SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Baixar para ler offline
ProtozoaProtozoaProtozoaProtozoa
ProtistasProtistasProtistasProtistas
• Representantes vivos do primeiros eucariotos.
• Todos são seres eucariontes com núcleo bem definido.
• Todos os Protistas se desenvolveram por simbiose entre pelo
menos 2 tipos de bactérias (=Simbiogênese).
ProtistasProtistasProtistasProtistas
• Pertencem ao reino Protista.
• Reino sem características bem definidas, engloba eucariotos que não
estão em Plantae, Animalia ou Fungi.
• Habitam oceanos, linhas da costa, lagos e riachos (poucos vivem em
meio terrestre – solos úmidos).
• Vida livre ou parasitas.
• Importância evolutiva: os demais reinos Eucariontes derivaram de
Protistas.
Importância do Reino Protista
Os protistas são
tipicamente
parafiléticos.
ProtistasProtistasProtistasProtistas –––– Grandes VariaçõesGrandes VariaçõesGrandes VariaçõesGrandes Variações
...lembrando, Reino sem características definidas.
• Metabólica: organismos heterotróficos, autotróficos ou
mixotróficos.
• Tamanho: desde protozoários unicelulares (menores
organismos conhecidos) até algas pardas com mais de
30m de comprimento.
Portanto, podem ser unicelulares simples, coloniais ou
pluricelulares.
• Reprodução: Assexuada ou Sexuada (por formação de
esporos, divisão celular, brotamento, ou até formação de
zigoto).
ProtozoáriosProtozoáriosProtozoáriosProtozoários
• Pertencem ao reino Protista.
• Conjunto de filos de eucariotos, com 50.000 espécies descritas.
• São sempre unicelulares, com relação pouco definida.
• ... No passado eram considerados como 1 único filo.
• Em 1980 a Sociedade dos Protozoários reconheceu 7 filos distintos (alguns autores
hoje consideram que são 6).
• Tem características próximas dos animais, especialmente heterotrofia e a
mobilidade.
• Espécies geralmente tem longa existência - superiores a 100 milhões de anos.
ProtozoáriosProtozoáriosProtozoáriosProtozoários
• Habitat
• Locais úmidos, sejam marinhos, de água doce, solo, plantas ou animais (10.000
espécies vivem em simbiose com animais, plantas e até outros.protozoários).
• ...porém cada espécie vive sob estreitas condições ambientais.
• Hábito
• Sésseis ou livre-natante (forma grande parte do plâncton).
• Forma do corpo
• Única célula eucariótica
• Organelas tendem a ser mais especializadas do que as de organismos multicelulares.
• Há espécies coloniais e algumas passam por estágios multicelulares.
Poderiam ser metazoários?
Colonias de Volvox.
Protozoários x MetazoáriosProtozoários x MetazoáriosProtozoários x MetazoáriosProtozoários x Metazoários
• Maioria dos protozoários só apresenta 1 tipo de célula. Metazoários
tem mais de 1 tipo de célula não reprodutiva.
• Não apresentam desenvolvimento embrionário.
Estrutura corporalEstrutura corporalEstrutura corporalEstrutura corporal
• Células podem atingir alto grau de complexidade.
• Funções fisiológicas podem ser executadas por organelas não presentes em
células animais.
• Organelas presentes: mitocôndria, retículo endoplasmático, corpo de Golgi,
entre outras (como o núcleo).
• Citoplasma: pode ser diferenciado em Ectoplasma (parte mais periférica, é mais
transparente e consistente) e em Endoplasma (espaço mais interno,
mais granular, abriga o núcleo e demais organelas.)
Rigidez ou flexibilidade do corpo do protozoário depende da
natureza do ectoplasma.
• Envoltórios externos ou carapaças podem estar presentes.
Carapaças de diatomáceas
OrganelasOrganelasOrganelasOrganelas–––– LocomoçãoLocomoçãoLocomoçãoLocomoção
• O tipo de organela locomotora é importante na classificação do
filo.
• A locomoção se faz por batimento ciliar, flagelar, por emissão de
pseudópodos e até por simples deslizamento de todo o corpo
celular (formas similares às das bactérias). Assim, podem ser
classificados como:
Zooflagelados - movem-se por flagelos.
Sarcodinos movem-se pela extensão do citoplasma.
Ciliados movem-se por cilios.
Esporozoarios – que não se movem.
Cílios e FlagelosCílios e FlagelosCílios e FlagelosCílios e Flagelos
• Cílios são usados para locomoção e para criar pequenas correntes de água para
sua alimentação e respiração (também podem beneficiar a reprodução).
• Não há diferenciação morfológica entre cílio e flagelo, pode-se
• diferenciar em função da direção que a água é impulsionada.
• Cada undulipódio possui 9 pares de microtúbulos longitdinais, dispostos em círculo
em torno de um par central (= todos os cílios e flagelos de todos os animais) =
AXONEMA.
• Axonema é coberto por membrana contínua à que recobre todo o corpo do
indivíduo.
• Junção axonema – corpo protozorário:
1. Par central termina.
2. 9 demais pares – um microtúbulo ligado aos 9
pares forma um tubo curto que penetra na célula.
=Undulipódio
Pés que formam ondas
Como movimentam-se Cílios e FlagelosCílios e FlagelosCílios e FlagelosCílios e Flagelos?
• Em cada 1 dos 9 pares, há 2 braços.
• Braços tem ATPase, que quebra ATP.
• Com a energia do ATP liberada, braços “caminham” de cima para
baixo no par de microtúbulo ao lado.
PseudópodesPseudópodesPseudópodesPseudópodes
• Principal meio de locomoção dos Sarcodina.
• Há várias formas:
• Lobópodes – extensões do corpo relativamente grandes, com extremidade romba (que
contem ectoplasma e endoplasma).
• Filópodes – finos prolongamentos, geralmente ramificados, contem ectoplasma.
• Reticulópodes – diferenciam-se dos filópodes por repetidamente reunirem-se para formar
algo semelhante a uma malha de rede. (alguns zoólogos acham essa classe artificial).
• Axópodes – são pseudópodes compridos e finos, sustentados por feixes axiais de
microtúbulos (3 à muitos).
Reticulópodes movimentando-se
em direção a colônia de bactérias.
Como movimentam-se PseudópodesPseudópodesPseudópodesPseudópodes?
• Quando um lopópode se forma, uma extensão do ectoplasma (capa
hialina) aparece e o endoplasma: 1. flui em direção a ela, 2. reflui pela
extremidade, no ectoplasma.
Excreção eExcreção eExcreção eExcreção e OsmorregulaçãoOsmorregulaçãoOsmorregulaçãoOsmorregulação
• Vacúolo contrátil
• Responsável pelo balanço hídrico da célula. Age como bomba na remoção do
excesso de água do citoplasma.
• Água entra por osmose, junto com H+ e HCO3- (bomba de prótons).
• Ao contrair expele seu conteúdo para fora da célula.
• Mais comuns e funcionam mais frequentemente em protozoários de água
doce (maior diferença de pressão osmótica) e espécies pequenas (grande
relação superfície x volume).
• Vacúolo enche-se completamente quando sua
membrana se une à membrana celular,
assim expele-se H+ e HCO3-.
NutriçãoNutriçãoNutriçãoNutrição
• Protozoários podem ser AUTÓTROFOS ou HETERÓTROFOS.
• Quando heterótrofos, ainda podem ser classificados como
• Fagotróficos ou Holozóicos – ingestão de partículas visíveis.
• Osmozóicos ou Saprozóicos – ingestão de alimentos solúveis.
• Nutrição holozóica implica em fagocitose. A partícula
fagocitada permanece em vacúolo alimentar para digestão.
• Mesmo para organismos relativamente simples, como os
Protozoários, é difícil classificar as espécies de acordo com
1 único modo de nutrição.
ReproduçãoReproduçãoReproduçãoReprodução
• Pode ser sexuada ou assexuada.
Fases importantes do processo sexual:
1. Divisão reducional dos cromossomos (número cai a metade).
2. Desenvolvimento de gametas (células sexuais).
REPRODUÇÃO ASSEXUADA
Observada em todos os protozoários.
Fissão Binária
• Processo de multiplicação celular mais comum.
• Resulta em 2 indivíduos idênticos.
ReproduçãoReproduçãoReproduçãoReprodução
Brotamento
• Processo similar à fissão. Porém 1 das células geradas é
consideravelmente menor do que a célula inicial.
Fissão múltipla (ou Esquizogonia)
• Antes da divisão do citoplasma, há varias divisões do núcleo.
• Vários indivíduos são formados.
Reprodução SexuadaReprodução SexuadaReprodução SexuadaReprodução Sexuada
• É relativamente comum.
• Podem envolver gametas iguais (ISOGAMETAS) ou diferentes
(ANISOGAMETA).
• Fecundação pode ocorrer por:
1. Singamia – 1 gameta fecunda outro (envolve 2 indivíduos).
2. Autogamia – núcleos gaméticos surgem por meiose em 1 indivíduo e
se fundem para formar 1 zigoto.
• Conjugação: outra forma de recombinação genética. Células
emparelhadas trocam núcleos entre si.
EncistamentoEncistamentoEncistamentoEncistamento
• Cisto - Forma latente, notável pela presença de revestimento externo
resistente.
• Pode ter interrupção mais ou menos total do metabolismo.
• Forma importante para sobreviver em condições inadequadas:
parasitos na fase do ciclo entre 2 hospedeiros, condição de seca em
hábitat....
Cisto de Entamoeba hystolitica
Os filosOs filosOs filosOs filos
Podem dar uma boa ideia da diversidade do grupo.
1. Sarcomastigophora
2. Apicomplexa
3. Ciliophora
4. Labyrinthomorpha
5. Microspora
6. Ascetospora
Lembrem-se que há
outros filos de Protistas
FiloFiloFiloFilo SarcomastigophoraSarcomastigophoraSarcomastigophoraSarcomastigophora
• Inclui protozoários que se movem por flagelos (Subfilo Mastigophora),
quanto os que se movem por pseudopodes (Subfilo Sarcodina).
• Porém há Mastigophora que usam pseudópodes e Sarcodina que podem
apresentar flagelo em uma das fases da vida.
• Há 3 subfilos: Mastigophora, Sarcodina e Opalinata.
• SUBFILO MASTIGOPHORA
• 1 ou + flagelos tipicamente presente em adultos.
• Autotrófico, heterotrófico ou ambos.
• Reprodução geralmente sexual, por fissão.
Organismos típicosOrganismos típicosOrganismos típicosOrganismos típicos
• scelo
Euglena: observar flagelos,
estigma, grânulos de
paramilo, vacúolos.
Volvox: Colônia em que há
células somáticas e poucas
reprodutivas. Células
organizam-se sobre uma
superfície gelatinosa.
ParasitasParasitasParasitasParasitas::::
• Inclui várias formas de vida livre e parasitárias.
• Ex. Trypanossoma cruzi.
T. cruzi
Forma Tripomastigota – fase infecciosa
Forma Amastigota – fase do
hospedeiro.
Forma Epimastigota – tubo digestivo
vetor.
Ciclo da Doença
de Chagas
Ao se relacionarem com outros organismos também podem ser
mutualistas.
Filo SarcodinaFilo SarcodinaFilo SarcodinaFilo Sarcodina
• Pseudopodes tipicamente presentes.
• Flagelos presentes nos estágios de desenvolvimento de alguns.
• Vida livre ou parasita.
Foraminíferos - Geralmente
marinhos, secretam carapaças
(carbonato de cálcio, sílica,
partículas orgânicas ou do
sedimento). Originaram importantes
depósitos de calcário.
Eumycetozoa- grande semelhança
com fungos em condições de
escassez de alimentos. Fusão de
células.
FiloFiloFiloFilo ApicomplexaApicomplexaApicomplexaApicomplexa
• Todas espécies parasitas de muitos
filos de animais.
• Característico conjunto de organelas
associado à extremidade anterior.
• Ausência de cílios e flagelos.
• Cistos frequentemente presentes.
• Ciclo sexual com reprodução sexuada
e assexuada.
Ciclo Plasmodium - malária
FiloFiloFiloFilo CiliophoraCiliophoraCiliophoraCiliophora
• Cílios presentes em pelo menos um estágio de
vida.
• Heterotróficos.
• Muitas de vida livre, mas há parasitas.
• Reprodução diversa: sexuada (conjugação,
autogamia), assexuada por fissão binária, múltipla
e brotamento.
Paramecium: descrito pela forma de
chinelo, presentes em lagos e riachos
com pouca correnteza e muita
matéria orgânica.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetais
Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetaisTaxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetais
Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetaisHeitor de Oliveira Braga
 
Características Gerais dos Animais - Estudo Nerd
Características Gerais dos Animais - Estudo NerdCaracterísticas Gerais dos Animais - Estudo Nerd
Características Gerais dos Animais - Estudo NerdEstudoNerd
 
Anatomia e morfologia de folha
Anatomia e morfologia de folhaAnatomia e morfologia de folha
Anatomia e morfologia de folhaJanaína Baldêz
 
Biologia - Platelmintos
Biologia - PlatelmintosBiologia - Platelmintos
Biologia - PlatelmintosCarson Souza
 
Citoplasma e organelas
Citoplasma e organelasCitoplasma e organelas
Citoplasma e organelasprofatatiana
 
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidadeAula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidadeHamilton Nobrega
 
Aula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres VivosAula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres VivosPlínio Gonçalves
 
Lista de exercícios vii reinos monera, protista e fungi
Lista de exercícios vii reinos monera, protista e fungiLista de exercícios vii reinos monera, protista e fungi
Lista de exercícios vii reinos monera, protista e fungiCarlos Priante
 
Aula biologia celular
Aula   biologia celularAula   biologia celular
Aula biologia celularsanthdalcin
 
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)Janaina Alves
 

Mais procurados (20)

Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetais
Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetaisTaxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetais
Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetais
 
Reino animalia
Reino animaliaReino animalia
Reino animalia
 
Características Gerais dos Animais - Estudo Nerd
Características Gerais dos Animais - Estudo NerdCaracterísticas Gerais dos Animais - Estudo Nerd
Características Gerais dos Animais - Estudo Nerd
 
Aula arthropoda
Aula   arthropodaAula   arthropoda
Aula arthropoda
 
Pteridófitas
PteridófitasPteridófitas
Pteridófitas
 
Anatomia e morfologia de folha
Anatomia e morfologia de folhaAnatomia e morfologia de folha
Anatomia e morfologia de folha
 
Reino protista protozoarios
Reino protista protozoariosReino protista protozoarios
Reino protista protozoarios
 
Biologia - Platelmintos
Biologia - PlatelmintosBiologia - Platelmintos
Biologia - Platelmintos
 
Citoplasma e organelas
Citoplasma e organelasCitoplasma e organelas
Citoplasma e organelas
 
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidadeAula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
 
Algas aula
Algas aulaAlgas aula
Algas aula
 
Aula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres VivosAula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres Vivos
 
Flores
FloresFlores
Flores
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Lista de exercícios vii reinos monera, protista e fungi
Lista de exercícios vii reinos monera, protista e fungiLista de exercícios vii reinos monera, protista e fungi
Lista de exercícios vii reinos monera, protista e fungi
 
Nomenclatura taxonomia
Nomenclatura taxonomiaNomenclatura taxonomia
Nomenclatura taxonomia
 
Aula biologia celular
Aula   biologia celularAula   biologia celular
Aula biologia celular
 
Reino Animal
Reino AnimalReino Animal
Reino Animal
 
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
 
Exercícios cito acidos nucleicos
Exercícios cito acidos nucleicosExercícios cito acidos nucleicos
Exercícios cito acidos nucleicos
 

Semelhante a Protozoa

Zoologia de invertebrados - Estudo 1
Zoologia de invertebrados  - Estudo 1Zoologia de invertebrados  - Estudo 1
Zoologia de invertebrados - Estudo 1Gilmar Giraldelli
 
Poriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2mPoriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2mLaguat
 
fdocumentos.tips_aula-de-zoologia-invertebrados-power-point.ppt
fdocumentos.tips_aula-de-zoologia-invertebrados-power-point.pptfdocumentos.tips_aula-de-zoologia-invertebrados-power-point.ppt
fdocumentos.tips_aula-de-zoologia-invertebrados-power-point.pptDanielMedina333918
 
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)Bio
 
Aula 7º ano - Reino Protoctista
Aula 7º ano - Reino ProtoctistaAula 7º ano - Reino Protoctista
Aula 7º ano - Reino ProtoctistaLeonardo Kaplan
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Zoologia dos Invertebrados
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Zoologia dos InvertebradosSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Zoologia dos Invertebrados
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Zoologia dos InvertebradosTurma Olímpica
 
Reino Protista, Fungi e Monera
Reino Protista, Fungi e MoneraReino Protista, Fungi e Monera
Reino Protista, Fungi e MoneraPaulocosta510
 
Intro_discip Embrio.pdf
Intro_discip Embrio.pdfIntro_discip Embrio.pdf
Intro_discip Embrio.pdfIgorAlves153
 
Aula 1 caracteristicas gerais dos animais
Aula 1   caracteristicas gerais dos animaisAula 1   caracteristicas gerais dos animais
Aula 1 caracteristicas gerais dos animaisGrupo UNIASSELVI
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscosletyap
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscosletyap
 

Semelhante a Protozoa (20)

Zoologia de invertebrados - Estudo 1
Zoologia de invertebrados  - Estudo 1Zoologia de invertebrados  - Estudo 1
Zoologia de invertebrados - Estudo 1
 
Zoologia aula 05
Zoologia aula 05Zoologia aula 05
Zoologia aula 05
 
Animais primitivos
Animais primitivosAnimais primitivos
Animais primitivos
 
Poriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2mPoriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2m
 
fdocumentos.tips_aula-de-zoologia-invertebrados-power-point.ppt
fdocumentos.tips_aula-de-zoologia-invertebrados-power-point.pptfdocumentos.tips_aula-de-zoologia-invertebrados-power-point.ppt
fdocumentos.tips_aula-de-zoologia-invertebrados-power-point.ppt
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
 
Aula 7º ano - Reino Protoctista
Aula 7º ano - Reino ProtoctistaAula 7º ano - Reino Protoctista
Aula 7º ano - Reino Protoctista
 
Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02
Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02
Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02
 
Metazoa
MetazoaMetazoa
Metazoa
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
AULA-13.ppt
AULA-13.pptAULA-13.ppt
AULA-13.ppt
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Zoologia dos Invertebrados
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Zoologia dos InvertebradosSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Zoologia dos Invertebrados
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Zoologia dos Invertebrados
 
Reino Protista, Fungi e Monera
Reino Protista, Fungi e MoneraReino Protista, Fungi e Monera
Reino Protista, Fungi e Monera
 
Intro_discip Embrio.pdf
Intro_discip Embrio.pdfIntro_discip Embrio.pdf
Intro_discip Embrio.pdf
 
Aula bio 16set2011 2
Aula bio 16set2011 2Aula bio 16set2011 2
Aula bio 16set2011 2
 
Aula 1 caracteristicas gerais dos animais
Aula 1   caracteristicas gerais dos animaisAula 1   caracteristicas gerais dos animais
Aula 1 caracteristicas gerais dos animais
 
Cnidárioso1
Cnidárioso1Cnidárioso1
Cnidárioso1
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
 

Mais de Fabio Santos Nery (18)

Mollusca
MolluscaMollusca
Mollusca
 
Arthropoda 2
Arthropoda 2Arthropoda 2
Arthropoda 2
 
Arthropoda 1
Arthropoda 1Arthropoda 1
Arthropoda 1
 
fusão nuclear
fusão nuclearfusão nuclear
fusão nuclear
 
universo
universouniverso
universo
 
O universo
O universo O universo
O universo
 
curva de aquecimento do naftaleno
 curva de aquecimento do naftaleno curva de aquecimento do naftaleno
curva de aquecimento do naftaleno
 
calcular a concentração e preparo de uma solução
calcular a concentração e preparo de uma soluçãocalcular a concentração e preparo de uma solução
calcular a concentração e preparo de uma solução
 
Calculo de Concentrações e Preparação de Soluções
Calculo de Concentrações e Preparação de SoluçõesCalculo de Concentrações e Preparação de Soluções
Calculo de Concentrações e Preparação de Soluções
 
Lei de Lavoisiere Estequiometriade Reações Químicas
Lei de Lavoisiere Estequiometriade Reações QuímicasLei de Lavoisiere Estequiometriade Reações Químicas
Lei de Lavoisiere Estequiometriade Reações Químicas
 
Teste cálculo 1
Teste cálculo 1Teste cálculo 1
Teste cálculo 1
 
Teste calculo 1
Teste calculo 1Teste calculo 1
Teste calculo 1
 
filo molusca
filo moluscafilo molusca
filo molusca
 
Teste calculo
Teste calculoTeste calculo
Teste calculo
 
Teste calculo1
Teste calculo1Teste calculo1
Teste calculo1
 
Teste calculo
Teste calculoTeste calculo
Teste calculo
 
Limite
LimiteLimite
Limite
 
reptios escamados
reptios escamadosreptios escamados
reptios escamados
 

Último

GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdfGuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdfLeandroDoValle2
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfSíndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfVctorJuliao
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humanajosecavalcante88019
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.ppt
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.pptAula capitulo 10 - Recombinacao Genica.ppt
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.pptAugustoCsar653220
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 

Último (14)

GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdfGuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfSíndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.ppt
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.pptAula capitulo 10 - Recombinacao Genica.ppt
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.ppt
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 

Protozoa

  • 2. ProtistasProtistasProtistasProtistas • Representantes vivos do primeiros eucariotos. • Todos são seres eucariontes com núcleo bem definido. • Todos os Protistas se desenvolveram por simbiose entre pelo menos 2 tipos de bactérias (=Simbiogênese).
  • 3. ProtistasProtistasProtistasProtistas • Pertencem ao reino Protista. • Reino sem características bem definidas, engloba eucariotos que não estão em Plantae, Animalia ou Fungi. • Habitam oceanos, linhas da costa, lagos e riachos (poucos vivem em meio terrestre – solos úmidos). • Vida livre ou parasitas. • Importância evolutiva: os demais reinos Eucariontes derivaram de Protistas.
  • 4. Importância do Reino Protista Os protistas são tipicamente parafiléticos.
  • 5. ProtistasProtistasProtistasProtistas –––– Grandes VariaçõesGrandes VariaçõesGrandes VariaçõesGrandes Variações ...lembrando, Reino sem características definidas. • Metabólica: organismos heterotróficos, autotróficos ou mixotróficos. • Tamanho: desde protozoários unicelulares (menores organismos conhecidos) até algas pardas com mais de 30m de comprimento. Portanto, podem ser unicelulares simples, coloniais ou pluricelulares. • Reprodução: Assexuada ou Sexuada (por formação de esporos, divisão celular, brotamento, ou até formação de zigoto).
  • 6. ProtozoáriosProtozoáriosProtozoáriosProtozoários • Pertencem ao reino Protista. • Conjunto de filos de eucariotos, com 50.000 espécies descritas. • São sempre unicelulares, com relação pouco definida. • ... No passado eram considerados como 1 único filo. • Em 1980 a Sociedade dos Protozoários reconheceu 7 filos distintos (alguns autores hoje consideram que são 6). • Tem características próximas dos animais, especialmente heterotrofia e a mobilidade. • Espécies geralmente tem longa existência - superiores a 100 milhões de anos.
  • 7. ProtozoáriosProtozoáriosProtozoáriosProtozoários • Habitat • Locais úmidos, sejam marinhos, de água doce, solo, plantas ou animais (10.000 espécies vivem em simbiose com animais, plantas e até outros.protozoários). • ...porém cada espécie vive sob estreitas condições ambientais. • Hábito • Sésseis ou livre-natante (forma grande parte do plâncton). • Forma do corpo • Única célula eucariótica • Organelas tendem a ser mais especializadas do que as de organismos multicelulares. • Há espécies coloniais e algumas passam por estágios multicelulares. Poderiam ser metazoários? Colonias de Volvox.
  • 8. Protozoários x MetazoáriosProtozoários x MetazoáriosProtozoários x MetazoáriosProtozoários x Metazoários • Maioria dos protozoários só apresenta 1 tipo de célula. Metazoários tem mais de 1 tipo de célula não reprodutiva. • Não apresentam desenvolvimento embrionário.
  • 9. Estrutura corporalEstrutura corporalEstrutura corporalEstrutura corporal • Células podem atingir alto grau de complexidade. • Funções fisiológicas podem ser executadas por organelas não presentes em células animais. • Organelas presentes: mitocôndria, retículo endoplasmático, corpo de Golgi, entre outras (como o núcleo). • Citoplasma: pode ser diferenciado em Ectoplasma (parte mais periférica, é mais transparente e consistente) e em Endoplasma (espaço mais interno, mais granular, abriga o núcleo e demais organelas.) Rigidez ou flexibilidade do corpo do protozoário depende da natureza do ectoplasma. • Envoltórios externos ou carapaças podem estar presentes. Carapaças de diatomáceas
  • 10. OrganelasOrganelasOrganelasOrganelas–––– LocomoçãoLocomoçãoLocomoçãoLocomoção • O tipo de organela locomotora é importante na classificação do filo. • A locomoção se faz por batimento ciliar, flagelar, por emissão de pseudópodos e até por simples deslizamento de todo o corpo celular (formas similares às das bactérias). Assim, podem ser classificados como: Zooflagelados - movem-se por flagelos. Sarcodinos movem-se pela extensão do citoplasma. Ciliados movem-se por cilios. Esporozoarios – que não se movem.
  • 11. Cílios e FlagelosCílios e FlagelosCílios e FlagelosCílios e Flagelos • Cílios são usados para locomoção e para criar pequenas correntes de água para sua alimentação e respiração (também podem beneficiar a reprodução). • Não há diferenciação morfológica entre cílio e flagelo, pode-se • diferenciar em função da direção que a água é impulsionada. • Cada undulipódio possui 9 pares de microtúbulos longitdinais, dispostos em círculo em torno de um par central (= todos os cílios e flagelos de todos os animais) = AXONEMA. • Axonema é coberto por membrana contínua à que recobre todo o corpo do indivíduo. • Junção axonema – corpo protozorário: 1. Par central termina. 2. 9 demais pares – um microtúbulo ligado aos 9 pares forma um tubo curto que penetra na célula. =Undulipódio Pés que formam ondas
  • 12. Como movimentam-se Cílios e FlagelosCílios e FlagelosCílios e FlagelosCílios e Flagelos? • Em cada 1 dos 9 pares, há 2 braços. • Braços tem ATPase, que quebra ATP. • Com a energia do ATP liberada, braços “caminham” de cima para baixo no par de microtúbulo ao lado.
  • 13. PseudópodesPseudópodesPseudópodesPseudópodes • Principal meio de locomoção dos Sarcodina. • Há várias formas: • Lobópodes – extensões do corpo relativamente grandes, com extremidade romba (que contem ectoplasma e endoplasma). • Filópodes – finos prolongamentos, geralmente ramificados, contem ectoplasma. • Reticulópodes – diferenciam-se dos filópodes por repetidamente reunirem-se para formar algo semelhante a uma malha de rede. (alguns zoólogos acham essa classe artificial). • Axópodes – são pseudópodes compridos e finos, sustentados por feixes axiais de microtúbulos (3 à muitos). Reticulópodes movimentando-se em direção a colônia de bactérias.
  • 14. Como movimentam-se PseudópodesPseudópodesPseudópodesPseudópodes? • Quando um lopópode se forma, uma extensão do ectoplasma (capa hialina) aparece e o endoplasma: 1. flui em direção a ela, 2. reflui pela extremidade, no ectoplasma.
  • 15. Excreção eExcreção eExcreção eExcreção e OsmorregulaçãoOsmorregulaçãoOsmorregulaçãoOsmorregulação • Vacúolo contrátil • Responsável pelo balanço hídrico da célula. Age como bomba na remoção do excesso de água do citoplasma. • Água entra por osmose, junto com H+ e HCO3- (bomba de prótons). • Ao contrair expele seu conteúdo para fora da célula. • Mais comuns e funcionam mais frequentemente em protozoários de água doce (maior diferença de pressão osmótica) e espécies pequenas (grande relação superfície x volume). • Vacúolo enche-se completamente quando sua membrana se une à membrana celular, assim expele-se H+ e HCO3-.
  • 16. NutriçãoNutriçãoNutriçãoNutrição • Protozoários podem ser AUTÓTROFOS ou HETERÓTROFOS. • Quando heterótrofos, ainda podem ser classificados como • Fagotróficos ou Holozóicos – ingestão de partículas visíveis. • Osmozóicos ou Saprozóicos – ingestão de alimentos solúveis. • Nutrição holozóica implica em fagocitose. A partícula fagocitada permanece em vacúolo alimentar para digestão. • Mesmo para organismos relativamente simples, como os Protozoários, é difícil classificar as espécies de acordo com 1 único modo de nutrição.
  • 17. ReproduçãoReproduçãoReproduçãoReprodução • Pode ser sexuada ou assexuada. Fases importantes do processo sexual: 1. Divisão reducional dos cromossomos (número cai a metade). 2. Desenvolvimento de gametas (células sexuais). REPRODUÇÃO ASSEXUADA Observada em todos os protozoários. Fissão Binária • Processo de multiplicação celular mais comum. • Resulta em 2 indivíduos idênticos.
  • 18. ReproduçãoReproduçãoReproduçãoReprodução Brotamento • Processo similar à fissão. Porém 1 das células geradas é consideravelmente menor do que a célula inicial. Fissão múltipla (ou Esquizogonia) • Antes da divisão do citoplasma, há varias divisões do núcleo. • Vários indivíduos são formados.
  • 19. Reprodução SexuadaReprodução SexuadaReprodução SexuadaReprodução Sexuada • É relativamente comum. • Podem envolver gametas iguais (ISOGAMETAS) ou diferentes (ANISOGAMETA). • Fecundação pode ocorrer por: 1. Singamia – 1 gameta fecunda outro (envolve 2 indivíduos). 2. Autogamia – núcleos gaméticos surgem por meiose em 1 indivíduo e se fundem para formar 1 zigoto. • Conjugação: outra forma de recombinação genética. Células emparelhadas trocam núcleos entre si.
  • 20. EncistamentoEncistamentoEncistamentoEncistamento • Cisto - Forma latente, notável pela presença de revestimento externo resistente. • Pode ter interrupção mais ou menos total do metabolismo. • Forma importante para sobreviver em condições inadequadas: parasitos na fase do ciclo entre 2 hospedeiros, condição de seca em hábitat.... Cisto de Entamoeba hystolitica
  • 21. Os filosOs filosOs filosOs filos Podem dar uma boa ideia da diversidade do grupo. 1. Sarcomastigophora 2. Apicomplexa 3. Ciliophora 4. Labyrinthomorpha 5. Microspora 6. Ascetospora Lembrem-se que há outros filos de Protistas
  • 22. FiloFiloFiloFilo SarcomastigophoraSarcomastigophoraSarcomastigophoraSarcomastigophora • Inclui protozoários que se movem por flagelos (Subfilo Mastigophora), quanto os que se movem por pseudopodes (Subfilo Sarcodina). • Porém há Mastigophora que usam pseudópodes e Sarcodina que podem apresentar flagelo em uma das fases da vida. • Há 3 subfilos: Mastigophora, Sarcodina e Opalinata. • SUBFILO MASTIGOPHORA • 1 ou + flagelos tipicamente presente em adultos. • Autotrófico, heterotrófico ou ambos. • Reprodução geralmente sexual, por fissão.
  • 23. Organismos típicosOrganismos típicosOrganismos típicosOrganismos típicos • scelo Euglena: observar flagelos, estigma, grânulos de paramilo, vacúolos. Volvox: Colônia em que há células somáticas e poucas reprodutivas. Células organizam-se sobre uma superfície gelatinosa.
  • 24. ParasitasParasitasParasitasParasitas:::: • Inclui várias formas de vida livre e parasitárias. • Ex. Trypanossoma cruzi. T. cruzi Forma Tripomastigota – fase infecciosa Forma Amastigota – fase do hospedeiro. Forma Epimastigota – tubo digestivo vetor. Ciclo da Doença de Chagas Ao se relacionarem com outros organismos também podem ser mutualistas.
  • 25. Filo SarcodinaFilo SarcodinaFilo SarcodinaFilo Sarcodina • Pseudopodes tipicamente presentes. • Flagelos presentes nos estágios de desenvolvimento de alguns. • Vida livre ou parasita. Foraminíferos - Geralmente marinhos, secretam carapaças (carbonato de cálcio, sílica, partículas orgânicas ou do sedimento). Originaram importantes depósitos de calcário. Eumycetozoa- grande semelhança com fungos em condições de escassez de alimentos. Fusão de células.
  • 26. FiloFiloFiloFilo ApicomplexaApicomplexaApicomplexaApicomplexa • Todas espécies parasitas de muitos filos de animais. • Característico conjunto de organelas associado à extremidade anterior. • Ausência de cílios e flagelos. • Cistos frequentemente presentes. • Ciclo sexual com reprodução sexuada e assexuada. Ciclo Plasmodium - malária
  • 27. FiloFiloFiloFilo CiliophoraCiliophoraCiliophoraCiliophora • Cílios presentes em pelo menos um estágio de vida. • Heterotróficos. • Muitas de vida livre, mas há parasitas. • Reprodução diversa: sexuada (conjugação, autogamia), assexuada por fissão binária, múltipla e brotamento. Paramecium: descrito pela forma de chinelo, presentes em lagos e riachos com pouca correnteza e muita matéria orgânica.