Gustavo Cruz
CATIM
Unidade de Engenharia e Segurança de Equipamentos
Congresso “A Floresta como Recurso”
Fimap - Ferrália,...
Requisitos Essenciais
de Segurança
Requisitos Mínimos de
Segurança
Fabricantes Utilizadores
Segurança de máquinas
Obrigaçõ...
Decreto-Lei nº 103/2008 de 24 de Junho
• Requisitos Essenciais de Segurança
• Auto-certificação / Organismo Notificado
• D...
Fenómeno
perigoso
Pessoa
Dano
Estratégia para a redução do risco
Identificação de riscos
AVALIAÇÃO DO RISCO
MEDIDAS ADOPTADAS PELO FABRICANTE
ETAPA 2 : MEDIDAS DE PROTECÇÃO
ETAPA 3: INFORMAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO
Na...
Fenómeno
perigoso
Pessoa
Dano
Prevenção Intrínseca
Prevenção Intrínseca
Prevenção Intrínseca
AVALIAÇÃO DO RISCO
MEDIDAS ADOPTADAS PELO FABRICANTE
ETAPA 2 : MEDIDAS DE PROTECÇÃO
ETAPA 3: INFORMAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO
Na...
Fenómeno
perigoso
Pessoa
Evento
desencadeador
Dano
Situação perigosa
Fenómeno
perigoso
Pessoa
Medidas de protecção
colecti...
Medidas de protecção
Protectores Fixos
Protectores Móveis
Medidas de protecção
Protectores Reguláveis
Medidas de protecção
Dispositivos de Protecção
Medidas de protecção
O RISCO
relativo a
um
fenómeno
perigoso
GRAVIDADE
DO
DANO
para o
fenómeno
perigoso
considerado
É
função
da
e
da
PROBABILID...
AVALIAÇÃO DO RISCO
MEDIDAS ADOPTADAS PELO FABRICANTE
ETAPA 2 : MEDIDAS DE PROTECÇÃO
ETAPA 3: INFORMAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO
Na...
Instruções para
utilização
Fenómeno
perigoso
Pessoa
Dano
Informações para utilização
Informações para utilização
IInnssttrruuççããoo ddee sseegguurraannççaa
ESTAMPAGEM
1 OBJECTIVO 2 RESPONSABILIDADE
Proteger:...
Documentos de apoio na integração
da Segurança
NORMAS
EN 860:2007 + A1 (2009)- Safety of woodworking machines -
One side t...
AVALIAÇÃO DO RISCO
MEDIDAS ADOPTADAS PELO FABRICANTE
ETAPA 2 : MEDIDAS DE PROTECÇÃO
ETAPA 3: INFORMAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO
Na...
PROTECÇÃO INSTRUÇÕES
PARA
UTILIZAÇÃO
MEDIDAS DE SEGURANÇA DA RESPONSABILIDADE DO PROJECTISTA
(objecto da EN ISO 12100-1)
M...
Descubraasdiferenças
No fabrico de máquinas, a integração da segurança parece estar
assumida
No fabrico de máquinas, a integração da segurança parece estar
assumida
Descubraasdiferenças
A Floresta como Recurso - Integração da Segurança no Projecto de Máquinas
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A Floresta como Recurso - Integração da Segurança no Projecto de Máquinas

902 visualizações

Publicada em

Apresentação de Gustavo Cruz, da Unidade de Engenharia e Segurança de Equipamentos do CATIM no Congresso «A Floresta como Recurso» [ EXPONOR, 20 Outubro 2010 ]

Publicada em: Educação, Turismo, Esportes
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
902
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Floresta como Recurso - Integração da Segurança no Projecto de Máquinas

  1. 1. Gustavo Cruz CATIM Unidade de Engenharia e Segurança de Equipamentos Congresso “A Floresta como Recurso” Fimap - Ferrália, 20 de Outubro de 2010 Integração da Segurança no Projecto de Máquinas
  2. 2. Requisitos Essenciais de Segurança Requisitos Mínimos de Segurança Fabricantes Utilizadores Segurança de máquinas Obrigações legais Aspectos legais do trabalho com máquinas na indústria DL 103/2008 de 24/06 DL 50/2005 de 25/02 Máquinas/equipamentos de trabalho mais seguros
  3. 3. Decreto-Lei nº 103/2008 de 24 de Junho • Requisitos Essenciais de Segurança • Auto-certificação / Organismo Notificado • Dossiê Técnico de Fabrico • Manual de instruções • Declaração CE de conformidade • Marcação CE Responsabilidade do fabricante Directiva Máquinas
  4. 4. Fenómeno perigoso Pessoa Dano Estratégia para a redução do risco
  5. 5. Identificação de riscos
  6. 6. AVALIAÇÃO DO RISCO MEDIDAS ADOPTADAS PELO FABRICANTE ETAPA 2 : MEDIDAS DE PROTECÇÃO ETAPA 3: INFORMAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO Na máquina No manual de instruções MEDIDAS ADOPTADAS PELO UTILIZADOR ETAPA 1 : PREVENÇÃO INTRÍNSECA ORGANIZAÇÃO Procedimentos de trabalho seguro Supervisão UTILIZAÇÃO DE EPI FORMAÇÃO RISCO Redução do risco
  7. 7. Fenómeno perigoso Pessoa Dano Prevenção Intrínseca
  8. 8. Prevenção Intrínseca
  9. 9. Prevenção Intrínseca
  10. 10. AVALIAÇÃO DO RISCO MEDIDAS ADOPTADAS PELO FABRICANTE ETAPA 2 : MEDIDAS DE PROTECÇÃO ETAPA 3: INFORMAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO Na máquina No manual de instruções MEDIDAS ADOPTADAS PELO UTILIZADOR ETAPA 1 : PREVENÇÃO INTRÍNSECA ORGANIZAÇÃO Procedimentos de trabalho seguro Supervisão UTILIZAÇÃO DE EPI FORMAÇÃO RISCO Redução do risco
  11. 11. Fenómeno perigoso Pessoa Evento desencadeador Dano Situação perigosa Fenómeno perigoso Pessoa Medidas de protecção colectiva Medidas de protecção
  12. 12. Medidas de protecção Protectores Fixos
  13. 13. Protectores Móveis Medidas de protecção
  14. 14. Protectores Reguláveis Medidas de protecção
  15. 15. Dispositivos de Protecção Medidas de protecção
  16. 16. O RISCO relativo a um fenómeno perigoso GRAVIDADE DO DANO para o fenómeno perigoso considerado É função da e da PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DE UM DANO Frequência e duração da exposição Probabilidade de ocorrer de um evento desencadeador Possibilidade de evitar ou de limitar o dano Elementos do risco
  17. 17. AVALIAÇÃO DO RISCO MEDIDAS ADOPTADAS PELO FABRICANTE ETAPA 2 : MEDIDAS DE PROTECÇÃO ETAPA 3: INFORMAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO Na máquina No manual de instruções MEDIDAS ADOPTADAS PELO UTILIZADOR ETAPA 1 : PREVENÇÃO INTRÍNSECA ORGANIZAÇÃO Procedimentos de trabalho seguro Supervisão UTILIZAÇÃO DE EPI FORMAÇÃO RISCO Redução do risco
  18. 18. Instruções para utilização Fenómeno perigoso Pessoa Dano Informações para utilização
  19. 19. Informações para utilização IInnssttrruuççããoo ddee sseegguurraannççaa ESTAMPAGEM 1 OBJECTIVO 2 RESPONSABILIDADE Proteger:  Pessoas, bens e equipamentos Identificar:  Situações potencialmente perigosas  Sistemas de segurança  Protecção colectiva  Protecção individual a utilizar Cumprimento da instrução:  Operador da máquina  Pessoal da Manutenção Verificação:  Responsável da Manutenção  Responsável da Segurança do Equipamento  Responsável de Higiene e Segurança 3 NORMAS DE SEGURANÇA A RESPEITAR - Mantenha o posto de trabalho sempre limpo e arrumado. - Não retire as blindagens da máquina. - Não operar com a máquina sob influência de álcool, drogas ou medicamentos que possam influenciar a condição física. 4 NORMAS DE SEGURANÇA AQUANDO DA INTERVENÇÃO NA MÁQUINA / POSTO Antes de iniciar o seu turno: - Verifique se a máquina está em condições normais de trabalho. - Verifique se o comando de paragem está operacional. - Verifique se todas as protecções se encontram no seu devido lugar. - Em caso de dúvida ou problema com a máquina solicitar a presença da chefia superior. Em caso de manutenção: - Desligue a máquina actuando o dispositivo de corte geral. - Coloque um aviso “Máquina em Manutenção” no quadro eléctrico. 5 PROTECÇÃO EXISTENTE NO POSTO DE TRABALHO 6 PROTECÇÃO INDIVIDUAL  Comando de paragem de emergência  Comando bimanual  Blindagens fixas e móveis (protecção aos órgãos móveis) NÃO DANIFIQUE NEM REMOVA ESTA INSTRUÇÃO DE SEGURANÇA MANUAL DE INSTRUÇÕES 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 APRESENTAÇÃO Desejamos antes de tudo agradecer a sua preferência pelos nossos equipamentos. Produto de uma pesquisa constante pela inovação e qualidade, esta Máquina de Fazer Bolachas garante alta resistência e excelente desempenho. Tendo sido projectado e construído de acordo com normalização aplicável, cumpre todas as regras de segurança. No entanto a segurança depende também de si, por isso leia cuidadosamente este manual antes de começar a trabalhar com o seu novo equipamento, para que saiba como o operar correctamente, quais as suas possibilidades e limitações.  ATENÇÃO! A sua segurança e a dos que o rodeiam depende da utilização correcta deste equipamento, por isso leia atentamente o manual de instruções e cumpra sempre todas as instruções presentes neste manual. Em caso de dúvida ou informação adicional, não hesite em contactar os nossos serviços. Obrigado pela sua preferência. 2. GARANTIA A Bolachinha oferece garantia de todos os equipamentos, contra defeitos de fabrico por um período de 1 ano a partir da data de factura do equipamento. A garantia excluí componentes que não sejam do nosso fabrico. Nessa situação funcionaremos como apoio ao nosso cliente junto do fabricante. A garantia é anulada automaticamente em casos de alteração ou reparação sem consentimento prévio da Bolachinha ou efectuada por outrém não autorizado. A garantia abrange apenas a substituição de peças por defeito de fabrico, excluíndo as deslocações.
  20. 20. Documentos de apoio na integração da Segurança NORMAS EN 860:2007 + A1 (2009)- Safety of woodworking machines - One side thickness planing Machines EN 861:2007 + A1 (2009)- Safety of woodworking machines - Surface planing and thicknessing machines EN 940:2009 - Safety of woodworking machines - Combined woodworking Machines EN 1807:1999+A1 (2009) - Safety of woodworking machines - Band sawing machines EN 1870-1:2007+A1 (2009) - Safety of woodworking machines - Circular sawing machines - Part 1: Circular saw benches (with and without sliding table), dimension saws and building site saws (…)
  21. 21. AVALIAÇÃO DO RISCO MEDIDAS ADOPTADAS PELO FABRICANTE ETAPA 2 : MEDIDAS DE PROTECÇÃO ETAPA 3: INFORMAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO Na máquina No manual de instruções MEDIDAS ADOPTADAS PELO UTILIZADOR ETAPA 1 : PREVENÇÃO INTRÍNSECA ORGANIZAÇÃO Procedimentos de trabalho seguro Supervisão UTILIZAÇÃO DE EPI FORMAÇÃO RISCO Redução do risco
  22. 22. PROTECÇÃO INSTRUÇÕES PARA UTILIZAÇÃO MEDIDAS DE SEGURANÇA DA RESPONSABILIDADE DO PROJECTISTA (objecto da EN ISO 12100-1) MEDIDAS DE SEGURANÇA DA RESPONSABILIDADE DO UTILIZADOR (não contempladas na EN ISO 12100-1) FORNECIMENTO DE EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO INDIVIDUAL •PROCEDIMENTOS DE TRABALHO SEGUROS •INSPECÇÃO •SISTEMA DE AUTORIZAÇÃO DE TRABALHO PREVENÇÃO INTRÍNSECA MEDIDAS ADICIONAIS
  23. 23. Descubraasdiferenças No fabrico de máquinas, a integração da segurança parece estar assumida
  24. 24. No fabrico de máquinas, a integração da segurança parece estar assumida Descubraasdiferenças

×