Chocolate

1.240 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.240
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Chocolate

  1. 1. O chocolate e os efeitos benéficos para a saúde Aline Sayuri B. Silva Estagiária curricular em Saúde Pública, do Centro Universitário São Camilo, no Centro de Atendimento e Apoio ao Adolescente (CAAA) – UNIFESP A idéia de que o alimento possa prevenir ou curar certas doenças teve inicio na cultura chinesa, no qual as pessoas acreditavam que os alimentos possuíam efeitos medicinais1. O grão de cacau usado como ingrediente do chocolate, é rico em compostos denominados polifenóis2. Os flavonóides são os polifenóis mais abundantes em nossa dieta e o consumo de polifenóis tem sido alvo de interesse de consumidores e indústrias de alimentos por diversas razões3. Os flavonóis, presentes no cacau, possuem muitas ações biológicas em sistemas relevantes para a saúde humana. Moléculas envolvidas no processo de inflamação que estão presentes na maioria das doenças cardiovasculares devem ser lembradas como promissores alvos na prevenção e no tratamento dessas doenças4. Sugere-se que os alimentos ricos em polifenóis levam à diminuição da incidência de doenças ateroscleróticas. Além do mais, o consumo diário de uma dieta balanceada é importante para a promoção da saúde humana 2. História do cacau e do chocolate O cacaueiro é uma planta da família Sterculiaceae, nativa das florestas quentes e úmidas das terras baixas do México e da América Central e das bacias dos rios Amazonas e Orinoco5. O primeiro nome dado à árvore do cacau foi Amygdalae pecuniariae, que quer dizer “amêndoa-dinheiro”, por seu significado como moeda de intercâmbio. No
  2. 2. entanto, foi o sueco Carl von Linne quem realizou a primeira classificação botânica, denominando-a Theobroma cacao, que significa “cacau, alimento dos deuses” 6. Quando os primeiros colonizadores espanhóis chegaram à América, o cacau já era cultivado pelos índios, principalmente os Astecas, no México, e os Maias, na América Central. Eles consideravam as sementes de cacau tão valiosas que as usavam como moeda. De acordo com os historiadores, o cacaueiro, chamado cacahualt, era considerado sagrado7. Descoberto pelos povos Maias e Astecas em 1500 a.C., o chocolate passou a ser difundido pelo mundo a partir do século XVI, quando o conquistador espanhol Hernán Córtes esteve no México e o levou para a Europa. Naquela época, os Astecas tomavam-no como uma bebida amarga e fria, preparada a partir da fruta do cacaueiro. Eles adicionavam pimenta e outras especiarias na bebida e a chamavam de "xocolatl" ou "chocoatl" (água amarga) 8 . Foi na Espanha que o chocolate recebeu a adição de açúcar, canela e baunilha. No século seguinte, viajantes e comerciantes o introduziram na Alemanha, França e Itália. A comercialização do chocolate começou em torno de 1875, quando o suíço Daniel Peter utilizou o leite em pó, inventado por seu conterrâneo Henri Nestlé, e apresentou ao mundo o chocolate ao leite 8 . Após o descobrimento da sua existência pelo mundo civilizado, o cacau percorreu um longo caminho. Sua história foi cercada de lendas e está marcada por episódios curiosos: foi usado pelos Astecas como moeda, provocou discussões entre os religiosos sobre o seu uso nos conventos (devido às suas supostas propriedades afrodisíacas) e, por muito tempo, foi uma bebida exclusiva das mais faustosas cortes da Europa. Suas sementes, levadas para outras regiões e continentes, formaram grandes plantações e desta maneira seu cultivo se espalhou pelo mundo7.
  3. 3. Características do chocolate O chocolate é um alimento de grande valor nutritivo e energético (cerca de 523,8 Kcal em 100g). Seus três ingredientes: cacau, leite e açúcar levam-no a ser considerado como um alimento balanceado, devido ao teor de proteínas, carboidratos, lipídios, sais minerais e vitaminas9. Para a produção de chocolate com alto teor de polifenóis é necessária a escolha do grão do cacau rico em polifenóis, a utilização de grãos subfermentados e a redução do tempo e da temperatura de tratamento térmico10. Vários métodos são utilizados para diminuir o amargor e a sensação de adstringência, como os aditivos de flavor e leite em pó, além de algumas variações no processamento do chocolate 11. Benefícios para a saúde cardiovascular Os benefícios atribuídos ao chocolate devem-se à presença do cacau em sua composição. Os componentes encontrados no cacau, os flavonóides, são responsáveis pela proteção contra doenças cardiovasculares 12. Em um estudo realizado em 2004, o consumo de cacau e de chocolate aumentou a concentração de colesterol HDL (colesterol “bom”), o que está relacionado com a diminuição do risco de doenças cardiovasculares13. Em um diferente estudo, foi demonstrado que o LDL (colesterol “ruim”) não sofre oxidação dentro do organismo por causa do efeito antioxidante de compostos presentes nos alimentos, como os flavonóis do chocolate, a vitamina E e C 14. Os flavonóides encontrados no cacau agem também na diminuição da pressão arterial, interferindo na melhora da função endotelial dos vasos15. Apesar de o cacau e o chocolate terem sido consumidos por centenas de anos, apenas recentemente começou-se a conhecer e a entender os benefícios deste saboroso alimento. A idéia não é recomendar um consumo exagerado de chocolate, sobretudo aos indivíduos obesos ou com sobrepeso que deveriam restringir ou evitá-lo, mas sim uma ingestão em quantidade reduzida e freqüente, que garanta a saúde, principalmente cardiovascular6.
  4. 4. Referências 1) DAI, Y.; LUO, X. Functional food in China. Nutrition Reviews, v.54, n.11, p.S21- S26, 1996. 2) BABA, S. et al. Continuos intake of pholyphenolic compounds containg cocoa powder reduces LDL oxidative susceptibility and has beneficial effects on plasma HDL-cholesterol concentrations in humans. American Journal of Clinical Nutrition, USA, v.85: 709-717, 2007 (b). 3) SCALBERT, A.; WILLIAMSON, G. Dietary Intake and Bioavailability of Polyphenols, Journal of Nutrition, v.130, p.2073S-2085S, 2000. 4) SELMI, C. et al. The Anti-inflammatory Properties of Cocoa Flavonols. Journal of Cardiovascular Pharmacology, v.47, n.2, p.163-171, 2006. 5) NAKAYAMA, L. et al.Contribuição ao estudo anatômico da folha e do caule do cacaueiro -Theobroma cacao L. Scientia Agricola. v. 53, n. 1,Piracicaba Jan./Abr. 1996. 6) VALENZUELA, A.B. El chocolate, un placer saludable. Revista Chilena de Nutricion . Santiago, v. 34, n. 3, sep. 2007. 7) CEPLAC. Comissão Executiva do Plano de Lavoura Cacaueira. Disponível em: <http://www.ceplac.gov.br/radar/radar_cacau.htm>. Acesso em: 04 out. 2008. 8) Sociedade Brasileira de Diabetes. Disponível em: <http://www.diabetes.org.br/>. Acesso em: 10 out. 2008. 9) CAMPOS, C.T.; BENEDET, H.D. Aceitabilidade de bombons (recheio- sabor passas ao rum) adicionados de proteína de soja. Bol. SCTBA, v.28, n.2, p.113-119, 1994.
  5. 5. 10) SHAHIDI, F; NACZK, M. Food Phenolics: sources, chemistry, effects, applications. Lancaster, PA, Technomic Publish Co, 1995. 11) KEALEY, et al. Cocoa components, edible products having enhanced polyphenol content, methods of making same and medical uses. Mars Incorporeted, USA. Patent Cooperation Treaty WO 98/09533. 12) DING, E.L.; HUTFLESS, S.M.; DING, X.; GIROTTRA, S. Chocolate and prevention of cardiovascular disease: a systematic review. Nutrition and Metabolism (London), v.3, n.2, 2006. 13) MURSU, J. et al. Dark chocolate consumption increases HDL cholesterol concentration and chocolate fatty acids may inhibit lipid peroxidation in healthy humans. Free Radical Biology & Medicine, v. 37, p.1351-1359, 2004. 14) MATHUR, S. et al. Cocoa Products Decrease Low Density Lipoprotein Oxidative Susceptibility but Do Not Affect Biomarkers of Inflammation in Humans. American Society for Nutritional Sciences, 2002. 15) GRASSI, D. et al. Cocoa Reduces Blood Pressure and Insulin Resistance and Improves Endothelium-Dependent Vasodilation in Hypertensives. Hypertension, v. 46, p. 398-405, 2005

×