Astrologia - Palestra

1.216 visualizações

Publicada em

Palestra - As Eras Astrológicas e a História da Humanidade

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.216
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
254
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
45
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Astrologia - Palestra

  1. 1. A ASTROLOGIA - APRESENTAÇÃO Astrologia vem do grego: Astra e Logos que significa literalmente ciência das estrelas. A Astrologia é um sistema de pensamento, de estudo, e de utilização das relações constantes que existem entre os movimentos celestes e os acontecimentos terrestres. É um veículo de interpretação da vida através da revelação do significado contido em seu simbolismo. A Astrologia é um sistema bastante flexível, altamente desenvolvido, evoluiu ao longo de milhares de anos, e seus métodos, técnicas e aplicações estão em permanente processo e sintetização.
  2. 2. A Mãe das Artes e das Ciências Há milhares de anos astrólogos vêm relacionando os movimentos dos planetas com toda espécie de atividade terrestre. Os astros sempre desempenharam um papel central na maior parte das civilizações. A preocupação do homem de saber sua posição no universo é primitiva, original. A organização social, os ritos religiosos, os reinados, os calendários agrícolas, tudo estava estruturado sob a organização cósmica. A Astrologia sempre teve essa função primordial de ser um instrumento cognitivo necessário para fazer a ponte entre o universo e o indivíduo, entre os deuses e o homem, entre o Céu e aTerra.
  3. 3. Leitura dos Sinais do Céu É uma doutrina filosófica que demonstra a existência de um íntimo relacionamento entre todos os planos da natureza: mineral, vegetal, humano, planetário e galáctico. A Astrologia é uma leitura de sinais. É uma linguagem apoiada numa estrutura matemática natural e integral (o organismo celeste), na simbologia universal depositada nas grandes tradições religiosas do mundo e em suas mitologias que eternamente alimentam nossas civilizações. Sua história é também a história do homem. A Astrologia contribui para o princípio unificador da vida, ela ensina que tudo se movimenta em ciclos e círculos e os estuda.
  4. 4. As Correspondências Celestiais A criança é o filho do homem. O homem é o filho da Terra. A Terra é um filho do Sol. O Sol é um filho da galáxia. A galáxia é o filho do seu pai super galáctico. E todos são Um na consciência do Pai-universo.  A idéia-força que constitui o dogma astrológico é a teoria geral da unidade do mundo e da interdependência de suas partes: tudo funciona no universo, de modo que todos os seus constituintes ou componentes participam de uma natureza comum e são solidários entre si. Daí decorre o princípio expresso pelo antigo texto hermético da Tábua de esmeralda: “ O que está no alto é como o que está embaixo, e o que está embaixo é como o que está no alto.” O indivíduo sendo uma cópia miniaturizada do universo, uma mesma vida circulando de um ao outro, forças humanas e energias naturais sendo da mesma espécie.
  5. 5. A FILOSOFIA DA ASTROLOGIA As correspondências são fatos estatísticos e se há um erro é o fato de interpretá-las como determinismo e de se imputar aos astros um poder causal que não têm, ao invés de se entender o comportamento sistêmico como universal, onde se encontra uma correspondência analógica entre as várias estruturas: biológica, psicológica, histórica, social, planetária, etc A Astrologia nos ensina que existe harmonia e simetria no universo, e que todos são parte de um todo. Assim, você deve entender a Astrologia como uma filosofia que ajuda a explicar a vida, e não como uma arte ou ciência preditiva. “Nascemos num dado momento, num dado lugar, e temos como os vinhos célebres, as qualidades do ano e da estação que nos viram nascer.” C. G. Jung
  6. 6. Uma Linguagem Simbólica Ao estudarmos Astrologia, veremos como a energia incorporada a um planeta irá se manifestar nos vários reinos da criação: mineral, vegetal, animal e humano. Veremos como este conjunto de leis universais permeia e unifica toda força vital do cosmo. Como linguagem simbólica, a Astrologia une, reproduz a totalidade do universo, do ser, juntando todos os aspectos da vida: filosofia, ciência, religião e arte. Reafirma a força e a capacidade iniciais perdidas pelo ser humano, quando foi separado em disciplinas, quando a unidade do ser humano e da natureza foi quebrada. A Astrologia é um poderoso instrumento de sintonização com o Cosmo e com o nosso Ser, possibilitando a tomada de consciência de nosso papel no processo de evolução.
  7. 7. Declínio & Renascimento Com o advento do “pensamento científico”na Europa, meados do século XVII, a Astrologia deixou de ser considerada importante na Medicina e entrou em declínio. No final do século XIX, a partir de madame Blavatski, fundadora da Teosofia, há uma volta no interesse pela Astrologia, e despontam estudiosos como Jung, Alan Leo, Edgar Cayce. Planetas novos, invisíveis a olho nu, foram descobertos, mudando muitos conceitos antigos: Urano, 1781, na época da Revolução Francesa, Netuno em 1846, na época do desenvolvimento da anestesia, e Plutão em 1930, na época das primeiras tentativas de se utilizar energia nuclear.
  8. 8. As Eras Astrológicas O céu estrelado constitui um quadro correto onde se inscreve, a história do passado e do futuro – quer da Humanidade quer da Terra. Toda a História, nos seus domínios, se encontraria em paralelismo com este fenômeno solar cíclico: a precessão dos equinócios. Haveria, assim, um eterno retorno das mesmas fases religiosas pelas quais deve passar a evolução de conjunto da humanidade. A espiral cósmica.” Jean Phaure De forma impressionante, as características do comportamento humano, seus princípios éticos e morais, a forma de reação da nossa espécie ao ambiente do planeta mostram o acerto do conceito de Eras, comprovado que é pelas pesquisas da moderna arqueologia e pelos avanços da antropologia, responsáveis por descobertas que identificam no tempo as diferentes Eras da evolução astrológica da espécie humana.
  9. 9. A Precessão dos Equinóceos No Século II, Hiparco, grego, já havia percebido que o eixo da Terra giravaem torno dele mesmo – assim como um pião – fazendo um movimento inclinado (porque aTerra éinclinada em 23º27’). Esse movimento é retrógrado, isto é, anda para trás, percorrendo todas as constelações. Por isso ocorre a precessão dos equinócios. Um dos mais importantes ciclos evolutivos, no qual esse processo de ligar o menor ao maior é realizado, é o período de 25.868 anos, que é o período para que a precessão dos equinócios execute uma passagem completa pelo cinturão do Zodíaco Sideral das Constelações, conhecido como o Grande Ano Sideral. Este ciclo é dividido em 12 épocas ou meses de 2.160 anos, cada uma das quais é chamada uma Era.
  10. 10. O Grande Ano Precessional Assim como nós nascemos sob determinado Signo para desenvolvermos aqueles campos de experiência individual necessários a nossa alma, assim também a Humanidade vive cada Era Astrológica para desenvolver os Arquétipos astrológicos necessários a sua Evolução. O micro se reflete no macro e vice-versa. A Astrologia é o estudo dos ciclos, ela enfoca as relacões entre os maiores ciclos da Terra e os ciclos pessoais do indivíduo. O crescimento de uma pessoa é condicionado pela época na qual ela chega a este mundo. Essas sutis variações podem ser examinadas através do estudo dos maiores períodos cósmicos através dos quais passa a Humanidade em sua longa viagem em direção ao seu destino evolucionário.
  11. 11. A POLARIDADE DAS ERAS Cada Era é regida por um signo e pelo seu signo oposto. Cada signo de um par procura e é atraído pelas qualidades de seu oponente, se bem que oposto complementar. Áries deseja ter o julgamento de Libra; Libra deseja ter mais da auto-direção de Áries. Touro busca o rejuvenescimento de Escorpião, enquanto este busca a estabilidade do Touro. Gêmeos precisa da amplitude de visão incorporada por Sagitário, enquanto este procura a metodologia e a jovialidade dos Gêmeos. Câncer busca a resistência de Capricórnio; Capricórnio a suavidade e compreensão de Câncer. Leão necessita da sociabilidade de Aquário, enquanto o aguadeiro busca o sentido de individualidade e a força do Leão. Virgem o total desprendimento de Peixes; Peixes deseja ser capaz de discriminar e racionalizar como faz Virgem.
  12. 12. ERA DE VIRGEM - De 13.151 a 10.991 a.C Nessa época longínqua, o ser humano evolui para o detalhe e o cuidado, que passam a dominar suas ocupações, a saúde e os hábitos. Evoluiu a capacidade de observação da espécie que deixa de reagir apenas ao ambiente e passa a interagir com os detalhes. As primeiras experiências agrícolas e a invenção das vestimentas foram importantes. O homem descobre o prazer de um alimento elaborado, ainda que tosco, e desenvolve noções primárias de saúde. Inventam mais instrumentos com a descoberta das especializações.  No final da Era Glacial o derretimento das geleiras, obrigou o Homem e a Fauna a se mudarem para as Américas, os trópicos ao ritmo das mudanças climáticas. O Homo Sapiens se impôs como espécie e foram os primeiros a colonizar todo o planeta. Exímio caçador, nosso ancestral extinguiu quase todas as espécies. Embora desde sua formação o mundo tenha passado diversas vezes pelo Grande Ano, a ação dos signos do Zodíaco sobre os Grandes Meses só pode ser avaliada pelos progressos culturais ocorridos na história do homem.
  13. 13. Era de Leão - De 10.991 a.C. a 8.831 a.C. Aqui, o homem desenvolve o senso de domínio e de poder e toma consciência de sua força física e de sua supremacia sobre a natureza. É também nesse momento que o ser humano descobre a diversão e o prazer; o processo criativo se revela em vários campos da atividade. O uso do corpo para se expressar, leva ao aparecimento das primeiras formas do teatro que mostram a representação do imaginário de cada indivíduo, e esta é incorporada ao cotidiano da espécie como meio de manifestação do grupo. A cerâmica surge como a manifestação mais evidente das artes, e as pinturas rupestres expressam o sentido dramático da vida do ser humano na busca de um registro de cenas do cotidiano que ficará para seus descendentes. O calor do Sol de Leão, colocou um fim a Era Glacial, foi quando se descobriu no sudoeste da França, norte da Espanha e nos Pirineus, centenas de grutas com pinturas rupestres representando símbolos e animais, provas da riqueza cultural de então. Nesta Era houve o domínio do fogo e a domesticação dos animais, características de Leão e de seu oposto Aquário que rege o conhecimento e o espírito tribal .
  14. 14. Era de Câncer — De 8.831 a 6.671 a.C. Caracterizou-se pelo matriarcado e pela saída do homem do interior das cavernas, e pelo aparecimento de habitações fixas na China, Egito, Índia e Mesopotâmia atividades capricornianas. Os deslocamentos necessários ao sustento eram mínimos, as limitações postas à fecundidade porque o estilo de vida dependia menos das estações diminuiu e a população aumentou. Essa profunda mudança de comportamento conduziu ao início da agricultura e possibilitou que uma mesma parcela de terra alimentasse um número maior de indivíduos. Dessa ocasião datam os primeiros túmulos individuais representando mais respeito e os princípios de religiosidade em torno dos mortos e da morte. Criam-se linhagens de família distintas, os futuros clãs e tribos. A prática de ritos de fertilidade era bastante difundida, por causa da influência de Câncer, o signo da maternidade, da nutrição e do lar, aliada à de seu planeta regente, a Lua que preside as populações e a agricultura. São típicas desse período as esculturas arredondadas de mulheres com ventres acentuados e seios grandes (partes atribuídas a Câncer e à redonda Lua).
  15. 15. Era de Gêmeos - De 6.671 a 4.511 a.C. A influência dinâmica, versátil intelectual e comunicativa de Gêmeos reflete-se no prodígio daquele signo – a descoberta da escrita. Esse elo vital para o desenvolvimento da inteligência humana revela a necessidade de registrar e acumular informações. Começando com símbolos grosseiros rabiscados em objetos de argila, a escrita foi aperfeiçoada até adquirir a forma dos pictogramas e caracteres. Também a religião (atribuída a Sagitário), criou raízes e adquiriu um caráter formal e os primeiros grupos de homens reunidos para aprender foi organização acadêmica.  Surgem os primeiros humanos viajantes solitários, curiosos por conhecer gente diferente, novas experiências e técnicas. O ser humano amplia sua capacidade de se adaptar ao meio em que vive, ocorre então a miscigenação de clãs.  Aumenta o instinto de experimentar e de trocar experiências. o que envolve instrumentos de uso diário, armas e habitação. O amor geminiano pelo movimento, associado à ânsia pela comunicação física, manifestou-se na invenção da roda.
  16. 16. Era de Touro — De 4.511 a.C. a 2.351 a.C.  Touro, representa o estabelecimento material de uma civilização. É um signo de terra fixo e, como tal, implica em se identificar a consciência tribal dentro de um contexto geográfico. Isso acarretou a fusão dos recursos do povo com os recursos da terra. Assim estabelece-se o conceito de um lar nacional, transpondo as diferenças tribais, criando uma nova civilização. Nessa fase o homem se estabelece em espaços determinados e toma posse da terra, delimitando um território para seu clã e sua tribo.  Nesse processo, surgem os primeiros aglomerados humanos ordenados em habitações criadas com o trabalho, a maioria deles usando terra e pedra, os elementos essenciais a uma vida sedentária em territórios específicos. Por essa ocasião,estabelecem-se as bases das nossas primeiras civilizações.
  17. 17. A polaridade com Escorpião Quando misturamos a terra (Touro) com a água do rio Nilo (Escorpião), encontramos uma terra fértil capaz de produzir grande quantidade de material quando fecundada com sementes. Os bois alados dos caldeus, cultos ao Touro como o Minotauro do Labirinto de Creta e aos mortos (Escorpião) foram a forma mais popular de participação religiosa nesse período. Krsna é pintado como um pastor de gado, ainda hoje as vacas são sagradas na Índia. Os mortos eram embalsamados e decorados com grande cuidado e senso artístico e acompanhados de muitas das posses que a pessoa tinha; um touro vivo era selecionado pelos sacerdotes para representar o deus Ápis, que reinava no mundo subterrâneo de Escorpião.
  18. 18. O Faraó – o Homem-Deus O Faraó, além de ser a pessoa sobre a qual repousava todo o poder temporal, o ápice da pirâmide, sua consciência voltada para os céus e comunicando-se com ele. Este conceito de Homem-Deus é muito importante para os povos de cada uma das Eras, na era de Áries (César e Moisés), na Era de Peixes (Jesus Cristo), e na Era de Aquário (Homem Iluminado). Em sua coroa, o Faraó usava sempre a serpente, símbolo da sabedoria e de Escorpião, e em sua mão segurava o Ansata, símbolo do planeta Vênus (regente de Touro), simbolizando o domínio divino sobre o material. Se invertermos este símbolo, temos o glifo de Marte, o governante de Escorpião. É na história dos judeus, escravizados pelos egípcios, que encontramos a transição entre as Eras de Touro e de Áries. Foi o Grande Iniciado, Moisés, quem libertou os judeus da servidão da terra (Touro) através de peregrinações pelo deserto do Sinai (cúspide das Eras) para serem pioneiros na terra de Israel (Áries).
  19. 19. Era de Áries — De 2.351 a.C. a 191 a.C. A transição de uma grande Era para outra é lenta e gradual, porém as mudança no estilo arquitetônico é uma indicação dessa passagem, o fato que bem ilustra esta época é o contraste entre as pirâmides egípcias e a elegância de obras primas gregas como o Partenon (Libra) .  A chegada de Áries foi marcada por uma economia e civilização baseadas na guerra e na conquista versus uma existência mais pacífica, baseada na agricultura. O carneiro ariano era adorado pelas tribos nômades e guerreiras de Israel, que tinham tanto de sanguinárias quanto de religiosas. Cerca de 550 aC foi descoberto o ferro, metal marciano e ariano. A Era de Áries indicou a passagem de várias tribos e civilizações existentes para uma época de grande violência. Foi durante esse período que os impérios dos persas, romanos e egípcios detiveram um tremendo poder.
  20. 20. Moisés – O Avatara de Áries Foi nesse clima de opressão que Moisés emergiu da casa do Faraó para libertar os judeus e guiá-los para a Terra Prometida. Moisés incorporava todo o simbolismo de Áries: coragem, espírito de liderança, pioneirismo; ele codificou seus princípios na Lei Mosaica. Através deste Grande Iniciado foram revelados os Dez Mandamentos 1+0=1=Áries e trouxe-os montanha abaixo, onde encontrou os israelitas adorando o bezerro de ouro. Moisés proibiu a veneração de todas as manifestações religiosas e sociais de Touro. Jeová apareceu para ele na forma de uma sarça ardente, dizendo eu Sou o que Sou. A fé monoteísta dos hebreus foi característica da Era pois incorporava os princípios da profecia de um Deus único. Desde a queda de Israel nos tempos romanos, os judeus têm de carregar consigo um espírito corajoso e pioneiro, que os ajudou a sobreviver. Este trágico aspecto da raça deve-se ao conflito de vibrações entre a Era Cristã de Peixes no qual tiveram que viver e a Era de Áries quando a antiga Israel atingiu seu zênite. Moisés soprou o shofar, ou corno de carneiro estabelecendo o início de Áries O êxodo, a peregrinação dos judeus pelo Sinai, ilustra muito bem a passagem da Era doTouro para a de Áries.
  21. 21. Deuses, heróis e guerreiros Oferendas queimadas eram muito usadas nos rituais judaicos, a circuncisão, a iniciação dos machos à alma coletiva também refletem o espírito da Era. As vibrações do Carneiro são inerentes ao povo judeu que foi usado como o cordeiro sacrificial e ainda assim conseguiu começar a vida novamente. Foi nas cidades-estados guerreiras da Grécia e mais tarde em Roma que as culturas de Áries iriam florescer. As legiões eram sempre acompanhadas por carneiros vivos; os romanos e os gregos usavam aríetes contra cidades sitiadas. O Carneiro significava o desejo de expressar-se como indivíduo distinto, e um ego independente, para dominar o meio ambiente. A literatura da Era enfatizou as artes marciais, feitos de coragem por combatentes individuais, os grandes heróis da Mitologia Grega. Foi uma era de guerreiros e pensadores, onde predominavam as energias masculinas; uma Era na qual os homens pensaram em fundir- se com seus deuses, modelando a si mesmos pelas imagens dos Olímpicos, e aos Olímpicos pelas imagens de si mesmos.
  22. 22. Libra oferece as Leis e a Justiça Libra traz para esta Era um sentimento de justiça e a necessidade de codificar o comportamento social em conjuntos de leis e costumes. Libra representa a Lei e a estrutura moral em qualquer cultura. A Justiça foi criada para que os recém- libertados pioneiros do deserto tivessem uma estrutura sobre a qual basear sua sociedade. Libra e Vênus, influenciaram esta Era através dos códigos de justiça que foram adotados à época e que ainda hoje têm relevância. Além do código mosaico e a democracia da Grécia, Roma também inventou a Pax Romana, que é ainda a base de muitas legislações do mundo. O conceito de Deus que o homem tinha ao final da Era ariana era: os egípcios tinham seu Amon agora com a cabeça de carneiro; os gregos acreditavam serem eles próprios a imagem de seus deuses; os judeus viviam pelos códigos e a ética de Jeová, como foram revelados pelos Profetas. Os romanos desenvolveram César. César era a encarnação de Deus, era uma divindade. César era o espírito de Roma.
  23. 23. COMEÇA O NOVO GRANDE ANO A ERA DE PEIXES - De 191 a.C. a 1969 a.D. Por vários séculos antes do nascimento de Jesus, a Humanidade estivera preparando os alicerces para Sua chegada e Seus ensinamentos, que iriam modelar, não apenas a consciência de sua Era, mas a do Grande Ano inteiro. Durante os 500 anos anteriores à chegada de Jesus, nasceram muitos dos fundadores das religiões dos dias atuais. Buda, Zoroastro, Sri Caitanya, Lao-tsé e Confúcio, todos vieram à Terra ao final da profética Era de Áries. Eles deram ao mundo os ensinamentos que iriam unir os vários grupos tribais e étnicos do Oriente em conjuntos maiores. O Homem tinha de ser assim unido para que pudesse perceber a universalidade da Humanidade. Jesus iria realizar esta tarefa para o mundo ocidental. Em Peixes o foco foi transformado no desejo de fundir o Eu com uma realidade espiritual maior, através de uma experiência interior, mística e devocional.
  24. 24. O Cristo, A Estrela e os Magos A intelectualidade da Era anterior tinha dado ao Homem novas visões sobre si, revelando o indivíduo. A Humanidade queria escapar a tantas guerras e lutas no fio da espada ariana, procurando a paz e uma compreensão transcendente da vida. A Estrela de Belém era Júpiter conjunto a Saturno, e ambos estavam em Peixes, que apareceu ao pôr-do-sol de terça-feira, 15 de setembro de 7 a. C., esta é a hora do nascimento de Cristo. Virgem com Ascendente em Peixes. Na Era de Peixes abandonou-se o conceito de fusão do Homem com Deus tornando-se uma união espiritual usando amor, compaixão e serviço. Em Peixes o foco foi transformado no desejo de fundir o Eu com uma realidade espiritual maior, através de uma experiência mística.
  25. 25. Jesus é peixe, Maria é virgem e mar Jesus vem do grego Ichtys e significa “peixe”. Maria era uma virgem (Virgo). O nome Maria vem do sânscrito maya, significando o mar. Do mar vem o peixe; de Maria veio Jesus. A religião cristã está repleta da simbologia de Peixes. O costume de comer peixe às sextas-feiras dia regido por Vênus que se exalta no signo. Jesus escolheu seus discípulos entre os pescadores dizendo que os faria “pescadores de homens”. O milagre dos peixes e dos pães (Virgo). O sacramento do batismo para lavar os pecados. Os primeiros cristãos se identificavam desenhando um peixe na areia, pintando-o na palma mão, nas catacumbas o peixe era inscrito nas lápides. Como Peixes é o signo do auto- sacrifício, não é de se admirar que os primeiros cristãos desejassem sofrer martírios para entrar no reino dos céus.
  26. 26. A igreja alcança grande poder A mudança de Áries para Peixes é revelada pelo fato que a sede do Império Romano tornou-se o Vaticano. A Igreja atingiu o máximo de sua influência na Idade Média O desejo pisciano de retirar-se do mundo, manifestou-se na vida monástica da época e diversas ordens controlavam muitas terras, detinham grande poder e riqueza. Influência de Júpiter co/regente de Peixes, que rege os religiosos. Seus raios invocam Filosofia e, teologia. Pelo séc. XVI a igreja de Peixes havia estendido suas doutrinas e Inquisição ao Novo Mundo. Em nome de Cristo e nas trevas do absolutismo, milhares foram levados à morte. A cobiça, o poder e a expansão da doutrina, foram manifestações negativas dessa Era. Peixes é dual e podemos perceber isto na dicotomia entre o bem e o mal, Deus e o diabo, as diferenças entre o ocidente e o oriente, a má distribuição de riquezas.
  27. 27. O Legado de Peixes As viagens ao novo mundo e as Grandes descobertas, introduzindo uma consciência esférica do mundo. O impulso para a renascença, novas rotas marítimas são manifestações da Era. Os medicamentos e a anestesia são de Peixes, assistimos nos últimos 50 anos a ascensão da indústria farmacêutica, a descoberta de vários medicamentos. Embora o consumo de drogas tenha sempre existido, agora elas representam a decadência da Era de Peixes, pois são usadas junto com o narcotráfico. As experiências psicodélicas com LSD, pesquisas sobre o inconsciente e a nova ciência Psicologia são retratos piscianos. Os sonhos também foram interpretados e explorados como nunca nesta Era. A fotografia, o cinema e a televisão são regidos por Netuno. Espera-se que a II Guerra Mundial tenha sido o último grande sofrimento global e de perseguição religiosa da Era. Jesus nascido entre o judeus, introduziu esta Era. Adolf Hitler, o anticristo, assassino de judeus, encerrou-a.
  28. 28. Transição de Peixes para Aquário No presente nos encontramos num período muito fascinante, se bem que um tanto perturbador – a cúspide, ou linha fronteiriça entre 2 Eras mundiais. Isto significa que não nos desembaraçamos das vibrações de Peixes, nem fomos completamente absorvidos nos raios do Aquário. É um estado de ser semelhante ao período entre a infância e a puberdade - um tempo crítico. Mas uma pessoa não vai para a cama certa noite e acorda um adolescente no dia seguinte; o processo é gradual. Da mesma forma, as Eras mundiais fundem-se uma na outra. Assim, descobrimos hoje que vivemos no legado de Peixes e na promessa de Aquário.
  29. 29. Era de Aquário - De 1.969 a 4.129 Neil Armstrong, o primeiro ser humano a pisar num solo fora da Terra, formalizou a mudança das Eras descendo as escadas do módulo lunar e caminhando, num evento que simboliza a cúspide do Aquário. E as primeiras palavras usadas por ele foram "Este é um pequeno passo para o homem mas um grande passo para a humanidade"! Outro evento, realizado dias depois, veio a compor o quadro que comprovava o momento exato da mudança de Era. O Festival de Woodstock mudou, os conceitos do homem sobre as razões de sua existência. Pela primeira vez eram questionados os princípios que nortearam o crescimento material da humanidade. Como resultado de uma contracultura, a era hippie mostrava novos conceitos de substituição da ordem vigente, pois defendiam em Woodstock a importância maior do "ser", que se sobrepõe ao "ter".
  30. 30. Uma nova Humanidade, um novo Tempo A mensagem da Era de Aquário é que a Humanidade como um todo é o Messias que as propriedades do Salvador no interior do Homem são liberadas e reveladas à medida que a consciência e a evolução se desenvolvam. Cada indivíduo pode encontrar essa Luz no interior e trazê-la para iluminar os outros até que a raça Humana inteira se torne iluminada. O verdadeiro templo é o nosso corpo e que a prática da “religião Aquariana” não está fora, na congregação, mas em seu interior, nos momentos de meditação, de amor e doação ao seu irmão. Que não há mais a necessidade de um mediador entre nós e o Pai mas, que podemos falar diretamente com Ele. Já existem muitas pessoas vivendo segundo a “Nova Consciência” em todo o planeta e aqui no País do futuro existe um rico celeiro de pessoas e tribos aquarianas disseminando as sementes da “Nova Humanidade”.
  31. 31. As novas fontes de energia  Á medida que o abastecimento do petróleo pisciano tornar-se inviável economicamente existe na mesma proporção grandes pesquisas em busca de novas fontes de energia. A polaridade de Aquário é Leão, signo do Sol, a energia solar será muito usada na Nova Era. Novos usos da energia atômica e uma mudança mais decisiva em termos de física atômica já estão ocorrendo. A necessidade de aprender a economizar e a dividir os recursos disponíveis mais equitativamente entre as pessoas é uma feição da Era que vem aí. As mudanças na Arquitetura que tem sido menores e mais humanas. Com o aumento da população, sistemas mais eficientes de transporte de massas são desenvolvidos
  32. 32. Uma nova autoconsciência Urano traz a necessidade de ser diferente, original, inventivo, genial, único, fraterno e revolucionário. A autoconsciência é uma prioridade para o homem ou mulher de Aquário. Quanto maior a percepção do ser, tanto maior a possibilidade de evolução. . O poder que será liberado na forma de novas fontes de energia deverá ser canalizado e dominado para que seja benéfico à humanidade A globalização é um fenômeno aquariano. As novas formas de relacionamentos também. A clonagem e a ciência genética, coisas de ficção científica até pouco tempo, também é relativo as energias da Nova Era. A internet, a grande rede que une as pessoas de uma forma impessoal ilustra bem o espírito da época. O desenvolvimento da mente intuitiva superior e os poderes paranormais. A Astrologia e a Astronomia bem como a exploração do espaço, a chegada a Lua, contatos com povos de outros planetas, serão fatores de destaque.
  33. 33. O Futuro depende de nós A estrada para a paz é longa. Antes que uma tranquilidade universal, a Era de Ouro, possa se manifestar, deve antes ser encontrada dentro de cada um. Mas estamos entrando no ponto de mutação na evolução da consciência Humana. Estamos percebendo mais do que nunca a interdependência de uma nação em relação à outra, de um indivíduo em relação ao outro. Isto é muito importante. Os direitos do homem, entendidos como naturais e fundamentais, ganham força e se espalham como premissa básica de conquista de igualdade social. A mulher deixa os cantos escuros que a faziam matriz e nutriz para se igualar ao homem em força, direitos e deveres. As ciências e as artes se livram da tutela das lideranças religiosas e governamentais e abrem seu próprio espaço. A inventividade humana ganha foros de verdadeira explosão de tecnologia, nos quais o crescimento e o desenvolvimento se medem em progressão geométrica.

×