Por Felipe de Souza – www.psicologiamsn.com
Estudos Psicológicos – Testes da Teoria Psicanalítica 
“Este capítulo resume uma seleção dos primeiros 
estudos psicológic...
Desempenho psicomotor 
Estudos de Beck – Amostra de 178 pacientes 
psiquiátricos, submetidos a testes de dígito-símbolo e ...
Distorção do julgamento temporal 
“Muitos autores descreveram uma distorção na percepção 
de tempo nos transtornos afetivo...
Autoconceito 
Teste de autoconceito por Beck e Stein: avaliação de 
características como aparência, inteligência, atração ...
Desempenho 
Estudos realizados por Laxer indicaram que os 
pacientes deprimidos subestimam sua capacidade de 
real desempe...
Investigação Sistemática da Depressão por Beck 
-Começo das pesquisas com Abraham, em 1911. 
-“A literatura psiquiátrica i...
Investigação Sistemática da Depressão por Beck 
-Estudos de Beck – pouca investigação anterior sobre 
as hipóteses. Além d...
Investigação Sistemática da Depressão por Beck 
-Para Beck, havia a necessidade de: 
-1) isolar uma determinada constelaçã...
Investigação Sistemática da Depressão por Beck 
Estudo 1) Soldados deprimidos depois de terem 
matado acidentalmente um co...
Referencial teórico para Beck neste momento: 
1) Hostilidade inversa: “os pacientes estão 
basicamente com raiva de outra ...
Referencial teórico para Beck neste momento: 
1) Hostilidade inversa: “os pacientes estão basicamente 
com raiva de outra ...
Problemas: 
-De provar a hostilidade inversa 
-De provar a culpa 
-Outro problema teórico era comprovar que o sonho é 
a r...
“Com o enfoque do material em termos da percepção 
que os pacientes tinham de si mesmos e da realidade 
externa, a ênfase ...
Surge, então, um novo objetivo: 
-Desenvolvimento de um inventário para mediar a 
depressão (e servir de auxílio ao diagnó...
Mudança teórica: 
-Do sonho do depressivo como necessidade de sofrer para 
“o sonho como uma manifestação do autoconceito ...
Distorções cognitivas – Uma segunda fase de estudos 
Objetivo: determinar a natureza dos processos de 
pensamento dos paci...
Distorções cognitivas – Uma segunda fase de estudos 
Resultados: a depressão caracterizava-se por temas de 
baixa autoesti...
Distorções cognitivas – Uma segunda fase de estudos 
Resultados: “a ideação de pacientes deprimidos diferia 
da ideação do...
Distorções cognitivas – Uma segunda fase de estudos 
Epílogo: 
“Os estudos abordados sintetizam os testes originais de 
Be...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Curso Psicologia Cognitiva da Depressão Testes da Teoria Psicanalítica

559 visualizações

Publicada em

Slide do Curso Psicologia Cognitiva da Depressão, por Felipe de Souza - do site www.psicologiamsn.com

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
559
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
23
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Curso Psicologia Cognitiva da Depressão Testes da Teoria Psicanalítica

  1. 1. Por Felipe de Souza – www.psicologiamsn.com
  2. 2. Estudos Psicológicos – Testes da Teoria Psicanalítica “Este capítulo resume uma seleção dos primeiros estudos psicológicos da depressão (...) Os estudos aqui incluídos são aqueles, constantes na primeira edição, que possuem ligação conceitual com a investigação sistemática de depressão empreendida por Beck e que levaram diretamente ao desenvolvimento da teoria cognitiva (p. 150).
  3. 3. Desempenho psicomotor Estudos de Beck – Amostra de 178 pacientes psiquiátricos, submetidos a testes de dígito-símbolo e de vocabulário. “Em resumo, embora os pacientes deprimidos tendessem a reclamar de ineficiências cognitivas, eles se saíram tão bem nas situais de teste quanto pacientes não deprimidos” (p. 151).
  4. 4. Distorção do julgamento temporal “Muitos autores descreveram uma distorção na percepção de tempo nos transtornos afetivos. Os existencialistas em especial discorreram sobre a relevância da distorção de tempo para a experiência existencial do paciente (cap 11)” (...) Os autores constataram que cerca de três quartos dos pacientes achavam que o tempo estava passando mais devagar do que o normal, e essa sensação tendia a desaparecer na recuperação” (p. 152).
  5. 5. Autoconceito Teste de autoconceito por Beck e Stein: avaliação de características como aparência, inteligência, atração sexual, egoísmo e crueldade. “Este estudo indicou que pacientes deprimidos tendiam a dar a si mesmos notas baixas em traços socialmente desejáveis e notas altas em traços indesejáveis. Concluímos que o autoconceito é baixo em pacientes deprimidos comparados com pacientes não-deprimidos” (p. 155).
  6. 6. Desempenho Estudos realizados por Laxer indicaram que os pacientes deprimidos subestimam sua capacidade de real desempenho e que a inércia na depressão está relacionada mais à falta de motivação do que a inibição fisiológica
  7. 7. Investigação Sistemática da Depressão por Beck -Começo das pesquisas com Abraham, em 1911. -“A literatura psiquiátrica inicial contêm uma ampla variedade de teorias da depressão incluindo maior oralidade, hostilidade irrefletida e necessidade de manipulação de pessoas importantes no ambiente” (p. 156).
  8. 8. Investigação Sistemática da Depressão por Beck -Estudos de Beck – pouca investigação anterior sobre as hipóteses. Além disso, as explicações das causas da depressão também eram utilizadas para outros transtornos. Por exemplo, oralidade seria uma possível causa tanto para alcoolismo como esquizofrenia. -Hipóteses com a de Freud em Luto e Melancolia são complicadas de serem testadas.
  9. 9. Investigação Sistemática da Depressão por Beck -Para Beck, havia a necessidade de: -1) isolar uma determinada constelação ou construto que seja específico da depressão -2) Desenvolver métodos para testar as hipóteses no material clínico.
  10. 10. Investigação Sistemática da Depressão por Beck Estudo 1) Soldados deprimidos depois de terem matado acidentalmente um colega Hipótese: tendência de autopunição observável nos sonhos. Para Freud, o sonho seria a realização de um desejo. Para Beck, os sonhos de pacientes deprimidos seriam a realização de um desejo de sofrer (já no conteúdo manifesto).
  11. 11. Referencial teórico para Beck neste momento: 1) Hostilidade inversa: “os pacientes estão basicamente com raiva de outra pessoa (o objeto amoroso perdido) mas voltam sua raiva contra si mesmos 2) A necessidade de sofrer poderia ser vista como uma expressão direta das tendências de autopunição
  12. 12. Referencial teórico para Beck neste momento: 1) Hostilidade inversa: “os pacientes estão basicamente com raiva de outra pessoa (o objeto amoroso perdido) mas voltam sua raiva contra si mesmos 2) A necessidade de sofrer poderia ser vista como uma expressão direta das tendências de autopunição. Na medida em que algo foi feito contra o seu código moral (superego) ou há um desejo inaceitável, há culpa. A culpa leva ao desejo de se punir.
  13. 13. Problemas: -De provar a hostilidade inversa -De provar a culpa -Outro problema teórico era comprovar que o sonho é a realização de um desejo. Como não se pode provar isto, a teoria se sustenta sob uma base incerta.
  14. 14. “Com o enfoque do material em termos da percepção que os pacientes tinham de si mesmos e da realidade externa, a ênfase gradualmente mudou de um modelo motivacional inconsciente para um modelo cognitivo” (p. 158). Apesar da mudança, ficou comprovado que os pacientes deprimidos apresentam maior frequência de sonhos negativos do que pacientes não deprimidos.
  15. 15. Surge, então, um novo objetivo: -Desenvolvimento de um inventário para mediar a depressão (e servir de auxílio ao diagnóstico). -Hipótese seguinte: -Nos materiais cognitivos (sonhos e outras produções ideacionais), respostas a testes e situações controladas de estresse, existe uma associação significativa entre padrões autoderrotistas e depressão?
  16. 16. Mudança teórica: -Do sonho do depressivo como necessidade de sofrer para “o sonho como uma manifestação do autoconceito distorcido do indivíduo, interpretação negativa da experiência e expectativas desagradáveis” (p. 160). - Estudos seguintes: padrões de sonhos, testes de autoconceito, de desempenho, primeiras recordações da infância, de fantasia focalizada, de inventário negativo e levantamento da perda paterna e/ou materna antes dos 16 anos.
  17. 17. Distorções cognitivas – Uma segunda fase de estudos Objetivo: determinar a natureza dos processos de pensamento dos pacientes deprimidos: 1) Conteúdo de pensamento verbalizado que indica conceptualizações distorcidas irrealistas; 2) Processos envolvidos nos desvios do pensamento lógico ou realista 3) Características formais da ideação que mostram tais desvios; 4) Relação entre as distorções cognitivas e os afetos característicos da depressão
  18. 18. Distorções cognitivas – Uma segunda fase de estudos Resultados: a depressão caracterizava-se por temas de baixa autoestima, autorrecriminação, responsabilidades opressivas e desejos de fuga; estado de ansiedade por temas de perigo pessoal; estado hipomaníaco por temas de autoengrandecimento; estado paranoide hostil por temas de acusações contra os outros.
  19. 19. Distorções cognitivas – Uma segunda fase de estudos Resultados: “a ideação de pacientes deprimidos diferia da ideação dos não deprimidos na proeminência de alguns temas típicos, isto é, baixa autoavaliação, ideias de privação, exagero de problemas e dificuldades, autocrítica e autocomandos e desejos de fugir ou morrer” (p. 182).
  20. 20. Distorções cognitivas – Uma segunda fase de estudos Epílogo: “Os estudos abordados sintetizam os testes originais de Beck da teoria freudiana. Eles são mais ligados ao desenvolvimento inicial da teoria cognitiva da depressão. Como articulada nos capítulos a seguir, a ‘descoberta anômala’ dos estudos dos sonhos por fim gerou um novo sistema de tratamento, a terapia cognitiva (p. 182).

×