Characteristics of Individuals without Diabetes and Hypertension Who Underwent Bariatric
Surgery: Lessons Learned about Metabolically Healthy Obese. Surg Obes Relat Dis, v. 11, n. 1, p 142-146, 2015.
Referências Bibliográficas
• KELLES, Silvana Marcia Brusch et al. Perfil de pacientes submetidos à cirurgia bariátrica pelo Sistema
Único de Saúde do Brasil: revisão sistemática. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 31, n. 8, p 1587-
1601, Aug 2015.
• LEE, Clare J. et al. Prevalence and Characteristics of Individuals without Diabetes and Hypertension Who
Underwent Bariatric Surgery: Lessons Learned about Metabolically Healthy Obese. Surg Obes Relat Dis,
v. 11, n. 1, p 142-146, 2015.
• MALTA, Debora C. et al. Evolução anual da prevalência de excesso de peso e obesidade em adultos nas
capitaus dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal entre 2006 e 2012. Rev. Bras. Epidemiol., São
Paulo, v. 17, supl 1, p. 267-276, 2014.
• WHO Fact Sheet No: 311 (2015). Overweight and Obesity. Updated June 2016.
• CHEUNG, Bernard M. Y. et al Diabetes and Hypertension: Is There a Commom Metabolic Pathway? Curr
Atheroscler Rep, v.14, n. 2, p. 160-166, 2012.
• FARIA, Alessandra N. Et al. Tratamento de Diabetes e Hipertensão no Paciente Obeso. Arq Bras
Endocrinol Metab, São Paulo, v. 46, n. 2, p. 137-142, 2002.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Jose_Clemente_Aspectos_importantes_HAS_idoso
Jose_Clemente_Aspectos_importantes_HAS_idosoJose_Clemente_Aspectos_importantes_HAS_idoso
Jose_Clemente_Aspectos_importantes_HAS_idoso
comunidadedepraticas
 
A importância da avaliação nutricional e exames laboratoriais
A importância da avaliação nutricional e exames laboratoriaisA importância da avaliação nutricional e exames laboratoriais
A importância da avaliação nutricional e exames laboratoriais
UNIME
 
Nutrição no idoso internado
Nutrição no idoso internadoNutrição no idoso internado
Nutrição no idoso internado
uhgeri
 
LAGECAD - Liga Acadêmica de Gastroenterologia e Cirurgia do Aparelho Digestiv...
LAGECAD - Liga Acadêmica de Gastroenterologia e Cirurgia do Aparelho Digestiv...LAGECAD - Liga Acadêmica de Gastroenterologia e Cirurgia do Aparelho Digestiv...
LAGECAD - Liga Acadêmica de Gastroenterologia e Cirurgia do Aparelho Digestiv...
Thiago Soares
 
Projeto de pesquisa tecsoma
Projeto de pesquisa tecsomaProjeto de pesquisa tecsoma
Projeto de pesquisa tecsoma
johnatansi
 

Mais procurados (19)

Cirurgia da Obesidade Morbida
Cirurgia da Obesidade MorbidaCirurgia da Obesidade Morbida
Cirurgia da Obesidade Morbida
 
Jose_Clemente_Aspectos_importantes_HAS_idoso
Jose_Clemente_Aspectos_importantes_HAS_idosoJose_Clemente_Aspectos_importantes_HAS_idoso
Jose_Clemente_Aspectos_importantes_HAS_idoso
 
A importância da avaliação nutricional e exames laboratoriais
A importância da avaliação nutricional e exames laboratoriaisA importância da avaliação nutricional e exames laboratoriais
A importância da avaliação nutricional e exames laboratoriais
 
Nutrição no idoso internado
Nutrição no idoso internadoNutrição no idoso internado
Nutrição no idoso internado
 
Tratamento cirúrgico da obesidade mórbida
Tratamento cirúrgico da obesidade mórbidaTratamento cirúrgico da obesidade mórbida
Tratamento cirúrgico da obesidade mórbida
 
LAGECAD - Liga Acadêmica de Gastroenterologia e Cirurgia do Aparelho Digestiv...
LAGECAD - Liga Acadêmica de Gastroenterologia e Cirurgia do Aparelho Digestiv...LAGECAD - Liga Acadêmica de Gastroenterologia e Cirurgia do Aparelho Digestiv...
LAGECAD - Liga Acadêmica de Gastroenterologia e Cirurgia do Aparelho Digestiv...
 
Obesidade. um grave problema da atualidade - ICAN
Obesidade. um grave problema da atualidade - ICANObesidade. um grave problema da atualidade - ICAN
Obesidade. um grave problema da atualidade - ICAN
 
Vera_Obesidade
Vera_ObesidadeVera_Obesidade
Vera_Obesidade
 
Apresentação net gastro
Apresentação net gastroApresentação net gastro
Apresentação net gastro
 
1. avaliação estado nutricional
1. avaliação estado nutricional1. avaliação estado nutricional
1. avaliação estado nutricional
 
Dietoterapia de pacientes oncológicos - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Dietoterapia de pacientes oncológicos - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Dietoterapia de pacientes oncológicos - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Dietoterapia de pacientes oncológicos - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
 
Suplementação nutricional alzheimer
Suplementação nutricional  alzheimerSuplementação nutricional  alzheimer
Suplementação nutricional alzheimer
 
Joana_Sedentarismo
Joana_SedentarismoJoana_Sedentarismo
Joana_Sedentarismo
 
Samuel_Saude_bucal_DM
Samuel_Saude_bucal_DMSamuel_Saude_bucal_DM
Samuel_Saude_bucal_DM
 
Projeto de pesquisa tecsoma
Projeto de pesquisa tecsomaProjeto de pesquisa tecsoma
Projeto de pesquisa tecsoma
 
Vera_Mito_verdade_alimentacao
Vera_Mito_verdade_alimentacaoVera_Mito_verdade_alimentacao
Vera_Mito_verdade_alimentacao
 
Consenso Nacional de Nutrição Oncológica
Consenso Nacional de Nutrição OncológicaConsenso Nacional de Nutrição Oncológica
Consenso Nacional de Nutrição Oncológica
 
Joana_Abordagem_nutricional_HAS
Joana_Abordagem_nutricional_HASJoana_Abordagem_nutricional_HAS
Joana_Abordagem_nutricional_HAS
 
Curso 65
Curso 65Curso 65
Curso 65
 

Destaque

Olho: aula sobre a Fisiologia da visão - 2013 abril
Olho:   aula sobre a Fisiologia da visão - 2013 abrilOlho:   aula sobre a Fisiologia da visão - 2013 abril
Olho: aula sobre a Fisiologia da visão - 2013 abril
Augusto Manuel
 
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticasUltrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
Fernanda Hiebra Gonçalves
 

Destaque (15)

Ultrassom - emergências em ginecologia e obstetrícia
Ultrassom  - emergências em ginecologia e obstetríciaUltrassom  - emergências em ginecologia e obstetrícia
Ultrassom - emergências em ginecologia e obstetrícia
 
Ultrassom do olho
Ultrassom do olhoUltrassom do olho
Ultrassom do olho
 
Ultrassom do Retroperitônio e Peritônio
Ultrassom do Retroperitônio e PeritônioUltrassom do Retroperitônio e Peritônio
Ultrassom do Retroperitônio e Peritônio
 
Doppler hepático
Doppler hepáticoDoppler hepático
Doppler hepático
 
Ultrassom do rim
Ultrassom do rimUltrassom do rim
Ultrassom do rim
 
Fundoscopia direta
Fundoscopia diretaFundoscopia direta
Fundoscopia direta
 
Diagnóstico por Imagem da Órbita - R3 Lucas Teodoro
Diagnóstico por Imagem da Órbita - R3 Lucas TeodoroDiagnóstico por Imagem da Órbita - R3 Lucas Teodoro
Diagnóstico por Imagem da Órbita - R3 Lucas Teodoro
 
Ultrassonografia no primeiro trimestre
Ultrassonografia no primeiro trimestreUltrassonografia no primeiro trimestre
Ultrassonografia no primeiro trimestre
 
Gonioscopia
GonioscopiaGonioscopia
Gonioscopia
 
Aula de hemostase e coagulação sanguínea Dr Augusto 2013
Aula de hemostase e coagulação sanguínea Dr Augusto 2013Aula de hemostase e coagulação sanguínea Dr Augusto 2013
Aula de hemostase e coagulação sanguínea Dr Augusto 2013
 
Olho: aula sobre a Fisiologia da visão - 2013 abril
Olho:   aula sobre a Fisiologia da visão - 2013 abrilOlho:   aula sobre a Fisiologia da visão - 2013 abril
Olho: aula sobre a Fisiologia da visão - 2013 abril
 
Anatomia globo ocular
Anatomia globo ocularAnatomia globo ocular
Anatomia globo ocular
 
Anatomia e Fisiologia do Globo Ocular
Anatomia e Fisiologia do Globo OcularAnatomia e Fisiologia do Globo Ocular
Anatomia e Fisiologia do Globo Ocular
 
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticasUltrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
 
Ultrassom do ombro
Ultrassom do ombroUltrassom do ombro
Ultrassom do ombro
 

Semelhante a Prevalencia HAS/DM progastro 2007-14

Quinta lebrao
Quinta lebraoQuinta lebrao
Quinta lebrao
taciadami
 
Lopes, 2012 - FATORES ASSOCIADOS AO EXCESSO DE PESO ENTRE MULHERES
Lopes, 2012 - FATORES ASSOCIADOS AO EXCESSO DE PESO ENTRE MULHERESLopes, 2012 - FATORES ASSOCIADOS AO EXCESSO DE PESO ENTRE MULHERES
Lopes, 2012 - FATORES ASSOCIADOS AO EXCESSO DE PESO ENTRE MULHERES
Mariana Menezes
 
Revista diabetes portugual
Revista diabetes portugualRevista diabetes portugual
Revista diabetes portugual
Santos de Castro
 
Ecocardiografia na-pre-hipertensao-e-hipertensao-estagio-i
Ecocardiografia na-pre-hipertensao-e-hipertensao-estagio-iEcocardiografia na-pre-hipertensao-e-hipertensao-estagio-i
Ecocardiografia na-pre-hipertensao-e-hipertensao-estagio-i
gisa_legal
 

Semelhante a Prevalencia HAS/DM progastro 2007-14 (20)

Intervenções educacionais para aumentar o controle da pressão arterial em pac...
Intervenções educacionais para aumentar o controle da pressão arterial em pac...Intervenções educacionais para aumentar o controle da pressão arterial em pac...
Intervenções educacionais para aumentar o controle da pressão arterial em pac...
 
Quinta lebrao
Quinta lebraoQuinta lebrao
Quinta lebrao
 
Lopes, 2012 - FATORES ASSOCIADOS AO EXCESSO DE PESO ENTRE MULHERES
Lopes, 2012 - FATORES ASSOCIADOS AO EXCESSO DE PESO ENTRE MULHERESLopes, 2012 - FATORES ASSOCIADOS AO EXCESSO DE PESO ENTRE MULHERES
Lopes, 2012 - FATORES ASSOCIADOS AO EXCESSO DE PESO ENTRE MULHERES
 
De
DeDe
De
 
03
0303
03
 
Hip
HipHip
Hip
 
A Obesidade devem ser Evitada e Tratada e o Estilo de Vida Mudado
A Obesidade devem ser Evitada e Tratada e o Estilo de Vida MudadoA Obesidade devem ser Evitada e Tratada e o Estilo de Vida Mudado
A Obesidade devem ser Evitada e Tratada e o Estilo de Vida Mudado
 
Diretrizes obsesidade
Diretrizes obsesidadeDiretrizes obsesidade
Diretrizes obsesidade
 
Obesidade intra abdominal a gordura do nosso organismo
Obesidade intra abdominal a gordura do nosso organismoObesidade intra abdominal a gordura do nosso organismo
Obesidade intra abdominal a gordura do nosso organismo
 
Aula evidências prm_SSC_MFC 2013
Aula evidências prm_SSC_MFC 2013Aula evidências prm_SSC_MFC 2013
Aula evidências prm_SSC_MFC 2013
 
Errores y aciertos de la cirugía metabólica
Errores y aciertos de la cirugía metabólicaErrores y aciertos de la cirugía metabólica
Errores y aciertos de la cirugía metabólica
 
Revista diabetes portugual
Revista diabetes portugualRevista diabetes portugual
Revista diabetes portugual
 
Um quebra cabeça chamado obesidade ii
Um quebra cabeça chamado obesidade iiUm quebra cabeça chamado obesidade ii
Um quebra cabeça chamado obesidade ii
 
Agressão da Obesidade em Nosso Corpo
Agressão da Obesidade em Nosso CorpoAgressão da Obesidade em Nosso Corpo
Agressão da Obesidade em Nosso Corpo
 
NOS DIAS ATUAIS O SOBREPESO E A OBESIDADE É UM PROBLEMA DE ÂMBITO MUNDIAL.
NOS DIAS ATUAIS O SOBREPESO E A OBESIDADE É UM PROBLEMA DE ÂMBITO MUNDIAL.NOS DIAS ATUAIS O SOBREPESO E A OBESIDADE É UM PROBLEMA DE ÂMBITO MUNDIAL.
NOS DIAS ATUAIS O SOBREPESO E A OBESIDADE É UM PROBLEMA DE ÂMBITO MUNDIAL.
 
Obesidade excessiva associada à obesidade visceral situação que compromete s...
Obesidade excessiva associada à obesidade visceral  situação que compromete s...Obesidade excessiva associada à obesidade visceral  situação que compromete s...
Obesidade excessiva associada à obesidade visceral situação que compromete s...
 
Análise do perfil epidemiológico de um grupo de pacientes portadores de doenç...
Análise do perfil epidemiológico de um grupo de pacientes portadores de doenç...Análise do perfil epidemiológico de um grupo de pacientes portadores de doenç...
Análise do perfil epidemiológico de um grupo de pacientes portadores de doenç...
 
20140905 alcance
20140905 alcance20140905 alcance
20140905 alcance
 
Ecocardiografia na-pre-hipertensao-e-hipertensao-estagio-i
Ecocardiografia na-pre-hipertensao-e-hipertensao-estagio-iEcocardiografia na-pre-hipertensao-e-hipertensao-estagio-i
Ecocardiografia na-pre-hipertensao-e-hipertensao-estagio-i
 
Obesidade e câncer nas políticas públicas
Obesidade e câncer nas políticas públicasObesidade e câncer nas políticas públicas
Obesidade e câncer nas políticas públicas
 

Prevalencia HAS/DM progastro 2007-14

  • 1. Estudo da prevalência de portadores de Hipertensão Arterial Sistêmica e Diabetes Mellitus em pacientes submetidos a cirurgia bariátrica pela equipe Progastro entre janeiro de 2007 e dezembro de 2011 no Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo. Diego Loureiro dos Santos
  • 2. Objetivo • Identificar a prevalência de portadores de Hipertensão Arterial Sistêmica e de Diabetes Mellitus em pacientes submetidos a cirurgias bariátricas pela equipe Progastro, entre janeiro de 2007 e dezembro de 2011, no Hospital Beneficência Portuguesa, e compará-los aos dados da literatura.
  • 3. Método • Estudo transversal, que possibilita avaliar a prevalência das doenças (HAS e DM) em pacientes submetidos a cirurgia bariátrica (n – 227) • Os dados obtidos em prontuário foram: sexo, idade, tipo de cirurgia, IMC durante a consulta de avaliação, hipertensão arterial sistêmica (HAS), diabetes mellitus (DM) e outras comorbidades. • Critérios de inclusão HAS ou DM – diagnóstico prévio ou uso medicações prévias. • Critérios cirúrgicos: - IMC > 40, independentemente da presença de comorbidades. - IMC entre 35 e 40 na presença de comorbidades.
  • 4. Resultados • A média de idade foi 37,8 ± 9,6 anos, tendo como idade mínima de 19 anos e máxima de 73 anos. • A média de IMC foi de 45,04 ± 6,68 kg/m², tendo como extremos de 31,1 kg/m² e 72,5 kg/m². 76,2% (95% IC=0,70–0,81) 23,8% (95% IC=0,18-0,29)
  • 5. Resultados • HAS - 48,9%, 95% IC=0,42-0,55 • DM - 16,7%, 95% IC=0,12-0,22 • HAS + DM - 12,3%, 95% IC=0,08-0,17 • Sem HAS/DM - 46,7%, 95% IC =0,40-0,53 Homens: HAS - 44,4%, 95% IC = 0,32-0,57 DM - 13,0%, 95% IC = 0,06-0,24 HAS+DM - 9,3%, 95% IC = 0,04-0,19 Sem HAS/DM - 53,7%, 95% IC = 0,40-0,66 Mulheres: HAS - 50,3%, 95% IC = 0,43-0,58 DM - 17,9%, 95% IC = 0,13-0.24 HAS+DM - 13,3%, 95% IC = 0,09-0,19 Sem HAS/DM - 45,1, 95% IC = 0,38-0,52
  • 6. Resultados • Entre os pacientes diabéticos, a maioria era hipertenso (X2 (1) = 11,22, p-valor=0,0008) (Tabela 1). HAS Sem HAS Total DM 28 10 38 Sem DM 83 106 189 Total 111 116 227 Tabela 1. Relação entre pacientes hipertensos e diabéticos submetidos a cirurgia bariátrica entre os anos de 2007 e 2011 pela equipe Progastro, Hospital Beneficência Portuguesa, São Paulo.
  • 7. Conclusões • Obesos no Brasil:  A prevalência na população adulta aumentou no período de 2006 a 2012, de 11.6 para 17,4%  Maior aumento entre mulheres, indivíduos entre 25 e 44 anos e nas menores escolaridades.  A prevalência entre homens passou de 11,4 para 16,5% e entre mulheres de 11,8 para 18,2%.  Em 2012 a obesidade passou a ser mais frequente em mulheres do que em homens.  Em dez anos: ⅔ excesso de peso e ¼ obesos. 0,89% ao ano. MALTA, Debora C. et al. Evolução anual da prevalência de excesso de peso e obesidade em adultos nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal entre 2006 e 2012. Rev. Bras. Epidemiol., São Paulo, v. 17, supl 1, p. 267-276, 2014.
  • 8. Conclusões • Obesidade no mundo:  Em 2014, mais de 1,9 bilhões de adultos acima de 18 anos estão acima do peso e entre estes, 600 milhões são obesos.  39% dos adultos acima dos 18 anos estão com excesso de peso (38% homens e 40% mulheres).  13% da população adulta mundial estavam obesos em 2014 (11% de homens e 15% de mulheres. WHO Fact Sheet No: 311 (2015). Overweight and Obesity. Updated June 2016.
  • 9. Conclusões • A média de idade e de IMC entre os pacientes incluídos no estudo está concordante com a literatura. . KELLES, Silvana Marcia Brusch et al. Perfil de pacientes submetidos à cirurgia bariátrica pelo Sistema Único de Saúde do Brasil: revisão sistemática. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 31, n. 8, p 1587-1601, Aug 2015. IDA DE IMC 41,4 anos 48,6 Kg/m2 37,8 anos ± 9,6 anos 45,04 ± 6,68 kg/m²
  • 10. Conclusões • A prevalência de hipertensos e diabéticos é menor do que a encontrada na literatura. KELLES, Silvana Marcia Brusch et al. Perfil de pacientes submetidos à cirurgia bariátrica pelo Sistema Único de Saúde do Brasil: revisão sistemática. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 31, n. 8, p 1587-1601, Aug 2015. HAS 60,8% 22,3% DM 48,9% 16,7%
  • 11. Conclusões • O DM tipo 2 é 2,5x mais frequente de se desenvolver em pacientes hipertensos. • Quanto a relação da HAS com DM, apenas 42% das pessoas com diabetes tem níveis pressóricos normais e apenas 56% das pessoas com hipertensão tem tolerância glicêmica normal. CHEUNG, Bernard M. Y. et al Diabetes and Hypertension: Is There a Commom Metabolic Pathway? Curr Atheroscler Rep, v.14, n. 2, p. 160-166, 2012. • Mesmo após o emagrecimento, o risco de diabetes foi de 2,4x nos pacientes que permancerem hipertensos. 2013 AHA/ACC/TOS Guideline for the Management of Overweight and Obesity in Adults
  • 12. Conclusões • DM tipo 2 e a HAS estão fortemente relacionados à obesidade e à distribuição central de gordura corporal. • A hiperinsulinemia induz:  alterações no perfil lipídico, predispondo a aterosclerose vascular.  elevação da pressão arterial por diversos mecanismos, incluindo ativação do sistema nervoso simpático com retenção de sódio. • Alterações na medula renal, resultando em ativação do SRAA, poderiam também contribuir para a retenção de sódio e HAS em indivíduos obesos. FARIA, Alessandra N. et al. Tratamento de Diabetes e Hipertensão no Paciente Obeso. Arq Bras Endocrinol Metab, São Paulo, v. 46, n. 2, p. 137-142, 2002.
  • 13. CHEUNG, Bernard M. Y. et al Diabetes and Hypertension: Is There a Commom Metabolic Pathway? Curr Atheroscler Rep, v.14, n. 2, p. 160-166, 2012. Figura 1. Sumário do suposto mecanismo fisiopatológico no desenvolvimento de HAS no DM. RAAS – sistema renina-angiotensina-aldosterona; SNS – sistema nervoso simpático; VSMC – células do músculo liso vascular
  • 14. Conclusões • Em um estudo transversal do Jornal Americano de Cirurgia Bariátrica, constatou-se:  A prevalência de obesos sem diabetes e hipertensão foi de cerca 25%.  Brancos e mulheres obesas são mais propensos a este fenótipo (s/ HAS ou DM), apesar de a obesidade afetar mais negros (44,1%), comparado a população geral (34%).  Os dados provavelmente refletem barreiras assistenciais e culturais, pois homens negros são submetidos a cirurgia mais velhos e em estágios mais avançados de obesidade. • A prevalência de pacientes “sadios” em nosso estudo é de cerca de 50%, o que pode refletir o melhor acesso aos serviços de saúde ou ao menor diagnóstico de comorbidades. LEE, Clare J. et al. Prevalence and Characteristics of Individuals without Diabetes and Hypertension Who Underwent Bariatric Surgery: Lessons Learned about Metabolically Healthy Obese. Surg Obes Relat Dis, v. 11, n. 1, p 142-146, 2015.
  • 15. Referências Bibliográficas • KELLES, Silvana Marcia Brusch et al. Perfil de pacientes submetidos à cirurgia bariátrica pelo Sistema Único de Saúde do Brasil: revisão sistemática. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 31, n. 8, p 1587- 1601, Aug 2015. • LEE, Clare J. et al. Prevalence and Characteristics of Individuals without Diabetes and Hypertension Who Underwent Bariatric Surgery: Lessons Learned about Metabolically Healthy Obese. Surg Obes Relat Dis, v. 11, n. 1, p 142-146, 2015. • MALTA, Debora C. et al. Evolução anual da prevalência de excesso de peso e obesidade em adultos nas capitaus dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal entre 2006 e 2012. Rev. Bras. Epidemiol., São Paulo, v. 17, supl 1, p. 267-276, 2014. • WHO Fact Sheet No: 311 (2015). Overweight and Obesity. Updated June 2016. • CHEUNG, Bernard M. Y. et al Diabetes and Hypertension: Is There a Commom Metabolic Pathway? Curr Atheroscler Rep, v.14, n. 2, p. 160-166, 2012. • FARIA, Alessandra N. Et al. Tratamento de Diabetes e Hipertensão no Paciente Obeso. Arq Bras Endocrinol Metab, São Paulo, v. 46, n. 2, p. 137-142, 2002.