SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 56
Botropsis bilineata
Clelia clelia
Oxybelis aeneus
Corallus sp.
Elapomorphus mertensi
Philodryas olfersii
Chalcides striatus
(cobra de pernas tridactila)
• Coração (2 átrios e 1
ventrículo)
• 20 a 70 batimentos/min
• Pulmão esquerdo é atrofiado ou
ausentes
• Pulmão com comprimento
excede 2/3 do corpo
• Figado alongado
• Rins alongados e assimétricos
• Cloaca transversal
 Epiderme com queratina β
 Muda de pele
 Pele sem glândulas
 Glândulas anais
 Glândulas de sal
 Pele avascularizada
Proteroglifa
solenoglifa
aglifa
Fosseta labial
• Ovíparus
• Vivíparus
• Ovovivíparus
FAMÍLIA COLUBRIDAEFAMÍLIA COLUBRIDAE
• 2/3 das serpentes do mundo2/3 das serpentes do mundo
Philodryas olfersii Clelia clelia
Elapomorphus mertensi
FAMÍLIA VIPERIDAEFAMÍLIA VIPERIDAE
• SolenóglifasSolenóglifas
• Caudas curtasCaudas curtas
• Cabeças triangularesCabeças triangulares
Crotalus durissus Lachesis muta rhombeata
Bothrops moojeni
Micrurus corallinus
FAMÍLIA ELAPIDAEFAMÍLIA ELAPIDAE
• Serpentes com dentição com proteróglifaSerpentes com dentição com proteróglifa
• Presas imóveisPresas imóveis
Micrurus filiformis filiformis
Oxyrhopus sp.
Coral Falsa
FAMÍLIA BOIDAEFAMÍLIA BOIDAE
• Com maior diversidade nos trópicosCom maior diversidade nos trópicos
• No machos esporão cloacalNo machos esporão cloacal
Corallus caninus
Eunectus murinus (Sucuri)
Boa constrictor
• Sucuri
• Animal constritor
Boa constrictor constrictor (Jibóia)
EPIDEMIOLOGIA DOS ACIDENTESEPIDEMIOLOGIA DOS ACIDENTES
GÊNERO DA SERPENTEGÊNERO DA SERPENTE
BothropsBothrops – 86,16%– 86,16%
CrotalusCrotalus – 8,94%– 8,94%
LachesisLachesis – 2,39%– 2,39%
MicrurusMicrurus – 0,63%– 0,63%
Outros – 1,88%Outros – 1,88%
LOCAL DA PICADALOCAL DA PICADA
Membros inferiores – 62,75%Membros inferiores – 62,75%
Membros superiores – 12, 15%Membros superiores – 12, 15%
Outros locais – 25,1%Outros locais – 25,1%
SEXO, FAIXA ETÁRIA E PROFISSÃOSEXO, FAIXA ETÁRIA E PROFISSÃO
Masculino – 76,84%Masculino – 76,84%
Feminino – 23,16Feminino – 23,16
Idade – 15 a 49 anos (64,0%)Idade – 15 a 49 anos (64,0%)
Trabalhador ruralTrabalhador rural
HEMORRAGIASHEMORRAGIAS
Bothrops atrox
Bothrops jararaca
NECROSESNECROSES Bothrops atrox
Bothrops jararaca
Bothrops moojeni
PATOGENIA – AÇÃO VASCULOTÓXICAPATOGENIA – AÇÃO VASCULOTÓXICA
É causada por fatoresÉ causada por fatores
hemorrágicoshemorrágicos
denominadosdenominados
hemorraginas. Estashemorraginas. Estas
são encontradas nossão encontradas nos
venenos botrópicos,venenos botrópicos,
crotálicos e laquéticos.crotálicos e laquéticos.
Agem sobre os vasosAgem sobre os vasos
capilares, destruindo ecapilares, destruindo e
rompendo a membranarompendo a membrana
basal.basal.
EPISTAXEEPISTAXE
Crotalus durissus terrificus
FÁCIES MIASTÊNICO OU NEUROTÓXICOFÁCIES MIASTÊNICO OU NEUROTÓXICO
Crotalus durissus terrificusCrotalus durissus terrificus Crotalus durissus terrificusCrotalus durissus terrificus
QUADRO CLÍNICO – ACIDENTE LAQUÉTICOQUADRO CLÍNICO – ACIDENTE LAQUÉTICO
As manifestaçõesAs manifestações
clínicas sãoclínicas são
semelhantes aossemelhantes aos
acidentes botrópicos.acidentes botrópicos.
Além disso, os doentesAlém disso, os doentes
podem apresentarpodem apresentar
sintomas de excitaçãosintomas de excitação
vagal, tais comovagal, tais como
bradicardia, diarréia,bradicardia, diarréia,
hipotensão arterial ehipotensão arterial e
choque.choque. As complicações são as mesmas doAs complicações são as mesmas do
acidente botrópico.acidente botrópico.
QUADRO CLÍNICO – ACIDENTE ELAPÍDICOQUADRO CLÍNICO – ACIDENTE ELAPÍDICO
A sintomatologia ocorreA sintomatologia ocorre
minutos após, em virtudeminutos após, em virtude
do baixo peso moleculardo baixo peso molecular
das neurotoxinas. Odas neurotoxinas. O
doente apresenta fáciesdoente apresenta fácies
miastênico, ptosemiastênico, ptose
palpebral bilateral epalpebral bilateral e
paralisia flácida dosparalisia flácida dos
membros. O quadro é ummembros. O quadro é um
dos mais graves devido ados mais graves devido a
elevada incidência deelevada incidência de
paralisia respiratória deparalisia respiratória de
instalação súbita.instalação súbita.
SERPENTES CONSIDERADAS NÃOSERPENTES CONSIDERADAS NÃO
PEÇONHENTASPEÇONHENTAS
Acidente comAcidente com
Philodryas olfersiiPhilodryas olfersii
Acidente comAcidente com BoaBoa
constrictorconstrictor
Serpentes brasileiras

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Deuterostômios 1ª parte
Deuterostômios   1ª parteDeuterostômios   1ª parte
Deuterostômios 1ª parteMarcia Bantim
 
371742336 anatomia-e-fisiologia-das-aves
371742336 anatomia-e-fisiologia-das-aves371742336 anatomia-e-fisiologia-das-aves
371742336 anatomia-e-fisiologia-das-avesTorquato Neto
 
Instalações para gado de corte
Instalações para gado de corteInstalações para gado de corte
Instalações para gado de corteLiliam Da Paixão
 
2EM #14 Evolução dos peixes
2EM #14 Evolução dos peixes2EM #14 Evolução dos peixes
2EM #14 Evolução dos peixesProfessô Kyoshi
 
Aula 04 apresentação biologia e identificação de serpentes
Aula 04   apresentação biologia e identificação de serpentesAula 04   apresentação biologia e identificação de serpentes
Aula 04 apresentação biologia e identificação de serpentesfilipe
 
Boas práticas de manejo de bezerros
Boas práticas de manejo de bezerrosBoas práticas de manejo de bezerros
Boas práticas de manejo de bezerrosAgroTalento
 
Protozoa / Protozoários
Protozoa / ProtozoáriosProtozoa / Protozoários
Protozoa / ProtozoáriosRafael Nunes
 
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...Cínthia Lima
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasivaresenfe2013
 
Informativo tuberculose zoonose
Informativo tuberculose   zoonoseInformativo tuberculose   zoonose
Informativo tuberculose zoonoseFmodri3
 
Os Animais Domésticos
Os Animais DomésticosOs Animais Domésticos
Os Animais DomésticosMaria Freitas
 
Seminário sobre Os Anelídeos
Seminário sobre Os Anelídeos Seminário sobre Os Anelídeos
Seminário sobre Os Anelídeos Simone Costa
 
Aula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósiaAula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósiaUFSC
 

Mais procurados (20)

Deuterostômios 1ª parte
Deuterostômios   1ª parteDeuterostômios   1ª parte
Deuterostômios 1ª parte
 
371742336 anatomia-e-fisiologia-das-aves
371742336 anatomia-e-fisiologia-das-aves371742336 anatomia-e-fisiologia-das-aves
371742336 anatomia-e-fisiologia-das-aves
 
Instalações para gado de corte
Instalações para gado de corteInstalações para gado de corte
Instalações para gado de corte
 
2EM #14 Evolução dos peixes
2EM #14 Evolução dos peixes2EM #14 Evolução dos peixes
2EM #14 Evolução dos peixes
 
Biologia e controle de serpentes peçonhentas
Biologia e controle de serpentes peçonhentasBiologia e controle de serpentes peçonhentas
Biologia e controle de serpentes peçonhentas
 
Aula 04 apresentação biologia e identificação de serpentes
Aula 04   apresentação biologia e identificação de serpentesAula 04   apresentação biologia e identificação de serpentes
Aula 04 apresentação biologia e identificação de serpentes
 
Boas práticas de manejo de bezerros
Boas práticas de manejo de bezerrosBoas práticas de manejo de bezerros
Boas práticas de manejo de bezerros
 
Ap ciclostomata
Ap ciclostomataAp ciclostomata
Ap ciclostomata
 
Protozoa / Protozoários
Protozoa / ProtozoáriosProtozoa / Protozoários
Protozoa / Protozoários
 
O que é Relato Integrado
O que é Relato IntegradoO que é Relato Integrado
O que é Relato Integrado
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
 
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
MANUAL DE BOAS PRÁTICASMANUAL DE BOAS PRÁTICAS
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
 
Informativo tuberculose zoonose
Informativo tuberculose   zoonoseInformativo tuberculose   zoonose
Informativo tuberculose zoonose
 
Cordados
CordadosCordados
Cordados
 
Os Animais Domésticos
Os Animais DomésticosOs Animais Domésticos
Os Animais Domésticos
 
Seminário sobre Os Anelídeos
Seminário sobre Os Anelídeos Seminário sobre Os Anelídeos
Seminário sobre Os Anelídeos
 
Aula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósiaAula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósia
 
Cbo lista
Cbo listaCbo lista
Cbo lista
 

Destaque

Serpentes - Nutrição
Serpentes - NutriçãoSerpentes - Nutrição
Serpentes - Nutriçãotammygerbasi
 
Esquema para tratamento com soro antipeçonhento
Esquema para tratamento com soro antipeçonhentoEsquema para tratamento com soro antipeçonhento
Esquema para tratamento com soro antipeçonhentoNeuder Wesley
 
06 ofidismo - enfermaria 18 – clínica médica rj
06  ofidismo - enfermaria 18 – clínica médica rj06  ofidismo - enfermaria 18 – clínica médica rj
06 ofidismo - enfermaria 18 – clínica médica rjadrianomedico
 
Manual de Diagnóstico e Tratamento para Acidentes com Animais Peçonhentos - M...
Manual de Diagnóstico e Tratamento para Acidentes com Animais Peçonhentos - M...Manual de Diagnóstico e Tratamento para Acidentes com Animais Peçonhentos - M...
Manual de Diagnóstico e Tratamento para Acidentes com Animais Peçonhentos - M...Augusto Moraes
 
Acidentes Ofidicos Serpentes Brasil 2015
Acidentes Ofidicos Serpentes Brasil 2015Acidentes Ofidicos Serpentes Brasil 2015
Acidentes Ofidicos Serpentes Brasil 2015Alexandre Naime Barbosa
 
Acidentes ofídicos. cuidados imediatos e tratamentos
Acidentes ofídicos. cuidados imediatos e tratamentosAcidentes ofídicos. cuidados imediatos e tratamentos
Acidentes ofídicos. cuidados imediatos e tratamentosadrianomedico
 
Aula de répteis
Aula de répteisAula de répteis
Aula de répteisIlsoflavio
 
CIT - RS- Peçonhentos - Bombeiros
CIT - RS- Peçonhentos - BombeirosCIT - RS- Peçonhentos - Bombeiros
CIT - RS- Peçonhentos - BombeirosDeise
 
2422010193955manual serpentes peconhentas
2422010193955manual serpentes peconhentas2422010193955manual serpentes peconhentas
2422010193955manual serpentes peconhentaskarol_ribeiro
 

Destaque (20)

Cobras
CobrasCobras
Cobras
 
Serpentes - Nutrição
Serpentes - NutriçãoSerpentes - Nutrição
Serpentes - Nutrição
 
Herpetologia
HerpetologiaHerpetologia
Herpetologia
 
Apresentação cobras ana
Apresentação cobras   anaApresentação cobras   ana
Apresentação cobras ana
 
Esquema para tratamento com soro antipeçonhento
Esquema para tratamento com soro antipeçonhentoEsquema para tratamento com soro antipeçonhento
Esquema para tratamento com soro antipeçonhento
 
06 ofidismo - enfermaria 18 – clínica médica rj
06  ofidismo - enfermaria 18 – clínica médica rj06  ofidismo - enfermaria 18 – clínica médica rj
06 ofidismo - enfermaria 18 – clínica médica rj
 
Manual de Diagnóstico e Tratamento para Acidentes com Animais Peçonhentos - M...
Manual de Diagnóstico e Tratamento para Acidentes com Animais Peçonhentos - M...Manual de Diagnóstico e Tratamento para Acidentes com Animais Peçonhentos - M...
Manual de Diagnóstico e Tratamento para Acidentes com Animais Peçonhentos - M...
 
Acidentes Ofidicos Serpentes Brasil 2015
Acidentes Ofidicos Serpentes Brasil 2015Acidentes Ofidicos Serpentes Brasil 2015
Acidentes Ofidicos Serpentes Brasil 2015
 
Animais perçonhentos
Animais perçonhentosAnimais perçonhentos
Animais perçonhentos
 
Reprodução cobras
Reprodução cobras Reprodução cobras
Reprodução cobras
 
Ofidismo
OfidismoOfidismo
Ofidismo
 
Acidentes ofídicos. cuidados imediatos e tratamentos
Acidentes ofídicos. cuidados imediatos e tratamentosAcidentes ofídicos. cuidados imediatos e tratamentos
Acidentes ofídicos. cuidados imediatos e tratamentos
 
Acidentes Ofdicos
Acidentes OfdicosAcidentes Ofdicos
Acidentes Ofdicos
 
Répteis
 Répteis Répteis
Répteis
 
Aula de répteis
Aula de répteisAula de répteis
Aula de répteis
 
CIT - RS- Peçonhentos - Bombeiros
CIT - RS- Peçonhentos - BombeirosCIT - RS- Peçonhentos - Bombeiros
CIT - RS- Peçonhentos - Bombeiros
 
2422010193955manual serpentes peconhentas
2422010193955manual serpentes peconhentas2422010193955manual serpentes peconhentas
2422010193955manual serpentes peconhentas
 
RéPteis
RéPteisRéPteis
RéPteis
 
Repteis
RepteisRepteis
Repteis
 
Animais peçonhentos ofidismo
Animais peçonhentos ofidismoAnimais peçonhentos ofidismo
Animais peçonhentos ofidismo
 

Semelhante a Serpentes brasileiras (20)

Aula 4 - Protista.ppt
Aula 4 - Protista.pptAula 4 - Protista.ppt
Aula 4 - Protista.ppt
 
Platelmintos & nematodeos
Platelmintos & nematodeosPlatelmintos & nematodeos
Platelmintos & nematodeos
 
Pr+ütica filo nematoda
Pr+ütica filo nematodaPr+ütica filo nematoda
Pr+ütica filo nematoda
 
ZOOLOGIA - CORDdddddddddddADOS1 ppt..ppt
ZOOLOGIA - CORDdddddddddddADOS1 ppt..pptZOOLOGIA - CORDdddddddddddADOS1 ppt..ppt
ZOOLOGIA - CORDdddddddddddADOS1 ppt..ppt
 
Ascarídeos e enterobíase
Ascarídeos e enterobíaseAscarídeos e enterobíase
Ascarídeos e enterobíase
 
Trab pronto
Trab prontoTrab pronto
Trab pronto
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
 
Chondrichthyes
Chondrichthyes  Chondrichthyes
Chondrichthyes
 
trabalho.pdf
trabalho.pdftrabalho.pdf
trabalho.pdf
 
Tecidosanguineo 110316111550-phpapp02
Tecidosanguineo 110316111550-phpapp02Tecidosanguineo 110316111550-phpapp02
Tecidosanguineo 110316111550-phpapp02
 
Zoologia aula 05
Zoologia aula 05Zoologia aula 05
Zoologia aula 05
 
Reino metazoa
Reino metazoaReino metazoa
Reino metazoa
 
Filo Cordados (Power Point)
Filo Cordados (Power Point)Filo Cordados (Power Point)
Filo Cordados (Power Point)
 
Aula cordados
Aula cordadosAula cordados
Aula cordados
 
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
 
Arthropoda 1
Arthropoda 1Arthropoda 1
Arthropoda 1
 
Reino metazoa
Reino metazoaReino metazoa
Reino metazoa
 
Reino protista novo
Reino protista  novoReino protista  novo
Reino protista novo
 
Tecido sanguineo
Tecido sanguineoTecido sanguineo
Tecido sanguineo
 
2016 Frente 2 módulo 7 o sangue
2016 Frente 2 módulo 7 o sangue2016 Frente 2 módulo 7 o sangue
2016 Frente 2 módulo 7 o sangue
 

Mais de Evandro Brandão

Mais de Evandro Brandão (10)

Apostila i-ching
Apostila i-chingApostila i-ching
Apostila i-ching
 
Genetica vi 2012
Genetica vi 2012Genetica vi 2012
Genetica vi 2012
 
Doc dsc nome_arqui20170612151541
Doc dsc nome_arqui20170612151541Doc dsc nome_arqui20170612151541
Doc dsc nome_arqui20170612151541
 
Infografico conteudos-mais-cobrados-no-enem-de-todos-os-tempos
Infografico conteudos-mais-cobrados-no-enem-de-todos-os-temposInfografico conteudos-mais-cobrados-no-enem-de-todos-os-tempos
Infografico conteudos-mais-cobrados-no-enem-de-todos-os-tempos
 
009 fisica termodinamica
009 fisica termodinamica009 fisica termodinamica
009 fisica termodinamica
 
História br
História brHistória br
História br
 
Revista enem ciências da natureza
Revista enem ciências da naturezaRevista enem ciências da natureza
Revista enem ciências da natureza
 
Apostila de estat_stica
Apostila de estat_sticaApostila de estat_stica
Apostila de estat_stica
 
Ufrn 2013
Ufrn 2013Ufrn 2013
Ufrn 2013
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 

Último

EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docCarolineWaitman
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )MayaraDaSilvaAssis
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 

Último (20)

EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 

Serpentes brasileiras

  • 1.
  • 2.
  • 3. Botropsis bilineata Clelia clelia Oxybelis aeneus Corallus sp. Elapomorphus mertensi Philodryas olfersii
  • 4.
  • 5.
  • 6. Chalcides striatus (cobra de pernas tridactila)
  • 7. • Coração (2 átrios e 1 ventrículo) • 20 a 70 batimentos/min • Pulmão esquerdo é atrofiado ou ausentes • Pulmão com comprimento excede 2/3 do corpo • Figado alongado • Rins alongados e assimétricos • Cloaca transversal
  • 8.  Epiderme com queratina β  Muda de pele  Pele sem glândulas  Glândulas anais  Glândulas de sal  Pele avascularizada
  • 9.
  • 10.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 20.
  • 21.
  • 23. FAMÍLIA COLUBRIDAEFAMÍLIA COLUBRIDAE • 2/3 das serpentes do mundo2/3 das serpentes do mundo Philodryas olfersii Clelia clelia Elapomorphus mertensi
  • 24. FAMÍLIA VIPERIDAEFAMÍLIA VIPERIDAE • SolenóglifasSolenóglifas • Caudas curtasCaudas curtas • Cabeças triangularesCabeças triangulares Crotalus durissus Lachesis muta rhombeata Bothrops moojeni
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 36. FAMÍLIA ELAPIDAEFAMÍLIA ELAPIDAE • Serpentes com dentição com proteróglifaSerpentes com dentição com proteróglifa • Presas imóveisPresas imóveis Micrurus filiformis filiformis
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41. FAMÍLIA BOIDAEFAMÍLIA BOIDAE • Com maior diversidade nos trópicosCom maior diversidade nos trópicos • No machos esporão cloacalNo machos esporão cloacal Corallus caninus Eunectus murinus (Sucuri) Boa constrictor
  • 42. • Sucuri • Animal constritor
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47.
  • 48. EPIDEMIOLOGIA DOS ACIDENTESEPIDEMIOLOGIA DOS ACIDENTES GÊNERO DA SERPENTEGÊNERO DA SERPENTE BothropsBothrops – 86,16%– 86,16% CrotalusCrotalus – 8,94%– 8,94% LachesisLachesis – 2,39%– 2,39% MicrurusMicrurus – 0,63%– 0,63% Outros – 1,88%Outros – 1,88% LOCAL DA PICADALOCAL DA PICADA Membros inferiores – 62,75%Membros inferiores – 62,75% Membros superiores – 12, 15%Membros superiores – 12, 15% Outros locais – 25,1%Outros locais – 25,1% SEXO, FAIXA ETÁRIA E PROFISSÃOSEXO, FAIXA ETÁRIA E PROFISSÃO Masculino – 76,84%Masculino – 76,84% Feminino – 23,16Feminino – 23,16 Idade – 15 a 49 anos (64,0%)Idade – 15 a 49 anos (64,0%) Trabalhador ruralTrabalhador rural
  • 50. NECROSESNECROSES Bothrops atrox Bothrops jararaca Bothrops moojeni
  • 51. PATOGENIA – AÇÃO VASCULOTÓXICAPATOGENIA – AÇÃO VASCULOTÓXICA É causada por fatoresÉ causada por fatores hemorrágicoshemorrágicos denominadosdenominados hemorraginas. Estashemorraginas. Estas são encontradas nossão encontradas nos venenos botrópicos,venenos botrópicos, crotálicos e laquéticos.crotálicos e laquéticos. Agem sobre os vasosAgem sobre os vasos capilares, destruindo ecapilares, destruindo e rompendo a membranarompendo a membrana basal.basal. EPISTAXEEPISTAXE Crotalus durissus terrificus
  • 52. FÁCIES MIASTÊNICO OU NEUROTÓXICOFÁCIES MIASTÊNICO OU NEUROTÓXICO Crotalus durissus terrificusCrotalus durissus terrificus Crotalus durissus terrificusCrotalus durissus terrificus
  • 53. QUADRO CLÍNICO – ACIDENTE LAQUÉTICOQUADRO CLÍNICO – ACIDENTE LAQUÉTICO As manifestaçõesAs manifestações clínicas sãoclínicas são semelhantes aossemelhantes aos acidentes botrópicos.acidentes botrópicos. Além disso, os doentesAlém disso, os doentes podem apresentarpodem apresentar sintomas de excitaçãosintomas de excitação vagal, tais comovagal, tais como bradicardia, diarréia,bradicardia, diarréia, hipotensão arterial ehipotensão arterial e choque.choque. As complicações são as mesmas doAs complicações são as mesmas do acidente botrópico.acidente botrópico.
  • 54. QUADRO CLÍNICO – ACIDENTE ELAPÍDICOQUADRO CLÍNICO – ACIDENTE ELAPÍDICO A sintomatologia ocorreA sintomatologia ocorre minutos após, em virtudeminutos após, em virtude do baixo peso moleculardo baixo peso molecular das neurotoxinas. Odas neurotoxinas. O doente apresenta fáciesdoente apresenta fácies miastênico, ptosemiastênico, ptose palpebral bilateral epalpebral bilateral e paralisia flácida dosparalisia flácida dos membros. O quadro é ummembros. O quadro é um dos mais graves devido ados mais graves devido a elevada incidência deelevada incidência de paralisia respiratória deparalisia respiratória de instalação súbita.instalação súbita.
  • 55. SERPENTES CONSIDERADAS NÃOSERPENTES CONSIDERADAS NÃO PEÇONHENTASPEÇONHENTAS Acidente comAcidente com Philodryas olfersiiPhilodryas olfersii Acidente comAcidente com BoaBoa constrictorconstrictor