Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil - Aloizio Mercadante

2.112 visualizações

Publicada em

Aloizio Mercadante, Ministro de estado da Ciência e Tecnologia, participou do seminário: Brasil do Diálogo, da Produção e do Emprego realizado no dia 26/05/2011 no Moinho Santo Antônio em São Paulo.

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.112
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
447
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
80
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil - Aloizio Mercadante

  1. 1. Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e TecnologiaSeminário: Brasil do Diálogo, da Produção e do Emprego São Paulo, 26 de maio de 2011
  2. 2. O Desenvolvimento Brasileiro: Perspectiva Histórica Taxas Médias do Crescimento do PIB Real 1901/2010 MODELO PRIMÁRIO INDUSTRIALIZAÇÃO DÉCADAS NOVO EXPORTADOR SUBSTITUTIVA PERDIDAS DESEN- VOLVI- MENTIS- MO 9,5 9,0 8,63 (1) 8,5 8,0 7,5 7,0 7,01 6,5 Média Anual 6,17 6,0 Média 4,65% 5,90 Anual 5,5 3,98% 5,0 Média Anual Média Anual 4,5 4,52 4,39 7,26% 2,10% 4,23 4,24 4,0 3,98 3,5 3,0 2,5 2,41 2,0 1,5 1,52 1,0 1901/10 1911/20 1921/30 1931/40 1941/50 1951/60 1961/70 1971/80 1981/90 1991/02 2003/10 (1) Crise da Dívida Externa2 Fonte: Elaboração própria com dados do IBGE
  3. 3. BASES PARA O NOVO DESENVOLVIMENTISMO 1. CONSOLIDAÇÃO DA ESTABILIDADE MACROECONÔMICA REDUÇÃO DA REDUÇÃO DA FRAGILIDADECONTROLE DA INFLAÇÃO VULNERABILIDADE EXTERNA FISCAL 2 - CRESCIMENTO ECONÔMICO COM DISTRIBUIÇÃO DE RENDA E INCLUSÃO SOCIAL ACELERAÇÃO DOCRESCIMENTO BASEADA NA AUMENTO DE EMPREGOS REDUÇÃO DA POBREZA E DA EXPANSÃO DO MERCADO FORMAIS DESIGUALDADE DE RENDA INTERNO DE CONSUMO DE MASSA3
  4. 4. BASES PARA O NOVO DESENVOLVIMENTISMO 3. Revigoramento do Papel do Estado FORTALECIMENTO TÉCNICO-INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS FORTALECIMENTO EMPRESAS DE ESTUDOS E ESTATAIS ESTRATÉGICAS PLANEJAMENTOCONSOLIDAÇÃO DO SISTEMA PÚBLICO DE CRÉDITO E POLÍTICAS ANTI-CÍCLICAS FINANCIAMENTO DO (CRISE MUNDIAL) INVESTIMENTO 4.Fatores não econômicos de potencialidade BÔNUS DEMOGRÁFICO CONSOLIDAÇÃO DA DEMOCRACIA
  5. 5. Superávit ComercialDesde 2001 saldo positivo na balança comercial Ano Saldo (US$ bilhões) 2010 20,27 2009 25,27 2008 24,96 2007 40,03 2006 46,46 2005 44,93 2004 33,84 2003 24,88 2002 13,20 2001 2,69 2000 -0,73
  6. 6. Déficit Comercial do setor de Tecnologias da Informação e Telecomunicação - TICs Déficit comercial do setor de TICs Ano Valor (US$ bilhões) Brasil é o 27º no ranking de 2000 6,65 exportação de equipamentos de TICs 2002 3,62 2004 6,36 Fonte: CGEE 2006 8,91 2008 16,28 2010 18,86 Fonte: Funcex
  7. 7. Setor de Bens de Capital Déficit comercial do setor de Bens de Capital Valor (US$ ANO Bilhões) Brasil é o 11º no ranking de fabricantes de Bens de capital 2007 4,80 (2006) 2008 9,08 Fonte: ABIMAQ 2009 11,14 2010 15,73Fonte: ABIMAQ
  8. 8. Setor de Químico Déficit comercial de Produtos químicos (excluído Farmacêuticos) Valor US$ Ano Bilhões Brasil é o 9º no ranking de 2002 4,49 Faturamento da indústria química (2008) 2004 6,82 Fonte: ABIQUIM 2006 6,80 2008 20,11 2010 16,12Fonte: MDIC/Secex
  9. 9. Complexo Industrial da SaúdeDéficit comercial do setor Farmacêutica eInstrumentos médicos de ótica e precisão Valor US$ Ano Bilhões 2002 3,51 2004 4,10 2006 5,65 2008 10,16 2010 12,02 Fonte: MDIC/SECEX
  10. 10. O GRANDE DESAFIO É TRANSFORMAR C,T & I COMO EIXO ESTRUTURANTE DO DESENVOLVIMENTO CONSOLIDAR A LIDERANÇA NA ECONOMIA DO CONHECIMENTO NATURAL AVANÇAR EM DIREÇÃO À SOCIEDADE DO CONHECIMENTO TRANSIÇÃO PARA A ECONOMIA DE BAIXO CARBONO E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL ERRADICAÇÃO DA POBREZA E APROFUNDAMENTO DO PROCESSO DE DISTRIBUIÇÃO SOCIAL E REGIONAL DA RENDA10
  11. 11. Investimento em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) Em US$ % P&D % P&D Bilhões do Governo / Empresas / governo PIB PIB Estados 398,2 1,86 0,75 Unidos (2008) Japão (2008) 148,7 0,54 2,68 China (2008) 0,36 120,6 1,10 Alemanha 0,70 (2007) 84,0 1,72 24,2 0,54 BRASIL (2010*) 0,5711 Fontes: Main Science and Technology Indicators (MSTI), 2010-2, da Organisation for Economic Co-operation and Development (OECD); para o Brasil: www.mct.gov.br/indicadores.
  12. 12. Ciência, Tecnologia e Inovação1 - Evolução recente da formação de recursos humanos e pesquisaCrescimento do númerode pós-graduados Mestres: Doutores: 2000: 18,3 mil 2000: 5,3 miltitulados: 2009: 38,8 mil 2009: 11,4 mil Aumento dos recursos investidos em bolsas (CNPq e CAPES) 2001: R$ 813 milhões correntes 2010: R$ 2823 milhões correntes Aumento do número de artigos 2000: 10,5 mil 2009: 32,1 mil Descentralização das universidades federais 2002: 42 campi 2009: 230 campi
  13. 13. Número de artigos brasileiros publicados (periódicos científicos indexados pela Thomson/ISI e participação percentual do Brasil na América Latina e no mundo, 1985-2009) 40.000 60 % do Brasil em relação à América Latina 54,42 35.000 % do Brasil em relação ao Mundo 32.100 47,55 50 Nº de artigos Brasil 30.000 42,89 39,11 36,73 40 25.000 33,84 20.000 17.714 30 15.000 10.521 20 10.000 6.038 3.640 10 5.000 2.409 1,35 1,8 2,69 0,47 0,62 0,84 0 0 1985 1990 1995 2000 2005100 Patentes (Patentes triádicas) Número por milhão de habitantes (2007) 114.8 118.0 90 80 70 60 50 40 30 20 10 0 Fonte: OECD Factbook 2010: Economic, Environmental and Social Statistics - ISBN 92-64-08356-1 - © OECD 2010
  14. 14. Ministério da Ciência e TecnologiaAtração de Centros de P&D
  15. 15. Ministério daAtração de Centros de P&D Ciência e Tecnologia Projeto GE •Novo Centro de Pesquisa Global No RJ •Previsão de US$ 500 milhões em 3 anos Projeto IBM •Centro de Pesquisas Smarter Planet •Cerca de US$450 milhões até 2014Alemanha • Casa da Ciência e da Inovação • Parceria com a Fundação Fraunhofer
  16. 16. Ministério daAtração de Centros de P&D Ciência e TecnologiaCHINA • Geração de 2.000 empregos; • Investimento de US$ 200 milhões • Local de instalação: Hortolândia-SP • Investimento de U$ 300 milhões • US$ 50 milhões para “cloud computing” • Local de Instalação: Campinas-SP • US$ 12 bilhões em 5 anos • Construção de fábrica para produção de displays
  17. 17. SIBRATEC: Extensão Tecnológica R$ 69,8 milhões (FINEP: 51,8 mi e Estados: R$ 18 mi) FDB; FUCAPI; FUA; INPA; UEA; IFAM; FADESP; SENAI/PA; UFPA, UEPA, Embrapa/CPAA; CBA/; IDAM; SENAI/AM; FUNDETEC; SENAI/PI; IFPI; UESPI; SEBRAE/PI; SEDET/PI CPATU, IFPA, SEDECT/PA SECT/AM; FAPEAM; SEBRAE-AM IEL/TO; SENAI/TO; UNITINS; FCPC; NUTEC; UFC; CENTEC; INDI/CE; IFCE; Agropolos; BNB; SECITECE; FUNCAP; SEBRAECE IEL/RO; SENAI/RO; IPEPATRO; UFT; SECT/TO Embrapa-RO/CEPAFRO; IJN; FUNPEC; SENAI/RN; UFRN; FIMCA; SEPLAN; SEBRAE/RO UERN; SENAI/CTGÁS; SEDEC/RN FJA; SENAI/PB; UFPB; IFPB; SECTMAPB IEL/PE; ITEP; UFPE; SECTMA-PE NGPD; SENAI/PE; SEBRAE/PE IEL/AL; SENAI/AL; UFAL; UNEAL; FIEA, FAPEAL, SEBRAE/AL, SECTI/AL IEL/SE; ITPS; UFS, ITP, IFS, FAPITEC/SE, SEBRAE-SE SECITEC/MT; SENAI/MT; UFMT; IFMT; IEL/BA; UESC; CEPED; CETENE/PE; UNEMAT; INT; SEBRAE/MT SECTI/BA; FAPESB; SEBRAE/BA; SICM/BA FUNAPE/GO; SENAI/GO; UFG; IFGOIANO; SGM-SIC/GO; SEBRAE/GO; SECTEC/GO RMI; CETEC; IEL/MG; FAPEMIG; IEL/MS; SENAI/MS; UFMS; UEMS; UFGD; SEBRAE/MG; SEDE/MG; SECTES/MG UCDB; SEBRAE/MS; SEMAC/MS IEL/ES; SENAI/ES; UFES, IFES, CETEM, BANDES, SEBRAE-ES, FINDES, FAPES, SECTES TECPAR; FIEP; SEBRAE/PR; SETI/PR; F.ARAUCÁRIA REDETEC; INT; SEBRAE/RJ; FAPERJ SOCIESC; SEBRAE/SC; FAPESC FIPT; IPT; CTI; CEETEPS; FDTE; SD/SP IEL/RS; SCT/RS; CIENTEC; IBTEC; IFSul;17 PUC/RS; UNISINOS; UERGS; SEDAI/RS; SEBRAE/RS
  18. 18. 1. Novo Padrão de Financiamento do Desenvolvimento Tecnológico e da Inovação TRANSFORMAÇÃO DA FINEP EM BANCO PÚBLICO DE INOVAÇÃO NOVOS FUNDOS SETORIAIS Setor Financeiro Indústria da Construção Civil Indústria Automotiva Indústria da Mineração AUMENTO DA CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO – CIDE TECNOLÓGICA POLÍTICA DE ROYALTIES DO PRÉ-SAL18
  19. 19. 1. Novo Padrão de Financiamento do Desenvolvimento Tecnológico e da Inovação Conseqüências para a Arrecadação Direta do MCT Obs.: C&T é um dos sete setores prioritários do FS19
  20. 20. 2. MECANISMOS DE APOIO A TECNOLOGIAS PARA INCLUSÃO SOCIAL NOVO PROGRAMA DE COMUNICAÇÃO PARA POPULARIZAÇÃO DA C,T&I NOVA POLÍTICA PARA CVTs PARA INCLUSÃO DIGITAL E ENSINO PROFISSIONALIZANTE OLIMPÍADAS DE MATEMÁTICA, CIÊNCIAS E TI FOMENTO A TECNOLOGIA ASSISTIVA PRINCIPALMENTE O ACESSO À POPULAÇÃO DE BAIXA RENDA20
  21. 21. 3. SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL SISTEMA DE ALERTA E PREVENÇÃO A DESASTRES NATURAIS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL – RIO+20 ENCONTRO DE MINISTROS DE C&T DA AMÉRICA DO SUL PREPARATÓRIA PARA A RIO+2021
  22. 22. Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e TecnologiaSeminário: Brasil do Diálogo, da Produção e do Emprego São Paulo, 26 de maio de 2011

×