Portal Face News
Portal Face News
Governo recebe apoio do
agronegócio para reduzir emissões
Segundo o IBGE, agricultura e ...
Portal Face News
Portal Face News
de lavoura-pecuária-florestas. “Temos uma das maiores populações e
PIB do mundo e nossas...
Portal Face News
Portal Face News
Em nota, a Sociedade Rural Brasileira (SRB), que também integra a
Coalizão Brasil Clima,...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Governo recebe apoio do agronegócio para reduzir emissões

68 visualizações

Publicada em

Segundo o IBGE, agricultura e o agronegócio são quem mais desmata a Amazônia.

http://face-news.com/governo-recebe-apoio-do-agronegocio-para-reduzir-emissoes/

Publicada em: Meio ambiente
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
68
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Governo recebe apoio do agronegócio para reduzir emissões

  1. 1. Portal Face News Portal Face News Governo recebe apoio do agronegócio para reduzir emissões Segundo o IBGE, agricultura e o agronegócio são quem mais desmata a Amazônia. Duas das principais entidades ligadas ao setor agropecuário, Abag (Associação Brasileira do Agronegócio) e SRB (Sociedade Rural Brasileira) se mostraram favoráveis à meta de redução de emissão de gases pelo Brasil em 43% até 2030, anunciada no domingo (27/9) pela presidente Dilma Rousseff na Cúpula da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável, realizada na sede da instituição, em Nova York. As associações integram a Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura, que reúne empresas, organizações da sociedade civil, centros de pesquisa e entidades setoriais. As medidas anunciadas para alcançar as metas até 2030 são o fim do desmatamento ilegal no Brasil, a restauração e o reflorestamento de 12 milhões de hectares, a recuperação de 15 milhões de hectares de pastagens degradadas e a integração de cinco milhões de hectares
  2. 2. Portal Face News Portal Face News de lavoura-pecuária-florestas. “Temos uma das maiores populações e PIB do mundo e nossas metas são tão ou mais ambiciosas que aquelas dos países desenvolvidos”, disse a presidente. Para a Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), as propostas anunciadas pela presidente estão alinhadas com aquilo que o setor vem discutindo e considera importante. “Não é uma tarefa simples. Há muito trabalho a ser feito, mas estamos satisfeitos”, afirma o diretor-executivo da entidade, Luiz Cornacchioni. Para ele, a questão da sustentabilidade tem, atualmente, a mesma importância para a agropecuária brasileira que o desenvolvimento da agricultura no Cerrado, décadas atrás. O diretor da Abag considera que a responsabilidade do setor no cumprimento das metas do clima é proporcional ao seu tamanho e sua importância para a economia brasileira. Mas acredita que é possível dar respostas positivas. “O que foi feito no passado serve para olharmos e não repetirmos na frente. Os setores têm evoluído nessa questão, há uma conscientização bastante intensa”, afirma o executivo. “Essas metas vão dar a oportunidade de desmistificar muita coisa e mostrar a responsabilidade que o setor vem dando à questão”, acrescenta. Metas ambiciosas, mas factíveis para redução das emissões A solução não é fácil, reconhece Cornacchioni, pelas próprias metas em si – que considera “ambiciosas, mas factíveis” – e porque na mesa de negociações entre o governo e o setor produtivo devem entrar diversos pontos em que as partes são divergentes. Para o diretor executivo da Abag, não dá para discutir as metas para o clima sem deixar de lado assuntos como infraestrutura, política de crédito e pagamento por serviços ambientais. “São questões que devem ser tratadas, mas acho que é possível dialogar. O governo tem pessoas preparadas para um diálogo positivo e elas terão que sentar à mesa”, diz.
  3. 3. Portal Face News Portal Face News Em nota, a Sociedade Rural Brasileira (SRB), que também integra a Coalizão Brasil Clima, avaliou que o Código Florestal, aprovado em 2012, foi um importante passo do Brasil para se adaptar às mudanças climáticas. Para a entidade, a legislação é uma das mais rigorosas que existem por estipular, por exemplo, porcentuais de áreas que devem ser preservadas dentro das propriedades rurais. O desafio do país é fazer dessa legislação um atestado de confiança na produção, como uma certificação em escala mundial. “O Código Florestal é uma fiança de que os alimentos produzidos no Brasil atendem de forma consistente a proteção dos recursos naturais, dando para o mundo uma garantia oficial de qualidade”, avalia o presidente da entidade, Gustavo Diniz Junqueira, no comunicado. De outro lado, a SRB defende que o país deve repensar sua estrutura de financiamento da produção para garantir a implantação do Código Florestal e o aumento da produtividade na agropecuária do país. “A meta é ambiciosa e coloca o agro como principal veículo para o Brasil honrar os compromissos. Portanto, é imprescindível que o Brasil abra aos investidores estrangeiros a oportunidade de investir em propriedades rurais”, avalia Junqueira, destacando a importância de fatores como segurança jurídica no campo e abertura de novos mercados. Para a Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura, o Brasil deve estabelecer uma INDC(Contribuições Nacionalmente Determinadas Pretendidas) com metas palpáveis e mobilizadoras para ser apresentada durante a Conferência da ONU para a Mudança do Clima, a COP-21, que acontece em dezembro, em Paris.

×