LOGÍSTICA
         &
MUDANÇAS CLIMÁTICAS
                          FIESP
                      17/NOV/09
São Paulo, terça-feira, 10 de novembro de 2009

                                           Texto Anterior | Próximo Texto ...
IPCC – Sumary Report 2007
O setor de transportes é responsável por 23% das emissões mundiais de
 GEE (emissões ligadas ao consumo de energia: cálcul...
Fonte: Plano Mudanças Climáticas e Transporte Sustentável - MMA
BRASIL: DITRIBUIÇÃO MODAL




Rússia      8%                       81%                               11%
Canadá           ...
Nova Matriz de Transporte
   Plano Nacional de Logística de Transporte - PNLT




                           +120%


     ...
PAC: INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES
Parâmetros de comparação entre modais de transporte

 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: CARGA / POTÊNCIA (t / HP)          EMISSÃO DE...
COM A MATRIZ DE TRANSPORTES DE CARGAS,
         PROPOSTA PARA 2025,

A EMISSÃO DE GEE NO BRASIL SERIA, HOJE,
             ...
PDDT
   MODO DE          ANO 2000              ANO 2020
 TRANSPORTE Bilhões de TKU     %    Bilhões de TKU    %
RODOVIA   ...
COM A MATRIZ DE TRANSPORTE DE CARGAS,
           PROPOSTA PARA 2020,

A EMISSÃO DE GEE EM SÃO PAULO SERIA, HOJE,
         ...
BRASIL NO MUNDO
          LOGÍSTICA: FATOR CRÍTICO DE SUCESSO
                                                            ...
CRISE




                AMEAÇA + OPORTUNIDADE

                       Oportunidade ? Sim:
Balancear MATRIZ DE TRANSPORTE...
HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ




Usina Diamante/COSAN – Jau
Hidrovia Tietê-Paraná
BARRA BONITA
HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ




  Comboio Duplo Tietê
HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ

                                        EVOLUÇÃO DAS CARGAS TRANSPORTADAS (MIL TON.)

             ...
CABOTAGEM DE CONTÊINERES


               Volume total (mil TEU)




              Programa de
              Maximização

...
PORTO DE SÃO SEBASTIÃO
Plano de Desenvolvimento e Zoneamento (Porto Público)
1. Fatores motivacionais para a Rede Paulista de Dutos
V – Existência de 5 projetos de alcooldutos, sendo 3 sobrepostos e ...
ETANOL NO BRASIL
                                                   (milhões de m³)


                             Produçã...
Logística do ETANOL
Sistema Integrado Porto – Dutovia - Hidrovia


     Artemis




                       Paulínia



   ...
Logística do ETANOL
                  São
                 Simão


                            ~336km



                 ...
BACIA DE SANTOS




São Sebastião




                 BACIA DE SANTOS
MEXILHÃO: O PROJETO



•   Situado na Bacia de Santos

•   Duto de 135 km de longitude,
    34” de diâmetro. Conectado na
...
Escoamento do Gás para o Piloto do Tupi




                         UGN        UTGCA
                         RPBC




  ...
Previsão de cargas para o Porto de São Sebastião (fonte: ILOS/HTP)
                                            Ano        ...
São Paulo, gargalo logístico?
       Transporte de Cargas no ESP – PDDT/2003




                 Demanda (t)             ...
São Paulo, gargalo logístico?
Resultados da Pesquisa OD Rodoviária 2005



  O grosso da carga continua na RODOVIA

 São P...
Fatos que Desfazem Mitos



  Carga Geral é muito maior do que Granel.


                       CARGA
  SITUAÇÃO ATUAL    ...
O que fazer ?


   Diagnóstico Amplificado                          Alternativas

    Com crescimento moderado da
    econ...
Requisitos para Integração Rodo-Ferroviária



                                                       Reconfigurar
      A...
Função da Plataforma Logística
Do Modelo Logístico Fragmentado para o Estruturado


                       Problemas análo...
ARCABOUÇO INTERMODAL DA MACROMETRÓPOLE




                              TAV – Campinas – SP - RJ
                        ...
PLANO INTEGRADO PORTO - CIDADE
            500ha
                                RETRO – ÁREA REMOTA


                   ...
ACESSOS RODOVIÁRIOS
CONTORNO DE SÃO SEBASTIÃO - ALTERNATIVAS
CONTORNO CARAGUATATUBA – SÃO SEBASTIÃO
                                  Contorno de
                                  Car...
CONTORNO CARAGUATATUBA – SÃO SEBASTIÃO
CONTORNO




3: Balsa/ 13: Via dupla/ 14: Parque/ 18: Mirante/19: Centro de convenções
Tietê - Perfil

                      HIDROVIA             HIDROANEL
                                  ~100km

740
720



...
São
                  Simão


                              ~336km



                      Jupiá



                     ...
RMSP
                                  MALHA FERROVIÁRIA


        ~50km

                          ~50km
   Salto
       ...
• 26.500 km de vias navegáveis
• 10.000 km em canais artificiais
• Principais corpos d’água: Reno, Danúbio,
  Ródano,
CAIS EXCL
          USIVO PAR
FEEDERS            A BARCAÇ
                           AS E
Embarcação-tipo porta-contêiner
          [510TEU]




   17 TEU




                                  5 TEU



          ...
Estatísticas transporte rodoviário
Região Metropolitana de São Paulo

                         Milhões
Produto
           ...
RMSP
                         CARGA URBANA




                                    430 ~ 440.000        1 Bilhão
         ...
Principais cargas de passagem na RMSP
                                                           Vale do Paraíba
         ...
HIDROANEL METROPOLITANO

Salto


                                                                  São Miguel
            ...
Porto Sao Sebastiaao Depto Hidroviario
Porto Sao Sebastiaao Depto Hidroviario
Porto Sao Sebastiaao Depto Hidroviario
Porto Sao Sebastiaao Depto Hidroviario
Porto Sao Sebastiaao Depto Hidroviario
Porto Sao Sebastiaao Depto Hidroviario
Porto Sao Sebastiaao Depto Hidroviario
Porto Sao Sebastiaao Depto Hidroviario
Porto Sao Sebastiaao Depto Hidroviario
Porto Sao Sebastiaao Depto Hidroviario
Porto Sao Sebastiaao Depto Hidroviario
Porto Sao Sebastiaao Depto Hidroviario
Porto Sao Sebastiaao Depto Hidroviario
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Porto Sao Sebastiaao Depto Hidroviario

1.239 visualizações

Publicada em

Apresentações em PPT do 5º Seminário de Logística que teve por objetivos debater e apresentar propostas para a necessária evolução do atual cenário brasileiro de logística e transportes que apesar dos avanços, ainda apresenta grandes limitações ao crescimento.

Data: 17/11/09

Para saber mais: http://www.fiesp.com.br/seminariologistica09/

Publicada em: Tecnologia, Turismo
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.239
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
38
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Porto Sao Sebastiaao Depto Hidroviario

  1. 1. LOGÍSTICA & MUDANÇAS CLIMÁTICAS FIESP 17/NOV/09
  2. 2. São Paulo, terça-feira, 10 de novembro de 2009 Texto Anterior | Próximo Texto | Índice TENDÊNCIAS/DEBATES Enfrentar as mudanças climáticas JOSÉ SERRA PROMULGUEI ontem uma lei que estabelece a Política Estadual de Mudanças Climáticas. ... São Paulo assume vários compromissos até 2020, incluindo a meta de redução de 20% das emissões de gases de efeito estufa (GEEs), tomando como base o ano de 2005. Haverá redução de 24 Não há antagonismo necessário entre proteger o meio ambiente e promover o milhões de toneladas de CO2. ................................................................................................ crescimento econômico. Não há antagonismo necessário entre proteger o meio Enormes oportunidades de investimentosdese abrem em setores emergentes, no ambiente e promover o crescimento econômico. Enormes oportunidades investimentos se abrem em setores aperfeiçoamento tecnológico,emergentes,no transporte nãorenováveis, no transporte não rodoviário, na no aperfeiçoamento tecnológico, nas energias nas energias rodoviário, na reciclagem, na renováveis, agricultura sustentável. reciclagem, na agricultura sustentável. ................................................................................................ Na maior parte do país, as emissões se originam no desmatamento. Em São Paulo, sua fonte principal é a energia fóssil, consumida no transporte de carga e na indústria. Só o transporte é responsável por 29% das emissões de CO2 do Estado. ................................................................................................ São impressionantes os ganhos impressionantes os ganhos possíveis: por exemplo, cerca de 90% do transporte de São possíveis: por exemplo, cerca de 90% do transporte de mercadorias se faz em caminhões, mercadorias se faz em caminhões, 50% das daquasecarga.perda dedas viagens sem carga. É consumo com quase comviagens sem 50% de energia, desgaste infraestrutura, É consumo "inútil" tempo. "inútil" de energia, desgaste da infraestrutura, perda de tempo. ................................................................................................ É preciso ter coragem e determinação na política ambiental: ou se encara de frente a problemática ambiental ou o futuro da civilização estará comprometido. Quanto mais o Brasil ousar, maior será o poder de pressão da comunidade internacional sobre os países que resistem à mudança.
  3. 3. IPCC – Sumary Report 2007
  4. 4. O setor de transportes é responsável por 23% das emissões mundiais de GEE (emissões ligadas ao consumo de energia: cálculo sem desmatamento) fonte: (International Energy Agency, 2006; Kahn Ribeiro et al., 2007) •Emissões do setor de transportes vem aumentando mais do que os demais setores relacionados ao consumo de energia, com o transporte de cargas aumentando mais do que o de passageiros; •90 % das mercado global é transportado pelos oceanos, navegação conta com menos de 10% das emissões do setor de transportes (Kahn Ribeiro et al., 2007; Fugelstvedt et al., 2008);.
  5. 5. Fonte: Plano Mudanças Climáticas e Transporte Sustentável - MMA
  6. 6. BRASIL: DITRIBUIÇÃO MODAL Rússia 8% 81% 11% Canadá 43% 46% 11% Austrália 53% 43% 4% EUA 32% 43% 25% China 50% 37% 13% BRASIL 62% 24% 14% Rodoviário Ferroviário Hidroviário
  7. 7. Nova Matriz de Transporte Plano Nacional de Logística de Transporte - PNLT +120% - 43% Fonte: PNLT , Abril 2007
  8. 8. PAC: INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES
  9. 9. Parâmetros de comparação entre modais de transporte EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: CARGA / POTÊNCIA (t / HP) EMISSÃO DE POLUENTES: CO2 (kg/1.000 tku) 5,00 5,00 116 120 4,50 4,00 x29 100 3,50 3,00 80 x6 2,50 60 2,00 34 1,50 0,75 40 20 1,00 0,17 0,50 20 0,00 Hidro Ferro Rodo 0 Hidro Ferro Rodo CONSUMO DE COMBUSTÍVEL: (LITROS / 1.000 TKU) NOx (g/1.000 tku) Nox (g/1.000 tku) 96 4.617 100 5.000 90 80 4.000 70 x19 60 3.000 x18 50 40 2.000 831 30 10 254 20 1.000 5 10 0 0 Hidro Ferro Rodo Hidro Ferro Rodo Fonte: Ministério dos Transportes - 1997 Fonte: DOT/Maritime Administration e TCL
  10. 10. COM A MATRIZ DE TRANSPORTES DE CARGAS, PROPOSTA PARA 2025, A EMISSÃO DE GEE NO BRASIL SERIA, HOJE, 38% MENOR !!! 55 milhões de toneladas/ano
  11. 11. PDDT MODO DE ANO 2000 ANO 2020 TRANSPORTE Bilhões de TKU % Bilhões de TKU % RODOVIA 108,2 93,1 164,1 65,5 FERROVIA 6,1 5,2 78,2 31,2 HIDROVIA 0,6 0,5 1,3 0,5 DUTOVIA 0,9 0,8 4,3 1,7 X12 CABOTAGEM 0,0 0,0 2,0 0,8 AEROVIA 0,4 0,3 0,8 0,3 TOTAL 116,2 100,0 250,7 100,0 X5 HIDROVIA 15 6 CABOTAGEM 10 4
  12. 12. COM A MATRIZ DE TRANSPORTE DE CARGAS, PROPOSTA PARA 2020, A EMISSÃO DE GEE EM SÃO PAULO SERIA, HOJE, 31% MENOR !!! 5,1 milhões de toneladas/ano
  13. 13. BRASIL NO MUNDO LOGÍSTICA: FATOR CRÍTICO DE SUCESSO População > 100 mi Área > 4 mi Km2 Paquistão Bangladesh USA China Indonesia Canada Japão BRASIL Russia Nigeria Australia México Índia Inglaterra Alemanha Itália Espanha França Corea do Sul Holanda PIB > 400 US$ bi
  14. 14. CRISE AMEAÇA + OPORTUNIDADE Oportunidade ? Sim: Balancear MATRIZ DE TRANSPORTES + plan/gerenciamento INTEGRADO
  15. 15. HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ Usina Diamante/COSAN – Jau
  16. 16. Hidrovia Tietê-Paraná
  17. 17. BARRA BONITA
  18. 18. HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ Comboio Duplo Tietê
  19. 19. HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ EVOLUÇÃO DAS CARGAS TRANSPORTADAS (MIL TON.) TAXA MÉDIA ANUAL (98-08) = 12,1% 6.000 AREIA SOJA 5.222 CANA MIL HO 4.973 5.000 FARELO DE SO JA ADUBO AÇÚCAR MADEIRA / CA RVÃO 4.699 TRIG O ARROZ PNEUS MANDIO CA CARNE CASCALHO 3.944 4.000 ÓL EO VEG ETAL ÓLE O DIES EL SO RG O ÁLCO OL XA RO PE DE CA NA CALCÁRIO 3.481 Carga (T X 103) PROJETA DA 3.105 3.000 2.774 2.143 2.173 2.000 1.641 1.724 1.501 1.591 1.27 1.087 1.000 0 (*) (*) (*) (*) (*) 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 (*) Método s estatístico s não r evisa dos ANO
  20. 20. CABOTAGEM DE CONTÊINERES Volume total (mil TEU) Programa de Maximização Fonte: Syndarma
  21. 21. PORTO DE SÃO SEBASTIÃO Plano de Desenvolvimento e Zoneamento (Porto Público)
  22. 22. 1. Fatores motivacionais para a Rede Paulista de Dutos V – Existência de 5 projetos de alcooldutos, sendo 3 sobrepostos e 4 utilizando as mesmas faixas de domínio públicas em determinados trechos Bertin-Equipav Brenco Uniduto ALL Petrobras Coordenadoria de Infraestrutura e Logística Logí
  23. 23. ETANOL NO BRASIL (milhões de m³) Produção Mercado interno Exportação 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 15Milhões 10,00 0,00 Fonte : Unica 2006/07 2007/08 2008/09 2009/10 2010/11 2011/12 2012/13 2013/14 2014/15 2015/16 2016/17 2017/18 2018/19 2019/20 2020/21 A maior parte em São Paulo e estados fronteiriços
  24. 24. Logística do ETANOL Sistema Integrado Porto – Dutovia - Hidrovia Artemis Paulínia Conchas S.J.Campos/ Jacareí Salto Porto de São Sebastião Tancagem
  25. 25. Logística do ETANOL São Simão ~336km Jupiá ~58 5 km km 69 Santa ~2 Maria da Serra Paulinia S.J. Conchas Campos Porto Primavera São Sebastião Extensão: ~1.200km Sistema Integrado Porto – Dutovia - Hidrovia
  26. 26. BACIA DE SANTOS São Sebastião BACIA DE SANTOS
  27. 27. MEXILHÃO: O PROJETO • Situado na Bacia de Santos • Duto de 135 km de longitude, 34” de diâmetro. Conectado na plataforma PMXL-1 e na planta de tratamento de gás em terra. • 70 kms a ser enterrado para proteção contra outros • Produto transportado no duto: Gás Natural.
  28. 28. Escoamento do Gás para o Piloto do Tupi UGN UTGCA RPBC 14 5 Km PMXL-1 170 Km 21 2 URG-TBU Km Pa ra 24 at 8 en Km de ro PMLZ-1 Pi lo to Área do TUPI Existente Em estudo TEFRAN Em construção
  29. 29. Previsão de cargas para o Porto de São Sebastião (fonte: ILOS/HTP) Ano 2012 2014 2016 2018 2020 2025 2030 2035 Produtos novos cons i de ra dos no Açúca r¹ 2.098,1 2.293,2 2.503,0 2.712,8 2.922,7 3.352,1 3.844,7 4.409,7 mode l o de oti mi za çã o Eta nol ¹ 2.136,7 2.740,3 3.390,1 4.040,0 4.689,8 5.379,0 6.169,4 7.076,0 Fe rti l i za nte / Enxofre ¹ 364,4 383,4 408,7 433,9 459,1 527,1 605,1 694,7 Tri go¹ - - - - - - - - Ve ícul os i mporta çã o² 0 0 0 0 0 0 0 0 Ve ícul os e xporta çã o² 79.315 86.786 94.258 101.731 109.204 117.275 125.349 133.419 Veículos total² 79.315 86.786 94.258 101.731 109.204 117.275 125.349 133.419 Contê i ne r (e xporta çã o/dry)² 163.923 192.024 213.845 233.652 252.852 306.180 370.201 444.437 Contê i ne r (i mporta çã o/dry)² 78.186 91.589 101.997 111.444 120.602 146.038 176.573 211.981 Contê i ne r (e xporta çã o/re e fe r)² 29.506 34.564 38.492 42.057 45.513 55.112 66.635 79.998 Contê i ne r (i mporta çã o/re e fe r)² 4.864 5.697 6.345 6.933 7.502 9.085 10.984 13.187 Contê i ne r (ca bota ge m)² 67.798 79.421 88.446 96.638 104.579 126.636 153.115 183.819 Contêiner (total)² 344.277 403.295 449.125 490.724 531.048 643.051 777.508 933.422 Produtos já movi me nta dos Ba rri l ha a gra ne l ¹ 405,5 467,1 528,6 590,1 651,6 805,4 959,2 1.112,9 a tua l me nte , cons i de ra dos Sul fa to de Sódi o a gra ne l ¹ 201,9 230,8 259,6 288,5 317,4 389,6 461,8 534,0 a tra vé s de re gre s s ã o l i ne a r Ce va da a gra ne l ¹ 108,5 120,6 132,7 144,8 156,9 187,2 217,5 247,7 Ani ma i s vi vos ¹ 5,8 7,2 8,5 9,9 11,3 14,7 18,2 21,6 Ra çã o pa ra a ni ma l e m s a ca s ¹ 2,7 3,4 4,1 4,7 5,4 7,1 8,8 10,4 Núme ro de be rços 1 1 1 2 3 4 7 8 Ati vi da de s de a poi o offs hore Atra ca çõe s por di a 0,07 0,18 0,47 1,27 1,97 2,52 2,92 3,45 Vol ume movi me nta do¹ 17,2 43,8 115,6 312,5 482,8 618,8 947,9 1.219,8 Rodovi á ri o¹ 2.492 2.856 3.171 3.470 3.763 4.546 5.432 6.417 I mporta çã o Dutovi á ri o¹ 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Rodovi á ri o¹ 5.651 6.469 7.180 7.850 8.508 10.078 11.933 14.075 Exporta çã o Dutovi á ri o¹ 1.960 2.514 3.110 3.706 4.302 4.934 5.660 6.491 Rodovi á ri o¹ 8.143 9.325 10.351 11.320 12.271 14.624 17.365 20.493 Tota l (I mporta çã o + e xpos ta çã o) Dutovi á ri o¹ 1.960 2.514 3.110 3.706 4.302 4.934 5.660 6.491 Cabotagem Contêineres² * 67.798 79.421 88.446 96.638 104.579 126.636 153.115 183.819 Contê i ne r Se co² 78.186 91.589 101.997 111.444 120.602 146.038 176.573 211.981 Contê i ne r re fri ge ra do² 4.864 5.697 6.345 6.933 7.502 9.085 10.984 13.187 Ve ícul os ² 0 0 0 0 0 0 0 0 Fe rti l i za nte s / Enxofre ¹ 364,4 383,4 408,7 433,9 459,1 527,1 605,1 694,7 I mporta çã o Tri go¹ 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Ba rri l ha a gra ne l ¹ 405,5 467,1 528,6 590,1 651,6 805,4 959,2 1.112,9 Sul fa to de Sódi o a gra ne l ¹ 201,9 230,8 259,6 288,5 317,4 389,6 461,8 534,0 Ce va da a gra ne l ¹ 108,5 120,6 132,7 144,8 156,9 187,2 217,5 247,7 Contê i ne r Se co² 163.923 192.024 213.845 233.652 252.852 306.180 370.201 444.437 Contê i ne r re fri ge ra do² 29.506 34.564 38.492 42.057 45.513 55.112 66.635 79.998 Ve ícul os ² 79.315 86.786 94.258 101.731 109.204 117.275 125.349 133.419 Exporta çã o Açúca r¹ 2.098,1 2.293,2 2.503,0 2.712,8 2.922,7 3.352,1 3.844,7 4.409,7 Eta nol ¹ 2.136,7 2.740,3 3.390,1 4.040,0 4.689,8 5.379,0 6.169,4 7.076,0 Ani ma i s vi vos ¹ 5,8 7,2 8,5 9,9 11,3 14,7 18,2 21,6 Ra çã o pa ra a ni ma l e m s a ca s ¹ 2,7 3,4 4,1 4,7 5,4 7,1 8,8 10,4 ¹ Previsão em milhares de toneladas por ano ² Previsão em unidades por ano * A Cabotagem de contêineres foi analisada apenas no cenário determinístico, de forma que nos demais cenários aparece volume zero, porém isto não quer dizer necessariamente que não deverá ocorrer cabotagem nos demais cenários. Quadro 07
  30. 30. São Paulo, gargalo logístico? Transporte de Cargas no ESP – PDDT/2003 Demanda (t) Divisão modal (t.km) 100% 100% 80% 80% 60% 60% 40% 40% 20% 20% 0% 0% Carga Geral Energéticos Minerais Rodovia Ferrovia Hidrovia Agrícolas Agroindustriais Cabotagem Dutovia Aerovia
  31. 31. São Paulo, gargalo logístico? Resultados da Pesquisa OD Rodoviária 2005 O grosso da carga continua na RODOVIA São Paulo conta com sistema rodoviário de 1ª classe, mas… Quase METADE das viagens de CAMINHÃO são VAZIAS Elevada proporção de 1 caminhão para 2,7 automóveis Poder de geração e atração de viagens da macrometrópole 65% das viagens de carga têm pelo menos uma ponta na MM 36% das viagens de carga têm pelo menos uma ponta na RMSP Os eixos troncais tendem a saturar nas proximidades da RMSP Prejuízos Econômicos, Ambientais e de Segurança
  32. 32. Fatos que Desfazem Mitos Carga Geral é muito maior do que Granel. CARGA SITUAÇÃO ATUAL GRANEL TOTAL GERAL ESTADO 516 (80%) 126 (20%) 642 RMSP (Total) 123 (56%) 97 (44%) 220 FAIXA DE DISTÂNCIA (KM) CARGA TOTAL UNITIZÁVEL 100 a 300 300 a 600 > 600 TOTAL 30 12 14 56 GRANÉIS 28 6 9 43
  33. 33. O que fazer ? Diagnóstico Amplificado Alternativas Com crescimento moderado da economia a demanda de transportes duplicará em 20 anos. Isso ocorrerá muito antes, se a economia deslanchar. Em qualquer hipótese, o sistema rodoviário estará saturado a curto prazo na macrometrópole O Sistema Logístico estadual é disperso e fragmentado. A coleta e distribuição de cargas 1 ou... 2 na RMSP é uma das causas do Expansão congestionamento urbano. Mudança radical do A mobilidade urbana na RMSP já de é bastante baixa. Sistema Paradigma Rodoviári o O “CUSTO São Paulo” O “CUSTO São Paulo” A decisão deve ser tomada logo
  34. 34. Requisitos para Integração Rodo-Ferroviária Reconfigurar Atender os Requisitos o Sistema Logístico Exigências da Carga Geral Exigências da Carga Geral Velocidade, Pontualidade, Confiabilidade Velocidade, Pontualidade, Confiabilidade Substituir o modelo Substituir o modelo logístico disperso logístico disperso Exigências econômicas dos modos Exigências econômicas dos modos pelo modelo não rodoviários pelo modelo não rodoviários estruturado estruturado Concentração dos fluxos Concentração dos fluxos Regularidade Regularidade Contratos de longo prazo Contratos de longo prazo Distância Distância Exigências da logística urbana Exigências da logística urbana Redução dos percursos na malha urbana Redução dos percursos na malha urbana Uma rede regional de Uma rede regional de Plataformas Plataformas Exigências na interação com os Exigências na interação com os Logísticas Logísticas portos de Santos e São Sebastião portos de Santos e São Sebastião Coordenar fluxos terrestres eemarítimos Coordenar fluxos terrestres marítimos
  35. 35. Função da Plataforma Logística Do Modelo Logístico Fragmentado para o Estruturado Problemas análogos já Modelo foram detectados em Modelo Fragmentado outros países, onde a Hub & Spokes reestruturação dos transportes caminhou para substituir o modelo fragmentado por configurações do tipo hubs and spokes, onde cada hub é uma plataforma logística. Esse modelo permite a concentração de fluxos e, se for provido de terminais intermodais poderá ensejar a transferência de cargas para vagões ferroviários ou para a hidrovia, que realizarão o transporte nas “pernas” mais extensas que ligam os hubs.
  36. 36. ARCABOUÇO INTERMODAL DA MACROMETRÓPOLE TAV – Campinas – SP - RJ Porto de São Sebastião Dutos
  37. 37. PLANO INTEGRADO PORTO - CIDADE 500ha RETRO – ÁREA REMOTA <100Km
  38. 38. ACESSOS RODOVIÁRIOS
  39. 39. CONTORNO DE SÃO SEBASTIÃO - ALTERNATIVAS
  40. 40. CONTORNO CARAGUATATUBA – SÃO SEBASTIÃO Contorno de Caraguatatuba Projetado Existente Contorno de São Sebastião Acesso ao Porto Baraqueçaba
  41. 41. CONTORNO CARAGUATATUBA – SÃO SEBASTIÃO
  42. 42. CONTORNO 3: Balsa/ 13: Via dupla/ 14: Parque/ 18: Mirante/19: Centro de convenções
  43. 43. Tietê - Perfil HIDROVIA HIDROANEL ~100km 740 720 ~200m 540 450 Barra Bonita
  44. 44. São Simão ~336km Jupiá ~58 5 km m 69k Santa ~2 Maria da Serra ~55km Pederneiras Artemis Conchas Salto ~2 00 Porto km Edgar de Primavera Souza ~1 00 km ~3 50 k m Extensão até SALTO: ~ 200 km (físico); ~ 350 km (funcional)
  45. 45. RMSP MALHA FERROVIÁRIA ~50km ~50km Salto Trafego Porto de Santos 25-40km Trafego RMSP Hidrovia ~60km PORTO DE SANTOS Hidrovia do Tietê pode se conectar a ambos: Porto de Santos (exportação e importação) e RMSP (carga urbana)
  46. 46. • 26.500 km de vias navegáveis • 10.000 km em canais artificiais • Principais corpos d’água: Reno, Danúbio, Ródano,
  47. 47. CAIS EXCL USIVO PAR FEEDERS A BARCAÇ AS E
  48. 48. Embarcação-tipo porta-contêiner [510TEU] 17 TEU 5 TEU 6 TEU 5 4
  49. 49. Estatísticas transporte rodoviário Região Metropolitana de São Paulo Milhões Produto Ton./ Ano Cimento 19 Pedra britada 34 Areia 48 Entulho de construção 10 Total 111 Nº de viagens/dia: ~26.000
  50. 50. RMSP CARGA URBANA 430 ~ 440.000 1 Bilhão (Estimativa 2008) (Estimativa 2008) Equivalente à movimentação annual do Porto de Santos (± 80 milhões t), cada mes, nas ruas e avenidas de São Paulo!
  51. 51. Principais cargas de passagem na RMSP Vale do Paraíba / Minas Gerais Bauxita 2 milhões de t Siderúrgicos Sorocaba 3,1 milhões de t RMSP Minério Ferro 15 milhões de t Itapeva Madeira 4,2 milhões de t er e is n têin ustria Co oind de t Agr milhão 1 RS - SC Santos
  52. 52. HIDROANEL METROPOLITANO Salto São Miguel Paulista 37 km 14 km Edgar de Penha Souza 41 km 6 km Taiaçupeba 25 km 5 km Pedreira Hidroanel: ~186km 28 km Rio Grande da Serra 30 km Surpresa? São Paulo é quase uma ilha!

×