MARÇO 2015
PANORAMA DE
DEFESA COMERCIAL E
FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR
SUMÁRIO
Defesa comercial
	 OMCaprovaaaberturadopaineldedisputaparaavaliarmedidasbrasileirasdeincentivofiscal
	 Investigaçõ...
DEFESA COMERCIAL
No dia 17 de dezembro de 2014, a Organização Mundial do Comércio (OMC) aprovou o estabelecimento de um pa...
INVESTIGAÇÕES DE ORIGEM NÃO PREFERENCIAL
DEFESA COMERCIAL
A Secretaria de Comércio Exterior (Secex) concluiu, em fevereiro...
BRASIL COMO USUÁRIO DE DEFESA COMERCIAL
DEFESA COMERCIAL
Atualmente, há 143 medidas de defesa comercial em vigor1 aplicada...
DEFESA COMERCIAL
JULHO A DEZEMBRO DE 2014
PRODUTO NCM PAÍS TIPO DE MEDIDA DATA DE APLICAÇÃO
PRAZO DE
VIGÊNCIA
Tubos de aço...
DEFESA COMERCIAL
Tabela 3. Medidas de defesa comercial aplicadas pelo Brasil (janeiro e fevereiro de 2015)
JANEIRO E FEVER...
PANORAMA DE DEFESA COMERCIAL E FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR | MARÇO 2015 8
FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR
NOVAS ETAP...
PANORAMA DE DEFESA COMERCIAL E FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR | MARÇO 2015 9
FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR
OPERADOR E...
PANORAMA DE DEFESA COMERCIAL E FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR | MARÇO 2015 10
FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR
CAMEX APR...
PANORAMA DE DEFESA COMERCIAL E FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR | MARÇO 2015 11
FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR
ALTERADAS...
Equipe Técnica
Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior – Derex
Diretor Titular: Thomaz Zanotto
Gerente...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Panorama de Defesa Comercial – ed#16 – março 2015

522 visualizações

Publicada em

Panorama de Defesa Comercial – março 2015

Publicada em: Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
522
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Panorama de Defesa Comercial – ed#16 – março 2015

  1. 1. MARÇO 2015 PANORAMA DE DEFESA COMERCIAL E FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR
  2. 2. SUMÁRIO Defesa comercial OMCaprovaaaberturadopaineldedisputaparaavaliarmedidasbrasileirasdeincentivofiscal Investigaçõesdeorigemnãopreferencial Brasilcomousuáriodedefesacomercial Facilitação do comércio exterior NovasetapasdoPortalÚnicodeComércioExterior Operadoreconômicoautorizado Camexaprovalistadeex-tarifáriosparaincentivarinvestimentosnoBrasil Camexconsolidarevisãodalistadeautopeçassemproduçãonacional AlteradasasalíquotasdoPis/PasepeCofinsparaimportação Equipe técnica 3 4 5 8 9 10 10 11 12 PANORAMA DE DEFESA COMERCIAL E FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR | MARÇO 2015 2
  3. 3. DEFESA COMERCIAL No dia 17 de dezembro de 2014, a Organização Mundial do Comércio (OMC) aprovou o estabelecimento de um painel de disputa contra o Brasil, requerido pela União Europeia, sob a alegação de que o Brasil aplica tributos discrimina- tórios a produtos importados em benefício da produção local. Segundo a queixa europeia, os setores automotivo, de tecnologia da informação e comunicação são os mais bene- ficiados. Além disso, contesta-se supostas vantagens fiscais aos exportadores brasileiros. Programas como o Ino- var-Auto, o Programa de Incentivos ao Setor de Semicondutores (Padis), o Programa de Apoio ao Desenvolvimen- to Tecnológico da Indústria de Equipamentos para TV Digital (PATVD), o Regime Especial de Aquisição de Bens de Capital para Empresas Exportadoras (Recap), a Lei da Informática e o Processo Produtivo Básico (PPB) fazem parte dos questionamentos. As zonas francas, questionadas no pedido de consultas, não foram mencionadas na carta de requerimento de painel enviada pela União Europeia. OMC APROVA A ABERTURA DO PAINEL DE DISPUTA PARA AVALIAR MEDIDAS BRASILEIRAS DE INCENTIVO FISCAL O primeiro pedido de abertura de disputa, realizado no dia 31 de outubro de 2014, foi rejeitado pelo Brasil. Pelas regras da OMC, o segundo pedido formal sobre um mesmo tema não poderia ser vetado, permitindo que o painel de disputa fosse instalado após apresentação de novo requerimento pela União Europeia. A análise do caso ocorrerá em âmbito do Órgão de Solução de Controvérsias (OSC) (Figura 1). Figura 1. Andamento do painel de disputa contra o Brasil. 19 de Dezembro de 2013 A União Europeia notificou o Secretariado da OMC de um pedido de consultas com o Brasil sobre supostas vantagens fiscais discriminatórias. 31 de Outubro de 2014 A União Europeia apresentou pedido formal para o estabelecimento de um Painel de disputa. 18 de Novembro de 2014 O Brasil rejeitou o pedido de estabelecimento de um Painel. 17 de Novembro de 2014 A OMC deferiu o estabelecimento do painel, diante do segundo pedido da União Europeia, dando início às análises do OSC. Treze países solicitaram participar do processo como terceiras partes: África do Sul, Argentina, Austrália, Canadá, China, Colômbia, Coreia, Estados Unidos, Índia, Japão, Rússia, Taipé Chinês e Turquia. PANORAMA DE DEFESA COMERCIAL E FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR | MARÇO 2015 3
  4. 4. INVESTIGAÇÕES DE ORIGEM NÃO PREFERENCIAL DEFESA COMERCIAL A Secretaria de Comércio Exterior (Secex) concluiu, em fevereiro, sete procedimentos especiais de verificação de origem não preferencial, referentes aos produtos elencados na Tabela 1. Tabela 1. Procedimentos especiais de verificação de origem não preferencial concluídos pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) em fevereiro de 2015 NCM = nomenclatura comum do Mercosul. Fonte: DEINT/MDIC. As seis investigações referentes aos objetos de louça compõem uma aná- lise que contempla outras 19 investi- gações relativas ao mesmo produto, atualmente em curso. Com relação aos cadeados, ao longo de 2014 foram apurados dois outros casos de falsa classificação de origem não preferen- cial, com a desqualificação das impor- tações originárias da Malásia para os produtores investigados. As licenças de importação solicitadas por importadores brasileiros que se relacionem aos produtos e produtores desqualificados serão indeferidas. Produto NCM Base legal Origem Empresa Determinação Objetos de louça para mesa, independentemente do seu grau de porosidade 6911.10.10 6911.10.90 6911.90.00 6912.00.00 Portaria SECEX 05/2015 Tailândia Quality Ceramic Co., Ltd. Origem qualificada Portaria SECEX 06/2015 Malásia Homset Healthy Ceramic Industries Origem desqualificada Portaria SECEX 07/2015 Malásia Ceramico Industry Origem desqualificada Portaria SECEX 09/2015 Malásia Raise & Roice Industries Origem desqualificada Portaria SECEX 10/2015 Malásia Porcemic Tableware Industrial Factor Origem desqualificada Portaria SECEX 11/2015 Tailândia Ceramic STC Co., Ltd. Origem desqualificada Cadeados 8301.10.00 Portaria SECEX 08/2015 Malásia Zinaco Industrial and Hardware Industries Origem desqualificada Regras de origem são critérios estabelecidos em lei que permitem a determinação do país no qual uma mercadoria tenha sido produzida ou tenha recebido transformação substancial. As investigações de origem não preferencial destinam-se à apuração de denúncias relativas às falsas declarações de origem, as quais podem visar burlar o pagamento de direitos, frustrando a eficácia de medidas de defesa comercial. PANORAMA DE DEFESA COMERCIAL E FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR | MARÇO 2015 4
  5. 5. BRASIL COMO USUÁRIO DE DEFESA COMERCIAL DEFESA COMERCIAL Atualmente, há 143 medidas de defesa comercial em vigor1 aplicadas pelo Brasil e 49 investigações em curso2. As investigações abertas e medidas aplicadas relativas ao segundo semestre de 2014 e ao primeiro bimestre de 2015 são apresentadas nas Tabelas 2 a 5. Tabela 2. Medidas de defesa comercial aplicadas pelo Brasil (julho a dezembro de 2014) 1 As medidas de defesa comercial em vigor contemplam medidas definitivas, provisórias e compromissos de preço. 2 Fonte: DECOM | MDIC JULHO A DEZEMBRO DE 2014 PRODUTO NCM PAÍS TIPO DE MEDIDA DATA DE APLICAÇÃO PRAZO DE VIGÊNCIA Filtros cerâmicos refratários 6903.90.91 6903.90.99 China Direito antidumping definitivo 03/07/2014 03/07/2019 Vidros para uso em eletrodomésticos da linha fria 7007.19.00 China Direito antidumping definitivo 03/07/2014 03/07/2019 Porcelanato técnico 6907.90.00 China Direito antidumping provisório 08/07/2014 08/01/2015 Vidros planos flotados incolores 7005.29.00 China; Emirados Árabes Unidos; México; EUA; Egito; Arábia Saudita Direito antidumping provisório 14/07/2014 14/01/2015 Pirofosfato ácido de sódio (SAPP) 2835.39.20 China; EUA; Canadá Direito antidumping definitivo 15/08/2014 15/08/2019 Resina de policloreto de vinila 3904.10.10 China; Coreia do Sul Prorrogação do direito antidumping definitivo 15/08/2014 15/08/2019 Resina de polipropileno 3902.10.20 3902.30.00 África do Sul; Índia; Coreia do Sul Direito antidumping definitivo 28/08/2014 28/08/2019 Fenol 2907.11.00 União Europeia; EUA Prorrogação do direito antidumping definitivo 19/09/2014 19/09/2019 Papel supercalandrado 4806.40.00 EUA; Finlândia Prorrogação do direito antidumping definitivo 08/10/2014 08/10/2019 PANORAMA DE DEFESA COMERCIAL E FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR | MARÇO 2015 5
  6. 6. DEFESA COMERCIAL JULHO A DEZEMBRO DE 2014 PRODUTO NCM PAÍS TIPO DE MEDIDA DATA DE APLICAÇÃO PRAZO DE VIGÊNCIA Tubos de aço sem costura 7304.51.19 7304.59.11 7304.59.19 China Direito antidumping definitivo 30/10/2014 30/10/2019 Ímãs de ferrite 8505.19.10 China; Coreia do Sul Direito antidumping provisório 30/10/2014 30/04/2015 Filmes PET 3920.62.19 3920.62.91 3920.62.99 3920.62.11 3920.63.00 3920.69.00 Egito; Índia; China Direito antidumping provisório 24/11/2014 24/05/2015 Tubo de aço carbono (line pipe) 7304.19.00 Ucrânia Direito antidumping definitivo 24/11/2014 24/11/2019 Pneus novos radiais 4011.20.90 África do Sul; Coreia do Sul; Japão; Rússia; Tailândia; Taipé Chinês Direito antidumping definitivo 24/11/2014 24/11/2019 Acrilato de butila 2916.12.30 Estados Unidos Prorrogação do direito antidumping definitivo 19/12/2014 19/12/2019 Vidros planos flotados incolores 7005.29.00 China; Emirados Árabes Unidos; México; EUA; Egito; Arábia Saudita Direito antidumping definitivo 19/12/2014 19/12/2019 Porcelanato técnico 6907.90.00 China Direito antidumping definitivo 19/12/2014 19/12/2019 Tabela 2. Medidas de defesa comercial aplicadas pelo Brasil (julho a dezembro de 2014) (continuação) NCM = nomenclatura comum do Mercosul. PANORAMA DE DEFESA COMERCIAL E FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR | MARÇO 2015 6
  7. 7. DEFESA COMERCIAL Tabela 3. Medidas de defesa comercial aplicadas pelo Brasil (janeiro e fevereiro de 2015) JANEIRO E FEVEREIRO DE 2015 PRODUTO NCM PAÍS TIPO DE MEDIDA DATA DE APLICAÇÃO PRAZO DE VIGÊNCIA Eletrodos de grafite menores 8545.11.00 3801.10.00 China Prorrogação do direito antidumping definitivo 30/01/2015 30/01/2020 Arames galvanizados 7217.20.10 7217.20.90 Suécia Direito antidumping definitivo 30/01/2015 30/01/2020 Fonte: DECOM/MDIC. NCM = nomenclatura comum do Mercosul. Fonte: DEINT/MDIC. Tabela 4. Abertura de investigações de defesa comercial pelo Brasil (julho a dezembro de 2014) JULHO A DEZEMBRO DE 2014 PRODUTO NCM PAÍS TIPO DE MEDIDA DATA DA ABERTURA Seringas descartáveis de uso geral 9018.31.11 9018.31.19 China Antidumping 17/09/2014 Filmes, chapas, folhas, películas, tiras e lâminas de poli 3920.62.19 3920.62.91 3920.62.99 3920.62.11 3920.63.00 3920.68.99 3920.69.00 Índia Medidas compensatórias 24/11/2014 Acrilato de butila 2916.12.30 Alemanha; África do Sul; Taipé Chinês Antidumping 01/12/2014 Magnésio metálico 8104.11.00 8104.19.00 China Antidumping 08/12/2014 Alicates de cutícula 8214.20.00 China Antidumping 15/12/2014 NCM = nomenclatura comum do Mercosul. Fonte: DEINT/MDIC. JANEIRO E FEVEREIRO DE 2015 PRODUTO NCM PAÍS TIPO DE MEDIDA DATA DA ABERTURA Talheres 8211.10.00 8211.91.00 8215.20.00 8215.99.10 China Avaliação de escopo 23/02/2015 Tabela 5. Abertura de investigações de defesa comercial pelo Brasil (janeiro e fevereiro de 2015) Fonte: DECOM/MDIC. NCM = nomenclatura comum do Mercosul. Fonte: DEINT/MDIC. PANORAMA DE DEFESA COMERCIAL E FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR | MARÇO 2015 7
  8. 8. PANORAMA DE DEFESA COMERCIAL E FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR | MARÇO 2015 8 FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR NOVAS ETAPAS DO PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR O Portal Único de Comércio Exterior objetiva a facilitação das operações de comércio exterior por meio do registro de operações em uma única base eletrônica (single window), permitindo a integração dos sistemas de controle dos órgãos anuentes. Além disso, o Portal permite a anexação eletrônica de documentos, dispensando o uso de papel, e busca reduzir o tempo de processamento das importações de 17 para 10 dias e das exportações de 13 para 8 dias, bem como aprimorar a análise de risco prévia à importação. Em dezembro de 2014, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), juntamente com a Receita Federal do Brasil (RFB), apresentou as novas etapas concluídas do Portal Único de Comércio Exterior. As entregas anunciadas foram: Anexação de Documentos Digitalizados, o Sistema de Drawback Isenção Web e o Sis- tema de Declaração de Exportação WEB (DE-WEB). Tais medidas se alinham ao cronograma do Governo, que visa à implantação do sistema em sua totalidade até o final de 2017. As etapas do Portal Único concluídas atualmente, relativas aos anos de 2013 e 2014, são apresentadas na Figura 2. Figura 2. Etapas já concluídas do Portal Único de Comércio Exterior. NOVEMBRO/2013 Novo fluxo aduaneiro de exportação: documentos serão exigidos somente quando houver seleção documental ou física pela aduana ABRIL/2014 Visão integrada (tela única): possibilidade de visualizar em uma única tela a situação de Registro de Exportação (RE), Licenças de Importação (LI) e os Despachos de Exportação (DE) e Importação (DI) DEZEMBRO/2013 Aplicativo Importação: consulta de declaração de importação e situação dos despachos aduaneiros. DEZEMBRO/2014 Drawback Integrado Isenção WEB: automatiza os processos de operações amparadas pelo regime, desde a comprovação das operações realizadas até o controle da reposição dos estoques com a isenção de tributos. Anexação de documentos digitalizados: possível para a quase totalidade dos processos administrados pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex), permitindo a apresentação, pela internet, de documentos eletrônicos ou digitalizados vinculados a operações de comércio exterior. Declaração de Exportação (DE) WEB: as declarações de exportação passam a ser realizadas eletronicamente.
  9. 9. PANORAMA DE DEFESA COMERCIAL E FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR | MARÇO 2015 9 FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR OPERADOR ECONÔMICO AUTORIZADO No final de 2014, a RFB instituiu o Programa Brasileiro de Operador Econômico Autorizado (OEA) por meio da Ins- trução Normativa (IN) 1.521, de dezembro de 2014. O programa tem como objetivo promover a facilitação e a segurança do comércio internacional, com base nas normas internacionais estabelecidas pela Organização Mundial das Aduanas (OMA), o SAFE Frameworks. No Brasil, o OEA possui caráter voluntário e consiste na cer- tificação, pela RFB, de empresas que apresentem baixo risco em suas operações, seja em relação à segurança física da carga quanto ao cumprimento de suas obriga- ções tributárias e aduaneiras. Conforme a referida IN, poderão ser certificados impor- tadores ou exportadores brasileiros, depositários de mercadoria sob controle aduaneiro, operadores portuá- rios ou aeroportuários, transportadores, despachantes aduaneiros e agentes de carga. O programa de OEA bra- sileiro será implementado em três fases: OAE Segurança, OEA Conformidade e OEA Integrado (Figura 3). Em evento realizado em dezembro de 2014, a RFB anun- ciou as primeiras empresas a receber o certificado de OEA por terem participado da fase-piloto do programa, quais sejam: Embraer, DHL Global Forwarding, 3M do Brasil, Aeroporto Brasil Viracopos S/A e CNH Industrial. Figura 3. Fases do Programa Brasileiro de Operador Econômico Autorizado (OEA). Fonte: DEREX. OEA Segurança •Conclusão:Dez/2014 •Foco:Fluxodeexportação •Objetivo:CertificaçãodeOEA combasenocumprimento dosrequisitosdesegurança definidospeloPrograma OEA Conformidade •Previsãodeinício:Dez/2015 •Foco:Fluxodeimportação •Objetivo:Certificação deOEAcombaseno cumprimentodenormase procedimentosaduaneiros OEA Integrado •Previsãodeinício:Dez/2016 •Foco:Integraçãodosórgãosanuentes •Objetivo:IntegraraoPrograma BrasileirodeOperadorEconômico AutorizadoosórgãosdeEstado,como Anvisa,Vigiagro,entreoutros,visando àagilizaçãodosprocedimentosde controledocomércioexterior
  10. 10. PANORAMA DE DEFESA COMERCIAL E FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR | MARÇO 2015 10 FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR CAMEX APROVA LISTA DE EX-TARIFÁRIOS PARA INCENTIVAR INVESTIMENTOS NO BRASIL CAMEX CONSOLIDA REVISÃO DA LISTA DE AUTOPEÇAS SEM PRODUÇÃO NACIONAL No início de 2015, a Câmara de Comércio Exterior (Camex) publicou as Resoluções Camex 7/2015 e a 8/2015. Ambas as publicações tratam da redução da alíquota do imposto de importação para 445 máquinas e equipamentos na condição de Bens de Capital (BK) e Bens de Informática e Telecomunicações (BIT) sem produção nacional. Segundo dados do MDIC, as importações dos referidos produtos representam aproximadamente US$ 1 bilhão, sendo utilizadas por indústrias que planejam investir cerca de US$ 1,4 bilhão no Brasil. Dentre os bens contemplados na lista aprovada estão 435 bens de capital, beneficiados com redução da alíquotadoImpostodeImportaçãode14%para2%, e10 bens de informática e telecomunicações, beneficiados com redução de 16% para 2% do referido imposto. As alterações permanecem vigentes até 31/12/2015 (para BIT) e até 30/06/2015 ou 30/06/2016 (para BK, conforme o produto). Comoobjetivodeincrementaracompetitividadedosetor automotivo, foi aprovada pela Camex a revisão da lista de autopeças não produzidas no Brasil, conforme Resolução Camex 116/2014, publicada em 19 de dezembro de 2014. A medida se alinha à política industrial do Regime de AutopeçasnãoProduzidas,previstonoacordoautomotivo Brasil-Argentina (estabelecido no 38º Protocolo Adicional ao Acordo de Complementação Econômica 14). O acordo prevê a redução do Imposto de Importação de itens automotivos não fabricados no Brasil para 2%, quando adquiridos para fins produtivos. As autopeças que integram a lista estão classificadas em 111 NCM, consolidadas a partir de propostas de entidades representativas do setor privado. Houve inclusões de novos produtos, exclusões e alterações nas descrições de ex-tarifários. As reduções contemplam autopeças classificadas como Bens de Capital (BK) e Bens de Informática e Telecomunicação (BIT), dentre outras NCM. A referida lista visa diminuir o custo de componentes que atendem às normas de controle de emissões e de segurança para automóveis novos. EX-TARIFÁRIOS O regime consiste na redução da alíquota do imposto de impor- tação de Bens de Capital (BK) e Bens de Informática e Telecomu- nicações (BIT). Visa estimular os investimentos para ampliação e reestruturaçãodosetorprodutivo do Brasil e é válido somente para os produtos que não dispõem de produção nacional equivalente. A concessão do regime é regulada pela Resolução Camex 66/2014.
  11. 11. PANORAMA DE DEFESA COMERCIAL E FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR | MARÇO 2015 11 FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR ALTERADAS AS ALÍQUOTAS DO PIS/PASEP E COFINS PARA IMPORTAÇÃO No início de 2015 foi publicada a Medida Provisória (MP) 668, de janeiro de 2015, alterando a Lei 10.865/04 e dispondo sobre a elevação das alíquotas de tributação de Programa de Integração Social (PIS)/Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) – Importação (PIS/Pasep – Importação) e Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins) – Importação (Cofins – Importação) incidentes na importação de mercadorias. A MP anteriormente citada estabelece que partir de 1º de maio de 2015 ficam elevadas as alíquotas do PIS/Pasep e da Cofins para os patamares relacionados na Tabela 6. Tabela 6. Reajustes das alíquotas do Programa de Integração Social (PIS)/Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) – Importação (PIS/Pasep – Importação) e Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins) – Importação (Cofins – Importação) AS EDIÇÕES ANTERIORES DO PANORAMA DE DEFESA COMERCIAL E FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR PODEM SER ACESSADAS AQUI. ANTES DEPOIS PIS/Pasep Importação Cofins Importação PIS/Pasep Importação Cofins Importação Alíquota geral 1,65% 7,6% 2,1% 9,65% Produtos fármacos 2,1% 9,9% 2,76% 13,03% Produtos de perfumaria e toucador 2,2% 10,3% 3,52% 16,48% Máquinas e veículos 2% 9,6% 2,62% 12,57% Pneus novos e câmaras de ar 2% 9,5% 2,88% 13,68% Autopeças 2,3% 10,8% 2,62% 12,57% Papel imune 0,8% 3,2% 0,95% 3,81%
  12. 12. Equipe Técnica Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior – Derex Diretor Titular: Thomaz Zanotto Gerente: Magaly Menezes Manquete Área de Defesa Comercial e Facilitação do Comércio Exterior Diretor Titular Adjunto: Eduardo de Paula Ribeiro Consultor: Domingos Mosca Equipe: Bruno Capucci, Bruno Youssef, Carolina Cover, Decio Novaes, Letícia Prado e Patricia Vilarouca Telefone: (11) 3549-4221/4620 Fax: (11) 3549-4730 Federação das Indústrias do Estado de São Paulo – Fiesp Endereço: Av. Paulista, 1313 – 4º andar | São Paulo-SP | 01311-923 www.fiesp.com PANORAMA DE DEFESA COMERCIAL E FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR | MARÇO 2015 12

×