Parte 5 
PROBABILIDADE NOS PRIMEIROS ANOS ESCOLARES 
Autores : 
Guilherme Alves de Sousa 
Prof. Dr. Marinaldo Felipe da Si...
Os currículos de Matemática para os anos iniciais da Educação Básica apontam para a importância do estudo de probabilidade...
Apesar de não ser possível determinar com certeza o resultado que será obtido, pode-se prever os resultados possíveis e um...
Os Direitos de Aprendizagem para os anos iniciais indicam a necessidade de que o aluno compreenda que grande parte dos aco...
Para entender melhor o que é um trabalho com probabilidade em sala de aula, vamos partir uma atividade. Suponhamos um glob...
Nessa situação, para obtermos a bolinha azul no sorteio, teremos 7 possibilidades. No caso da bolinha marrom, apenas 3 pos...
Entretanto, se todas as bolas marrons já tiverem sido sorteadas, a próxima bola, com certeza, será azul. Nesse caso, temos...
Para encontrarmos os resultados prováveis e as chances de que cada um ocorra é preciso identificar, primeiro, todos os res...
Para que as crianças compreendam as possibilidades de um espaço amostral, é importante que elas desenvolvam um esquema par...
No problema a seguir ilustramos o uso de uma árvore de possibilidades como forma de mapear o espaço amostral.
Este é um tipo de situação na qual os alunos podem pensar que por haver mais bombons de caramelo, se tem uma maior chance ...
Crianças apresentam dificuldade em comparar essas situações, pois tendem a considerar apenas a quantidade de possibilidade...
sorteando-se o ajudante do dia: de posse de um saco opaco, pode-se sortear o ajudante do dia. Antes do sorteio, pergunta-s...
Sorteando quem começa o jogo: em situações de jogo é comum que as crianças disputem quem começará. O professor poderá inte...
Em atividades de contagem de experimentos aleatórios: é muito importante que a criança vivencie as contagens de experiment...
Pode-se também utilizar-se de gráficos para registrar os resultados. Observe a seguir um gráfico feito em um ábaco aberto ...
Podemos problematizar situações como essa. Por exemplo, observando a roleta abaixo, qual dos dois gráficos a seguir poderi...
Podemos perceber a partir desse texto, aspectos que podem subsidiar o professor nas aulas dos primeiros anos do Ensino Fun...
PNAIC - 2014 - Caderno 7 - EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA - PARTE 5 - PROBABILIDADE NOS PRIMEIROS ANOS ESCOLARES
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

PNAIC - 2014 - Caderno 7 - EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA - PARTE 5 - PROBABILIDADE NOS PRIMEIROS ANOS ESCOLARES

13.859 visualizações

Publicada em

PNAIC - 2014 - Caderno 7 - EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA - PARTE 5 - PROBABILIDADE NOS PRIMEIROS ANOS ESCOLARES ... MATERIAL DE APOIO AS FORMAÇÕES ..

Publicada em: Educação
2 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
13.859
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
140
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
839
Comentários
2
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

PNAIC - 2014 - Caderno 7 - EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA - PARTE 5 - PROBABILIDADE NOS PRIMEIROS ANOS ESCOLARES

  1. 1. Parte 5 PROBABILIDADE NOS PRIMEIROS ANOS ESCOLARES Autores : Guilherme Alves de Sousa Prof. Dr. Marinaldo Felipe da Silva (coordenador Adjunto de Matemática)
  2. 2. Os currículos de Matemática para os anos iniciais da Educação Básica apontam para a importância do estudo de probabilidades, uma vez que, em nosso cotidiano, situações de natureza aleatória sempre estão presentes. Jogos como dados, bingo, cara ou coroa, entre outros, são experimentos nos quais não é possível determinar com certeza o resultado que será obtido, ou seja, são aleatórios, também denominados não determinísticos.
  3. 3. Apesar de não ser possível determinar com certeza o resultado que será obtido, pode-se prever os resultados possíveis e um estudo sobre essas situações permite uma previsão da distribuição dos resultados quando repetido muitas e muitas vezes.
  4. 4. Os Direitos de Aprendizagem para os anos iniciais indicam a necessidade de que o aluno compreenda que grande parte dos acontecimentos do cotidiano são de natureza aleatória e é possível identificar prováveis resultados desses acontecimentos.
  5. 5. Para entender melhor o que é um trabalho com probabilidade em sala de aula, vamos partir uma atividade. Suponhamos um globo com sete bolas azuis e três marrons. Ao somarmos todas as bolinhas, teremos, com certeza, dez bolinhas. Porém, se sortearmos, sem olhar, uma bolinha do globo, não se saberá, com certeza, a cor da bolinha que irá sair.
  6. 6. Nessa situação, para obtermos a bolinha azul no sorteio, teremos 7 possibilidades. No caso da bolinha marrom, apenas 3 possibilidades num total de 10 bolinhas. Podemos dizer que a primeira situação é um evento mais provável enquanto que a segunda é um evento menos provável. Nesse mesmo jogo, seria impossível sortear uma bola branca. Dizemos que este é um evento impossível.
  7. 7. Entretanto, se todas as bolas marrons já tiverem sido sorteadas, a próxima bola, com certeza, será azul. Nesse caso, temos um evento certo.
  8. 8. Para encontrarmos os resultados prováveis e as chances de que cada um ocorra é preciso identificar, primeiro, todos os resultados possíveis – definir o espaço amostral. No lançamento de uma moeda No lançamento de um dado
  9. 9. Para que as crianças compreendam as possibilidades de um espaço amostral, é importante que elas desenvolvam um esquema para conseguir mapear todas as combinações sem esquecer nenhuma e nem tampouco repetir alguma. Para isso, pode-se propor que elas utilizem outras representações como quadros e árvore de possibilidades.
  10. 10. No problema a seguir ilustramos o uso de uma árvore de possibilidades como forma de mapear o espaço amostral.
  11. 11. Este é um tipo de situação na qual os alunos podem pensar que por haver mais bombons de caramelo, se tem uma maior chance de pegar dois bombons deste sabor. Na verdade, a representação utilizando a árvore de possibilidades contribui para a compreensão de que é mais provável pegar uma mistura caramelo e morango (4 possibilidades) do que de caramelo com caramelo (2 possibilidades). Entretanto, é impossível tirar duas balas de morango, pois só tem uma.
  12. 12. Crianças apresentam dificuldade em comparar essas situações, pois tendem a considerar apenas a quantidade de possibilidades favoráveis (fichas brancas). De fato, a caixa 1 tem mais fichas brancas do que a caixa 2, porém, a fração do número de fichas brancas em relação ao total de fichas em cada caixa é igual (4/6 = 2/3). Assim, é fundamental comparar a quantidade de eventos favoráveis com a quantidade de eventos possíveis no espaço amostral. Em sala de aula o trabalho com a probabilidade poderá fazer parte da rotina das crianças em várias situações
  13. 13. sorteando-se o ajudante do dia: de posse de um saco opaco, pode-se sortear o ajudante do dia. Antes do sorteio, pergunta-se que criança tem mais chance de ser sorteada. Nesse momento, é comum que elas digam que se trata de fulano ou ciclano, pois esse tem mais sorte. A intervenção do professor faz-se necessária, pois, de fato, não se pode saber quem será sorteado e o conceito de chance não tem relação com a ideia de sorte. O importante é que as crianças percebam que todos têm a mesma chance.
  14. 14. Sorteando quem começa o jogo: em situações de jogo é comum que as crianças disputem quem começará. O professor poderá intervir no sentido de sugerir diversos tipos de sorteio, seja nos dados, seja em jogos como par ou impar, etc.
  15. 15. Em atividades de contagem de experimentos aleatórios: é muito importante que a criança vivencie as contagens de experimentos aleatórios, e o faça em dias diferentes para notar que os resultados mudam e não são previsíveis. Pedir para que cada criança lance uma moeda 10 vezes, anotando o resultado: cara ou coroa. Atividades como essa ajudam as crianças no desenvolvimento do senso numérico e também abalam a percepção do senso comum em relação a sorte.
  16. 16. Pode-se também utilizar-se de gráficos para registrar os resultados. Observe a seguir um gráfico feito em um ábaco aberto que indica a quantidade de vezes que um determinado número saiu em um dado.
  17. 17. Podemos problematizar situações como essa. Por exemplo, observando a roleta abaixo, qual dos dois gráficos a seguir poderia melhor representar o que se espera em termos de resultado:
  18. 18. Podemos perceber a partir desse texto, aspectos que podem subsidiar o professor nas aulas dos primeiros anos do Ensino Fundamental. Apresentamos modos de encaminhar a discussão das noções de certeza, provável e impossível a partir de experimentos como jogos e brincadeiras (como par ou ímpar, ou zero ou um). Vimos como é importante desenvolver, pouco a pouco, com as crianças a ideia de mais ou menos chance, de espaço amostral, assim como de esquemas para o mapeamento das possibilidades.

×