SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO
MISSÃO
VISÃO
OBJETIVOS
GERAIS
ESTRATÉGIAS
GERAIS
OBJETIVOS
ESPECÍFICOS
ESTRATÉGIAS
ESPECÍFICAS
AMBIENTE
INTERNO
AMBIENTE
EXTERNO
PLANOS OPERACIONAIS
NÍVEL
ESTRATÉGICO
NÍVEL TÁTICO
NÍVEL
OPERACIONAL
PREMISSAS PARA O PCR
PLANEJAMENTO E CONTROLE DE
RESULTADOS (PCR)
• Ferramenta de auxílio à tomada de decisão administrativa
• Extensão e complementação do planejamento estratégico
• Procura adequar as operações da empresa aos objetivos de curto e
longo prazos
Processo de Planejamento, Orçamento e
Controle
Processo de Planejamento, Orçamento e
Controle
• É a expressão monetária de um plano
operacional.
• É a etapa final do processo de planejamento.
• Fornece um compromisso de realização.
• É um instrumento de acompanhamento e
contínua avaliação de desempenho das
atividades e dos departamentos.
Orçamento Empresarial
Orçamento – Aplicação nas empresas
• Borinelli (2006) – Principal atividade desenvolvida pelos Controllers
da 100 maiores empresas paulistas.
• Frezzati (2007) e Soutes (2006) – Orçamento entre os principais
artefatos de contabilidade gerencial utilizada por empresas brasileiras
• O mesmo é válido em estudos de CBK (Common Based Knowledge)
para contadores em diversas partes do mundo.
Orçamento – Aplicação nas empresas
• Miranda (2011)
• 13 de 15 livros de contabilidade gerencial em media 10% das paginas
• Esta entre as 3 principais atividades de profissionais da área financeira/controladoria
• Esta também entre os 3 principais artefatos de contabilidade gerencial (perde para fluxo
de caixa e sistemas erp)
• Miranda (2016)
• 193 profissionais (financeiro,controladoria) (65%)
• 8,2 media importância planilhas (media geral 7,8 com 318 profissionais)
Estrutura Orçamento
Empresarial
Vendas
Produção
Compras
Consumo de Materiais
Despesas Departamentais
Custo dos
produtos
vendidos
Projeção da
DRE
Projeção do
BP
Investimentos Financiamentos Caixa
Despesas
Financeiras
Receitas
Financeiras
Orçamento
Financeiro
Orçamento
Operacional
• Vantagens
• Exige que sejam concretamente fixados objetivos e políticas
para a empresa e suas unidades
• Com a integração de diversos orçamentos (parciais em global)
força os membros da adminsitração a fazerem planos de acordo
entre si aumentando sua participação na definição de objetivos
• Obriga administradores a quantificarem e datarem as atividades
pelas quais serão responsável;
• Alta administração passa a delegar poderes e os afsta das
operações diárias
• Identifica pontos de eficiência e ineficiências no desempenho
das unidades de negócio
Orçamento Empresarial
• Limitações
• Dados do orçamento são somente estimativas e estão
sujeitos a erro
• Custo do sistema para sua implantação (avaliar custo
X benefício)
• Necessidade de uma gestão participativa
Orçamento Empresarial
• Princípios da boa utilização
• Apoio da alta cúpula
• Definição clara de prazos e
responsabilidades
• Controle deve enfocar principalmente
alterações significativas – definição de
critérios
Orçamento Empresarial –
Implantação e Utilização
• Centros de responsabilidade
• Centro de resultado – desempenho do administrador de
um segmento é aferido com base na maneira pela qual o
resultado é atingido
• Centro de investimento – unidade geradora de resultado –
desempenho medido com base na taxa de retorno do
ativo a ela alocado.
• Arbitrariedade? (preço de transferência, pesquisa...)
• Plano de contas por centro de responsabilidade
Orçamento Empresarial –
Responsabilidade e Controle
• Participação de todos é importante para o exito de sua
implantação e é facilitada pela delegação de responsabilidades.
• Quando do surgimento de desvios os setor de controle pode ser
visto como agente policialesco, e muitas vezes age desta forma,
assim deve-se:
• Orçamento - > definição de padrões de desempenho para
melhorias e não como instrumento de pressão
• Não substituir planos por orçamento
• Definição clara das linhas de autoridade e de responsabilidade
• Relatórios devem enfocar mais aspectos operacionais do que
contábeis
• Controladoria: implanta, mantêm e coordena e não emite ordens
aos setores operacionais
Orçamento Empresarial – Problemas
Comportamentais
• Período de cobertura do orçamento
• Projetos (da aquisição de insumos até o recimento – mais
apropriado para grandes projetos)
• Períodos fixos (associação ao processo da contabilidade)
• Anual com segmentos mensais e trimestrais que facilitam ajsutes
de previsões por informação ser mais concreta
• Elaboração de manual de apoio a elaboração, controle e
desenvolvimento de relatórios:
• Formulários de planos orçamentários
• Cronogramas
• Relatórios de controle
• Quem deve receber as informações...
Orçamento Empresarial – Exigências importantes
Orçamento anual
• Ter planejamento formal ou informal de longo prazo;
• Sempre haverá um planejamento orçamentário anual;
• última etapa do planejamento formal.
• O início da preparação do orçamento anual é o resultado da
conjugação de uma análise das condições externas da
empresa (Oportunidades e Ameaças em potencial, além de
recursos).
Quais informações são relevantes e
importantes para as áreas?
• Áreas de mercado
• Produtos
• Pessoal
• Relações públicas
• Finanças
• Produção e outras
Orçamento anual
• A elaboração de um orçamento a cada período de 12 meses
é o detalhamento das políticas, metas e condições
esperadas de atividade nesse período de 12 meses.
• Para um plano de 12 meses que coincide com o ano civil
(janeiro a Dezembro) é melhor começar em setembro ou
outubro.
• Cada administrador de área deve iniciar seu próprio
planejamento com uma idéia do programa global do qual
seu plano será parte.
Orçamento anual - início
• Previsão de vendas (avaliar estoques e produção)
• Quando produção restrita, ela deve ser o ponto de
partida.
• Orçamento de produção:
• Estoque final desejado de produtos acabados + vendas
orçadas - Estoque inicial desejado de produtos
acabados
Orçamento anual – Papel do
Estoque
• Elo de coordenação entre produção e vendas,
funcionando como um amortecedor que atende às
necessidades de produtos da área comercial
quando a procura é muito intensa, e também
atende as exigências da produção, na utilização de
operários, máquinas e instalações.
Estrutura Orçamento
Empresarial
Vendas
Produção
Compras
Consumo de Materiais
Despesas Departamentais
Custo dos
produtos
vendidos
Projeção da
DRE
Projeção do
BP
Investimentos Financiamentos Caixa
Despesas
Financeiras
Receitas
Financeiras
Orçamento
Financeiro
Orçamento
Operacional
Orçamento de Vendas - Condicionantes Básicos
• Diagnóstico da empresa
• Macroambiente
• Restrições Internas
• Que problemas ou limitações terá a empresa internamente para
atender à procura de seus produtos?
• Capacidade produtiva
• Pessoal habilitado
• Capital de giro...
• Restrições Externas
• Que problemas ou limitações terá a empresa na relação com seu
meio ambiente para atender à procura de seus produtos?
Decisões Fundamentais
• Objetivos – claros e diretos
• Políticas de Marketing: preços, produtos,
distribuição e propaganda.
• Normalmente inicia a montagem do plano
• Os demais orçamentos dependem dele.
• Expressa julgamento da empresa sobre:
• Conhecimento das condições atuais
• Meio externo
• Impacto dos objetivos sobre a empresa
• Estratégias de curto e longo prazos
•
• Divide-se em:
• Plano de venda dos serviços e produtos
• Plano de propaganda e publicidade
• Plano de despesas comerciais
• A parte mais importante diz respeito ao plano de vendas. Os demais existem para suportá-lo.
Plano de Marketing
Plano de Marketing
• Plano de vendas ou prestação de serviços
• Relação com o plano estratégico
• Participação da equipe de vendas
• Definição de metas: estatística (dados passados),Julgamento (feeling da equipe
comercial)
• Os dados históricos são utilizados no sentido de relacionar os desempenhos
passados e presentes com aqueles que se pretende para o futuro.
• Plano de comunicação com o mercado
• Imagem organizacional e /ou produto o mercado
• Ações da área de propaganda e publicidade (imagem institucional)
• Ações voltadas para imagem do produto ou serviço - desenvolvidas com base no
perfil (produto, volume e preços)
• Plano de despesas comerciais
• Projeções dos gastos com a estrutura comercial (salários e encargos, marketing do
produto, pesquisa de mercado e administração de vendas)
(Frezatti, 2006)
Questões – Modelo de Previsão Vendas
• Como é medida a precisão (erro) das previsões e como é avaliado o
desempenho?
• Quais são as variáveis relevantes nas previsões de vendas?
ASPECTOS EXTERNOS podem influenciar a comercialização dos
produtos e serviços da empresa
Cenários Econômico / Político / regulatório
• aumento, ou redução da renda da população-alvo,
• cotação do dólar,
• expectativas de crescimento da atividade econômica,
• eleições,
• redução, ou aumento do número de empregados no mercado de
trabalho,
• entrada e saída de concorrentes,
• lançamento de novos produtos pela concorrência etc.
aspectos externos podem influenciar a comercialização dos produtos
e serviços da empresa
• deve ser considerada a sazonalidade, lembrando também dos eventos
com prazo maior que um ano como eleições, copa do mundo,
olimpíadas, festas locais etc
Tipos de Análise
• De modo geral, uma técnica de previsão consiste no cálculo matemático ou
estatístico empregado para converter dados históricos e parâmetros em
quantidades futuras.
• Técnicas qualitativas. Estas técnicas dependem exclusivamente do expertise
do(s) previsor(es), sendo geralmente mais caras e trabalhosas que os
métodos quantitativos de previsão. São ideais para situações onde não há
séries históricas disponíveis e/ou o julgamento humano é necessário, sendo
desenvolvidas através de pesquisas de opinião, painéis e reuniões de
especialistas.
Técnicas quantitativas. Estas técnicas dividem-se em dois subgrupos
principais: séries temporais e modelos causais. As técnicas de séries
temporais utilizam dados históricos de vendas como base para
determinação de padrões que podem se repetir no futuro.
Métodos de Estimação da procura futura -
Qualitativa
• O QUE SE DIZ:
• Levantamentos de intenções de compradores
• Levantamento de opiniões de vendedores
• Levantamento de opiniões de especialistas
• O QUE SE FAZ:
• Mercado-teste para produtos novos – difícil elaboração da
demanda
• Pouca quantidade de produto
Modelo Quantitativos
• Desta forma, a execução de previsões de vendas eficazes necessita de um
procedimento que integre três componentes principais:
• as técnicas de previsão,
• as novas tecnologias de informação (sistemas de suporte à decisão) e
• o gerenciamento das pessoas.
Bases de Dados O Processo de
Previsão de
Vendas
Usuários
Técnica de
Previsão
Tecnologias
De Informação
Gerenciamento de Pessoas
Histórico:
-Vendas
-Preços
-Promoções
-Ações da
Concorrência
•Finanças
•Marketing
•Compras
•Produção
•Logística
As empresas, portanto, devem adotar procedimentos de previsão de acordo com suas
necessidades de previsão no que diz respeito:
• ao horizonte de previsão (curto, médio ou longo prazo),
• tipo de produto (classe A, B ou C; novo ou já existente),
• tipo de decisão a ser tomada (o departamento que vai usar a
previsão).
Modelos de Previsão de Demanda
Modelos de Previsão de Demanda
Métodos
Quantitativos
Breve descrição Modelos de Previsão
Extrapolação A partir de dados passados de vendas, da análise das sazonalidades e dos ciclos de
vendas projeta se a previsão de vendas.
Suavização
Exponencial
Aplicação particular da média ponderada e da média móvel – premissa de que os dados
disponíveis para o cálculo da previsão tornam-se cada vez menos relevantes conforme o
aumento de sua idade. Há a associação de pesos mais altos aos dados mais recentes.
Média Simples Previsão é feita a partir da média aritmética das demandas passadas. Considera o mesmo
peso para todos os dados históricos.
Média Móvel Muito útil na suavização de curvas que representam tendências e atenuação de distorções
(como sazonalidades). Média dos N dados mais recentes. Atribui o mesmo peso para
todos os dados no cálculo da previsão, além de necessitar de uma grande quantidade de
dados para a produção de bons resultados.
Box-Jenkins
(ARIMA)
Modelo que apresenta o menor erro. Considera-se série histórica de vendas, em ordem
cronológica, em que se realizam análises de autocorrelações e
autocorrelações parciais, para se calcular uma estimação dos parâmetros, minimizando o
erro quadrático. A grande vantagem do modelo é o diagnóstico dos resíduos de tal forma
que os parâmetros estimados apresentem o erro quadrático mínimo. Ferramenta acurada
e custosa, que requer maior tempo para a análise.
Correlação e
Regressão
A análise de regressão é muito utilizada para o desenvolvimento da função de demanda
(pode envolver fator simples ou múltiplos fatores). A relação de correlação entre os
diversos fatores pode ser linear ou não (logarítmica, exponencial, etc.)
Modelos
Econométricos
São consideradas variáveis endógenas, como exógenas. São modelos complexos que
requerem a utilização de especialistas em estatística.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Introdução e vendas.pptx

A gestão de operações com foco em inovação de processos e serviços
A gestão de operações com foco em inovação de processos e serviçosA gestão de operações com foco em inovação de processos e serviços
A gestão de operações com foco em inovação de processos e serviçosFundação Dom Cabral - FDC
 
modulo_16_-_controlo_oramental.pptx
modulo_16_-_controlo_oramental.pptxmodulo_16_-_controlo_oramental.pptx
modulo_16_-_controlo_oramental.pptxSoniaMoreira44
 
Indicadores performancecadeiadesuprimentos
Indicadores performancecadeiadesuprimentosIndicadores performancecadeiadesuprimentos
Indicadores performancecadeiadesuprimentosDora Machado Consultoria
 
BPM Day SP - 2016 - Conhecimento sobre bpm gerando evolução na gestão por pro...
BPM Day SP - 2016 - Conhecimento sobre bpm gerando evolução na gestão por pro...BPM Day SP - 2016 - Conhecimento sobre bpm gerando evolução na gestão por pro...
BPM Day SP - 2016 - Conhecimento sobre bpm gerando evolução na gestão por pro...Lecom Tecnologia
 
Controladoria estratégica e orçamentaria
Controladoria estratégica e orçamentariaControladoria estratégica e orçamentaria
Controladoria estratégica e orçamentariaAlexandre Pereira
 
Planejamento orçamentário
Planejamento orçamentárioPlanejamento orçamentário
Planejamento orçamentáriofevechi
 
Indicadores Estrategicos
Indicadores EstrategicosIndicadores Estrategicos
Indicadores EstrategicosJairo Siqueira
 
Analise de desempenho junho 2015
Analise de desempenho junho 2015Analise de desempenho junho 2015
Analise de desempenho junho 2015equipelideranca
 
Estratégia e BSC
Estratégia e BSCEstratégia e BSC
Estratégia e BSCBuccelli
 
2 plano de negócios dornelas
2 plano de negócios dornelas2 plano de negócios dornelas
2 plano de negócios dornelasMateus Monte
 
RIGGI - Assessoria Gerencial
RIGGI - Assessoria Gerencial RIGGI - Assessoria Gerencial
RIGGI - Assessoria Gerencial Marcos Abreu
 
Orçamento empresarial base zero e incremental por tomislav femenick
Orçamento empresarial base zero e incremental por tomislav femenickOrçamento empresarial base zero e incremental por tomislav femenick
Orçamento empresarial base zero e incremental por tomislav femenickMaxsuel Pereira
 
Orçamento Operacional
Orçamento OperacionalOrçamento Operacional
Orçamento OperacionalEdivan Barreto
 
Stratesys Orçamento de Tesouraria em SAP - Flyer.
Stratesys Orçamento de Tesouraria em SAP - Flyer.Stratesys Orçamento de Tesouraria em SAP - Flyer.
Stratesys Orçamento de Tesouraria em SAP - Flyer.StratesysBR
 
Cap 6 – Gerenciamento de desempenho – Nicir Chaves, CBPP Recurso
Cap 6 – Gerenciamento de desempenho – Nicir Chaves, CBPP RecursoCap 6 – Gerenciamento de desempenho – Nicir Chaves, CBPP Recurso
Cap 6 – Gerenciamento de desempenho – Nicir Chaves, CBPP RecursoEloGroup
 
Maratona CBOK 2012 - Cap 6 – Gerenciamento de desempenho – Nicir Chaves, CBPP...
Maratona CBOK 2012 - Cap 6 – Gerenciamento de desempenho – Nicir Chaves, CBPP...Maratona CBOK 2012 - Cap 6 – Gerenciamento de desempenho – Nicir Chaves, CBPP...
Maratona CBOK 2012 - Cap 6 – Gerenciamento de desempenho – Nicir Chaves, CBPP...EloGroup
 
Plano de Negócio e o Processo Empreendedor.pdf
Plano de Negócio e o Processo Empreendedor.pdfPlano de Negócio e o Processo Empreendedor.pdf
Plano de Negócio e o Processo Empreendedor.pdfAntonioCarlosMarques20
 

Semelhante a Introdução e vendas.pptx (20)

A gestão de operações com foco em inovação de processos e serviços
A gestão de operações com foco em inovação de processos e serviçosA gestão de operações com foco em inovação de processos e serviços
A gestão de operações com foco em inovação de processos e serviços
 
modulo_16_-_controlo_oramental.pptx
modulo_16_-_controlo_oramental.pptxmodulo_16_-_controlo_oramental.pptx
modulo_16_-_controlo_oramental.pptx
 
Indicadores performancecadeiadesuprimentos
Indicadores performancecadeiadesuprimentosIndicadores performancecadeiadesuprimentos
Indicadores performancecadeiadesuprimentos
 
BPM Day SP - 2016 - Conhecimento sobre bpm gerando evolução na gestão por pro...
BPM Day SP - 2016 - Conhecimento sobre bpm gerando evolução na gestão por pro...BPM Day SP - 2016 - Conhecimento sobre bpm gerando evolução na gestão por pro...
BPM Day SP - 2016 - Conhecimento sobre bpm gerando evolução na gestão por pro...
 
Controladoria estratégica e orçamentaria
Controladoria estratégica e orçamentariaControladoria estratégica e orçamentaria
Controladoria estratégica e orçamentaria
 
Planejamento orçamentário
Planejamento orçamentárioPlanejamento orçamentário
Planejamento orçamentário
 
Indicadores Estrategicos
Indicadores EstrategicosIndicadores Estrategicos
Indicadores Estrategicos
 
Analise de desempenho junho 2015
Analise de desempenho junho 2015Analise de desempenho junho 2015
Analise de desempenho junho 2015
 
Estratégia e BSC
Estratégia e BSCEstratégia e BSC
Estratégia e BSC
 
2 plano de negócios dornelas
2 plano de negócios dornelas2 plano de negócios dornelas
2 plano de negócios dornelas
 
Priorização de projetos - Estrategias de avaliação não subjetiva
Priorização de projetos - Estrategias de avaliação não subjetivaPriorização de projetos - Estrategias de avaliação não subjetiva
Priorização de projetos - Estrategias de avaliação não subjetiva
 
RIGGI - Assessoria Gerencial
RIGGI - Assessoria Gerencial RIGGI - Assessoria Gerencial
RIGGI - Assessoria Gerencial
 
Trabalho de Faculdade
Trabalho de FaculdadeTrabalho de Faculdade
Trabalho de Faculdade
 
Qualidade e produtividade
Qualidade e produtividadeQualidade e produtividade
Qualidade e produtividade
 
Orçamento empresarial base zero e incremental por tomislav femenick
Orçamento empresarial base zero e incremental por tomislav femenickOrçamento empresarial base zero e incremental por tomislav femenick
Orçamento empresarial base zero e incremental por tomislav femenick
 
Orçamento Operacional
Orçamento OperacionalOrçamento Operacional
Orçamento Operacional
 
Stratesys Orçamento de Tesouraria em SAP - Flyer.
Stratesys Orçamento de Tesouraria em SAP - Flyer.Stratesys Orçamento de Tesouraria em SAP - Flyer.
Stratesys Orçamento de Tesouraria em SAP - Flyer.
 
Cap 6 – Gerenciamento de desempenho – Nicir Chaves, CBPP Recurso
Cap 6 – Gerenciamento de desempenho – Nicir Chaves, CBPP RecursoCap 6 – Gerenciamento de desempenho – Nicir Chaves, CBPP Recurso
Cap 6 – Gerenciamento de desempenho – Nicir Chaves, CBPP Recurso
 
Maratona CBOK 2012 - Cap 6 – Gerenciamento de desempenho – Nicir Chaves, CBPP...
Maratona CBOK 2012 - Cap 6 – Gerenciamento de desempenho – Nicir Chaves, CBPP...Maratona CBOK 2012 - Cap 6 – Gerenciamento de desempenho – Nicir Chaves, CBPP...
Maratona CBOK 2012 - Cap 6 – Gerenciamento de desempenho – Nicir Chaves, CBPP...
 
Plano de Negócio e o Processo Empreendedor.pdf
Plano de Negócio e o Processo Empreendedor.pdfPlano de Negócio e o Processo Empreendedor.pdf
Plano de Negócio e o Processo Empreendedor.pdf
 

Último

Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...E-Commerce Brasil
 
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...E-Commerce Brasil
 
b2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdf
b2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdfb2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdf
b2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdfRenandantas16
 
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...E-Commerce Brasil
 
Pesquisa de satisfação - Encontro Fazemos Acontecer
Pesquisa de satisfação - Encontro Fazemos AcontecerPesquisa de satisfação - Encontro Fazemos Acontecer
Pesquisa de satisfação - Encontro Fazemos AcontecerMarina Evangelista
 
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...imostorept
 
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptxCavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptxEduardoRodriguesOliv2
 

Último (7)

Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
 
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
 
b2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdf
b2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdfb2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdf
b2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdf
 
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
 
Pesquisa de satisfação - Encontro Fazemos Acontecer
Pesquisa de satisfação - Encontro Fazemos AcontecerPesquisa de satisfação - Encontro Fazemos Acontecer
Pesquisa de satisfação - Encontro Fazemos Acontecer
 
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...
 
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptxCavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
 

Introdução e vendas.pptx

  • 1.
  • 3. PLANEJAMENTO E CONTROLE DE RESULTADOS (PCR) • Ferramenta de auxílio à tomada de decisão administrativa • Extensão e complementação do planejamento estratégico • Procura adequar as operações da empresa aos objetivos de curto e longo prazos
  • 4. Processo de Planejamento, Orçamento e Controle
  • 5. Processo de Planejamento, Orçamento e Controle
  • 6. • É a expressão monetária de um plano operacional. • É a etapa final do processo de planejamento. • Fornece um compromisso de realização. • É um instrumento de acompanhamento e contínua avaliação de desempenho das atividades e dos departamentos. Orçamento Empresarial
  • 7. Orçamento – Aplicação nas empresas • Borinelli (2006) – Principal atividade desenvolvida pelos Controllers da 100 maiores empresas paulistas. • Frezzati (2007) e Soutes (2006) – Orçamento entre os principais artefatos de contabilidade gerencial utilizada por empresas brasileiras • O mesmo é válido em estudos de CBK (Common Based Knowledge) para contadores em diversas partes do mundo.
  • 8. Orçamento – Aplicação nas empresas • Miranda (2011) • 13 de 15 livros de contabilidade gerencial em media 10% das paginas • Esta entre as 3 principais atividades de profissionais da área financeira/controladoria • Esta também entre os 3 principais artefatos de contabilidade gerencial (perde para fluxo de caixa e sistemas erp) • Miranda (2016) • 193 profissionais (financeiro,controladoria) (65%) • 8,2 media importância planilhas (media geral 7,8 com 318 profissionais)
  • 9. Estrutura Orçamento Empresarial Vendas Produção Compras Consumo de Materiais Despesas Departamentais Custo dos produtos vendidos Projeção da DRE Projeção do BP Investimentos Financiamentos Caixa Despesas Financeiras Receitas Financeiras Orçamento Financeiro Orçamento Operacional
  • 10. • Vantagens • Exige que sejam concretamente fixados objetivos e políticas para a empresa e suas unidades • Com a integração de diversos orçamentos (parciais em global) força os membros da adminsitração a fazerem planos de acordo entre si aumentando sua participação na definição de objetivos • Obriga administradores a quantificarem e datarem as atividades pelas quais serão responsável; • Alta administração passa a delegar poderes e os afsta das operações diárias • Identifica pontos de eficiência e ineficiências no desempenho das unidades de negócio Orçamento Empresarial
  • 11. • Limitações • Dados do orçamento são somente estimativas e estão sujeitos a erro • Custo do sistema para sua implantação (avaliar custo X benefício) • Necessidade de uma gestão participativa Orçamento Empresarial
  • 12. • Princípios da boa utilização • Apoio da alta cúpula • Definição clara de prazos e responsabilidades • Controle deve enfocar principalmente alterações significativas – definição de critérios Orçamento Empresarial – Implantação e Utilização
  • 13. • Centros de responsabilidade • Centro de resultado – desempenho do administrador de um segmento é aferido com base na maneira pela qual o resultado é atingido • Centro de investimento – unidade geradora de resultado – desempenho medido com base na taxa de retorno do ativo a ela alocado. • Arbitrariedade? (preço de transferência, pesquisa...) • Plano de contas por centro de responsabilidade Orçamento Empresarial – Responsabilidade e Controle
  • 14. • Participação de todos é importante para o exito de sua implantação e é facilitada pela delegação de responsabilidades. • Quando do surgimento de desvios os setor de controle pode ser visto como agente policialesco, e muitas vezes age desta forma, assim deve-se: • Orçamento - > definição de padrões de desempenho para melhorias e não como instrumento de pressão • Não substituir planos por orçamento • Definição clara das linhas de autoridade e de responsabilidade • Relatórios devem enfocar mais aspectos operacionais do que contábeis • Controladoria: implanta, mantêm e coordena e não emite ordens aos setores operacionais Orçamento Empresarial – Problemas Comportamentais
  • 15. • Período de cobertura do orçamento • Projetos (da aquisição de insumos até o recimento – mais apropriado para grandes projetos) • Períodos fixos (associação ao processo da contabilidade) • Anual com segmentos mensais e trimestrais que facilitam ajsutes de previsões por informação ser mais concreta • Elaboração de manual de apoio a elaboração, controle e desenvolvimento de relatórios: • Formulários de planos orçamentários • Cronogramas • Relatórios de controle • Quem deve receber as informações... Orçamento Empresarial – Exigências importantes
  • 16. Orçamento anual • Ter planejamento formal ou informal de longo prazo; • Sempre haverá um planejamento orçamentário anual; • última etapa do planejamento formal. • O início da preparação do orçamento anual é o resultado da conjugação de uma análise das condições externas da empresa (Oportunidades e Ameaças em potencial, além de recursos).
  • 17. Quais informações são relevantes e importantes para as áreas? • Áreas de mercado • Produtos • Pessoal • Relações públicas • Finanças • Produção e outras
  • 18. Orçamento anual • A elaboração de um orçamento a cada período de 12 meses é o detalhamento das políticas, metas e condições esperadas de atividade nesse período de 12 meses. • Para um plano de 12 meses que coincide com o ano civil (janeiro a Dezembro) é melhor começar em setembro ou outubro. • Cada administrador de área deve iniciar seu próprio planejamento com uma idéia do programa global do qual seu plano será parte.
  • 19. Orçamento anual - início • Previsão de vendas (avaliar estoques e produção) • Quando produção restrita, ela deve ser o ponto de partida. • Orçamento de produção: • Estoque final desejado de produtos acabados + vendas orçadas - Estoque inicial desejado de produtos acabados
  • 20. Orçamento anual – Papel do Estoque • Elo de coordenação entre produção e vendas, funcionando como um amortecedor que atende às necessidades de produtos da área comercial quando a procura é muito intensa, e também atende as exigências da produção, na utilização de operários, máquinas e instalações.
  • 21. Estrutura Orçamento Empresarial Vendas Produção Compras Consumo de Materiais Despesas Departamentais Custo dos produtos vendidos Projeção da DRE Projeção do BP Investimentos Financiamentos Caixa Despesas Financeiras Receitas Financeiras Orçamento Financeiro Orçamento Operacional
  • 22. Orçamento de Vendas - Condicionantes Básicos • Diagnóstico da empresa • Macroambiente • Restrições Internas • Que problemas ou limitações terá a empresa internamente para atender à procura de seus produtos? • Capacidade produtiva • Pessoal habilitado • Capital de giro... • Restrições Externas • Que problemas ou limitações terá a empresa na relação com seu meio ambiente para atender à procura de seus produtos?
  • 23. Decisões Fundamentais • Objetivos – claros e diretos • Políticas de Marketing: preços, produtos, distribuição e propaganda.
  • 24. • Normalmente inicia a montagem do plano • Os demais orçamentos dependem dele. • Expressa julgamento da empresa sobre: • Conhecimento das condições atuais • Meio externo • Impacto dos objetivos sobre a empresa • Estratégias de curto e longo prazos • • Divide-se em: • Plano de venda dos serviços e produtos • Plano de propaganda e publicidade • Plano de despesas comerciais • A parte mais importante diz respeito ao plano de vendas. Os demais existem para suportá-lo. Plano de Marketing
  • 25. Plano de Marketing • Plano de vendas ou prestação de serviços • Relação com o plano estratégico • Participação da equipe de vendas • Definição de metas: estatística (dados passados),Julgamento (feeling da equipe comercial) • Os dados históricos são utilizados no sentido de relacionar os desempenhos passados e presentes com aqueles que se pretende para o futuro. • Plano de comunicação com o mercado • Imagem organizacional e /ou produto o mercado • Ações da área de propaganda e publicidade (imagem institucional) • Ações voltadas para imagem do produto ou serviço - desenvolvidas com base no perfil (produto, volume e preços) • Plano de despesas comerciais • Projeções dos gastos com a estrutura comercial (salários e encargos, marketing do produto, pesquisa de mercado e administração de vendas) (Frezatti, 2006)
  • 26. Questões – Modelo de Previsão Vendas • Como é medida a precisão (erro) das previsões e como é avaliado o desempenho? • Quais são as variáveis relevantes nas previsões de vendas?
  • 27. ASPECTOS EXTERNOS podem influenciar a comercialização dos produtos e serviços da empresa Cenários Econômico / Político / regulatório • aumento, ou redução da renda da população-alvo, • cotação do dólar, • expectativas de crescimento da atividade econômica, • eleições, • redução, ou aumento do número de empregados no mercado de trabalho, • entrada e saída de concorrentes, • lançamento de novos produtos pela concorrência etc.
  • 28. aspectos externos podem influenciar a comercialização dos produtos e serviços da empresa • deve ser considerada a sazonalidade, lembrando também dos eventos com prazo maior que um ano como eleições, copa do mundo, olimpíadas, festas locais etc
  • 29. Tipos de Análise • De modo geral, uma técnica de previsão consiste no cálculo matemático ou estatístico empregado para converter dados históricos e parâmetros em quantidades futuras. • Técnicas qualitativas. Estas técnicas dependem exclusivamente do expertise do(s) previsor(es), sendo geralmente mais caras e trabalhosas que os métodos quantitativos de previsão. São ideais para situações onde não há séries históricas disponíveis e/ou o julgamento humano é necessário, sendo desenvolvidas através de pesquisas de opinião, painéis e reuniões de especialistas. Técnicas quantitativas. Estas técnicas dividem-se em dois subgrupos principais: séries temporais e modelos causais. As técnicas de séries temporais utilizam dados históricos de vendas como base para determinação de padrões que podem se repetir no futuro.
  • 30. Métodos de Estimação da procura futura - Qualitativa • O QUE SE DIZ: • Levantamentos de intenções de compradores • Levantamento de opiniões de vendedores • Levantamento de opiniões de especialistas • O QUE SE FAZ: • Mercado-teste para produtos novos – difícil elaboração da demanda • Pouca quantidade de produto
  • 31. Modelo Quantitativos • Desta forma, a execução de previsões de vendas eficazes necessita de um procedimento que integre três componentes principais: • as técnicas de previsão, • as novas tecnologias de informação (sistemas de suporte à decisão) e • o gerenciamento das pessoas.
  • 32. Bases de Dados O Processo de Previsão de Vendas Usuários Técnica de Previsão Tecnologias De Informação Gerenciamento de Pessoas Histórico: -Vendas -Preços -Promoções -Ações da Concorrência •Finanças •Marketing •Compras •Produção •Logística
  • 33. As empresas, portanto, devem adotar procedimentos de previsão de acordo com suas necessidades de previsão no que diz respeito: • ao horizonte de previsão (curto, médio ou longo prazo), • tipo de produto (classe A, B ou C; novo ou já existente), • tipo de decisão a ser tomada (o departamento que vai usar a previsão).
  • 34. Modelos de Previsão de Demanda
  • 35. Modelos de Previsão de Demanda
  • 36. Métodos Quantitativos Breve descrição Modelos de Previsão Extrapolação A partir de dados passados de vendas, da análise das sazonalidades e dos ciclos de vendas projeta se a previsão de vendas. Suavização Exponencial Aplicação particular da média ponderada e da média móvel – premissa de que os dados disponíveis para o cálculo da previsão tornam-se cada vez menos relevantes conforme o aumento de sua idade. Há a associação de pesos mais altos aos dados mais recentes. Média Simples Previsão é feita a partir da média aritmética das demandas passadas. Considera o mesmo peso para todos os dados históricos. Média Móvel Muito útil na suavização de curvas que representam tendências e atenuação de distorções (como sazonalidades). Média dos N dados mais recentes. Atribui o mesmo peso para todos os dados no cálculo da previsão, além de necessitar de uma grande quantidade de dados para a produção de bons resultados. Box-Jenkins (ARIMA) Modelo que apresenta o menor erro. Considera-se série histórica de vendas, em ordem cronológica, em que se realizam análises de autocorrelações e autocorrelações parciais, para se calcular uma estimação dos parâmetros, minimizando o erro quadrático. A grande vantagem do modelo é o diagnóstico dos resíduos de tal forma que os parâmetros estimados apresentem o erro quadrático mínimo. Ferramenta acurada e custosa, que requer maior tempo para a análise. Correlação e Regressão A análise de regressão é muito utilizada para o desenvolvimento da função de demanda (pode envolver fator simples ou múltiplos fatores). A relação de correlação entre os diversos fatores pode ser linear ou não (logarítmica, exponencial, etc.) Modelos Econométricos São consideradas variáveis endógenas, como exógenas. São modelos complexos que requerem a utilização de especialistas em estatística.