Taller sobre Modelos Bio-económicos
Montevideo-Uruguai, 09-10 de Abril de 2015
Environmental issues affecting sustainable ...
-9.38
0.00
9.38
18.75
28.13
37.50
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010
Transfer...
O Processo de Degradação das Pastagens
A partir de Macedo (1997).
• Qual tecnologia será substituída?
• Quais as mudanças necessárias no sistema atual?
• Quais os custos incrementais (e os...
Modelos Bioeconômicos
Bio / econômico
- Coeficientes técnicos
- Descrição física
(alocação das áreas);
- Inventário (infra...
Bezerros desmamados
mais pesados
Elevado ganho de peso
pós-desmama
Foco no Desempenho animal (tempo para o abate)
Ganho de peso vivo
@/cab/ano kg/cab/ano kg/cab/dia kgCH4/cab/ano kgCH4/GPV
0,61 18,25 0,05 53,50 2,93
1,22 36,50 0,10 55,7...
Adubação de
pastagens
Integração lavoura-
pecuária
Pastagens consorciadas
Foco na Taxa de Lotação
Martha Jr.(2013).
Intensificação da pecuária e efeitos poupa-terra
O Processo de Degradação das Pastagens
Modelos Bioeconômicos
Bio / econômico
- Coeficientes técnicos
- Descrição física
(alocação das áreas);
- Inventário (infra...
• Calcula-se o custo de produção para se comparar preços:
- se Pi < Ci = o negócio não é sustentável !
- Ci, mede a resist...
Martha Jr., 2009
1 @ = 30 kg PV
70,0
80,0
90,0
100,0
110,0
120,0
11,8 10,1 9,4 8,8 8,2 7,6 7,1 6,6 6,1 5,7 5,3 4,9 4,6 4,2...
Martha Jr. et al. (2011).
RBILP = receita bruta na iLP;
CTILP = custo total na iLP;
RLEsp. = renda líquida no sistema espe...
Martha Jr. et al. (2011).
R$/@
93,05 vs. 77,88
R$/sc.
28,87 vs. 29,59
Custos de Oportunidade: iLP (2006)
Modelos Bioeconômicos
Bio / econômico
- Coeficientes técnicos
- Descrição física
(alocação das áreas);
- Inventário (infra...
2,07 3,25 4,54
CT (R$/ha) 2.465,60 3.069,23 3.672,85
%custeio 79,33% 82,15% 84,04%
%deprec. 6,89% 5,54% 4,63%
%al.capital ...
Martha Jr. et al. (2011).
Efeito do Preço da Soja e da Produtividade Pecuária na iLP
Custos de Oportunidade: iLP (2006)
Martha et al. (2009).
Custo de Produção e Volatilidade de Preços
Martha, Jr. et al. (2010).
Análise de Sensibilidade para o Impacto de Incentivos aplicados ao Fluxo de Caixa
Adicional ao ...
Elaboração Agropensa (2014).
Estratégia para acessar o impacto de choques tecnológicos (e de políticas)
desde o nível de p...
Considerações Finais
• Há estoque de tecnologias
disponíveis ao produtor para
viabilizar ganhos continuados de
produtivida...
Considerações Finais
• Com a intensificação do
processo produtivo aumenta-se a
participação do capital produtivo
em detrim...
Considerações Finais
• A intensificação pode ser induzida por preços
relativos mais elevados e/ou, quando de
interesse da ...
Considerações Finais: Embrapa Invernada
Sistema Embrapa de Inteligência Estratégica
" Explorando e analisando possíveis futuros, seus desafios e
oportunidades par...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Modelo Bio-Económico Ganadero para el Agro-eco-sistema Cerrado.

640 visualizações

Publicada em

Presentación de Geraldo B. Martha Jr. de EMBRAPA-Brasil, en el marco del taller de expertos sobre modelos bio-económicos para el agroecosistema Pampa, realizado en Montevideo el 10 de Abril de 2015.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
640
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Modelo Bio-Económico Ganadero para el Agro-eco-sistema Cerrado.

  1. 1. Taller sobre Modelos Bio-económicos Montevideo-Uruguai, 09-10 de Abril de 2015 Environmental issues affecting sustainable production: a South American viewpoint Geraldo B. Martha Jr. Coordenador-Geral, Sistema de Inteligênia Estratégica da Embrapa (Agropensa) Modelos B-E ganaderos para el agro-eco-sistema Cerrado
  2. 2. -9.38 0.00 9.38 18.75 28.13 37.50 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Transferênciaaosfazendeiros (%rendabruta) Soja Milho C.bovina C.suína C.frango Incentivo médio (1995 - 2010) Soja = 3,1% Milho = 9,2% C.Bovina = 0,7% C.Suína = - 0,2% C.Frango = 0,1% Dados OECD, cálculos e elaboração Martha Jr. (2014). Incentivos ao produtor brasileiro
  3. 3. O Processo de Degradação das Pastagens A partir de Macedo (1997).
  4. 4. • Qual tecnologia será substituída? • Quais as mudanças necessárias no sistema atual? • Quais os custos incrementais (e os riscos) associados com a adoção da nova tecnologia? (inclui efeitos sinérgicos) • Quais as restrições à adoção da nova tecnologia? • Quais os benefícios públicos e privados associados à adoção da nova tecnologia? Alguns Critérios para a Avaliação de Tecnologias
  5. 5. Modelos Bioeconômicos Bio / econômico - Coeficientes técnicos - Descrição física (alocação das áreas); - Inventário (infra- estrutura, máquinas, ...); - Categorias animais e seus respectivos desempenhos;
  6. 6. Bezerros desmamados mais pesados Elevado ganho de peso pós-desmama Foco no Desempenho animal (tempo para o abate)
  7. 7. Ganho de peso vivo @/cab/ano kg/cab/ano kg/cab/dia kgCH4/cab/ano kgCH4/GPV 0,61 18,25 0,05 53,50 2,93 1,22 36,50 0,10 55,72 1,53 2,43 73,00 0,20 60,48 0,83 3,65 109,50 0,30 65,49 0,60 4,26 127,75 0,35 68,06 0,53 4,87 146,00 0,40 70,66 0,48 5,48 164,25 0,45 73,30 0,45 6,08 182,50 0,50 75,97 0,42 7,30 219,00 0,60 81,38 0,37 8,52 255,50 0,70 86,87 0,34 9,73 292,00 0,80 92,45 0,32 10,95 328,50 0,90 98,09 0,30 12,17 365,00 1,00 103,79 0,28 13,38 401,50 1,10 109,55 0,27 14,60 438,00 1,20 115,36 0,26 15,82 474,50 1,30 121,21 0,26 0,25 0,35 0,45 0,55 0,65 0,75 0,85 0,95 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 kgCH4/GPV kg GPV/cab/dia Past. Degr. Past. Trad. Pastagem top/iLP Martha Jr. (2009), a partir de modelos de Barioni et al. (2009). Desempenho animal e emissão de GEE
  8. 8. Adubação de pastagens Integração lavoura- pecuária Pastagens consorciadas Foco na Taxa de Lotação
  9. 9. Martha Jr.(2013). Intensificação da pecuária e efeitos poupa-terra O Processo de Degradação das Pastagens
  10. 10. Modelos Bioeconômicos Bio / econômico - Coeficientes técnicos - Descrição física (alocação das áreas); - Inventário (infra- estrutura, máquinas, ...); - Categorias animais e seus respectivos desempenhos; - Coeficientes econômicos - Centros de custos (insumos dependentes da área, insumos dependentes dos animais, mão-de-obra, máquinas e equipamentos); - Preços ao nível de mercado (coef. Técnicos);
  11. 11. • Calcula-se o custo de produção para se comparar preços: - se Pi < Ci = o negócio não é sustentável ! - Ci, mede a resistência das tecnologias à queda de Pi; • O custo relevante é o custo de oportunidade: - “o valor da melhor alternativa sacrificada, dada as restrições de produção, para que outra alternativa econômica seja realizada”; custeio + depreciação + aluguéis; - o empreendedor é remunerado pelo resíduo que sobra depois de pagar todas as despesas; a RL remunera o empreendedor pelo risco que ele corre em levar adiante a produção; • Se há custo de oportunidade há possibilidade de escolha (futuro) Custos de Produção
  12. 12. Martha Jr., 2009 1 @ = 30 kg PV 70,0 80,0 90,0 100,0 110,0 120,0 11,8 10,1 9,4 8,8 8,2 7,6 7,1 6,6 6,1 5,7 5,3 4,9 4,6 4,2 3,9 R$/@ Produtividade (@/ha/ano) 400 ha 800 ha 1.600 ha 2.400 ha Produtividade e custos de produção
  13. 13. Martha Jr. et al. (2011). RBILP = receita bruta na iLP; CTILP = custo total na iLP; RLEsp. = renda líquida no sistema especializado (pecuária ou soja.); “Na segunda etapa de análise, é necessário computar as taxas de retorno do empreendedor, que medem o retorno do empreendimento por R$ de custo total.” “O produtor pode ter outras razões para a tomada de decisão além de uma análise econômica rigorosa.” Custo de Oportunidade
  14. 14. Martha Jr. et al. (2011). R$/@ 93,05 vs. 77,88 R$/sc. 28,87 vs. 29,59 Custos de Oportunidade: iLP (2006)
  15. 15. Modelos Bioeconômicos Bio / econômico - Coeficientes técnicos - Descrição física (alocação das áreas); - Inventário (infra- estrutura, máquinas, ...); - Categorias animais e seus respectivos desempenhos; - Coeficientes econômicos - Centros de custos (insumos dependentes da área, insumos dependentes dos animais, mão-de-obra, máquinas e equipamentos); - Preços ao nível de mercado (coef. Técnicos); Análises adicionais Impacto de variações no desempenho; Solver (atingir metas); Análise de risco (SAS);
  16. 16. 2,07 3,25 4,54 CT (R$/ha) 2.465,60 3.069,23 3.672,85 %custeio 79,33% 82,15% 84,04% %deprec. 6,89% 5,54% 4,63% %al.capital 8,43% 6,77% 5,66% %al.k-cust. 5,35% 5,55% 5,67% RB (R$/ha) 2.415,01 3.104,65 3.794,28 RB-c (R$/ha) 459,12 583,29 707,47 RB-(c+d) (R$/ha) 289,22 413,4 537,58 RL(R$/ha) -50,59 35,42 121,43 Taxa de lotação (cab/ha) Adaptado de Martha Jr. et al. (2009). Custo de Produção e Taxa de Lotação (iLP)
  17. 17. Martha Jr. et al. (2011). Efeito do Preço da Soja e da Produtividade Pecuária na iLP Custos de Oportunidade: iLP (2006)
  18. 18. Martha et al. (2009). Custo de Produção e Volatilidade de Preços
  19. 19. Martha, Jr. et al. (2010). Análise de Sensibilidade para o Impacto de Incentivos aplicados ao Fluxo de Caixa Adicional ao “Sistema Pasto Degradado” Análise de Investimento: o Retorno de Tecnologias na Pecuária
  20. 20. Elaboração Agropensa (2014). Estratégia para acessar o impacto de choques tecnológicos (e de políticas) desde o nível de propriedades prototípicas até níveis locais/regionais e da economia de modo mais amplo Modelagem Econômica Avançada
  21. 21. Considerações Finais • Há estoque de tecnologias disponíveis ao produtor para viabilizar ganhos continuados de produtividade. • Retornos econômicos demandam investimentos no desempenho animal – peso à desmama e ganho de peso pós-desmama – e na taxa de lotação (fertilidade do solo).
  22. 22. Considerações Finais • Com a intensificação do processo produtivo aumenta-se a participação do capital produtivo em detrimento do capital imobilizado. • A estratégia de intensificação é influenciada pelos termos de troca. No curto prazo, variações substanciais nos preços relativos dos fatores podem inviabilizar a adoção de tecnologias mais intensivas em capital.
  23. 23. Considerações Finais • A intensificação pode ser induzida por preços relativos mais elevados e/ou, quando de interesse da sociedade, por meio de incentivos adequados. • Mesmo a “pecuária extensiva” é intensiva em capital; • Uma abordagem multi-setorial, com visão da regional à global, torna-se quesito para o desenho de cenários futuros de expansão e competitividade setorial.
  24. 24. Considerações Finais: Embrapa Invernada
  25. 25. Sistema Embrapa de Inteligência Estratégica " Explorando e analisando possíveis futuros, seus desafios e oportunidades para o desenvolvimento tecnológico da agricultura brasileira " www.embrapa.br/agropensa

×