10 50 marcelo pricoli [modo de compatibilidade]

1.268 visualizações

Publicada em

Logística Reversa - Pneus - Marcelo Pricoli - Junho 2011

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.268
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
115
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

10 50 marcelo pricoli [modo de compatibilidade]

  1. 1. Junho de 2011
  2. 2. Histórico Década de 20 inicia as atividades da indústria de pneumáticos no Brasil 1960: Fundação da ANIP (Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos), entidade civil sem fins lucrativos, que tem como escopo principal defender os interesses e objetivos comuns dos fabricantes de pneumáticos, visando o engrandecimento social e econômico do setor e da Nação.
  3. 3. Histórico 1999: Início do Programa Nacional de Coleta e Destinação de Pneus Inservíveis com base na Resolução 258/99.
  4. 4. Histórico Devido a abrangência nacional assumida pelo programa, assim como seu pioneirismo e grau de profissionalização, tornou necessário a formalização de uma entidade exclusivamente dedicada à gestão e aprimoramento dos trabalhos sobre o pós-consumo. Neste contexto surge a RECICLANIP em março 2007, uma associação sem fins lucrativos que utilizará em suas operações cerca de 45 empresas parceiras, gerando aproximadamente 900 empregos indiretos.
  5. 5. Entidades Européias
  6. 6. RegulamentaçãoLegislação para pneus inservíveis – CONAMA: Resolução 258/99 (Anterior)Resolução 416/09 (ATUAL)Principais aspectos: Meta – Mercado de Reposição = (P+I) – (E+EO): Para cada pneu novo comercializado no mercado de reposição, os fabricantes e importadores deverão dar destinação a um pneu inservível; Fator de Desgaste: para efeito de cálculo do peso a ser destinado, aplicar- se-á o fator de desgaste de 30% sobre o peso do pneu novo produzido ou importado; Responsabilidade Compartilhada: todos os entes da cadeia – distribuidores, revendedores, destinadores, consumidores finais e o poder público deverão implantar, em articulação com fabricantes e importadores, procedimento de coleta e destinação e pneus inservíveis no país; Pontos de Coleta: pelo menos 1 ponto de coleta em Municípios acima de 100.000 habitantes.
  7. 7. O Programa O Programa funciona a partir da formação de parcerias com os setores público e privado o que possibilitou a criação, até abril de 2011, de 702 centros de recepção de pneus inservíveis – os chamados “PONTOS DE COLETA” nos 27 estados brasileiros e mais Distrito Federal.
  8. 8. A Evolução dos Pontos de Coleta Contagem-MG (*) até abrilArapoti-PR 8Poços de Caldas-MG Tangará - MT Guarda-mor Manaus - AM
  9. 9. Logística Manaus AP RR 1330 km 812 km Sobral 1309 km 2229 km AM João Pessoa-PB PA MA CE RN 2057 km São Miguel do Campos-AL TO PI PE AC 1548 km RO 960 km BA Laranjeiras-SE 532 km Nobres 1428 kmRODOVIAS BRASILEIRAS MT Sobradinho Cezarina- País de extensão Continental; MG Matozinhos 550 km 627 km- Distribuição não uniforme de MS Bodoquena Carandaí corredores em suas regiões; SP Ijaci Cantagalo-RJ Arcos PR- Grandes extensões para Itaú de Minas deslocamentos (Região Norte / SC Cajati Salto de Pirapora RS Centro Oeste); Rio Branco do Sul Destinos do pneus Candiota 854 km- Regiões precárias de asfalto ou Capitais – Pontos de coleta segurança;
  10. 10. Logística Manaus AP RR 1330 km 812 km OPERAÇÃO1309 km 2229 km Sobral AM •702 Pontos de Coleta; PA MA CE João Pessoa-PB RN 2057 km São Miguel do Campos-AL •45 destinações/processadores; AC TO PI PE 1548 km •3.584 rotas “ fixas“ em atividade contínua. RO 960 km BA Laranjeiras-SE 532 km 1428 km •19 Transportadoras MT Nobres ativas; Sobradinho •200 caminhões envolvidos; Cezarina MG Matozinhos 550 km 627 km •64 constantemente rodando; MS Bodoquena Carandaí SP •250 a 300 km/ caminhão; Arcos Ijaci Cantagalo-RJ PR •20.000km / dia operaçãoSC país.de Minas no Itaú Salto de Pirapora RS Cajati Rio Branco do Sul Destinos do pneus Candiota 854 km Capitais – Pontos de coleta
  11. 11. Logística DIARIAMENTE 64 caminhões retiram 850 toneladas de Pneus Inservíveis dos Pontos de Coleta
  12. 12. Logística DIARIAMENTE Dos quais 23 caminhões (300t) levam pneus inteiros aos Fornos de Cimentos
  13. 13. Logística DIARIAMENTE Os 27 caminhões de pneus inservíveis enviados para trituração geram 13 caminhões pneus triturados (350t) que são levados aos Fornos de Cimentos
  14. 14. Logística DIARIAMENTE 14 caminhões de pneus inservíveis (180t) são enviados para granulação.
  15. 15. Ciclo de Destinação doPneu Inservível PONTO DE COLETA 15
  16. 16. A Destinação EUROPA ÁREA GEOGRÁFICA (EU27, NO+CH) JAPÃO USA BRASIL TOTAL COLETADO E DESTINADO ( Kt ) 2.494 950 4.596 311 * ANO DE REFERENCIA 2009 2009 2007 2010 VALORIZAÇÃO 40 61 54,0 64,5 FORMAS DE ENERGÉTICA(%) DESTINAÇÃO REUTILIZAÇÃO DO 37 9 33,1 35,5 MATERIAL(%) REUSO (%) 5 - N/D N/D REFORMA (%) 9 5 N/D N/D EXPORTAÇÃO (%) 4 16 2,2 0 TOTAL COLETADO E DESTINADO (%) 95 91 89,3 100 FORMAS NÃO RECONHECIDAS (%) 5 9 10,7 15**FONTE: EUROPA-EU27, NO+CH -ETRMA ELTs Management Report, edition 2010 JAPÃO – JATMA Tyre Industry of Japan 2010 USA – RMA Scrap Tire Markets in United States 9th Biennial Report - 2007 (*)BRASIL – Dados Reciclanip (**) Levantamento IPT 2005
  17. 17. A destinação Reconhecidas pelo Ibama: Destinos utilizados pela Reciclanip CIMENTEIRA CIMENTEIRA CIMENTEIRA RoraimaTRITURADOR Amapá CIMENTEIRA CIMENTEIRA Amazonas Par á CIMENTEIRA Maranhão Ceará CIMENTEIRA Piauí CIMENTEIRA CIMENTEIRA Acre Tocantins Rondônia TRITURADOR Mato Grosso Bahia TRITURADOR DF TRITURADOR CIMENTEIRA Goiás CIMENTEIRA MinasDESTINADOR Mato Grosso Gerais DESTINADOR TRITURADOR do Sul São Paulo CIMENTEIRA TRITURADOR CIMENTEIRA Paraná CIMENTEIRA CIMENTEIRA CIMENTEIRA CIMENTEIRA Rio Grande do Sul TITURADOR TRITURADOR TRITURADOR CIMENTEIRA TRITURADOR
  18. 18. A destinaçãoReconhecidas pelo Ibama:Destinos utilizados pela Reciclanip •Co-processamento: Utilização dos pneus como combustível alternativo em fornos de cimenteiras em substituição ao carvão coque.
  19. 19. Valorização do MaterialPISOS
  20. 20. Valorização do MaterialARTEFATOS DE BORRACHA
  21. 21. Valorização do MaterialASFALTO
  22. 22. Valorização do MaterialCONSTRUÇÃO CIVIL
  23. 23. Valorização do MaterialSIDERÚRGICA
  24. 24. Evolução Quantidade eFormas de Destinação Quantidade Destinada ANIP/RECICLANIP 1999 a Abril de 2011 355 400 312 •1,65 milhão ton. coletadas e 250 300 destinadas;Mil t 145 136 123 136 160 •Equivalente a 330 milhões de 200 40 62 72 pneus passeio; 100 33 •USD 136,2 milhões investidos; 0 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Meta 2011 Ano
  25. 25. Nosso contatoASSOCIAÇÃOASSOCIA ÃO RECICLANIPRua Fl rida, 1737 – 4º andar cj. 41 Flórida,Brooklin Novo – São Paulo/SP 5102-Fone: (11) 5102-4530E-mail: reciclanip@reciclanip.com.brwww.reciclanip.com.br

×