São Paulo, 07 de fevereiro de 2012                                                                                  Result...
Impactada negativamente pelo 4º trimestre de 2011, e pelo baixo crescimento dos trimestresanteriores, a produção industria...
Crescimentos Comparados e Aproveitamento do Consumo Aparente     Indústria Geral                                          ...
Com a produção industrial estagnada, a elevação do coeficiente é explicada pela taxa decrescimento das exportações que, ta...
Coeficientes de Exportação - Setores Selecionados - Comparação Anual                 Calçados                           Má...
crescimento da produção entre 2006 e 2011 (medida em quantum, ou seja, a preçoscorrentes) foi de 2,8%. Do lado das importa...
de máquinas e equipamentos para fins industriais e comerciais, por exemplo, expandiude 47,2% para 52,0%. O mesmo ocorre pa...
Coeficientes de Exportação (Anual)                                     2011        2011                                   ...
Coeficientes de Importação (Anual)                                     2011        2011                                   ...
EQUIPE TÉCNICAFederação das Indústrias do Estado de São Paulo – FIESPDepartamento de Relações Internacionais e Comércio Ex...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Coeficientes de Exportação e Importação: Análise dos Resultados - 4º trimestre 2011

1.507 visualizações

Publicada em

Indicador de periodicidade trimestral da participação dos importados no consumo brasileiro e das exportações na receita dos setores. Estudo realizado pela área de Análise Econômica do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior da FIESP.

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.507
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
930
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Coeficientes de Exportação e Importação: Análise dos Resultados - 4º trimestre 2011

  1. 1. São Paulo, 07 de fevereiro de 2012 Resultados do ano de 2011 Contextualização A produção industrial brasileira no 4º trimestre de 2011 apenas confirmou a tendência de estagnação esperada para o ano. Em ambas as séries, com e sem ajuste sazonal, o trimestre em questão apresenta queda quando comparado ao mesmo período de 2010, respectivamente, 1,6% e 2,0%. Na comparação com o trimestre imediatamente anterior o cenário é semelhante: a série sem ajuste sazonal apresenta queda de 4,7%, enquanto que a série com ajuste apresenta uma retração menor, de 1,4%. Apesar do recuo das séries no período recente, a comparação com 2008 demonstra alta na produção industrial, muito embora a produção neste ano tenha sido severamente influenciada pela crise internacional. Índice de Produção Industrial - Indústria Geral 4º Tri/2007=100 sem ajuste sazonal com ajuste sazonal sem ajuste: -2,0%uste sazonal sem ajuste: +7,1% com ajuste: -1,6% com ajuste: +8,8% 4º T 2007 1º T 2008 2º T 2008 3º T 2008 4º T 2008 1º T 2009 2º T 2009 3º T 2009 4º T 2009 1º T 2010 2º T 2010 3º T 2010 4º T 2010 1º T 2011 2º T 2011 3º T 2011 4º T 2011 Fonte: PIM-IBGE Elaboração: FIESP 1
  2. 2. Impactada negativamente pelo 4º trimestre de 2011, e pelo baixo crescimento dos trimestresanteriores, a produção industrial anual apresenta um ligeiro crescimento de 0,3%, resultadoabaixo do crescimento da demanda interna (consumo aparente) por bens industriais em 2011. Média Anual da Produção Industrial (2002=100) - Indústria Geral variação 2011/2010: +0,3% 128,4 128,8 125,5 121,8 114,9 116,3 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Fonte: PIM-IBGE Elaboração: FIESPComo é possível notar no quadro seguinte, o consumo aparente em 2011 reduziu a velocidadede seu crescimento (1,2%) quando comparado à variação observada em 2010 (14,2%).Ademais, quando analisamos o aproveitamento do crescimento em 2011, percebemos que osimportados tiveram participação majoritária (54,5% do total), em detrimento da indústrianacional que ficou com o percentual remanescente (45,5%). Tais números invertem o cenárioencontrado em 2010, quando a indústria nacional ficou com a maior fatia (53,2%).A partir da conjuntura atual é possível observar um forte movimento de perda de market shareda indústria nacional no mercado interno. Conforme destacado, a produção industrial nãoapresentou alterações significativas em relação ao ano passado, diminuindo ainda o seupercentual destinado ao mercado interno (-0,5%), enquanto que as importações cresceram emritmo superior ao consumo aparente (7,4%). Tal disparidade explicita o movimento desubstituição de produtos nacionais no consumo interno brasileiro que, caso mantido pelospróximos anos, levará o Brasil a aprofundar o atual cenário de perda de participação daindústria no Produto Interno (PIB). 2
  3. 3. Crescimentos Comparados e Aproveitamento do Consumo Aparente Indústria Geral Aproveitamento da Expansão Variação 2011 x 2010 de 1,2% do Consumo Aparente 7,4% Importados 54,5% 1,2% -0,5% 45,5% Consumo Produção Importações Indústria Aparente Industrial para o Nacional Mercado Interno *Variação relativa a valores em R$ cons tantes de 2006Resultados dos Coeficientes de Exportação (CE)Indústria Geral e de TransformaçãoEm 2011, a participação da parcela exportada da produção industrial nacional se elevou tantona indústria Geral quanto na indústria de transformação. Ambas tiveram um aumento de 0,6 p.p. no coeficiente de exportação quando na comparação com o ano anterior. Evolução Anual do Coeficiente de Exportação Indústria Geral Indústria de Transformação 21,1% 21,1% 20,9% 19,9% 19,5% 19,6% 18,9% 17,5% 18,0% 19,4% 19,1% 18,6% 18,3% 17,3% 15,9% 16,4% 15,4% 15,8% 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011Fonte: FIESP 3
  4. 4. Com a produção industrial estagnada, a elevação do coeficiente é explicada pela taxa decrescimento das exportações que, tanto na indústria geral quanto na de transformação, foisuperior a da produção. Na comparação com o ano de 2010, a indústria geral apresentouelevação de 3,4% nas exportações (a preços constantes), enquanto que o crescimento daprodução neste mesmo período foi de apenas 0,3%. O mesmo ocorre na indústria detransformação, que registrou alta de 3,9% no quantum exportado, contra um crescimento pífiode produção industrial (0,2%).Dessa forma, é possível constatar que, apesar da estagnação, uma maior parcela da produçãoindustrial tem sido direcionada ao mercado externo, o que leva a um aumento do peso dasimportações no consumo doméstico.Análise Setorial dos Coeficientes de ExportaçãoDos 33 setores analisados pelo coeficiente de exportação (CE), 16 apresentaram alta emrelação a 2010, sendo que apenas um setor (produtos farmacêuticos) registrou o maiorpatamar da série histórica, calculada a partir de 2003.Dos 5 setores que tiveram as maiores elevações no CE, apenas 1, o setor de máquinas eequipamentos para extração mineral e construção, registrou elevação nas variáveis produçãoindustrial (9,8%) e exportações (24,2% - a preços correntes) na comparação com 2010. Todosos demais apresentaram o cenário de queda na produção e elevação das exportações,respectivamente: ferro-gusa e ferroliga (-3,0% e +23,4%); tratores e máquinas e equipamentospara agricultura (-5,2% e 10,6%); siderurgia (-0,3% e 20,2%); e produtos têxteis (-14,4% e11,0%).Cabe salientar que, o setor de máquinas e equipamentos para extração mineral e construção,cujo aumento foi de 3,7 p.p, em 2011, contribuiu para o resultado geral. No entanto, este valoré muito inferior ao histórico do setor, embora tenha se elevado em relação a 2010 (28,2%) e2009 (27,4%). Um resultado semelhante pode ser observado nos setores de automóveis,caminhões e ônibus, bem como no de peças e acessórios para veículos automotores, cuja altado coeficiente quando comparado a 2010 e 2009, continua abaixo dos resultados registradosnos anos anteriores e com uma perspectiva de estagnação.Entre os setores que apresentaram queda no CE, vale destacar o setor de calçados, quemantém uma trajetória decrescente desde o inicio da série em 2003. Em 2011, com umaparticipação de 17%, o setor atingiu o menor nível histórico do coeficiente. 4
  5. 5. Coeficientes de Exportação - Setores Selecionados - Comparação Anual Calçados Máqs. e equips. para extração mineral e construção 30% 49% 28% 45% 43% 24% 19% 18% 32% 17% 27% 28% 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Automóveis, caminhões e Peças e acessórios para ônibus veículos automotores 27% 22% 15% 19% 12% 13% 14% 10% 9% 9% 11% 7% 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2006 2007 2008 2009 2010 2011Resultados dos Coeficientes de Importação (CI)Indústria Geral e de TransformaçãoEm 2011, a parcela dos importados no consumo aparente nacional continuou suatrajetória expansiva. Com uma elevação de 1,3 p.p., em relação ao ano imediatamenteanterior, o coeficiente de importação da indústria geral chegou ao recorde histórico dasérie (23,1%). Seguindo esta tendência, o mesmo ocorreu com a indústria detransformação, que registrou o maior índice de penetração, em uma série que teveinício em 2003 (21,9%).Este fato é explicado pelas taxas de crescimento das importações frente ao consumodoméstico (consumo aparente). Em 2011, a indústria geral e de transformação registrouexpansão do consumo interno de 1,2%, enquanto que as importações de ambas (apreços constantes) se elevaram em 7,4% e 8,4%, respectivamente, em relação a 2010.Esta conjuntura torna-se alarmante quando comparadas as taxas de crescimento deprodução industrial e importações. Na indústria de transformação, a taxa média de 5
  6. 6. crescimento da produção entre 2006 e 2011 (medida em quantum, ou seja, a preçoscorrentes) foi de 2,8%. Do lado das importações, o crescimento foi de 17,7%. Evolução Anual do Coeficiente de Importação Indústria Geral Indústria de Transformação 23,1% 21,8% 20,1% 18,2% 18,3% 21,9% 16,2% 20,4% 14,1% 14,6% 18,3% 12,5% 16,4% 16,6% 14,4% 11,6% 12,6% 10,5% 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Fonte: FIESPAnálise Setorial dos Coeficientes de ImportaçãoDos 33 setores analisados pelo coeficiente de importação (CI), 27 setores apresentaramaumento dos importados sobre o consumo aparente, sendo que 23 deles atingiram orecorde da série histórica elaborada pela FIESP.A expansão de 1,3 p.p. do CI da indústria geral pode ser atribuída, principalmente, aelevação do coeficiente da indústria de transformação, que aumentou 1,4 p.p. emrelação a 2010. A despeito do resultado aparentemente tímido do coeficiente, éimportante destacar que, em 2011, o avanço das importações se deu em um ritmosuperior a expansão do consumo aparente.Dentre os setores com as maiores elevações, destacou-se o setor de produtos têxteis,cuja participação dos importados cresceu de 19,6% em 2010 para 24,1% em 2011. Omesmo movimento verificou-se no setor de artigos do vestuário e acessórios, queregistrou alta de 3,2 p.p. no período. As máquinas também exibiram alta do CI. O setor 6
  7. 7. de máquinas e equipamentos para fins industriais e comerciais, por exemplo, expandiude 47,2% para 52,0%. O mesmo ocorre para máquinas e equipamentos para extraçãomineral e construção, cujo aumento foi de 4,2 p.p. em 2011.Por fim, entre os setores que apresentaram retração do CI em 2011, vale destacar odesempenho do coeficiente dos setores de siderurgia (12,9%) e aeronaves (45,4%) quemostraram queda de 3,9 p.p. e 1,8 p.p., respectivamente. Este último, vemapresentando uma menor participação do conteúdo importador no setor desde 2007,ano em que o CI atingiu um pico de 120%. Coeficientes de Importação - Setores Selecionados - Comparação Anual Produtos têxteis Artigos do vestuário e acessórios 24,1% 19,6% 10,2% 16,0% 15,2% 7,0% 13,5% 10,6% 5,5% 4,1% 4,1% 4,8% 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Máqs. e equips. para fins industriais e Preparação de couros e artefatos de comerciais couro 52,0% 47,2% 42,8% 42,7% 28,2% 29,3% 35,3% 37,6% 18,3% 19,8% 14,8% 16,4% 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2006 2007 2008 2009 2010 2011 7
  8. 8. Coeficientes de Exportação (Anual) 2011 2011 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2010 2009 Indústria Geral 21,1% 20,9% 19,6% 18,0% 18,9% 19,5% 0,6 pp ▲ 1,5 pp ▲ Indústria de Transformação 19,1% 18,6% 17,3% 15,4% 15,8% 16,4% 0,6 pp ▲ 1,0 pp ▲ Indústrias Extrativas 57,9% 63,2% 61,8% 67,4% 75,3% 74,8% -0,4 pp ▼ 7,5 pp ▲ Ferro-gusa e ferroligas 59,5% 54,1% 54,9% 43,0% 34,5% 43,9% 9,4 pp ▲ 1,0 pp ▲ Tratores e máqs. e equips. para a agricultura 64,3% 49,9% 42,1% 31,9% 31,7% 37,0% 5,3 pp ▲ 5,1 pp ▲ Máqs. e equips. para extração mineral e construção 49,3% 44,7% 43,2% 27,4% 28,2% 31,9% 3,7 pp ▲ 4,5 pp ▲ Siderurgia 25,7% 20,4% 16,3% 18,8% 16,3% 19,6% 3,4 pp ▲ 0,9 pp ▲ Produtos têxteis 13,3% 14,0% 13,5% 11,6% 11,1% 14,4% 3,3 pp ▲ 2,8 pp ▲ Outros equipamentos de transporte (3) 14,0% 18,7% 17,2% 9,4% 11,9% 14,7% 2,8 pp ▲ 5,3 pp ▲ Máqs. e equips. para fins industriais e comerciais 24,1% 21,1% 19,0% 17,8% 16,5% 18,7% 2,2 pp ▲ 0,9 pp ▲ Metalurgia de metais não-ferrosos 45,1% 45,2% 42,6% 48,0% 44,3% 46,4% 2,1 pp ▲ -1,6 pp ▼ Produtos farmacêuticos 7,5% 8,1% 6,9% 6,4% 7,2% 8,2% 1,0 pp ▲ 1,8 pp ▲ Automóveis, caminhões e ônibus 26,6% 21,9% 18,9% 11,2% 13,4% 14,3% 0,9 pp ▲ 3,1 pp ▲ Peças e acessórios para veículos automotores 14,9% 12,3% 10,1% 7,2% 8,8% 9,4% 0,6 pp ▲ 2,2 pp ▲ Máquinas, aparelhos e materiais elétricos 18,5% 17,1% 16,5% 15,6% 14,9% 15,4% 0,5 pp ▲ -0,2 pp ▼ Produtos químicos (1) 13,0% 13,3% 12,0% 13,5% 12,7% 13,1% 0,4 pp ▲ -0,4 pp ▼ Produtos de metal 6,6% 6,9% 7,3% 6,7% 5,2% 5,4% 0,2 pp ▲ -1,3 pp ▼ Artigos de borracha e plástico 8,9% 9,2% 9,3% 8,5% 8,5% 8,7% 0,2 pp ▲ 0,2 pp ▲ Refino de petróleo e produção de álcool 11,0% 11,2% 10,8% 9,3% 6,3% 6,4% 0,1 pp ▲ -2,9 pp ▼ *Participação de cada setor sobre as exportações totais da indústria (1) Exceto farmacêuticos e perfumaria, higiene e produtos de limpeza Artigos do vestuário e acessórios 3,8% 3,1% 2,1% 1,7% 1,6% 1,5% -0,1 pp ▼ -0,2 pp ▼ Celulose, papel e produtos de papel 21,8% 22,5% 22,8% 26,0% 25,9% 25,7% -0,2 pp ▼ -0,3 pp ▼ Equips. de instrumentação médico-hospitalares (2) 17,0% 17,6% 15,3% 14,5% 14,0% 13,7% -0,3 pp ▼ -0,8 pp ▼ Perfumaria, higiene e produtos de limpeza 6,5% 6,3% 6,4% 5,9% 6,3% 5,9% -0,4 pp ▼ 0,03 pp ▲ Máqs. para escritório e equips. de informática 11,8% 8,9% 8,3% 9,1% 7,2% 6,6% -0,6 pp ▼ -2,5 pp ▼ Produtos diversos 17,8% 20,6% 16,2% 14,3% 14,7% 14,0% -0,6 pp ▼ -0,3 pp ▼ Produtos de minerais não-metálicos 12,9% 12,2% 9,1% 7,2% 7,4% 6,5% -0,9 pp ▼ -0,7 pp ▼ Alimentos e bebidas 24,7% 25,9% 25,2% 25,9% 26,3% 25,3% -1,0 pp ▼ -0,7 pp ▼ Artigos do mobiliário 12,9% 11,8% 10,4% 7,8% 6,9% 5,8% -1,1 pp ▼ -2,0 pp ▼ Eletrodomésticos 15,1% 16,4% 8,9% 5,8% 4,9% 3,5% -1,4 pp ▼ -2,3 pp ▼ Calçados 30,3% 27,6% 23,7% 19,2% 18,2% 16,8% -1,4 pp ▼ -2,4 pp ▼ (2) e instrumentos de precisão e ópticos, equipamentos para automação industrial, cronômetros e relógios Preparação de couros e artefatos de couro 56,2% 56,3% 50,4% 57,1% 63,0% 61,2% -1,8 pp ▼ 4,1 pp ▲ Material eletrônico e aparelhos de comunicação 21,3% 16,9% 16,4% 15,4% 14,4% 12,0% -2,4 pp ▼ -3,5 pp ▼ (3) Embarcações, veículos ferroviários, motocicletas, motociclos e suas partes e peças, carrocerias e reboques Fundição e tubos de ferro e aço 11,0% 8,9% 10,6% 17,0% 17,0% 14,1% -2,9 pp ▼ -2,9 pp ▼ Produtos de madeira 45,8% 46,5% 33,8% 26,7% 25,0% 20,2% -4,8 pp ▼ -6,5 pp ▼ Aeronaves 84,9% 111,0% 76,4% 48,0% 49,6% 44,4% -5,2 pp ▼ -3,6 pp ▼8
  9. 9. Coeficientes de Importação (Anual) 2011 2011 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2010 2009 Indústria Geral 16,2% 18,2% 20,1% 18,3% 21,8% 23,1% 1,3 pp ▲ 4,9 pp ▲ Indústria de Transformação 14,4% 16,4% 18,3% 16,6% 20,4% 21,9% 1,4 pp ▲ 5,3 pp ▲ Indústrias extrativas 52,0% 57,4% 56,6% 59,0% 62,1% 60,7% -1,4 pp ▼ 1,7 pp ▲ Refino de petróleo e produção de álcool 10,9% 12,5% 13,9% 11,3% 17,7% 20,7% 3,0 pp ▲ 9,4 pp ▲ Tratores e máqs. e equips. para a agricultura 49,2% 39,9% 35,9% 30,3% 35,3% 44,0% 8,6 pp ▲ 13,7 pp ▲ Material eletrônico e aparelhos de comunicação 41,0% 42,4% 44,9% 44,6% 48,5% 53,5% 5,1 pp ▲ 8,9 pp ▲ Máqs. e equips. para fins industriais e comerciais 35,3% 37,6% 42,8% 42,7% 47,2% 52,0% 4,8 pp ▲ 9,3 pp ▲ Produtos têxteis 10,6% 13,5% 16,0% 15,2% 19,6% 24,1% 4,5 pp ▲ 9,0 pp ▲ Máqs. e equips. para extração mineral e construção 27,9% 27,5% 36,8% 38,1% 36,7% 40,9% 4,2 pp ▲ 2,8 pp ▲ Automóveis, caminhões e ônibus 10,8% 12,4% 16,0% 16,0% 18,7% 22,4% 3,7 pp ▲ 6,3 pp ▲ Artigos do vestuário e acessórios 4,1% 4,1% 4,8% 5,5% 7,0% 10,2% 3,2 pp ▲ 4,7 pp ▲ Máquinas, aparelhos e materiais elétricos 23,0% 23,1% 24,8% 26,9% 33,8% 36,8% 3,0 pp ▲ 9,9 pp ▲ Máqs. para escritório e equips. de informática 40,3% 42,6% 50,4% 50,6% 53,6% 56,0% 2,4 pp ▲ 5,4 pp ▲ Ferro-gusa e ferroligas 10,4% 10,3% 10,3% 5,3% 7,5% 9,8% 2,3 pp ▲ 4,5 pp ▲ Produtos químicos (1) 23,6% 26,8% 28,8% 26,2% 29,6% 31,6% 2,0 pp ▲ 5,4 pp ▲ Eletrodomésticos 11,6% 13,9% 9,9% 10,3% 11,2% 13,2% 2,0 pp ▲ 2,8 pp ▲ Produtos de minerais não-metálicos 4,3% 5,1% 5,6% 4,7% 7,0% 9,0% 1,9 pp ▲ 4,3 pp ▲ Produtos diversos 16,8% 21,6% 24,1% 22,7% 27,4% 29,3% 1,8 pp ▲ 6,6 pp ▲ Produtos de metal 7,3% 9,0% 10,3% 10,4% 12,6% 14,3% 1,7 pp ▲ 3,9 pp ▲ *Participação de cada setor sobre as exportações totais da indústria (1) Exceto farmacêuticos e perfumaria, higiene e produtos de limpeza Metalurgia de metais não-ferrosos 27,8% 30,0% 30,8% 28,9% 32,4% 34,0% 1,6 pp ▲ 5,1 pp ▲ Artigos de borracha e plástico 9,1% 10,0% 13,4% 12,4% 15,6% 17,2% 1,5 pp ▲ 4,7 pp ▲ Calçados 3,2% 4,9% 6,9% 5,6% 5,2% 6,7% 1,4 pp ▲ 1,0 pp ▲ Outros equipamentos de transporte (3) 10,3% 12,0% 13,2% 12,9% 18,7% 20,1% 1,4 pp ▲ 7,1 pp ▲ Preparação de couros e artefatos de couro 14,8% 16,4% 18,3% 19,8% 28,2% 29,3% 1,1 pp ▲ 9,5 pp ▲ Perfumaria, higiene e produtos de limpeza 4,6% 5,5% 6,8% 6,6% 9,2% 10,2% 0,9 pp ▲ 3,6 pp ▲ Artigos do mobiliário 0,9% 1,4% 1,5% 1,4% 2,4% 3,1% 0,7 pp ▲ 1,7 pp ▲ Alimentos e bebidas 3,5% 3,8% 4,0% 4,4% 5,0% 5,5% 0,5 pp ▲ 1,1 pp ▲ Peças e acessórios para veículos automotores 9,7% 10,5% 10,9% 9,6% 11,3% 11,7% 0,4 pp ▲ 2,1 pp ▲ Produtos de madeira 3,0% 3,2% 3,0% 2,6% 2,3% 2,5% 0,2 pp ▲ -0,1 pp ▼ Celulose, papel e produtos de papel 7,3% 8,2% 9,1% 8,4% 10,7% 10,7% 0,1 pp ▲ 2,4 pp ▲ (2) e instrumentos de precisão e ópticos, equipamentos para automação industrial, cronômetros e relógios Produtos farmacêuticos 25,9% 28,4% 26,5% 27,1% 30,7% 30,7% -0,1 pp ▼ 3,6 pp ▲ Fundição e tubos de ferro e aço 9,6% 11,7% 14,0% 17,2% 19,8% 19,4% -0,4 pp ▼ 2,2 pp ▲ (3) Embarcações, veículos ferroviários, motocicletas, motociclos e suas partes e peças, carrocerias e reboques Aeronaves 78,8% 120,0% 71,4% 44,5% 47,1% 45,4% -1,8 pp ▼ 0,9 pp ▲ Siderurgia 6,5% 6,7% 8,6% 9,3% 16,9% 12,9% -3,9 pp ▼ 3,7 pp ▲ Equips. de instrumentação médico-hospitalares (2) 53,9% 63,5% 64,6% 58,8% 64,5% 58,4% -6,1 pp ▼ -0,4 pp ▼9
  10. 10. EQUIPE TÉCNICAFederação das Indústrias do Estado de São Paulo – FIESPDepartamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior – DEREXÁrea de Análise Econômica do Comércio ExteriorDiretor Titular: Roberto Giannetti da Fonseca Gerente: Frederico Arana MeiraEquipe: Paula Bolonha, Paulo Vitor Sanches Lira e Laura GonçalvesEndereço: Av. Paulista, 1313, 4º andar – São Paulo/SP – 01311-923 Telefone: (11) 3549-4234/4531 Fax: (11) 3549-4730 10

×