Acção formação pte1

1.425 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.425
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
140
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  •   A mobilidade dos aprendentes (por diferentes áreas), o crescente impacto da aprendizagem informal (não se limita à escola mas estende-se à comunidade e redes pessoais), a aprendizagem como processo contínuo levam a que “saber como” e o “saber o quê” sejam suplantados pelo “saber onde” – o conhecimento de onde se encontra o conhecimento de que se precisa. Segundo o conectivismo a Aprendizagem é um processo que ocorre num ambiente onde os elementos centrais estão em mudança – a aprendizagem pode residir fora de nós mesmos e as conexões que nos capacitam aprender mais são mais importantes que o nosso actual estado de conhecimento.
  • Acção formação pte1

    1. 1. Ensino e Aprendizagem com TIC na Educação Pré-Escolar e no 1.º Ciclo Ádila Faria  adifaria@sapo.pt Paulo Faria [email_address]
    2. 2. <ul><li>Sessão: 1 </li></ul><ul><ul><li>Apresentação do Curso de Formação pelo Director do Centro de Formação; </li></ul></ul><ul><ul><li>Apresentação dos Formandos e Formadores; </li></ul></ul><ul><ul><li>Calendarização; </li></ul></ul><ul><ul><li>Enquadramento do PTE; </li></ul></ul><ul><ul><li>AS TIC no currículo do pré-escolar e no 1.º ciclo. Potencialidades e Desafios.  </li></ul></ul><ul><ul><li>Apresentação do espaço de interacção: </li></ul></ul><ul><ul><li>http://cursodeformacaopte.blogspot.com </li></ul></ul>
    3. 3. Calendarização  Turma -- 1.ª Sessão 2.ª Sessão 3.ª Sessão
    4. 4. O PTE - missão e objectivos O Plano Tecnológico da Educação (PTE) é o maior programa de modernização tecnológica das escolas portuguesas, aprovado em Agosto de 2007 pelo Governo. 
    5. 5. O PTE interliga de forma integrada e coerente um esforço ímpar na infra-estruturação tecnológica das escolas, na disponibilização de conteúdos e serviços em linha e no reforço das competências TIC de alunos, docentes e não docentes. Com o PTE, as escolas portuguesas estão a transformar-se em espaços de interactividade e de partilha sem barreiras, preparando as novas gerações para os desafios da sociedade do conhecimento .
    6. 6. <ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Razões justificativas da acção </li></ul><ul><ul><li>Papel das tecnologias na sociedade actual; </li></ul></ul><ul><ul><li>Integração deve ser de feita de forma transversal ; </li></ul></ul><ul><ul><li>Potencial promissor na melhoria da qualidade das aprendizagens; </li></ul></ul><ul><ul><li>Promoção da comunicação e do trabalho colaborativo ; </li></ul></ul><ul><ul><li>Para o conhecimento de recursos educativos; </li></ul></ul><ul><ul><li>No desenvolvimento de competências conducentes a práticas inovadoras ; </li></ul></ul><ul><ul><li>Na importância da formação ao longo da vida (autoformação ou formação certificada); </li></ul></ul><ul><ul><li>Utilização das TIC na organização e desenvolvimento de experiências potenciadoras da construção de aprendizagens . </li></ul></ul>
    7. 7. <ul><li>Efeitos a produzir: mudanças de práticas, procedimentos ou materiais didácticos </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><ul><li>  Conhecimento e partilha de experiências inovadoras com recurso às TIC; </li></ul></ul><ul><ul><li>Concepção, implementação e avaliação de situações de aprendizagens a realizar com os alunos; </li></ul></ul><ul><ul><li>Utilização legal e eticamente correcta as tecnologias de informação e comunicação; </li></ul></ul><ul><ul><li>participação em redes de trabalho colaborativo de educadores e formadores </li></ul></ul>
    8. 8. Sociedade da Informação O professor terá de se apropriar de novos artefactos, que implicam alteração de paradigmas no processo ensino e aprendizagem – há uma nova relação com o saber .
    9. 9. Os suportes de leitura e escrita são tendencialmente digitais (msn, chat, fórum, Internet, SMS, e-mail, e-book…).  Estamos perante um novo tipo de interacção social.
    10. 10. As escolas - e os sistemas educativos no seu todo - enfrentam o fantástico desafio de reinventar os currículos de modo a dar resposta às necessidades de um novo mundo e à formação de estruturas humanas com competências multidisciplinares . Complexidade, diversidade, mobilidade, conectividade são palavras-chave do processo.
    11. 11. A tecnologia, por si só , não provoca qualquer alteração no processo de ensino e aprendizagem.
    12. 12. AS TIC no currículo do pré-escolar e no 1.º ciclo.  Potencialidades e Desafios.
    13. 13. TRANSFORMAR A PRÁTICA Com base no esquema “Transformar a praxis Formosinho, J. (2010)
    14. 14. <ul><li>Referenciais normativos: </li></ul><ul><ul><li>OCEPE (Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar; </li></ul></ul><ul><ul><li>Currículo Nacional para o Ensino Básico; </li></ul></ul><ul><ul><li>Competências essenciais: Língua Portuguesa, Matemática e Estudo do Meio; </li></ul></ul><ul><ul><li>Programa de Português para o Ensino Básico (2009); </li></ul></ul><ul><ul><li>Plano Tecnológico da Educação (PTE). </li></ul></ul>
    15. 15. Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar (OCEPE) &quot;Se a linguagem oral e a abordagem à escrita merecem uma especial atenção na educação pré-escolar, as novas tecnologias da informação e comunicação são formas de linguagem com que muitas crianças contactam diariamente.&quot;  “ A utilização dos meios informáticos a partir da educação pré-escolar, pode ser desencadeadora de várias situações de aprendizagem, permitindo a sensibilização a um outro código, o código informático cada vez mais necessário” e o qual […] pode ser utilizado em expressão plástica e expressão musical na abordagem ao código escrito e na matemática&quot;. (OCEPE, 1997: 72).
    16. 16. <ul><li>Currículo Nacional para o Ensino Básico </li></ul><ul><li>Competências gerais: </li></ul><ul><ul><li>Mobilizar saberes culturais e tecnológicos para compreender a realidade e abordar situações e problemas do quotidiano; </li></ul></ul><ul><ul><li>  Usar adequadamente linguagens das diferentes áreas do saber cultural, científico e tecnológico para se expressar; </li></ul></ul><ul><ul><li>Pesquisar, seleccionar e organizar informação para transformar em conhecimento mobilizável. </li></ul></ul>
    17. 17. <ul><li>Ao longo dos ciclos  </li></ul><ul><li>(perspectiva transversal) </li></ul><ul><ul><li>A predisposição para recolher e organizar dados relativos s uma situação ou a um fenómeno e para os representar de modos adequados, nomeadamente através de tabelas e gráficos e utilizando as novas tecnologias. (Competência Matemática)  </li></ul></ul><ul><ul><li>A utilização das potencialidades das Tecnologias de Informação e Comunicação no desenvolvimento das experiências de aprendizagem , da iniciativa dos alunos e ou dos professores (pesquisas na Internet, utilização de softwere específico, enciclopédias em cd-room, dicionários, jogos...). (Competência Estudo do Meio) </li></ul></ul>
    18. 18. Programa Nacional de Português para o Ensino Básico (2009) &quot;O ensino do Português desenrola-se hoje num cenário que apresenta diferenças substanciais, relativamente ao início dos anos 90 do século passado. Exemplo flagrante disso: a projecção, no processo de aprendizagem do idioma, das ferramentas e das linguagens facultadas pelas chamadas tecnologias da informação e comunicação , associadas a procedimentos de escrita e de leitura de textos electrónicos e à disseminação da Internet e das comunicações em rede &quot;.
    19. 19. Convém ter em conta que a existência de novos cenários, linguagens e suportes para o acesso à informação exige o domínio de literacias múltiplas, nomeadamente, a literacia informacional (associada às tecnologias de informação e comunicação) e a literacia visual (leitura de imagens). Este facto torna imprescindível, desde cedo, a convivência com diferentes suportes e com diferentes linguagens (p. 63).
    20. 20. <ul><li>Referenciais Pedagógicos </li></ul><ul><li>  (modelos e correntes) </li></ul><ul><ul><li>Construtivista (Piaget,Vigotsky)   </li></ul></ul><ul><ul><li>O conhecimento constrói-se pelo diálogo e pela crítica, e é colectivo. </li></ul></ul><ul><ul><li>Conectivista (George Siemens) </li></ul></ul><ul><ul><li>Aprendizagem é um processo que ocorre num ambiente onde os elementos centrais estão em mudança – a aprendizagem pode residir fora de nós mesmos e as conexões que nos capacitam aprender mais, são mais importantes que o nosso actual estado de conhecimento). </li></ul></ul><ul><ul><li>Actividades integradoras - modalidade de projecto </li></ul></ul><ul><ul><li>- &quot;Desenvolver actividades integradoras de diferentes saberes, nomeadamente a realização de projectos.&quot; in CNEB. </li></ul></ul>
    21. 21. O modelo tradicional de ensino, em que o professor detém o conhecimento e o aluno absorve os conteúdos &quot;é inapropriado&quot; para esta nova geração que &quot;cresceu com interactividade e colaboração (…)&quot;.  &quot;Dar às suas crianças o seu direito de nascença que é ter acesso a um novo meio de comunicação que melhora a sua aprendizagem e experiência humana&quot;.  Don Tapscott (2009)
    22. 22. <ul><li>Referenciais Científicos </li></ul><ul><ul><li>Em Portugal e em todo mundo estuda-se cada vez mais a integração das tecnologias na sala de aula (ver bibliografia.) Exemplo: Educação, Formação & Tecnologias </li></ul></ul>
    23. 23. <ul><li>Referenciais para a monitorização/avaliação </li></ul><ul><ul><li>todos os processos que permitem aferir e avaliar o desenvolvimento das competências dos alunos superiormente definidos; </li></ul></ul><ul><ul><li>avaliação pelos pares nos órgãos intermédios. </li></ul></ul>
    24. 24. <ul><li>Proposta de Actividade </li></ul><ul><ul><ul><li>Depois de visualizar este vídeo, considera que a integração das TIC no jardim-de-infância e no primeiro ciclo podem trazer alterações significativas na aprendizagem? </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Este vídeo poderia ser subdividido em três partes fundamentais, tendo em conta a sua mensagem. </li></ul></ul></ul><ul><li>           Refira-as e justifique as opções que tomar. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Ver aqui . </li></ul><ul><li>  </li></ul>
    25. 25. Guião disponibilizado no blogue de apoio ao curso de formação “ Ensino e Aprendizagem com TIC na Educação Pré-Escolar e no 1.º Ciclo” <ul><ul><li>http://cursodeformacaopte.blogspot.com </li></ul></ul>Centro de Formação da Associação de Escolas dos Concelhos de Barcelos e Esposende 2010

    ×