Embrapa
Brasília, DF - 01 de outubro de 2014
Sistema de Inteligência Estratégica da Embrapa
Geraldo B. Martha Jr.
Coordena...
1950 1975 1985 1996 2006 2013
Milho 100 106 118 195 288 397
Soja 100 206 236 311 347 392
Trigo 100 96 215 241 246 405
Arro...
Fatores de produção na pecuária (1950 – 2006)
Martha Jr. et al. (2012).
58
145
376
0
50
100
150
200
250
300
350
400
1990
1991
1992
1993
1994
1995
1996
1997
1998
1999
2000
2001
2002
2003
2004
200...
-9.38
0.00
9.38
18.75
28.13
37.50
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010
Transfer...
Visão 2014-2034: Dimensão demográfica (exemplo)
Dados do IIASA/NCAR, base OECD (2013); Dados UNPD (2012 rev.); IBGE (2013)...
Elasticidade-renda
0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 0,8 Região Potencial
India Asia Alto
China Asia Alto
Indonésia Asia Alto
Br...
Degradação de
Pastagens
O processo de degradação das pastagens
A partir de Macedo (1999).
* - Os meses omitidos correspondem ao período de descanso da gleba.
** - UA-dia/ha/ano = [(Peso médio do lote/450)*Número ...
Martha Jr., 2009 1 @ = 30 kg PV
70,0
80,0
90,0
100,0
110,0
120,0
11,8 10,1 9,4 8,8 8,2 7,6 7,1 6,6 6,1 5,7 5,3 4,9 4,6 4,2...
Recuperação de
Pastagens:
taxa de lotação e
desempenho animal
• Prioritariamente, pastagens de baixa produtividade;
• Em menor escala, parte dos sistemas especializados de lavouras
e p...
• Investimentos (animais para engorda, máquinas, equipamentos,
infra-estrutura, etc.);
• Acompanhamento periódico de assis...
Produtividade
Taxa de Lotação
Desempenho
Animal x
Qualidade da forragem
Sanidade e Genética Animal
Manejo do Pasto
Massa d...
Idade ao abate
(120 kg PV/cab/ano)
0
10
20
30
40
50 38
37
31
Idadeaoabate(meses)
170 kg PV
200 kg PV
230 kg PV
Bezerros de...
Efeitos econômicos do peso à desmama
Martha Jr. et al. (trabalho em andamento).
kg/cab/ano Abate (meses) 180 200 220 240
2...
Elevado ganho de peso
pós-desmama
Idade ao abate
(200 kg PV à desmama)
0
10
20
30
40
37
29
26
Idadeaoabate(meses)
120 kg P...
Resposta econômica do ganho de peso pós-desmama
Martha Jr. et al. (trabalho em andamento).
kg/cab/ano Abate (meses) 85,00 ...
Adubação de
pastagens
Integração lavoura-
pecuária
Pastagens consorciadas
Foco na taxa de lotação
Martha Jr. et al. (2006)
0
2
4
6
8
10
12
14
16
18
0.75 1.00 1.25 1.50 1.75 2.00 2.25 2.50
16.77
12.58
10.06
8.39
7.19
6.29...
Fonte: Barros et al. (2004)
- Preço do animal +
+ Preço do fertilizante -
Pará Mato Grosso São Paulo
Preço da terra (R$/ha...
0,83 UA/ha 1,20 UA/ha 1,50 UA/ha
São Paulo
R$ 179,00/ha R$ 209,00/ha R$ 229,00/ha
Mato Grosso
R$ 140,00/ha R$ 146,00/ha R$...
Integração Lavoura-
Pecuária
Benefício Efeito agronômico Impacto econômico
(R$/ha)
Benefícios da fase de pecuária/pasto para a fase de lavoura subseqüe...
Variação potencial no rendimento da soja (kg/ha)
(duas colheitas)
L.Vilela, G.B.Martha Jr., D.M.G.Sousa (2009, não publica...
Parâmetro R$/ano (módulo) R$/ha/ano %Custeio %CT
Depreciações 67.957,52 169,89 - 4,55%
Aluguel do capital 83.114,46 207,79...
Martha Jr. et al. (2011).
Integração lavoura-pecuária
Unidade
Pecuária
extensiva
Soja Total Pecuária Soja
Dados de entrada...
Martha Jr. et al. (2011).
Preço da soja (R$/sacas)
25,00 30,00 35,00 40,00 45,00 50,00 55,00
Produtividadeda
pecuárianaILP...
2,07 3,25 4,54
CT (R$/ha) 2.465,60 3.069,23 3.672,85
%custeio 79,33% 82,15% 84,04%
%deprec. 6,89% 5,54% 4,63%
%al.capital ...
Orçamentação Forrageira
Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ag
Vaca c/ bezerro 5661 5661 5661 5661 5095 5095 5095 509
Peso ( kg) 390 390 390 390 390 390 3...
0,00
0,50
1,00
1,50
2,00
2,50
3,00
3,50
Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai
Taxadelotação(UA/ha)
UA/ha Média
-...
Comentários Finais
Ampliação da oferta agropecuária
Martha Jr.(2013).
Limites de expansão da oferta mantendo-se fixa a área com a cultura
de ...
Martha Jr.(2013).
Intensificação da pecuária
Ampliação da oferta agropecuária
Martha (2009).
Desafios à intensificação
Martha, Jr. et al. (2010).
Análise de Sensibilidade para o Impacto de Incentivos aplicados ao
Fluxo de Caixa Adicional ao ...
• Mesmo a “pecuária extensiva” é intensiva em
capital;
• A adoção de tecnologias mais intensivas em
capital, em larga esca...
• Retornos econômicos mais
favoráveis nos sistemas mistos
dependem da elevada
produtividade das lavouras e da
pecuária;
• ...
Para saber mais
sobre o
Agropensa e o
documento de
Visão 2014 – 2034
www.embrapa.br/agropensa
agropensa@embrapa.br
(61) 34...
Sistema Embrapa de Inteligência Estratégica
" Explorando e analisando possíveis futuros, seus desafios e
oportunidades par...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Sistemas de Produção Animal em Pastejo no Cerrado: Características Técnicas e Dimensão Econômica

538 visualizações

Publicada em

Presentación de Geraldo B. Martha Jr. Coordenador-Geral, Sistema Agropensa Secretaria de Inteligência e Macroestratégia en el marco del Segundo Taller de trabajo del Proyecto TCP/RLA/3405 Brasil

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
538
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sistemas de Produção Animal em Pastejo no Cerrado: Características Técnicas e Dimensão Econômica

  1. 1. Embrapa Brasília, DF - 01 de outubro de 2014 Sistema de Inteligência Estratégica da Embrapa Geraldo B. Martha Jr. Coordenador-Geral, Sistema Agropensa Secretaria de Inteligência e Macroestratégia Sistemas de Produção Animal em Pastejo no Cerrado: Características Técnicas e Dimensão Econômica
  2. 2. 1950 1975 1985 1996 2006 2013 Milho 100 106 118 195 288 397 Soja 100 206 236 311 347 392 Trigo 100 96 215 241 246 405 Arroz 100 104 135 211 305 430 Feijão 100 78 72 97 137 153 Cana-de- açúcar 100 160 225 231 256 258 Pecuária* 100 107 123 227 431 - Produtividade na agropecuária brasileira Dados do IBGE,cálculos e elaboração Martha et al. (2012), Martha (2013). “A produtividade explicou a maior parte do crescimento da agricultura brasileira. O efeito poupa-terra resultante desses ganhos de produtividade, nas lavouras e na pecuária, superaram 600 milhões de ha!”
  3. 3. Fatores de produção na pecuária (1950 – 2006) Martha Jr. et al. (2012).
  4. 4. 58 145 376 0 50 100 150 200 250 300 350 400 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 Índidedeemissões(usodaterra&pecuária) eprodutividade(pecuária) Emissões - uso da terra Emissões - pecuária Produtividade - pecuária Dados SEEG (2013) e Martha et al. (2012), cálculos e elaboração G.B. Martha (em andamento). Intensificação da pecuária e emissão de gases de efeito estufa
  5. 5. -9.38 0.00 9.38 18.75 28.13 37.50 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Transferênciaaosfazendeiros (%rendabruta) Soja Milho C.bovina C.suína C.frango Incentivo médio (1995 - 2010) Soja = 3,1% Milho = 9,2% C.Bovina = 0,7% C.Suína = - 0,2% C.Frango = 0,1% Dados OECD, cálculos e elaboração Martha Jr. (2014). Incentivos ao produtor
  6. 6. Visão 2014-2034: Dimensão demográfica (exemplo) Dados do IIASA/NCAR, base OECD (2013); Dados UNPD (2012 rev.); IBGE (2013) Mundo A distribuição da população não estará sincronizada com a capacidade regional de produção de alimentos. 2010 2030 2060 Mundo 50,4 59,4 69,7 China 47 60,9 73 EUA 82,3 87,5 92,8 Índia 44,3 56,4 68,4 Brasil 86,5 90,2 92,8 Urbanização
  7. 7. Elasticidade-renda 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 0,8 Região Potencial India Asia Alto China Asia Alto Indonésia Asia Alto Brasil Am.Sul Alto Africa do Sul Africa Alto Estados Unidos Am.Norte Moderado Rússia Eurásia Moderado México Am.Norte Moderado Turquia Eurásia Moderado Coréia do Sul Asia Moderado Espanha Europa Moderado Polônia Europa Moderado Austrália Oceania Moderado Chile Am.Sul Moderado Canadá Am.Norte Baixo Holanda Europa Baixo Alemanha Europa Baixo França Europa Baixo Reino Unido Europa Baixo Itália Europa Baixo Japão Asia Baixo Drivers - demanda potencial por proteína animal Cálculos e elaboração Martha Jr.(2013).
  8. 8. Degradação de Pastagens
  9. 9. O processo de degradação das pastagens A partir de Macedo (1999).
  10. 10. * - Os meses omitidos correspondem ao período de descanso da gleba. ** - UA-dia/ha/ano = [(Peso médio do lote/450)*Número de animais*Período de ocupação (dias)]÷(Área do pasto*365 dias). Martha Jr., 2009 Taxa de lotação instantânea e degradação das pastagens Tx. Lotação Nov Jan Mar Jul Out (UA/ha/ano) Número de animais 138 165 170 96 100 Peso médio – lote 350 395 428 440 445 Período de ocupação (dias) 14 5 10 14 5 UA-dia/ha/ano 0,12 0,06 0,13 0,10 0,04 0,44 Tx. Lotação Nov Dez Jan Fev Mar Mai Jul Out (UA/ha/ano) Número de animais 200 200 200 230 230 120 100 130 Peso médio – lote 350 372 395 412 433 442 455 463 Per. ocupação (dias) 14 14 14 14 14 14 14 14 UA-dia/ha/ano** 0,17 0,18 0,19 0,23 0,24 0,13 0,11 0,15 1,40
  11. 11. Martha Jr., 2009 1 @ = 30 kg PV 70,0 80,0 90,0 100,0 110,0 120,0 11,8 10,1 9,4 8,8 8,2 7,6 7,1 6,6 6,1 5,7 5,3 4,9 4,6 4,2 3,9 R$/@ Produtividade (@/ha/ano) 400 ha 800 ha 1.600 ha 2.400 ha Pecuária extensiva: custo x produtividade x escala de produção
  12. 12. Recuperação de Pastagens: taxa de lotação e desempenho animal
  13. 13. • Prioritariamente, pastagens de baixa produtividade; • Em menor escala, parte dos sistemas especializados de lavouras e pecuária de maior produtividade; Escolha de sistemas para recuperação
  14. 14. • Investimentos (animais para engorda, máquinas, equipamentos, infra-estrutura, etc.); • Acompanhamento periódico de assistência técnica (pecuária, lavouras, floresta); • Acompanhamento periódico das tendências de preços de produtos e insumos; • Maior adoção de mecanismo de gestão de risco; Escolha de sistemas para recuperação: demandas específicas
  15. 15. Produtividade Taxa de Lotação Desempenho Animal x Qualidade da forragem Sanidade e Genética Animal Manejo do Pasto Massa de Forragem Manejo do Pasto Produtividade animal em pastagens
  16. 16. Idade ao abate (120 kg PV/cab/ano) 0 10 20 30 40 50 38 37 31 Idadeaoabate(meses) 170 kg PV 200 kg PV 230 kg PV Bezerros desmamados mais pesados Foco no desempenho animal
  17. 17. Efeitos econômicos do peso à desmama Martha Jr. et al. (trabalho em andamento). kg/cab/ano Abate (meses) 180 200 220 240 224 24 328,80 358,80 388,80 418,80 180 28 208,80 238,80 268,80 328,80 150 32 88,80 118,80 178,80 208,80 128 37 -61,20 -1,20 58,80 118,80 112 41 -181,20 -121,20 -31,20 28,80 100 45 -301,20 -211,20 -151,20 -91,20 90 49 -421,20 -331,20 -271,20 -181,20 Desempenho animal PV(kg) à desmama RB - (custos variáveis+deprec.), (R$/cab) Foco no desempenho animal
  18. 18. Elevado ganho de peso pós-desmama Idade ao abate (200 kg PV à desmama) 0 10 20 30 40 37 29 26 Idadeaoabate(meses) 120 kg PV/cab/ano 150 kg PV/cab/ano 180 kg PV/cab/ano Foco no desempenho animal
  19. 19. Resposta econômica do ganho de peso pós-desmama Martha Jr. et al. (trabalho em andamento). kg/cab/ano Abate (meses) 85,00 90,00 95,00 100,00 224 24 243,87 328,80 413,73 498,67 180 28 123,87 208,80 293,73 378,67 150 32 3,87 88,80 173,73 258,67 128 36 -116,13 -31,20 53,73 138,67 112 40 -236,13 -151,20 -66,27 18,67 100 44 -356,13 -271,20 -186,27 -101,33 90 48 -476,13 -391,20 -306,27 -221,33 Desempenho animal R$/@ RB - (custos variáveis+deprec.), (R$/cab) Foco no desempenho animal
  20. 20. Adubação de pastagens Integração lavoura- pecuária Pastagens consorciadas Foco na taxa de lotação
  21. 21. Martha Jr. et al. (2006) 0 2 4 6 8 10 12 14 16 18 0.75 1.00 1.25 1.50 1.75 2.00 2.25 2.50 16.77 12.58 10.06 8.39 7.19 6.29 5.59 5.03 12.89 9.67 7.74 6.45 5.53 4.83 4.30 3.87 Custo(R$/cab/mês) Taxa de lotação (cab/ha) 3 anos 6 anos Foco na taxa de lotação
  22. 22. Fonte: Barros et al. (2004) - Preço do animal + + Preço do fertilizante - Pará Mato Grosso São Paulo Preço da terra (R$/ha) 1500 3000 7000 Preço do boi (R$/@) 53 56,5 64 Preço do bezerro (R$/cab) 350 373 422 Relação bezerro/boi 2,5 2,5 2,5 Preço do fertilizante (R$/t) 775 685 635 Foco na taxa de lotação
  23. 23. 0,83 UA/ha 1,20 UA/ha 1,50 UA/ha São Paulo R$ 179,00/ha R$ 209,00/ha R$ 229,00/ha Mato Grosso R$ 140,00/ha R$ 146,00/ha R$ 146,00/ha Pará R$ 122,00/ha R$ 106,00/ha R$ 90,00/ha Fonte: Barros et al. (2004) Foco na taxa de lotação
  24. 24. Integração Lavoura- Pecuária
  25. 25. Benefício Efeito agronômico Impacto econômico (R$/ha) Benefícios da fase de pecuária/pasto para a fase de lavoura subseqüente Eficiência no uso de fertilizantes(1) evita a perda de 800 kg/ha de grãos de soja 600,00 Eficiência no uso de fertilizantes(2) ganho de 87 a 1.075 kg/ha de grãos de soja 65,00 – 785,00 Mofo branco(3) evita a perda de 394 kg/ha de grãos de feijão 460,00 Mofo branco(4) possibilita a redução de uma a duas aplicações de fungicidas 190,00 a 380,00 Benefícios da fase de lavoura para a fase de pecuária/pasto subseqüente Efeito residual de adubações(5) equivale a adubação de 360 kg/ha de N para o pasto 680,00 1 (1) Sousa et al. (1997), (2) Martha Jr. et al. (2010a), (3) Ricardo et al. (2009), (4) Costa et al. (2003), (5) Martha Jr. et al. (2007). R$ 45,00 por saca de soja R$ 70,00 por saca de feijão Aplicação de fungicida R$ 190,00/ha R$ 850,00/t de uréia. Elaboração Martha Jr. et al. (2011). Efeitos sinérgicos na iLP
  26. 26. Variação potencial no rendimento da soja (kg/ha) (duas colheitas) L.Vilela, G.B.Martha Jr., D.M.G.Sousa (2009, não publicado). Adubação do Pasto 0 250 500 S/fert. -4.537 -2.433 0 300N(U)-80P2O5 -1.168 307 1.075 300N(U)-160P2O5 -1.429 534 609 300N(U/SA)-160P2O5 -1.421 299 418 300N(SA)-160P2O5 -1.223 -103 89 0-20-20 (kg/ha) Efeitos da adubação na fase de pastagem sobre a produtividade da soja em sucessão
  27. 27. Parâmetro R$/ano (módulo) R$/ha/ano %Custeio %CT Depreciações 67.957,52 169,89 - 4,55% Aluguel do capital 83.114,46 207,79 - 5,56% Custo de oportunidade do custeio 84.924,91 212,31 - 5,68% 0,00% Custeio 1.258.146,89 3.145,37 84,21% Mão-de-obra 26.928,31 67,32 2,14% 1,80% Reposição animal 707.850,00 1.769,63 56,26% 47,37% Insumos dependentes da TL 63.833,55 159,58 5,07% 4,27% Insumos 459.535,02 1.148,84 36,52% 30,76% Sementes 30.888,00 0,00 2,46% 2,07% Corretivos 5.916,00 0,00 0,47% 0,40% Fertilizantes 111.060,00 0,00 8,83% 7,43% Agroquímicos (inset., herb., fung., form.) 54.768,00 0,00 4,35% 3,67% Combustíveis e lubrificantes 82.544,31 0,00 6,56% 5,52% Outros 70.680,00 0,00 5,62% 4,73% Taxas e impostos 103.678,71 0,00 8,24% 6,94% Aluguéis - terra 0,00 0,00% 0,00% 0,00% Custo total 1.494.143,78 3.735,36 100,00% 100,00% Martha Jr. et al. (2009). Custos de produção na iLP
  28. 28. Martha Jr. et al. (2011). Integração lavoura-pecuária Unidade Pecuária extensiva Soja Total Pecuária Soja Dados de entrada Área com pasto ha 1.500 0 750 Área com soja ha 0 1.500 750 Produtividade soja kg/ha - 2.880 2.880 pecuária kg PV/ha 211 - 537 Preço soja R$/sc. - 45,00 45,00 pecuária R$/@ 92,25 - 92,25 Resultados Dispêndio (D) R$/ha 1.931,74 1.385,61 2.691,31 3.962,31 1.420,31 Receita bruta (RB) R$/ha 1.901,71 2.160,00 3.409,73 4.659,47 2.160,00 RB-D R$/ha -30,03 774,39 718,43 697,16 739,69 Retorno ([RB-D]/D) % -1,55% 55,89% 26,69% 18,60% 52,08% 1 R$/@ 93,05 vs. 77,88 R$/sc. 28,87 vs. 29,59 Custos de produção na iLP
  29. 29. Martha Jr. et al. (2011). Preço da soja (R$/sacas) 25,00 30,00 35,00 40,00 45,00 50,00 55,00 Produtividadeda pecuárianaILP (kgPV/ha) 268,5 107,07 -14,19 -135,46 -256,72 -377,99 -499,26 -620,52 358,0 214,75 93,49 -27,78 -149,05 -270,31 -391,58 -512,84 447,5 321,42 200,15 78,89 -42,38 -163,64 -284,91 -406,18 537,0 429,10 307,83 186,57 65,30 -55,97 -177,23 -298,50 626,5 536,78 415,51 294,24 172,98 51,71 -69,55 -190,82 716,0 643,45 522,18 400,91 279,65 158,38 37,12 -84,15 Efeito do Preço da Soja e da Produtividade Pecuária na iLP Dimensão econômica na iLP
  30. 30. 2,07 3,25 4,54 CT (R$/ha) 2.465,60 3.069,23 3.672,85 %custeio 79,33% 82,15% 84,04% %deprec. 6,89% 5,54% 4,63% %al.capital 8,43% 6,77% 5,66% %al.k-cust. 5,35% 5,55% 5,67% RB (R$/ha) 2.415,01 3.104,65 3.794,28 RB-c (R$/ha) 459,12 583,29 707,47 RB-(c+d) (R$/ha) 289,22 413,4 537,58 RL(R$/ha) -50,59 35,42 121,43 Taxa de lotação (cab/ha) Adaptado de Martha Jr. et al. (2009). Dimensão econômica na iLP
  31. 31. Orçamentação Forrageira
  32. 32. Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ag Vaca c/ bezerro 5661 5661 5661 5661 5095 5095 5095 509 Peso ( kg) 390 390 390 390 390 390 390 39 IMS (kg/dia) 7,9 7,5 8,0 8,5 9,0 6,9 6,9 6, Bezerro 5095 5095 5095 5095 5095 Peso ( kg) 110 130 150 170 190 GPD (kg/dia) 0,6 0,6 0,6 0,6 0,2 Garrotes 4246 4246 4246 4246 2123 4982 4982 498 Peso ( kg) 248 266 284 303 318 196 196 20 IMS (kg/dia) 5,6 5,9 6,2 6,5 6,8 3,1 3,1 3, GPD (kg/dia) 0,6 0,6 0,6 0,5 0,5 0,0 0,2 0, Boi/Vaca conf. 5800 5800 580 Peso ( kg) 318 355 39 IMS de Cana (kg/dia) 4,8 5,3 5, GPD (kg/dia) 1,2 1,2 1, Ingestão Vacas (kg/dia) 44.722 42.457 45.288 48.118 45.854 35.155 35.155 35.1 Ingestão Garrotes (kg/dia) 23.776 25.050 26.324 27.597 14.436 15.468 15.468 15.4 Desaparecimento Tanzânia (kg/dia) 59.440 62.625 65.809 68.993 36.089 38.670 38.670 38.6 Desaparecimento Braquiarão (kg/dia) 111.805 106.144 113.220 120.296 114.635 87.887 87.887 87.8 Braquiarão Estoque Forragem (kg) 4.864.460 5.492.463 6.355.251 6.940.089 10.507.931 10.120.489 7.688.436 5.007 Taxa Acúmulo (kg/ha/dia) 79 80 79 75 61 5 0 0 Taxa de Desaparecimento (kg/ha/dia) 67 63 67 72 51 39 39 39 Massa de Forragem (kg/ha) 2.900 3.274 3.789 4.137 6.264 6.033 4.584 2.9 Tanzânia Estoque Forragem (kg) 1.976.628 2.391.156 2.735.063 2.955.349 2.999.014 3.223.298 2.149.856 970. Taxa Acúmulo (kg/ha/dia) 144 146 144 139 86 7 0 0 Taxa de Desaparecimento (kg/ha/dia) 184 175 186 198 189 145 145 14 Massa de Forragem (kg/ha) 3.900 4.718 5.396 5.831 5.917 6.360 4.242 1.9 Barioni et al. (2005) Orçamentação forrageira
  33. 33. 0,00 0,50 1,00 1,50 2,00 2,50 3,00 3,50 Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Taxadelotação(UA/ha) UA/ha Média -600 -300 0 300 600 900 1.200 Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai VariaçãoMF(kgMS/ha) kg/ha MS Ref.inicial 0 500 1.000 1.500 2.000 2.500 3.000 3.500 4.000 Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai VariaçãoMF(kgMS/ha) MF (kg/ha) MF meta Planejamento da alimentação Barioni et al. (2005), Martha Jr. (2005).
  34. 34. Comentários Finais
  35. 35. Ampliação da oferta agropecuária Martha Jr.(2013). Limites de expansão da oferta mantendo-se fixa a área com a cultura de 2013
  36. 36. Martha Jr.(2013). Intensificação da pecuária Ampliação da oferta agropecuária
  37. 37. Martha (2009). Desafios à intensificação
  38. 38. Martha, Jr. et al. (2010). Análise de Sensibilidade para o Impacto de Incentivos aplicados ao Fluxo de Caixa Adicional ao “Sistema Pasto Degradado” Desafios à intensificação
  39. 39. • Mesmo a “pecuária extensiva” é intensiva em capital; • A adoção de tecnologias mais intensivas em capital, em larga escala, depende de preços relativos mais elevados e de linhas de crédito adequadas (volume de recursos e prazos de pagamentos); • A tomada de decisão em sistemas mistos se torna mais complexa. Há o risco de ganhos potenciais com economia de escopo se perderem dada as ineficiências que surgem da aplicação inadequada da tecnologia; Considerações Finais
  40. 40. • Retornos econômicos mais favoráveis nos sistemas mistos dependem da elevada produtividade das lavouras e da pecuária; • Maiores produtividades aumentam a demanda por insumos modernos e bens de capital; • Na iLP há redução no risco do negócio; entretanto, a alta demanda por capital nesses sistemas aumenta o risco financeiro; Considerações Finais
  41. 41. Para saber mais sobre o Agropensa e o documento de Visão 2014 – 2034 www.embrapa.br/agropensa agropensa@embrapa.br (61) 3448-2020
  42. 42. Sistema Embrapa de Inteligência Estratégica " Explorando e analisando possíveis futuros, seus desafios e oportunidades para o desenvolvimento tecnológico da agricultura brasileira " Obrigado ! www.embrapa.br/agropensa

×