SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Baixar para ler offline
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                        INDUSTRIAIS

                         O PRINCÍPIO DA AUTOMAÇÃO

Introdução

Desde os tempos mais remotos que o homem, através da automatização, tem vindo a
desenvolver estratégias e mecanismos que lhe permitam libertar-se do trabalho de
origem muscular e animal e das tarefas pesadas, rotineiras, perigosas e pouco precisas.
Tem conseguindo, em simultâneo com esta libertação, maiores velocidades na execução
das tarefas, menores tempo de paragem, menor número de acidentes e a obtenção de
produtos cada vez maior e mais uniformes na qualidade. O objetivo foi desde sempre e
em qualquer processo produtivo, efetuar a “mistura” das quantidades ótimas dos 3
fatores fundamentais sempre envolvidos, que são:

   x   Matéria prima;
   x   Informação e
   x   Energia.

A automatização inicial era caracterizada por pequenas ilhas com operações
automatizadas, onde o fator humano era fundamental como elemento integrador e
sincronizador de todas as operações. Este estágio caracterizava-se, entre outros fatores,
por um elevado número de operários, uma grande existência de stocks e “lay-out” não
otimizados.

Caminhou-se depois para soluções de automatização centralizada. Nestas, todas as
informações eram centralizadas em um único local, onde são tomadas todas as decisões
e de onde partem todas as ordens. Com este nível, os “lay-outs” foram melhorados, o
número de operários bastante reduzido, mas continua a existir um nível considerável de
stocks.

Após a década de 60, com o desenvolvimento e a utilização crescente de unidades de
processamento de informação, as funções de condução dos processos foram sendo cada
vez mais distribuídas pelo terreno e junto dos locais onde são necessárias, surgindo
assim o que é atualmente designado de Sistema digital de controle distribuído (SDCD).
Este nível de automatização caracteriza-se por uma gestão global e integrada da
informação, pela redução de stocks a níveis mínimos, pela inserção de máquinas de
controle numérico (CNC), de manipulação (Robôs), manuseamento automático de
materiais, pela redução drástica do número de operários, sendo em alguns setores
praticamente nulo na área diretamente ligada a produção.

Assim com a evolução há a estrutura da automação está baseada na pirâmide
organizacional, em que são criadas áreas restritas de informações. Essas áreas de
informações caracterizam-se por sistemas onde o Hardware e o Software apresentam-se
com características próprias. Nos primórdios estes Software e Hardware eram de um
fabricante, assim o cliente ficava vinculado a este fabricante. Este tipo de solução
causava enormes problemas e prejuízos às empresas, uma vez que a conectividade e a


COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                     PÁGINA 33
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                        INDUSTRIAIS

                                                                  integração       com
                                                                  outros equipamentos,
                                                                  não era possível de
                                                                  ser realizado, ou era
                                                                  por motivos técnicos
                                                                  ou                por
                                                                  incompatibilidade de
                                                                  software.

                                                                    Com isto houve o que
chamamos de “gargalo de informação” onde ficou complicado a troca de informações
entre os fabricantes, e a interligação entre os equipamentos, já que os mesmos não tinha
a compatibilidade entre os mesmos. Com isto houve a necessidade de uma padronização
para a integração dos fabricantes e o advento dos protocolos de comunicação,
inicialmente com um protocolo padrão TCP/IP, o qual facilitava muito a integração
desses dados. E mais do que isso, possibilitava a integração entre os equipamentos de
fornecedores destintos.

        PROTOCOLOS DE COMUNICAÇAÕ E REDES INDUSTRIAIS

MODBUS

Foi criada em 1979 para comunicação entre controladores da MODICON (Schneider),
no qual era totalmente aberta desde seu início com grande facilidade de operação e
manutenção, isto faz com que todos os demais fabricantes adotem este padrão, podendo
até mesmo ser usado em sistemas de supervisão.

Tipos de protocolos Modbus




COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                     PÁGINA 34
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                        INDUSTRIAIS

O MODBUS TCP/IP é usado para comunicação entre sistemas de supervisão e
controladores lógicos programáveis. O protocolo Modbus é encpsulado no protocolo
TCP/IP e transmitido através de redes padrão ethernet com controle de acesso ao meio
por CSMA/CD.

O MODBUS PLUS é usado para comunicação entre os controladores lógicos
programáveis, módulos de E/S, chaves de partida eletrônica de motores, interface
homem-máquina (IHM) etc. O meio físico é o RS-485 com taxa de transmissão de
1Mbps, controle de acesso ao meio por HDLC (High Level Data Link Control).

O MODBUS PADRÃO é usado para comunicação dos CLPs com os dispositivos de
entrada e saída de dados, instrumentos eletrônicos inteligentes como relés de proteção,
controladores de processo, atuadores de válvulas, transdutores de energia e etc. O meio
físico é o RS-232 ou RS-485 em conjunto com o protocolo mestre-escravo.

MODBUS E O MODELO OSI




O protocolo Modbus padrão pode ser enquadrado na camada de aplicação do modelo
OSI, onde podem ser usados com outros protocolos da camada de enlace e camada
física (RS-232, RS-485 e Ethernet).

Ele define uma estrutura de mensagens de comunicação usadas para transferir dados
discretos e analógicos entre os dispositivos microprocessados com detecção e
informação de erros de transmissão.

PROTOCOLO MODBUS PADRÃO

Escopo do protocolo:

Como o CLP solicita o acesso a outros dispositivos?

Como este responderá?


COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                    PÁGINA 35
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                        INDUSTRIAIS

Como os erros serão detectados e informados?

Características físicas:

Ponto a ponto com RS-232.

Barramento multiponto com RS-485

Controle de acesso ao meio:

Protocolo mestre-escravo

   1. Durante a comunicação em uma rede Modbus, o protocolo determina como o
      dispositivo conhecerá seu endereço, como reconhecerá uma mensagem
      endereçada para ele, como determinar o tipo de ação a ser tomada e como extrair
      o dado ou outra informação qualquer contida na mensagem. Se uma resposta é
      necessária, como o dispositivo construirá uma mensagem e a enviará.
   2. O mestre pode endereçar mensagens para um escravo individual ou enviar
      mensagens para todos (broadcast). Os escravos retornam uma mensagem
      somente para as consultas endereçadas especificamente para ele. As mensagens
      broadcast não geram respostas.

TRANSAÇÕES ENTRE DISPOSITIVOS




   1. Na mensagem de consulta, o código de função informa ao dispositivo escravo
      com o respectivo endereço, qual a ação a ser executada. Os bytes de dados
      contém informações para o escravo, por exemplo, qual o registrador inicial e a
      quantidade de registros a serem lidos. O campo de verificação de erro permite
      aos escravos validar os dados recebidos.
   2. Na mensagem de resposta, o código de função é repetido de volta para o
      mestre. Os bytes de dados contém os dados coletados pelo escravo ou o seu
      estado. Se um erro ocorre, o código de função é modificado para indicar que a
      resposta é uma resposta de erro e os bytes de dados contém um código que
      descreverá o erro. A verificação de erro permite o mestre validar os dados
      recebidos.


COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                  PÁGINA 36
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                        INDUSTRIAIS

CONTEÚDO DA TRANSAÇÃO

Endereçamento (1byte)

0: usado para “broadcast” - 1 a 247: usados pelo escravo

Código da função (1byte)

Estabelece a ação a ser efetuada – 0 a 127: funções – 128 a 255: informe de erro na
transmissão

Bytes de dados

Informação adicional necessárias – Endereços de memória – Quantidade de itens
transmitidos – Quantidade de bytes do campo.

Verificação de erros (2 bytes)

LRC ou CRC

   1. A verificação de erro é efetuada opcionalmente pela paridade de cada byte
      transmitido e obrigatoriamente pelo método LRC ou CRC sobre toda a
      mensagem. O LRC descarta os caracteres de inicio e fim de mensagem. O CRC
      descarta os bits de inicio, paridade e parada de cada byte.
   2. O dispositivo mestre espera uma resposta por um determinado tempo antes de
      abortar uma transação (timeout).
   3. O tempo deve ser longo o suficiente para permitir a resposta de qualquer
      escravo. Se ocorrer um erro de transmissão, o escravo não construirá a resposta
      para o mestre. Será detectado um “timeout” e o mestre tomará as providências
      programadas.

CAMADA DE ENLACE

Modo de transmissão:
RTU: cada byte contém dois dígitos hexadecimais
ASCII: cada byte contém um caractere ASCII entre 0 a 9, A a F.
Formação dos quadros:
Definição do inicio e fim da mensagem
RTU: Tempo de silêncio de 3,5 caracteres.
ASCII: Inicia com “:” e termina com “CR” e “LR”
Conteúdos dos quadros:
Conjunto de caracteres hexadecimais de 00 a FF . [LSB...MSB]



COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                  PÁGINA 37
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                       INDUSTRIAIS




   1. Algumas características do protocolo Modbus são fixas, como o formato da
      mensagem, funções disponíveis e tratamento de erros de comunicação.
   2. Outras características são selecionáveis como o meio de transmissão,
      velocidade, timeout, bits de parada e paridade e o modo de transmissão (RTU ou
      ASCII).
   3. A seleção do modo de transmissão define como os dados serão codificados.

Exemplo: Transmissão do endereço 3Bh

      RTU: 0011 1011       ASCII:   3 = 33h = 0011 0011 B = 42h = 0100 0010

   4. Nos protocolos Modbus Plus e TCP/IP as mensagens são colocadas em frames,
      não sendo necessário a definição do modo de transmissão, usando sempre o
      modo RTU.
   5. O modo ASCII permite intervalos de tempo de até um segundo entre os
      caracteres sem provocar erros, mas suas mensagem típica tem um tamanho duas
      vezes maior que a mensagem equivalente usando o modo RTU.
   6. O modo RTU transmite a informação com um menor número de bits, mas as
      mensagem deve ter todos os caracteres enviados em uma sequência contínua.
   7. O modo RTU também é chamado de Modbus-B ou Modbus Binário e é o modo
      preferencial.

MODELAGEM DE DADOS




COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                 PÁGINA 38
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                       INDUSTRIAIS

   1. Todo dispositivo em uma rede Modbus deve ter a sua memória dividida em
      registradores de 16 bits numerados conforme o modelo apresentado.
   2. A divisão é baseada na estrutura de memória de um CLP:
          x Saída discretas para os atuados ON-OFF utilizam um bit. Cada
              registrador comporta 16 saídas.
          x Entradas discretas para os sensores ON-OFF utilizam um bit. Cada
              registro comporta 16 entradas.
          x Entradas analógicas utilizam registradores de 16 bits para os valores
              obtidos por conversores A/D a partir dos sinais dos sensores analógicos.
          x Registradores de memória com 16 bits para os valores utilizados
              internamente no CLP.
   3. A identificação dos comandos (funções) de leitura e escrita são diferentes de
      acordo com o tipo de dados a ser lido ou escrito.
          a. A função 1 efetua a leitura do estado das saídas discretas.
          b. A função 5 efetua a escrita de uma única saída discreta.
          c. A função 15 efetua a escrita de múltiplas saídas discretas.
          d. A função 2 efetua a leitura do estado das entradas discretas.
          e. A função 4 efetua a leitura dos valores das entradas analógicas.
          f. A função 3 efetua a leitura dos valores dos registradores de memória.
          g. A função 6 efetua a escrita de um valor em um registrador de memória.
          h. A função 16 efetua a escrita de múltiplos valores em registradores de
              memória.




COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                   PÁGINA 39
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                       INDUSTRIAIS


                 1. O primeiro registrador é o “40001”, mas é endereçado como
                    “0”. Portanto se precisamos da informação do endereço “40108”,
                    devemos endereça-ló como “107”, que transformado em
                    hexadecimal será “6B”.
                 2. Os registradores utilizam 16bits para codificar a informação.
                    Estes 16 bits são enviados em dois bytes separados (HIGH
                    BYTE e LOW BYTE).




   1. O valor 63h é enviado como um byte no modo RTU (0110 0011).
   2. O mesmo valor enviado no modo ASCII necessita de dois bytes, mas são
      contabilizados como apenas um. 6 (011 0110) e 3 (011 0011).
   3. As respostas indicam:
      Registro 40108: 02 2Bh = 555
      Registro 40109: 00 00h = 0
      Registro 40110: 00 63h = 99

      MODBUS/TCP

      Lançado em 1999, foi o primeiro protocolo aberto a usar ethernet e TCP/IP.
      Apresenta a arquitetura cliente servidor, usando a conexão através da porta 502.


COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                   PÁGINA 40
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                       INDUSTRIAIS

         1. Desde que não há diferença entre mestre e escravo, qualquer nó com uma
            porta TCP pode acessar qualquer outro nó, possibilitando a
            implementação de comunicação ponto-a-ponto entre os antigos
            escravos.
         2. A mensagem é encapsulada em um pacote TCP/IP. Os comandos são
            enviados por um cliente usando uma mensagem TCP/IP para a porta 502
            de um servidor, que responde com o dado desejado encapsulado em um
            pacote TCP/IP.




         3. O encapsulamento TCP não modificou a estrutura básica da mensagem
            original do Modbus. As diferenças estão na interpretação do endereço e
            na verificação de erro.
         4. No endereçamento, o campo do endereço do escravo foi substituído por
            um único byte chamado de identificador único que pode ser usado para
            comunicação via dispositivo como gateways e bridge que usam um único
            endereço IP para integrar vários dispositivos.
         5. Não são usados os campos CRC ou LRC para verificação de erro. São
            usados os mecanismos semelhantes do já existente do TCP/IP e
            protocolo Ethernet.
         6. Ao usar pacotes TCP/IP, o modbus /TCP permite acesso remoto via a
            estrutura das redes corporativas e mesmo a internet, o que pode ser uma
            vantagem e um risco. LAN e internet permitem operações remotas, mas
            requer que salvaguardas sejam usadas para prevenir acesso não
            autorizado.
         7. O Modbus/TCP tem sido criticado por usar o “tedioso” protocolo TCP
            com suas intermináveis configurações para iniciar uma sessão e verificar
            a integridade dos pacotes enviados.
         8. Os críticos também chamam a atenção para a impossibilidade de
            priorização de mensagens, excesso de tráfego devido a impossibilidade
            de broadcasts e pelo indeterminismo.



      PROTOCOLO HART

      Introdução

       Este protocolo foi introduzido pela Fisher Rosemount em 1980. Hart é um
acrônimo de “Highway Addressable Remote Transducer”. Em 1990 o protocolo foi
aberto à comunidade e um grupo de usuários foi fundado.


COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                 PÁGINA 41
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                        INDUSTRIAIS

A grande vantagem oferecida por este protocolo é possibilitar o uso de instrumentos
inteligentes em cima dos cabos 4 a 20mA tradicionais. Como a velocidade é baixa, os
cabos normalmente usados em instrumentação podem ser mantidos. Os dispositivos
capazes de executarem esta comunicação híbrida são denominados smart.

O SINAL HART

O sinal Hart é modulado em FSK (Frequency Shift Key) e é sobreposto ao sinal
analógico de 4 a 20mA. Para transmitir 1 é utilizado um sinal de 1mA pico a pico na
freqüência de 1200Hz e para transmitir 0 a freqüência de 2200Hz é utilizada, além disto
a comunicação é bidirecional.




Este protocolo permite que além do valor da PV outros valores significativos sejam
transmitidos como parâmetros para o instrumento, dados de configuração do
dispositivo, dados de calibração e diagnóstico. O sinal FSK é contínuo em fase, não
impondo nenhuma interferência sobre o sinal analógico, sua padronização obedece ao
padrão Bell 202 Frequency Shift Keying (chaveamento do deslocamento de freqüência).

A topologia pode ser ponto a ponto ou multi-drop. O protocolo permite o uso de até dois
mestres. O mestre primário é um computador ou CLP ou multiplexador. O mestre
secundário é geralmente representado por terminais de mão (Hard-Held) de
configuração e calibração.

Deve haver uma resistência de no mínimo 230Ω entre a fonte de alimentação e o
instrumento para a rede funcionar. O terminal de mão deve ser inserido sempre entre o
resistor e o dispositivo de campo conforme mostra a figura abaixo.




COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                    PÁGINA 42
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                        INDUSTRIAIS




O resistor em série em geral já é parte integral de cartões de entrada de controladores
single loop e cartões de entrada de remotas e portanto não necessita ser adicionado.
Outros dispositivos de medição são inseridos em série no loop de corrente, o que causa
uma queda de tensão em cada dispostivo.

Para a ligação de dispositivos de saída a uma saída analógica, não é necessário um
resistor shunt.




Por ter uma comunicação bidirecional, o que possibilita a comunicação digital em duas
vias, torna-se possível a transmissão e recepção de informações adicionais, além da
normal que é a variável de processo em instrumentos de campo inteligentes. O
protocolo HART se propaga há uma taxa de 1200bits por segundo, sem interromper o
sinal de 4 a 20mA e assim permite uma aplicação tipo “mestre” possibilitando duas ou
mais atualizações por segundo vindas de um único instrumento de campo.

FLEXIBILIDADE DE APLICAÇÃO

O Hart é um protocolo do tipo mestre/escravo, o que significa que um instrumento de
campo (escravo) somente “responde” quando “ perguntado” por um mestre. Dois
mestres (primário e secundário) podem se comunicar com um instrumento escravo em
uma rede HART. Os mestres secundários, como os terminais portáteis, podem ser
conectados normalmente em qualquer ponto da rede e se comunicar com os
instrumentos de campo sem provocar distúrbios na comunicação com o mestre
primário. O mestre primário é tipicamente um SDCD, um CLP, um controle central
baseado em computador ou um sistema de monitoração. Abaixo mostramos uma
instalação típica com dois mestres.



COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                    PÁGINA 43
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                       INDUSTRIAIS




       Configurador portátil - cortesia SMAR


MODO DE COMUNICAÇÃO

O protocolo HART pode ser usado de diversas maneiras para trocar informações
de/para instrumentos de campo inteligentes à controles centrais ou equipamentos de
monitoração. A comunicação mestre/escravo digital, simultânea com o sinal analógico
de 4-20mA é a mais comum. Este modo, descrito na figura abaixo, permite que a
informação digital proveniente do instrumento escravo seja atualizada duas vezes por
segundo no mestre. O sinal de 4-20mA é contínuo e carrega a variável primária para
controle.




         Sinal analógico + sinal digital ou somente comunicação digital, o sinal
           analógico não é interrompido. O escravo responde aos comandos
       requisitados pelo mestre. Valor típico de 500mS por transação (pergunta e
                           resposta – 2 valores por segundo)
                 Comunicação HART – Mestre/Escravo – modo normal


COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                  PÁGINA 44
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                        INDUSTRIAIS


Uma modalidade opcional de comunicação é o “burst” que permite que um único
instrumento escravo publique continuamente uma mensagem de resposta padrão Hart.
Esse modo libera o mestre de ficar repetindo um comando de solicitação para atualizar a
informação da variável de processo.

A mesma mensagem de resposta HART (PV ou outra) é continuamente publicada pelo
escravo até que o mestre instrua o escravo a fazer outra atividade. A taxa de atualização
de dados de 3-4 por segundo é típica no modo de comunicação do tipo “burst” e poderá
variar de acordo com o comando escolhido. O modo “burst” só pode ser usado quando
existe um único instrumento escravo na rede.




          Modo de comunicação digital puro, resposta contínua de uma variável
         padrão selecionada como a PV. As janelas existentes entre cada resposta
          permite ao mestre mudar o comando ou o modo de comunicação. 3 a 4
                         atualizações por segundo tipicamente.


O protocolo HART também tem a capacidade de conectar múltiplos instrumentos de
campo pelo mesmo par de fios em uma configuração de rede “multidrop”, como mostra
a figura abaixo. Em aplicações “multidrop”, o sinal de corrente é fixo, ficando somente
a comunicação digital limitada ao mestre/escravo. A corrente de cada instrumento
escravo é fixada no valor mínimo de 4mA somente para alimentação do instrumento.
Lembre-se que esta corrente não tem mais nenhum significado para o processo.




           Os equipamentos de campo HART podem ser conectados numa rede
                          multidrop em algumas aplicações.




COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                     PÁGINA 45
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                       INDUSTRIAIS

Do ponto de vista da instalação, a mesma fiação usada para os instrumentos analógicos
convencionais de 4-20mA pode carregar os sinais de comunicação digital HART. Os
comprimentos de cabo usados podem variar de acordo com o tipo de cabo e dos
instrumentos conectados, mas em geral chegam a 3000metros para um único par
trançado blindado e 1500metros para múltiplos cabos de par trançado com blindagem
comum. Cabos sem blindagem podem ser usados para distâncias curtas. Barreiras de
segurança intrínseca e isoladores que permitem a passagem de sinais HART são
disponíveis para uso em áreas classificadas.




COMANDOS HART

A comunicação HART é baseada em comandos, como por exemplo, o mestre emite um
comando e o escravo responde. Existem três tipos de comandos HART que permitem
leitura/escrita de informações em instrumentos de campo (figura abaixo). Os comandos
universais e os práticos são definidos nas especificações do protocolo HART. Um
terceiro tipo, os comandos específicos do instrumento, permitem maior flexibilidade na
manipulação de parâmetros ou de funções específicas num determinado tipo de
instrumento.

        Os comandos universais asseguram a interoperabilidade entre uma larga e
crescente base de produtos provenientes de diversos fornecedores e permitem o acesso
às informações usuais em operação de plantas, como por exemplo, leitura de variáveis
medidas, aumento ou diminuição dos valores de configuração e outras informações
como: fabricante, modelo, Tag e descrição do processo. Uma regra básica do protocolo
HART é que os instrumentos escravos devem ser compatíveis (interoperáveis) entre si e
precisam responder à todos os comandos universais. Esses comandos são poderosos,
como por exemplo, o comando universal 3, que permite que até quatro variáveis
dinâmicas sejam enviadas em resposta a um único comando solicitado do mestre.

       Os comandos práticos, permitem acessar funções que são implementadas em
alguns instrumentos, mas não necessariamente em todos. Esses comandos são
opcionais, mas se implementados, devem atender as especificações da norma. Os
comandos específicos dos instrumentos permitem o acesso a características exclusivas


COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                   PÁGINA 46
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                       INDUSTRIAIS

do instrumento e geralmente são usados para configurar os parâmetros de um
instrumento. Por exemplo, estes permitem escrever um novo “set-point” de um
algoritmo PID disponível no instrumento.

       As informações de diagnóstico do instrumento está disponível em todas as
respostas aos comandos HART, garantindo uma elevada integridade do sistema para
malhas críticas. Os bits que representam o estado do instrumento em cada mensagem de
resposta, indicam o mau funcionamento ou outro problemas, tais como: saída analógica
saturada, variável fora da faixa ou erros de comunicação. Alguns instrumentos
compatíveis com HART podem monitorar continuamente estes bits do instrumento e
permitem a geração de alarmes ou mesmo o seu desligamento se problemas forem
detectados.




         Os comandos HART universais e práticos garantem interoperabilidade
                  entre equipamentos de vários fabricantes.



      A LINGUAGEM DE DESCRIÇÃO DO INSTRUMENTO (DDL)

       A linguagem de descrição do dispositivo (instrumento) estende a
interoperabilidade entre os comandos universais e práticos. Um fabricante de
instrumento de campo (escravo) usa a linguagem DDL que contém todas as
características relevantes do instrumento, possibilitando que o “mestre” tenha total
capacidade de comunicação com o instrumento “escravo”. Um arquivo de descrição do
instrumento (DD) para um instrumento HART é semelhante a um driver de impressora



COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                  PÁGINA 47
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                       INDUSTRIAIS

no ambiente dos microcomputadores, onde o driver habilita uma aplicação para a
impressora, assim como, imprime adequadamente uma página.

       Terminais portáteis de programação são capazes de configurar qualquer
instrumento HART através da DD deste instrumento disponibilizada pelo seu
fabricante. Outras aplicações do tipo “host” que aceitam a linguagem DDL estão
surgindo. Uma biblioteca central de todas as descrições de instrumentos HART (DD) é
administrada pela HART Communication Foudation, que mantém o controle de registro
dos mesmos.

       EXEMPLO DE APLICAÇÃO INOVADORA

        A flexibilidade do protocolo HART é evidente no diagrama de controle da
figura abaixo. Essa aplicação inovadora sua a capacidade inerente ao protocolo HART
de transmitir tanto sinais de 4-20mA analógicos como sinais digitais de comunicação
simultaneamente pela mesma fiação.

        Nessa aplicação, o transmissor HART tem um algoritmo interno de controle
PID. O instrumento é configurado de modo que o loop de corrente 4-20mA seja
proporcional à saída de controle PID, executado no instrumento (e não à variável
medida, como por exemplo, a pressão, como na maioria das aplicações de instrumentos
de campo). Uma vez que o loop de corrente é controlado pela saída de controle do PID,
este é utilizado para alimentar diretamente o posicionador da válvula de controle.

        A malha de controle é executada inteiramente no campo, entre o transmissor
(com PID) e a válvula. A ação de controle é contínua como no sistema tradicional; o
sinal analógico de 4-20mA comanda a válvula. Através da comunicação digital HART o
operador pode mudar o set-point da malha de controle e ler a variável primária ou a
saída para o posicionador da válvula. Um economia substancial pode ser obtida através
dessa inovadora arquitetura de controle.




COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                  PÁGINA 48
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                        INDUSTRIAIS


PROFIBUS

A história do PROFIBUS começa na aventura de um projeto da associação apoiado por
autoridades públicas, que iniciou em 1987 na Alemanha. Dentro do contexto desta
aventura, 21 companhias e institutos uniram forças e criaram um projeto estratégico
fieldbus. O objetivo era a realização e estabilização de um barramento de campo
bitserial, sendo o requisito básico a padronização da interface de dispositivos de campo.
Um primeiro passo foi a especificação do protocolo de comunicação complexas
PROFIBUS FMS (Especificação da mensagem Fildbus), que foi costurado para
exigência de tarefas de comunicação. Um passo mais adiante em 1993, viu-se a
conclusão da especificação para os mais simplesmente configurado e mais rápido
PROFIBUS DP (Periferia Descentralizada). Este protocolo está disponível agora em
três versões funcionais, o DP-V0, DP-V1 e DP-V2.

       Baseado nestes dois protocolos de comunicação, acoplado com o
desenvolvimento de numerosos perfis de aplicações orientadas e um número de
dispositivos de crescimento rápido, o PROFIBUS começou seu avanço inicialmente na
automação de manufatura, e desde 1995, na automação de processo. Hoje, o
PROFIBUS é o barramento de campo líder no mercado mundial.

        O PROFIBUS é um padrão de rede de campo aberto e independente de
fornecedores, onde a interface entre eles permite uma ampla aplicação em processos,
manufatura e automação predial. Esse padrão é garantido segundo normas EM 50170 e
EM 50254. Em Janeiro de 2000, o PROFIBUS foi firmemente estabelecido com a IEC
61158, ao lado de mais sete outros fieldbuses. A IEC 61158 está dividida em sete
partes, nas quais estão as especificações segundo o modelo OSI. Nessa versão houve a
expansão que inclui o DP-V2. Mundialmente, os usuários podem agora se referenciar a
um padrão internacional de protocolo, cujo desenvolvimento procurou e procura a
redução de custos, flexibilidade, confiança, orientação ao futuro, atendimento as mais
diversas aplicações, interoperabilidade e múltiplos fornecedores.

        A tecnologia da informação tornou-se determinante no desenvolvimento da
tecnologia da automação, alterando hierarquias e estruturas no ambiente dos escritórios
e chega agora ao ambiente industrial nos seus mais diversos setores, desde as indústrias
de processo e manufatura até prédios e sistemas logísticos. A capacidade de
comunicação entre dispositivos e o uso de mecanismos padronizados, abertos e
transparentes são componentes indispensáveis no conceito de automação de hoje. A
comunicação expande-se rapidamente no sentido horizontal, nos níveis inferiores (field
level), assim como no sentido vertical integrando todos os níveis hierárquicos de um
sistema. De acordo com as características da aplicação e do custo máximo a ser
atingido, uma combinação gradual de diferentes sistemas de comunicação, tais como:




COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                     PÁGINA 49
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                        INDUSTRIAIS

Ethernet, PROFIBUS e AS-Interface, oferece as condições ideais de redes abertas em
processos industriais.




No nível de atuadores/sensores o AS-Interface é o sistema de comunicação de dados
ideal, pois os sinais binários de dados são transmitidos via um barramento
extremamente simples e de baixo custo, juntamente com a alimentação 24Vdc
necessária para alimentar estes mesmos sensores e atuadores. Outra característica
importante é a de que os dados são transmitidos ciclicamente, de uma maneira
extremamente eficiente e rápida.

No nível de campo, a periferia distribuída, tais como: módulos de E/S, transdutores,
acionamentos (drives), válvulas e painéis de operação, trabalham em sistemas de
automação, via um eficiente sistema de comunicação em tempo real, o PROFIBUS DP
ou PA. A transmissão de dados do processo é efetuada ciclicamente, enquanto alarmes,
parâmetros e diagnósticos são transmitidos somente quando necessário, de maneira
acíclica.

No nível de célula, os controladores programáveis, como os CLPs e os PCs,
comunicam-se entre si, requerendo, dessa maneira, que grandes pacotes de dados sejam
transferidas em inúmeras e poderosas funções de comunicação. Além disso, a
integração eficiente aos sistemas de comunicação corporativos existentes, tais como:
Intranet, Internet e Ethernet, são requisito absolutamente obrigatório. Essa necessidade é
suprida pelos protocolos PROFIBUS FMS e PROFINet.

A revolução da comunicação industrial na tecnologia da automação revela um enorme
potencial na otimização de sistemas de processo e tem feito uma importante
contribuição na direção da melhoria no uso de recursos. As informações a seguir
fornecerão uma explicação resumida do PROFIBUS como um elo de ligação central no
fluxo de informações na automação.

O PROFIBUS, em sua arquitetura, está dividido em três variantes principais:


COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                      PÁGINA 50
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                        INDUSTRIAIS

PROFIBUS DP

        O PROFIBUS DP é a solução de alta velocidade (high-speed) do PROFIBUS.
Seu desenvolvimento foi otimizado especialmente para comunicações entres os sistemas
de automações e equipamentos descentralizados. Voltada para sistemas de controle,
onde se destaca o acesso aos dispositivos de I/O distribuídos. É utilizada em
substituição aos sistemas convencionais 4 a 20 mA, HART ou em transmissão com 24
Volts. Utiliza-se do meio físico RS-485 ou fibra ótica. Requer menos de 2 ms para a
transmissão de 1 kbyte de entrada e saída e é amplamente utilizada em controles com
tempo crítico.

       Atualmente, 90% das aplicações envolvendo escravos Profibus utilizam-se do
PROFIBUS DP. Essa variante está disponível em três versões: DP-V0 (1993), DP-V1
(1997) e DP-V2 (2002). A origem de cada versão aconteceu de acordo com o avanço
tecnológico e a demanda das aplicações exigidas ao longo do tempo.



PROFIBUS FMS

        O PROFIBUS-FMS provê ao usuário uma ampla seleção de funções quando
comparado com as outras variantes. É a solução de padrão de comunicação universal
que pode ser usada para resolver tarefas complexas de comunicação entre CLPs e DCSs.
Essa variante suporta a comunicação entre sistemas de automação, assim como a troca
de dados entre equipamentos inteligentes, e é geralmente utilizada em nível de controle.
Recentemente, pelo fato de ter como função primária a comunicação mestre-mestre
(peer-to-peer), vem sendo substituída por aplicações em Ethernet.

PROFIBUS PA

       O PROFIBUS PA é a solução PROFIBUS que atende os requisitos da
automação de processos, onde se tem a conexão de sistemas de automação e sistemas de
controle de processo com equipamentos de campo, tais como: transmissores de pressão,
temperatura, conversores, posicionadores, etc. Pode ser usada em substituição ao padrão
4 a 20 mA.

       Existem vantagens potenciais da utilização dessa tecnologia, onde
resumidamente destacan-se as vantagens funcionais (transmissão de informações
confiáveis, tratamento de status das variáveis, sistema de segurança em caso de falha,
equipamentos com capacidades de autodiagnose, rangeabilidade dos equipamentos, alta
resolução nas medições, integração com controle discreto em alta velocidade, aplicações
em qualquer segmento, etc.). Além dos benefícios econômicos pertinentes às instalações
(redução de até 40% em alguns casos em relação aos sistemas convencionais), custos de
manutenção (redução de até 25% em alguns casos em relação aos sistemas
convencionais), menor tempo de startup, oferece um aumento significativo em
funcionalidade e segurança.




COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                     PÁGINA 51
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                        INDUSTRIAIS

        O PROFIBUS PA permite a medição e controle por uma linha a dois fios
simples. Também permite alimentar os equipamentos de campo em áreas
intrinsecamente seguras. O PROFIBUS PA permite a manutenção e a
conexão/desconexão de equipamentos até mesmo durante a operação sem interferir em
outras estações em áreas potencialmente explosivas. O PROFIBUS PA foi desenvolvido
em cooperação com os usuários da Indústria de Controle e Processo (NAMUR),
satisfazendo as exigências especiais dessa área de aplicação:

O perfil original da aplicação para a automação do processo e interoperabilidade dos
equipamentos de campo dos diferentes fabricantes.

   x   Adição e remoção de estações de barramentos mesmo em áreas intrinsecamente
       seguras sem influência para outras estações.
   x   Uma comunicação transparente através dos acopladores do segmento entre o
       barramento de automação do processo PROFIBUS PA e do barramento de
       automação industrial PROFIBUS-DP.
   x   Alimentação e transmissão de dados sobre o mesmo par de fios baseado na
       tecnologia IEC 61158-2.
   x   Uso em áreas potencialmente explosivas com blindagem explosiva tipo
       "intrinsecamente segura" ou "sem segurança intrínseca".

A conexão dos transmissores, conversores e posicionadores em uma rede PROFIBUS
DP é feita por um coupler DP/PA. O par trançado a dois fios é utilizado na alimentação
e na comunicação de dados para cada equipamento, facilitando a instalação e resultando
em baixo custo de hardware, menor tempo para iniciação, manutenção livre de
problemas, baixo custo do software de engenharia e alta confiança na operação.

       Todas as variantes do PROFIBUS são baseadas no modelo de comunicação de
redes OSI (Open System Interconnection) em concordância com o padrão internacional
ISO 7498.

AS-i (INTERFACE DE ATUADORES E SENSORES)

Introdução

A rede As-i é uma rede simples para conexão direta a sensores e atuadores discretos, do
nível mais baixo em automação (nível de entrada e saída) até a comunicação com redes
mais alto e dispositivos de controle. Substituindo painéis e cablagem, permite reduzir o
tempo de projeto e o custo de instalação e manutenção. É usada visando a redução de
custos. Foi desenvolvida por um grupo de fabricantes do setor de sensores e atuadores
discretos e é completamente aberta, independente do fabricante. A As-i define
parâmetros para uma ligação direta por cabo, levando sinal e alimentação a sensores e
dispositivos não inteligentes, operando via estação tipo mestre-escravo. O controlador
central, seja um CLP ou PC, ou o módulo de acesso à rede redes hierarquicamente mais
elevadas, funciona como estação escrava-mestra. Os sensores e atuadores se ligam às
estações escravas que participam de um enlace por meio do cabo As-i. Cada escravo
As-i pode comandar 8 elementos discretos, sendo quatro de entrada e quatro de saída. A

COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                     PÁGINA 52
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                        INDUSTRIAIS

configuração máxima do enlace é de 31 escravos, ou seja até 248 elementos discretos de
automação. Pode alcançar até 200 metros com a rede As-i usando repetidores, em
configuração árvore ou barramento. O cabo As-i contém um par de fios sem blindagem
e transporta dados e alimentação, com 24Vcc e até oito ampéres, em mestra ou é
escolhido manualmente. O tempo de ciclo de acesso é de 5ms, com 31 escravos, e há
uma detecção de erro de comunicação, com correção automática. A As-i usa o código
Manchester, que lhe possibilita uma boa imunidade à interferência e ao transporte tanto
de dados como de alimentação no mesmo cabo.




A rede AS-i tem que atender as necessidades de uma integração em sistemas de
automação, levando-se em conta que o sistema deve ser aberto e acessível a todos,
promovendo assim o interfaceamento de funções simples em equipamentos industriais.
Para isto o mesmo deve atender normas (EM 50295 e a IEC 62026-2) adotadas
mundialmente. Os componentes AS-i tem incorporado em cada produto um ASIC
(Application Specific Integrated Circuit”) com finalidade de gerenciamento e troca de
dados entre o sistema de controle (mestre) e os dispositivos de campo (escravos), logo
percebe-se que o sistema será do tipo mestre/escravo.

CARACTERÍSTICAS DA REDE AS-i

CLASSIFICAÇÃO: Sensor Bus

TOPOLOGIA: Barramento/Anel/Estrela/Arvore

TEMPO DE CICLO PARA 31 ESCRAVOS: 5ms

MÁXIMO NÚMERO DE NÓS: 248 E/S (31 escravos)

DISTÂNCIA MÁXIMA: 100metros (300 com repetidor)

MESTRE-ESCRAVO COM POOLING CÍCLICO


COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                    PÁGINA 53
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                       INDUSTRIAIS

Outras características importantes da rede é sua simplicidade, pois o sistema é rápido
para a instalação e expansão, quanto a segurança a rede tem uma alta confiabilidade e
disponibilidade nos equipamentos, reduzindo assim até 40% nos custos com projetos,
comissionamento e instalação.

Todos os dispositivos tem uma indicação através de LED para realizar o diagnóstico,
este diagnóstico também pode ser feito através do CLP. Os parâmetros da instalação são
acessíveis e passíveis de modificação, tornando assim simples a adição ou remoção dos
componentes.

Com a evolução do protocolo foi feito uma evolução natural, onde inicialmente temos a
versão V1 e logo após a versão V2.1, como mostra abaixo, observe que houve uma
evolução de um perfil totalmente digital, e já na versão V2.1 um perfil analógico já é
concebido nesta versão.




Basicamente temos que ter poucos dispositivos para montarmos uma rede AS-i. Um
cabo AS-i, um escravo com os sensores, uma fonte AS-i e um mestre, que geralmente é
um CLP. A partir daí temos somente que configurar, lembrando que os escravos tem 4
entrada e 4 saída. Abaixo mostramos os componentes necessários para a montagem da
rede.




                                                     CABO AS-i




COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                   PÁGINA 54
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                       INDUSTRIAIS




                     CPU AS-i              ESCRAVO                    FONTE



A rede AS-i necessitam de um software para configuração dos dispositivos e operação
da rede.

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE DA CODESYS PARA A REDE AS-i

Iremos demonstrar como devemos utilizar o software para programação da rede AS-i da
IFM ELECTRONIC, no qual abaixo apresentaremos alguns aspectos físicos.

Inicialmente abriremos o software conforme mostrado abaixo:




COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                 PÁGINA 55
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                        INDUSTRIAIS

Observe que estamos utilizando a versão instalada CoDeSys V2.3, através da pasta ifm
electronics. Feito isto estaremos já no ambiente de trabalho no qual iremos abrir um
novo programa, no qual iremos inicialmente dar o nome de NONE, pois não temos
ainda definido uma CPU a ser utilizada para implementação. Mas podemos observar
que temos além deste outras CPU’s.




Após feito isto, selecionando a opção None, iremos selecionar o tipo de linguagem a ser
utilizada. Podendo esta ser a linguagem de diversos tipos:

   x   Lista de instruções (IL)
   x   Texto estruturado (ST)
   x   Características seqüenciais de funções (SFC)
   x   Diagrama de blocos de funções (FBD)
   x   Diagrama Ladder (LD)
   x   Características contínua de funções (CFC)


Para nosso exemplo iremos utilizar a linguagem FBD, para programarmos em bloco, e o
nosso POU (Unidade de Organização de programa) cria automaticamente um novo
projeto com o nome de PLC_PRG. Assim podemos dizer que o POU tem por finalidade
organizar todas as tomadas de decisão de um programa, ou seja tele terá todas os objetos
de seu projeto.




COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                     PÁGINA 56
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                       INDUSTRIAIS

O nosso primeiro projeto não necessitará da unidade PLC, pois iremos utilizar todos os
recursos do software.




Após escolhido o tipo de linguagem e o tipo de POU, podemos partir para a
programação.




COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                   PÁGINA 57
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                       INDUSTRIAIS

Observe que existem uma programação feita através de linguagem e abaixo onde iremos
introduzir nossos blocos. Nas janelas, procure a janela BOX, e ela irá abrir um bloco,
com a função AND, caso necessite mudar a função deve estar fazendo na mesma. Nos
pontos de interrogação (???) escrever por exemplo sensorA e assim que teclar ENTER,
observará que abrirá uma outra janela.




Nesta nova janela você estará observando uma declaração da variável, observe que há
diversas características importantes, como podemos ver. O mesmo procedimento deverá
ser feito para a outra entrada. Para configurarmos a saída iremos fazer o mesmo, mas
agora iremos clicar na janela Assign, e assim dar o nome de Saída.

Após feito isto, podemos simular o referido circuito, para isto iremos LOGIN, através
da respectiva janela. Observando que agora iremos modificar o status das entradas,
clicando sobre elas iremos verificar suas modificações para <TRUE>, isto que dizer que
estão habilitadas. Se fizermos F7, iremos simular a situação presente.




COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                   PÁGINA 58
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                       INDUSTRIAIS




Se F7 for pressionado irá habilitar a situação. Podemos agora desenvolver outras
atividades relacionadas.

FAZENDO UMA TELA DE SUPERVISÓRIO

Para criarmos uma tela supervisão, iremos modificar para a pasta de visualização,
conforme figura abaixo.




COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS               PÁGINA 59
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                       INDUSTRIAIS

        Feito isto iremos clicar em PROJECT, e criar uma visualização, através de
object, add. Onde, irá abrir uma janela para você colocar o nome da sua visualização.
Dado o nome da visualização, isto fará que tenhamos uma nova tela para realizarmos os
referidos desenhos. Abaixo desenhamos o projeto e assim podemos entrar em cada
parâmetros desejado para podermos realizar a simulação.




Após desenharmos, podemos colocar as cores e os parâmetros necessários para o bom
funcionamento.




Pressionando <F2> podemos obter os parâmetros necessários para serem colocados,
como podemos observar na janela acima. Lembramos que outros parâmetros podemos


COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                  PÁGINA 60
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                       INDUSTRIAIS

ser modificados conforme sua necessidade. Vamos agora fazer com que possamos
acionar através do supervisório o sensor A e o sensor B.




Na marca Input e em Toggle Variable colocamos o sensor que queremos acionar. Após
feito as modificações, observamos o funcionamento do programa e suas características
juntamente com o supervisório. Lembrando que devemos <F7> para compliar e <F5>
para simular. Fica então ao aluno a oportunidade de se aprofundar seus conhecimentos
sobre equipamentos AS-i.

PROGRAMANDO AGORA COM O EQUIPAMENTO MESTRE + ESCRAVOS.

Lembre-se que agora iremos colocar nosso equipamento para operar, para isto temos
que fazer algumas ligações necessárias, como alimentação 127 ou 220Volts dependendo
                                                            da fonte, a mesma
                                                            também       pode    ser
                                                            24Volts. Observe abaixo
                                                            os detalhes da fonte de
                                                            alimentação.

                                                           Observe que há uma
                                                           indicação             para
                                                           alimentação que pode ser
                                                           127V ou 220V, sempre
                                                           antes de ligar, observar
                                                           sua rede elétrica. Do lado
                                                           oposto tem uma borneira
                                                           onde há uma indicação
                                                           de Vout ou seja tensão de
                                                           saída no nosso caso


COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                  PÁGINA 61
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                        INDUSTRIAIS

iremos ter uma tensão de 26Volts. Observe isto através do fio vermelho e preto
superiores na foto. Na borneira inferior temos a alimentação AS-i, lembre-se que nossa
fonte em questão é uma fonte de alimentação convencional para uma alimentação AS-i,
por isto temos uma borneira saindo ASi + e outra saindo ASi-. A saída AS-i +, será
sempre o fio marrom, e a saída AS-i – será o fio azul, como está indicado na foto
superior ao texto. Nunca se esqueça que tais fios são do cabo amarelo AS-i, queremos
dizer que neste mesmo cabo amarelo passa a alimentação para os dispositivos e as
informações digitais compartilhadas pelos mesmos, por isso observamos que os fios
verde e vermelho estão indo para a PLC, como podemos observar na próxima foto.

                                         Se você observar bem, fica claro que temos a
                                         alimentação de 24 Votls e a rede AS-i + e
                                         AS-i – através de um fio vermelho e verde.
                                         Isto quer dizer que estamos como as referidas
                                         ligações da fonte de alimentação e do PLC.
                                         Além disto você irá observar também que há
                                         um conector RS232 para comunicação e
                                         programação do PLC, um display para
                                         visualização de algumas configurações,
                                         teclar para menu e para seleção de
                                         parâmetros, e leds informativos das
                                         condições       de      funcionamento      do
                                         equipamento.




Sobre os led’s:

LED PWR/COM (LED VERMELHO)

Situação = ligado

Fonte de alimentação está OK e Comunicação com escravos está OK

Situação = piscando

Fonte de alimentação está OK mas Comunicação está falha

Situação = desligado

Fonte de alimentação está em falha.




COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                   PÁGINA 62
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                       INDUSTRIAIS

LED PROJ(LED AMARELO)

Situação = ligado

Está em projeto

Situação = desligado

Está em proteção (RUN)

LED CONF/PF

Situação = ligado

Erro de configuração dos escravos, tipo endereçamento

Situação = desligado

Configuração dos periféricos OK e Não há falha em periféricos

Situação = piscando

Erro em algum periférico.

LED 24 V PWR

Led indicativo de que há tensão de alimentação no PLC

LED PLC RUN

Situação = ligado

Está em funcionamento (RUN PROG)

Situação = desligado

Esta com Gatware

Situação = piscando

Está desligado (STOP PROG)




COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                PÁGINA 63
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                       INDUSTRIAIS

Abaixo mostramos uma foto dos dois dispositivos juntos :




    OBTENÇÃO DE UM PROJETO UTILIZANDO O MESTRE E ALGUNS
                         ESCRAVOS



        Após a ligação de mestre 01 juntamente com 3 escravos que foram detectados
através do auto endreçamento, sendo os escravos:

   1. 4 entradas e 4 saídas AC 5209
   2. 4 entradas e 4 saídas a rele AC 2258
   3. 1 sensor inteligente ASi indutivo

Realizamos a comunicação através do software colocando o equipamento em
comunicação do seguinte modo. Selecionamos a configuração para obtermos a figura
abaixo:




COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                PÁGINA 64
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                       INDUSTRIAIS




Onde devemos obter a configuração: ifm electronic ControllerE_12, e procedendo o
OK.




Com isto haverá esta nova janela onde ira nos informar alguns parâmetros de
configuração no qual também não iremos alterar nenhum dos parâmetros relacionados.
Vamos continuar deixando o default do fabricante. Se observarmos estamos procedendo
do mesmo modo feito anteriormente, mas agora utilizando uma configuração para a
interface em questão que é nosso controlador da IFM. Observe na figura abaixo, já
trabalhamos com as referidas referências.




COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                 PÁGINA 65
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                        INDUSTRIAIS

Só que agora iremos configurar nosso PLC, através da seleção do Resource, em PLC
configuration, clicando nele teremos acesso a informações dos escravos.




Após selecionar a tela acima será aberta e você irá clicar na configuração do hardware,
onde irá informar a você quais os hardware que estão presentes neste PLC.




Observe que não há ainda nenhum escravo presente, pois você ainda não os detectou,
para isto você deverá detecta-los através do upload da configuração.




COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                     PÁGINA 66
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                       INDUSTRIAIS




Agora estará aberto uma janela dizendo que o projeto existente no PLC é diferente do
que há no PC e perguntará se você deseja realmente fazer o upload ou download, faça o
upload da referida configuração.




COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                   PÁGINA 67
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                        INDUSTRIAIS

Agora você observa que existe 3 escravos para o mestre, sendo um (1) escravo A/B no
endereço 3 A , um escravo no endereço 4 e um escravo no endereço 6, a simbologia
VAR, significa que os mesmos são variados, e os do endereço 4 e 6 são simples.

Se você abrir cada um dos escravos obterá os referidos endereços individuais de cada
entrada ou saída.




OBs. Caso você não consiga comunicação verifique a velocidade através dos
parâmetros de comunicação. Para identificar cada endereço procedemos do seguinte
modo:

%(entrada/saída)(mestre).(endereço).(bit): (tipo);

Exemplo:

%IX1.3.0:BOLL – Entrada, mestre 1, endereço 3, bit 0, informação booleana.

%QX1.4.4:BOLL – Saída, mestre 1, endereço 4, bit 4, informação booleana.




COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                  PÁGINA 68
APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES
                        INDUSTRIAIS

Exercícios propostos:

01) Execute um programa para acionamento de uma prensa, na qual dois interruptores
devem ser acionados ao mesmo tempo para haver o movimento do equipamento.

02) Executar um programa que responda a seguinte lógica booleana:



CONCLUSÕES FINAIS SOBRE REDES

Lógico que podemos nos aprofundar em qualquer tipo de rede, seja ela AS-i ou não,
sabendo que para a rede AS-i existem diversos tipos de dispositivos escravos, cada um
com suas características e funcionalidades. Assim como dispositivos próprios para o
segmento de segurança, os quais chamaremos de produtos Safety at Work. Diversos
tipos de mestre para diversos tipos de aplicação.

Lembrando que existem outras redes, as quais não citamos neste material, com a rede
FieldBus, Devicenet e muitas outras que deixamos para você aluno pesquisar sobre as
mesmas. Mas você deve saber que o mercado da automação está aberto para todos e
para todas as redes, cada uma com suas particularidades que irá atender as necessidades.



BIBLIOGRAFIA:

Siemens, Seminário para eng. e técnicos em sensores : São Paulo, 2003

Thomzini, D; Albuquerque,P.U.B Sensores industriais. São Paulo: Ed. Érica, 2007

Smar, Tutorial HART, Sertãozinho: 2003

Filho, C.S Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte: 2006




COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS                     PÁGINA 69

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

indrodução automação industrial
indrodução automação industrialindrodução automação industrial
indrodução automação industrialelliando dias
 
Cabeamento estruturado redes de computadores
Cabeamento estruturado   redes de computadoresCabeamento estruturado   redes de computadores
Cabeamento estruturado redes de computadoresLeonardo Guimarães
 
Regras e projetos de instalação de quadros elétricos
Regras e projetos de instalação de quadros elétricosRegras e projetos de instalação de quadros elétricos
Regras e projetos de instalação de quadros elétricosClaudio Arkan
 
Catálogo posto transformação
Catálogo posto transformaçãoCatálogo posto transformação
Catálogo posto transformaçãoLaurindo Carinhas
 
Amplificador Classe AB - Teoria
Amplificador Classe AB - TeoriaAmplificador Classe AB - Teoria
Amplificador Classe AB - TeoriaAndré Paiva
 
Pressostato danfoss kp
Pressostato danfoss kpPressostato danfoss kp
Pressostato danfoss kpJoaquim Pedro
 
UFCD 6024.pptx
UFCD 6024.pptxUFCD 6024.pptx
UFCD 6024.pptxteresa rua
 
Redes de Computadores
Redes de ComputadoresRedes de Computadores
Redes de ComputadoresPaula Peres
 
Instrumentação 1 simbologia
Instrumentação 1 simbologiaInstrumentação 1 simbologia
Instrumentação 1 simbologiainstitutocarvalho
 
Automação projeto de semáforo
Automação projeto de semáforoAutomação projeto de semáforo
Automação projeto de semáforoantonio sena
 
Cabeamento Estruturado
Cabeamento EstruturadoCabeamento Estruturado
Cabeamento EstruturadoAnderson Zardo
 
Aula 01 apresentação e eletrônica
Aula 01 apresentação e eletrônicaAula 01 apresentação e eletrônica
Aula 01 apresentação e eletrônicaAlexandrino Sitoe
 
Classification of embedded systems
Classification of embedded systemsClassification of embedded systems
Classification of embedded systemsVikas Dongre
 
O que é interruptor
O que é interruptorO que é interruptor
O que é interruptorGaston Viti
 

Mais procurados (20)

indrodução automação industrial
indrodução automação industrialindrodução automação industrial
indrodução automação industrial
 
Cabeamento estruturado redes de computadores
Cabeamento estruturado   redes de computadoresCabeamento estruturado   redes de computadores
Cabeamento estruturado redes de computadores
 
Regras e projetos de instalação de quadros elétricos
Regras e projetos de instalação de quadros elétricosRegras e projetos de instalação de quadros elétricos
Regras e projetos de instalação de quadros elétricos
 
Sinais senoidais
Sinais senoidaisSinais senoidais
Sinais senoidais
 
Clp aprendizagem clic2 weg
Clp aprendizagem clic2 wegClp aprendizagem clic2 weg
Clp aprendizagem clic2 weg
 
Profibus dp
Profibus dpProfibus dp
Profibus dp
 
Catálogo posto transformação
Catálogo posto transformaçãoCatálogo posto transformação
Catálogo posto transformação
 
Amplificador Classe AB - Teoria
Amplificador Classe AB - TeoriaAmplificador Classe AB - Teoria
Amplificador Classe AB - Teoria
 
Transistor em AC
Transistor em ACTransistor em AC
Transistor em AC
 
Pressostato danfoss kp
Pressostato danfoss kpPressostato danfoss kp
Pressostato danfoss kp
 
UFCD 6024.pptx
UFCD 6024.pptxUFCD 6024.pptx
UFCD 6024.pptx
 
Redes de Computadores
Redes de ComputadoresRedes de Computadores
Redes de Computadores
 
Instrumentação 1 simbologia
Instrumentação 1 simbologiaInstrumentação 1 simbologia
Instrumentação 1 simbologia
 
Automação projeto de semáforo
Automação projeto de semáforoAutomação projeto de semáforo
Automação projeto de semáforo
 
Cabeamento Estruturado
Cabeamento EstruturadoCabeamento Estruturado
Cabeamento Estruturado
 
Aula 01 apresentação e eletrônica
Aula 01 apresentação e eletrônicaAula 01 apresentação e eletrônica
Aula 01 apresentação e eletrônica
 
Gabarito v2
Gabarito v2Gabarito v2
Gabarito v2
 
CABEAMENTO ESTRUTURADO
CABEAMENTO ESTRUTURADOCABEAMENTO ESTRUTURADO
CABEAMENTO ESTRUTURADO
 
Classification of embedded systems
Classification of embedded systemsClassification of embedded systems
Classification of embedded systems
 
O que é interruptor
O que é interruptorO que é interruptor
O que é interruptor
 

Destaque

Apostila Redes Industriais - Prof. Camilo A. Anauate
Apostila Redes Industriais - Prof. Camilo A. AnauateApostila Redes Industriais - Prof. Camilo A. Anauate
Apostila Redes Industriais - Prof. Camilo A. Anauate Camilo Alberto Anauate
 
As-i - Actuator Sensor Interface
As-i  - Actuator Sensor InterfaceAs-i  - Actuator Sensor Interface
As-i - Actuator Sensor InterfaceAndré Luis Lenz
 
Teoria de controle supervis rio
Teoria de controle supervis rioTeoria de controle supervis rio
Teoria de controle supervis rioEverton_michel
 
Redes industriais a informática aplicada no chão das fábricas
Redes industriais   a informática aplicada no chão das fábricasRedes industriais   a informática aplicada no chão das fábricas
Redes industriais a informática aplicada no chão das fábricasWilson Mathias Pereira Florentino
 
04 redes industriais principios de redes e modelo osi
04 redes industriais principios de redes e modelo osi04 redes industriais principios de redes e modelo osi
04 redes industriais principios de redes e modelo osiJhonny Arantes
 
Slide Sistema De Controle
Slide   Sistema De ControleSlide   Sistema De Controle
Slide Sistema De Controlelupajero
 
LIVRO PROPRIETÁRIO - FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES
LIVRO PROPRIETÁRIO - FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORESLIVRO PROPRIETÁRIO - FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES
LIVRO PROPRIETÁRIO - FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORESOs Fantasmas !
 
Apostila Redes Industriais IV - Prof. Camilo A. Anauate 2013
Apostila Redes Industriais IV - Prof. Camilo A. Anauate 2013Apostila Redes Industriais IV - Prof. Camilo A. Anauate 2013
Apostila Redes Industriais IV - Prof. Camilo A. Anauate 2013 Camilo Alberto Anauate
 
Redes sociais Digitais - o que são e como aproveitar
Redes sociais Digitais - o que são e como aproveitarRedes sociais Digitais - o que são e como aproveitar
Redes sociais Digitais - o que são e como aproveitardata4info
 
Vantagens e desvantagens em topologias de redes
Vantagens e desvantagens em topologias de redesVantagens e desvantagens em topologias de redes
Vantagens e desvantagens em topologias de redesMarco Martins
 

Destaque (13)

Apostila Redes Industriais - Prof. Camilo A. Anauate
Apostila Redes Industriais - Prof. Camilo A. AnauateApostila Redes Industriais - Prof. Camilo A. Anauate
Apostila Redes Industriais - Prof. Camilo A. Anauate
 
As-i - Actuator Sensor Interface
As-i  - Actuator Sensor InterfaceAs-i  - Actuator Sensor Interface
As-i - Actuator Sensor Interface
 
PROFINET - SIEMENS
PROFINET - SIEMENSPROFINET - SIEMENS
PROFINET - SIEMENS
 
Teoria de controle supervis rio
Teoria de controle supervis rioTeoria de controle supervis rio
Teoria de controle supervis rio
 
Manual redes
Manual redesManual redes
Manual redes
 
Redes industriais a informática aplicada no chão das fábricas
Redes industriais   a informática aplicada no chão das fábricasRedes industriais   a informática aplicada no chão das fábricas
Redes industriais a informática aplicada no chão das fábricas
 
04 redes industriais principios de redes e modelo osi
04 redes industriais principios de redes e modelo osi04 redes industriais principios de redes e modelo osi
04 redes industriais principios de redes e modelo osi
 
Slide Sistema De Controle
Slide   Sistema De ControleSlide   Sistema De Controle
Slide Sistema De Controle
 
LIVRO PROPRIETÁRIO - FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES
LIVRO PROPRIETÁRIO - FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORESLIVRO PROPRIETÁRIO - FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES
LIVRO PROPRIETÁRIO - FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES
 
Redes Industriais
Redes IndustriaisRedes Industriais
Redes Industriais
 
Apostila Redes Industriais IV - Prof. Camilo A. Anauate 2013
Apostila Redes Industriais IV - Prof. Camilo A. Anauate 2013Apostila Redes Industriais IV - Prof. Camilo A. Anauate 2013
Apostila Redes Industriais IV - Prof. Camilo A. Anauate 2013
 
Redes sociais Digitais - o que são e como aproveitar
Redes sociais Digitais - o que são e como aproveitarRedes sociais Digitais - o que são e como aproveitar
Redes sociais Digitais - o que são e como aproveitar
 
Vantagens e desvantagens em topologias de redes
Vantagens e desvantagens em topologias de redesVantagens e desvantagens em topologias de redes
Vantagens e desvantagens em topologias de redes
 

Semelhante a Aprenda sobre sensores, protocolos e redes industriais

Tecnologia da informacao
Tecnologia da informacaoTecnologia da informacao
Tecnologia da informacaoLuiz
 
Tcc 9119960cabea7ff604ee3bf8588d742f
Tcc 9119960cabea7ff604ee3bf8588d742fTcc 9119960cabea7ff604ee3bf8588d742f
Tcc 9119960cabea7ff604ee3bf8588d742fJoão Bispo
 
Automacao industrial indutrial 94 páginas
Automacao industrial indutrial 94 páginasAutomacao industrial indutrial 94 páginas
Automacao industrial indutrial 94 páginasAIRTON JUNIOR GERMANO
 
Clp automacao redes_protocolos
Clp automacao redes_protocolosClp automacao redes_protocolos
Clp automacao redes_protocolosWellington barbosa
 
Apresentação sobre Redes Industriais na UNIP Jundiaí/SP
Apresentação sobre Redes Industriais na UNIP Jundiaí/SPApresentação sobre Redes Industriais na UNIP Jundiaí/SP
Apresentação sobre Redes Industriais na UNIP Jundiaí/SPCarlos Mandolesi
 
aula9_tecnologia_processos.pdf
aula9_tecnologia_processos.pdfaula9_tecnologia_processos.pdf
aula9_tecnologia_processos.pdfElizabeteNunes9
 
Análise de Tráfego da Rede Utilizando o Wireshark
Análise de Tráfego da Rede Utilizando o WiresharkAnálise de Tráfego da Rede Utilizando o Wireshark
Análise de Tráfego da Rede Utilizando o WiresharkIgor Bruno
 
Artigo Analise De Redes Pelo Wireshark Igor
Artigo   Analise De Redes Pelo Wireshark   IgorArtigo   Analise De Redes Pelo Wireshark   Igor
Artigo Analise De Redes Pelo Wireshark IgorIgor Bruno
 
Gestão de Redes de Computadores e Serviços.pptx
Gestão de Redes de Computadores e Serviços.pptxGestão de Redes de Computadores e Serviços.pptx
Gestão de Redes de Computadores e Serviços.pptxHJesusMiguel
 
TradeTech Brazil 2011 - O Desafio Da Latencia
TradeTech Brazil 2011 - O Desafio Da LatenciaTradeTech Brazil 2011 - O Desafio Da Latencia
TradeTech Brazil 2011 - O Desafio Da LatenciaJose Ricardo Maia Moraes
 
95579522 control-net
95579522 control-net95579522 control-net
95579522 control-netnnicolau3
 

Semelhante a Aprenda sobre sensores, protocolos e redes industriais (20)

Tecnologia da informacao
Tecnologia da informacaoTecnologia da informacao
Tecnologia da informacao
 
Tcc 9119960cabea7ff604ee3bf8588d742f
Tcc 9119960cabea7ff604ee3bf8588d742fTcc 9119960cabea7ff604ee3bf8588d742f
Tcc 9119960cabea7ff604ee3bf8588d742f
 
Automacao industrial indutrial 94 páginas
Automacao industrial indutrial 94 páginasAutomacao industrial indutrial 94 páginas
Automacao industrial indutrial 94 páginas
 
Clp automacao redes_protocolos
Clp automacao redes_protocolosClp automacao redes_protocolos
Clp automacao redes_protocolos
 
Automação traduzido
Automação traduzidoAutomação traduzido
Automação traduzido
 
Artigo 2008 - uma visao dos protocolos para redes ethernet industriais e su...
Artigo   2008 - uma visao dos protocolos para redes ethernet industriais e su...Artigo   2008 - uma visao dos protocolos para redes ethernet industriais e su...
Artigo 2008 - uma visao dos protocolos para redes ethernet industriais e su...
 
Apresentação sobre Redes Industriais na UNIP Jundiaí/SP
Apresentação sobre Redes Industriais na UNIP Jundiaí/SPApresentação sobre Redes Industriais na UNIP Jundiaí/SP
Apresentação sobre Redes Industriais na UNIP Jundiaí/SP
 
Redes industriais
Redes industriaisRedes industriais
Redes industriais
 
Scada e scdc trabalho
Scada e scdc   trabalhoScada e scdc   trabalho
Scada e scdc trabalho
 
Tcc carlos-ra31415006-rev21
Tcc carlos-ra31415006-rev21Tcc carlos-ra31415006-rev21
Tcc carlos-ra31415006-rev21
 
Trabalho protocolo profibus
Trabalho protocolo profibusTrabalho protocolo profibus
Trabalho protocolo profibus
 
aula9_tecnologia_processos.pdf
aula9_tecnologia_processos.pdfaula9_tecnologia_processos.pdf
aula9_tecnologia_processos.pdf
 
Análise de Tráfego da Rede Utilizando o Wireshark
Análise de Tráfego da Rede Utilizando o WiresharkAnálise de Tráfego da Rede Utilizando o Wireshark
Análise de Tráfego da Rede Utilizando o Wireshark
 
Artigo Analise De Redes Pelo Wireshark Igor
Artigo   Analise De Redes Pelo Wireshark   IgorArtigo   Analise De Redes Pelo Wireshark   Igor
Artigo Analise De Redes Pelo Wireshark Igor
 
Protocolos
ProtocolosProtocolos
Protocolos
 
Gestão de Redes de Computadores e Serviços.pptx
Gestão de Redes de Computadores e Serviços.pptxGestão de Redes de Computadores e Serviços.pptx
Gestão de Redes de Computadores e Serviços.pptx
 
Protocolos modbus
Protocolos modbusProtocolos modbus
Protocolos modbus
 
Protocolos
ProtocolosProtocolos
Protocolos
 
TradeTech Brazil 2011 - O Desafio Da Latencia
TradeTech Brazil 2011 - O Desafio Da LatenciaTradeTech Brazil 2011 - O Desafio Da Latencia
TradeTech Brazil 2011 - O Desafio Da Latencia
 
95579522 control-net
95579522 control-net95579522 control-net
95579522 control-net
 

Mais de Everton_michel

Fundam. controle processo
Fundam. controle processoFundam. controle processo
Fundam. controle processoEverton_michel
 
Automação industrial prof. msc. marcelo eurípedes da silva, eep – escola de...
Automação industrial   prof. msc. marcelo eurípedes da silva, eep – escola de...Automação industrial   prof. msc. marcelo eurípedes da silva, eep – escola de...
Automação industrial prof. msc. marcelo eurípedes da silva, eep – escola de...Everton_michel
 
Automação industrial prof. msc. marcelo eurípedes da silva, eep – escola de...
Automação industrial   prof. msc. marcelo eurípedes da silva, eep – escola de...Automação industrial   prof. msc. marcelo eurípedes da silva, eep – escola de...
Automação industrial prof. msc. marcelo eurípedes da silva, eep – escola de...Everton_michel
 

Mais de Everton_michel (6)

Apostila eagle 4x[1]
Apostila eagle 4x[1]Apostila eagle 4x[1]
Apostila eagle 4x[1]
 
Aterramento
AterramentoAterramento
Aterramento
 
Fundam. controle processo
Fundam. controle processoFundam. controle processo
Fundam. controle processo
 
Automação industrial prof. msc. marcelo eurípedes da silva, eep – escola de...
Automação industrial   prof. msc. marcelo eurípedes da silva, eep – escola de...Automação industrial   prof. msc. marcelo eurípedes da silva, eep – escola de...
Automação industrial prof. msc. marcelo eurípedes da silva, eep – escola de...
 
Automação industrial prof. msc. marcelo eurípedes da silva, eep – escola de...
Automação industrial   prof. msc. marcelo eurípedes da silva, eep – escola de...Automação industrial   prof. msc. marcelo eurípedes da silva, eep – escola de...
Automação industrial prof. msc. marcelo eurípedes da silva, eep – escola de...
 
Apostila labview
Apostila labviewApostila labview
Apostila labview
 

Aprenda sobre sensores, protocolos e redes industriais

  • 1. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS O PRINCÍPIO DA AUTOMAÇÃO Introdução Desde os tempos mais remotos que o homem, através da automatização, tem vindo a desenvolver estratégias e mecanismos que lhe permitam libertar-se do trabalho de origem muscular e animal e das tarefas pesadas, rotineiras, perigosas e pouco precisas. Tem conseguindo, em simultâneo com esta libertação, maiores velocidades na execução das tarefas, menores tempo de paragem, menor número de acidentes e a obtenção de produtos cada vez maior e mais uniformes na qualidade. O objetivo foi desde sempre e em qualquer processo produtivo, efetuar a “mistura” das quantidades ótimas dos 3 fatores fundamentais sempre envolvidos, que são: x Matéria prima; x Informação e x Energia. A automatização inicial era caracterizada por pequenas ilhas com operações automatizadas, onde o fator humano era fundamental como elemento integrador e sincronizador de todas as operações. Este estágio caracterizava-se, entre outros fatores, por um elevado número de operários, uma grande existência de stocks e “lay-out” não otimizados. Caminhou-se depois para soluções de automatização centralizada. Nestas, todas as informações eram centralizadas em um único local, onde são tomadas todas as decisões e de onde partem todas as ordens. Com este nível, os “lay-outs” foram melhorados, o número de operários bastante reduzido, mas continua a existir um nível considerável de stocks. Após a década de 60, com o desenvolvimento e a utilização crescente de unidades de processamento de informação, as funções de condução dos processos foram sendo cada vez mais distribuídas pelo terreno e junto dos locais onde são necessárias, surgindo assim o que é atualmente designado de Sistema digital de controle distribuído (SDCD). Este nível de automatização caracteriza-se por uma gestão global e integrada da informação, pela redução de stocks a níveis mínimos, pela inserção de máquinas de controle numérico (CNC), de manipulação (Robôs), manuseamento automático de materiais, pela redução drástica do número de operários, sendo em alguns setores praticamente nulo na área diretamente ligada a produção. Assim com a evolução há a estrutura da automação está baseada na pirâmide organizacional, em que são criadas áreas restritas de informações. Essas áreas de informações caracterizam-se por sistemas onde o Hardware e o Software apresentam-se com características próprias. Nos primórdios estes Software e Hardware eram de um fabricante, assim o cliente ficava vinculado a este fabricante. Este tipo de solução causava enormes problemas e prejuízos às empresas, uma vez que a conectividade e a COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 33
  • 2. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS integração com outros equipamentos, não era possível de ser realizado, ou era por motivos técnicos ou por incompatibilidade de software. Com isto houve o que chamamos de “gargalo de informação” onde ficou complicado a troca de informações entre os fabricantes, e a interligação entre os equipamentos, já que os mesmos não tinha a compatibilidade entre os mesmos. Com isto houve a necessidade de uma padronização para a integração dos fabricantes e o advento dos protocolos de comunicação, inicialmente com um protocolo padrão TCP/IP, o qual facilitava muito a integração desses dados. E mais do que isso, possibilitava a integração entre os equipamentos de fornecedores destintos. PROTOCOLOS DE COMUNICAÇAÕ E REDES INDUSTRIAIS MODBUS Foi criada em 1979 para comunicação entre controladores da MODICON (Schneider), no qual era totalmente aberta desde seu início com grande facilidade de operação e manutenção, isto faz com que todos os demais fabricantes adotem este padrão, podendo até mesmo ser usado em sistemas de supervisão. Tipos de protocolos Modbus COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 34
  • 3. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS O MODBUS TCP/IP é usado para comunicação entre sistemas de supervisão e controladores lógicos programáveis. O protocolo Modbus é encpsulado no protocolo TCP/IP e transmitido através de redes padrão ethernet com controle de acesso ao meio por CSMA/CD. O MODBUS PLUS é usado para comunicação entre os controladores lógicos programáveis, módulos de E/S, chaves de partida eletrônica de motores, interface homem-máquina (IHM) etc. O meio físico é o RS-485 com taxa de transmissão de 1Mbps, controle de acesso ao meio por HDLC (High Level Data Link Control). O MODBUS PADRÃO é usado para comunicação dos CLPs com os dispositivos de entrada e saída de dados, instrumentos eletrônicos inteligentes como relés de proteção, controladores de processo, atuadores de válvulas, transdutores de energia e etc. O meio físico é o RS-232 ou RS-485 em conjunto com o protocolo mestre-escravo. MODBUS E O MODELO OSI O protocolo Modbus padrão pode ser enquadrado na camada de aplicação do modelo OSI, onde podem ser usados com outros protocolos da camada de enlace e camada física (RS-232, RS-485 e Ethernet). Ele define uma estrutura de mensagens de comunicação usadas para transferir dados discretos e analógicos entre os dispositivos microprocessados com detecção e informação de erros de transmissão. PROTOCOLO MODBUS PADRÃO Escopo do protocolo: Como o CLP solicita o acesso a outros dispositivos? Como este responderá? COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 35
  • 4. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS Como os erros serão detectados e informados? Características físicas: Ponto a ponto com RS-232. Barramento multiponto com RS-485 Controle de acesso ao meio: Protocolo mestre-escravo 1. Durante a comunicação em uma rede Modbus, o protocolo determina como o dispositivo conhecerá seu endereço, como reconhecerá uma mensagem endereçada para ele, como determinar o tipo de ação a ser tomada e como extrair o dado ou outra informação qualquer contida na mensagem. Se uma resposta é necessária, como o dispositivo construirá uma mensagem e a enviará. 2. O mestre pode endereçar mensagens para um escravo individual ou enviar mensagens para todos (broadcast). Os escravos retornam uma mensagem somente para as consultas endereçadas especificamente para ele. As mensagens broadcast não geram respostas. TRANSAÇÕES ENTRE DISPOSITIVOS 1. Na mensagem de consulta, o código de função informa ao dispositivo escravo com o respectivo endereço, qual a ação a ser executada. Os bytes de dados contém informações para o escravo, por exemplo, qual o registrador inicial e a quantidade de registros a serem lidos. O campo de verificação de erro permite aos escravos validar os dados recebidos. 2. Na mensagem de resposta, o código de função é repetido de volta para o mestre. Os bytes de dados contém os dados coletados pelo escravo ou o seu estado. Se um erro ocorre, o código de função é modificado para indicar que a resposta é uma resposta de erro e os bytes de dados contém um código que descreverá o erro. A verificação de erro permite o mestre validar os dados recebidos. COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 36
  • 5. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS CONTEÚDO DA TRANSAÇÃO Endereçamento (1byte) 0: usado para “broadcast” - 1 a 247: usados pelo escravo Código da função (1byte) Estabelece a ação a ser efetuada – 0 a 127: funções – 128 a 255: informe de erro na transmissão Bytes de dados Informação adicional necessárias – Endereços de memória – Quantidade de itens transmitidos – Quantidade de bytes do campo. Verificação de erros (2 bytes) LRC ou CRC 1. A verificação de erro é efetuada opcionalmente pela paridade de cada byte transmitido e obrigatoriamente pelo método LRC ou CRC sobre toda a mensagem. O LRC descarta os caracteres de inicio e fim de mensagem. O CRC descarta os bits de inicio, paridade e parada de cada byte. 2. O dispositivo mestre espera uma resposta por um determinado tempo antes de abortar uma transação (timeout). 3. O tempo deve ser longo o suficiente para permitir a resposta de qualquer escravo. Se ocorrer um erro de transmissão, o escravo não construirá a resposta para o mestre. Será detectado um “timeout” e o mestre tomará as providências programadas. CAMADA DE ENLACE Modo de transmissão: RTU: cada byte contém dois dígitos hexadecimais ASCII: cada byte contém um caractere ASCII entre 0 a 9, A a F. Formação dos quadros: Definição do inicio e fim da mensagem RTU: Tempo de silêncio de 3,5 caracteres. ASCII: Inicia com “:” e termina com “CR” e “LR” Conteúdos dos quadros: Conjunto de caracteres hexadecimais de 00 a FF . [LSB...MSB] COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 37
  • 6. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS 1. Algumas características do protocolo Modbus são fixas, como o formato da mensagem, funções disponíveis e tratamento de erros de comunicação. 2. Outras características são selecionáveis como o meio de transmissão, velocidade, timeout, bits de parada e paridade e o modo de transmissão (RTU ou ASCII). 3. A seleção do modo de transmissão define como os dados serão codificados. Exemplo: Transmissão do endereço 3Bh RTU: 0011 1011 ASCII: 3 = 33h = 0011 0011 B = 42h = 0100 0010 4. Nos protocolos Modbus Plus e TCP/IP as mensagens são colocadas em frames, não sendo necessário a definição do modo de transmissão, usando sempre o modo RTU. 5. O modo ASCII permite intervalos de tempo de até um segundo entre os caracteres sem provocar erros, mas suas mensagem típica tem um tamanho duas vezes maior que a mensagem equivalente usando o modo RTU. 6. O modo RTU transmite a informação com um menor número de bits, mas as mensagem deve ter todos os caracteres enviados em uma sequência contínua. 7. O modo RTU também é chamado de Modbus-B ou Modbus Binário e é o modo preferencial. MODELAGEM DE DADOS COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 38
  • 7. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS 1. Todo dispositivo em uma rede Modbus deve ter a sua memória dividida em registradores de 16 bits numerados conforme o modelo apresentado. 2. A divisão é baseada na estrutura de memória de um CLP: x Saída discretas para os atuados ON-OFF utilizam um bit. Cada registrador comporta 16 saídas. x Entradas discretas para os sensores ON-OFF utilizam um bit. Cada registro comporta 16 entradas. x Entradas analógicas utilizam registradores de 16 bits para os valores obtidos por conversores A/D a partir dos sinais dos sensores analógicos. x Registradores de memória com 16 bits para os valores utilizados internamente no CLP. 3. A identificação dos comandos (funções) de leitura e escrita são diferentes de acordo com o tipo de dados a ser lido ou escrito. a. A função 1 efetua a leitura do estado das saídas discretas. b. A função 5 efetua a escrita de uma única saída discreta. c. A função 15 efetua a escrita de múltiplas saídas discretas. d. A função 2 efetua a leitura do estado das entradas discretas. e. A função 4 efetua a leitura dos valores das entradas analógicas. f. A função 3 efetua a leitura dos valores dos registradores de memória. g. A função 6 efetua a escrita de um valor em um registrador de memória. h. A função 16 efetua a escrita de múltiplos valores em registradores de memória. COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 39
  • 8. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS 1. O primeiro registrador é o “40001”, mas é endereçado como “0”. Portanto se precisamos da informação do endereço “40108”, devemos endereça-ló como “107”, que transformado em hexadecimal será “6B”. 2. Os registradores utilizam 16bits para codificar a informação. Estes 16 bits são enviados em dois bytes separados (HIGH BYTE e LOW BYTE). 1. O valor 63h é enviado como um byte no modo RTU (0110 0011). 2. O mesmo valor enviado no modo ASCII necessita de dois bytes, mas são contabilizados como apenas um. 6 (011 0110) e 3 (011 0011). 3. As respostas indicam: Registro 40108: 02 2Bh = 555 Registro 40109: 00 00h = 0 Registro 40110: 00 63h = 99 MODBUS/TCP Lançado em 1999, foi o primeiro protocolo aberto a usar ethernet e TCP/IP. Apresenta a arquitetura cliente servidor, usando a conexão através da porta 502. COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 40
  • 9. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS 1. Desde que não há diferença entre mestre e escravo, qualquer nó com uma porta TCP pode acessar qualquer outro nó, possibilitando a implementação de comunicação ponto-a-ponto entre os antigos escravos. 2. A mensagem é encapsulada em um pacote TCP/IP. Os comandos são enviados por um cliente usando uma mensagem TCP/IP para a porta 502 de um servidor, que responde com o dado desejado encapsulado em um pacote TCP/IP. 3. O encapsulamento TCP não modificou a estrutura básica da mensagem original do Modbus. As diferenças estão na interpretação do endereço e na verificação de erro. 4. No endereçamento, o campo do endereço do escravo foi substituído por um único byte chamado de identificador único que pode ser usado para comunicação via dispositivo como gateways e bridge que usam um único endereço IP para integrar vários dispositivos. 5. Não são usados os campos CRC ou LRC para verificação de erro. São usados os mecanismos semelhantes do já existente do TCP/IP e protocolo Ethernet. 6. Ao usar pacotes TCP/IP, o modbus /TCP permite acesso remoto via a estrutura das redes corporativas e mesmo a internet, o que pode ser uma vantagem e um risco. LAN e internet permitem operações remotas, mas requer que salvaguardas sejam usadas para prevenir acesso não autorizado. 7. O Modbus/TCP tem sido criticado por usar o “tedioso” protocolo TCP com suas intermináveis configurações para iniciar uma sessão e verificar a integridade dos pacotes enviados. 8. Os críticos também chamam a atenção para a impossibilidade de priorização de mensagens, excesso de tráfego devido a impossibilidade de broadcasts e pelo indeterminismo. PROTOCOLO HART Introdução Este protocolo foi introduzido pela Fisher Rosemount em 1980. Hart é um acrônimo de “Highway Addressable Remote Transducer”. Em 1990 o protocolo foi aberto à comunidade e um grupo de usuários foi fundado. COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 41
  • 10. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS A grande vantagem oferecida por este protocolo é possibilitar o uso de instrumentos inteligentes em cima dos cabos 4 a 20mA tradicionais. Como a velocidade é baixa, os cabos normalmente usados em instrumentação podem ser mantidos. Os dispositivos capazes de executarem esta comunicação híbrida são denominados smart. O SINAL HART O sinal Hart é modulado em FSK (Frequency Shift Key) e é sobreposto ao sinal analógico de 4 a 20mA. Para transmitir 1 é utilizado um sinal de 1mA pico a pico na freqüência de 1200Hz e para transmitir 0 a freqüência de 2200Hz é utilizada, além disto a comunicação é bidirecional. Este protocolo permite que além do valor da PV outros valores significativos sejam transmitidos como parâmetros para o instrumento, dados de configuração do dispositivo, dados de calibração e diagnóstico. O sinal FSK é contínuo em fase, não impondo nenhuma interferência sobre o sinal analógico, sua padronização obedece ao padrão Bell 202 Frequency Shift Keying (chaveamento do deslocamento de freqüência). A topologia pode ser ponto a ponto ou multi-drop. O protocolo permite o uso de até dois mestres. O mestre primário é um computador ou CLP ou multiplexador. O mestre secundário é geralmente representado por terminais de mão (Hard-Held) de configuração e calibração. Deve haver uma resistência de no mínimo 230Ω entre a fonte de alimentação e o instrumento para a rede funcionar. O terminal de mão deve ser inserido sempre entre o resistor e o dispositivo de campo conforme mostra a figura abaixo. COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 42
  • 11. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS O resistor em série em geral já é parte integral de cartões de entrada de controladores single loop e cartões de entrada de remotas e portanto não necessita ser adicionado. Outros dispositivos de medição são inseridos em série no loop de corrente, o que causa uma queda de tensão em cada dispostivo. Para a ligação de dispositivos de saída a uma saída analógica, não é necessário um resistor shunt. Por ter uma comunicação bidirecional, o que possibilita a comunicação digital em duas vias, torna-se possível a transmissão e recepção de informações adicionais, além da normal que é a variável de processo em instrumentos de campo inteligentes. O protocolo HART se propaga há uma taxa de 1200bits por segundo, sem interromper o sinal de 4 a 20mA e assim permite uma aplicação tipo “mestre” possibilitando duas ou mais atualizações por segundo vindas de um único instrumento de campo. FLEXIBILIDADE DE APLICAÇÃO O Hart é um protocolo do tipo mestre/escravo, o que significa que um instrumento de campo (escravo) somente “responde” quando “ perguntado” por um mestre. Dois mestres (primário e secundário) podem se comunicar com um instrumento escravo em uma rede HART. Os mestres secundários, como os terminais portáteis, podem ser conectados normalmente em qualquer ponto da rede e se comunicar com os instrumentos de campo sem provocar distúrbios na comunicação com o mestre primário. O mestre primário é tipicamente um SDCD, um CLP, um controle central baseado em computador ou um sistema de monitoração. Abaixo mostramos uma instalação típica com dois mestres. COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 43
  • 12. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS Configurador portátil - cortesia SMAR MODO DE COMUNICAÇÃO O protocolo HART pode ser usado de diversas maneiras para trocar informações de/para instrumentos de campo inteligentes à controles centrais ou equipamentos de monitoração. A comunicação mestre/escravo digital, simultânea com o sinal analógico de 4-20mA é a mais comum. Este modo, descrito na figura abaixo, permite que a informação digital proveniente do instrumento escravo seja atualizada duas vezes por segundo no mestre. O sinal de 4-20mA é contínuo e carrega a variável primária para controle. Sinal analógico + sinal digital ou somente comunicação digital, o sinal analógico não é interrompido. O escravo responde aos comandos requisitados pelo mestre. Valor típico de 500mS por transação (pergunta e resposta – 2 valores por segundo) Comunicação HART – Mestre/Escravo – modo normal COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 44
  • 13. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS Uma modalidade opcional de comunicação é o “burst” que permite que um único instrumento escravo publique continuamente uma mensagem de resposta padrão Hart. Esse modo libera o mestre de ficar repetindo um comando de solicitação para atualizar a informação da variável de processo. A mesma mensagem de resposta HART (PV ou outra) é continuamente publicada pelo escravo até que o mestre instrua o escravo a fazer outra atividade. A taxa de atualização de dados de 3-4 por segundo é típica no modo de comunicação do tipo “burst” e poderá variar de acordo com o comando escolhido. O modo “burst” só pode ser usado quando existe um único instrumento escravo na rede. Modo de comunicação digital puro, resposta contínua de uma variável padrão selecionada como a PV. As janelas existentes entre cada resposta permite ao mestre mudar o comando ou o modo de comunicação. 3 a 4 atualizações por segundo tipicamente. O protocolo HART também tem a capacidade de conectar múltiplos instrumentos de campo pelo mesmo par de fios em uma configuração de rede “multidrop”, como mostra a figura abaixo. Em aplicações “multidrop”, o sinal de corrente é fixo, ficando somente a comunicação digital limitada ao mestre/escravo. A corrente de cada instrumento escravo é fixada no valor mínimo de 4mA somente para alimentação do instrumento. Lembre-se que esta corrente não tem mais nenhum significado para o processo. Os equipamentos de campo HART podem ser conectados numa rede multidrop em algumas aplicações. COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 45
  • 14. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS Do ponto de vista da instalação, a mesma fiação usada para os instrumentos analógicos convencionais de 4-20mA pode carregar os sinais de comunicação digital HART. Os comprimentos de cabo usados podem variar de acordo com o tipo de cabo e dos instrumentos conectados, mas em geral chegam a 3000metros para um único par trançado blindado e 1500metros para múltiplos cabos de par trançado com blindagem comum. Cabos sem blindagem podem ser usados para distâncias curtas. Barreiras de segurança intrínseca e isoladores que permitem a passagem de sinais HART são disponíveis para uso em áreas classificadas. COMANDOS HART A comunicação HART é baseada em comandos, como por exemplo, o mestre emite um comando e o escravo responde. Existem três tipos de comandos HART que permitem leitura/escrita de informações em instrumentos de campo (figura abaixo). Os comandos universais e os práticos são definidos nas especificações do protocolo HART. Um terceiro tipo, os comandos específicos do instrumento, permitem maior flexibilidade na manipulação de parâmetros ou de funções específicas num determinado tipo de instrumento. Os comandos universais asseguram a interoperabilidade entre uma larga e crescente base de produtos provenientes de diversos fornecedores e permitem o acesso às informações usuais em operação de plantas, como por exemplo, leitura de variáveis medidas, aumento ou diminuição dos valores de configuração e outras informações como: fabricante, modelo, Tag e descrição do processo. Uma regra básica do protocolo HART é que os instrumentos escravos devem ser compatíveis (interoperáveis) entre si e precisam responder à todos os comandos universais. Esses comandos são poderosos, como por exemplo, o comando universal 3, que permite que até quatro variáveis dinâmicas sejam enviadas em resposta a um único comando solicitado do mestre. Os comandos práticos, permitem acessar funções que são implementadas em alguns instrumentos, mas não necessariamente em todos. Esses comandos são opcionais, mas se implementados, devem atender as especificações da norma. Os comandos específicos dos instrumentos permitem o acesso a características exclusivas COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 46
  • 15. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS do instrumento e geralmente são usados para configurar os parâmetros de um instrumento. Por exemplo, estes permitem escrever um novo “set-point” de um algoritmo PID disponível no instrumento. As informações de diagnóstico do instrumento está disponível em todas as respostas aos comandos HART, garantindo uma elevada integridade do sistema para malhas críticas. Os bits que representam o estado do instrumento em cada mensagem de resposta, indicam o mau funcionamento ou outro problemas, tais como: saída analógica saturada, variável fora da faixa ou erros de comunicação. Alguns instrumentos compatíveis com HART podem monitorar continuamente estes bits do instrumento e permitem a geração de alarmes ou mesmo o seu desligamento se problemas forem detectados. Os comandos HART universais e práticos garantem interoperabilidade entre equipamentos de vários fabricantes. A LINGUAGEM DE DESCRIÇÃO DO INSTRUMENTO (DDL) A linguagem de descrição do dispositivo (instrumento) estende a interoperabilidade entre os comandos universais e práticos. Um fabricante de instrumento de campo (escravo) usa a linguagem DDL que contém todas as características relevantes do instrumento, possibilitando que o “mestre” tenha total capacidade de comunicação com o instrumento “escravo”. Um arquivo de descrição do instrumento (DD) para um instrumento HART é semelhante a um driver de impressora COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 47
  • 16. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS no ambiente dos microcomputadores, onde o driver habilita uma aplicação para a impressora, assim como, imprime adequadamente uma página. Terminais portáteis de programação são capazes de configurar qualquer instrumento HART através da DD deste instrumento disponibilizada pelo seu fabricante. Outras aplicações do tipo “host” que aceitam a linguagem DDL estão surgindo. Uma biblioteca central de todas as descrições de instrumentos HART (DD) é administrada pela HART Communication Foudation, que mantém o controle de registro dos mesmos. EXEMPLO DE APLICAÇÃO INOVADORA A flexibilidade do protocolo HART é evidente no diagrama de controle da figura abaixo. Essa aplicação inovadora sua a capacidade inerente ao protocolo HART de transmitir tanto sinais de 4-20mA analógicos como sinais digitais de comunicação simultaneamente pela mesma fiação. Nessa aplicação, o transmissor HART tem um algoritmo interno de controle PID. O instrumento é configurado de modo que o loop de corrente 4-20mA seja proporcional à saída de controle PID, executado no instrumento (e não à variável medida, como por exemplo, a pressão, como na maioria das aplicações de instrumentos de campo). Uma vez que o loop de corrente é controlado pela saída de controle do PID, este é utilizado para alimentar diretamente o posicionador da válvula de controle. A malha de controle é executada inteiramente no campo, entre o transmissor (com PID) e a válvula. A ação de controle é contínua como no sistema tradicional; o sinal analógico de 4-20mA comanda a válvula. Através da comunicação digital HART o operador pode mudar o set-point da malha de controle e ler a variável primária ou a saída para o posicionador da válvula. Um economia substancial pode ser obtida através dessa inovadora arquitetura de controle. COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 48
  • 17. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS PROFIBUS A história do PROFIBUS começa na aventura de um projeto da associação apoiado por autoridades públicas, que iniciou em 1987 na Alemanha. Dentro do contexto desta aventura, 21 companhias e institutos uniram forças e criaram um projeto estratégico fieldbus. O objetivo era a realização e estabilização de um barramento de campo bitserial, sendo o requisito básico a padronização da interface de dispositivos de campo. Um primeiro passo foi a especificação do protocolo de comunicação complexas PROFIBUS FMS (Especificação da mensagem Fildbus), que foi costurado para exigência de tarefas de comunicação. Um passo mais adiante em 1993, viu-se a conclusão da especificação para os mais simplesmente configurado e mais rápido PROFIBUS DP (Periferia Descentralizada). Este protocolo está disponível agora em três versões funcionais, o DP-V0, DP-V1 e DP-V2. Baseado nestes dois protocolos de comunicação, acoplado com o desenvolvimento de numerosos perfis de aplicações orientadas e um número de dispositivos de crescimento rápido, o PROFIBUS começou seu avanço inicialmente na automação de manufatura, e desde 1995, na automação de processo. Hoje, o PROFIBUS é o barramento de campo líder no mercado mundial. O PROFIBUS é um padrão de rede de campo aberto e independente de fornecedores, onde a interface entre eles permite uma ampla aplicação em processos, manufatura e automação predial. Esse padrão é garantido segundo normas EM 50170 e EM 50254. Em Janeiro de 2000, o PROFIBUS foi firmemente estabelecido com a IEC 61158, ao lado de mais sete outros fieldbuses. A IEC 61158 está dividida em sete partes, nas quais estão as especificações segundo o modelo OSI. Nessa versão houve a expansão que inclui o DP-V2. Mundialmente, os usuários podem agora se referenciar a um padrão internacional de protocolo, cujo desenvolvimento procurou e procura a redução de custos, flexibilidade, confiança, orientação ao futuro, atendimento as mais diversas aplicações, interoperabilidade e múltiplos fornecedores. A tecnologia da informação tornou-se determinante no desenvolvimento da tecnologia da automação, alterando hierarquias e estruturas no ambiente dos escritórios e chega agora ao ambiente industrial nos seus mais diversos setores, desde as indústrias de processo e manufatura até prédios e sistemas logísticos. A capacidade de comunicação entre dispositivos e o uso de mecanismos padronizados, abertos e transparentes são componentes indispensáveis no conceito de automação de hoje. A comunicação expande-se rapidamente no sentido horizontal, nos níveis inferiores (field level), assim como no sentido vertical integrando todos os níveis hierárquicos de um sistema. De acordo com as características da aplicação e do custo máximo a ser atingido, uma combinação gradual de diferentes sistemas de comunicação, tais como: COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 49
  • 18. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS Ethernet, PROFIBUS e AS-Interface, oferece as condições ideais de redes abertas em processos industriais. No nível de atuadores/sensores o AS-Interface é o sistema de comunicação de dados ideal, pois os sinais binários de dados são transmitidos via um barramento extremamente simples e de baixo custo, juntamente com a alimentação 24Vdc necessária para alimentar estes mesmos sensores e atuadores. Outra característica importante é a de que os dados são transmitidos ciclicamente, de uma maneira extremamente eficiente e rápida. No nível de campo, a periferia distribuída, tais como: módulos de E/S, transdutores, acionamentos (drives), válvulas e painéis de operação, trabalham em sistemas de automação, via um eficiente sistema de comunicação em tempo real, o PROFIBUS DP ou PA. A transmissão de dados do processo é efetuada ciclicamente, enquanto alarmes, parâmetros e diagnósticos são transmitidos somente quando necessário, de maneira acíclica. No nível de célula, os controladores programáveis, como os CLPs e os PCs, comunicam-se entre si, requerendo, dessa maneira, que grandes pacotes de dados sejam transferidas em inúmeras e poderosas funções de comunicação. Além disso, a integração eficiente aos sistemas de comunicação corporativos existentes, tais como: Intranet, Internet e Ethernet, são requisito absolutamente obrigatório. Essa necessidade é suprida pelos protocolos PROFIBUS FMS e PROFINet. A revolução da comunicação industrial na tecnologia da automação revela um enorme potencial na otimização de sistemas de processo e tem feito uma importante contribuição na direção da melhoria no uso de recursos. As informações a seguir fornecerão uma explicação resumida do PROFIBUS como um elo de ligação central no fluxo de informações na automação. O PROFIBUS, em sua arquitetura, está dividido em três variantes principais: COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 50
  • 19. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS PROFIBUS DP O PROFIBUS DP é a solução de alta velocidade (high-speed) do PROFIBUS. Seu desenvolvimento foi otimizado especialmente para comunicações entres os sistemas de automações e equipamentos descentralizados. Voltada para sistemas de controle, onde se destaca o acesso aos dispositivos de I/O distribuídos. É utilizada em substituição aos sistemas convencionais 4 a 20 mA, HART ou em transmissão com 24 Volts. Utiliza-se do meio físico RS-485 ou fibra ótica. Requer menos de 2 ms para a transmissão de 1 kbyte de entrada e saída e é amplamente utilizada em controles com tempo crítico. Atualmente, 90% das aplicações envolvendo escravos Profibus utilizam-se do PROFIBUS DP. Essa variante está disponível em três versões: DP-V0 (1993), DP-V1 (1997) e DP-V2 (2002). A origem de cada versão aconteceu de acordo com o avanço tecnológico e a demanda das aplicações exigidas ao longo do tempo. PROFIBUS FMS O PROFIBUS-FMS provê ao usuário uma ampla seleção de funções quando comparado com as outras variantes. É a solução de padrão de comunicação universal que pode ser usada para resolver tarefas complexas de comunicação entre CLPs e DCSs. Essa variante suporta a comunicação entre sistemas de automação, assim como a troca de dados entre equipamentos inteligentes, e é geralmente utilizada em nível de controle. Recentemente, pelo fato de ter como função primária a comunicação mestre-mestre (peer-to-peer), vem sendo substituída por aplicações em Ethernet. PROFIBUS PA O PROFIBUS PA é a solução PROFIBUS que atende os requisitos da automação de processos, onde se tem a conexão de sistemas de automação e sistemas de controle de processo com equipamentos de campo, tais como: transmissores de pressão, temperatura, conversores, posicionadores, etc. Pode ser usada em substituição ao padrão 4 a 20 mA. Existem vantagens potenciais da utilização dessa tecnologia, onde resumidamente destacan-se as vantagens funcionais (transmissão de informações confiáveis, tratamento de status das variáveis, sistema de segurança em caso de falha, equipamentos com capacidades de autodiagnose, rangeabilidade dos equipamentos, alta resolução nas medições, integração com controle discreto em alta velocidade, aplicações em qualquer segmento, etc.). Além dos benefícios econômicos pertinentes às instalações (redução de até 40% em alguns casos em relação aos sistemas convencionais), custos de manutenção (redução de até 25% em alguns casos em relação aos sistemas convencionais), menor tempo de startup, oferece um aumento significativo em funcionalidade e segurança. COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 51
  • 20. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS O PROFIBUS PA permite a medição e controle por uma linha a dois fios simples. Também permite alimentar os equipamentos de campo em áreas intrinsecamente seguras. O PROFIBUS PA permite a manutenção e a conexão/desconexão de equipamentos até mesmo durante a operação sem interferir em outras estações em áreas potencialmente explosivas. O PROFIBUS PA foi desenvolvido em cooperação com os usuários da Indústria de Controle e Processo (NAMUR), satisfazendo as exigências especiais dessa área de aplicação: O perfil original da aplicação para a automação do processo e interoperabilidade dos equipamentos de campo dos diferentes fabricantes. x Adição e remoção de estações de barramentos mesmo em áreas intrinsecamente seguras sem influência para outras estações. x Uma comunicação transparente através dos acopladores do segmento entre o barramento de automação do processo PROFIBUS PA e do barramento de automação industrial PROFIBUS-DP. x Alimentação e transmissão de dados sobre o mesmo par de fios baseado na tecnologia IEC 61158-2. x Uso em áreas potencialmente explosivas com blindagem explosiva tipo "intrinsecamente segura" ou "sem segurança intrínseca". A conexão dos transmissores, conversores e posicionadores em uma rede PROFIBUS DP é feita por um coupler DP/PA. O par trançado a dois fios é utilizado na alimentação e na comunicação de dados para cada equipamento, facilitando a instalação e resultando em baixo custo de hardware, menor tempo para iniciação, manutenção livre de problemas, baixo custo do software de engenharia e alta confiança na operação. Todas as variantes do PROFIBUS são baseadas no modelo de comunicação de redes OSI (Open System Interconnection) em concordância com o padrão internacional ISO 7498. AS-i (INTERFACE DE ATUADORES E SENSORES) Introdução A rede As-i é uma rede simples para conexão direta a sensores e atuadores discretos, do nível mais baixo em automação (nível de entrada e saída) até a comunicação com redes mais alto e dispositivos de controle. Substituindo painéis e cablagem, permite reduzir o tempo de projeto e o custo de instalação e manutenção. É usada visando a redução de custos. Foi desenvolvida por um grupo de fabricantes do setor de sensores e atuadores discretos e é completamente aberta, independente do fabricante. A As-i define parâmetros para uma ligação direta por cabo, levando sinal e alimentação a sensores e dispositivos não inteligentes, operando via estação tipo mestre-escravo. O controlador central, seja um CLP ou PC, ou o módulo de acesso à rede redes hierarquicamente mais elevadas, funciona como estação escrava-mestra. Os sensores e atuadores se ligam às estações escravas que participam de um enlace por meio do cabo As-i. Cada escravo As-i pode comandar 8 elementos discretos, sendo quatro de entrada e quatro de saída. A COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 52
  • 21. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS configuração máxima do enlace é de 31 escravos, ou seja até 248 elementos discretos de automação. Pode alcançar até 200 metros com a rede As-i usando repetidores, em configuração árvore ou barramento. O cabo As-i contém um par de fios sem blindagem e transporta dados e alimentação, com 24Vcc e até oito ampéres, em mestra ou é escolhido manualmente. O tempo de ciclo de acesso é de 5ms, com 31 escravos, e há uma detecção de erro de comunicação, com correção automática. A As-i usa o código Manchester, que lhe possibilita uma boa imunidade à interferência e ao transporte tanto de dados como de alimentação no mesmo cabo. A rede AS-i tem que atender as necessidades de uma integração em sistemas de automação, levando-se em conta que o sistema deve ser aberto e acessível a todos, promovendo assim o interfaceamento de funções simples em equipamentos industriais. Para isto o mesmo deve atender normas (EM 50295 e a IEC 62026-2) adotadas mundialmente. Os componentes AS-i tem incorporado em cada produto um ASIC (Application Specific Integrated Circuit”) com finalidade de gerenciamento e troca de dados entre o sistema de controle (mestre) e os dispositivos de campo (escravos), logo percebe-se que o sistema será do tipo mestre/escravo. CARACTERÍSTICAS DA REDE AS-i CLASSIFICAÇÃO: Sensor Bus TOPOLOGIA: Barramento/Anel/Estrela/Arvore TEMPO DE CICLO PARA 31 ESCRAVOS: 5ms MÁXIMO NÚMERO DE NÓS: 248 E/S (31 escravos) DISTÂNCIA MÁXIMA: 100metros (300 com repetidor) MESTRE-ESCRAVO COM POOLING CÍCLICO COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 53
  • 22. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS Outras características importantes da rede é sua simplicidade, pois o sistema é rápido para a instalação e expansão, quanto a segurança a rede tem uma alta confiabilidade e disponibilidade nos equipamentos, reduzindo assim até 40% nos custos com projetos, comissionamento e instalação. Todos os dispositivos tem uma indicação através de LED para realizar o diagnóstico, este diagnóstico também pode ser feito através do CLP. Os parâmetros da instalação são acessíveis e passíveis de modificação, tornando assim simples a adição ou remoção dos componentes. Com a evolução do protocolo foi feito uma evolução natural, onde inicialmente temos a versão V1 e logo após a versão V2.1, como mostra abaixo, observe que houve uma evolução de um perfil totalmente digital, e já na versão V2.1 um perfil analógico já é concebido nesta versão. Basicamente temos que ter poucos dispositivos para montarmos uma rede AS-i. Um cabo AS-i, um escravo com os sensores, uma fonte AS-i e um mestre, que geralmente é um CLP. A partir daí temos somente que configurar, lembrando que os escravos tem 4 entrada e 4 saída. Abaixo mostramos os componentes necessários para a montagem da rede. CABO AS-i COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 54
  • 23. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS CPU AS-i ESCRAVO FONTE A rede AS-i necessitam de um software para configuração dos dispositivos e operação da rede. UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE DA CODESYS PARA A REDE AS-i Iremos demonstrar como devemos utilizar o software para programação da rede AS-i da IFM ELECTRONIC, no qual abaixo apresentaremos alguns aspectos físicos. Inicialmente abriremos o software conforme mostrado abaixo: COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 55
  • 24. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS Observe que estamos utilizando a versão instalada CoDeSys V2.3, através da pasta ifm electronics. Feito isto estaremos já no ambiente de trabalho no qual iremos abrir um novo programa, no qual iremos inicialmente dar o nome de NONE, pois não temos ainda definido uma CPU a ser utilizada para implementação. Mas podemos observar que temos além deste outras CPU’s. Após feito isto, selecionando a opção None, iremos selecionar o tipo de linguagem a ser utilizada. Podendo esta ser a linguagem de diversos tipos: x Lista de instruções (IL) x Texto estruturado (ST) x Características seqüenciais de funções (SFC) x Diagrama de blocos de funções (FBD) x Diagrama Ladder (LD) x Características contínua de funções (CFC) Para nosso exemplo iremos utilizar a linguagem FBD, para programarmos em bloco, e o nosso POU (Unidade de Organização de programa) cria automaticamente um novo projeto com o nome de PLC_PRG. Assim podemos dizer que o POU tem por finalidade organizar todas as tomadas de decisão de um programa, ou seja tele terá todas os objetos de seu projeto. COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 56
  • 25. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS O nosso primeiro projeto não necessitará da unidade PLC, pois iremos utilizar todos os recursos do software. Após escolhido o tipo de linguagem e o tipo de POU, podemos partir para a programação. COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 57
  • 26. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS Observe que existem uma programação feita através de linguagem e abaixo onde iremos introduzir nossos blocos. Nas janelas, procure a janela BOX, e ela irá abrir um bloco, com a função AND, caso necessite mudar a função deve estar fazendo na mesma. Nos pontos de interrogação (???) escrever por exemplo sensorA e assim que teclar ENTER, observará que abrirá uma outra janela. Nesta nova janela você estará observando uma declaração da variável, observe que há diversas características importantes, como podemos ver. O mesmo procedimento deverá ser feito para a outra entrada. Para configurarmos a saída iremos fazer o mesmo, mas agora iremos clicar na janela Assign, e assim dar o nome de Saída. Após feito isto, podemos simular o referido circuito, para isto iremos LOGIN, através da respectiva janela. Observando que agora iremos modificar o status das entradas, clicando sobre elas iremos verificar suas modificações para <TRUE>, isto que dizer que estão habilitadas. Se fizermos F7, iremos simular a situação presente. COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 58
  • 27. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS Se F7 for pressionado irá habilitar a situação. Podemos agora desenvolver outras atividades relacionadas. FAZENDO UMA TELA DE SUPERVISÓRIO Para criarmos uma tela supervisão, iremos modificar para a pasta de visualização, conforme figura abaixo. COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 59
  • 28. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS Feito isto iremos clicar em PROJECT, e criar uma visualização, através de object, add. Onde, irá abrir uma janela para você colocar o nome da sua visualização. Dado o nome da visualização, isto fará que tenhamos uma nova tela para realizarmos os referidos desenhos. Abaixo desenhamos o projeto e assim podemos entrar em cada parâmetros desejado para podermos realizar a simulação. Após desenharmos, podemos colocar as cores e os parâmetros necessários para o bom funcionamento. Pressionando <F2> podemos obter os parâmetros necessários para serem colocados, como podemos observar na janela acima. Lembramos que outros parâmetros podemos COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 60
  • 29. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS ser modificados conforme sua necessidade. Vamos agora fazer com que possamos acionar através do supervisório o sensor A e o sensor B. Na marca Input e em Toggle Variable colocamos o sensor que queremos acionar. Após feito as modificações, observamos o funcionamento do programa e suas características juntamente com o supervisório. Lembrando que devemos <F7> para compliar e <F5> para simular. Fica então ao aluno a oportunidade de se aprofundar seus conhecimentos sobre equipamentos AS-i. PROGRAMANDO AGORA COM O EQUIPAMENTO MESTRE + ESCRAVOS. Lembre-se que agora iremos colocar nosso equipamento para operar, para isto temos que fazer algumas ligações necessárias, como alimentação 127 ou 220Volts dependendo da fonte, a mesma também pode ser 24Volts. Observe abaixo os detalhes da fonte de alimentação. Observe que há uma indicação para alimentação que pode ser 127V ou 220V, sempre antes de ligar, observar sua rede elétrica. Do lado oposto tem uma borneira onde há uma indicação de Vout ou seja tensão de saída no nosso caso COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 61
  • 30. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS iremos ter uma tensão de 26Volts. Observe isto através do fio vermelho e preto superiores na foto. Na borneira inferior temos a alimentação AS-i, lembre-se que nossa fonte em questão é uma fonte de alimentação convencional para uma alimentação AS-i, por isto temos uma borneira saindo ASi + e outra saindo ASi-. A saída AS-i +, será sempre o fio marrom, e a saída AS-i – será o fio azul, como está indicado na foto superior ao texto. Nunca se esqueça que tais fios são do cabo amarelo AS-i, queremos dizer que neste mesmo cabo amarelo passa a alimentação para os dispositivos e as informações digitais compartilhadas pelos mesmos, por isso observamos que os fios verde e vermelho estão indo para a PLC, como podemos observar na próxima foto. Se você observar bem, fica claro que temos a alimentação de 24 Votls e a rede AS-i + e AS-i – através de um fio vermelho e verde. Isto quer dizer que estamos como as referidas ligações da fonte de alimentação e do PLC. Além disto você irá observar também que há um conector RS232 para comunicação e programação do PLC, um display para visualização de algumas configurações, teclar para menu e para seleção de parâmetros, e leds informativos das condições de funcionamento do equipamento. Sobre os led’s: LED PWR/COM (LED VERMELHO) Situação = ligado Fonte de alimentação está OK e Comunicação com escravos está OK Situação = piscando Fonte de alimentação está OK mas Comunicação está falha Situação = desligado Fonte de alimentação está em falha. COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 62
  • 31. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS LED PROJ(LED AMARELO) Situação = ligado Está em projeto Situação = desligado Está em proteção (RUN) LED CONF/PF Situação = ligado Erro de configuração dos escravos, tipo endereçamento Situação = desligado Configuração dos periféricos OK e Não há falha em periféricos Situação = piscando Erro em algum periférico. LED 24 V PWR Led indicativo de que há tensão de alimentação no PLC LED PLC RUN Situação = ligado Está em funcionamento (RUN PROG) Situação = desligado Esta com Gatware Situação = piscando Está desligado (STOP PROG) COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 63
  • 32. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS Abaixo mostramos uma foto dos dois dispositivos juntos : OBTENÇÃO DE UM PROJETO UTILIZANDO O MESTRE E ALGUNS ESCRAVOS Após a ligação de mestre 01 juntamente com 3 escravos que foram detectados através do auto endreçamento, sendo os escravos: 1. 4 entradas e 4 saídas AC 5209 2. 4 entradas e 4 saídas a rele AC 2258 3. 1 sensor inteligente ASi indutivo Realizamos a comunicação através do software colocando o equipamento em comunicação do seguinte modo. Selecionamos a configuração para obtermos a figura abaixo: COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 64
  • 33. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS Onde devemos obter a configuração: ifm electronic ControllerE_12, e procedendo o OK. Com isto haverá esta nova janela onde ira nos informar alguns parâmetros de configuração no qual também não iremos alterar nenhum dos parâmetros relacionados. Vamos continuar deixando o default do fabricante. Se observarmos estamos procedendo do mesmo modo feito anteriormente, mas agora utilizando uma configuração para a interface em questão que é nosso controlador da IFM. Observe na figura abaixo, já trabalhamos com as referidas referências. COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 65
  • 34. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS Só que agora iremos configurar nosso PLC, através da seleção do Resource, em PLC configuration, clicando nele teremos acesso a informações dos escravos. Após selecionar a tela acima será aberta e você irá clicar na configuração do hardware, onde irá informar a você quais os hardware que estão presentes neste PLC. Observe que não há ainda nenhum escravo presente, pois você ainda não os detectou, para isto você deverá detecta-los através do upload da configuração. COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 66
  • 35. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS Agora estará aberto uma janela dizendo que o projeto existente no PLC é diferente do que há no PC e perguntará se você deseja realmente fazer o upload ou download, faça o upload da referida configuração. COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 67
  • 36. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS Agora você observa que existe 3 escravos para o mestre, sendo um (1) escravo A/B no endereço 3 A , um escravo no endereço 4 e um escravo no endereço 6, a simbologia VAR, significa que os mesmos são variados, e os do endereço 4 e 6 são simples. Se você abrir cada um dos escravos obterá os referidos endereços individuais de cada entrada ou saída. OBs. Caso você não consiga comunicação verifique a velocidade através dos parâmetros de comunicação. Para identificar cada endereço procedemos do seguinte modo: %(entrada/saída)(mestre).(endereço).(bit): (tipo); Exemplo: %IX1.3.0:BOLL – Entrada, mestre 1, endereço 3, bit 0, informação booleana. %QX1.4.4:BOLL – Saída, mestre 1, endereço 4, bit 4, informação booleana. COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 68
  • 37. APOSTILA DE SENSORES, PROTOCOLOS E REDES INDUSTRIAIS Exercícios propostos: 01) Execute um programa para acionamento de uma prensa, na qual dois interruptores devem ser acionados ao mesmo tempo para haver o movimento do equipamento. 02) Executar um programa que responda a seguinte lógica booleana: CONCLUSÕES FINAIS SOBRE REDES Lógico que podemos nos aprofundar em qualquer tipo de rede, seja ela AS-i ou não, sabendo que para a rede AS-i existem diversos tipos de dispositivos escravos, cada um com suas características e funcionalidades. Assim como dispositivos próprios para o segmento de segurança, os quais chamaremos de produtos Safety at Work. Diversos tipos de mestre para diversos tipos de aplicação. Lembrando que existem outras redes, as quais não citamos neste material, com a rede FieldBus, Devicenet e muitas outras que deixamos para você aluno pesquisar sobre as mesmas. Mas você deve saber que o mercado da automação está aberto para todos e para todas as redes, cada uma com suas particularidades que irá atender as necessidades. BIBLIOGRAFIA: Siemens, Seminário para eng. e técnicos em sensores : São Paulo, 2003 Thomzini, D; Albuquerque,P.U.B Sensores industriais. São Paulo: Ed. Érica, 2007 Smar, Tutorial HART, Sertãozinho: 2003 Filho, C.S Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte: 2006 COLÉGIO IMPACTO – CURSOS TÉCNICOS E TREINAMENTOS PÁGINA 69